II Reis

O Segundo Livro dos Reis

 

CAPÍTULO 1

Moabe se rebela – Elias traz fogo do céu sobre os capitães – Ele conta ao rei sua morte.

1 Então Moabe se rebelou contra Israel depois da morte de Acabe.

2 E Acazias caiu de uma grade no seu cenáculo que estava em Samaria, e adoeceu; e enviou mensageiros, e disse-lhes: Ide, perguntai a Baalzebub, deus de Ecrom, se me curarei desta doença.

3 Mas o anjo do Senhor disse a Elias, o tisbita: Levanta-te, sobe ao encontro dos mensageiros do rei de Samaria e dize-lhes: Não é porque não há Deus em Israel, para que vás consultar Baalzebub o deus de Ecrom?

4 Agora, pois, assim diz o Senhor: Não descerás da cama em que subiste, mas certamente morrerás. E Elias partiu.

5 E, voltando os mensageiros para ele, disse-lhes: Por que voltastes agora?

6 E eles lhe disseram: Um homem veio ao nosso encontro e nos disse: Ide, voltai ao rei que vos enviou e dizei-lhe: Assim diz o Senhor: Não é porque não há Deus em Israel, para que mandes consultar a Baalzebub, deus de Ecrom? por isso não descerás da cama em que subiste, mas certamente morrerás.

7 E disse-lhes: Que homem era aquele que veio ao vosso encontro e vos disse estas palavras?

8 E eles lhe responderam: Era um homem peludo, e cingido com um cinto de couro nos lombos. E ele disse: É Elias, o tisbita.

9 Então o rei enviou-lhe um capitão de cinqüenta com seus cinqüenta. E ele foi até ele; e eis que estava sentado no cume de um monte. E disse-lhe: Homem de Deus, disse o rei: Desce.

10 E Elias respondeu e disse ao capitão de cinquenta: Se eu sou um homem de Deus, então desça fogo do céu e consuma a ti e aos teus cinquenta. E desceu fogo do céu e o consumiu e aos seus cinquenta.

11 Também lhe enviou outro capitão de cinqüenta com seus cinqüenta. E ele respondeu e disse-lhe: Ó homem de Deus, assim disse o rei: Desce depressa.

12 E Elias respondeu e disse-lhes: Se eu sou homem de Deus, desça fogo do céu e consuma a ti e aos teus cinquenta. E o fogo de Deus desceu do céu, e consumiu ele e seus cinquenta.

13 E ele enviou novamente um capitão do terceiro cinqüenta com seus cinqüenta. E subiu o terceiro capitão de cinqüenta, e veio, e prostrou-se de joelhos diante de Elias, e rogava-lhe, e dizia-lhe: Ó homem de Deus, peço-te, deixa a minha vida, e a vida destes cinquenta teus servos, seja precioso aos teus olhos.

14 Eis que desceu fogo do céu e queimou os dois capitães dos primeiros cinqüenta com seus cinqüenta; portanto, que minha vida agora seja preciosa aos teus olhos.

15 E o anjo do Senhor disse a Elias: Desce com ele; não tenha medo dele. E ele se levantou, e desceu com ele ao rei.

16 E disse-lhe: Assim diz o Senhor: Visto que enviaste mensageiros para consultar Baalzebub, deus de Ecrom, não é porque não há Deus em Israel para consultar a sua palavra? portanto não descerás da cama em que subiste, mas certamente morrerás.

17 Assim ele morreu conforme a palavra do Senhor, que Elias havia falado. E Jeorão reinou em seu lugar, no segundo ano de Jeorão, filho de Jeosafá, rei de Judá; porque não tinha filho.

18 Quanto ao restante dos atos de Acazias que ele fez, não estão escritos no livro das crônicas dos reis de Israel?


CAPÍTULO 2

Elias divide o Jordão e é levado ao céu – o manto de Elias – Os jovens profetas – Eliseu cura as águas – Ursos destroem as crianças que zombavam de Eliseu.

1 E aconteceu que, quando o Senhor quis levar Elias para o céu num redemoinho, Elias foi com Eliseu de Gilgal.

2 E Elias disse a Eliseu: Fica aqui, peço-te; porque o Senhor me enviou a Betel. E disse-lhe Eliseu: Vive o Senhor, e vive a tua alma, não te deixarei. Então eles desceram para Beth-el.

3 E os filhos dos profetas que estavam em Betel saíram a Eliseu, e lhe disseram: Sabes tu que o Senhor tirará hoje o teu senhor da tua cabeça? E ele disse: Sim, eu sei; mantenha a sua paz.

4 E Elias lhe disse: Eliseu, fica aqui, peço-te; porque o Senhor me enviou a Jericó. E ele disse: Vive o senhor, e vive a tua alma, não te deixarei. Então eles vieram para Jericó.

5 E os filhos dos profetas que estavam em Jericó foram ter com Eliseu e lhe disseram: Sabes tu que o Senhor tirará hoje o teu senhor da tua cabeça? E ele respondeu: Sim, eu sei; mantenha a sua paz.

6 E Elias lhe disse: Espera, peço-te, aqui; porque o Senhor me enviou ao Jordão. E ele disse: Vive o Senhor, e vive a tua alma, não te deixarei. E os dois continuaram.

7 E cinqüenta homens dos filhos dos profetas foram e ficaram para ver de longe; e os dois pararam junto ao Jordão.

8 E Elias tomou o seu manto, e o embrulhou, e feriu as águas, e elas foram divididas aqui e ali, de modo que os dois passaram em seco.

9 E aconteceu que, passando eles, Elias disse a Eliseu: Pergunta-me o que hei de fazer por ti, antes que eu seja tirado de ti. E disse Eliseu: Rogo-te que haja sobre mim porção dobrada do teu espírito.

10 E ele disse: Coisa difícil pediste; não obstante, se me vires quando for tirado de ti, assim será para ti; mas se não, não será assim.

11 E aconteceu que, enquanto eles continuavam e falavam, eis que apareceu um carro de fogo e cavalos de fogo, e os separou ambos; e Elias subiu ao céu num redemoinho.

12 E Eliseu viu isso, e clamou: Meu pai, meu pai, o carro de Israel e seus cavaleiros! E ele não o viu mais; e ele pegou suas próprias roupas e as rasgou em dois pedaços.

13 Pegou também o manto de Elias, que dele caíra, e voltou, e parou à beira do Jordão.

14 E tomou o manto de Elias que dele caía, e feriu as águas, e disse: Onde está o Senhor Deus de Elias? E quando ele também feriu as águas, elas se separaram aqui e ali; e Eliseu passou.

15 E quando os filhos dos profetas que estavam para ver em Jericó o viram, disseram: O espírito de Elias repousa sobre Eliseu. E eles vieram ao seu encontro, e se prostraram em terra diante dele.

16 E disseram-lhe: Eis que há com teus servos cinqüenta homens fortes; deixa-os ir, rogamos-te, e procura o teu senhor; para que porventura o Espírito do Senhor não o tenha arrebatado e lançado em algum monte ou em algum vale. E ele disse: Não enviareis.

17 E, insistindo com ele, até que se envergonhou, disse: Envia. Enviaram, portanto, cinquenta homens; e eles procuraram três dias, mas não o acharam.

18 E quando eles voltaram a ele (porque ele ficou em Jericó), ele lhes disse: Não vos disse eu: Não ide?

19 E os homens da cidade disseram a Eliseu: Eis que, peço-te, a situação desta cidade é agradável, como vê meu senhor; mas a água é nula, e o solo estéril.

20 E ele disse: Traga-me uma botija nova e ponha sal nela. E eles trouxeram para ele.

21 E ele saiu à fonte das águas, e lançou o sal ali, e disse: Assim diz o Senhor: Eu curei estas águas; dali não haverá mais morte nem terra estéril.

22 Assim as águas foram curadas até o dia de hoje, conforme a palavra de Eliseu, que ele havia falado.

23 E dali subiu a Betel; e, subindo ele pelo caminho, saíram da cidade criancinhas, e zombavam dele, e lhe diziam: Sobe, calvo; sobe, careca.

24 E ele voltou, e olhou para eles e os amaldiçoou em nome do Senhor. E saíram duas ursas do bosque, e geraram quarenta e dois filhos deles.

25 E dali foi ao monte Carmelo, e dali voltou para Samaria. 


CAPÍTULO 3

Reinado de Jeorão – Mesha se rebela – Eliseu obtém água – Os moabitas vencem – O rei de Moab levanta o cerco. 

1 Jeorão, filho de Acabe, começou a reinar sobre Israel em Samaria no ano dezoito de Josafá, rei de Judá, e reinou doze anos.

2 E fez o mal aos olhos do Senhor; mas não como seu pai, e como sua mãe; pois ele tirou a imagem de Baal que seu pai havia feito.

3 Não obstante, aderiu aos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a Israel; ele não partiu daí.

4 E Mesa, rei de Moab, era pastor de ovelhas, e deu ao rei de Israel cem mil cordeiros e cem mil carneiros, com a lã.

5 Mas aconteceu que, morto Acabe, o rei de Moab se rebelou contra o rei de Israel.

6 E o rei Jeorão saiu de Samaria naquele mesmo tempo, e contou todo o Israel.

7 E ele foi e enviou a Josafá, rei de Judá, dizendo: O rei de Moab se rebelou contra mim; você irá comigo contra Moabe para a batalha? E ele disse, eu subirei; Eu sou como tu, meu povo como teu povo, e meus cavalos como teus cavalos.

8 E ele disse: Por que caminho subiremos? E ele respondeu: O caminho pelo deserto de Edom.

9 Assim foram o rei de Israel, o rei de Judá e o rei de Edom; e trouxeram uma bússola de sete dias de jornada; e não havia água para o anfitrião e para o gado que os seguia.

10 E o rei de Israel disse: Ai! que o Senhor convocou esses três reis para entregá-los nas mãos de Moabe!

11 Mas Josafá disse: Não está aqui um profeta do Senhor, para que por ele consultemos o Senhor? E um dos servos do rei de Israel respondeu e disse: Aqui está Eliseu, filho de Safat, que derramou água nas mãos de Elias.

12 E Josafá disse: A palavra do Senhor está com ele. Então o rei de Israel e Josafá e o rei de Edom desceram até ele.

13 E Eliseu disse ao rei de Israel: Que tenho eu contigo? vai aos profetas de teu pai e aos profetas de tua mãe. E o rei de Israel lhe disse: Não; porque o Senhor convocou esses três reis para entregá-los nas mãos de Moabe.

14 E disse Eliseu: Vive o Senhor dos exércitos, em cuja presença estou, certamente, se não olhasse para a presença de Josafá, rei de Judá, não olharia para ti, nem te veria.

15 Mas agora traga-me um menestrel. E aconteceu que, tocando o menestrel, a mão do Senhor veio sobre ele.

16 E ele disse: Assim diz o Senhor: Fazei este vale cheio de valas.

17 Pois assim diz o Senhor: Não vereis vento, nem vereis chuva; mas aquele vale se encherá de água, para que bebais, tanto vós como vosso gado e vossos animais.

18 E isto não passa de uma coisa leve aos olhos do Senhor; ele entregará também os moabitas nas suas mãos.

19 Ferireis todas as cidades fortificadas e todas as cidades escolhidas, e derrubareis toda árvore boa, e tapareis todos os poços de água, e destruireis com pedras todo terreno bom.

20 E aconteceu que pela manhã, quando se ofereceu a oferta de manjares, eis que veio água pelo caminho de Edom, e a terra se encheu de água.

21 E quando todos os moabitas ouviram que os reis haviam subido para lutar contra eles, reuniram todos os que podiam vestir armaduras e subir, e ficaram na fronteira.

22 E eles se levantaram de manhã cedo, e o sol brilhou sobre a água, e os moabitas viram a água do outro lado vermelha como sangue;

23 E eles disseram: Isto é sangue; os reis certamente foram mortos, e eles se feriram; agora, pois, Moabe, para o despojo.

24 E quando eles chegaram ao acampamento de Israel, os israelitas se levantaram e feriram os moabitas, de modo que eles fugiram diante deles; mas eles avançaram ferindo os moabitas, mesmo em seu país.

25 E derribaram as cidades, e em cada boa terra lançaram cada um a sua pedra, e a encheram; e taparam todos os poços de água, e derrubaram todas as árvores boas; somente em Quir-Harassete deixaram as suas pedras; no entanto, os fundibulários fizeram isso e o feriram.

26 E quando o rei de Moab viu que a batalha era muito dura para ele, ele levou consigo setecentos homens que desembainhavam espadas, para abrir caminho até o rei de Edom; mas eles não podiam.

27 Então tomou seu filho mais velho, que deveria reinar em seu lugar, e o ofereceu em holocausto sobre o muro. E houve grande indignação contra Israel; e eles se afastaram dele e voltaram para sua própria terra.


CAPÍTULO 4

O óleo da viúva – A boa sunamita – O caldo mortal – Os vinte pães.

1 Ora, certa mulher das mulheres dos filhos dos profetas clamou a Eliseu, dizendo: Morreu o teu servo, meu marido; e sabes que o teu servo temeu ao Senhor; e o credor veio para levar a ele meus dois filhos para serem escravos.

2 E Eliseu lhe disse: Que farei por ti? diga-me, o que tens em casa? E ela disse: Tua serva não tem nada em casa, a não ser uma vasilha de azeite.

3 Então ele disse: Vai, toma emprestados vasilhas de todos os teus vizinhos, mesmo vasilhas vazias; emprestar não poucos.

4 E, quando entrares, fecharás a porta sobre ti e sobre teus filhos, e derramarás em todos aqueles vasos, e deixarás de lado o que estiver cheio.

5 Então ela se afastou dele e fechou a porta sobre ela e sobre seus filhos, que lhe traziam os vasos; e ela derramou.

6 E aconteceu que, estando as vasilhas cheias, ela disse a seu filho: Traze-me ainda uma vasilha. E ele disse a ela. Não há um navio mais. E o óleo ficou.

7 Então ela veio e contou ao homem de Deus. E ele disse: Vai, vende o azeite, e paga a tua dívida, e vive tu e teus filhos do resto.

8 E aconteceu um dia que Eliseu passou a Suném, onde havia uma grande mulher; e ela o obrigou a comer pão. E foi assim que, todas as vezes que ele passava, ele se voltava para lá para comer pão.

9 E ela disse a seu marido: Eis que agora percebo que este é um homem santo de Deus, que passa continuamente por nós.

10 Façamos uma pequena câmara, peço-te, na parede; e ponhamos-lhe ali uma cama, uma mesa, um banco e um candelabro; e será que, quando ele vier a nós, entrará para lá.

11 E caiu em um dia, que ele chegou lá, e ele entrou na câmara, e deitou-se ali.

12 E disse a Geazi, seu servo: Chame isso de sunamita. E quando ele a chamou, ela parou diante dele.

13 E disse-lhe: Diz-lhe agora: Eis que tens cuidado de nós com todo este cuidado; o que deve ser feito por ti; queres falar com o rei ou com o capitão do exército? E ela respondeu: habito no meio do meu povo.

14 E ele disse: Que se deve fazer por ela? E Geazi respondeu: Na verdade ela não tem filhos, e seu marido é velho.

15 E ele disse: Chame-a. E quando ele a chamou, ela ficou na porta.

16 E ele disse: Nesta época, de acordo com o tempo da vida, abraçarás um filho. E ela disse: Não, meu senhor, homem de Deus, não minta à tua serva.

17 E a mulher concebeu e deu à luz um filho na época que Eliseu lhe dissera, segundo o tempo da vida.

18 E quando o menino cresceu, caiu em um dia, que ele saiu a seu pai para os ceifeiros.

19 E disse a seu pai: Minha cabeça, minha cabeça! E ele disse a um rapaz: Leve-o para sua mãe.

20 E quando ele o tomou, e o trouxe para sua mãe, ele sentou-se sobre os joelhos dela até o meio-dia, e então morreu.

21 E ela subiu, e o deitou na cama do homem de Deus, e fechou a porta sobre ele, e saiu.

22 E chamou a seu marido e disse: Envia-me, peço-te, um dos jovens e uma das jumentas, para que eu corra ao homem de Deus e volte.

