Êxodo

Êxodo

CAPÍTULO 1

Os filhos de Israel, embora oprimidos, multiplicam-se.

1 Ora, estes são os nomes dos filhos de Israel, que vieram para o Egito; cada um segundo a sua casa que veio com Jacó.

2 Rúben, Simeão, Levi e Judá,

3 Issacar, Zebulom e Benjamim,

4 Dã, Naftali, Gade e Aser.

5 E todas as almas que saíram dos lombos de Jacó foram setenta almas; pois José já estava no Egito.

6 E morreu José, e todos os seus irmãos, e toda aquela geração.

7 E os filhos de Israel frutificaram, e cresceram abundantemente, e se multiplicaram, e se tornaram extremamente poderosos; e a terra se encheu deles.

8 Ora, levantou-se um novo rei sobre o Egito, que não conhecia a José.

9 E disse ao seu povo: Eis que o povo dos filhos de Israel é maior e mais poderoso do que nós;

10 Vamos, tratemo-los com sabedoria; para que eles não se multipliquem, e aconteça que, quando houver qualquer guerra, eles também se unam aos nossos inimigos, e lutem contra nós, e assim os tirem da terra.

11 Por isso puseram sobre eles feitores para afligi-los com suas cargas. E eles construíram para Faraó cidades do tesouro, Pitom e Ramsés.

12 Mas quanto mais os afligiam, mais eles se multiplicavam e cresciam. E ficaram tristes por causa dos filhos de Israel.

13 E os egípcios fizeram com que os filhos de Israel servissem com rigor;

14 E amargaram as suas vidas com dura servidão, em argamassa, e em tijolo, e em todo o serviço no campo; todo o seu serviço, em que os fizeram servir, foi com rigor.

15 E o rei do Egito falou às parteiras hebréias, das quais o nome de uma era Sifrá, e o nome da outra Puá;

16 E ele disse: Quando deres parteira às hebréias, e as vires sobre os assentos, se for filho, matá-lo-ás; mas se for uma filha, então viverá.

17 Mas as parteiras temeram a Deus e não fizeram como o rei do Egito lhes ordenara, mas salvaram com vida os filhos dos homens.

18 E o rei do Egito chamou as parteiras e disse-lhes: Por que fizestes isto e salvastes com vida os meninos?

19 E as parteiras disseram a Faraó: Porque as hebréias não são como as egípcias; porque eles estão vivos, e são entregues antes que as parteiras cheguem até eles.

20 Por isso Deus tratou bem as parteiras; e o povo se multiplicou e se tornou muito poderoso.

21 E aconteceu que, porque as parteiras temeram a Deus, ele lhes fez casas.

22 E Faraó ordenou a todo o seu povo, dizendo: Todo filho que nascer lançareis no rio, e toda filha salvareis viva.

CAPÍTULO 2

Nascimento, adoção, fuga e casamento de Moisés.

1 E foi um homem da casa de Levi, e casou-se com uma filha de Levi.

2 E a mulher concebeu e deu à luz um filho; e quando ela viu que ele era uma criança bonita, ela o escondeu três meses.

3 E quando ela não podia mais escondê-lo, ela tomou para ele uma arca de juncos, e a rebocou com lodo e piche, e colocou o menino nela; e ela o colocou nas bandeiras à beira do rio.

4 E sua irmã ficou de longe, para saber o que seria feito com ele.

5 E a filha de Faraó desceu para lavar-se no rio; e suas donzelas caminhavam à beira do rio; e quando ela viu a arca entre as bandeiras, ela enviou sua criada para buscá-la.

6 E, abrindo-a, viu o menino; e eis que o menino chorou. E ela teve compaixão dele, e disse: Este é um dos filhos dos hebreus.

7 Então disse sua irmã à filha de Faraó: Devo ir chamar uma ama das hebréias, para que amamente o menino?

8 E a filha de Faraó lhe disse: Vai. E a empregada foi e chamou a mãe da criança.

9 E disse-lhe a filha de Faraó: Leva embora esta criança, e amamenta-a para mim, e eu te darei o teu salário. E a mulher pegou a criança e amamentou.

10 E a criança cresceu, e ela o trouxe à filha de Faraó, e ele se tornou seu filho. E ela chamou seu nome de Moisés; e ela disse: Porque eu o tirei da água.

11 E aconteceu que naqueles dias, quando Moisés era adulto, saiu a seus irmãos e olhou para seus fardos; e viu um egípcio ferindo um hebreu, um de seus irmãos.

12 E ele olhou para um lado e para outro, e quando viu que não havia ninguém, ele matou o egípcio, e o escondeu na areia.

13 E, saindo ele no segundo dia, eis que dois hebreus lutavam entre si; e ele disse ao que fez o mal: Por que feres teu próximo?

14 E ele disse: Quem te constituiu príncipe e juiz sobre nós? pretendes matar-me, como mataste o egípcio? E Moisés temeu, e disse: Certamente esta coisa é conhecida.

15 Ora, quando Faraó ouviu isso, procurou matar Moisés. Mas Moisés fugiu da presença de Faraó, e habitou na terra de Midiã; e sentou-se junto a um poço.

16 Ora, o sacerdote de Midiã tinha sete filhas; e eles vieram e tiraram água, e encheram os bebedouros para dar de beber ao rebanho de seu pai.

17 E os pastores vieram e os expulsaram; mas Moisés se levantou e os ajudou, e deu de beber ao seu rebanho.

18 E quando chegaram a Reuel, seu pai, ele disse: Como é que viestes tão cedo hoje?

19 E eles disseram: Um egípcio nos livrou da mão dos pastores, e também tirou água suficiente para nós, e deu de beber ao rebanho.

20 E ele disse a suas filhas: E onde está ele? por que deixastes o homem? chama-o, para que coma pão.

21 E Moisés se contentou em habitar com o homem; e deu sua filha a Moisés Zípora.

22 E ela lhe deu um filho, e ele chamou seu nome Gershom; pois ele disse, fui um estrangeiro em uma terra estranha.

23 E aconteceu com o passar do tempo que o rei do Egito morreu; e os filhos de Israel viram por causa da escravidão, e clamaram, e seu clamor subiu a Deus por causa da escravidão.

24 E Deus ouviu seus gemidos, e Deus se lembrou de sua aliança com Abraão, com Isaque e com Jacó.

25 E Deus olhou para os filhos de Israel, e Deus olhou para eles.

CAPÍTULO 3

Moisés mantém o rebanho de Jetro – Deus aparece para ele em uma sarça ardente – Ele o envia para libertar Israel.

1 Ora, Moisés apascentava o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote de Midiã; e ele levou o rebanho para o lado de trás do deserto, e chegou ao monte de Deus até Horebe.

2 E novamente, a presença do Senhor apareceu a ele, em uma chama de fogo no meio de uma sarça; e olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumia.

3 E Moisés disse: Agora me desviarei, e verei esta grande visão, por que a sarça não se consome.

4 E quando o Senhor viu que ele se voltava para ver, Deus o chamou do meio da sarça, e disse: Moisés, Moisés. E ele disse: Aqui estou eu.

5 E ele disse: Não te aproximes; tire os sapatos dos pés; porque o lugar em que estás é terra santa.

6 E disse: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó. E Moisés escondeu o rosto; pois ele estava com medo de olhar para Deus.

7 E disse o Senhor: Certamente vi a aflição do meu povo que está no Egito, e ouvi o seu clamor por causa dos seus feitores; pois conheço suas tristezas;

8 E eu desci para livrá-los da mão dos egípcios, e para fazê-los subir daquela terra para uma terra boa e grande, para uma terra que mana leite e mel; ao lugar dos cananeus, e dos heteus, e dos amorreus, e dos ferezeus, e dos heveus, e dos jebuseus.

9 Agora, pois, eis que chegou a mim o clamor dos filhos de Israel; e também vi a opressão com que os egípcios os oprimem.

10 Vem, pois, agora, e eu te enviarei a Faraó, para que tire do Egito o meu povo, os filhos de Israel.

11 E disse Moisés a Deus: Quem sou eu, para ir a Faraó e tirar do Egito os filhos de Israel?

12 E ele disse: Certamente estarei contigo; e isto te será por sinal de que te enviei; Quando tiveres tirado o povo do Egito, servireis a Deus neste monte.

13 E disse Moisés a Deus: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós; e me dirão: Qual é o seu nome? o que direi a eles?

14 E Deus disse a Moisés: EU SOU O QUE SOU; e disse: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós.

15 E Deus disse mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O Senhor Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me enviou a vós; este é o meu nome para sempre, e esta é a minha memória de geração em geração.

16 Vai, reúne os anciãos de Israel e dize-lhes: O Senhor Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó, apareceu-me, dizendo: Certamente vos visitei, e vi que que vos foi feito no Egito;

17 E eu disse que vos farei subir da aflição do Egito para a terra dos cananeus, e dos heteus, e dos amorreus, e dos ferezeus, e dos heveus, e dos jebuseus, para uma terra que mana leite e querida.

18 E eles ouvirão a tua voz; e irás, tu e os anciãos de Israel, ao rei do Egito, e lhe direis: O Senhor Deus dos hebreus nos encontrou; e agora deixa-nos ir, rogamos-te, caminho de três dias ao deserto, para oferecermos sacrifícios ao Senhor nosso Deus.

19 E estou certo de que o rei do Egito não vos deixará ir, não, não por mão poderosa.

20 E estenderei a mão e ferirei o Egito com todas as minhas maravilhas que farei no meio dele; e depois disso ele vai deixar você ir.

21 E darei graça a este povo aos olhos dos egípcios; e acontecerá que, quando fordes, não ireis vazios;

22 Mas cada mulher pedirá emprestado ao seu próximo e ao peregrino em sua casa; jóias de prata, jóias de ouro e roupas; e as poreis sobre vossos filhos e vossas filhas; e despojareis os egípcios.

CAPÍTULO 4

Moisés recebe uma vara de poder – Ele reluta em ser enviado – Arão é chamado – A mensagem de Deus ao Faraó – Zípora circuncida seu filho – Arão é chamado.

1 E Moisés respondeu e disse: Mas eis que não me crerão, nem ouvirão a minha voz; porque dirão: O Senhor não te apareceu.

2 E o Senhor lhe disse: O que é isso na tua mão? E ele disse: Uma vara.

3 E ele disse: Lança-o por terra. E ele a lançou no chão, e ela se tornou uma serpente; e Moisés fugiu de diante dele.

4 E o Senhor disse a Moisés: Estende a tua mão e toma-a pela cauda. E ele estendeu a mão, e a pegou, e ela se tornou uma vara em sua mão;

5 Para que creiam que te apareceu o Senhor Deus de seus pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó.

6 E o Senhor disse-lhe ainda: Põe agora a tua mão no teu seio. E pôs a mão no peito; e quando o tirou, eis que a sua mão estava leprosa como a neve.

7 E ele disse: Põe de novo a tua mão no teu seio. E ele colocou a mão em seu peito novamente; e arrancou-o do seu seio, e eis que se tornou outra vez como a sua outra carne.

8 E acontecerá que, se não acreditarem em ti, nem derem ouvidos à voz do primeiro sinal, acreditarão na voz do último sinal.

9 E acontecerá que, se não acreditarem também nestes dois sinais, nem derem ouvidos à tua voz, tomarás da água do rio e a derramarás sobre a terra seca; e a água que tirares do rio se tornará em sangue sobre a terra seca.

10 E disse Moisés ao Senhor: Ó meu Senhor, não sou eloqüente, nem antes, nem desde que falaste com teu servo; mas eu sou pesado de boca e lento de língua.

11 E o Senhor lhe disse: Quem fez a boca do homem? ou quem faz o mudo, ou o surdo, ou o que vê, ou o cego? não tenho eu o Senhor?

12 Agora, pois, vai, e eu serei com a tua boca, e te ensinarei o que deves dizer.

13 E ele disse: Ó meu Senhor, envia, peço-te, pela mão daquele a quem tu queres enviar.

14 E a ira do Senhor se acendeu contra Moisés, e ele disse: Não é Arão, o levita, teu irmão? Eu sei que ele pode falar bem. E também, eis que ele vem ao teu encontro; e quando ele te vir, ele ficará feliz em seu coração.

15 E tu lhe falarás, e porás palavras em sua boca; e eu serei com a tua boca e com a sua boca, e te ensinarei o que deveis fazer.

16 E ele será teu porta-voz ao povo; e ele será, ele será para ti por boca, e tu serás para ele por Deus.

17 E tomarás esta vara na tua mão, com a qual farás sinais.

18 E Moisés foi e voltou a Jetro, seu sogro, e disse-lhe: Deixa-me ir, peço-te, e voltar para meus irmãos que estão no Egito, e ver se ainda vivem. E Jetro disse a Moisés: Vai em paz.

19 E o Senhor disse a Moisés em Midiã: Vai, volta para o Egito; pois morreram todos os homens que buscavam a tua vida.

20 E Moisés tomou sua mulher e seus filhos, e os colocou sobre um jumento, e ele voltou para a terra do Egito; e Moisés tomou na mão a vara de Deus.

21 E disse o Senhor a Moisés: Quando fores voltar ao Egito, vê que faças diante de Faraó todas aquelas maravilhas que pus na tua mão, e eu te farei prosperar; mas Faraó endurecerá o seu coração e não deixará ir o povo.

22 E dirás a Faraó: Assim diz o Senhor: Israel é meu filho, meu primogênito;

23 E eu te digo: Deixa ir meu filho, para que me sirva; e se recusares deixá-lo ir, eis que matarei teu filho, teu primogênito.

24 E aconteceu que o Senhor lhe apareceu enquanto estava no caminho, junto à estalagem. O Senhor irou-se contra Moisés, e sua mão estava prestes a cair sobre ele para matá-lo; porque não havia circuncidado seu filho.

25 Então Zípora tomou uma pedra afiada e circuncidou seu filho, e lançou a pedra aos pés dele, e disse: Certamente tu és um marido sanguinário para mim.

26 E o Senhor poupou Moisés e o deixou ir, porque Zípora, sua mulher, circuncidou o menino. E ela disse: Tu és um marido sangrento. E Moisés envergonhou-se, escondeu do Senhor o seu rosto e disse: Pequei perante o Senhor.

27 E o Senhor disse a Arão: Vai ao deserto ao encontro de Moisés, e ele foi e o encontrou no monte de Deus; no monte onde Deus lhe apareceu; e Aaron o beijou.

28 E Moisés contou a Arão todas as palavras do Senhor, que o enviara, e todos os sinais que lhe ordenara.

29 E Moisés e Arão foram e reuniram todos os anciãos dos filhos de Israel;

30 E Arão falou todas as palavras que o Senhor tinha falado a Moisés, e fez os sinais aos olhos do povo.

31 E o povo creu; e quando eles ouviram que o Senhor havia visitado os filhos de Israel, e que ele havia visto sua aflição, então eles inclinaram suas cabeças e adoraram.

CAPÍTULO 5

Faraó aumenta a tarefa dos israelitas – Ele verifica suas queixas Moisés clama a Deus por Israel.

1 E depois entraram Moisés e Arão, e disseram a Faraó: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Deixa ir o meu povo, para que me celebre uma festa no deserto.

2 E Faraó disse: Quem é o Senhor, para que eu obedeça à sua voz para deixar ir Israel? Não conheço o Senhor, nem deixarei ir Israel.

3 E eles disseram: O Deus dos hebreus nos encontrou; deixa-nos ir, rogamos-te, caminho de três dias para o deserto, e sacrificar ao Senhor nosso Deus; para que não caia sobre nós com pestilência ou com a espada.

4 E o rei do Egito disse-lhes: Por que vós, Moisés e Arão, conduzem o povo de suas obras? levá-lo até seus fardos.

5 E Faraó disse: Eis que o povo da terra agora é muitos, e vós os fazeis descansar de seus fardos.

6 E no mesmo dia Faraó deu ordem aos feitores do povo e aos seus oficiais, dizendo:

7 Não dareis mais palha ao povo para fazer tijolos, como dantes; deixe-os ir e recolher palha para si.

8 E a história dos tijolos que eles fizeram até agora, vós poreis sobre eles; nada diminuireis; pois estão ociosos; por isso clamam, dizendo: Vamos e sacrifiquemos ao nosso Deus.

9 Seja posto mais trabalho sobre os homens, para que nele trabalhem; e não considerem palavras vãs.

10 E saíram os feitores do povo, e os seus oficiais, e falaram ao povo, dizendo: Assim diz Faraó: Não vos darei palha.

11 Vá, pegue sua palha onde você pode encontrá-la; contudo, nada de seu trabalho será diminuído.

12 Assim, o povo se espalhou por toda a terra do Egito para recolher restolho em vez de palha.

13 E os capatazes os apressaram, dizendo: Cumpre as tuas obras, as tuas tarefas diárias, como quando havia palha.

14 E os oficiais dos filhos de Israel, que os feitores de Faraó puseram sobre eles, foram açoitados e perguntaram: Por que não cumpriste a tua tarefa de fazer tijolos, ontem e hoje, como dantes?

15 Então os oficiais dos filhos de Israel vieram e clamaram a Faraó, dizendo: Por que tratas assim os teus servos?

16 Não se dá palha aos teus servos, e eles nos dizem: Fazei tijolos; e eis que teus servos são espancados; mas a culpa é do teu próprio povo.

17 Mas ele disse: Vós estais ociosos, estais ociosos; por isso dizeis: Vamos e sacrifiquemos ao Senhor.

18 Ide, pois, agora, e trabalhai; pois não vos será dada palha, mas a história de tijolos vos dareis.

19 E os oficiais dos filhos de Israel viram que eles estavam em mau caso, depois que foi dito: Não diminuireis nada de vossos tijolos de vossa tarefa diária.

20 E eles encontraram Moisés e Arão, que estavam no caminho, quando eles saíram de Faraó;

21 E disseram-lhes: O Senhor olhe para vós e julgue; porque fizestes o nosso cheiro abominável aos olhos de Faraó, e aos olhos de seus servos, para pôr uma espada em suas mãos para nos matar.

22 E voltou Moisés ao Senhor, e disse: Senhor, por que fizeste tão mal a este povo? por que me enviaste?

23 Pois desde que vim a Faraó para falar em teu nome, ele tem feito mal a este povo; nem de modo algum livraste o teu povo.

CAPÍTULO 6

Deus renova sua promessa – A genealogia de Rúben, Simeão e Levi.

1 Então disse o Senhor a Moisés: Agora verás o que hei de fazer a Faraó; porque com mão forte os deixará ir, e com mão forte os expulsará da sua terra.

2 E Deus falou a Moisés, e disse-lhe: Eu sou o Senhor;

3 E apareci a Abraão, a Isaque e a Jacó. Eu sou o Senhor Deus Todo-Poderoso; o Senhor JEOVÁ. E meu nome não era conhecido por eles?

4 Sim, e também estabeleci com eles a minha aliança, que fiz com eles, de lhes dar a terra de Canaã, a terra da sua peregrinação, onde foram peregrinos.

5 E também ouvi o gemido dos filhos de Israel, aos quais os egípcios escravizam; e lembrei-me da minha aliança.

6 Portanto, dizei aos filhos de Israel: Eu sou o Senhor, e vos tirarei de debaixo das cargas dos egípcios, e vos livrarei da sua servidão, e vos resgatarei com braço estendido, e com grandes julgamentos;

7 E eu vos tomarei por povo, e serei para vós um Deus; e sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus, que vos livrou de debaixo das cargas dos egípcios.

8 E vos trarei à terra que jurei dar a Abraão, a Isaque e a Jacó; e eu te darei por herança; Eu, o Senhor, o farei.

9 Assim falou Moisés aos filhos de Israel; mas eles não deram ouvidos a Moisés por angústia de espírito e por cruel servidão.

10 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

11 Entra, fala a Faraó, rei do Egito, que deixe sair os filhos de Israel da sua terra.

12 E Moisés falou perante o Senhor, dizendo: Eis que os filhos de Israel não me deram ouvidos; como me ouvirá Faraó, que é de lábios incircuncisos?

13 E o Senhor falou a Moisés e a Arão, e lhes deu uma ordem aos filhos de Israel, e a Faraó, rei do Egito, que tirassem os filhos de Israel da terra do Egito.

14 Estes são os cabeças das casas paternas: os filhos de Rúben, o primogênito de Israel; Hanoch e Pallu, Hezron e Carmi; estas são as famílias de Rúben.

15 E os filhos de Simeão; Jemuel, Jamim, Oade, Jaquim, Zoar e Saul, filho de uma mulher cananéia; estas são as famílias de Simeão.

16 E estes são os nomes dos filhos de Levi segundo as suas gerações; Gérson, Coate e Merari; e os anos da vida de Levi foram cento e trinta e sete anos.

17 Os filhos de Gérson; Libni e Shimi, de acordo com suas famílias.

18 E os filhos de Coate; Anrão, Izxhar, Hebrom e Uziel; e os anos da vida de Coate foram cento e trinta e três anos.

19 E os filhos de Merari; Mahali e Mushi; estas são as famílias de Levi segundo as suas gerações.

20 E Amram tomou por esposa Joquebede, irmã de seu pai; e ela lhe deu Arão e Moisés; e os anos da vida de Anrão foram cento e trinta e sete anos.

21 E os filhos de Izar; Corá, Nefegue e Zicri.

22 E os filhos de Uziel; Misael, Elzafã e Zitri.

23 E Arão tomou por esposa Eliseba, filha de Aminadabe, irmã de Naason; e ela lhe deu Nabad e Abihu, Eleazar e Itamar.

24 E os filhos de Coré; Assir, Elcana e Abiasafe; estas são as famílias dos Korhites.

25 E o filho de Eleazar Aarão tomou por mulher uma das filhas de Putiel; e ela lhe deu Phinehas; estes são os cabeças dos pais dos levitas segundo as suas famílias.

26 Estes são os filhos de Arão, segundo as suas famílias. E todos estes são os nomes dos filhos de Israel segundo os cabeças das suas famílias, que o Senhor disse a Arão e a Moisés que fizessem subir da terra do Egito, segundo os seus exércitos.

27 Estes são os que o Senhor falou a Faraó, rei do Egito, para que os deixasse ir. E ele enviou Moisés e Arão para tirar os filhos de Israel do Egito.

28 E aconteceu que, no dia em que o Senhor falou a Moisés, na terra do Egito, o Senhor ordenou a Moisés que falasse a Faraó, rei do Egito, dizendo: Eu, o Senhor, farei a Faraó, rei do Egito, tudo o que eu te digo.

29 E Moisés disse, perante o Senhor: Eis que eu sou de lábios gagos e lento de boca; como faraó me ouvirá?

CAPÍTULO 7

Moisés é encorajado – Sua idade – Sua vara se transformou em serpente – O rio se transformou em sangue.

1 E o Senhor disse a Moisés: Vê, eu te fiz profeta a Faraó; e Arão teu irmão será teu porta-voz.

2 Falarás a teu irmão tudo o que eu te mandar; e Arão, teu irmão, falará a Faraó, que mande os filhos de Israel da sua terra.

3 E Faraó endurecerá o seu coração, como eu te disse; e multiplicarás os meus sinais e as minhas maravilhas na terra do Egito.

4 Mas Faraó não vos ouvirá, por isso porei a minha mão sobre o Egito, e tirarei os meus exércitos, o meu povo, os filhos de Israel, da terra do Egito com grandes juízos.

5 E os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando eu estender a mão sobre o Egito, e tirar do meio deles os filhos de Israel.

6 E Moisés e Arão fizeram como o Senhor lhes ordenara, assim fizeram.

7 E Moisés era da idade de oitenta anos, e Aarão da idade de oitenta e três anos, quando falaram a Faraó.

8 E o Senhor falou a Moisés e a Arão, dizendo:

9 Quando Faraó vos falar, dizendo: Mostrai um milagre para que vos conheça; então dirás a Arão: Toma a tua vara e lança-a diante de Faraó, e ela se tornará em serpente.

10 E Moisés e Arão foram ter com Faraó, e fizeram como o Senhor ordenara; e Arão lançou a sua vara diante de Faraó, e diante de seus servos, e ela se tornou uma serpente.

11 Então Faraó chamou também os sábios e os feiticeiros; agora os magos do Egito, eles também fizeram da mesma maneira com seus encantamentos.

12 Porque lançaram cada um a sua vara, e tornaram-se serpentes; mas a vara de Arão engoliu as suas varas.

13 E Faraó endureceu o seu coração, de modo que não lhes deu ouvidos; como o Senhor havia dito.

14 E o Senhor disse a Moisés: O coração de Faraó está endurecido, ele recusa deixar o povo ir.

15 Vai a Faraó pela manhã; eis que ele sai para a água; e ficarás à beira do rio contra ele; e a vara que se transformou em serpente tomarás na tua mão.

16 E lhe dirás: O Senhor Deus dos hebreus me enviou a ti, dizendo: Deixa ir o meu povo, para que me sirva no deserto; e eis que até agora não quiseste ouvir.

17 Assim diz o Senhor: Nisto conhecerás que eu sou o Senhor; eis que com a vara que tenho na mão ferirei as águas que estão no rio, e elas se transformarão em sangue.

18 E os peixes que estão no rio morrerão, e o rio cheirará mal; e os egípcios terão nojo de beber da água do rio.

19 E o Senhor falou a Moisés: Dize a Arão: Toma a tua vara, e estende a tua mão sobre as águas do Egito, sobre os seus ribeiros, sobre os seus rios, e sobre os seus tanques, e sobre todos os seus tanques de água, para que pode tornar-se sangue; e que haja sangue em toda a terra do Egito, tanto em vasos de madeira como em vasos de pedra.

20 E Moisés e Arão fizeram assim, como o Senhor ordenara; e levantou a vara, e feriu as águas que estavam no rio, diante de Faraó, e diante de seus servos; e todas as águas que estavam no rio se tornaram em sangue.

21 E os peixes que estavam no rio morreram; e o rio fedia, e os egípcios não podiam beber da água do rio; e houve sangue por toda a terra do Egito.

22 E os magos do Egito fizeram assim com seus encantamentos; e endureceu-se o coração de Faraó, e ele não lhes deu ouvidos; como o Senhor havia dito.

23 E Faraó virou-se e entrou em sua casa, nem pôs seu coração nisso também.

24 E todos os egípcios cavaram ao redor do rio em busca de água para beber; porque não podiam beber da água do rio.

25 E se cumpriram sete dias, depois que o Senhor feriu o rio.

CAPÍTULO 8

Sapos enviados, e Moisés pela oração os remove – O pó se transformou em piolhos – Os enxames de moscas.

1 E o Senhor falou a Moisés: Vai a Faraó, e dize-lhe: Assim diz o Senhor: Deixa ir o meu povo, para que me sirva.

2 E se recusares deixá-los ir, eis que ferirei com rãs todos os teus termos;

3 E o rio produzirá rãs em abundância, que subirão e entrarão na tua casa, e no teu quarto, e sobre a tua cama, e na casa dos teus servos, e sobre o teu povo, e nos teus fornos, e tuas amassadeiras;

4 E as rãs subirão tanto sobre ti como sobre o teu povo e sobre todos os teus servos.

5 E o Senhor falou a Moisés: Dize a Arão: Estende a tua mão com a tua vara sobre os ribeiros, sobre os rios e sobre as lagoas, e faz subir rãs sobre a terra do Egito.

6 E Arão estendeu a mão sobre as águas do Egito; e as rãs subiram e cobriram a terra do Egito.

7 E os magos fizeram assim com seus encantamentos, e trouxeram rãs sobre a terra do Egito.

8 Então Faraó chamou Moisés e Arão, e disse: Rogai ao Senhor que tire as rãs de mim e do meu povo; e deixarei ir o povo, para que ofereçam sacrifícios ao Senhor.

9 E disse Moisés a Faraó: Glória sobre mim; quando rogarei por ti, e por teus servos, e por teu povo, que destruas as rãs de ti e de tuas casas, para que fiquem somente no rio?

10 E ele disse: Amanhã. E ele disse: Seja conforme a tua palavra; para que saibas que não há ninguém semelhante ao Senhor nosso Deus.

11 E as rãs se afastarão de ti, e de tuas casas, e de teus servos, e de teu povo; eles devem permanecer apenas no rio.

12 E Moisés e Arão saíram de Faraó; e Moisés clamou ao Senhor por causa das rãs que trouxera contra Faraó.

13 E o Senhor fez conforme a palavra de Moisés; e as rãs morreram nas casas, nas aldeias e nos campos.

14 E os ajuntaram em montes; e a terra fedia.

15 Mas quando Faraó viu que havia trégua, endureceu o seu coração e não lhes deu ouvidos; como o Senhor havia dito.

16 E disse o Senhor a Moisés: Dize a Arão: Estende a tua vara, e fere o pó da terra, para que se torne em piolhos por toda a terra do Egito.

17 E assim fizeram; porque Arão estendeu a mão com a sua vara e feriu o pó da terra, e ele se tornou em piolhos nos homens e nos animais; todo o pó da terra se tornou em piolhos em toda a terra do Egito.

18 E os magos fizeram assim com seus encantamentos para produzir piolhos, mas não puderam; assim havia piolhos nos homens e nos animais.

19 Então os magos disseram a Faraó: Este é o dedo de Deus; e o coração de Faraó se endureceu, e ele não lhes deu ouvidos; como o Senhor havia dito.

20 E disse o Senhor a Moisés: Levanta-te de manhã cedo e põe-te diante de Faraó; eis que ele sai para a água; e diga-lhe: Assim diz o Senhor: Deixa ir o meu povo, para que me sirva.

21 De outra forma, se não deixares ir o meu povo, eis que enviarei enxames de moscas sobre ti, e sobre os teus servos, e sobre o teu povo, e sobre as tuas casas; e as casas dos egípcios se encherão de enxames de moscas, e também o solo em que estiverem.

22 E naquele dia cortarei a terra de Gósen, na qual meu povo habita, para que ali não haja enxames de moscas; para que saibas que eu sou o Senhor no meio da terra.

23 E porei separação entre o meu povo e o teu povo; amanhã será este sinal.

24 E assim fez o Senhor; e entrou um grande enxame de moscas na casa de Faraó, e nas casas dos seus servos, e em toda a terra do Egito; a terra foi corrompida por causa do enxame de moscas.

25 E Faraó chamou a Moisés e a Arão, e disse: Ide, sacrificai ao vosso Deus na terra.

26 E Moisés disse: Não convém fazer assim; porque sacrificaremos a abominação dos egípcios ao Senhor nosso Deus; eis que sacrificaremos a abominação dos egípcios diante de seus olhos, e não nos apedrejarão?

27 Iremos caminho de três dias ao deserto, e sacrificaremos ao Senhor nosso Deus, como ele nos ordenar.

28 E Faraó disse: Eu vos deixarei ir, para que sacrifiqueis ao Senhor vosso Deus no deserto; só não ireis muito longe; suplica por mim.

29 E Moisés disse: Eis que eu saio de ti, e rogarei ao Senhor que os enxames de moscas se afastem de Faraó, de seus servos e de seu povo, amanhã; mas que Faraó não faça mais dolosamente, não deixando o povo ir sacrificar ao Senhor.

30 E Moisés saiu de Faraó, e suplicou ao Senhor.

31 E o Senhor fez conforme a palavra de Moisés; e ele removeu os enxames de moscas de Faraó, de seus servos e de seu povo; não restou nenhum.

32 E Faraó endureceu seu coração também neste tempo, nem deixou o povo ir.

CAPÍTULO 9

As pragas de furúnculos, de murrain e granizo.

1 Então disse o Senhor a Moisés: Vai a Faraó e dize-lhe: Assim diz o Senhor Deus dos hebreus: Deixa ir o meu povo, para que me sirva.

2 Porque, se recusares deixá-los ir e os retiveres,

3 Eis que a mão do Senhor está sobre o teu gado que está no campo, sobre os cavalos, sobre os jumentos, sobre os camelos, sobre os bois e sobre as ovelhas; haverá um murrain muito grave.

4 E o Senhor separará o gado de Israel e o gado do Egito, e não morrerá nada de tudo o que é dos filhos de Israel.

5 E o Senhor estabeleceu um tempo determinado, dizendo: Amanhã o Senhor fará isso na terra.

6 E o Senhor fez isso no dia seguinte, e todo o gado do Egito morreu; mas do gado dos filhos de Israel não morreu nenhum.

7 E Faraó mandou, e eis que não havia morto nenhum do gado dos israelitas. E o coração de Faraó se endureceu, e ele não deixou ir o povo.

8 E disse o Senhor a Moisés e a Arão: Tomai punhados de cinza da fornalha, e Moisés a espargirá para o céu, à vista de Faraó.

9 E se tornará em pó miúdo em toda a terra do Egito, e se tornará uma úlcera que brota em feridas nos homens e nos animais por toda a terra do Egito.

10 E eles pegaram as cinzas da fornalha e se apresentaram diante de Faraó; e Moisés aspergiu para o céu; e tornou-se um furúnculo que irrompeu em feridas nos homens e nos animais.

11 E os magos não puderam comparecer diante de Moisés, por causa dos furúnculos; porque o furúnculo estava sobre os magos e sobre todos os egípcios.

12 E Faraó endureceu o seu coração, e não lhes deu ouvidos; como o Senhor havia falado a Moisés.

13 E disse o Senhor a Moisés: Levanta-te de madrugada, e põe-te diante de Faraó, e dize-lhe: Assim diz o Senhor Deus dos hebreus: Deixa ir o meu povo, para que me sirva.

14 Pois neste tempo enviarei todas as minhas pragas sobre o teu coração, e sobre os teus servos, e sobre o teu povo; para que saibas que não há ninguém como eu em toda a terra.

15 Pois agora estenderei a mão para ferir com pestilência a ti e ao teu povo; e serás exterminado da terra.

16 E de fato para isso te levantei, para mostrar em ti o meu poder; e que meu nome seja proclamado em toda a terra.

17 Portanto, fala a Faraó o que eu te ordeno, que ainda se exalta para não deixá-los ir.

18 Eis que amanhã, por esta hora, farei chover uma saraiva muito forte, como nunca houve no Egito desde a sua fundação até agora.

19 Envia, pois, agora, e ajunta o teu gado e tudo o que tens no campo; porque sobre todo homem e animal que se achar no campo, e não for trazido para casa, a saraiva cairá sobre eles, e eles morrerão.

20 Aquele que temia a palavra do Senhor entre os servos de Faraó fez seus servos e seu gado fugir para as casas;

21 E aquele que não considerou a palavra do Senhor deixou seus servos e seu gado no campo.

22 E disse o Senhor a Moisés: Estende a mão para o céu, para que haja saraiva em toda a terra do Egito, sobre o homem, e sobre os animais, e sobre toda erva do campo, em toda a terra do Egito.

23 E Moisés estendeu a sua vara para o céu; e o Senhor enviou trovões e saraiva, e o fogo correu sobre a terra; e o Senhor fez chover saraiva sobre a terra do Egito.

24 Então houve saraiva, e fogo misturado com a saraiva, muito grave, como não houve em toda a terra do Egito, desde que se tornou uma nação.

25 E a saraiva feriu em toda a terra do Egito tudo o que havia no campo, tanto homens como animais; e a saraiva feriu toda erva do campo, e quebrou toda árvore do campo.

26 Somente na terra de Gósen, onde estavam os filhos de Israel, não houve saraiva.

27 E Faraó mandou chamar Moisés e Arão, e disse-lhes: Desta vez pequei; o Senhor é justo, e eu e meu povo somos ímpios.

28 Rogai ao Senhor (pois basta) que não haja mais fortes trovões e saraiva; e eu os deixarei ir, e vocês não ficarão mais.

29 E Moisés lhe disse: Assim que eu sair da cidade, estenderei minhas mãos ao Senhor; e os trovões cessarão, e não haverá mais saraiva; para que saibas que a terra é do Senhor.

30 Mas quanto a ti e aos teus servos, sei que ainda não temereis ao Senhor Deus.

31 E o linho e a cevada foram feridos; porque a cevada estava na espiga, e o linho foi torrado.

32 Mas o trigo e o centeio não foram feridos; pois eles não eram crescidos.

33 E Moisés saiu da cidade de Faraó, e estendeu as mãos para o Senhor; e cessaram os trovões e a saraiva, e a chuva não caiu sobre a terra.

34 E quando Faraó viu que a chuva e o granizo e os trovões haviam cessado, ele pecou ainda mais, e endureceu seu coração, ele e seus servos.

35 E endureceu-se o coração de Faraó, e não deixou ir os filhos de Israel; como o Senhor havia falado por Moisés.

CAPÍTULO 10

As pragas dos gafanhotos e das trevas.

1 E o Senhor disse a Moisés: Vai a Faraó; porque endureceu o seu coração e o coração dos seus servos, por isso mostrarei estes meus sinais diante dele;

2 E para que contes aos ouvidos de teu filho e do filho de teu filho as coisas que fiz no Egito e os sinais que fiz entre eles; para que saibais que eu sou o Senhor.

3 E Moisés e Arão foram ter com Faraó, e disseram-lhe: Assim diz o Senhor Deus dos hebreus: Até quando recusarás humilhar-te perante mim? deixa ir o meu povo, para que me sirva.

4 De outra forma, se recusares deixar ir o meu povo, eis que amanhã trarei os gafanhotos ao teu litoral;

5 E cobrirão a face da terra, de modo que não se pode ver a terra; e comerão o resto do que escapou, que vos resta da saraiva, e comerão toda árvore que vos brotar do campo;

6 E encherão as tuas casas, e as casas de todos os teus servos, e as casas de todos os egípcios; que nem teus pais, nem os pais de teus pais viram, desde o dia em que estiveram sobre a terra até o dia de hoje. E ele se virou e saiu de Faraó.

7 E os servos de Faraó lhe disseram: Até quando este homem será um laço para nós? deixa ir os homens, para que sirvam ao Senhor seu Deus; ainda não sabes que o Egito está destruído?

8 E Moisés e Arão foram trazidos novamente a Faraó; e disse-lhes: Ide, servi ao Senhor vosso Deus; mas quem são os que irão?

9 E disse Moisés: Iremos com os nossos jovens e com os nossos velhos, com os nossos filhos e com as nossas filhas, com os nossos rebanhos e com as nossas manadas iremos; pois devemos fazer uma festa ao Senhor.

10 E disse-lhes: Assim seja o Senhor convosco, como eu vos deixarei ir, e aos vossos pequeninos; olhe para ele; pois o mal está diante de você.

11 Não é assim; ide agora vós que sois homens, e servi ao Senhor; por isso desejastes. E foram expulsos da presença de Faraó.

12 E disse o Senhor a Moisés: Estende a tua mão sobre a terra do Egito para os gafanhotos, para que subam à terra do Egito e comam toda a erva da terra, tudo o que a saraiva deixou.

13 E Moisés estendeu a sua vara sobre a terra do Egito, e o Senhor trouxe um vento oriental sobre a terra todo aquele dia e toda aquela noite; e quando amanheceu, o vento leste trouxe os gafanhotos.

14 E os gafanhotos subiram por toda a terra do Egito, e pousaram em todos os termos do Egito; muito dolorosos eram eles; antes deles não havia gafanhotos como eles, nem depois deles haverá.

15 Porque cobriram a face de toda a terra, de modo que a terra se escureceu; e comeram toda a erva da terra e todo o fruto das árvores que a saraiva deixou; e não ficou nada verde nas árvores, nem nas ervas do campo, em toda a terra do Egito.

16 Então Faraó chamou apressadamente Moisés e Arão; e ele disse: Pequei contra o Senhor teu Deus e contra ti.

17 Agora, pois, perdoe, peço-te, o meu pecado só esta vez, e roga ao Senhor teu Deus que me tire apenas esta morte.

18 E ele saiu de Faraó, e suplicou ao Senhor.

19 E o Senhor fez soprar um vento ocidental muito forte, que levou os gafanhotos e os lançou no mar Vermelho; não restou nenhum gafanhoto em todas as costas do Egito.

20 Mas Faraó endureceu o seu coração, para não deixar ir os filhos de Israel.

21 E disse o Senhor a Moisés: Estende a mão para o céu, para que sobre a terra do Egito haja trevas, trevas que se possam apalpar.

22 E Moisés estendeu a mão para o céu; e houve uma espessa escuridão em toda a terra do Egito por três dias;

23 Eles não se viram, nem se levantaram do seu lugar por três dias; mas todos os filhos de Israel tinham luz em suas habitações.

24 E Faraó chamou a Moisés, e disse: Ide, servi ao Senhor; apenas que seus rebanhos e suas manadas sejam detidos; deixe seus pequeninos também irem com você.

25 E Moisés disse: Tu também nos deves dar sacrifícios e holocaustos, para que sacrifiquemos ao Senhor nosso Deus.

26 Nosso gado também irá conosco; nenhum casco será deixado para trás; pois dela devemos tomar para servir ao Senhor nosso Deus; e não sabemos com que devemos servir ao Senhor, até que cheguemos lá.

27 Mas Faraó endureceu o seu coração e não os deixou ir.

28 E Faraó lhe disse: Afasta-te de mim, guarda-te, não vejas mais a minha face; porque naquele dia vires a minha face, morrerás.

29 E Moisés disse: Tu falaste bem, não verei mais a tua face.

CAPÍTULO 11

Os israelitas emprestam jóias – Moisés ameaça Faraó com a morte do primogênito.

1 E disse o Senhor a Moisés: Ainda trarei mais uma praga sobre Faraó e sobre o Egito; depois ele vai deixar você ir daqui; quando ele vos deixar ir, certamente vos lançará para fora de todo.

2 Fala agora aos ouvidos do povo, e cada homem tome emprestado ao seu próximo, e cada mulher à sua vizinha, jóias de prata e jóias de ouro.