23 E ele disse: Por que você irá a ele hoje? não é lua nova nem sábado. E ela disse: Vai ficar bem.

24 Então ela selou um jumento, e disse ao seu servo: Vai, e vai em frente, não afrouxes a tua cavalgada para mim, se eu não te mandar.

25 Então ela foi e veio ao homem de Deus para o monte Carmelo. E aconteceu que, vendo-a de longe o homem de Deus, disse a Geazi, seu servo: Eis lá aquela sunamita;

26 Corra agora, peço-te, para encontrá-la, e dizer-lhe: Está bem contigo? está bem com teu marido? está bem com a criança? e ela respondeu: Está bem.

27 E quando ela chegou ao homem de Deus no monte, ela o pegou pelos pés; mas Geazi se aproximou para afastá-la. E o homem de Deus disse: Deixa-a; pois sua alma está vexada dentro dela; e o Senhor o ocultou de mim, e não me disse.

28 Então ela disse: Desejei eu um filho do meu senhor? eu não disse: Não me engane?

29 Então disse a Geazi: Cinge os teus lombos, toma o meu bordão na mão, e vai; se encontrares algum homem, não o saudes; e se alguém te saudar, não lhe responda; e ponho meu cajado sobre o rosto do menino.

30 E a mãe da criança disse: Vive o Senhor, e vive a tua alma, não te deixarei. E ele se levantou e a seguiu.

31 E Geazi passou adiante deles, e pôs o bordão sobre o rosto do menino; mas não havia voz nem audição. Por isso foi novamente ao seu encontro e lhe contou, dizendo: O menino não acordou.

32 E quando Eliseu entrou em casa, eis que o menino estava morto, e estava deitado em sua cama.

33 Ele entrou, então, e fechou a porta sobre os dois, e orou ao Senhor.

34 E ele subiu, e deitou-se sobre o menino, e pôs sua boca sobre sua boca, e seus olhos sobre seus olhos, e suas mãos sobre suas mãos; e estendeu-se sobre o menino; e a carne da criança se aqueceu.

35 Então ele voltou e andou pela casa de um lado para o outro; e subiu, e estendeu-se sobre ele; e o menino espirrou sete vezes, e o menino abriu os olhos.

36 E chamou Geazi, e disse: Chame isto de sunamita. Então ele a chamou. E quando ela foi ter com ele, ele disse: Toma teu filho.

37 Então ela entrou, e prostrou-se aos pés dele, e inclinou-se em terra, pegou seu filho e saiu.

38 E Eliseu voltou a Gilgal; e houve escassez na terra; e os filhos dos profetas estavam sentados diante dele; e disse ao seu servo: Põe sobre a grande panela e ferve o guisado para os filhos dos profetas.

39 E um saiu ao campo para colher ervas, e achou uma videira brava, e colheu dela cabaças bravas em seu colo cheio, e veio e desfiou-as no pote de guisado, porque eles não as conheciam.

40 Então eles serviram para os homens comerem. E aconteceu que, enquanto comiam do caldo, gritaram e disseram: Ó homem de Deus, há morte no caldeirão. E não puderam comer dela.

41 Mas ele disse: Então tragam farinha. E ele o lançou na panela; e ele disse: Derrame para o povo, para que comam. E não havia mal nenhum no pote.

42 E veio um homem de Baal-Shalisha, e trouxe ao homem de Deus pão das primícias, vinte pães de cevada e espigas cheias de milho em sua casca. E ele disse: Dá ao povo, para que comam.

43 E seu servo disse: O que, devo colocar isso diante de cem homens? Ele disse novamente: Dá ao povo, para que comam; porque assim diz o Senhor: Eles comerão, e dela deixarão.

44 Então ele pôs diante deles, e comeram, e sobrou, conforme a palavra do Senhor.


CAPÍTULO 5

Naamã curado de sua lepra – Geazi ferido de lepra.

1 Ora, Naamã, capitão do exército do rei da Síria, era um grande homem com seu senhor, e ilustre, porque por ele o Senhor havia libertado a Síria; ele também era um homem poderoso em valor, mas ele era um leproso.

2 E os sírios saíram em bandos, e levaram cativa da terra de Israel uma serva; e ela serviu a esposa de Naamã.

3 E ela disse à sua senhora: Oxalá Deus meu senhor estivesse com o profeta que está em Samaria! pois ele o recuperaria de sua lepra.

4 E um entrou e contou a seu senhor, dizendo: Assim e assim disse a serva que é da terra de Israel.

5 E o rei da Síria disse: Vai, vai, e eu enviarei uma carta ao rei de Israel. E ele partiu, e levou consigo dez talentos de prata, e seis mil peças de ouro, e dez mudas de roupas.

6 E trouxe a carta ao rei de Israel, dizendo: Agora, quando esta carta chegar a ti, eis que com ela te enviei Naamã, meu servo, para que o cures da sua lepra.

7 E aconteceu que, tendo o rei de Israel lido a carta, rasgou as suas vestes, e disse: Sou eu Deus, para matar e vivificar, que este homem me envia para recuperar um homem da sua lepra? Portanto, considere, peço-lhe, e veja como ele busca uma disputa contra mim.

8 E sucedeu que, quando Eliseu, o homem de Deus, soube que o rei de Israel havia rasgado as suas vestes, mandou dizer ao rei: Por que rasgaste as tuas vestes? venha agora a mim, e saberá que há profeta em Israel.

9 Então Naamã veio com seus cavalos e com seu carro, e parou à porta da casa de Eliseu.

10 E Eliseu enviou-lhe um mensageiro, dizendo: Vai e lava-te sete vezes no Jordão, e a tua carne voltará a ti, e ficarás limpo.

11 Mas Naamã se indignou, e foi-se, e disse: Eis que pensei: certamente virá a mim, e se levantará, e invocará o nome do Senhor seu Deus, e passará a mão sobre o lugar, e restaurará o leproso.

12 Não são Abana e Farpar, rios de Damasco, melhores do que todas as águas de Israel? não posso lavar-me neles e ficar limpo? Então ele se virou e foi embora enfurecido.

13 E seus servos se aproximaram, e falaram com ele, e disseram: Meu pai, se o profeta te tivesse mandado fazer algo grande, não o terias feito? quanto antes, quando ele te disser: Lava-te e fica limpo?

14 Então desceu, e mergulhou sete vezes no Jordão, conforme a palavra do homem de Deus; e a sua carne tornou-se como a carne de uma criancinha, e ficou limpo.

15 E ele voltou para o homem de Deus, ele e toda a sua companhia, e veio, e pôs-se diante dele; e disse: Eis que agora sei que não há Deus em toda a terra, senão em Israel; agora, pois, rogo-te, recebe a bênção do teu servo.

16 Mas ele disse: Vive o Senhor, em cuja presença estou, que não o receberei. E ele o incitou a tomá-lo; mas ele recusou.

17 E Naamã disse: Não deve então, peço-te, ser dado ao teu servo carga de terra de duas mulas? porque o teu servo não oferecerá mais holocausto nem sacrifício a outros deuses, senão ao Senhor.

18 Nisto o Senhor perdoe o teu servo, quando o meu senhor entrar na casa de Rimom para adorar ali, e se apoiar na minha mão, e eu me curvar na casa de Rimom; quando eu me curvar na casa de Rimom, o Senhor perdoe seu servo nesta coisa.

19 E disse-lhe: Vai em paz. Então ele se afastou dele um pouco.

20 Mas Geazi, servo de Eliseu, homem de Deus, disse: Eis que meu senhor poupou Naamã, este sírio, não recebendo de suas mãos o que trouxe; mas, como vive o Senhor, correrei atrás dele e tomarei um pouco dele.

21 Então Geazi seguiu Naamã. E quando Naamã o viu correndo atrás dele, desceu da carruagem para encontrá-lo e disse: Está tudo bem?

22 E ele disse: Está tudo bem. Meu senhor me enviou, dizendo: Eis que agora me vieram do monte Efraim dois mancebos dos filhos dos profetas; dá-lhes, peço-te, um talento de prata e duas mudas de roupa.

23 E Naamã disse: Fique contente, pegue dois talentos. E ele insistiu com ele, e amarrou dois talentos de prata em dois sacos, com duas mudas de roupas, e os colocou sobre dois de seus servos; e eles os desnudam diante deles.

24 E quando ele chegou à torre, ele os tomou de suas mãos e os entregou na casa; e ele soltou os homens, e eles partiram.

25 Mas ele entrou e parou diante de seu senhor. E Eliseu lhe disse: De onde vens, Geazi? E ele disse: Teu servo não foi a lugar nenhum.

26 E disse-lhe: Não foi contigo o meu coração, quando o homem voltou do seu carro ao teu encontro? É tempo de receber dinheiro, e receber roupas, e olivais, e vinhas, e ovelhas, e bois, e servos e servas?

27 Portanto, a lepra de Naamã se apegará a ti e à tua descendência para sempre. E saiu de sua presença leproso branco como a neve.


CAPÍTULO 6

Eliseu faz o ferro nadar – Ele revela o conselho do rei da Síria – O exército ferido de cegueira – As mulheres comem seus próprios filhos.

1 E os filhos dos profetas disseram a Eliseu: Eis que agora o lugar onde moramos contigo é muito estreito para nós.

2 Vamos, rogamos-te, ao Jordão, e tome dali cada um uma viga, e façamos ali um lugar para morarmos. E ele respondeu: Ide.

3 E um disse: Contenta-te, peço-te, e vai com os teus servos. E ele respondeu, eu vou.

4 Então ele foi com eles. E quando chegaram ao Jordão, cortaram lenha.

5 Mas, quando alguém estava derrubando uma viga, a cabeça do machado caiu na água; e ele gritou, e disse: Ai, mestre! pois foi emprestado.

6 E o homem de Deus disse: Onde caiu? E mostrou-lhe o lugar. E ele cortou uma vara, e a lançou ali; e o ferro nadou.

7 Por isso disse: Toma-o para ti. E ele estendeu a mão e a pegou.

8 Então o rei da Síria guerreou contra Israel, e consultou seus servos, dizendo: Em tal e tal lugar estará o meu acampamento.

9 E o homem de Deus enviou ao rei de Israel, dizendo: Guarda-te, que não passes por tal lugar; para lá desceram os sírios.

10 E o rei de Israel enviou ao lugar que o homem de Deus lhe disse e o advertiu, e se salvou ali, não uma nem duas vezes.

11 Por isso o coração do rei da Síria se afligiu por causa disto; e chamou os seus servos e disse-lhes: Não me quereis mostrar qual de nós é do rei de Israel?

12 E um de seus servos disse: Ninguém, meu senhor, ó rei; mas Eliseu, o profeta que está em Israel, diz ao rei de Israel as palavras que você fala em seu quarto.

13 E ele disse: Vai espiar onde ele está, para que eu mande buscá-lo. E foi-lhe dito, dizendo: Eis que ele está em Dotã.

14 Por isso enviou para lá cavalos, carros e um grande exército; e eles vieram de noite, e cercaram a cidade.

15 E, quando o servo do homem de Deus se levantou de madrugada e saiu, eis que um exército cercou a cidade tanto com cavalos como com carros. E seu servo lhe disse: Ai, meu senhor! como devemos fazer?

16 E ele respondeu: Não temas; porque mais são os que estão conosco do que os que estão com eles.

17 E Eliseu orou, e disse: Senhor, peço-te que lhe abras os olhos, para que veja. E o Senhor abriu os olhos do jovem; e ele viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo ao redor de Eliseu.

18 E quando desceram a ele, Eliseu orou ao Senhor, e disse: Fere este povo, peço-te, de cegueira. E ele os feriu de cegueira conforme a palavra de Eliseu.

19 E Eliseu lhes disse: Este não é o caminho, nem esta é a cidade; me siga; e eu vos levarei ao homem que procurais. Mas ele os levou para Samaria.

20 E aconteceu que, quando chegaram a Samaria, disse Eliseu: Senhor, abre os olhos destes homens para que vejam. E o Senhor abriu os olhos deles, e eles viram; e eis que estavam no meio de Samaria.

21 E o rei de Israel disse a Eliseu, quando os viu: Meu pai, devo feri-los? devo feri-los?

22 E ele respondeu: Não os ferirás; feririas aqueles que levaste cativos com tua espada e com teu arco? põe pão e água diante deles, para que comam e bebam, e vão ter com o seu senhor.

23 E preparou-lhes grande provisão; e quando eles comeram e beberam, ele os despediu, e eles foram ao seu mestre. Assim, os bandos da Síria não entraram mais na terra de Israel.

24 E aconteceu depois disso que Ben-Hadade, rei da Síria, reuniu todo o seu exército, subiu e sitiou Samaria.

25 E houve grande fome em Samaria; e eis que a sitiaram, até que se vendeu a cabeça de um jumento por oitenta moedas de prata, e a quarta parte de um coche de esterco de pomba por cinco moedas de prata.

26 E, passando o rei de Israel sobre o muro, uma mulher clamou a ele, dizendo: Socorro, ó rei, meu senhor.

27 E ele disse: Se o Senhor não te ajudar, de onde te ajudarei? do chão do celeiro ou do lagar?

28 E o rei disse-lhe: Que te tens? E ela respondeu: Esta mulher me disse: Dá teu filho, para que o comamos hoje, e amanhã comeremos meu filho.

29 Assim cozinhamos meu filho e o comemos; e eu lhe disse no dia seguinte: Dá teu filho, para que o comamos; e ela escondeu seu filho.

30 E aconteceu que, ouvindo o rei as palavras da mulher, rasgou as suas vestes; e ele passou sobre o muro, e o povo olhou, e eis que ele tinha um pano de saco dentro de sua carne.

31 Então ele disse: Deus faça assim e ainda mais comigo, se a cabeça de Eliseu, filho de Safat, estiver sobre ele hoje.

32 Mas Eliseu estava sentado em sua casa, e os anciãos estavam com ele; e o rei enviou um homem de diante dele; mas antes que o mensageiro chegasse a ele, disse aos anciãos: Vês como este filho de um assassino enviou para tirar-me a cabeça? veja, quando o mensageiro vier, feche a porta e segure-o firmemente na porta; não é o som dos pés de seu mestre atrás dele?

33 E enquanto ele ainda falava com eles, eis que o mensageiro desceu a ele; e disse: Eis que este mal vem do Senhor; o que devo esperar mais no Senhor?


CAPÍTULO 7

Eliseu profetiza bastante – O rei estraga as tendas dos sírios.

1 Então disse Eliseu: Ouvi a palavra do Senhor; Assim diz o Senhor: Amanhã a esta hora se venderá uma medida de flor de farinha por um siclo, e duas medidas de cevada por um siclo, na porta de Samaria.

2 Então um senhor em cuja mão o rei se apoiava respondeu ao homem de Deus, e disse: Eis que se o Senhor fizesse janelas no céu, poderia ser isso? E disse: Eis que o verás com os teus olhos, mas não comerás.

3 E havia quatro leprosos à entrada da porta; e diziam uns aos outros: Por que ficar aqui sentados até morrer?

4 Se dissermos: Entraremos na cidade, haverá fome na cidade, e ali morreremos; e se ficarmos sentados aqui, morreremos também. Agora, pois, vinde, e caiamos no arraial dos sírios; se nos salvarem vivos, viveremos; e se nos matarem, morreremos.

5 E levantaram-se ao crepúsculo, para irem ao arraial dos sírios; e quando chegaram à extremidade do acampamento da Síria, eis que não havia ninguém ali.

6 Porque o Senhor tinha feito ouvir ao arraial dos sírios o ruído de carros, e o ruído de cavalos, sim, o ruído de um grande exército; e diziam uns aos outros: Eis que o rei de Israel alugou contra nós os reis dos heteus e os reis dos egípcios para virem sobre nós.

7 Portanto, eles se levantaram e fugiram no crepúsculo, e deixaram suas tendas, e seus cavalos, e seus jumentos, mesmo o acampamento como era, e fugiram para salvar sua vida.

8 E quando estes leprosos chegaram à extremidade do arraial, entraram numa tenda, e comeram e beberam, e levaram dali prata, e ouro, e roupas, e foram e esconderam; e voltou, e entrou em outra tenda, e levou também dali, e foi e a escondeu.

9 Então diziam uns aos outros: Não fazemos bem; este dia é um dia de boas novas; e nos calamos; se nos demorarmos até a luz da manhã, algum mal nos sobrevirá; agora vem, para que possamos ir e anunciar à casa do rei.

10 Então eles vieram e chamaram o porteiro da cidade; e eles lhes contaram, dizendo: Chegamos ao arraial dos sírios, e eis que ali não havia ninguém, nem voz de homem, senão cavalos amarrados e jumentos amarrados, e as tendas como estavam.

11 E chamou os porteiros; e eles o contaram para a casa do rei dentro.

12 E o rei se levantou de noite, e disse a seus servos: Agora vos mostrarei o que os sírios nos fizeram. Eles sabem que estamos com fome; por isso saíram do arraial para se esconderem no campo, dizendo: Quando saírem da cidade, nós os apanharemos vivos, e entraremos na cidade.

13 E um dos seus servos respondeu e disse: Deixa tomar alguns, peço-te, cinco dos cavalos que restaram, que ficaram na cidade, (eis que eles são como toda a multidão de Israel que ficou nela; eis que , eu digo, eles são como toda a multidão dos israelitas que são consumidos;) e vamos enviar e ver.

14 Levaram, pois, dois cavalos de carruagem; e o rei mandou atrás do exército dos sírios, dizendo: Ide e vede.

15 E foram atrás deles até o Jordão; e eis que todo o caminho estava cheio de roupas e vasos, que os sírios haviam jogado fora em sua pressa. E os mensageiros voltaram, e contaram ao rei.

16 E o povo saiu, e despojou as tendas dos sírios. Assim, uma medida de flor de farinha foi vendida por um siclo, e duas medidas de cevada por um siclo, conforme a palavra do Senhor.

17 E o rei designou o senhor em cuja mão ele se apoiava para cuidar da porta; e o povo o pisoteou na porta, e ele morreu, como o homem de Deus havia dito, que falava quando o rei desceu a ele.

18 E aconteceu que o homem de Deus havia falado ao rei, dizendo: Duas medidas de cevada por um siclo, e uma medida de flor de farinha por um siclo, estarão amanhã a estas horas na porta de Samaria;

19 E aquele senhor respondeu ao homem de Deus, e disse: Agora, eis que se o Senhor fizesse janelas no céu, poderia acontecer tal coisa? E disse: Eis que o verás com os teus olhos, mas não comerás.

20 E assim lhe aconteceu; porque o povo o pisou na porta, e ele morreu.


CAPÍTULO 8

A mulher sunamita – Hazael mata seu mestre e o sucede – o reinado perverso de Jeorão – Acazias sucede a Jeorão.

1 Então falou Eliseu à mulher cujo filho ele havia ressuscitado, dizendo: Levanta-te, vai tu e a tua casa, e peregrina onde puderes peregrinar; porque o Senhor chamou a fome; e também virá sobre a terra sete anos.

2 E a mulher se levantou, e fez conforme a palavra do homem de Deus; e ela foi com a sua casa, e peregrinou na terra dos filisteus sete anos.

3 E aconteceu que, ao cabo dos sete anos, a mulher voltou da terra dos filisteus; e ela saiu para clamar ao rei por sua casa e por sua terra.

4 E o rei falou com Geazi, servo do homem de Deus, dizendo: Diz-me, peço-te, todas as grandes coisas que Eliseu fez.

5 E aconteceu que, enquanto ele contava ao rei como havia ressuscitado um cadáver, eis que a mulher, cujo filho ele havia ressuscitado, clamou ao rei por sua casa e por sua terra. E Geazi disse: Meu senhor, ó rei, esta é a mulher, e este é o filho dela, a quem Eliseu ressuscitou.

6 E quando o rei perguntou à mulher, ela lhe disse. Então o rei lhe designou um oficial, dizendo: Restitui tudo o que era dela, e todos os frutos do campo, desde o dia em que ela deixou a terra até agora.

7 E Eliseu veio a Damasco; e Ben-Hadade, rei da Síria, estava doente; e foi-lhe dito, dizendo: O homem de Deus veio aqui.

8 E o rei disse a Hazael: Toma um presente na tua mão, e vai ao encontro do homem de Deus, e por ele consulta o Senhor, dizendo: Curarei eu desta doença?

9 Então Hazael foi ao seu encontro, e levou consigo um presente, de todo o bem de Damasco, carga de quarenta camelos; e veio e pôs-se diante dele, e disse: Teu filho Ben-Hadade, rei da Síria, me enviou a ti, dizendo: Devo me curar desta doença?

10 E disse-lhe Eliseu: Irás e lhe dirás: Certamente te restabelecerás; porém, o Senhor me mostrou que ele certamente morrerá.

11 E ele firmou o seu semblante, até que se envergonhou; e o homem de Deus chorou.

12 E disse Hazael: Por que chora meu senhor? E ele respondeu: Porque sei o mal que farás aos filhos de Israel; incendiarás as suas fortalezas, e os seus mancebos matarás à espada, e despedaçarás os seus filhos, e despedaçarás as suas mulheres grávidas.

13 E disse Hazael: Mas que é que o teu servo é um cão, para fazer tão grande coisa? E Eliseu respondeu: O Senhor me mostrou que tu serás rei sobre a Síria.

14 Partiu, pois, de Eliseu e foi ter com seu senhor; quem lhe disse: Que te disse Eliseu? E ele respondeu: Ele me disse que certamente você deve se recuperar.

15 E aconteceu que no dia seguinte tomou um pano grosso, e o mergulhou em água, e o estendeu sobre o rosto, de modo que morreu; e Hazael reinou em seu lugar.

16 E no quinto ano de Jorão, filho de Acabe, rei de Israel, sendo Josafá então rei de Judá, começou a reinar Jorão, filho de Josafá, rei de Judá.

17 Tinha trinta e dois anos quando começou a reinar; e reinou oito anos em Jerusalém.

18 E andou no caminho dos reis de Israel, como a casa de Acabe; pois a filha de Acabe era sua esposa; e fez o que era mau aos olhos do Senhor.

19 Mas o Senhor não quis destruir Judá por amor de Davi, seu servo, pois lhe havia prometido dar-lhe sempre uma luz, e a seus filhos.

20 Nos seus dias, Edom revoltou-se contra a mão de Judá e constituiu rei sobre si.

21 E Jorão passou a Zair, e todos os carros com ele; e ele se levantou de noite, e feriu os edomitas que o cercavam, e os capitães dos carros; e o povo fugiu para as suas tendas.

22 No entanto, Edom se revoltou de debaixo da mão de Judá até o dia de hoje. Então Libnah se revoltou ao mesmo tempo.

23 E o resto dos atos de Jorão, e tudo o que ele fez, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Judá?

24 E Jorão dormiu com seus pais, e foi sepultado com seus pais na cidade de Davi; e Acazias, seu filho, reinou em seu lugar.

25 No décimo segundo ano de Jorão, filho de Acabe, rei de Israel, Acazias, filho de Jorão, rei de Judá, começou a reinar.

26 Vinte e dois anos era Acazias quando começou a reinar; e reinou um ano em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Atalia, filha de Onri, rei de Israel.

27 E andou no caminho da casa de Acabe, e fez o que era mau aos olhos do Senhor, como fez a casa de Acabe; porque era genro da casa de Acabe.

28 E foi com Jorão, filho de Acabe, à guerra contra Hazael, rei da Síria, em Ramote-Gileade; e os sírios feriram Jorão.

29 E o rei Jorão voltou para ser curado em Jezreel das feridas que os sírios lhe haviam feito em Ramá, quando pelejava contra Hazael, rei da Síria. E Acazias, filho de Jeorão, rei de Judá, desceu para ver Jorão, filho de Acabe, em Jezreel, porque estava doente.


CAPÍTULO 9

Eliseu envia um jovem profeta para ungir Jeú – Jeú mata Jorão – Acazias é morto – Jezabel comida por cães.

1 E Eliseu, o profeta, chamou um dos filhos dos profetas, e disse-lhe: Cinge os teus lombos, e toma esta caixa de azeite na tua mão, e vai a Ramote-Gileade;

2 E, chegando lá, olha lá fora Jeú, filho de Josafá, filho de Ninsi, e entra, e faze-o levantar-se do meio de seus irmãos, e leva-o a um quarto interior;

3 Toma, pois, o vaso de azeite, deita-o sobre a cabeça dele, e diz: Assim diz o Senhor: Ungi-te rei sobre Israel. Então abra a porta, fuja e não demore.

4 Então o jovem, o jovem profeta, foi para Ramote-Gileade.

5 E quando ele chegou, eis que os capitães do exército estavam sentados; e ele disse: Tenho uma missão para ti, ó capitão. E Jeú disse: A qual de todos nós? E ele disse: A ti, ó capitão.

6 E ele se levantou e entrou na casa; e derramou o azeite sobre a sua cabeça, e disse-lhe: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Eu te ungi rei sobre o povo do Senhor, sobre Israel.

7 E ferirás a casa de Acabe, teu senhor, para que eu vingue da mão de Jezabel o sangue dos meus servos, os profetas, e o sangue de todos os servos do Senhor.

8 Pois toda a casa de Acabe perecerá; e exterminarei de Acabe o que urinar contra o muro, e o que estiver encerrado e deixado em Israel;

9 E farei a casa de Acabe como a casa de Jeroboão, filho de Nebate, e como a casa de Baasa, filho de Aías;

10 E os cães comerão a Jezabel na porção de Jezreel, e não haverá quem a sepulte. E ele abriu a porta e fugiu.

11 Então Jeú saiu aos servos de seu senhor; e um lhe disse: Está tudo bem? por que este louco veio a ti? E disse-lhes: Conheceis o homem e a sua comunicação.

12 E eles disseram: É falso; diga-nos agora. E ele disse: Assim e assim me falou, dizendo: Assim diz o Senhor: Eu te ungi rei sobre Israel.

13 Então eles se apressaram, e tomaram cada um a sua roupa, e a puseram debaixo dele no alto da escada, e tocaram as trombetas, dizendo: Jeú é rei.

14 Assim Jeú, filho de Josafá, filho de Ninsi, conspirou contra Jorão. (Ora, Jorão tinha guardado Ramote-Gileade, ele e todo o Israel, por causa de Hazael, rei da Síria;

15 Mas o rei Jorão voltou para ser curado em Jezreel das feridas que os sírios lhe haviam feito, quando pelejava contra Hazael, rei da Síria. a cidade para ir contá-la em Jezreel.

16 Então Jeú foi num carro e foi para Jezreel; pois Joram jazia ali. E Acazias, rei de Judá, desceu para ver Jorão.

17 E estava um atalaia na torre de Jezreel, e ele avistou a companhia de Jeú que vinha, e disse: Eu vejo uma companhia. E Jorão disse: Toma um cavaleiro e manda ao encontro deles, e diga-lhe: É paz?

18 Então um a cavalo foi ao seu encontro e disse: Assim diz o rei: É paz? E Jeú disse: Que tens tu com a paz? virar-te atrás de mim. E o atalaia contou, dizendo: O mensageiro veio a eles, mas não volta mais.

19 Então enviou outro a cavalo, que veio ter com eles, e disse: Assim diz o rei: É paz? E Jeú respondeu: Que tens tu com a paz? virar-te atrás de mim.

20 E o atalaia falou, dizendo: Ele veio até eles, e não volta mais; e a condução é como a condução de Jeú, filho de Ninsi; pois ele dirige furiosamente.

21 E Jorão disse: Prepara-te. E sua carruagem foi preparada. E Jorão, rei de Israel, e Acazias, rei de Judá, saíram, cada um no seu carro, e saíram contra Jeú, e o encontraram na porção de Nabote, o jizreelita.

22 E aconteceu que, vendo Jorão a Jeú, disse: É paz, Jeú? E ele respondeu: Que paz, enquanto as prostituições de tua mãe Jezabel e suas feitiçarias são tantas?

23 E Jorão virou as mãos, e fugiu, e disse a Acazias: Há traição, ó Acazias.

24 E Jeú puxou um arco com toda a sua força, e feriu Jeorão entre seus braços, e a flecha saiu em seu coração, e ele afundou em seu carro.

25 Então disse Jeú a Bidcar, seu capitão: Toma e lança-o na porção do campo de Nabote, o jizreelita; pois lembre-se de que, quando eu e você cavalgamos juntos atrás de Acabe, seu pai, o Senhor colocou esse fardo sobre ele;

26 Certamente vi ontem o sangue de Nabote e o sangue de seus filhos, diz o Senhor; e eu te recompensarei neste plano, diz o Senhor. Agora, pois, tomai-o e lançai-o no terreno, conforme a palavra do Senhor.

27 Mas quando Acazias, rei de Judá, viu isso, fugiu pelo caminho da casa do jardim. E Jeú o seguiu, e disse: Fere-o também no carro. E eles fizeram isso na subida para Gur, que é por Ibleam. E ele fugiu para Megido, e ali morreu.

28 E seus servos o levaram em um carro para Jerusalém, e o sepultaram em seu sepulcro com seus pais, na cidade de Davi.

29 E no décimo primeiro ano de Jorão, filho de Acabe, começou Acazias a reinar sobre Judá.

30 E quando Jeú chegou a Jezreel, Jezabel soube disso; e ela pintou o rosto, e cansou a cabeça, e olhou para uma janela.

31 E, entrando Jeú pela porta, disse ela: Teve paz Zinri, que matou o seu senhor?

32 E ele levantou o rosto para a janela e disse: Quem está do meu lado? quem? E ali olhavam para ele dois ou três eunucos.

33 E ele disse: Jogue-a no chão. Então eles a jogaram no chão; e um pouco do seu sangue foi aspergido na parede e nos cavalos; e ele a pisou sob os pés.

34 E quando ele entrou, ele comeu e bebeu, e disse: Vai, vê agora esta maldita mulher, e sepulta-a; pois ela é filha de um rei.

35 E foram sepultá-la; mas não encontraram mais dela do que a caveira, os pés e as palmas das mãos.

36 Por isso eles voltaram e lhe contaram. E ele disse: Esta é a palavra do Senhor, que ele falou por meio de seu servo Elias, o tisbita, dizendo: Na porção de Jezreel os cães comerão a carne de Jezabel;

37 E o cadáver de Jezabel será como esterco sobre a face do campo na porção de Jezreel; para que não digam: Esta é Jezabel.  


CAPÍTULO 10

Setenta dos filhos de Acabe decapitados – Jeú destrói os adoradores de Baal – Hazael oprime Israel.

1 E Acabe teve setenta filhos em Samaria. E Jeú escreveu cartas, e as enviou a Samaria, aos príncipes de Jezreel, aos anciãos e aos que criavam os filhos de Acabe, dizendo:

2 Agora, assim que esta carta chegar a você, visto que os filhos de seu senhor estão com você, e há com você carros e cavalos, uma cidade fortificada e armaduras;

3 Olhe até mesmo o melhor e mais competente dos filhos de seu senhor, e coloque-o no trono de seu pai, e lute pela casa de seu senhor.

4 Mas eles ficaram com muito medo e disseram: Eis que dois reis não compareceram diante dele; como então devemos ficar?

5 E o que estava sobre a casa, e o que estava sobre a cidade, também os anciãos e os criadores dos filhos, enviaram a Jeú, dizendo: Somos teus servos, e faremos tudo o que nos ordenares; não faremos nenhum rei; faze o que é bom aos teus olhos.