3 E o Senhor deu ao povo graça aos olhos dos egípcios. Além disso, o homem Moisés era muito grande na terra do Egito, aos olhos dos servos de Faraó e aos olhos do povo.

4 E disse Moisés: Assim diz o Senhor: Pela meia-noite sairei pelo meio do Egito;

5 E todos os primogênitos na terra do Egito morrerão, desde o primogênito de Faraó, que se assenta no seu trono, até o primogênito da serva que está atrás do moinho; e todos os primogênitos dos animais.

6 E haverá um grande clamor em toda a terra do Egito, como nunca houve, nem haverá mais como ele.

7 Mas contra nenhum dos filhos de Israel nem um cão moverá a sua língua, nem contra homem nem contra animal; para que saibais como o Senhor fez diferença entre os egípcios e Israel.

8 E todos estes servos de Faraó descerão a mim, e se curvarão a mim, dizendo: Sai, e todo o povo que te segue; e depois disso eu vou sair.

9 E o Senhor disse a Moisés: Faraó não te ouvirá; por isso as minhas maravilhas se multiplicarão na terra do Egito.

10 E Moisés e Arão fizeram todas essas maravilhas diante de Faraó, e eles saíram de Faraó, e ele estava com grande ira. E Faraó endureceu o seu coração, para que não deixasse os filhos de Israel saírem da sua terra.

CAPÍTULO 12

O início do ano mudou – A páscoa instituída – O primogênito morto – Os israelitas expulsos.

1 E o Senhor falou a Moisés e Arão na terra do Egito, dizendo:

2 Este mês vos será o princípio dos meses; será o primeiro mês do ano para você.

3 Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês, cada um tomará um cordeiro, segundo a casa de seus pais, um cordeiro por casa;

4 E se a casa for muito pequena para o cordeiro, tome-o ele e o vizinho mais próximo de sua casa conforme o número das almas; cada um segundo o seu comer fará a vossa conta para o cordeiro.

5 O teu cordeiro será sem defeito, macho de um ano; vós o tirareis das ovelhas ou dos bodes;

6 E o guardareis até ao décimo quarto dia do mesmo mês; e toda a assembléia da congregação de Israel o matará à tarde.

7 E tomarão do sangue e o ferirão nas duas ombreiras e na ombreira superior das casas, onde o comerão.

8 E naquela noite comerão a carne assada no fogo e pães ázimos; e com ervas amargas o comerão.

9 Não comam dela crua, nem embebida em água, mas assada no fogo; a sua cabeça com as suas pernas, e com a sua roupagem.

10 E nada dele deixareis até pela manhã; e o que dele ficar até pela manhã, queimareis no fogo.

11 E assim o comereis; com os lombos cingidos, os sapatos nos pés e o cajado na mão; e comê-lo-eis apressadamente; é a páscoa do Senhor.

12 Pois passarei pela terra do Egito esta noite, e ferirei todos os primogênitos na terra do Egito, desde os homens até os animais; e contra todos os deuses do Egito executarei juízo; Eu sou o Senhor.

13 E o sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; e quando eu vir o sangue, passarei por cima de ti, e a praga não cairá sobre ti para te destruir, quando eu ferir a terra do Egito.

14 E este dia vos será por memorial; e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor nas vossas gerações; celebrá-lo-eis por uma ordenança para sempre.

15 Sete dias comereis pães ázimos; no primeiro dia tirareis o fermento das vossas casas; porque qualquer que comer pão levedado desde o primeiro dia até ao sétimo dia essa alma será extirpada de Israel.

16 E no primeiro dia haverá santa convocação, e no sétimo dia haverá santa convocação para vós; nenhuma obra será feita neles, a não ser o que cada um deve comer, isso só pode ser feito de você.

17 E celebrareis a festa dos pães ázimos; porque neste mesmo dia tirei os vossos exércitos da terra do Egito; portanto guardareis este dia nas vossas gerações por estatuto perpétuo.

18 No primeiro mês, aos catorze dias do mês à tarde, comereis pães ázimos, até vinte e um do mês à tarde.

19 Por sete dias não se achará fermento nas vossas casas; porque qualquer que comer pão levedado, essa alma será extirpada da congregação de Israel, tanto o estrangeiro como o natural da terra.

20 Nada comereis fermentado; em todas as vossas habitações comereis pães ázimos.

21 Então Moisés chamou todos os anciãos de Israel, e disse-lhes: Tirai e tomai um cordeiro segundo as vossas famílias, e imolai a páscoa.

22 E tomareis um molho de hissopo, e o molhareis no sangue que está na bacia, e ferireis a verga e as duas ombreiras com o sangue que estiver na bacia; e nenhum de vós sairá à porta de sua casa até pela manhã.

23 Porque o Senhor passará para ferir os egípcios; e quando vir o sangue na verga e nas duas ombreiras, o Senhor passará a porta e não permitirá que o destruidor entre em suas casas para ferir vocês.

24 E guardareis isto por ordenança para ti e para teus filhos para sempre.

25 E acontecerá que, quando chegardes à terra que o Senhor vos dará, conforme ele prometeu, guardareis este serviço.

26 E acontecerá que quando vossos filhos vos disserem: Que quereis dizer com este serviço?

27 E direis: É o sacrifício da páscoa do Senhor, que passou pelas casas dos filhos de Israel no Egito, quando feriu os egípcios, e livrou as nossas casas. E o povo inclinou a cabeça e adorou.

28 E os filhos de Israel foram, e fizeram como o Senhor ordenara a Moisés e Arão, assim fizeram.

29 E aconteceu que à meia-noite o Senhor feriu todos os primogênitos na terra do Egito, desde o primogênito de Faraó, que estava assentado no seu trono, até o primogênito do cativo que estava na masmorra; e todos os primogênitos do gado.

30 E Faraó se levantou de noite, ele e todos os seus servos, e todos os egípcios; e houve grande clamor no Egito; pois não havia uma casa onde não houvesse um morto.

31 E de noite chamou Moisés e Arão, e disse: Levantai-vos, e saí do meio do meu povo, tanto vós como os filhos de Israel; e ide servir ao Senhor, como dissestes.

32 Tomai também os vossos rebanhos e os vossos gados, como dissestes, e parti; e me abençoe também.

33 E os egípcios insistiram com o povo, para que o expulsassem da terra às pressas; porque diziam: Achamos o nosso primogênito todo morto; portanto, saí da terra para que não morramos também.

34 E o povo tomou a sua massa antes que fosse levedada, as suas amassadeiras foram amarradas em suas roupas sobre os ombros.

35 E os filhos de Israel fizeram conforme a palavra de Moisés; e eles tomaram emprestado dos egípcios jóias de prata e jóias de ouro, e roupas;

36 E o Senhor deu ao povo graça aos olhos dos egípcios, de modo que lhes emprestaram o que pediam; e despojaram os egípcios.

37 E os filhos de Israel partiram de Ramsés para Sucote, cerca de seiscentos mil homens a pé, além de mulheres e crianças.

38 E uma multidão mista também subiu com eles; e rebanhos e manadas, até mesmo muito gado.

39 E assaram bolos ázimos da massa que tiraram do Egito, porque não estava levedada; porque eles foram expulsos do Egito, e não podiam tardar, nem tinham preparado para si quaisquer alimentos.

40 Ora, a peregrinação dos filhos de Israel, que habitavam no Egito, foi de quatrocentos e trinta anos.

41 E aconteceu que no fim dos quatrocentos e trinta anos, no mesmo dia aconteceu, que todos os exércitos do Senhor saíram da terra do Egito.

42 É uma noite para ser muito observada ao Senhor por tirá-los da terra do Egito; esta é aquela noite do Senhor a ser observada por todos os filhos de Israel em suas gerações.

43 E o Senhor disse a Moisés e Arão: Esta é a ordenança da páscoa; nenhum estranho comerá dela;

44 Mas o servo de todo homem comprado por dinheiro, quando o tiveres circuncidado, dele comerá.

45 O estrangeiro e o empregado não comerão dela.

46 Em uma casa se comerá; não levarás nada da carne para fora de casa; nem quebrareis um osso dela.

47 Toda a congregação de Israel o guardará.

48 E quando um estrangeiro peregrinar contigo, e celebrar a páscoa ao Senhor, circuncidam-se todos os seus homens, e então chegue-se e a celebre; e será como o nascido na terra; porque nenhum incircunciso comerá dela.

49 Uma lei será para o natural e para o estrangeiro que peregrinar entre vós.

50 Assim fizeram todos os filhos de Israel; como o Senhor ordenara a Moisés e Arão, assim fizeram.

51 E aconteceu no mesmo dia que o Senhor tirou os filhos de Israel da terra do Egito pelos seus exércitos.

CAPÍTULO 13

O primogênito santificado – a Páscoa ordenou – A fuga do Egito – A nuvem e uma coluna de fogo.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Santifica-me todo primogênito, que abre a madre entre os filhos de Israel, tanto do homem como do animal; é meu.

3 E Moisés disse ao povo: Lembrai-vos deste dia em que saístes do Egito, da casa da servidão; porque com mão forte o Senhor te tirou deste lugar; não se comerá pão levedado.

4 Neste dia saístes no mês de abibe.

5 E será quando o Senhor te introduzir na terra dos cananeus, e dos heteus, e dos amorreus, e dos heveus, e dos jebuseus, que jurou a teus pais dar-te, terra que mana leite e mel, que você deve manter este serviço neste mês.

6 Sete dias comerás pães ázimos, e no sétimo dia haverá festa ao Senhor.

7 Pães ázimos serão comidos sete dias; e não se verá pão levedado contigo, nem se verá fermento contigo em todas as tuas moradas.

8 E naquele dia mostrarás a teu filho, dizendo: Isto é por causa daquilo que o Senhor me fez quando saí do Egito.

9 E te será por sinal na tua mão e por memorial entre os teus olhos, para que a lei do Senhor esteja na tua boca; porque com mão forte o Senhor te tirou do Egito.

10 Tu, pois, guardarás esta ordenança em sua época de ano em ano.

11 E será quando o Senhor te introduzir na terra dos cananeus, como jurou a ti e a teus pais, e te der,

12 Para separares para o Senhor tudo o que abrir a matriz, e todo primogênito que vier de um animal que tiveres; o macho será do Senhor.

13 E todo primogênito de jumenta resgatarás com um cordeiro; e se não o resgatares, então lhe quebrarás o pescoço; e todo primogênito do homem entre teus filhos resgatarás.

14 E será quando teu filho te perguntar no futuro, dizendo: Que é isto? para que lhe digas: Com mão forte o Senhor nos tirou do Egito, da casa da servidão;

15 E aconteceu que, quando Faraó mal nos deixou ir, o Senhor matou todos os primogênitos na terra do Egito, tanto os primogênitos dos homens como os primogênitos dos animais; por isso sacrifico ao Senhor tudo o que abre a matriz, sendo machos; mas todos os primogênitos de meus filhos eu resgato.

16 E será por sinal na tua mão e por frontais entre os teus olhos; pois com mão forte o Senhor nos tirou do Egito.

17 E aconteceu que, quando Faraó deixou ir o povo, Deus não os conduziu pelo caminho da terra dos filisteus, embora estivesse perto; pois Deus disse: Para que porventura o povo não se arrependa quando vir a guerra e retorne ao Egito;

18 Mas Deus conduziu o povo pelo caminho do deserto do mar Vermelho; e os filhos de Israel subiram arreados da terra do Egito.

19 E Moisés levou consigo os ossos de José; porque tinha jurado aos filhos de Israel, dizendo: Certamente Deus vos visitará; e levareis os meus ossos daqui convosco.

20 E partiram de Sucote, e acamparam em Etam, à beira do deserto.

21 E o Senhor ia adiante deles de dia numa coluna de nuvem, para guiá-los pelo caminho; e de noite numa coluna de fogo, para os alumiar; para ir de dia e de noite.

22 Ele não tirou a coluna de nuvem de dia, nem a coluna de fogo de noite, de diante do povo.

CAPÍTULO 14

Deus instrui os israelitas – Faraó os persegue – Os israelitas passam pelo mar Vermelho.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Dize aos filhos de Israel que se voltem e acampem diante de Pi-Hairot, entre Migdol e o mar, defronte de Baal-Zefom; antes dele acampareis junto ao mar.

3 Pois Faraó dirá dos filhos de Israel: Eles estão enredados na terra, o deserto os encerrou.

4 E Faraó endurecerá o seu coração, e os seguirá; e serei honrado por Faraó e por todo o seu exército; para que os egípcios saibam que eu sou o Senhor. E assim o fizeram.

5 E foi dito ao rei do Egito que o povo fugiu; e o coração de Faraó e de seus servos se voltou contra o povo, e eles disseram: Por que fizemos isso, que deixamos Israel ir de nos servir?

6 E ele aprontou o seu carro, e levou o seu povo consigo;

7 E tomou seiscentos carros escolhidos, e todos os carros do Egito, e capitães sobre cada um deles.

8 E Faraó endureceu o seu coração, e perseguiu os filhos de Israel; e os filhos de Israel saíram com mão altiva.

9 Mas os egípcios os perseguiram, todos os cavalos e carros de Faraó, e seus cavaleiros, e seu exército, e os alcançaram acampados à beira-mar, ao lado de Pi-Hairot, diante de Baal-Zefom.

10 E, aproximando-se Faraó, os filhos de Israel levantaram os olhos, e eis que os egípcios marchavam atrás deles; e eles estavam com muito medo; e os filhos de Israel clamaram ao Senhor.

11 E eles disseram a Moisés: Porque não havia sepulturas no Egito, tu nos levaste para morrer no deserto? por que nos trataste assim, para nos tirares do Egito?

12 Não é esta a palavra que te dissemos no Egito, dizendo: Deixa-nos, para que sirvamos aos egípcios? Pois era melhor para nós servirmos aos egípcios, do que morrermos no deserto.

13 E Moisés disse ao povo: Não temais, estai parados e vede a salvação do Senhor, que hoje vos fará; porque os egípcios que hoje vistes, nunca mais os tornareis a ver.

14 O Senhor lutará por vocês, e vocês se calarão.

15 E o Senhor disse a Moisés: Por que clamas a mim? fala aos filhos de Israel que vão adiante;

16 Mas levanta a tua vara, estende a mão sobre o mar e divide-o; e os filhos de Israel passarão em seco pelo meio do mar.

17 E eu te digo que os corações dos egípcios se endurecerão, e eles os seguirão; e obterei honra sobre Faraó, e sobre todo o seu exército, sobre seus carros e sobre seus cavaleiros.

18 E os egípcios saberão que eu sou o Senhor, quando eu obtiver honra sobre Faraó, sobre seus carros e sobre seus cavaleiros.

19 E o Anjo de Deus, que ia adiante do acampamento de Israel, retirou-se e foi atrás deles; e a coluna de nuvem saiu de diante deles e ficou atrás deles;

20 E ficou entre o acampamento dos egípcios e o acampamento de Israel; e foi uma nuvem e escuridão para os egípcios, mas de noite deu luz aos israelitas, de modo que um não se aproximou do outro durante toda a noite.

21 E Moisés estendeu a mão sobre o mar; e o Senhor fez recuar o mar com um forte vento oriental durante toda aquela noite, e fez do mar uma terra seca, e as águas foram divididas.

22 E os filhos de Israel entraram no meio do mar sobre o seco

terra; e as águas foram-lhes um muro à sua direita e à sua esquerda.

23 E os egípcios os perseguiram, e foram atrás deles até o meio do mar, todos os cavalos de Faraó, seus carros e seus cavaleiros.

24 E aconteceu que, pela vigília da manhã, o Senhor olhou para o exército dos egípcios através da coluna de fogo e da nuvem, e perturbou o exército dos egípcios.

25 E tiraram as rodas dos carros, que os puxavam pesadamente; de modo que os egípcios diziam: Fujamos da face de Israel; porque o Senhor peleja por eles contra os egípcios.

26 E disse o Senhor a Moisés: Estende a tua mão sobre o mar, para que as águas voltem sobre os egípcios, sobre os seus carros e sobre os seus cavaleiros.

27 E Moisés estendeu a mão sobre o mar, e o mar voltou à sua força ao amanhecer; e os egípcios fugiram contra ela; e o Senhor derrubou os egípcios no meio do mar.

28 E as águas voltaram, e cobriram os carros, e os cavaleiros, e todo o exército de Faraó que entrou no mar depois deles; restava não tanto quanto um deles.

29 Mas os filhos de Israel andaram em seco pelo meio do mar; e as águas foram-lhes um muro à sua direita e à sua esquerda.

30 Assim o Senhor livrou a Israel naquele dia da mão dos egípcios; e Israel viu os egípcios mortos na praia.

31 E Israel viu aquela grande obra que o Senhor fez sobre os egípcios; e o povo temeu ao Senhor, e creu no Senhor e em seu servo Moisés.

CAPÍTULO 15

A canção de Moisés – As águas de Mara.

1 Então cantaram Moisés e os filhos de Israel este cântico ao Senhor, e falaram, dizendo: Cantarei ao Senhor, porque gloriosamente triunfou; lançou ao mar o cavalo e o seu cavaleiro.

2 O Senhor é minha força e meu cântico, e ele se tornou minha salvação; ele é o meu Deus, e eu lhe prepararei uma habitação; Deus de meu pai, e eu o exaltarei.

3 O Senhor é homem de guerra; o Senhor é o seu nome.

4 Os carros de Faraó e seu exército lançou ao mar; seus capitães escolhidos também se afogam no mar Vermelho.

5 As profundezas os cobriram; eles afundaram no fundo como uma pedra.

6 A tua destra, ó Senhor, tornou-se gloriosa em poder; a tua destra, Senhor, despedaçou o inimigo.

7 E na grandeza da tua excelência derrubaste os que se levantaram contra ti; enviaste a tua ira, que os consumiu como restolho.

8 E com o sopro das tuas narinas as águas se juntaram, os rios se ergueram como um montão, e as profundezas se congelaram no coração do mar.

9 O inimigo disse: Perseguirei, alcançarei, repartirei o despojo; minha concupiscência será satisfeita sobre eles; Eu desembainharei minha espada, minha mão os destruirá.

10 Tu sopraste com o teu vento, o mar os cobriu; afundaram como chumbo nas águas impetuosas.

11 Quem é semelhante a ti, ó Senhor, entre os deuses? quem é como tu, glorioso em santidade, temível em louvores, fazendo maravilhas?

12 Estendeste a tua mão direita, a terra os tragou.

13 Tu, na tua misericórdia, conduziste para fora o povo que remiste; tu os guiaste em tua força para a tua santa habitação.

14 O povo ouvirá e temerá; a tristeza se apoderará dos habitantes da Palestina.

15 Então os príncipes de Edom ficarão maravilhados; os valentes de Moabe, o tremor se apoderará deles; todos os habitantes de Canaã se desfarão.

16 Temor e pavor cairão sobre eles; pela grandeza do teu braço ficarão imóveis como uma pedra; até que passe o povo, ó Senhor, até que passe o povo que adquiriste.

17 Tu os farás entrar, e os plantarás no monte da tua herança, no lugar, ó Senhor, que fizeste para a tua habitação; no santuário, ó Senhor, que as tuas mãos estabeleceram.

18 O Senhor reinará para todo o sempre.

19 Pois o cavalo de Faraó entrou no mar com seus carros e seus cavaleiros, e o Senhor trouxe sobre eles as águas do mar; mas os filhos de Israel foram a seco no meio do mar.

20 E Miriã, a profetisa, irmã de Arão, tomou um tamboril na mão; e todas as mulheres saíram atrás dela com adufes e com danças.

21 E Miriã respondeu-lhes: Cantai ao Senhor, porque gloriosamente triunfou; lançou ao mar o cavalo e o seu cavaleiro.

22 Então Moisés trouxe Israel do mar Vermelho, e eles saíram para o deserto de Sur; e andaram três dias no deserto, e não acharam água.

23 E quando chegaram a Mara, não puderam beber das águas de Mara, porque eram amargas; por isso o nome dela foi chamado Mara.

24 E o povo murmurou contra Moisés, dizendo: Que havemos de beber?

25 E clamou ao Senhor; e o Senhor mostrou-lhe uma árvore que, lançando nas águas, as águas se tornaram doces; ali lhes fez um estatuto e uma ordenança, e ali os provou,

26 E disse: Se diligentemente ouvires a voz do Senhor teu Deus, e fizeres o que é reto aos seus olhos, e deres ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, não porei nenhuma destas doenças sobre ti, que trouxe sobre os egípcios; porque eu sou o Senhor que te sara.

27 E chegaram a Elim, onde havia doze poços de água e sessenta e dez palmeiras; e acamparam ali junto às águas.

CAPÍTULO 16

Codornizes e maná enviados.

1 E eles partiram de Elim, e toda a congregação dos filhos de Israel veio ao deserto de Sim, que está entre Elim e Sinai, no décimo quinto dia do segundo mês depois de sua partida da terra do Egito.

2 E toda a congregação dos filhos de Israel murmurou contra Moisés e Arão no deserto;

3 E os filhos de Israel disseram-lhes: Quisera Deus tivéssemos morrido pela mão do Senhor na terra do Egito, quando estávamos sentados junto às panelas de carne, e quando comíamos pão até fartar; porque nos trouxestes para este deserto, para matar de fome toda esta congregação.

4 Então disse o Senhor a Moisés: Eis que vos farei chover pão do céu; e o povo sairá e colherá cada dia uma certa quantia, para que eu os prove se andam na minha lei ou não.

5 E acontecerá que no sexto dia prepararão o que trouxerem; e será o dobro do que eles colhem diariamente.

6 E Moisés e Arão disseram a todos os filhos de Israel: À tarde sabereis que o Senhor vos tirou da terra do Egito;

7 E pela manhã, então vereis a glória do Senhor; pois ele ouve suas murmurações contra o Senhor; e o que somos nós, para que murmureis contra nós?

8 E disse Moisés: Isto acontecerá quando o Senhor à tarde vos der carne para comer, e pela manhã pão a fartar; porque o Senhor ouve as vossas murmurações que murmurais contra ele; e o que somos? suas murmurações não são contra nós, mas contra o Senhor.

9 E Moisés falou a Arão: Dize a toda a congregação dos filhos de Israel: Chegai-vos à presença do Senhor; porque ele ouviu as vossas murmurações.

10 E aconteceu que, falando Aarão a toda a congregação dos filhos de Israel, olharam para o deserto, e eis que a glória do Senhor apareceu na nuvem.

11 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

12 Tenho ouvido as murmurações dos filhos de Israel; fala-lhes, dizendo: À tarde comereis carne, e pela manhã vos fartareis de pão; e sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus.

13 E aconteceu que à tarde subiram codornizes e cobriram o acampamento; e pela manhã o orvalho estava ao redor do hospedeiro.

14 E quando o orvalho que havia subido, eis que sobre a face do deserto jazia uma pequena coisa redonda, tão pequena quanto a geada sobre a terra.

15 E, vendo-o os filhos de Israel, diziam uns aos outros: É maná; pois eles não sabiam o que era. E Moisés lhes disse: Este é o pão que o Senhor vos deu a comer.

16 Isto é o que o Senhor ordenou: Colha dele cada um segundo o que comer, um ômer para cada homem, segundo o número de suas pessoas; tomai cada um para os que estão nas suas tendas.

17 E os filhos de Israel assim fizeram, e ajuntaram, uns mais, outros menos.

18 E, quando o retribuíram com um ômer, ao que muito colheu nada sobrou, e ao que pouco colheu não lhe faltou; ajuntaram a cada um segundo a sua alimentação.

19 E Moisés disse: Ninguém deixe para a manhã.

20 Não obstante, não deram ouvidos a Moisés; mas alguns deles a deixaram até de manhã, e ela deu vermes e cheirava mal; e Moisés indignou-se contra eles.

21 E o recolhiam todas as manhãs, cada um segundo o que comia; e quando o sol esquentava, derretia.

22 E aconteceu que no sexto dia colheram o dobro de pão, dois omers para um homem; e todos os chefes da congregação vieram e contaram a Moisés.

23 E ele lhes disse: Isto é o que o Senhor disse: Amanhã é o descanso do santo sábado ao Senhor; assar o que você vai assar hoje, e ferva para que você ferva; e o que sobrar guarda-o para ser guardado até pela manhã.

24 E o guardaram até pela manhã, como Moisés ordenara; e não cheirava mal, nem havia ali nenhum verme.

25 E Moisés disse: Coma isso hoje; porque hoje é um sábado para o Senhor; hoje não a achareis no campo.

26 Seis dias o recolhereis; mas no sétimo dia, que é o sábado, nele não haverá.

27 E aconteceu que alguns do povo saíram no sétimo dia para se ajuntar, e não acharam ninguém.

28 E o Senhor disse a Moisés: Até quando recusareis guardar meus mandamentos e minhas leis?

29 Vede, porque o Senhor vos deu o sábado, por isso no sexto dia vos dá pão para dois dias; fique cada um no seu lugar, ninguém saia do seu lugar no sétimo dia.

30 Assim o povo descansou no sétimo dia.

31 E a casa de Israel chamou-lhe o nome de Maná; e era como semente de coentro, branca; e o sabor era como bolachas feitas com mel.

32 E Moisés disse: Isto é o que o Senhor ordena: Enchei um ômer dele para ser guardado para as vossas gerações; para que vejam o pão com que vos dei de comer no deserto, quando vos tirei da terra do Egito.

33 E disse Moisés a Arão: Toma uma vasilha, e põe nela um gômer cheio de maná, e guarda-o perante o Senhor, para que seja guardado para as vossas gerações.

34 Como o Senhor ordenara a Moisés, Arão o pôs diante do Testemunho, para ser guardado.

35 E os filhos de Israel comeram maná quarenta anos, até que chegaram a uma terra habitada; comeram o maná, até que chegaram às fronteiras da terra de Canaã.

36 Ora, um ômer é a décima parte de um efa.

CAPÍTULO 17

Água na rocha em Horebe – Segurando as mãos de Moisés – Moisés constrói um altar.

1 E toda a congregação dos filhos de Israel partiu do deserto de Sim, depois das suas jornadas, segundo o mandamento do Senhor, e acampou-se em Refidim; e não havia água para o povo beber.

2 Por isso o povo repreendeu Moisés, e disse: Dá-nos água para bebermos. E Moisés disse-lhes: Por que repreendeis comigo? por que tentais ao Senhor?

3 E o povo ali teve sede de água; e o povo murmurou contra Moisés, dizendo: Por que é que nos tiraste do Egito, para matar de sede a nós, nossos filhos e nosso gado?

4 E Moisés clamou ao Senhor, dizendo: Que farei a este povo? eles estão quase prontos para me apedrejar.

5 E o Senhor disse a Moisés: Vai adiante do povo, e leva contigo dos anciãos de Israel; e a tua vara, com que feriste o rio, pega na tua mão e vai.

6 Eis que estarei diante de ti ali sobre a rocha em Horebe; e ferirás a rocha, e dela sairá água, para que o povo beba. E Moisés o fez aos olhos dos anciãos de Israel.

7 E chamou ao lugar o nome de Massá e Meribá, por causa da repreensão dos filhos de Israel, e porque tentaram ao Senhor, dizendo: Está o Senhor no meio de nós, ou não?

8 Então veio Amaleque e lutou contra Israel em Refidim.

9 E disse Moisés a Josué: Escolhe-nos homens, e sai, peleja com Amaleque; amanhã estarei no cume do monte com a vara de Deus na mão.

10 Então Josué fez como Moisés lhe dissera, e pelejou com Amaleque; e Moisés, Arão e Hur subiram ao cume do monte.

11 E aconteceu que, levantando Moisés a mão, prevaleceu Israel; e quando ele baixou a mão, Amaleque prevaleceu.

12 Mas as mãos de Moisés eram pesadas; e tomaram uma pedra, e a puseram debaixo dele, e ele se sentou sobre ela; e Arão e Hur levantaram as mãos, um de um lado e o outro do outro lado; e suas mãos permaneceram firmes até o pôr do sol.

13 E Josué derrotou Amaleque e seu povo ao fio da espada.

14 E o Senhor disse a Moisés: Escreve isto para memória num livro e relata-o aos ouvidos de Josué; pois apagarei totalmente a lembrança de Amaleque de debaixo do céu.

15 E Moisés edificou um altar, e chamou-lhe Jeová-nissi;

16 Pois ele disse: Porque o Senhor jurou que o Senhor fará guerra contra Amaleque de geração em geração.

CAPÍTULO 18

Jetro vem a Moisés – Seu conselho é aceito.

1 Quando Jetro, sumo sacerdote de Midiã, sogro de Moisés, soube de tudo o que Deus havia feito a Moisés e a Israel, seu povo, e que o Senhor havia tirado Israel do Egito;

2 Então Jetro, sogro de Moisés, tomou Zípora, mulher de Moisés, depois que ele a mandou de volta,

3 E seus dois filhos; dos quais o nome de um era Gershom; pois ele disse: Fui estrangeiro em terra estranha;

4 E o nome do outro era Eliezer; porque o Deus de meu pai, disse ele, foi meu auxílio, e me livrou da espada de Faraó;

5 E Jetro, sogro de Moisés, veio com seus filhos e sua mulher a Moisés ao deserto, onde acampou no monte de Deus;

6 E disse a Moisés: Eu, teu sogro Jetro, vim a ti, e tua mulher e seus dois filhos com ela.

7 E Moisés saiu ao encontro de seu sogro, e prostrou-se, e beijou-o; e eles perguntaram um ao outro de seu bem-estar; e entraram na tenda.

8 E Moisés contou a seu sogro tudo o que o Senhor tinha feito a Faraó e aos egípcios por causa de Israel, e todo o trabalho que lhes sobreviera no caminho, e como o Senhor os livrou.

9 E Jetro alegrou-se por toda a bondade que o Senhor fizera a Israel, a quem libertara das mãos dos egípcios.

10 E Jetro disse: Bendito seja o Senhor, que vos livrou da mão dos egípcios, e da mão de Faraó, que livrou o povo da mão dos egípcios.

11 Agora sei que o Senhor é maior do que todos os deuses; pois na coisa em que eles lidavam com orgulho, ele estava acima deles.

12 E Jetro, sogro de Moisés, tomou um holocausto e sacrifícios para Deus; e veio Arão, e todos os anciãos de Israel, a comer pão com o sogro de Moisés diante de Deus.

13 E aconteceu que no dia seguinte Moisés sentou-se para julgar o povo; e o povo estava junto a Moisés desde a manhã até a tarde.

14 E quando o sogro de Moisés viu tudo o que ele fez ao povo, disse: Que é isto que fazes ao povo? Por que você está sentado sozinho, e todo o povo está ao seu lado desde a manhã até a tarde?

15 E Moisés disse a seu sogro: Porque o povo vem a mim para consultar a Deus;

16 Quando eles têm um assunto, eles vêm a mim; e julgo entre um e outro, e faço-lhes conhecer os estatutos de Deus e as suas leis.

17 E o sogro de Moisés lhe disse: Não é bom o que fazes.

18 Certamente desfarás, tanto tu como este povo que está contigo; pois esta coisa é muito pesada para ti; tu não és capaz de realizá-lo sozinho.

19 Ouve agora a minha voz, eu te darei conselho, e Deus será contigo; Sê tu pelo povo a Deus, para que possas trazer as causas a Deus;

20 E tu lhes ensinarás ordenanças e leis, e lhes mostrarás o caminho em que devem andar, e o trabalho que devem fazer.

21 Além disso, de todo o povo, proverás homens capazes, tementes a Deus, homens de verdade, que aborreçam a avareza; e os ponha sobre eles por maiorais de mil, maiorais de cem, maiorais de cinqüenta e maiorais de dez;

22 E julguem o povo em todas as épocas; e será que todo grande negócio eles te trarão, mas todo pequeno negócio eles julgarão; assim será mais fácil para ti, e eles levarão o fardo contigo.

23 Se fizeres isso, e Deus te ordenar, então poderás suportar, e todo este povo também irá para o seu lugar em paz.

24 Então Moisés deu ouvidos à voz de seu sogro, e fez tudo o que ele havia dito.

25 E Moisés escolheu homens capazes de todo o Israel, e os fez cabeças sobre o povo, chefes de mil, chefes de cem, chefes de cinqüenta e chefes de dez.

26 E julgavam o povo em todas as épocas; as causas difíceis eles trouxeram a Moisés, mas cada pequena questão eles julgaram a si mesmos.

27 E Moisés deixou seu sogro partir; e ele foi para sua própria terra.

CAPÍTULO 19

Os tratos de Deus com o povo no Sinai.

1 No terceiro mês, quando os filhos de Israel saíram da terra do Egito, no mesmo dia chegaram ao deserto do Sinai.

2 Pois eles partiram de Refidim, e chegaram ao deserto do Sinai, e se acamparam no deserto; e ali Israel acampou diante do monte.

3 E subiu Moisés a Deus, e o Senhor o chamou do monte, dizendo: Assim dirás à casa de Jacó, e o anunciarás aos filhos de Israel;

4 Vós vistes o que fiz aos egípcios, e como vos carreguei sobre asas de águias, e vos trouxe para mim.

5 Agora, pois, se verdadeiramente obedecerdes à minha voz e guardardes o meu convênio, então sereis um tesouro peculiar para mim acima de todos os povos; porque toda a terra é minha;

6 E vós sereis para mim um reino de sacerdotes e uma nação santa. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel.

7 E Moisés veio e chamou os anciãos do povo, e pôs diante de seus rostos todas estas palavras que o Senhor lhe ordenara.

8 E todo o povo respondeu ao mesmo tempo, e disse: Tudo o que o Senhor tem falado faremos. E Moisés devolveu as palavras do povo ao Senhor.

9 E disse o Senhor a Moisés: Eis que venho a ti numa nuvem espessa, para que o povo ouça quando falo contigo e creia em ti para sempre. E Moisés contou as palavras do povo ao Senhor.

10 E disse o Senhor a Moisés: Vai ao povo, e santifica-o hoje e amanhã, e lavem as suas vestes,

11 E esteja pronto para o terceiro dia; pois ao terceiro dia o Senhor descerá à vista de todo o povo sobre o monte Sinai.

12 E porás limites ao povo em redor, dizendo: Guardai-vos, que não subais ao monte, nem toqueis nos seus limites; quem tocar o monte certamente será morto;

13 Nenhuma mão o tocará, mas ele certamente será apedrejado ou traspassado; seja animal ou homem, não viverá; quando a trombeta soar longamente, eles subirão ao monte.

14 E Moisés desceu do monte ao povo, e santificou o povo; e lavaram suas roupas.

15 E disse ao povo: Preparai-vos para o terceiro dia; não venha para suas esposas.

16 E aconteceu que ao terceiro dia pela manhã, houve trovões e relâmpagos, e uma espessa nuvem sobre o monte, e a voz da trombeta muito alta; de modo que todo o povo que estava no acampamento estremeceu.

17 E Moisés tirou o povo do acampamento para se encontrar com Deus; e pararam na parte inferior do monte.

18 E o monte Sinai estava todo fumegante, porque o Senhor desceu sobre ele em fogo; e sua fumaça subiu como a fumaça de uma fornalha, e todo o monte tremeu muito.

19 E quando a voz da trombeta soou longamente, e aumentou cada vez mais alto, Moisés falou, e Deus lhe respondeu por uma voz.

20 E o Senhor desceu sobre o monte Sinai, no cume do monte; e o Senhor chamou Moisés ao cume do monte; e Moisés subiu.

21 E o Senhor disse a Moisés: Desça, dê ordens ao povo, para que não cheguem ao Senhor para olhar, e muitos deles pereçam.

22 E também os sacerdotes, que se aproximam do Senhor, se santifiquem, para que o Senhor não os ataque.

23 E Moisés disse ao Senhor: O povo não pode subir ao monte Sinai; porque nos ordenaste, dizendo: Põe limites ao redor do monte e santifica-o.

24 E o Senhor lhe disse: Vai, desce, e subirás, tu e Arão contigo; mas não deixem os sacerdotes e o povo irromper para subir ao Senhor, para que ele não irrompa sobre eles.

25 Então Moisés desceu ao povo e falou-lhes.

CAPÍTULO 20

Os dez Mandamentos.

1 E Deus falou todas estas palavras, dizendo:

2 Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão.

3 Não terás outros deuses diante de mim.

4 Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra;

5 Não te encurvarás a eles, nem os servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam;

6 E mostrando misericórdia a milhares daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos.

7 Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente aquele que tomar o seu nome em vão.

8 Lembre-se do dia de sábado, para santificá-lo.

9 Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra;

10 Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; nela não farás nenhum trabalho, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu servo, nem tua serva, nem teu gado, nem teu estrangeiro que está dentro das tuas portas;

11 Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o Senhor abençoou o dia do sábado, e o santificou.

12 Honra teu pai e tua mãe; para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá.

13 Não matarás.

14 Não cometerás adultério.

15 Não furtarás.

16 Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.

17 Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.

18 E todo o povo viu os trovões, e os relâmpagos, e o barulho da trombeta, e o monte fumegando; e quando o povo viu isso, eles se afastaram e ficaram de longe.

19 E disseram a Moisés: Fala tu conosco, e ouviremos; mas não fale Deus conosco, para que não morramos.

20 E Moisés disse ao povo: Não temais; porque Deus veio provar-vos, e para que o seu temor esteja diante de vossas faces, para que não pequeis.

21 E o povo ficou de longe, e Moisés se aproximou da densa escuridão onde Deus estava.

22 E o Senhor disse a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: Vós vistes que do céu falei convosco.

23 Não fareis deuses de prata para vós, nem deuses de ouro vos fareis.

24 Far-me-ás um altar de terra, e sobre ele sacrificarás os teus holocaustos e as tuas ofertas pacíficas, as tuas ovelhas e os teus bois; em todos os lugares onde eu registrar meu nome virei a ti e te abençoarei.

25 E se me fizeres um altar de pedra, não o farás de pedra lavrada; pois se levantares a tua ferramenta sobre ela, tu a poluirás.

26 Nem subirás por degraus ao meu altar, para que nele não seja descoberta a tua nudez.

CAPÍTULO 21

Leis diversas.

1 Ora, estes são os juízos que lhes apresentarás.

2 Se comprares um servo hebreu, seis anos servirá; e na sétima sairá livre por nada.

3 Se entrou sozinho, sozinho sairá; se for casado, sua mulher sairá com ele.

4 Se seu senhor lhe deu uma mulher, e ela lhe deu filhos ou filhas; a mulher e os filhos dela serão do seu senhor, e ele sairá sozinho.

5 E se o servo disser claramente: Eu amo meu senhor, minha esposa e meus filhos; não sairei de graça;

6 Então seu senhor o levará aos juízes; ele também o trará à sua porta, ou à ombreira da porta; e seu senhor lhe furará a orelha com uma sovela; e ele o servirá para sempre.

7 E se um homem vender sua filha para ser serva, ela não sairá como os servos.

8 Se ela não agradar a seu senhor, que a desposou, então ele a deixará ser resgatada, para não vendê-la a uma nação estranha; ele não terá poder para fazer isso, visto que se enganou com ela.

9 E se ele a desposar com seu filho, ele a tratará como filhas.

10 Se ele tomar outra esposa, sua comida, suas roupas e seu dever de casamento, ele não diminuirá.

11 E se ele não lhe der estes três, então ela sairá livre sem dinheiro.

12 Quem ferir um homem, de modo que morra, certamente será morto.

13 E se um homem não armar ciladas, mas Deus o entregar em suas mãos, então eu te darei um lugar para onde ele fugirá.

14 Mas, se alguém vier com presunção sobre o seu próximo, para matá-lo com dolo; tu o tirarás do meu altar, para que morra.

15 E quem ferir a seu pai, ou a sua mãe, certamente será morto.

16 E quem furtar um homem e vendê-lo, ou se for achado na sua mão, certamente será morto.

17 E aquele que amaldiçoar seu pai ou sua mãe certamente será morto.

18 E se os homens lutarem juntos, e um ferir o outro com uma pedra ou com o punho, e ele não morrer, mas guardar a sua cama;

19 Se ele se levantar e andar fora sobre o seu cajado, então aquele que o feriu será absolvido; somente ele pagará pela perda de seu tempo e fará com que ele seja completamente curado.

20 E se um homem ferir seu servo ou sua serva com uma vara, e ele morrer debaixo de sua mão; certamente será morto.

21 Não obstante, se permanecer um ou dois dias e se recuperar, não será morto, porque é seu servo.

22 Se os homens brigarem e ferirem uma mulher grávida, de modo que o fruto dela se afaste, e não se seguir nenhum mal; ele certamente será castigado, conforme o marido da mulher lhe impuser, e ele pagará conforme os juízes determinarem.

23 E se houver algum mal, então tu darás vida por vida,

24 Olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé,

25 Queimadura por queimadura, ferida por ferida, golpe por golpe.

26 E se alguém ferir o olho do seu servo, ou o olho da sua serva, para que pereça; ele o deixará ir livre por causa de seus olhos.

27 E se ferir o dente do seu servo, ou o dente da sua serva; ele o soltará por causa de seu dente.

28 Se um boi escornar um homem ou uma mulher, que eles morram; então o boi certamente será apedrejado, e a sua carne não se comerá; mas o dono do boi será despedido.

29 Mas se outrora o boi dava com seu chifre, e isso foi testemunhado ao seu dono, e ele não o reteve, mas matou um homem ou uma mulher; o boi será apedrejado, e seu dono também será morto.