6 Então escreveu-lhes segunda carta, dizendo: Se sois meus, e se derdes ouvidos à minha voz, tomai as cabeças dos homens, filhos de vosso senhor, e vinde a mim a Jezreel amanhã a esta hora. Ora, os filhos do rei, sendo setenta pessoas, estavam com os grandes da cidade, que os criaram.

7 E aconteceu que, chegando-lhes a carta, tomaram os filhos do rei, e mataram setenta pessoas, e puseram suas cabeças em cestos, e os enviaram a Jezreel.

8 E veio um mensageiro, e o anunciou, dizendo: Trouxeram as cabeças dos filhos do rei. E ele disse: Colocai-os em dois montões à entrada da porta até pela manhã.

9 E aconteceu que, pela manhã, ele saiu, pôs-se em pé e disse a todo o povo: Sede justos; eis que conspirei contra meu senhor e o matei; mas quem matou tudo isso?

10 Saibam agora que nada cairá sobre a terra da palavra do Senhor, que o Senhor falou acerca da casa de Acabe; porque o Senhor fez o que falou por meio de seu servo Elias.

11 Assim Jeú matou todos os que restaram da casa de Acabe em Jezreel, e todos os seus grandes, e seus parentes, e seus sacerdotes, até que não lhe deixou nenhum resto.

12 E ele se levantou e partiu, e veio para Samaria. E como ele estava na casa de tosquia no caminho,

13 Jeú encontrou-se com os irmãos de Acazias, rei de Judá, e disse: Quem sois vós? E eles responderam: Somos irmãos de Acazias; e descemos para saudar os filhos do rei e os filhos da rainha.

14 E ele disse: Toma-os vivos. E eles os tomaram vivos, e os mataram na cova da casa de tosquia, dois e quarenta homens; nem deixou nenhum deles.

15 E, partindo dali, pousou sobre Jonadabe, filho de Recabe, que vinha ao seu encontro; e saudou-o e disse-lhe: É reto o teu coração, como o meu coração é com o teu coração? E Jonadabe respondeu: É. Se for, dá-me a tua mão. E ele lhe deu a mão; e levou-o consigo ao carro.

16 E ele disse: Venha comigo, e veja o meu zelo pelo Senhor. Então eles o fizeram andar em sua carruagem.

17 E, chegando a Samaria, matou todos os que restaram de Acabe em Samaria, até que o destruiu, conforme a palavra do Senhor, que havia falado a Elias.

18 E Jeú reuniu todo o povo e disse-lhes: Acabe serviu um pouco a Baal; mas Jeú o servirá muito.

19 Agora, pois, chamai a mim todos os profetas de Baal, todos os seus servos e todos os seus sacerdotes; que ninguém falte; pois tenho um grande sacrifício a fazer a Baal; quem estiver em falta, não viverá. Mas Jeú fez isso com sutileza, com a intenção de destruir os adoradores de Baal.

20 E Jeú disse: Proclame uma assembléia solene para Baal. E eles proclamaram isso.

21 E Jeú enviou por todo o Israel; e vieram todos os adoradores de Baal, de modo que não ficou homem algum que não viesse. E entraram na casa de Baal; e a casa de Baal estava cheia de uma ponta à outra.

22 E disse ao que estava sobre a sacristia: Traga vestes para todos os adoradores de Baal. E ele lhes trouxe vestimentas.

23 E Jeú foi, e Jonadabe, filho de Recabe, à casa de Baal, e disse aos adoradores de Baal: Buscai, e vede que não haja aqui convosco nenhum dos servos do Senhor, mas somente os adoradores de Baal .

24 E, entrando eles para oferecer sacrifícios e holocaustos, Jeú designou para fora oitenta homens, e disse: Se algum dos homens que pus em vossas mãos escapar, aquele que o deixar ir, a sua vida será pela vida de dele.

25 E aconteceu que, assim que acabou de oferecer o holocausto, disse Jeú à guarda e aos capitães: Entrai e matai-os; que ninguém saia. E eles os feriram ao fio da espada; e a guarda e os capitães os expulsaram e foram para a cidade da casa de Baal.

26 E tiraram as imagens da casa de Baal, e as queimaram.

27 E derrubaram a imagem de Baal, e derrubaram a casa de Baal, e fizeram dela uma casa de tiro até o dia de hoje.

28 Assim Jeú destruiu Baal de Israel.

29 Porém, dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a Israel, Jeú não se afastou deles, a saber, os bezerros de ouro que estavam em Betel e em Dã.

30 E o Senhor disse a Jeú: Visto que fizeste bem em executar o que é reto aos meus olhos, e fizeste à casa de Acabe conforme tudo o que estava em meu coração, teus filhos da quarta geração se sentarão no trono de Israel.

31 Mas Jeú não se preocupou em andar na lei do Senhor Deus de Israel de todo o seu coração; porque não se apartou dos pecados de Jeroboão, que fez pecar a Israel.

32 Naqueles dias o Senhor começou a encurtar Israel; e Hazael os feriu em todos os termos de Israel;

33 Desde o Jordão para o oriente, toda a terra de Gileade, os gaditas, os rubenitas e os manassitas, desde Aroer, que está junto ao rio Arnom, até Gileade e Basã.

34 Ora, o restante dos atos de Jeú, e tudo o que ele fez, e todo o seu poder, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Israel?

35 E Jeú dormiu com seus pais; e o sepultaram em Samaria. E Jeoacaz, seu filho, reinou em seu lugar.

36 E o tempo que Jeú reinou sobre Israel em Samaria foi vinte e oito anos.  


CAPÍTULO 11

Jeoás se escondeu na casa de Deus – Joiada o unge rei – Atalia foi morta – Joiada restaura a adoração a Deus.

1 E quando Atalia, mãe de Acazias, viu que seu filho estava morto, ela se levantou e destruiu toda a semente real.

2 Mas Joseba, filha do rei Jorão, irmã de Acazias, tomou a Joás, filho de Acazias, e roubou-o do meio dos filhos do rei que foram mortos; e eles o esconderam, ele e sua ama, no quarto de Atalia, para que ele não fosse morto.

3 E esteve com ela escondido na casa do Senhor seis anos. E Atalia reinou sobre a terra.

4 E no sétimo ano Joiada mandou buscar os chefes de cem, com os capitães e os guardas, e os trouxe à casa do Senhor, e fez aliança com eles, e lhes fez juramento na casa de o Senhor, e mostrou-lhes o filho do rei.

5 E ordenou-lhes, dizendo: Isto é o que fareis; A terça parte de vós que entrar no sábado será guarda da vigília da casa do rei;

6 E uma terceira parte estará no portão de Sur; e uma terceira parte no portão atrás da guarda; assim guardareis a vigília da casa, para que não seja derribada.

7 E duas partes de todos vós que saíis no sábado, sim, eles vigiarão a casa do Senhor em torno do rei.

8 E cercareis o rei ao redor, cada um com suas armas na mão; e aquele que vier dentro dos campos, seja morto; e sede com o rei ao sair e ao entrar.

9 E os capitães das centenas fizeram conforme todas as coisas que o sacerdote Joiada ordenara; e tomaram cada um os seus homens que deviam entrar no sábado, com os que deviam sair no sábado, e foram ter com o sacerdote Joiada.

10 E aos capitães de cem deu o sacerdote as lanças e os escudos do rei Davi, que estavam no templo do Senhor.

11 E a guarda estava, cada um com suas armas na mão, ao redor do rei, desde o canto direito do templo até o canto esquerdo do templo, junto ao altar e ao templo.

12 E deu à luz o filho do rei, e pôs sobre ele a coroa, e lhe deu o testemunho; e o constituíram rei, e o ungiram; e eles bateram palmas e disseram: Deus salve o rei.

13 E quando Atalia ouviu o barulho da guarda e do povo, ela veio ao povo no templo do Senhor.

14 E quando ela olhou, eis que o rei estava junto a uma coluna, como era costume, e os príncipes e os trombeteiros junto ao rei, e todo o povo da terra se alegrou, e tocou trombetas; e Atalia rasgou suas roupas e gritou: Traição, traição.

15 Mas o sacerdote Joiada deu ordem aos capitães das centenas, oficiais do exército, e disse-lhes: Mandem-na embora fora das fileiras; e quem a segue, mata à espada. Pois o sacerdote havia dito: Não seja morta na casa do Senhor.

16 E puseram as mãos sobre ela; e ela foi pelo caminho por onde os cavalos entraram na casa do rei; e lá estava ela morta.

17 E Jeoiada fez uma aliança entre o Senhor e o rei e o povo, para que fossem o povo do Senhor; também entre o rei e o povo.

18 E todo o povo da terra entrou na casa de Baal e a derrubou; seus altares e suas imagens os despedaçaram completamente, e mataram Matã, sacerdote de Baal, diante dos altares. E o sacerdote designou oficiais sobre a casa do Senhor.

19 E tomou os chefes de cem, e os capitães, e os guardas, e todo o povo da terra; e fizeram descer o rei da casa do Senhor, e vieram pelo caminho da porta da guarda à casa do rei. E ele se sentou no trono dos reis.

20 E todo o povo da terra se alegrou, e a cidade ficou quieta; e mataram Atalia à espada junto à casa do rei.

21 Jeoás tinha sete anos quando começou a reinar.  


CAPÍTULO 12

Jeoás dá ordem para o reparo do templo – Jeoás morto – Amazias o sucede.

1 No sétimo ano de Jeú, Jeoás começou a reinar; e quarenta anos reinou em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Zibia de Berseba.

2 E Jeoás fez o que era reto aos olhos do Senhor todos os seus dias em que o sacerdote Joiada o instruiu.

3 Mas os altos não foram tirados; o povo ainda sacrificava e queimava incenso nos altos.

4 E Jeoás disse aos sacerdotes: Todo o dinheiro das coisas consagradas que se traz à casa do Senhor, sim, o dinheiro de todo aquele que passa a conta, o dinheiro que cada um deposita, e todo o dinheiro que vem no coração de qualquer homem para trazer à casa do Senhor,

5 Que os sacerdotes o levem a eles, cada um de seus conhecidos; e que reparem as brechas da casa, onde quer que se encontre alguma brecha.

6 Mas aconteceu que, no vigésimo terceiro ano do rei Jeoás, os sacerdotes não repararam as brechas da casa.

7 Então o rei Jeoás chamou o sacerdote Joiada, e os outros sacerdotes, e disse-lhes: Por que não reparais as brechas da casa? agora, portanto, não receba mais dinheiro de seu conhecimento, mas entregue-o pelas brechas da casa.

8 E os sacerdotes consentiram em não receber mais dinheiro do povo, nem em reparar as brechas da casa.

9 Mas o sacerdote Joiada tomou uma arca, fez um furo na tampa e a pôs ao lado do altar, à direita de quem entra na casa do Senhor; e os sacerdotes que guardavam a porta punham nela todo o dinheiro que entrava na casa do Senhor.

10 E sucedeu que, vendo eles que havia muito dinheiro na arca, subiram o escriba do rei e o sumo sacerdote, e puseram em sacos, e anunciaram o dinheiro que se achou na casa do Senhor.

11 E entregaram o dinheiro, avisado, nas mãos dos que faziam a obra, que tinham a direção da casa do Senhor; e o distribuíram aos carpinteiros e construtores que trabalhavam na casa do Senhor.

12 E aos pedreiros, e aos talhadores de pedra, e para comprar madeira e pedra lavrada para reparar as brechas da casa do Senhor, e para tudo o que foi preparado para a casa para repará-la.

13 Entretanto, não foram feitas para a casa do Senhor tigelas de prata, rabecas, bacias, trombetas, vasos de ouro ou vasos de prata, do dinheiro que se trazia à casa do Senhor;

14 Mas eles deram isso aos operários, e com isso repararam a casa do Senhor.

15 Além disso, eles não fizeram contas com os homens, em cujas mãos entregaram o dinheiro para ser entregue aos trabalhadores; pois eles trataram fielmente.

16 O dinheiro da transgressão e o dinheiro do pecado não foram trazidos à casa do Senhor; era dos padres.

17 Então subiu Hazael, rei da Síria, e pelejou contra Gate, e a tomou; e Hazael decidiu subir a Jerusalém.

18 E Jeoás, rei de Judá, tomou todas as coisas sagradas que Josafá, Jeorão e Acazias, seus pais, reis de Judá, haviam consagrado, e os seus

coisas santificadas, e todo o ouro que se achou nos tesouros da casa do Senhor e na casa do rei, e o enviou a Hazael, rei da Síria; e ele foi embora de Jerusalém.

19 E o resto dos atos de Joás, e tudo o que ele fez, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Judá?

20 E os seus servos se levantaram, e conspiraram, e mataram Joás na casa de Milo, que desce a Sila.

21 Pois Jozacar, filho de Simeate, e Jeozabade, filho de Somer, seus servos, o feriram, e ele morreu; e o sepultaram com seus pais na cidade de Davi; e Amazias, seu filho, reinou em seu lugar.  


CAPÍTULO 13

Jeoacaz oprimido por Hazael – Joás o sucede – Jeroboão o sucede – os ossos de Eliseu levantam um homem morto – Morte de Hazael.

1 No vigésimo terceiro ano de Joás, filho de Acazias, rei de Judá, Jeoacaz, filho de Jeú, começou a reinar sobre Israel em Samaria, e reinou dezessete anos.

2 E fez o que era mau aos olhos do Senhor, e seguiu os pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez pecar a Israel; ele não partiu daí.

3 E a ira do Senhor se acendeu contra Israel, e ele os entregou na mão de Hazael, rei da Síria, e na mão de Ben-Hadade, filho de Hazael, todos os seus dias.

4 E Jeoacaz suplicou ao Senhor, e o Senhor o atendeu; porque viu a opressão de Israel, porque o rei da Síria os oprimia.

5 (E o Senhor deu a Israel um salvador, de modo que saíram de debaixo da mão dos sírios; e os filhos de Israel habitaram nas suas tendas, como dantes.

6 Contudo, não se apartaram dos pecados da casa de Jeroboão, que fez pecar a Israel, mas andaram neles; e lá permaneceu o bosque também em Samaria.)

7 E não deixou do povo a Jeoacaz senão cinquenta cavaleiros, dez carros e dez mil homens de infantaria; porque o rei da Síria os destruiu, e os fez como o pó da trilha.

8 Ora, o restante dos atos de Jeoacaz, e tudo o que ele fez, e seu poder, não estão escritos no livro das crônicas dos reis de Israel?

9 E Jeoacaz dormiu com seus pais; e o sepultaram em Samaria; e Joás, seu filho, reinou em seu lugar.

10 No trigésimo sétimo ano de Joás, rei de Judá, começou Jeoás, filho de Jeoacaz, a reinar sobre Israel em Samaria, e reinou dezesseis anos.

11 E fez o que era mau aos olhos do Senhor; ele não se desviou de todos os pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez Israel pecar; mas ele andou nele.

12 E o resto dos atos de Joás, e tudo o que ele fez, e seu poder com que lutou contra Amazias, rei de Judá, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Israel?

13 E Joás dormiu com seus pais; e Jeroboão sentou-se no seu trono; e Joás foi sepultado em Samaria com os reis de Israel.

14 Ora, Eliseu adoeceu da doença da qual morreu. E Joás, rei de Israel, desceu a ele, e chorou sobre seu rosto, e disse: Ó meu pai, meu pai! o carro de Israel e seus cavaleiros.

15 E Eliseu lhe disse: Toma arco e flechas. E ele tomou para si arco e flechas.

16 E disse ao rei de Israel: Põe a tua mão sobre o arco. E ele pôs a mão sobre ela; e Eliseu pôs as mãos sobre as mãos do rei.

17 E ele disse: Abre a janela para o oriente. E ele abriu. Então Eliseu disse: Atire. E ele atirou. E ele disse: A flecha do livramento do Senhor, e a flecha do livramento da Síria; porque ferirás os sírios em Afeque, até que os consumas.