30 Se lhe for imposta uma soma de dinheiro, então dará como resgate da sua vida tudo o que lhe for imposto.

31 Quer tenha chifrado um filho, quer tenha chifrado uma filha, conforme este julgamento se lhe fará.

32 Se o boi empurrar um servo ou uma serva; ele dará ao seu senhor trinta siclos de prata, e o boi será apedrejado.

33 E se alguém abrir uma cova, ou se alguém cavar uma cova, e não a tapar, e nela cair um boi ou um jumento;

34 O dono da cova o restituirá e dará dinheiro ao dono deles; e o animal morto será dele.

35 E se o boi de um ferir o boi de outro, este morrerá; então venderão o boi vivo e repartirão o seu dinheiro; e também o boi morto dividirão.

36 Ou se for conhecido que outrora o boi empurrava, e seu dono não o reteve; certamente pagará boi por boi; e os mortos serão seus.

CAPÍTULO 22

Leis diversas.

1 Se alguém roubar um boi ou uma ovelha e o matar ou vender; ele restituirá cinco bois por boi, e quatro ovelhas por ovelha.

2 Se um ladrão for achado despedaçado, e for ferido e morrer, nenhum sangue será derramado por ele.

3 Se o sol nascer sobre ele, sangue será derramado por ele; pois ele deve fazer restituição completa; se não tiver nada, será vendido por seu furto.

4 Se o furto for achado vivo na sua mão, seja boi, ou jumento, ou ovelha; ele restituirá o dobro.

5 Se um homem fizer comer um campo ou uma vinha, e deitar no seu animal, e apascentar no campo de outro homem; do melhor do seu campo e do melhor da sua vinha, restituirá.

6 Se irromper fogo e se apoderar de espinheiros, de modo que com eles se consumam os montes de trigo, ou o trigo em pé, ou o campo; aquele que acendeu o fogo certamente fará restituição.

7 Se alguém der ao seu próximo dinheiro ou coisas para guardar, e isso for furtado da casa desse homem; se o ladrão for encontrado, pague o dobro.

8 Se o ladrão não for achado, então o dono da casa será levado aos juízes, para ver se meteu a mão nos bens do seu próximo.

9 Por todo tipo de transgressão, seja por boi, por jumento, por ovelha, por roupas, ou por qualquer coisa perdida, que outro contestar ser sua, a causa de ambas as partes será levada perante os juízes; e a quem os juízes condenarem, pagará o dobro ao seu próximo.

10 Se alguém entregar ao seu próximo jumento, ou boi, ou ovelha, ou qualquer animal para guardar; e ele morre, ou é ferido, ou expulso, sem que ninguém o veja;

11 Então haverá juramento do Senhor entre ambos, de que não estendeu a mão aos bens do seu próximo; e o dono dele o aceitará, e não o restituirá.

12 E se lhe for furtado, fará restituição ao seu dono.

13 Se for despedaçado, que o traga como testemunho, e não reparará o que foi despedaçado.

14 E se um homem emprestar alguma coisa ao seu próximo, e for ferido, ou morrer, sem que o dono dele esteja com ele, ele certamente o compensará.

15 Mas, se o dono estiver com ela, não a restituirá; se for uma coisa contratada, veio por sua contratação.

16 E se um homem seduzir uma serva que não está desposada, e se deitar com ela, certamente a concederá para ser sua esposa.

17 Se o pai dela se recusar totalmente a dá-la a ele, ele pagará em dinheiro conforme o dote das virgens.

18 Não permitirás que um assassino viva.

19 Quem se deitar com um animal certamente será morto.

20 Aquele que sacrificar a qualquer deus, salvo somente ao Senhor, será totalmente destruído.

21 Não aborrecerás o estrangeiro, nem o oprimirás; porque fostes estrangeiros na terra do Egito.

22 Não afligireis nenhuma viúva, nem órfão.

23 Se os afligires de alguma forma, e eles clamarem a mim, certamente ouvirei o seu clamor;

24 E a minha ira se acenderá, e eu te matarei à espada; e vossas mulheres ficarão viúvas, e vossos filhos órfãos.

25 Se emprestares dinheiro a algum do meu povo que é pobre por ti, não serás para ele como um usurário, nem lhe aplicarás usura.

26 Se tomares em penhor as vestes do teu próximo, lho darás ao pôr-do-sol;

27 Pois esta é apenas a sua cobertura, é a sua vestimenta para a sua pele; onde ele deve dormir? e acontecerá que, quando ele clamar a mim, eu o ouvirei; pois sou gracioso.

28 Não insultarás a Deus, nem amaldiçoarás o príncipe do teu povo.

29 Não tardarás em oferecer as primícias dos teus frutos maduros e dos teus licores; o primogênito de teus filhos me darás.

30 Igualmente farás com os teus bois e com as tuas ovelhas; sete dias estará com sua mãe; no oitavo dia me darás.

31 E ser-me-eis homens santos; nem comereis carne despedaçada de animais no campo; vós o lançareis aos cães.

CAPÍTULO 23

Leis diversas – Um anjo prometeu.

1 Não farás um relatório falso; não ponha a mão com o ímpio para ser uma testemunha injusta.

2 Não seguirás a multidão para fazer o mal; nem falarás em uma causa de declínio depois de muitos para torcer o julgamento;

3 Nem apoiarás o ímpio na sua causa.

4 Se encontrares o boi do teu inimigo ou o seu jumento extraviado, certamente o devolverás a ele.

5 Se vires o jumento daquele que te odeia deitado sob o seu fardo, e não quiseres ajudá-lo, certamente o ajudarás.

6 Não torcerás o juízo do teu pobre na sua causa.

7 Mantenha-te longe de um assunto falso; e o inocente e o justo não matarás; pois não justificarei os ímpios.

8 E não tomarás presente; porque a dádiva cega os sábios e perverte as palavras dos justos.

9 Também não oprimirás o estrangeiro; porque conheceis o coração do estrangeiro, visto que fostes estrangeiros na terra do Egito.

10 E seis anos semearás a tua terra, e colherás os seus frutos;

11 Mas no sétimo ano o deixarás descansar e repousar; para que os pobres do teu povo comam; e o que deixarem os animais do campo comerão. Da mesma maneira farás com a tua vinha e com o teu olival.

12 Seis dias farás a tua obra, e no sétimo dia descansarás; para que o teu boi e o teu jumento descansem, e o filho da tua serva e o estrangeiro tenham refrigério.

13 E em tudo o que vos tenho dito, sejam prudentes; e não faças menção do nome de outros deuses, nem se ouça da tua boca.

14 Três vezes me celebrarás uma festa no ano.

15 Guardarás a festa dos pães ázimos; (tu comerás pães ázimos sete dias, como te ordenei, no tempo designado do mês de abibe; porque nele saíste do Egito; e ninguém aparecerá vazio diante de mim;)

16 E a festa da colheita, das primícias do teu trabalho, que semeias no campo; e a festa da colheita, que é no fim do ano, quando tiveres colhido do campo o teu trabalho.

17 Três vezes no ano todos os teus homens aparecerão perante o Senhor Deus.

18 Não oferecerás o sangue do meu sacrifício com pão levedado; nem a gordura do meu sacrifício ficará até pela manhã.

19 As primícias das primícias da tua terra trarás à casa do Senhor teu Deus. Não verás um cabrito no leite de sua mãe.

20 Eis que envio um anjo adiante de ti, para te guardar no caminho e te conduzir ao lugar que preparei.

21 Acautelai-vos dele, obedecei à sua voz, não o provoqueis; pois ele não perdoará suas transgressões; pois meu nome está nele.

22 Mas se ouvires a sua voz e fizeres tudo o que eu digo; então serei inimigo dos teus inimigos e adversário dos teus adversários.

23 Porque o meu anjo irá adiante de ti, e te levará aos amorreus, e aos heteus, e aos ferezeus, e aos cananeus, aos heveus e aos jebuseus; e eu os cortarei.

24 Não te encurvarás aos seus deuses, nem os servirás, nem farás segundo as suas obras; mas tu deves derrubá-los completamente, e destruir completamente suas imagens.

25 E servireis ao Senhor vosso Deus, e ele abençoará o vosso pão e a vossa água; e tirarei do meio de ti as enfermidades.

26 Nada lançará seus filhotes, nem será estéril, em tua terra; o número dos teus dias cumprirei.

27 Enviarei o meu temor adiante de ti, e destruirei todo o povo a quem vieres; e farei com que todos os teus inimigos te voltem as costas.

28 E enviarei vespas adiante de ti, que expulsarão de diante de ti os heveus, os cananeus e os heteus.

29 Não os expulsarei de diante de ti em um ano; para que a terra não fique assolada, e os animais do campo se multipliquem contra ti.

30 Pouco a pouco os expulsarei de diante de ti, até que cresça e herde a terra.

31 E estabelecerei os teus limites desde o mar Vermelho até o mar dos filisteus, e desde o deserto até o rio; porque eu entregarei os habitantes da terra nas tuas mãos; e tu os expulsarás de diante de ti.

32 Não farás aliança com eles, nem com os seus deuses.

33 Não habitarão na tua terra, para que não te façam pecar contra mim; porque se servires aos seus deuses, certamente isso te será uma armadilha.

CAPÍTULO 24

Moisés é chamado ao monte, onde permanece quarenta dias e quarenta noites.

1 E disse a Moisés: Sobe ao Senhor, tu e Arão, Nadabe e Abiú, e setenta dos anciãos de Israel; e adorai-vos de longe.

2 E só Moisés se chegará ao Senhor; mas eles não se aproximarão; nem o povo subirá com ele.

3 E Moisés veio e contou ao povo todas as palavras do Senhor, e todos os julgamentos; e todo o povo respondeu a uma só voz, e disse: Todas as palavras que o Senhor tem dito faremos.

4 E Moisés escreveu todas as palavras do Senhor, e levantou-se de madrugada, e edificou um altar debaixo do monte, e doze colunas, segundo as doze tribos de Israel.

5 E ele enviou mancebos dos filhos de Israel, que ofereceram holocaustos, e ofereceram sacrifícios pacíficos de bois ao Senhor.

6 E Moisés tomou metade do sangue e o pôs em bacias; e metade do sangue aspergiu sobre o altar.

7 E ele tomou o livro da aliança e o leu na audiência do povo; e eles disseram: Tudo o que o Senhor tem dito faremos, e obedeceremos.

8 E Moisés tomou o sangue, e o aspergiu sobre o povo, e disse: Eis o sangue da aliança que o Senhor fez convosco acerca de todas estas palavras.

9 Então subiram Moisés, e Arão, Nadabe e Abiú, e setenta dos anciãos de Israel;

10 E viram o Deus de Israel; e havia sob seus pés como se fosse uma obra pavimentada de pedra de safira, e como se fosse o corpo do céu em sua clareza.

11 E sobre os nobres dos filhos de Israel não pôs a mão; também viram a Deus, e comeram e beberam.

12 E o Senhor disse a Moisés: Sobe a mim ao monte, e fica lá; e te darei tábuas de pedra, e uma lei e mandamentos que escrevi; para que os ensines.

13 E Moisés se levantou, e seu ministro Josué; e Moisés subiu ao monte de Deus.

14 E disse aos anciãos: Ficai aqui por nós, até que voltemos a vós; e eis que Arão e Hur estão contigo; se alguém tiver alguma coisa para fazer, que venha até ela.

15 E Moisés subiu ao monte, e uma nuvem cobriu o monte.

16 E a glória do Senhor permaneceu no monte Sinai, e a nuvem o cobriu seis dias; e no sétimo dia chamou a Moisés do meio da nuvem.

17 E a visão da glória do Senhor foi como fogo devorador no cume do monte aos olhos dos filhos de Israel.

18 E Moisés entrou no meio da nuvem, e o levou ao monte; e Moisés esteve no monte quarenta dias e quarenta noites.

CAPÍTULO 25

O tabernáculo, propiciatório, querubins, mesa e candelabro.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Fala aos filhos de Israel que me tragam uma oferta; de todo homem que a der voluntariamente com o coração, recebereis a minha oferta.

3 E esta é a oferta que deles tomareis; ouro, prata e bronze,

4 E azul, e púrpura, e escarlate, e linho fino, e pêlos de cabras,

5 E peles de carneiros tingidas de vermelho, e peles de texugos e madeira de cocô,

6 Azeite para a luz, especiarias para o óleo da unção e para o incenso aromático,

7 Pedras de ônix, e pedras de engaste no éfode e no peitoral.

8 E façam-me um santuário; para que eu possa habitar entre eles.

9 Conforme tudo o que eu te mostrar, conforme o modelo do tabernáculo e o modelo de todos os seus instrumentos, assim o fareis.

10 E farão uma arca de madeira de cetim; dois côvados e meio será o seu comprimento, e um côvado e meio a sua largura, e um côvado e meio a sua altura.

11 E o cobrirás de ouro puro, por dentro e por fora o cobrirás, e farás sobre ele uma coroa de ouro ao redor.

12 E para ela fundirás quatro argolas de ouro, e as porás nos seus quatro cantos; e duas argolas de um lado dela, e duas argolas do outro lado.

13 E farás varais de madeira de cetim, e os cobrirás de ouro.

14 E porás os varais nas argolas ao lado da arca, para que a arca seja carregada com eles.

15 Os varais estarão nas argolas da arca; eles não serão tirados dela.

16 E porás na arca o testemunho que eu te darei.

17 E farás um propiciatório de ouro puro; dois côvados e meio será o seu comprimento, e um côvado e meio a sua largura.

18 Farás também dois querubins de ouro, de ouro batido os farás, nas duas extremidades do propiciatório.

19 E faça um querubim numa extremidade e o outro querubim na outra extremidade; mesmo do propiciatório fareis os querubins nas suas duas extremidades.

20 E os querubins estenderão as suas asas para o alto, cobrindo o propiciatório com as suas asas, e os seus rostos olharão um para o outro; para o propiciatório estarão os rostos dos querubins.

21 E porás o propiciatório em cima sobre a arca; e na arca porás o testemunho que eu te darei.

22 E ali me encontrarei contigo, e falarei contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins que estão sobre a arca do testemunho, de todas as coisas que eu te der por ordem aos filhos de Israel .

23 Farás também uma mesa de madeira de cetim; dois côvados será o seu comprimento, e um côvado a sua largura, e um côvado e meio a sua altura.

24 E a cobrirás de ouro puro, e farás uma coroa de ouro ao redor.

25 E farás para ela uma bordadura de um palmo ao redor, e uma coroa de ouro à sua borda ao redor farás.

26 E farás para ela quatro argolas de ouro, e porás as argolas nos quatro cantos que estão em seus quatro pés.

27 Defronte da borda estarão as argolas para os lugares dos varais para levar a mesa.

28 E farás os varais de madeira de cetim, e os cobrirás de ouro, para que se leve a mesa com eles.

29 E farás os seus pratos, e suas colheres, e suas tampas, e suas tigelas, para cobrir com elas; de ouro puro os farás.

30 E porás sobre a mesa os pães da proposição sempre diante de mim.

31 Farás também um candelabro de ouro puro; de trabalho batido se fará o candelabro; sua haste e seus ramos, suas taças, seus botões e suas flores serão do mesmo.

32 E seis ramos sairão dos seus lados; três hastes do castiçal de um lado e três hastes do castiçal do outro lado;

33 Três taças em forma de amêndoas, com um botão e uma flor em um ramo; e três tigelas feitas como amêndoas no outro galho, com uma maçaneta e uma flor; assim nos seis ramos que saem do castiçal.

34 E no candelabro estarão quatro taças semelhantes a amêndoas, com seus botões e suas flores.

35 E haverá uma maçaneta sob duas hastes da mesma, e uma maçaneta sob duas hastes da mesma, e uma maçaneta sob duas hastes da mesma, conforme as seis hastes que saem do candelabro.

36 Suas maçanetas e seus ramos serão do mesmo; tudo isso será uma obra batida de ouro puro.

37 E farás as suas sete lâmpadas; e acenderão as suas lâmpadas, para alumiarem defronte dela.

38 E as suas tenazes, e as suas rapé, serão de ouro puro.

39 De um talento de ouro puro o fará, com todos estes vasos.

40 E olha que os fazes conforme o seu modelo, que te foi mostrado no monte.

CAPÍTULO 26

Os móveis do tabernáculo.

1 Também farás o tabernáculo com dez cortinas de linho fino torcido, azul, púrpura e carmesim; com querubins de astúcia os farás.

2 O comprimento de uma cortina será de vinte e oito côvados, e a largura de uma cortina de quatro côvados; e cada uma das cortinas terá uma medida.

3 As cinco cortinas serão acopladas uma à outra; e outras cinco cortinas serão acopladas uma à outra.

4 E farás laçadas de azul na orla de uma cortina da ourela na junção; e também farás na extremidade de outra cortina, na junção da segunda.

5 Cinquenta laçadas farás numa cortina, e cinqüenta laçadas farás na orla da cortina que está na junta da segunda; que os laços possam se prender um ao outro.

6 E farás cinqüenta tachinhas de ouro, e juntarás as cortinas com as tachinhas; e será um tabernáculo.

7 E farás cortinas de pêlos de cabras para cobrir o tabernáculo; onze cortinas farás.

8 O comprimento de uma cortina será de trinta côvados, e a largura de uma cortina de quatro côvados; e as onze cortinas serão todas da mesma medida.

9 E juntarás cinco cortinas à parte, e seis cortinas à parte, e dobrarás a sexta cortina na frente do tabernáculo.

10 E farás cinqüenta laçadas na orla de uma cortina que está por fora da junção, e cinqüenta laçadas na orla da cortina que acopla a segunda.

11 Farás também cinqüenta tachinhas de bronze, e porás as tachinhas nas argolas, e atarás a tenda, para que seja uma só.

12 E o resto que sobrar das cortinas da tenda, a meia cortina que sobrar, ficará pendurada na parte de trás do tabernáculo.

13 E um côvado de um lado, e um côvado do outro lado do que ficar no comprimento das cortinas da tenda, será pendurado sobre os lados do tabernáculo, deste lado e daquele lado, para cobrir isto.

14 E farás para a tenda uma cobertura de peles de carneiro tingidas de vermelho, e uma cobertura por cima de peles de texugo.

15 E farás tábuas para o tabernáculo de madeira de sititim em pé.

16 Dez côvados será o comprimento de uma tábua, e um côvado e meio será a largura de uma tábua.

17 Haverá duas espigas em uma tábua, colocadas em ordem uma contra a outra; assim farás para todas as tábuas do tabernáculo.

18 E farás as tábuas do tabernáculo, vinte tábuas do lado sul para o sul.

19 E farás quarenta bases de prata debaixo das vinte tábuas; duas bases debaixo de uma tábua para as suas duas espigas, e duas bases debaixo de outra tábua para as suas duas espigas.

20 E para o segundo lado do tabernáculo do lado norte haverá vinte tábuas.

21 E as suas quarenta bases de prata; dois soquetes sob uma placa e dois soquetes sob outra placa.

22 E para os lados do tabernáculo para o ocidente farás seis tábuas.

23 E farás duas tábuas para os cantos do tabernáculo nos dois lados.

24 E eles serão acoplados abaixo, e eles serão acoplados acima da cabeça dela em um anel; assim será para ambos; serão para os dois cantos.

25 E serão oito tábuas, e as suas bases de prata, dezesseis bases; dois soquetes sob uma placa e dois soquetes sob outra placa.

26 E farás travessas de madeira de cetim; cinco para as tábuas de um lado do tabernáculo,

27 E cinco travessas para as tábuas do outro lado do tabernáculo, e cinco travessas para as tábuas do lado do tabernáculo, dos dois lados do ocidente.

28 E a travessa do meio no meio das tábuas chegará de ponta a ponta.

29 E cobrirás de ouro as tábuas, e farás de ouro as suas argolas para os lugares dos travessões; e cobrirás de ouro os travessões.

30 E levantarás o tabernáculo conforme o modelo que te foi mostrado no monte.

31 Farás também um véu de azul, púrpura, carmesim e linho fino torcido de obra artesanal; com querubins se fará.

32 E o pendurarás em quatro colunas de madeira de cetim revestidas de ouro; os seus colchetes serão de ouro nas quatro bases de prata.

33 E pendurarás o véu debaixo das tachas, para que ali tragas dentro do véu a arca do testemunho; e o véu vos dividirá entre o lugar santo e o santíssimo.

34 E porás o propiciatório sobre a arca do testemunho no lugar santíssimo.

35 E porás a mesa sem o véu, e o candelabro defronte da mesa do lado do tabernáculo para o sul; e porás a mesa do lado norte.

36 E farás para a porta da tenda um reposteiro de azul, púrpura, carmesim e linho fino torcido, bordado a mão.

37 E para o reposteiro farás cinco colunas de madeira de cetim, e as cobrirás de ouro, e os seus colchetes serão de ouro; e fundirás para eles cinco bases de bronze.

CAPÍTULO 27

O altar, com seus vasos – O pátio do tabernáculo.

1 E farás um altar de madeira de cetim, de cinco côvados de comprimento e cinco côvados de largura; o altar será quadrado; e a sua altura será de três côvados.

2 E farás as suas pontas nos seus quatro cantos; seus chifres serão do mesmo; e o cobrirás de bronze.

3 E farás as suas panelas para receber as suas cinzas, e as suas pás, e as suas bacias, e os seus ganchos, e os seus braseiros; e todos os seus vasos farás de bronze.

4 E farás para ela uma grade de rede de bronze; e sobre a rede farás quatro argolas de bronze nos quatro cantos dela.

5 E porás debaixo do compasso do altar de baixo, para que a rede chegue até ao meio do altar.

6 E farás varais para o altar, varais de madeira de cetim, e os revestirá de bronze.

7 E os varais serão colocados nas argolas, e os varais estarão sobre os dois lados do altar, para levá-lo.

8 Oco com tábuas o farás; como te foi mostrado no monte, assim o farás.

9 E farás o átrio do tabernáculo; para o lado sul, para o sul, haverá cortinas para o pátio de linho fino torcido de cem côvados de comprimento para um lado;

10 E as suas vinte colunas e as suas vinte bases serão de bronze; os colchetes das colunas e suas faixas serão de prata.

11 E também para o lado norte de comprimento haverá cortinas de cem côvados de comprimento, e suas vinte colunas e suas vinte bases de bronze; os colchetes das colunas e suas faixas de prata.

12 E na largura do pátio do lado oeste haverá cortinas de cinqüenta côvados; suas colunas dez, e suas bases dez.

13 E a largura do átrio do lado oriental para o oriente será de cinqüenta côvados.

14 As cortinas de um lado da porta serão de quinze côvados; suas colunas três, e suas bases três.

15 E do outro lado haverá cortinas de quinze côvados; suas colunas três, e suas bases três.

16 E para a porta do átrio haverá um reposteiro de vinte côvados, de azul, púrpura, carmesim e linho fino torcido, bordado a mão; e as suas colunas serão quatro, e as suas bases quatro.

17 Todas as colunas ao redor do pátio serão guarnecidas de prata; os seus colchetes serão de prata, e as suas bases de bronze.

18 O comprimento do pátio será de cem côvados, e a largura de cinqüenta em todos os lugares, e a altura de cinco côvados de linho fino torcido, e suas bases de bronze.

19 Todos os utensílios do tabernáculo em todo o seu serviço, e todas as suas estacas, e todas as estacas do átrio, serão de bronze.

20 E ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para que a lâmpada fique sempre acesa.

21 No tabernáculo da congregação sem véu, que está diante do testemunho, Arão e seus filhos o ordenarão de tarde a manhã perante o Senhor; será estatuto perpétuo para as suas gerações por parte dos filhos de Israel.

CAPÍTULO 28

Arão e seus filhos separados para o ofício do sacerdote – O éfode – O peitoral – O Urim e Tumim.

1 E leva contigo Arão, teu irmão, e seus filhos com ele, dentre os filhos de Israel, para que me administre o sacerdócio, Arão, Nadabe e Abiú, Eleazar e Itamar, filhos de Arão.

2 E farás vestes sagradas para Arão, teu irmão, para glória e ornamento.

3 E falarás a todos os sábios de coração, a quem enchi do espírito de sabedoria, que façam as vestes de Arão para santificá-lo, para que me administre o sacerdócio.

4 E estas são as vestes que farão; um peitoral, e um éfode, e um manto, e uma túnica bordada, uma mitra e um cinto; e farão vestes sagradas para Arão, teu irmão, e seus filhos, para que me administre o sacerdócio.

5 E tomarão ouro, azul e púrpura; e escarlate, e linho fino.

6 E farão o éfode de ouro, de azul, e de púrpura, de carmesim e de linho fino torcido, de obra esmerada.

7 Terá as suas duas ombreiras unidas pelas suas duas extremidades; e assim será unido.

8 E o cinto curioso do éfode, que está sobre ele, será do mesmo, de acordo com a obra dele; sim, de ouro, de azul, de púrpura, de carmesim e de linho fino torcido.

9 E tomarás duas pedras de ônix e gravarás nelas os nomes dos filhos de Israel;

10 Seis de seus nomes em uma pedra, e os outros seis nomes do resto na outra pedra, de acordo com seu nascimento.

11 Conforme a obra de um lapidário em pedra, como as gravuras de um sinete, gravarás as duas pedras com os nomes dos filhos de Israel; tu os farás engastados em engastes de ouro.

12 E porás as duas pedras nas ombreiras do éfode por pedras de memória aos filhos de Israel; e Arão levará sobre os seus dois ombros os seus nomes perante o Senhor, para memória.

13 E farás engastes de ouro;

14 E duas correntes de ouro puro nas pontas; de trabalho de guirlanda os farás, e prenderás as cadeias de guirlanda aos ouches.

15 E farás o peitoral do juízo com astúcia; conforme a obra do éfode o farás; de ouro, de azul, e de púrpura, e de carmesim, e de linho fino torcido, o farás.

16 Quadrangular será dobrado; um palmo será o seu comprimento, e um palmo será a sua largura.

17 E nela porás engastes de pedras, quatro fileiras de pedras; a primeira linha será um sárdio, um topázio e um carbúnculo; esta deve ser a primeira linha.

18 E a segunda fila será uma esmeralda, uma safira e um diamante.

19 E a terceira fileira uma ligura, e ágata, e uma ametista.

20 E a quarta fileira um berilo, um ônix e um jaspe; eles serão engastados em ouro em seus anexos.

21 E as pedras estarão com os nomes dos filhos de Israel, doze, segundo os seus nomes, como as gravuras de um sinete; cada um com o seu nome será segundo as doze tribos.

22 E no peitoral farás correntes nas extremidades de obra de ouro puro.

23 E farás sobre o peitoral duas argolas de ouro, e porás as duas argolas nas duas extremidades do peitoral.

24 E porás as duas cadeias de ouro de guirlanda nas duas argolas que estão nas extremidades do peitoral.

25 E as outras duas extremidades das duas cadeias de guirlandas tu prenderás nas duas ousadas, e as porás nas ombreiras do éfode diante dele.

26 E farás duas argolas de ouro, e as porás nas duas extremidades do peitoral, na sua borda, que está no lado interno do éfode.

27 E farás outras duas argolas de ouro, e as porás nos dois lados do éfode por baixo, perto da parte dianteira, defronte da outra junta, acima do cinto curioso do éfode.

28 E atarão o peitoral pelas suas argolas às argolas do éfode com um cordão de azul, para que fique acima do cinto curioso do éfode, e que o peitoral não seja solto do éfode.

29 E Arão levará os nomes dos filhos de Israel no peitoral do juízo sobre o seu coração, quando entrar no lugar santo para memorial diante do Senhor continuamente.

30 E porás no peitoral do juízo o Urim e o Tumim; e estarão sobre o coração de Arão, quando entrar perante o Senhor; e Arão levará sobre o seu coração o juízo dos filhos de Israel diante do Senhor continuamente.

31 E farás o manto do éfode todo de azul.

32 E haverá um buraco no topo dela, no meio dela; terá ao redor de sua abertura uma encadernação de obra tecida, como se fosse a abertura de uma cota de malha, para que não se rasgue.

33 E por baixo da sua orla farás romãs de azul, e de púrpura, e de carmesim, ao redor da orla; e sinos de ouro entre eles ao redor;

34 Uma campainha de ouro e uma romã, uma campainha de ouro e uma romã, na orla do manto ao redor.

35 E caberá a Arão ministrar; e a sua voz será ouvida quando entrar no lugar santo perante o Senhor, e quando sair, para que não morra.

36 E farás uma lâmina de ouro puro, e nela gravarás, como as gravuras de um sinete: SANTIDADE AO SENHOR.

37 E o porás num cordão azul, para que fique sobre a mitra; na vanguarda da mitra estará.

38 E estará sobre a testa de Arão para que Arão leve a iniqüidade das coisas sagradas, que os filhos de Israel santificarão em todas as suas ofertas sagradas; e estará sempre na sua testa, para que sejam aceitos diante do Senhor.

39 E bordarás a túnica de linho fino, e farás a mitra de linho fino, e farás o cinto de bordado.

40 E para os filhos de Arão farás túnicas, e farás para eles cintos, e toucas farás para eles, para glória e ornamento.

41 E as porás sobre Arão, teu irmão, e seus filhos com ele; e os ungirás, e os consagrarás, e os santificarás, para que me administrem o sacerdócio.

42 Far-lhes-ás calções de linho para cobrir a sua nudez; desde os lombos até as coxas alcançarão;

43 E estarão sobre Arão e sobre seus filhos, quando entrarem na tenda da congregação, ou quando se chegarem ao altar para ministrar no lugar santo; para que não levem iniqüidade e morram; isso será estatuto perpétuo para ele e sua descendência depois dele.

CAPÍTULO 29

A consagração dos sacerdotes – a promessa de Deus.

1 E isto é o que lhes farás para os santificar, para me servirem no sacerdócio; Tome um novilho e dois carneiros sem defeito,

2 E pães ázimos, e bolos ázimos temperados com azeite, e coscorões ázimos untados com azeite; de farinha de trigo os farás.

3 E os porás num cesto, e os trarás no cesto, com o novilho e os dois carneiros.

4 E Arão e seus filhos trarás à porta da tenda da congregação, e os lavarás com água.

5 E tomarás as vestes, e vestirás a Arão a túnica, e a túnica do éfode, e o éfode, e o peitoral, e o cingirás com o cinto curioso do éfode;

6 E porás a mitra sobre a sua cabeça, e porás a coroa sagrada sobre a mitra.

7 Então tomarás o óleo da unção, e o derramarás sobre a cabeça dele, e o ungirás.

8 E trarás os seus filhos, e lhes vestirás as túnicas.

9 E os cingirás com cintos, Arão e seus filhos, e lhes porás as toucas; e o sacerdócio será deles por estatuto perpétuo; e consagrarás Arão e seus filhos.

10 E farás trazer um novilho diante da tenda da congregação; e Arão e seus filhos porão as mãos sobre a cabeça do novilho.

11 E degolarás o novilho perante o Senhor, à porta da tenda da congregação.

12 E tomarás do sangue do novilho, e o porás com o dedo sobre as pontas do altar, e todo o sangue derramarás ao pé do altar.

13 E tomarás toda a gordura que cobre a fressura, e o redenho que está sobre o fígado, e os dois rins, e a gordura que está sobre eles, e os queimarás sobre o altar.

14 Mas a carne do novilho, e sua pele, e seu esterco, queimarás com fogo fora do arraial; é uma oferta pelo pecado.

15 Também tomarás um carneiro; e Arão e seus filhos porão as mãos sobre a cabeça do carneiro.

16 E matarás o carneiro, e tomarás o seu sangue, e o espargirás sobre o altar.

17 E cortarás o carneiro em pedaços, e lavarás as suas entranhas e as suas pernas, e porás nos seus pedaços e na sua cabeça.

18 E queimarás todo o carneiro sobre o altar; é holocausto ao Senhor; é cheiro suave, oferta queimada ao Senhor.

19 E tomarás o outro carneiro; e Arão e seus filhos porão as mãos sobre a cabeça do carneiro.

20 Então degolarás o carneiro, e tomarás do seu sangue, e o porás sobre a ponta da orelha direita de Arão, e sobre a ponta da orelha direita de seus filhos, e sobre o polegar da sua mão direita, e sobre a o dedo grande do pé direito, e espargirão o sangue sobre o altar ao redor.

21 E tomarás do sangue que está sobre o altar, e do óleo da unção, e o espargirás sobre Arão, e sobre as suas vestes, e sobre seus filhos, e sobre as vestes de seus filhos com ele; e ele será santificado, e suas vestes, e seus filhos, e as vestes de seus filhos com ele.

22 Também do carneiro tomarás a gordura e a garupa, e a gordura que cobre a fressura, e o redenho por cima do fígado, e os dois rins, e a gordura que está sobre eles, e a espádua direita; pois é um carneiro de consagração;

23 E um pão, e um bolo de pão untado com azeite, e uma hóstia, do cesto dos pães ázimos que está diante do Senhor;

24 E porás tudo nas mãos de Arão e nas mãos de seus filhos; e os moverás como oferta movida perante o Senhor.

25 E tu os receberás das suas mãos, e os queimarás sobre o altar em holocausto, por cheiro suave perante o Senhor; é oferta queimada ao Senhor.

26 E tomarás o peito do carneiro da consagração de Arão, e o moverás por oferta movida perante o Senhor; e será a tua parte.

27 E santificarás o peito da oferta movida, e a pá da oferta alçada, movida e alçada, do carneiro da consagração, do que é para Arão, e do que é para seus filhos;

28 E será de Arão e de seus filhos por estatuto perpétuo dos filhos de Israel; porque é uma oferta alçada; e será oferta alçada dos filhos de Israel do sacrifício das suas ofertas pacíficas, sim, da sua oferta alçada ao Senhor.

29 E as vestes sagradas de Arão serão de seus filhos depois dele, para serem nelas ungidas e consagradas nelas.

30 E aquele filho que é sacerdote em seu lugar os porá por sete dias, quando entrar na tenda da congregação para ministrar no lugar santo.

31 E tomarás o carneiro da consagração, e cozerás a sua carne no lugar santo.

32 E Arão e seus filhos comerão a carne do carneiro, e o pão que está no cesto, à porta da tenda da congregação.

33 E eles comerão as coisas com que a expiação foi feita; consagrá-los e santificá-los; mas o estranho não comerá dela, porque são santas.

34 E se sobrar alguma coisa da carne das consagrações, ou do pão, até pela manhã, o restante queimarás no fogo; não se comerá, porque é santo.

35 E assim farás a Arão e a seus filhos, conforme todas as coisas que te ordenei; sete dias os consagrarás.

36 E cada dia oferecerás um novilho como expiação do pecado; e purificarás o altar, quando fizeres expiação por ele, e o ungirás, para o santificar.

37 Sete dias farás expiação pelo altar, e o santificarás; e será um altar santíssimo; tudo o que tocar o altar será santo.

38 Ora, isto é o que oferecerás sobre o altar; dois cordeiros do primeiro ano dia a dia continuamente.

39 Um cordeiro oferecerás pela manhã; e o outro cordeiro oferecerás à tarde;

40 E com um cordeiro uma décima parte de farinha misturada com a quarta parte de um him de azeite batido; e a quarta parte de um him de vinho para libação.

41 E o outro cordeiro oferecerás à tarde, e com ele farás conforme a oferta de cereais da manhã, e conforme a sua libação, por cheiro suave, oferta queimada ao Senhor.

42 Este será um holocausto contínuo pelas vossas gerações à porta da tenda da congregação perante o Senhor, onde eu vos encontrar, para ali falar contigo.

43 E ali me encontrarei com os filhos de Israel, e o tabernáculo será santificado pela minha glória.

44 E santificarei a tenda da congregação e o altar; Santificarei também Arão e seus filhos, para me servirem no sacerdócio.

45 E habitarei no meio dos filhos de Israel, e serei o seu Deus.

46 E saberão que eu sou o Senhor seu Deus, que os tirei da terra do Egito, para habitar no meio deles; Eu sou o Senhor seu Deus.

CAPÍTULO 30

O altar do incenso – O resgate.

1 E farás um altar para queimar incenso; de madeira de merda o farás.

2 Um côvado será o seu comprimento, e um côvado a sua largura; quadrado será; e dois côvados será a sua altura; os seus chifres serão do mesmo.

3 E de ouro puro o cobrirás, a parte superior e as laterais ao redor, e as suas pontas; e farás para ela uma coroa de ouro ao redor.

4 E duas argolas de ouro lhe farás debaixo da sua coroa, pelos dois cantos, nos dois lados dele o farás; e eles servirão de lugar para os varais para levá-lo.

5 E farás os varais de madeira de cetim, e os cobrirás de ouro.

6 E porás diante do véu que está junto à arca do testemunho, diante do propiciatório que está sobre o testemunho, onde me encontrarei contigo.

7 E Arão queimará nele incenso aromático todas as manhãs; quando acender as lâmpadas, queimará incenso sobre ela.

8 Quando Arão acender as lâmpadas à tarde, queimará incenso sobre ela, incenso perpétuo perante o Senhor pelas vossas gerações.

9 Não oferecereis sobre ele incenso estranho, nem holocausto, nem oferta de alimentos; nem derramareis sobre ela libações.

10 E Arão fará expiação sobre as pontas dele uma vez por ano com o sangue da expiação do pecado; uma vez no ano fará expiação sobre ela nas vossas gerações; é santíssimo para o Senhor.

11 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

12 Quando fizeres a soma dos filhos de Israel segundo o seu número, cada um dará ao Senhor o resgate da sua alma, quando os contares; para que não haja praga entre eles, quando os contares.

13 Isto eles darão, a cada um que passar entre os contados, meio siclo segundo o siclo do santuário; (um siclo é vinte gerahs;) meio siclo será a oferta do Senhor.

14 Todo aquele que passar entre os contados, de vinte anos para cima, dará uma oferta ao Senhor.

15 O rico não dará mais, e o pobre não dará menos do que meio siclo, quando derem uma oferta ao Senhor, para fazer expiação por vossas almas.

16 E tomarás o dinheiro da expiação dos filhos de Israel, e o designarás para o serviço da tenda da congregação; para que seja um memorial aos filhos de Israel perante o Senhor, para fazer expiação por vossas almas.

17 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

18 Farás também uma pia de bronze, e seu pé também de bronze, para lavar; e porás entre a tenda da congregação e o altar, e nela porás água.

19 Porque Arão e seus filhos lavarão as mãos e os pés;

20 Quando entrarem na tenda da congregação, lavar-se-ão com água, para que não morram; ou quando se aproximam do altar para ministrar, para oferecer holocausto ao Senhor;

21 Assim lavarão as mãos e os pés, para que não morram; e isso lhes será estatuto perpétuo, a ele e à sua descendência nas suas gerações.

22 Falou também o Senhor a Moisés, dizendo:

23 Leva também para ti as especiarias principais, de mirra pura, quinhentos siclos, e de canela doce metade disso, duzentos e cinqüenta siclos, e de cálamo doce, duzentos e cinquenta siclos,

24 E de cássia quinhentos siclos, segundo o siclo do santuário, e de azeite de oliva um him;

25 E farás dele um óleo de unguento sagrado, um unguento composto segundo a arte do boticário; será o óleo da unção sagrada.

26 E com ela ungirás a tenda da congregação, e a arca do testemunho,

27 E a mesa e todos os seus vasos, e o candelabro e seus vasos, e o altar do incenso,

28 E o altar do holocausto com todos os seus utensílios, e a pia e seu pé.

29 E tu os santificarás, para que sejam santíssimos; tudo o que os tocar será santo.

30 E ungirás Arão e seus filhos, e os consagrarás para que me administrem o sacerdócio.

31 E falarás aos filhos de Israel, dizendo: Este será o óleo da unção sagrada para mim pelas vossas gerações.

32 Sobre a carne do homem não se derramará, nem fareis outro semelhante a ele, conforme a sua composição; é santo, e santo vos será.

33 Qualquer que compor algo semelhante, ou qualquer que der algo a um estranho, será extirpado do seu povo.

34 E o Senhor disse a Moisés: Leva para ti especiarias aromáticas, state, e onycha, e gálbano; essas especiarias doces com incenso puro; de cada um haverá um peso semelhante;

35 E farás dele um perfume, uma confecção segundo a arte do boticário, temperado juntamente, puro e santo;

36 E uma parte dela baterás bem pequena, e dela porás diante do testemunho na tenda da congregação, onde eu me encontrarei contigo; isso vos será santíssimo.

37 Quanto ao perfume que farás, não o farás segundo a sua composição; isso te será santo para o Senhor.

38 Quem fizer semelhante a isso, para cheirar, será extirpado do seu povo.

CAPÍTULO 31

Bezalel e Aoliabe chamaram – O sábado – As duas mesas.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Eis que chamei pelo nome de Bezalel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá;

3 E eu o enchi com o Espírito de Deus, em sabedoria, e em entendimento, e em conhecimento, e em toda forma de obra.

4 Para inventar engenhosos, para trabalhar em ouro, e em prata, e em latão,

5 E em lapidação de pedras, para engastá-las, e em talha de madeira, para trabalhar em todo tipo de obra.

6 E eu, eis que dei com ele Aoliabe, filho de Aisamaque, da tribo de Dã; e no coração de todos os que são sábios de coração pus sabedoria, para que façam tudo o que te ordenei;

7 O tabernáculo da congregação, e a arca do testemunho, e o propiciatório que está sobre ele, e todos os móveis do tabernáculo,

8 E a mesa e seus móveis, e o castiçal puro com todos os seus móveis, e o altar de incenso,

9 E o altar do holocausto com todos os seus móveis, e a pia e seu pé,

10 E as vestes do serviço, e as vestes sagradas de Arão, o sacerdote, e as vestes de seus filhos, para ministrar o sacerdócio,

11 E o óleo da unção e o incenso aromático para o santuário; conforme tudo o que te ordenei farão.

12 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

13 Fala também aos filhos de Israel, dizendo: Em verdade guardareis os meus sábados; porque é um sinal entre mim e vós nas vossas gerações; para que saibais que eu sou o Senhor que vos santifico.