18 E ele disse: Pegue as flechas. E ele os levou. E disse ao rei de Israel: Fere no chão. E ele feriu três vezes e ficou.

19 E o homem de Deus indignou-se contra ele, e disse: Devias ter ferido cinco ou seis vezes; então feriste a Síria até que a consumiste; ao passo que agora ferirás a Síria apenas três vezes.

20 E Eliseu morreu, e eles o sepultaram. E os bandos dos moabitas invadiram a terra na chegada do ano.

21 E aconteceu que, ao enterrarem um homem, eis que avistaram um bando de homens; e lançaram o homem no sepulcro de Eliseu; e quando o homem foi abaixado, e tocou os ossos de Eliseu, ele reviveu, e se pôs de pé.

22 Mas Hazael, rei da Síria, oprimiu a Israel todos os dias de Jeoacaz.

23 E o Senhor teve misericórdia deles, e teve compaixão deles, e teve respeito para com eles, por causa de sua aliança com Abraão, Isaque e Jacó, e não os destruiu, nem os expulsou de sua presença ainda.

24 Assim morreu Hazael, rei da Síria; e Ben-Hadade, seu filho, reinou em seu lugar.

25 E Jeoás, filho de Jeoacaz, tornou a tomar da mão de Ben-Hadade, filho de Hazael, as cidades que ele havia tomado da mão de Jeoacaz, seu pai, pela guerra. Três vezes Joás o derrotou, e recuperou as cidades de Israel.  


CAPÍTULO 14

O bom reinado de Amazias – Jeroboão sucede a Jeoás – Amazias morto por uma conspiração.

1 No segundo ano de Joás, filho de Jeoacaz, rei de Israel, reinou Amazias, filho de Joás, rei de Judá.

2 Tinha vinte e cinco anos quando começou a reinar, e reinou vinte e nove anos em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Jeoadã de Jerusalém.

3 E ele fez o que era reto aos olhos do Senhor, mas não como Davi, seu pai; ele fez de acordo com todas as coisas como Joás, seu pai.

4 Mas os altos não foram tirados; ainda o povo sacrificava e queimava incenso nos altos.

5 E aconteceu que, tão logo o reino foi confirmado em sua mão, ele matou seus servos que haviam matado o rei seu pai.

6 Mas aos filhos dos assassinos não matou; conforme o que está escrito no livro da lei de Moisés, em que o Senhor ordenou, dizendo: Não serão mortos os pais pelos filhos, nem os filhos pelos pais; mas cada um será morto pelo seu próprio pecado.

7 Ele matou dez mil de Edom no vale do sal, e tomou Selah pela guerra, e chamou-lhe Joktheel até o dia de hoje.

8 Então Amazias enviou mensageiros a Jeoás, filho de Jeoacaz, filho de Jeú, rei de Israel, dizendo: Venha, olhemo-nos face a face.

9 E Jeoás, rei de Israel, enviou a Amazias, rei de Judá, dizendo: O cardo que estava no Líbano enviou ao cedro que estava no Líbano, dizendo: Dá tua filha por mulher a meu filho; e passou uma fera que estava no Líbano, e desceu o cardo.

10 De fato feriste a Edom, e o teu coração te exaltou; glória disso, e fique em casa; pois por que se intrometer no seu dano, para que você caia, mesmo você e Judá contigo?

11 Mas Amazias não quis ouvir. Por isso subiu Jeoás, rei de Israel; e ele e Amazias, rei de Judá, olharam um para o outro em Bete-Semes, que pertence a Judá.

12 E Judá foi prejudicado diante de Israel; e fugiram cada um para as suas tendas.

13 E Jeoás, rei de Israel, tomou Amazias, rei de Judá, filho de Jeoás, filho de Acazias, em Bete-Semes, e veio a Jerusalém, e derrubou o muro de Jerusalém, desde a porta de Efraim até a porta da esquina, quatrocentos côvados .

14 E tomou todo o ouro e a prata, e todos os utensílios que se acharam na casa do Senhor, e nos tesouros da casa do rei, e os reféns, e voltou para Samaria.

15 Ora, o resto dos atos de Jeoás, e o seu poder, e como lutou contra Amazias, rei de Judá, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Israel?

16 E Jeoás dormiu com seus pais, e foi sepultado em Samaria com os reis de Israel; e Jeroboão, seu filho, reinou em seu lugar.

17 E Amazias, filho de Joás, rei de Judá, viveu quinze anos depois da morte de Jeoás, filho de Jeoacaz, rei de Israel.

18 E os demais atos de Amazias não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Judá?

19 Ora, conspiraram contra ele em Jerusalém; e ele fugiu para Laquis; mas eles mandaram atrás dele até Laquis, e o mataram ali.

20 E eles o trouxeram em cavalos; e foi sepultado em Jerusalém com seus pais, na cidade de Davi.

21 E todo o povo de Judá tomou Azarias, que tinha dezesseis anos, e o constituiu rei em lugar de seu pai Amazias.

22 Ele edificou Elate, e a restituiu a Judá, depois que o rei dormiu com seus pais.

23 No décimo quinto ano de Amazias, filho de Joás, rei de Judá, Jeroboão, filho de Joás, rei de Israel, começou a reinar em Samaria, e reinou quarenta e um anos.

24 E fez o que era mau aos olhos do Senhor; ele não se desviou de todos os pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez Israel pecar.

25 Ele restaurou a costa de Israel desde a entrada de Hamate até o mar da planície, conforme a palavra do Senhor Deus de Israel, que havia falado pela mão de seu servo Jonas, filho de Amitai, o profeta, que era de Gate-Hefer.

26 Porque o Senhor viu a aflição de Israel, que era muito amarga; porque não havia calado, nem sobrado, nem ajudador para Israel.

27 E o Senhor não disse que apagaria o nome de Israel de debaixo do céu; mas ele os salvou pela mão de Jeroboão, filho de Joás.

28 Ora, o restante dos atos de Jeroboão, e tudo o que ele fez, e seu poder, como guerreou, e como recuperou Damasco e Hamate, que pertenciam a Judá, para Israel, não estão escritos no livro do Crônicas dos reis de Israel?

29 E Jeroboão dormiu com seus pais, sim, com os reis de Israel; e Zacarias, seu filho, reinou em seu lugar.  


CAPÍTULO 15

O bom reinado de Azarias — Zacarias morto por Salum — Peca morto por Oséias.

1 No vigésimo sétimo ano de Jeroboão, rei de Israel, começou a reinar Azarias, filho de Amazias, rei de Judá.

2 Tinha dezesseis anos quando começou a reinar, e reinou cinqüenta e dois anos em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Jecolias de Jerusalém.

3 E ele fez o que era reto aos olhos do Senhor, conforme tudo o que seu pai Amazias havia feito;

4 Salve que os lugares altos não foram removidos; o povo sacrificava e queimava incenso ainda nos altos.

5 E o Senhor feriu o rei, de modo que ficou leproso até o dia de sua morte, e habitou em várias casas. E Jotão, filho do rei, estava sobre a casa, julgando o povo da terra.

6 E o resto dos atos de Azarias, e tudo o que ele fez, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Judá?

7 Então Azarias dormiu com seus pais; e o sepultaram com seus pais na cidade de Davi, e Jotão, seu filho, reinou em seu lugar.

8 No trigésimo oitavo ano de Azarias, rei de Judá, Zacarias, filho de Jeroboão, reinou seis meses sobre Israel em Samaria.

9 E ele fez o que era mau aos olhos do Senhor, como seus pais haviam feito; ele não se desviou dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez Israel pecar.

10 E Salum, filho de Jabes, conspirou contra ele, e o feriu diante do povo, e o matou, e reinou em seu lugar.

11 E o restante dos atos de Zacarias, eis que estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Israel.

12 Esta foi a palavra que o Senhor falou a Jeú, dizendo: Teus filhos se assentarão no trono de Israel até a quarta geração. E assim aconteceu.

13 Começou a reinar Salum, filho de Jabes, no trigésimo ano de Uzias, rei de Judá; e reinou um mês inteiro em Samaria.

14 Pois Menaém, filho de Gadi, subiu de Tirza, e veio a Samaria, e feriu a Salum, filho de Jabes, em Samaria, e o matou, e reinou em seu lugar.

15 E o resto dos atos de Salum, e sua conspiração que fez, eis que estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Israel.

16 Então Menaém feriu a Tifsa, e a tudo o que nela havia, e seus limites desde Tirza; porque eles não abriram para ele, então ele a feriu; e todas as mulheres que estavam grávidas ele rasgou.

17 No trigésimo ano nove e trinta de Azarias, rei de Judá, começou a reinar Menaém, filho de Gadi, sobre Israel, e reinou dez anos em Samaria.

18 E fez o que era mau aos olhos do Senhor; ele não se desviou todos os seus dias dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez Israel pecar.

19 E Pul, rei da Assíria, veio contra a terra; e Menaém deu a Pul mil talentos de prata, para que sua mão estivesse com ele para confirmar o reino em sua mão.

20 E Menaém exigiu o dinheiro de Israel, sim, de todos os homens poderosos de riqueza, de cada homem cinquenta siclos de prata, para dar ao rei da Assíria. Então o rei da Assíria voltou atrás e não ficou ali na terra.

21 E o resto dos atos de Menaém, e tudo o que ele fez, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Israel?

22 E Menaém dormiu com seus pais; e Pecaías, seu filho, reinou em seu lugar.

23 No quinquagésimo ano de Azarias, rei de Judá, Pecaías, filho de Menaém, começou a reinar sobre Israel em Samaria, e reinou dois anos.

24 E fez o que era mau aos olhos do Senhor; ele não se desviou dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez Israel pecar.

25 Mas Peca, filho de Remalias, seu capitão, conspirou contra ele, e o feriu em Samaria, no palácio da casa do rei, com Argobe e Arieh, e com ele cinquenta gileaditas; e ele o matou, e reinou em seu quarto.

26 E o resto dos atos de Pecaías, e tudo o que ele fez, eis que estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Israel.

27 No ano cinqüenta e dois de Azarias, rei de Judá, Peca, filho de Remalias, começou a reinar sobre Israel em Samaria, e reinou vinte anos.

28 E fez o que era mau aos olhos do Senhor; ele não se desviou dos pecados de Jeroboão, filho de Nebate, que fez Israel pecar.

29 Nos dias de Peca, rei de Israel, veio Tiglate-Pileser, rei da Assíria, e tomou Ijon, Abel-Bete-Maacá, Janoá, Quedes, Hazor, Gileade e Galiléia, toda a terra de Naftali, e os levou cativos para a Assíria.

30 E Oséias, filho de Elá, conspirou contra Peca, filho de Remalias, e o feriu, e o matou, e reinou em seu lugar, no vigésimo ano de Jotão, filho de Uzias.

31 E o resto dos atos de Peca, e tudo o que ele fez, eis que estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Israel.

32 No segundo ano de Peca, filho de Remalias, rei de Israel, começou a reinar Jotão, filho de Uzias, rei de Judá.

33 Tinha vinte e cinco anos quando começou a reinar, e reinou dezesseis anos em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Jerusha, filha de Zadok.

34 E ele fez o que era reto aos olhos do Senhor; ele fez conforme tudo o que seu pai Uzias havia feito.

35 Mas os altos não foram removidos; o povo sacrificava e queimava incenso ainda nos altos. Ele construiu o portão mais alto da casa do Senhor.

36 Ora, o restante dos atos de Jotão, e tudo o que ele fez, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Judá?

37 Naqueles dias o Senhor começou a enviar contra Judá Rezim, rei da Síria, e Peca, filho de Remalias.

38 E Jotão dormiu com seus pais, e foi sepultado com seus pais na cidade de Davi, seu pai, e Acaz, seu filho, reinou em seu lugar.  


CAPÍTULO 16

O reinado perverso de Acaz – Ele estraga o templo – Ezequias o sucede.

1 No décimo sétimo ano de Peca, filho de Remalias, Acaz, filho de Jotão, rei de Judá, começou a reinar.

2 Acaz tinha vinte anos quando começou a reinar, e reinou dezesseis anos em Jerusalém, e não fez o que era reto aos olhos do Senhor seu Deus, como Davi, seu pai.

3 Mas ele andou no caminho dos reis de Israel, sim, e fez seu filho passar pelo fogo, conforme as abominações dos gentios, que o Senhor expulsou de diante dos filhos de Israel.

4 E ele sacrificou e queimou incenso nos altos, e nos outeiros, e debaixo de toda árvore verde.

5 Então Rezim, rei da Síria, e Peca, filho de Remalias, rei de Israel, subiram a Jerusalém para a guerra; e eles cercaram Acaz, mas não conseguiram vencê-lo.

6 Naquele tempo Rezim, rei da Síria, trouxe Elate para a Síria, e expulsou os judeus de Elate; e os sírios vieram a Elate, e habitaram ali até o dia de hoje.

7 Então Acaz enviou mensageiros a Tiglate-Pileser, rei da Assíria, dizendo: Sou teu servo e teu filho; sobe e livra-me das mãos do rei da Síria e das mãos do rei de Israel, que se levantam contra mim.

8 E Acaz tomou a prata e o ouro que se achou na casa do Senhor, e nos tesouros da casa do rei, e os enviou como presente ao rei da Assíria.

9 E o rei da Assíria lhe deu ouvidos; porque o rei da Assíria subiu contra Damasco, e a tomou, e levou o povo dela cativo para Quir, e matou Rezim.

10 E o rei Acaz foi a Damasco ao encontro de Tiglate-Pileser, rei da Assíria, e viu um altar que estava em Damasco; e o rei Acaz enviou a Urias, o sacerdote, o modelo do altar e o modelo dele, conforme toda a sua obra.

11 E o sacerdote Urias edificou um altar conforme tudo o que o rei Acaz tinha enviado de Damasco; então Urias, o sacerdote, fez isso contra o rei Acaz vindo de Damasco.

12 E quando o rei veio de Damasco, o rei viu o altar; e o rei aproximou-se do altar e ofereceu sobre ele.

13 E queimou o seu holocausto e a sua oferta de manjares, e derramou a sua libação, e espargiu o sangue das suas ofertas pacíficas sobre o altar.

14 E ele trouxe também o altar de bronze, que estava diante do Senhor, da frente da casa, entre o altar e a casa do Senhor, e o colocou no lado norte do altar.

15 E o rei Acaz deu ordem a Urias, o sacerdote, dizendo: Sobre o grande altar queime o holocausto da manhã, e a oferta de cereais da tarde, e o holocausto do rei, e a sua oferta de cereais, com o holocausto de todo o povo da terra, e a sua oferta de manjares e as suas libações; e espargirá sobre ela todo o sangue do holocausto e todo o sangue do sacrifício; e o altar de bronze me servirá de consulta.

16 Assim fez o sacerdote Urias, conforme tudo o que o rei Acaz ordenara.

17 E o rei Acaz cortou as bordas das bases, e removeu a pia delas; e tirou o mar dos bois de bronze que estavam debaixo dele e o colocou sobre um pavimento de pedras.

18 E o esconderijo para o sábado que haviam construído na casa, e a entrada do rei por fora, desviou da casa do Senhor para o rei da Assíria.

19 Quanto ao resto dos atos de Acaz que fez, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Judá?

20 E Acaz dormiu com seus pais, e foi sepultado com seus pais na cidade de Davi; e Ezequias, seu filho, reinou em seu lugar.  


CAPÍTULO 17

Oséias subjugado por Salmaneser — Samaria cativada — A mistura de religiões.

1 No décimo segundo ano de Acaz, rei de Judá, começou Oséias, filho de Elá, a reinar nove anos em Samaria sobre Israel.

2 E fez o que era mau aos olhos do Senhor, mas não como os reis de Israel que foram antes dele.

3 Contra ele subiu Salmaneser, rei da Assíria; e Oséias tornou-se seu servo e lhe deu presentes.

4 E o rei da Assíria achou conspiração em Oséias; porque tinha enviado mensageiros a Assim, rei do Egito, e não trouxe presentes ao rei da Assíria, como fazia ano após ano; por isso o rei da Assíria o encerrou e o prendeu na prisão.

5 Então o rei da Assíria subiu por toda a terra, e subiu a Samaria, e a sitiou por três anos.

6 No ano nono de Oséias, o rei da Assíria tomou Samaria, e levou Israel para a Assíria, e os colocou em Hala e em Habor, junto ao rio de Gozã, e nas cidades dos medos.

7 Porque sucedeu que os filhos de Israel pecaram contra o Senhor seu Deus, que os fizera subir da terra do Egito, da mão de Faraó, rei do Egito, e temeram outros deuses,

8 E andou nos estatutos dos gentios, que o Senhor expulsou de diante dos filhos de Israel e dos reis de Israel, que eles haviam feito.

9 E os filhos de Israel fizeram secretamente o que não era certo contra o Senhor seu Deus, e construíram para eles altos em todas as suas cidades, desde a torre das atalaias até a cidade fortificada.

10 E ergueram imagens e arvoredos em cada colina alta, e debaixo de toda árvore verde;

11 E ali queimaram incenso em todos os altos, como fizeram os gentios que o Senhor levou diante deles; e fez coisas más para provocar a ira do Senhor;

12 Pois serviam aos ídolos, dos quais o Senhor lhes havia dito: Não fareis tal coisa.

13 Mas o Senhor testificou contra Israel e contra Judá, por todos os profetas e por todos os videntes, dizendo: Afastai-vos dos vossos maus caminhos, e guardai os meus mandamentos e os meus estatutos, conforme toda a lei que ordenei a vossos pais , e que vos enviei por intermédio dos meus servos, os profetas.

14 Não obstante, não quiseram ouvir, mas endureceram a cerviz, como a cerviz de seus pais, que não creram no Senhor seu Deus.

15 E rejeitaram os seus estatutos, e o seu pacto que fizera com seus pais, e os seus testemunhos que testificou contra eles; e eles seguiram a vaidade, e se tornaram vãos, e foram atrás dos gentios que estavam ao redor deles, a respeito dos quais o Senhor os havia ordenado, para que não fizessem como eles.

16 E deixaram todos os mandamentos do Senhor seu Deus, e fizeram para si imagens de fundição, dois bezerros, e fizeram um bosque, e adoraram todo o exército do céu, e serviram a Baal.

17 E fizeram passar seus filhos e suas filhas pelo fogo, e usaram adivinhações e encantamentos, e se venderam para fazer o mal aos olhos do Senhor, para o provocarem à ira.

18 Por isso o Senhor se irou muito contra Israel, e os tirou da sua vista; não havia mais ninguém além da tribo de Judá somente.

19 Também Judá não guardou os mandamentos do Senhor seu Deus, mas andou nos estatutos de Israel que eles fizeram.

20 E o Senhor rejeitou toda a descendência de Israel, e os afligiu, e os entregou nas mãos dos destruidores, até que os lançou fora de sua vista.

21 Pois ele rasgou Israel da casa de Davi; e fizeram rei Jeroboão, filho de Nebate; e Jeroboão afastou Israel de seguir o Senhor, e os fez pecar um grande pecado.

22 Porque os filhos de Israel andaram em todos os pecados que Jeroboão cometeu; eles não se afastaram deles;

23 Até que o Senhor tirou Israel da sua vista, como havia dito por meio de todos os seus servos, os profetas. Assim foi Israel levado de sua própria terra para a Assíria até o dia de hoje.

24 E o rei da Assíria trouxe homens de Babilônia, e de Cuta, e de Ava, e de Hamate, e de Sefarvaim, e os colocou nas cidades de Samaria em lugar dos filhos de Israel; e eles possuíram Samaria, e habitaram nas suas cidades.

25 E assim foi no início de sua habitação ali, que eles não temeram ao Senhor; por isso o Senhor enviou leões entre eles, que mataram alguns deles.

26 Por isso falaram ao rei da Assíria, dizendo: As nações que removeste e puseste nas cidades de Samaria não conhecem o costume do Deus da terra; por isso enviou leões entre eles, e eis que os matam, porque não conhecem a maneira do Deus da terra.

27 Então o rei da Assíria ordenou, dizendo: Levai para lá um dos sacerdotes que trouxestes dali; e deixe-os ir e habite ali, e que ele os ensine a maneira do Deus da terra.

28 Veio, então, um dos sacerdotes que haviam levado de Samaria, e habitou em Betel, e lhes ensinou como deveriam temer ao Senhor.

29 Mas cada nação fez seus próprios deuses, e os pôs nas casas dos altos que os samaritanos haviam feito, cada nação nas suas cidades em que habitaram.

30 E os homens de Babilônia fizeram Sucote-Benote, e os homens de Cute fizeram Nergal, e os homens de Hamate fizeram Asima,

31 E os avitas fizeram Nibhaz e Tartak, e os sefarvitas queimaram seus filhos no fogo para Adrammelech e Anammelech, os deuses de Sepharvaim.

32 Então temeram ao Senhor, e dos mais baixos deles se constituíram sacerdotes dos altos, que sacrificavam por eles nas casas dos altos.

33 Temeram ao Senhor e serviram aos seus próprios deuses, à maneira das nações que dali levaram.

34 Até hoje eles fazem conforme os costumes anteriores; não temem ao Senhor, nem segundo os seus estatutos, nem segundo as suas ordenanças, nem segundo a lei e mandamento que o Senhor ordenou aos filhos de Jacó, a quem deu o nome de Israel;

35 Com os quais o Senhor havia feito aliança, e os incumbiu, dizendo: Não temereis outros deuses, nem vos inclinareis a eles, nem os servireis, nem lhes sacrificareis;

36 Mas ao Senhor, que vos fez subir da terra do Egito com grande poder e braço estendido, a ele temereis, a ele adorareis, e a ele oferecereis sacrifícios.

37 E os estatutos, e as ordenanças, e a lei, e os mandamentos que vos escreveu, guardareis para sempre; e não temereis outros deuses.

38 E a aliança que fiz convosco não vos esquecereis; nem temereis outros deuses.

39 Mas ao Senhor vosso Deus temereis; e ele te livrará da mão de todos os teus inimigos.

40 No entanto, eles não deram ouvidos, mas fizeram como antes.

41 E estas nações temeram ao Senhor, e serviram às suas imagens esculpidas, tanto seus filhos como os filhos de seus filhos; como fizeram seus pais, assim fazem até hoje.  


CAPÍTULO 18

Ezequias destrói a idolatria e prospera – Rabsaqué injuria Ezequias.

1 No terceiro ano de Oséias, filho de Elá, rei de Israel, aconteceu que Ezequias, filho de Acaz, rei de Judá, começou a reinar.

2 Tinha vinte e cinco anos quando começou a reinar; e reinou vinte e nove anos em Jerusalém. O nome de sua mãe também era Abi, filha de Zacarias.

3 E ele fez o que era reto aos olhos do Senhor, conforme tudo o que Davi, seu pai, fez.

4 Ele removeu os altos, e quebrou as imagens, e cortou os bosques, e despedaçou a serpente de bronze que Moisés havia feito; porque até aqueles dias os filhos de Israel lhe queimavam incenso; e ele o chamou de Nehushtan.

5 Ele confiou no Senhor Deus de Israel; de modo que depois dele não houve igual a ele entre todos os reis de Judá, nem nenhum dos que foram antes dele.

6 Pois ele se apegou ao Senhor, e não deixou de segui-lo, mas guardou os seus mandamentos, que o Senhor ordenara a Moisés.

7 E o Senhor estava com ele; e ele prosperava por onde quer que fosse; e ele se rebelou contra o rei da Assíria, e não o serviu.

8 Ele feriu os filisteus até Gaza e seus limites, desde a torre das atalaias até a cidade fortificada.

9 E aconteceu no quarto ano do rei Ezequias, que era o sétimo ano de Oséias, filho de Elá, rei de Israel, que Salmaneser, rei da Assíria, subiu contra Samaria e a sitiou.

10 E ao cabo de três anos eles o tomaram; mesmo no sexto ano de Ezequias, que é o nono ano de Oséias, rei de Israel, Samaria foi tomada.

11 E o rei da Assíria levou Israel para a Assíria, e os pôs em Hala e em Habor, junto ao rio de Gozã, e nas cidades dos medos;

12 Porque não obedeceram à voz do Senhor seu Deus, mas transgrediram a sua aliança, e tudo o que Moisés, servo do Senhor, ordenou, e não os ouviram, nem os fizeram.

13 No décimo quarto ano do rei Ezequias subiu Senaqueribe, rei da Assíria, contra todas as cidades fortificadas de Judá, e as tomou.

14 E Ezequias, rei de Judá, enviou ao rei da Assíria a Laquis, dizendo: Eu ofendi; volte de mim; o que tu puseste em mim eu levarei. E o rei da Assíria designou a Ezequias, rei de Judá, trezentos talentos de prata e trinta talentos de ouro.

15 E Ezequias deu-lhe toda a prata que se achou na casa do Senhor e nos tesouros da casa do rei.

16 Naquele tempo cortou Ezequias o ouro das portas do templo do Senhor e das colunas que Ezequias, rei de Judá, havia coberto, e o deu ao rei da Assíria.

17 E o rei da Assíria enviou Tartan e Rabsaris e Rabsaqué de Laquis ao rei Ezequias com um grande exército contra Jerusalém; e subiram e chegaram a Jerusalém. E quando eles subiram, eles vieram e pararam junto ao canal do tanque superior, que está no caminho do campo do lavrador.

18 E, chamando o rei, saíram a eles Eliaquim, filho de Hilquias, o chefe da casa, e Sebna, o escriba, e Joah, filho de Asafe, o escrivão.

19 E Rabsaqué lhes disse: Fala agora a Ezequias: Assim diz o grande rei, o rei da Assíria: Que confiança é esta em que confias?

20 Tu dizes (mas são palavras vãs): Tenho conselho e força para a guerra. Agora, em quem você confia, para se rebelar contra mim?

21 Agora, eis que tu confias no bordão desta cana quebrada, no Egito, no qual, se alguém se apoiar, ela entrará em sua mão e a traspassará; assim é Faraó, rei do Egito, para todos os que nele confiam.

22 Mas se me disserdes: Confiamos no Senhor nosso Deus; não é aquele cujos altos e cujos altares Ezequias tirou, e disse a Judá e a Jerusalém: Diante deste altar em Jerusalém adorareis?

23 Agora, pois, rogo-te que dês penhores ao meu senhor, o rei da Assíria, e eu te entregarei dois mil cavalos, se da tua parte puderes pôr cavaleiros para eles.

24 Como, pois, desviarás o rosto de um capitão do menor dos servos de meu senhor, e confiarás no Egito para carros e cavaleiros?

25 Subi agora sem o Senhor contra este lugar para destruí-lo? O Senhor me disse: Sobe contra esta terra e destrói-a.

26 Então disse Eliaquim, filho de Hilquias, e Sebna, e Joah, a Rabsaqué: Fala, peço-te, aos teus servos em sírio; pois nós o entendemos; e não fale conosco na língua dos judeus aos ouvidos das pessoas que estão no muro.

27 Mas Rabsaqué lhes disse: Meu senhor me enviou a teu senhor e a ti, para falar estas palavras? Ele não me enviou aos homens que estão sentados no muro, para que comam seu próprio esterco e bebam seu próprio mijo com você?

28 Então Rabsaqué se levantou e clamou em alta voz na língua dos judeus, e falou, dizendo: Ouvi a palavra do grande rei, o rei da Assíria;

29 Assim diz o rei: Não vos engane Ezequias; porque ele não poderá livrar-te da sua mão;

30 Nem Ezequias vos faça confiar no Senhor, dizendo: Certamente o Senhor nos livrará, e esta cidade não será entregue nas mãos do rei da Assíria.

31 Não dê ouvidos a Ezequias; porque assim diz o rei da Assíria: Fazei um acordo comigo por um presente, e vinde a mim, e depois comei cada um da sua vide, e cada um da sua figueira, e beba cada um das águas da sua cisterna. ;

32 Até que eu venha e vos leve para uma terra como a vossa terra, terra de trigo e vinho, terra de pão e vinhas, terra de azeite de oliva e mel, para que vivais e não morrais; e não deis ouvidos a Ezequias, quando ele vos persuadir, dizendo: O Senhor nos livrará.

33 Porventura algum dos deuses das nações livrou em toda esta terra das mãos do rei da Assíria?

34 Onde estão os deuses de Hamate e de Arpad? onde estão os deuses de Sefarvaim, Hena e Ivah? livraram Samaria da minha mão?

35 Quem são eles entre todos os deuses das terras, que livraram a sua terra da minha mão, para que o Senhor liberte Jerusalém da minha mão?

36 Mas o povo calou-se e não lhe respondeu palavra; porque o mandamento do rei era, dizendo: Não lhe respondas.

37 Então vieram Ezequias, filho de Hilquias, o chefe da casa, e Sebna, o escriba, e Joah, filho de Asafe, o cronista, a Ezequias com suas roupas rasgadas, e lhe anunciaram a palavra de Rabsaqué.


CAPÍTULO 19

Ezequias lamenta – a oração de Ezequias – a profecia de Isaías – Um anjo mata os assírios – Senaqueribe é morto.

1 E aconteceu que, ouvindo o rei Ezequias, rasgou as suas vestes, cobriu-se de pano de saco e entrou na casa do Senhor.

2 E ele enviou Eliaquim, o chefe da casa, e Sebna, o escriba, e os anciãos dos sacerdotes, cobertos de pano de saco, ao profeta Isaías, filho de Amoz.

3 E eles lhe disseram: Assim diz Ezequias: Este dia é dia de angústia, e de repreensão, e de blasfêmia; porque os filhos já nasceram, e não há força para dar à luz.

4 Pode ser que o Senhor teu Deus ouça todas as palavras de Rabsaqué, a quem o rei da Assíria, seu senhor, enviou para afrontar o Deus vivo; e repreenderá as palavras que o Senhor teu Deus ouviu; portanto levanta a tua oração pelo remanescente que resta.

5 Então os servos do rei Ezequias foram ter com Isaías.

6 E Isaías lhes disse: Assim direis a vosso senhor: Assim diz o Senhor: Não temas as palavras que ouviste, com que os servos do rei da Assíria me blasfemaram.

7 Eis que eu enviarei um apito contra ele, e ele ouvirá um rumor, e voltará para a sua terra; e eu o farei cair à espada na sua própria terra.

8 Voltou, pois, Rabsaqué, e achou o rei da Assíria guerreando contra Libna; pois ele tinha ouvido que ele havia partido de Laquis.

9 E quando ele ouviu dizer de Tirhakah, rei da Etiópia: Eis que ele saiu para pelejar contra ti; ele enviou mensageiros novamente a Ezequias, dizendo:

10 Assim falareis a Ezequias, rei de Judá, dizendo: Não te engane o teu Deus, em quem confias, dizendo: Jerusalém não será entregue nas mãos do rei da Assíria.

11 Eis que ouviste o que os reis da Assíria fizeram a todas as terras, destruindo-as totalmente; e serás livre?

12 Os deuses das nações livraram os que meus pais destruíram; como Gozã, e Harã, e Rezefe, e os filhos do Éden que estavam em Thelasar?

13 Onde estão o rei de Hamate, e o rei de Arpad, e o rei da cidade de Sefarvaim, de Hena e Ivah?

14 E Ezequias recebeu a carta da mão dos mensageiros, e a leu; e Ezequias subiu à casa do Senhor, e a espalhou perante o Senhor.

15 E Ezequias orou perante o Senhor, e disse: Ó Senhor Deus de Israel, que habitas entre os querubins, só tu és o Deus de todos os reinos da terra; tu fizeste o céu e a terra.