14 Guardareis, pois, o sábado; porque é santo para vós. Todo aquele que o contaminar certamente será morto; porque qualquer que nele fizer alguma obra, essa alma será extirpada do meio do seu povo.

15 Seis dias pode ser feito o trabalho; mas no sétimo é o sábado do descanso, santo ao Senhor; qualquer que fizer alguma obra no dia de sábado, certamente será morto.

16 Portanto os filhos de Israel guardarão o sábado, para guardar o sábado nas suas gerações, por aliança perpétua.

17 É um sinal entre mim e os filhos de Israel para sempre; porque em seis dias o Senhor fez os céus e a terra, e no sétimo dia descansou e teve refrigério.

18 E deu a Moisés, quando acabou de falar com ele no monte Sinai, duas tábuas de testemunho, tábuas de pedra, escritas pelo dedo de Deus.

CAPÍTULO 32

Arão faz um bezerro – Moisés quebra as mesas – ele ora pelo povo.

1 E quando o povo viu que Moisés demorava a descer do monte, o povo se ajuntou a Arão, e lhe disse: Levanta-te, faz-nos deuses, que irão adiante de nós; porque quanto a este Moisés, o homem que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe aconteceu.

2 E Arão lhes disse: Quebrai as argolas de ouro que estão nas orelhas de vossas mulheres, de vossos filhos e de vossas filhas, e trazei-as.

3 E todo o povo arrancou as argolas de ouro que traziam nas orelhas e as trouxe a Arão.

4 E ele os recebeu das mãos deles, e o modelou com uma ferramenta de escultura, depois que ele fez um bezerro de fundição; e eles disseram: Estes são os teus deuses, ó Israel, que te fizeram subir da terra do Egito.

5 E quando Arão o viu, edificou um altar diante dele; e Arão fez uma proclamação, e disse: Amanhã é uma festa ao Senhor.

6 E levantaram-se cedo no dia seguinte, e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo sentou-se para comer e beber, e se levantou para brincar.

7 E o Senhor disse a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo, que tiraste da terra do Egito, se corrompeu;

8 Rapidamente se desviaram do caminho que lhes ordenei, fizeram para si um bezerro fundido, e o adoraram, e lhe ofereceram sacrifícios, e disseram: Estes são os teus deuses, ó Israel, que te fizeram subir da terra do Egito.

9 E o Senhor disse a Moisés: Eu vi este povo, e eis que é um povo de dura cerviz;

10 Agora, pois, deixa-me, para que a minha ira se acenda contra eles, e eu os consuma; e farei de ti uma grande nação.

11 E Moisés suplicou ao Senhor seu Deus, e disse: Senhor, por que se acende a tua ira contra o teu povo, que tiraste da terra do Egito com grande poder e mão poderosa?

12 Por que deveriam os egípcios falar e dizer: Para maldade os tirou, para os matar nos montes, e para os consumir da face da terra? Afasta-te da tua ira feroz. Teu povo se arrependerá deste mal; portanto, não saias contra eles.

13 Lembra-te de Abraão, Isaque e Israel, teus servos, a quem juraste por ti mesmo, e lhes disseste: Multiplicarei a tua descendência como as estrelas do céu, e toda esta terra de que falei darei a tua semente, e eles a herdarão para sempre.

14 E o Senhor disse a Moisés: Se eles se arrependerem do mal que fizeram, eu os pouparei e desviarei minha ira feroz; mas eis que tu julgarás todos os que não se arrependerem deste mal neste dia. Portanto, veja você faz esta coisa que eu te ordenei, ou eu executarei tudo o que eu pensei fazer ao meu povo.

15 E Moisés voltou-se, e desceu do monte, e as duas tábuas do testemunho estavam na sua mão; as tabelas foram escritas em ambos os lados; de um lado e do outro estavam escritos.

16 E as tábuas eram obra de Deus, e a escrita era a escrita de Deus, gravada nas tábuas.

17 E quando Josué ouviu o barulho do povo como eles gritavam, ele disse a Moisés: Há um barulho de guerra no acampamento.

18 E ele disse: Não é a voz dos que clamam por domínio, nem é a voz dos que clamam por serem vencidos; mas o barulho dos que cantam eu ouço.

19 E aconteceu que, chegando perto do arraial, viu o bezerro e a dança; e a ira de Moisés se acendeu, e ele lançou as mesas de suas mãos, e as quebrou debaixo do monte.

20 E tomou o bezerro que haviam feito, e queimou-o no fogo, e o moeu em pó, e o espalhou sobre a água, e deu a beber dele aos filhos de Israel.

21 E Moisés disse a Arão: Que te fez este povo, que trouxeste sobre eles tão grande pecado?

22 E Arão disse: Não se acenda a ira do meu senhor; tu conheces o povo, que eles estão empenhados no mal.

23 Pois eles me disseram: Faze-nos deuses, que irão adiante de nós; porque quanto a este Moisés, o homem que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe aconteceu.

24 E eu lhes disse: Quem tiver ouro, quebre-o. Então eles me deram; então eu o lancei no fogo, e saiu este bezerro.

25 E quando Moisés viu que o povo estava nu (porque Arão os desnudou para sua vergonha entre seus inimigos),

26 Então Moisés pôs-se à porta do arraial e disse: Quem está do lado do Senhor? que ele venha até mim. E todos os filhos de Levi se ajuntaram a ele.

27 E disse-lhes: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Põe cada um a sua espada ao seu lado, e entra e sai de porta em porta por todo o arraial, e mata cada um a seu irmão, e cada um a seu companheiro, e cada um ao seu próximo.

28 E os filhos de Levi fizeram conforme a palavra de Moisés; e caíram do povo naquele dia cerca de três mil homens.

29 Pois Moisés havia dito: Consagrai-vos hoje ao Senhor, cada um sobre seu filho e sobre seu irmão; para que ele possa conceder-lhe uma bênção neste dia.

30 E aconteceu que no dia seguinte Moisés disse ao povo: Vós tendes cometido um grande pecado; e agora subirei ao Senhor; porventura farei expiação por seu pecado.

31 E Moisés voltou ao Senhor, e disse: Oh, este povo cometeu um grande pecado, e fez para si deuses de ouro.

32 Ainda agora, se perdoares os seus pecados; e se não, risca-me, peço-te, do teu livro que escreveste.

33 E o Senhor disse a Moisés: Todo aquele que pecar contra mim, eu riscarei do meu livro.

34 Portanto, agora vai, conduz o povo ao lugar de que te falei; eis que meu Anjo irá adiante de ti; no entanto, no dia em que eu os visitar, visitarei seus pecados sobre eles.

35 E o Senhor afligiu o povo porque eles adoraram o bezerro que Arão fez.

CAPÍTULO 33

O povo murmura – O tabernáculo é removido – O Senhor fala com Moisés.

1 E disse o Senhor a Moisés: Vai, e sobe daqui, tu e o povo que fizeste subir da terra do Egito, para uma terra que mana leite e mel, a terra que jurei a Abraão, a Isaque , e a Jacó, dizendo: À tua descendência a darei;

2 E enviarei um anjo adiante de ti; e expulsarei os cananeus, os amorreus, os heteus, os ferezeus, os heveus e os jebuseus;

3 Para uma terra que mana leite e mel; porque não subirei no meio de ti; porque tu és um povo de dura cerviz; para que eu não te consuma no caminho.

4 E quando o povo ouviu essas más notícias, eles prantearam; e nenhum homem colocou nele seus ornamentos.

5 Porque o Senhor dissera a Moisés: Dize aos filhos de Israel: Vós sois um povo de dura cerviz; em um momento subirei no meio de ti e te consumirei; por isso agora tira de ti os teus ornamentos, para que eu saiba o que te fazer.

6 E os filhos de Israel se despojaram de seus ornamentos junto ao monte Horebe.

7 E Moisés tomou o tabernáculo, e o armou fora do acampamento, longe do acampamento, e o chamou de Tabernáculo da congregação. E aconteceu que todos os que buscavam ao Senhor saíam à tenda da congregação, que estava fora do arraial.

8 E aconteceu que, quando Moisés saiu ao tabernáculo, todo o povo se levantou, e cada um se pôs à porta da sua tenda, e cuidou de Moisés, até que ele entrou no tabernáculo.

9 E aconteceu que, quando Moisés entrou no tabernáculo, a coluna de nuvem desceu e parou à porta do tabernáculo, e o Senhor falou com Moisés.

10 E todo o povo viu a coluna de nuvem parada à porta do tabernáculo; e todo o povo se levantou e adorou, cada um à porta da sua tenda.

11 E o Senhor falava a Moisés face a face, como um homem fala com seu amigo. E ele voltou novamente para o acampamento; mas seu servo Josué, filho de Num, um jovem, não saiu do tabernáculo.

12 E Moisés disse ao Senhor: Vê, tu me dizes: Faz subir este povo; e não me deixaste saber quem enviarás comigo. No entanto, disseste: Conheço-te pelo nome, e também achaste graça aos meus olhos.

13 Agora, pois, rogo-te que, se achei graça aos teus olhos, mostra-me agora o teu caminho, para que eu te conheça, para que eu ache graça aos teus olhos; e considera que esta nação é o teu povo.

14 E ele disse: Minha presença irá contigo, e eu te darei descanso.

15 E disse-lhe: Se a tua presença não for comigo, não nos faças subir daqui.

16 Pois onde se saberá aqui que eu e o teu povo achamos graça aos teus olhos? não é que tu vais conosco? Assim seremos separados, eu e teu povo, de todas as pessoas que estão sobre a face da terra.

17 E o Senhor disse a Moisés: Farei também isto que falaste; porque achaste graça aos meus olhos, e eu te conheço pelo nome.

18 E ele disse: Rogo-te, mostra-me a tua glória.

19 E ele disse: Farei passar toda a minha bondade diante de ti, e proclamarei o nome do Senhor diante de ti; e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia.

20 E ele disse a Moisés: Tu não podes ver a minha face neste momento, para que a minha ira não se acenda também contra ti, e eu te destrua, e ao teu povo; pois nenhum homem entre eles me verá neste momento e viverá, pois eles são extremamente pecadores. E nenhum homem pecador em tempo algum, nem haverá homem algum pecador em tempo algum, que verá minha face e viverá.

21 E o Senhor disse: Eis que estarás em pé sobre uma rocha, e eu prepararei um lugar por mim para ti.

22 E acontecerá que, enquanto minha glória passa, eu te porei na fenda de uma rocha, e te cobrirei com minha mão enquanto eu passo.

23 E tirarei a minha mão, e tu verás as minhas costas, mas o meu rosto não será visto, como das outras vezes; porque estou irado contra o meu povo Israel.

CAPÍTULO 34

As mesas renovadas – Moisés desce com as mesas – Seu rosto brilha.

1 E o Senhor disse a Moisés: Faz para ti duas outras tábuas de pedra, semelhantes à primeira, e escreverei sobre elas também as palavras da lei, conforme foram escritas no princípio nas tábuas que quebraste; mas não será como o primeiro, porque tirarei do meio deles o sacerdócio; portanto, minha santa ordem e suas ordenanças não irão adiante deles; porque a minha presença não subirá no meio deles, para que eu não os destrua.

2 Mas eu lhes darei a lei como no princípio, mas será segundo a lei de um mandamento carnal; pois jurei em minha ira que eles não entrarão em minha presença, em meu descanso, nos dias de sua peregrinação. Faz, pois, como te ordenei, e prepara-te pela manhã, e pela manhã sobe ao monte Sinai, e apresenta-te ali a mim, no cume do monte.

3 E ninguém subirá contigo, nem se veja homem algum em todo o monte; nem que os rebanhos nem os rebanhos se alimentem diante daquele monte.

4 E Moisés lavou duas tábuas de pedra como a primeira; e levantou-se de madrugada, e subiu ao monte Sinai, como o Senhor lhe ordenara, e tomou na mão as duas tábuas de pedra.

5 E o Senhor desceu na nuvem, e ficou ali com ele, e proclamou o nome do Senhor.

6 E o Senhor, passando diante dele, proclamou: O Senhor, o Senhor Deus, misericordioso e misericordioso, longânimo e grande em bondade e verdade,

7 Mantendo a misericórdia para milhares, perdoando a iniqüidade, a transgressão e o pecado, e isso de modo algum absolverá os rebeldes; visita a iniqüidade dos pais nos filhos e nos filhos dos filhos, até a terceira e quarta geração.

8 E Moisés apressou-se, e inclinou a cabeça para a terra, e adorou.

9 E ele disse: Se agora tenho achado graça aos teus olhos, ó Senhor, deixa meu Senhor, peço-te, ir entre nós; porque é um povo de dura cerviz; e perdoa a nossa iniqüidade e o nosso pecado, e toma-nos por tua herança.

10 E ele disse: Eis que faço uma aliança; diante de todo o teu povo farei maravilhas, como nunca se fizeram em toda a terra, nem em nação alguma; e todo o povo em que estiveres verá a obra do Senhor; pois é uma coisa terrível que farei contigo.

11 Guarda o que eu te ordeno hoje; eis que de diante de ti expulso os amorreus, os cananeus, os heteus, os perizeus, os heveus e os jebuseus.

12 Guarda-te, para que não faças aliança com os moradores da terra para onde fores, para que não seja por laço no meio de ti;

13 Mas vós destruireis os seus altares, quebrareis as suas imagens e cortareis os seus bosques;

14 Pois não adorarás outro deus; porque o Senhor, cujo nome é Jeová, é um Deus zeloso.

15 Para que não faças aliança com os moradores da terra, e eles se prostituam após os seus deuses, e não ofereçam sacrifícios aos seus deuses, e alguém te chame, e tu comas do seu sacrifício;

16 E tomarás de suas filhas para teus filhos, e suas filhas vão se prostituir após seus deuses, e fazer teus filhos se prostituirem após seus deuses.

17 Não farás para ti deuses de fundição.

18 A festa dos pães ázimos guardarás. Sete dias comerás pães ázimos, como te ordenei, no tempo do mês de abibe; porque no mês de abibe saíste do Egito.

19 Tudo o que abre a matriz é meu; e todo primogênito do teu gado, seja boi ou ovelha, que for macho.

20 Mas o primogênito da jumenta resgatarás com um cordeiro; e se não o resgatares, então lhe quebrarás o pescoço. Todo primogênito de teus filhos resgatarás. E ninguém aparecerá diante de mim vazio.

21 Seis dias trabalharás, mas no sétimo dia descansarás; na colheita e na colheita descansarás.

22 E guardarás a festa das semanas, das primícias da colheita do trigo, e a festa da colheita no fim do ano.

23 Três vezes no ano todos os teus filhos aparecerão perante o Senhor Deus, o Deus de Israel.

24 Pois lançarei fora as nações de diante de ti, e alargarei os teus termos; ninguém cobiçará a tua terra, quando subires para aparecer três vezes no ano perante o Senhor teu Deus.

25 Não oferecerás o sangue do meu sacrifício com fermento; nem ficará para a manhã o sacrifício da festa da páscoa.

26 As primícias das primícias da tua terra trarás à casa do Senhor teu Deus. Não cozerás o cabrito no leite de sua mãe.

27 E o Senhor disse a Moisés: Escreve estas palavras; pois conforme o teor destas palavras fiz aliança contigo e com Israel.

28 E esteve ali com o Senhor quarenta dias e quarenta noites; não comeu pão nem bebeu água. E escreveu nas tábuas as palavras da aliança, os dez mandamentos.

29 E aconteceu que, quando Moisés desceu do monte Sinai com as duas tábuas do testemunho na mão de Moisés, quando desceu do monte, Moisés não sabia que a pele de seu rosto brilhava enquanto falava com ele.

30 E quando Arão e todos os filhos de Israel viram a Moisés, eis que a pele do seu rosto resplandeceu; e eles estavam com medo de se aproximar dele.

31 E Moisés os chamou; e Aarão e todos os príncipes da congregação voltaram para ele; e Moisés falou com eles.

32 E depois todos os filhos de Israel se aproximaram; e deu-lhes como mandamento tudo o que o Senhor lhe falara no monte Sinai.

33 E, até que Moisés acabou de falar com eles, pôs um véu no rosto.

34 Mas, quando Moisés entrou diante do Senhor para falar com ele, tirou o véu, até sair. E ele saiu e falou aos filhos de Israel o que lhe fora ordenado.

35 E os filhos de Israel viram o rosto de Moisés, que a pele do rosto de Moisés resplandecia; e Moisés pôs novamente o véu sobre o rosto, até que entrou para falar com o Senhor.

CAPÍTULO 35

O sábado – Os dons gratuitos para o tabernáculo – A prontidão do povo para oferecer.

1 E Moisés reuniu toda a congregação dos filhos de Israel, e disse-lhes: Estas são as palavras que o Senhor ordenou, que as cumprisseis.

2 Seis dias se trabalhará, mas no sétimo dia vos haverá um dia santo, um sábado de descanso ao Senhor; todo aquele que nele trabalhar será morto.

3 Não acendereis fogo nas vossas habitações no dia de sábado.

4 E falou Moisés a toda a congregação dos filhos de Israel, dizendo: Isto é o que o Senhor ordenou, dizendo:

5 Tomai do meio de vós uma oferta ao Senhor; quem for disposto de coração, traga-o como oferta ao Senhor; ouro, prata e bronze,

6 E azul, e púrpura, e escarlate, e linho fino, e pêlos de cabras,

7 E peles de carneiros tingidas de vermelho, e peles de texugos, e madeira de cocô,

8 E azeite para o candeeiro, e especiarias para o azeite da unção, e para o incenso aromático,

9 E pedras de ônix, e pedras de engaste para o éfode e para o peitoral.

10 E todo sábio de coração entre vós virá e fará tudo o que o Senhor ordenou;

11 O tabernáculo, a sua tenda e a sua cobertura, os seus varões e as suas tábuas, as suas travessas, as suas colunas e as suas bases;

12 A arca e os seus varais, com o propiciatório e o véu da cobertura;

13 A mesa e os seus varais, e todos os seus utensílios, e os pães da proposição;

14 Também o candelabro para a luz, e os seus móveis, e as suas lâmpadas, com o azeite para o candeeiro;

15 E o altar do incenso, e os seus varais, e o óleo da unção, e o incenso aromático, e a cortina para a porta da entrada do tabernáculo;

16 O altar do holocausto, com a sua grelha de bronze, os seus varais e todos os seus utensílios, a pia e o seu pé;

17 As cortinas do átrio, as suas colunas e as suas bases, e as cortinas da porta do átrio;

18 As estacas do tabernáculo, e as estacas do átrio, e as suas cordas;

19 As vestes de serviço, para servir no lugar santo, as vestes sagradas de Arão, o sacerdote, e as vestes de seus filhos, para ministrar no sacerdócio.

20 E toda a congregação dos filhos de Israel se retirou da presença de Moisés.

21 E eles vieram, todo aquele cujo coração o animava, e todo aquele a quem o seu espírito permitia, e trouxeram a oferta do Senhor para a obra do tabernáculo da congregação, e para todo o seu serviço, e para as vestes sagradas.

22 E eles vieram, tanto homens como mulheres, todos os que quiseram de coração, e trouxeram braceletes e brincos e anéis e tábuas, todas jóias de ouro; e todo homem que oferecia, oferecia uma oferta de ouro ao Senhor.

23 E todo homem com quem se achou azul, e púrpura, e carmesim, e linho fino, e pêlos de cabras, e peles vermelhas de carneiros e peles de texugos, as trazia.

24 Todo aquele que ofereceu uma oferta de prata e bronze trouxe a oferta do Senhor; e todo homem, com quem se encontrava madeira de merda para qualquer trabalho do serviço, a trazia.

25 E todas as mulheres que eram sábias de coração fiavam com as mãos, e traziam o que haviam fiado, tanto de azul, como de púrpura, e de carmesim, e de linho fino.

26 E todas as mulheres cujo coração as despertou em sabedoria fiaram cabelos de cabras.

27 E os príncipes trouxeram pedras de ônix e pedras de engaste, para o éfode e para o peitoral;

28 E especiarias, e azeite para o candeeiro, e para o óleo da unção, e para o incenso aromático.

29 Os filhos de Israel trouxeram uma oferta voluntária ao Senhor, todo homem e mulher, cujo coração os fez dispostos a trazer para todo tipo de trabalho, que o Senhor ordenara que fosse feito pela mão de Moisés.