16 Senhor, inclina o teu ouvido e ouve; abre, Senhor, teus olhos, e vê; e ouve as palavras de Senaqueribe, que o enviou para afrontar o Deus vivo.

17 Na verdade, Senhor, os reis da Assíria destruíram as nações e suas terras.

18 E lançaram seus deuses no fogo; pois não eram deuses, mas obra de mãos de homens, madeira e pedra; portanto, eles os destruíram.

19 Agora, pois, ó Senhor nosso Deus, rogo-te, livra-nos da sua mão, para que todos os reinos da terra saibam que só tu és o Senhor Deus.

20 Então Isaías, filho de Amoz, enviou a Ezequias, dizendo: Assim diz o Senhor Deus de Israel: O que me oraste contra Senaqueribe, rei da Assíria, ouvi.

21 Esta é a palavra que o Senhor falou a respeito dele; A virgem filha de Sião te desprezou, e zombou de ti; a filha de Jerusalém sacudiu a cabeça para ti.

22 A quem você censurou e blasfemou? e contra quem ergueste a tua voz e ergueste os teus olhos para o alto? mesmo contra o Santo de Israel.

23 Por meio dos teus mensageiros afrontaste o Senhor, e disseste: Com a multidão dos meus carros subi ao cume dos montes, aos confins do Líbano, e cortarei os seus altos cedros, e a escolha seus abetos; e entrarei nos alojamentos dos seus termos e no bosque do seu Carmelo.

24 Cavei e bebi águas estranhas, e com a planta dos meus pés sequei todos os rios dos lugares sitiados.

25 Não ouviste há muito tempo como o fiz, e desde os tempos antigos que o formei? agora eu fiz acontecer, que tu deves lançar cidades cercadas devastadas em ruínas.

26 Por isso os seus habitantes eram de pouca força, ficaram apavorados e confundidos; eram como a relva do campo, e como a erva verde, como a relva dos eirados, e como o milho torrado antes de crescer.

27 Mas eu conheço a tua morada, e a tua saída, e a tua entrada, e o teu furor contra mim.

28 Porque a tua ira contra mim e o teu tumulto chegaram aos meus ouvidos, por isso porei o meu anzol no teu nariz, e o meu freio nos teus lábios, e te farei voltar pelo caminho por onde vieste.

29 E isto te servirá de sinal. Comereis este ano o que crescer por si mesmo, e no segundo ano o que brotar do mesmo; e no terceiro ano semeai, e ceifai, e plantai vinhas, e comei os seus frutos.

30 E o restante que escapar da casa de Judá ainda lançará raízes para baixo, e dará frutos para cima.

31 Porque de Jerusalém sairá um remanescente, e os que escaparem do monte Sião; o zelo do Senhor dos Exércitos fará isso.

32 Portanto, assim diz o Senhor acerca do rei da Assíria: Não entrará nesta cidade, nem atirará nela flecha, nem virá diante dela com escudo, nem lançará contra ela uma barreira.

33 Pelo caminho por onde veio, por ele voltará, e não entrará nesta cidade, diz o Senhor.

34 Pois defenderei esta cidade para salvá-la, por amor de mim e de Davi, meu servo.

35 E aconteceu que naquela noite o anjo do Senhor saiu e feriu no acampamento dos assírios cento e oitenta e cinco mil; e quando os que restaram se levantaram de madrugada, eis que eram todos cadáveres.

36 Partiu, pois, Senaqueribe, rei da Assíria, e voltou, e habitou em Nínive.

37 E aconteceu que, enquanto ele adorava na casa de Nisroch, seu deus, Adrammelech e Sharezer, seus filhos, o feriram à espada; e eles escaparam para a terra da Armênia. E Essar-haddon, seu filho, reinou em seu lugar.  


CAPÍTULO 20

A vida de Ezequias se prolongou – A sombra retrocede dez graus – Isaías prediz o cativeiro babilônico – Manassés sucede a Ezequias.

1 Naqueles dias adoeceu Ezequias até a morte. E veio a ele o profeta Isaías, filho de Amoz, e disse-lhe: Assim diz o Senhor: Põe em ordem a tua casa; porque morrerás e não viverás.

2 Então voltou o rosto para a parede e orou ao Senhor, dizendo:

3 Rogo-te, Senhor, lembra-te agora de como andei diante de ti em verdade e com coração perfeito, e fiz o que é bom aos teus olhos. E Ezequias chorou muito.

4 E aconteceu que, antes de Isaías sair para o pátio do meio, veio a ele a palavra do Senhor, dizendo:

5 Volta-te e dize a Ezequias, capitão do meu povo: Assim diz o Senhor, Deus de Davi, teu pai: Ouvi a tua oração, vi as tuas lágrimas; eis que eu te curarei; ao terceiro dia subirás à casa do Senhor.

6 E aos teus dias acrescentarei quinze anos; e livrar-te-ei a ti e a esta cidade das mãos do rei da Assíria; e defenderei esta cidade por amor de mim e de meu servo Davi.

7 E Isaías disse: Toma um pedaço de figos. E eles pegaram e colocaram no furúnculo, e ele se recuperou.

8 E disse Ezequias a Isaías: Qual será o sinal de que o Senhor me curará, e de que ao terceiro dia subirei à casa do Senhor?

9 E Isaías disse: Este sinal terás do Senhor, de que o Senhor fará o que tem falado; deve a sombra avançar dez graus ou retroceder dez graus?

10 E Ezequias respondeu: É leve que a sombra desça dez graus; não, mas deixe a sombra voltar dez graus para trás.

11 E o profeta Isaías clamou ao Senhor; e ele trouxe a sombra dez graus para trás, pela qual ela havia descido no mostrador de Acaz.

12 Naquele tempo, Berodaque-Baladã, filho de Baladã, rei de Babilônia, enviou cartas e um presente a Ezequias; pois tinha ouvido que Ezequias estava doente.

13 E Ezequias os ouviu, e mostrou-lhes toda a casa das suas coisas preciosas, a prata, e o ouro, e as especiarias, e o unguento precioso, e toda a casa da sua armadura, e tudo o que se achou nos seus tesouros ; não havia nada em sua casa, nem em todo o seu domínio, que Ezequias não lhes mostrasse.

14 Então veio o profeta Isaías ao rei Ezequias, e disse-lhe: Que disseram estes homens? e de onde vieram a ti? E Ezequias disse: Eles vêm de uma terra distante, até mesmo da Babilônia.

15 E ele disse: Que viram eles em tua casa? E Ezequias respondeu: Todas as coisas que estão em minha casa viram; não há nada entre os meus tesouros que eu não lhes tenha mostrado.

16 E Isaías disse a Ezequias: Ouve a palavra do Senhor.

17 Eis que vêm dias em que tudo o que está em tua casa, e tudo o que teus pais entesouram até hoje, será levado para Babilônia; nada ficará, diz o Senhor.

18 E de teus filhos que procederem de ti, que tu gerares, eles tirarão; e serão eunucos no palácio do rei de Babilônia.

19 Então disse Ezequias a Isaías: Boa é a palavra do Senhor que falaste. E ele disse: Não é bom, se a paz e a verdade estiverem em meus dias?

20 E o resto dos atos de Ezequias, e todo o seu poder, e como ele fez um tanque e um canal, e trouxe água para a cidade, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Judá?

21 E Ezequias dormiu com seus pais; e Manassés, seu filho, reinou em seu lugar.  


CAPÍTULO 21

A idolatria de Manassés – Amon o sucede – Ele sendo morto, Josias é feito rei.

1 Manassés tinha doze anos quando começou a reinar, e reinou cinqüenta e cinco anos em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Hefzibá.

2 E fez o que era mau aos olhos do Senhor, segundo as abominações dos gentios, que o Senhor expulsou de diante dos filhos de Israel.

3 Pois ele reedificou os altos que Ezequias, seu pai, havia destruído; e levantou altares para Baal, e fez um bosque, como fez Acabe, rei de Israel; e adorou todo o exército do céu, e os serviu.

4 E edificou altares na casa do Senhor, da qual o Senhor disse: Em Jerusalém porei o meu nome.

5 E edificou altares para todo o exército do céu nos dois átrios da casa do Senhor.

6 E fez passar seu filho pelo fogo, e observou tempos, e usou encantamentos, e tratou com espíritos familiares e feiticeiros; fez muita maldade aos olhos do Senhor, para o provocar à ira.

7 E pôs uma imagem esculpida do bosque que fizera na casa, da qual o Senhor disse a Davi e a Salomão, seu filho: Nesta casa e em Jerusalém, que escolhi de todas as tribos de Israel, porei meu nome para sempre.

8 Nem mais farei mover os pés de Israel da terra que dei a seus pais; somente se eles cuidarem de fazer conforme tudo o que eu lhes ordenei, e conforme toda a lei que meu servo Moisés lhes ordenou.

9 Mas eles não deram ouvidos; e Manassés os seduziu a fazer mais mal do que as nações que o Senhor destruiu diante dos filhos de Israel.

10 E o Senhor falou por meio de seus servos, os profetas, dizendo:

11 Porque Manassés, rei de Judá, praticou estas abominações, e praticou perversamente mais do que tudo o que os amorreus fizeram antes dele, e fez também Judá pecar com os seus ídolos;

12 Portanto assim diz o Senhor Deus de Israel: Eis que trago tanto mal sobre Jerusalém e sobre Judá, que quem o ouvir, ambos os seus ouvidos formigarão.

13 E estenderei sobre Jerusalém o cordel de Samaria e o prumo da casa de Acabe; e limparei Jerusalém como quem limpa o prato, limpando-o e virando-o de cabeça para baixo.

14 E abandonarei o resto da minha herança, e os entregarei nas mãos de seus inimigos; e eles se tornarão presa e despojo para todos os seus inimigos;

15 Porque fizeram o que era mau aos meus olhos, e me provocaram à ira, desde o dia em que seus pais saíram do Egito, até o dia de hoje.

16 Além disso, Manassés derramou muitíssimo sangue inocente, até que encheu Jerusalém de uma ponta à outra; além do pecado com que fez Judá pecar, fazendo o que era mau aos olhos do Senhor.

17 Ora, o restante dos atos de Manassés, e tudo o que fez, e o pecado que pecou, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Judá?

18 E Manassés dormiu com seus pais, e foi sepultado no jardim de sua casa, no jardim de Uzá; e Amon, seu filho, reinou em seu lugar.

19 Amon tinha vinte e dois anos quando começou a reinar, e reinou dois anos em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Mesullemet, filha de Haruz de Jotbah.

20 E fez o que era mau aos olhos do Senhor, como fez seu pai Manassés.

21 E ele andou por todo o caminho que seu pai andou, e serviu aos ídolos que seu pai serviu, e os adorou;

22 E abandonou o Senhor Deus de seus pais, e não andou no caminho do Senhor.

23 E os servos de Amon conspiraram contra ele, e mataram o rei em sua própria casa.

24 E o povo da terra matou todos os que conspiraram contra o rei Amon; e o povo da terra fez rei Josias, seu filho, em seu lugar.

25 Quanto ao resto dos atos de Amom que ele fez, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Judá?

26 E foi sepultado no seu sepulcro no jardim de Uzá; e Josias, seu filho, reinou em seu lugar.  


CAPÍTULO 22

Josias repara o templo – O livro da lei encontrado – Hulda profetiza.

1 Josias tinha oito anos quando começou a reinar, e reinou trinta e um anos em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Jedidah, filha de Adaiah de Boscath.

2 E fez o que era reto aos olhos do Senhor, e andou por todo o caminho de Davi, seu pai, e não se desviou nem para a direita nem para a esquerda.

3 E aconteceu que no décimo oitavo ano do rei Josias, o rei enviou Safã, filho de Azalias, filho de Mesulão, o escriba, à casa do Senhor, dizendo:

4 Sobe ao sumo sacerdote Hilquias, para que acumule a prata que foi trazida à casa do Senhor, que os guardas da porta ajuntaram do povo;

5 E entreguem-no nas mãos dos executores da obra, que têm a seu cargo a casa do Senhor; e dêem-no aos executores da obra, que está na casa do Senhor, para repararem as brechas da casa.

6 Para carpinteiros, pedreiros e pedreiros, e para comprar madeira e pedra lavrada para consertar a casa.

7 No entanto, não se lhes fizeram contas do dinheiro que lhes foi entregue, porque agiram com fidelidade.

8 E Hilquias, o sumo sacerdote, disse ao escriba Safã: Achei o livro da lei na casa do Senhor. E Hilquias deu o livro a Safã, e ele o leu.

9 E Safã, o escriba, veio ter com o rei, e tornou a comunicar ao rei, e disse: Teus servos recolheram o dinheiro que se achou na casa, e o entregaram nas mãos dos que fazem a obra, que têm o supervisão da casa do Senhor.

10 E Safã, o escriba, mostrou ao rei, dizendo: Hilquias, o sacerdote, me entregou um livro. E Shaphan o leu diante do rei.

11 E aconteceu que, ouvindo o rei as palavras do livro da lei, rasgou as suas vestes.

12 E o rei deu ordem a Hilquias, o sacerdote, e Aicam, filho de Safã, e Acbor, filho de Micaías, e Safã, o escriba, e Asaías, servo do rei, dizendo:

13 Ide, consultai ao Senhor por mim, pelo povo e por todo o Judá, acerca das palavras deste livro que se achou; porque grande é a ira do Senhor que se acendeu contra nós, porque nossos pais não deram ouvidos às palavras deste livro, para fazer conforme tudo o que está escrito a nosso respeito.

14 Assim, o sacerdote Hilquias, Aicão, Acbor, Safã e Asaías foram ter com Hulda, a profetisa, mulher de Salum, filho de Ticvá, filho de Haras, guarda do guarda-roupa; (agora ela morava em Jerusalém no colégio;) e eles comungavam com ela.

15 E ela lhes disse: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Dizei ao homem que vos enviou a mim:

16 Assim diz o Senhor: Eis que trarei mal sobre este lugar e sobre os seus moradores, todas as palavras do livro que o rei de Judá leu;

17 Porque me deixaram e queimaram incenso a outros deuses, para me provocarem à ira com todas as obras das suas mãos; por isso a minha ira se acenderá contra este lugar, e não se apagará.

18 Mas ao rei de Judá, que vos enviou a consultar ao Senhor, assim lhe direis: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Quanto às palavras que ouviste;

19 Porque o teu coração se comoveu, e te humilhaste perante o Senhor, quando ouviste o que falei contra este lugar e contra os seus moradores, para que se tornassem em desolação e maldição, e rasgaste as tuas vestes e choraste antes de mim; Eu também te ouvi, diz o Senhor.

20 Eis, pois, que te reunirei a teus pais e serás recolhido em paz à tua sepultura; e os teus olhos não verão todo o mal que hei de trazer sobre este lugar. E eles trouxeram a palavra do rei novamente.  


CAPÍTULO 23

Josias faz com que o livro da lei seja lido em uma assembléia solene – Ele renova a aliança do Senhor – Ele destrói a idolatria – Ele queimou ossos de mortos no altar de Betel – Ele celebrou a páscoa – Ele afastou as bruxas – Josias morto – Jeoiaquim feito rei.

1 E o rei enviou, e eles reuniram a ele todos os anciãos de Judá e de Jerusalém.

2 E o rei subiu à casa do Senhor, e todos os homens de Judá e todos os habitantes de Jerusalém com ele, e os sacerdotes, e os profetas, e todo o povo, pequeno e grande; e ele leu em seus ouvidos todas as palavras do livro da aliança que se achou na casa do Senhor.

3 E o rei pôs-se de pé junto a uma coluna, e fez um pacto perante o Senhor, de andar após o Senhor, e guardar seus mandamentos e seus testemunhos e seus estatutos com todo o seu coração e toda a sua alma, para cumprir as palavras deste pacto que foram escritos neste livro. E todo o povo se levantou para a aliança.

4 E o rei ordenou a Hilquias, o sumo sacerdote, e aos sacerdotes da segunda ordem, e aos guardas da porta, que tirassem do templo do Senhor todos os vasos que foram feitos para Baal, e para o bosque, e para todo o exército do céu; e ele os queimou fora de Jerusalém nos campos de Cedrom, e levou as cinzas deles para Betel.

5 E depôs os sacerdotes idólatras, aos quais os reis de Judá tinham ordenado que queimassem incenso nos altos das cidades de Judá e nos arredores de Jerusalém; também os que queimaram incenso a Baal, ao sol, e à lua, e aos planetas, e a todo o exército do céu.

6 E ele trouxe o bosque da casa do Senhor, fora de Jerusalém, até o ribeiro de Cedrom, e queimou-o junto ao ribeiro de Cedrom, e o esmagou em pó, e lançou o pó sobre as sepulturas dos filhos do pessoas.

7 E derrubou as casas dos sodomitas, que estavam junto à casa do Senhor, onde as mulheres teciam cortinas para o bosque.

8 E tirou todos os sacerdotes das cidades de Judá, e profanou os altos onde os sacerdotes queimavam incenso, desde Geba até Berseba, e derrubou os altos das portas que estavam à entrada do porta de Josué, governador da cidade, que estava à esquerda de um homem, à porta da cidade.

9 Não obstante, os sacerdotes dos altos não subiam ao altar do Senhor em Jerusalém, mas comiam dos pães ázimos entre seus irmãos.

10 E profanou a Tofete, que está no vale dos filhos de Hinom, para que ninguém fizesse passar seu filho ou sua filha pelo fogo a Moloque.

11 E tirou os cavalos que os reis de Judá deram ao sol, à entrada da casa do Senhor, junto ao quarto de Natã-Meleque, o camareiro, que estava nos arredores, e queimou os carros de o sol com fogo.

12 E os altares que estavam no cume do cenáculo de Acaz, que os reis de Judá tinham feito, e os altares que Manassés tinha feito nos dois átrios da casa do Senhor, o rei derrubou e quebrou descem dali, e lançam o pó deles no ribeiro de Cedrom.

13 E os altos que estavam diante de Jerusalém, que estavam à direita do monte da corrupção, que Salomão, rei de Israel, edificou para Astarote, abominação dos sidônios, e para Quemós, abominação dos moabitas, e para Milcom abominação dos filhos de Amom, o rei contaminou.

14 E partiu em pedaços as imagens, e cortou os bosques, e encheu os seus lugares com ossos de homens.

15 Além disso, o altar que estava em Betel, e o alto que Jeroboão, filho de Nebate, que fez Israel pecar, tinha feito, tanto o altar como o alto ele demoliu, e queimou o alto, e selou reduzido a pó, e queimou o bosque.

16 E, voltando-se Josias, avistou os sepulcros que estavam ali no monte, e enviou, e tirou os ossos dos sepulcros, e os queimou sobre o altar, e o profanou, conforme a palavra do Senhor, que o homem de Deus proclamou, que proclamou estas palavras.

17 Então ele disse: Que título é esse que eu vejo? E os homens da cidade lhe disseram: É o sepulcro do homem de Deus, que veio de Judá, e proclamou estas coisas que fizeste contra o altar de Betel.

18 E ele disse: Deixa-o em paz; que nenhum homem mova seus ossos. Então eles deixaram seus ossos em paz, com os ossos do profeta que vieram de Samaria.

19 E também todas as casas dos altos que havia nas cidades de Samaria, que os reis de Israel tinham feito para provocar a ira do Senhor, Josias tirou, e fez com eles conforme todos os atos que havia feito em Beth-el.

20 E ele matou todos os sacerdotes dos altos que estavam ali sobre os altares, e queimou ossos de homens sobre eles, e voltou para Jerusalém.

21 E o rei ordenou a todo o povo, dizendo: Celebrai a páscoa ao Senhor vosso Deus, como está escrito no livro desta aliança.

22 Certamente não houve tal páscoa desde os dias dos juízes que julgavam a Israel, nem em todos os dias dos reis de Israel, nem dos reis de Judá;

23 Mas no décimo oitavo ano do rei Josias, em que esta páscoa foi celebrada ao Senhor em Jerusalém.

24 Além disso, Josias expulsou Josias, e os feiticeiros, e as imagens, e os ídolos, e todas as abominações que se espiavam na terra de Judá e em Jerusalém, para cumprir as palavras da lei. , que foram escritos no livro que Hilquias o sacerdote encontrou na casa do Senhor.

25 E semelhante a ele não houve rei antes dele, que se converteu ao Senhor de todo o seu coração, e de toda a sua alma, e de todas as suas forças, de acordo com toda a lei de Moisés; nem depois dele surgiu outro igual a ele.

26 Não obstante, o Senhor não se desviou do ardor da sua grande ira, com que se acendeu a sua ira contra Judá, por causa de todas as provocações com que Manassés o havia provocado.

27 E o Senhor disse: Também tirarei Judá da minha vista, como tirei Israel, e rejeitarei esta cidade de Jerusalém que escolhi, e a casa da qual disse: Meu nome estará ali.

28 Ora, o restante dos atos de Josias, e tudo o que ele fez, não está escrito no livro das Crônicas dos reis de Judá?

29 Nos seus dias subiu Faraó-Neco, rei do Egito, contra o rei da Assíria, ao rio Eufrates; e o rei Josias foi contra ele; e ele o matou em Megido, quando o viu.

30 E seus servos o levaram em um carro morto de Megido, e o trouxeram para Jerusalém, e o sepultaram em seu próprio sepulcro. E o povo da terra tomou a Jeoacaz, filho de Josias, e o ungiu, e o constituiu rei em lugar de seu pai.

31 Jeoacaz tinha vinte e três anos quando começou a reinar, e reinou três meses em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Hamutal, filha de Jeremias de Libna.

32 E ele fez o que era mau aos olhos do Senhor, conforme tudo o que seus pais haviam feito.

33 E Faraó-Neco o pôs em bandos em Ribla, na terra de Hamate, para que não reinasse em Jerusalém; e deu à terra um tributo de cem talentos de prata e um talento de ouro.

34 E Faraó-Neco constituiu rei a Eliaquim, filho de Josias, em lugar de seu pai Josias, e mudou seu nome para Jeoiaquim, e levou embora Jeoacaz; e ele veio para o Egito, e ali morreu.

35 E Jeoiaquim deu a prata e o ouro a Faraó; mas ele tributou a terra para dar o dinheiro de acordo com o mandamento de Faraó; ele exigiu a prata e o ouro do povo da terra, de cada um de acordo com seus impostos, para dar a Faraó-Necoh.

36 Jeoiaquim tinha vinte e cinco anos quando começou a reinar; e reinou onze anos em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Zebudá, filha de Pedaías de Ruma.

37 E ele fez o que era mau aos olhos do Senhor, conforme tudo o que seus pais haviam feito.  


CAPÍTULO 24

Jeoaquim obtém sua própria ruína – o reinado maligno de Joaquim – Jerusalém tomada e levada cativa para a Babilônia – Zedequias é feito rei.

1 Nos seus dias subiu Nabucodonosor, rei de Babilônia, e Jeoiaquim foi seu servo por três anos; então ele se virou e se rebelou contra ele.

2 E o Senhor enviou contra ele bandos dos caldeus, e bandos dos sírios, e bandos dos moabitas, e bandos dos filhos de Amom, e os enviou contra Judá para destruí-lo, conforme a palavra do Senhor, que ele falou por meio de seus servos, os profetas.

3 Certamente por ordem do Senhor veio isto sobre Judá, para retirá-los da sua vista, por causa dos pecados de Manassés, conforme tudo o que ele fez;

4 E também pelo sangue inocente que ele derramou; pois ele encheu Jerusalém com sangue inocente; que o Senhor não perdoaria.

5 Ora, o restante dos atos de Jeoiaquim, e tudo o que ele fez, não estão escritos no livro das Crônicas dos reis de Judá?

6 Assim Jeoaquim dormiu com seus pais; e Joaquim, seu filho, reinou em seu lugar.

7 E o rei do Egito não saiu mais da sua terra; porque o rei da Babilônia havia levado do rio do Egito até o rio Eufrates tudo o que pertencia ao rei do Egito.

8 Joaquim tinha dezoito anos quando começou a reinar, e reinou três meses em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Nehushta, filha de Elnathan de Jerusalém.

9 E ele fez o que era mau aos olhos do Senhor, conforme tudo o que seu pai havia feito.

10 Naquele tempo, os servos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, subiram contra Jerusalém, e a cidade foi sitiada.

11 E Nabucodonosor, rei de Babilônia, veio contra a cidade, e seus servos a cercaram.

12 E saiu Joaquim, rei de Judá, ao rei de Babilônia, ele, sua mãe, seus servos, seus príncipes e seus oficiais; e o rei de Babilônia o tomou no oitavo ano de seu reinado.

13 E tirou dali todos os tesouros da casa do Senhor, e os tesouros da casa do rei, e cortou em pedaços todos os vasos de ouro que Salomão, rei de Israel, fizera no templo do Senhor, como o Senhor tinha dito.

14 E levou toda Jerusalém, e todos os príncipes, e todos os valentes, dez mil cativos, e todos os artífices e ferreiros; nenhum permaneceu, exceto o tipo mais pobre do povo da terra.

15 E levou Joaquim para Babilônia, e a mãe do rei, e as mulheres do rei, e seus oficiais, e os poderosos da terra, os quais levaram cativos de Jerusalém para Babilônia.

16 E todos os homens valentes, até sete mil, e mil artífices e ferreiros, todos os que eram fortes e aptos para a guerra, o rei de Babilônia trouxe cativos para Babilônia.

17 E o rei de Babilônia fez rei a Matanias, irmão de seu pai, em seu lugar, e mudou seu nome para Zedequias.

18 Zedequias tinha vinte e um anos quando começou a reinar, e reinou onze anos em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Hamutal, filha de Jeremias de Libna.

19 E fez o que era mau aos olhos do Senhor, conforme tudo o que Jeoiaquim havia feito.

20 Pois pela ira do Senhor aconteceu em Jerusalém e em Judá, até que ele os expulsou de sua presença, que Zedequias se rebelou contra o rei de Babilônia. 


CAPÍTULO 25

Jerusalém sitiada – Zedequias levado, seus filhos mortos, seus olhos arrancados – Judá levado em cativeiro.

1 E aconteceu que no nono ano do seu reinado, no décimo mês, no décimo dia do mês, veio Nabucodonosor, rei de Babilônia, ele e todo o seu exército, contra Jerusalém, e se acamparam contra ela; e construíram fortes contra ela ao redor.

2 E a cidade foi sitiada até o undécimo ano do rei Zedequias.

3 E no nono dia do quarto mês prevaleceu a fome na cidade, e não havia pão para o povo da terra.

4 E a cidade foi destruída, e todos os homens de guerra fugiram de noite pelo caminho da porta entre dois muros, que está junto ao jardim do rei; (agora os caldeus estavam contra a cidade ao redor;) e o rei seguiu o caminho em direção à planície.

5 E o exército dos caldeus perseguiu o rei, e o alcançou nas campinas de Jericó; e todo o seu exército foi disperso dele.

6 Então tomaram o rei e o levaram ao rei de Babilônia, a Ribla; e eles o julgaram.

7 E mataram os filhos de Zedequias diante de seus olhos, e arrancaram os olhos de Zedequias, e o prenderam com grilhões de bronze, e o levaram para Babilônia.

8 E no quinto mês, no sétimo dia do mês, que é o décimo nono ano do rei Nabucodonosor, rei de Babilônia, veio Nebuzar-Adan, capitão da guarda, servo do rei de Babilônia, a Jerusalém;

9 E queimou a casa do Senhor, e a casa do rei, e todas as casas de Jerusalém, e a casa de todo grande queimou com fogo.

10 E todo o exército dos caldeus, que estava com o capitão da guarda, derrubou os muros de Jerusalém ao redor.

11 E o resto do povo que ficou na cidade, e os fugitivos que caíram para o rei de Babilônia, com o resto da multidão, levou Nebuzar-Adan, capitão da guarda.

12 Mas o capitão da guarda deixou os pobres da terra para serem lavradores e lavradores.

13 E as colunas de bronze que estavam na casa do Senhor, e as bases, e o mar de bronze que estava na casa do Senhor, quebraram os caldeus, e levaram o bronze deles para Babilônia.

14 E as panelas, e as pás, e os farejadores, e as colheres, e todos os vasos de bronze com que ministravam, levaram.

15 E os braseiros, e as taças, e tudo o que era de ouro, em ouro, e de prata, em prata, o capitão da guarda levou.

16 As duas colunas, um mar, e as bases que Salomão havia feito para a casa do Senhor; o bronze de todos esses vasos não tinha peso.

17 A altura de uma coluna era de dezoito côvados, e o capitel sobre ela era de bronze; e a altura do capitel três côvados; e a guirlanda e as romãs sobre o capitel ao redor, tudo de bronze; e como estes tinha a segunda coluna com trabalhos de guirlanda.

18 E o capitão da guarda levou Seraías, o sumo sacerdote, e Sofonias, o segundo sacerdote, e os três guardas da porta;

19 E da cidade ele tomou um oficial que foi posto sobre os homens de guerra, e cinco homens dos que estavam na presença do rei, que foram encontrados na cidade, e o principal escriba do exército, que reuniu o povo da terra, e sessenta homens do povo da terra que se acharam na cidade;

20 E Nebuzar-adan capitão da guarda tomou estes, e os trouxe ao rei de Babilônia a Riblah;

21 E o rei de Babilônia os feriu, e os matou em Ribla, na terra de Hamate. Então Judá foi levado para fora de sua terra.

22 E quanto ao povo que ficou na terra de Judá, que Nabucodonosor, rei da Babilônia, havia deixado, também sobre eles ele fez Gedalias, filho de Aicão, filho de Safã, governador.

23 E quando todos os capitães dos exércitos, eles e seus homens, ouviram que o rei de Babilônia havia feito a Gedalias governador, vieram a Gedalias a Mispá, Ismael, filho de Netanias, e Joanã, filho de Careah, e Seraías, o filho de Tanumete, o netofatita, e Jaazanias, filho de um maacatita, eles e seus homens.

24 E Gedalias jurou a eles e aos seus homens, e disse-lhes: Não temais ser servos dos caldeus; habite na terra e sirva ao rei de Babilônia; e tudo irá bem com você.

25 Mas no sétimo mês veio Ismael, filho de Netanias, filho de Elisama, da linhagem real, e dez homens com ele, e feriu Gedalias, e este morreu, e os judeus e os caldeus que estavam com ele em Mispá.

26 E todo o povo, pequeno e grande, e os capitães dos exércitos, se levantaram e foram ao Egito; porque tinham medo dos caldeus.

27 E aconteceu que no trigésimo sétimo ano do cativeiro de Joaquim, rei de Judá, no décimo segundo mês, no vigésimo sétimo dia do mês, Evilmerodaque, rei da Babilônia, no ano em que começou a reinar, fez levante da prisão a cabeça de Joaquim, rei de Judá;

28 E falou-lhe com bondade, e pôs o seu trono acima do trono dos reis que estavam com ele em Babilônia;

29 E mudou suas vestes de prisão; e ele comeu pão continuamente diante dele todos os dias da sua vida.

30 E sua mesada era uma mesada contínua dada a ele pelo rei, uma diária para cada dia, todos os dias de sua vida.

Biblioteca das Escrituras:

Dica de pesquisa

Digite uma única palavra ou use aspas para pesquisar uma frase inteira (por exemplo, "porque Deus amou o mundo de tal maneira").

The Remnant Church Headquarters in Historic District Independence, MO. Church Seal 1830 Joseph Smith - Church History - Zionic Endeavors - Center Place

Para recursos adicionais, visite nosso Recursos para membros página.