30 E disse Moisés aos filhos de Israel: Eis que o Senhor chamou pelo nome de Bezalel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá;

31 E o encheu do Espírito de Deus, em sabedoria, em entendimento, e em conhecimento, e em toda forma de obra;

32 E para inventar obras curiosas, para trabalhar em ouro, e em prata, e em bronze,

33 E no lapidar de pedras, para engastá-las, e em talhar a madeira, para fazer qualquer obra de arte.

34 E pôs em seu coração que ensinasse, tanto ele como Aoliabe, filho de Aisamaque, da tribo de Dã.

35 Encheu-os de sabedoria de coração, para fazer toda obra de gravador, e de artífice, e de bordador, em azul, e em púrpura, em carmesim, e em linho fino, e em tecelão, mesmo daqueles que fazem qualquer trabalho, e daqueles que inventam trabalhos astutos.

CAPÍTULO 36

O embelezamento do tabernáculo – A cobertura de peles.

1 Então fizeram Bezaleel e Aoliabe, e todo homem sábio de coração, a quem o Senhor pôs sabedoria e entendimento para saber fazer todo tipo de obra para o serviço do santuário, conforme tudo o que o Senhor ordenara.

2 E Moisés chamou Bezalel e Aoliabe, e todo homem sábio de coração, em cujo coração o Senhor pusera sabedoria, sim, todo aquele cujo coração o incitava a vir à obra para fazê-la;

3 E receberam de Moisés toda a oferta que os filhos de Israel tinham trazido para a obra do serviço do santuário, para servirem dela. E ainda lhe traziam ofertas gratuitas todas as manhãs.

4 E todos os sábios, que faziam toda a obra do santuário, vinham cada um de sua obra que faziam;

5 E falaram a Moisés, dizendo: O povo traz muito mais do que o suficiente para o serviço da obra que o Senhor mandou fazer.

6 E Moisés deu ordem, e eles fizeram com que fosse apregoado por todo o acampamento, dizendo: Nem homem nem mulher faça mais trabalho para a oferta do santuário. Assim, o povo foi impedido de trazer.

7 Pois o material que eles tinham era suficiente para todo o trabalho para fazê-lo, e muito.

8 E todo homem sábio de coração entre os que faziam a obra do tabernáculo fez dez cortinas de linho fino torcido, azul, púrpura e carmesim; com querubins de astúcia os fez.

9 O comprimento de uma cortina era de vinte e oito côvados, e a largura de uma cortina de quatro côvados; as cortinas eram todas de um tamanho.

10 E juntou as cinco cortinas uma à outra; e as outras cinco cortinas ele juntou uma à outra.

11 E ele fez laçadas de azul na orla de uma cortina da ourela na junção; do mesmo modo fez na extremidade de outra cortina, na junção da segunda.

12 Cinquenta laçadas fez numa cortina, e cinqüenta laçadas na orla da cortina que estava na junção da segunda; os laços prendiam uma cortina à outra.

13 E ele fez cinqüenta tachinhas de ouro, e juntou as cortinas umas às outras com as tachinhas; assim tornou-se um tabernáculo.

14 E fez cortinas de pêlos de cabras para a tenda sobre o tabernáculo; onze cortinas ele as fez.

15 O comprimento de uma cortina era de trinta côvados, e quatro côvados era a largura de uma cortina; as onze cortinas eram de um tamanho.

16 E juntou cinco cortinas à parte, e seis cortinas à parte.

17 E ele fez cinqüenta laçadas na extremidade da cortina na junção, e cinqüenta laçadas ele fez na borda da cortina que une a segunda.

18 E ele fez cinquenta tachas de bronze para acoplar a tenda, para que pudesse ser uma.

19 E fez uma cobertura para a tenda de peles de carneiro tingidas de vermelho, e uma cobertura de peles de texugo por cima.

20 E fez tábuas para o tabernáculo de madeira de sititim, em pé.

21 O comprimento de uma tábua era de dez côvados, e a largura de uma tábua de um côvado e meio.

22 Uma tábua tinha duas espigas igualmente distantes uma da outra; assim fez para todas as tábuas do tabernáculo.

23 E fez tábuas para o tabernáculo; vinte tábuas para o lado sul para o sul;

24 E fez quarenta bases de prata debaixo das vinte tábuas; duas bases debaixo de uma tábua para as suas duas espigas, e duas bases debaixo de outra tábua para as suas duas espigas.

25 E para o outro lado do tabernáculo, que está para o canto norte, fez vinte tábuas,

26 E as suas quarenta bases de prata; dois soquetes sob uma placa e dois soquetes sob outra placa.

27 E para os lados do tabernáculo para o oeste ele fez seis tábuas.

28 E fez duas tábuas para os cantos do tabernáculo nos dois lados.

29 E eles foram acoplados por baixo e acoplados à sua cabeça, em um anel; assim ele fez a ambos em ambos os cantos.

30 E havia oito tábuas; e suas bases eram dezesseis bases de prata, sob cada tábua duas bases.

31 E fez barras de madeira de cetim; cinco para as tábuas de um lado do tabernáculo,

32 E cinco travessas para as tábuas do outro lado do tabernáculo, e cinco travessas para as tábuas do tabernáculo, para os lados do ocidente.

33 E ele fez a barra do meio para atravessar as tábuas de uma ponta à outra.

34 E cobriu de ouro as tábuas, e fez de ouro as suas argolas para servirem de lugares para as travessas, e revestiu de ouro as travessas.

35 E fez um véu de azul, púrpura, carmesim e linho fino torcido; com querubins o fez de astúcia.

36 E fez para ela quatro colunas de madeira de cetim, e as revestiu de ouro; seus ganchos eram de ouro; e fundiu para eles quatro bases de prata.

37 E fez uma cortina para a porta do tabernáculo de azul, púrpura, carmesim e linho fino torcido, de bordado;

38 E as cinco colunas dela com seus colchetes; e cobriu de ouro os seus capitéis e os seus filetes; mas as suas cinco bases eram de bronze.

CAPÍTULO 37

O mobiliário do tabernáculo.

1 E Bezalel fez a arca de madeira de cetim; seu comprimento era de dois côvados e meio, sua largura de um côvado e meio e sua altura de um côvado e meio;

2 E o revestiu de ouro puro por dentro e por fora, e fez-lhe uma coroa de ouro ao redor.

3 E fundiu para ela quatro argolas de ouro, para serem engastadas pelos quatro cantos; sim, duas argolas de um lado dela, e duas argolas do outro lado dela.

4 E fez varais de madeira de cetim, e os revestiu de ouro.

5 E pôs as varas nas argolas ao lado da arca, para levar a arca.

6 E fez o propiciatório de ouro puro; dois côvados e meio era o seu comprimento, e um côvado e meio a sua largura.

7 E fez dois querubins de ouro batido de uma só peça, nas duas extremidades do propiciatório;

8 Um querubim na extremidade deste lado, e outro querubim na outra extremidade daquele lado; do propiciatório fez os querubins nas suas duas extremidades.

9 E os querubins estenderam as suas asas para o alto, e cobriram com as suas asas sobre o propiciatório, com os seus rostos um para o outro; até ao propiciatório estavam os rostos dos querubins.

10 E fez a mesa de madeira de cetim; dois côvados era o seu comprimento, e um côvado a sua largura, e um côvado e meio a sua altura;

11 E o revestiu de ouro puro, e fez sobre ele uma coroa de ouro ao redor.

12 Também lhe fez uma borda ao redor da largura de um palmo; e fez uma coroa de ouro para a sua borda ao redor.

13 E fundiu para ela quatro argolas de ouro, e pôs as argolas nos quatro cantos que estavam em seus quatro pés.

14 Defronte da borda estavam as argolas, os lugares para os varais levarem a mesa.

15 E fez os varais de madeira de cetim, e os cobriu de ouro, para servir de mesa.

16 E ele fez os vasos que estavam sobre a mesa, seus pratos, e suas colheres, e suas tigelas, e suas tampas para cobrir, de ouro puro.

17 E fez o candelabro de ouro puro; de trabalho batido fez ele o castiçal; seu eixo e seu galho, suas taças, seus botões e suas flores eram do mesmo;

18 E seis ramos saindo de seus lados; três hastes do castiçal de um lado e três hastes do castiçal do outro lado;

19 Três tigelas feitas à maneira de amêndoas em um ramo, uma maçaneta e uma flor; e três tigelas feitas como amêndoas em outro galho, uma maçaneta e uma flor; assim ao longo dos seis ramos que saem do castiçal.

20 E no candelabro havia quatro taças feitas de amêndoas, seus botões e suas flores;

21 E um knop sob dois ramos do mesmo, e um knop sob dois ramos do mesmo, e um knop sob dois ramos do mesmo, de acordo com os seis ramos que saem dele.

22 Os seus nós e os seus ramos eram do mesmo; tudo isso era uma obra batida de ouro puro.

23 E ele fez as suas sete lâmpadas, e os seus apagadores, e as suas rapé, de ouro puro.

24 De um talento de ouro puro o fez, e todos os seus vasos.

25 E fez o altar do incenso de madeira de cetim; o comprimento era de um côvado; e a largura de um côvado; era quadrado; e dois côvados era a sua altura; os seus chifres eram do mesmo.

26 E o revestiu de ouro puro, tanto o topo como os lados ao redor, e as pontas dele; também lhe fez uma coroa de ouro ao redor.

27 E fez-lhe duas argolas de ouro debaixo da sua coroa, nas suas duas pontas, nos dois lados, para servirem de lugar para os varais que o levariam.

28 E ele fez os varais de madeira de cetim, e os cobriu de ouro.

29 E fez o óleo da santa unção e o incenso puro de aromas suaves, conforme a obra do boticário.

CAPÍTULO 38

O mobiliário do tabernáculo.

1 E fez o altar do holocausto de madeira de cetim; cinco côvados era o seu comprimento, e cinco côvados a sua largura; era quadrado; e três côvados a sua altura.

2 E fez-lhe as pontas nos quatro cantos; seus chifres eram do mesmo; e o cobriu de bronze.

3 E fez todos os utensílios do altar, as panelas, e as pás, e as bacias, e os ganchos, e os braseiros; todos os seus vasos o fez de bronze.

4 E fez para o altar uma grelha de rede de bronze, debaixo do seu compasso, até o meio dele.

5 E ele fundiu quatro argolas para as quatro extremidades da grelha de bronze, para serem lugares para as varas.

6 E fez os varais de madeira de cetim, e os cobriu de bronze.

7 E pôs os varais nas argolas dos lados do altar, para levá-lo; ele fez o altar oco com tábuas.

8 E fez a pia de bronze, e o pé dela de bronze, dos espelhos das mulheres reunidas, que se reuniam à porta da tenda da congregação.

9 E ele fez o tribunal; do lado sul, para o sul, as cortinas do pátio eram de linho fino torcido, de cem côvados;

10 As suas colunas eram vinte, e as suas bases de bronze vinte; os colchetes das colunas e suas faixas eram de prata.

11 E para o lado norte as cortinas eram de cem côvados, suas colunas eram vinte, e suas bases de bronze vinte; os colchetes das colunas e as suas faixas de prata.

12 E para o lado oeste havia cortinas de cinqüenta côvados, suas colunas dez, e suas bases dez; os colchetes das colunas e suas faixas de prata.

13 E para o oriente, para o oriente, cinquenta côvados.

14 As cortinas de um lado da porta eram de quinze côvados; suas colunas três, e suas bases três.

15 E para o outro lado do portão do pátio, desta e daquela mão, havia cortinas de quinze côvados; suas colunas três, e suas bases três.

16 Todas as cortinas do pátio ao redor eram de linho fino torcido.

17 E as bases das colunas eram de bronze; os colchetes das colunas e suas faixas de prata; e a cobertura de seus capitéis de prata; e todas as colunas do pátio eram guarnecidas de prata.

18 E a cortina da porta do pátio era de bordados de azul, púrpura, carmesim e linho fino torcido; e vinte côvados era o comprimento, e a altura na largura era de cinco côvados, conforme as cortinas do pátio.

19 E as suas colunas eram quatro, e as suas bases de bronze quatro; seus colchetes de prata, e a cobertura de seus capitéis e suas faixas de prata.

20 E todas as estacas do tabernáculo e do pátio ao redor eram de bronze.

21 Esta é a soma do tabernáculo, sim, do tabernáculo do testemunho, conforme foi contado, segundo o mandamento de Moisés, para o serviço dos levitas, por mão de Itamar, filho de Arão, o sacerdote.

22 E Bezalel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá, fez tudo o que o Senhor ordenara a Moisés.

23 E com ele estava Aoliabe, filho de Aisamaque, da tribo de Dã, gravador e artífice, e bordador de azul, púrpura, carmesim e linho fino.

24 Todo o ouro que foi ocupado para a obra em toda a obra do santuário, o ouro da oferta, foi vinte e nove talentos e setecentos e trinta siclos, segundo o siclo do santuário.

25 E a prata dos contados da congregação foi cem talentos e mil setecentos e sessenta e quinze siclos, segundo o siclo do santuário;

26 Um beca para cada homem, isto é, meio siclo, segundo o siclo do santuário, para cada um que foi para ser contado, de vinte anos para cima, seiscentos mil e três mil e quinhentos e cinqüenta homens .

27 E dos cem talentos de prata foram fundidas as bases do santuário e as bases do véu; cem bases de cem talentos, um talento por base.

28 E dos mil setecentos e setenta e cinco siclos fez colchetes para as colunas, e cobriu os seus capitéis, e os filetou.

29 E o bronze da oferta foi setenta talentos e dois mil e quatrocentos siclos.

30 E com ela fez as bases da porta da tenda da congregação, e o altar de bronze, e a grelha de bronze para ele, e todos os utensílios do altar,

31 E as bases do pátio ao redor, e as bases da porta do pátio, e todas as estacas do tabernáculo, e todas as estacas do pátio ao redor.

CAPÍTULO 39

A roupa de serviço.

1 E de azul, púrpura e carmesim fizeram as vestes de serviço, para servir no lugar santo, e fizeram as vestes sagradas para Arão; como o Senhor ordenara a Moisés.

2 E fez o éfode de ouro, azul, púrpura, carmesim e linho fino torcido.

3 E bateram o ouro em lâminas finas, e cortaram-no em arames, para o trabalharem em azul, e em púrpura, e em carmesim, e em linho fino, com trabalho engenhoso.

4 Fizeram-lhe ombreiras, para acoplá-la; pelas duas bordas estava acoplado.

5 E o curioso cinto de seu éfode, que estava sobre ele, era do mesmo, de acordo com sua obra; de ouro, azul, púrpura, carmesim e linho fino torcido; como o Senhor ordenara a Moisés.

6 E forjaram pedras de ônix cravejadas de ouro, lavradas como sinetes esculpidos, com os nomes dos filhos de Israel.

7 E os pôs sobre os ombros do éfode, para que fossem pedras de memorial aos filhos de Israel; como o Senhor ordenara a Moisés.

8 E fez o peitoral de obra engenhosa, como a obra do éfode; de ouro, azul, púrpura, carmesim e linho fino torcido.

9 Era quadrado; fizeram o peitoral duplo; um palmo era o seu comprimento, e um palmo a sua largura, sendo o dobro.

10 E puseram nela quatro fileiras de pedras; a primeira fileira era um sárdio, um topázio e um carbúnculo; esta foi a primeira fila.

11 E a segunda fileira, uma esmeralda, uma safira e um diamante.

12 E a terceira fila, uma lígua, e ágata, e uma ametista.

13 E a quarta fileira, de berilo, ônix e jaspe; eles foram encerrados em ouches de ouro em seus anexos.

14 E as pedras eram conforme os nomes dos filhos de Israel, doze, conforme os seus nomes, como as gravuras de um sinete, cada um com o seu nome, conforme as doze tribos.

15 E no peitoral fizeram correntes nas extremidades, de ouro puro.

16 Fizeram também duas argolas de ouro e duas argolas de ouro, e puseram as duas argolas nas duas extremidades do peitoral.

17 E puseram as duas correntes de ouro enfeitadas nas duas argolas nas extremidades do peitoral.

18 E as duas extremidades das duas cadeias de guirlanda eles prenderam nas duas ombreiras, e as puseram nas ombreiras do éfode, diante dele.

19 E fizeram duas argolas de ouro, e as puseram nas duas extremidades do peitoral, na borda dele, que estava do lado do éfode por dentro.

20 E fizeram outras duas argolas de ouro, e as puseram nos dois lados do éfode por baixo, perto da parte dianteira dele, defronte da outra junta, acima do cinto curioso do éfode.

21 E ataram o peitoral pelas suas argolas às argolas do éfode com um cordão de azul, para que ficasse acima do cinto curioso do éfode, e para que o peitoral não se soltasse do éfode; como o Senhor ordenara a Moisés.

22 E fez o manto do éfode de obra tecida, todo de azul.

23 E havia um buraco no meio do manto, como o buraco de uma cota de malha, com uma faixa ao redor do buraco, para que não se rasgasse.

24 E fizeram nas bainhas do manto romãs de azul, púrpura, carmesim e linho torcido.

25 E fizeram sinos de ouro puro, e puseram os sinos entre as romãs na orla do manto, ao redor entre as romãs;

26 Uma campainha e uma romã, uma campainha e uma romã, ao redor da orla do manto, para ministrar; como o Senhor ordenara a Moisés.

27 E fizeram túnicas de linho fino de obra tecida para Arão e para seus filhos,

28 E uma mitra de linho fino, e belas toucas de linho fino, e calções de linho fino torcido,

29 E um cinto de linho fino torcido, e azul, e púrpura, e carmesim, de bordado; como o Senhor ordenara a Moisés.

30 Fizeram de ouro puro a lâmina da coroa sagrada, e nela escreveram uma inscrição, como as gravuras de um sinete: SANTIDADE AO SENHOR.

31 E amarraram-lhe um cordão azul, para prendê-lo no alto da mitra; como o Senhor ordenara a Moisés.

32 Assim se terminou toda a obra do tabernáculo da tenda da congregação; e os filhos de Israel fizeram conforme tudo o que o Senhor ordenara a Moisés, assim fizeram.

33 E trouxeram a Moisés o tabernáculo, a tenda, e todos os seus móveis, os seus varões, as suas tábuas, as suas travessas, as suas colunas e as suas bases;

34 E a cobertura de peles de carneiro tingida de vermelho, e a cobertura de peles de texugos, e o véu da cobertura;

35 A arca do testemunho, e seus varais, e o propiciatório;

36 A mesa e todos os seus utensílios, e os pães da proposição;

37 O castiçal puro, com as suas lâmpadas, com as lâmpadas em ordem, e todos os seus vasos, e o azeite para a luz;

38 E o altar de ouro, e o óleo da unção, e o incenso aromático, e a cortina da porta do tabernáculo;

39 O altar de bronze e a sua grelha de bronze, os seus varais e todos os seus utensílios, a pia e o seu pé;

40 As cortinas do átrio, as suas colunas, e as suas bases, e as cortinas da porta do átrio, as suas cordas e os seus pregos, e todos os utensílios do serviço do tabernáculo, para a tenda da congregação;

41 As vestes de serviço para servir no lugar santo, e as vestes sagradas para o sacerdote Arão, e as vestes de seus filhos, para ministrar no sacerdócio.

42 Conforme tudo o que o Senhor ordenara a Moisés, assim os filhos de Israel fizeram toda a obra.

43 E Moisés olhou para toda a obra, e eis que eles a tinham feito como o Senhor ordenara, e assim o fizeram; e Moisés os abençoou.

CAPÍTULO 40

O tabernáculo é criado – uma nuvem o cobre.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 No primeiro dia do primeiro mês levantarás o tabernáculo da tenda da congregação.

3 E porás nela a arca do testemunho, e cobrirás a arca com o véu.

4 E trarás a mesa, e porás em ordem as coisas que devem ser postas em ordem sobre ela; e trarás o candelabro, e acenderás as suas lâmpadas.

5 E porás o altar de ouro para o incenso diante da arca do testemunho, e porás a cortina da porta do tabernáculo.

6 E porás o altar do holocausto diante da porta da tenda da congregação.

7 E porás a pia entre a tenda da congregação e o altar, e nela porás água.

8 E porás o pátio ao redor, e pendurarás a cortina na porta do pátio.

9 E tomarás o óleo da unção, e ungirás o tabernáculo e tudo o que nele há, e o santificarás com todos os seus vasos; e será santo.

10 E ungirás o altar do holocausto e todos os seus utensílios, e santificarás o altar; e será um altar santíssimo.

11 E ungirás a pia e o seu pé, e o santificarás.

12 E farás chegar Arão e seus filhos à porta da tenda da congregação, e os lavarás com água.

13 E vestirás Arão as vestes sagradas, e o ungirás, e o santificarás; para que me administre o sacerdócio.

14 E trarás seus filhos, e os vestirá com túnicas;

15 E os ungirás como ungiste a seu pai, para que me administrem o sacerdócio; porque a sua unção será certamente um sacerdócio perpétuo nas suas gerações.

16 Assim fez Moisés; conforme tudo o que o Senhor lhe ordenou, assim fez.

17 E aconteceu que no primeiro mês do segundo ano, no primeiro dia do mês, o tabernáculo foi erguido.

18 E Moisés levantou o tabernáculo, e pôs as suas bases, e pôs as suas tábuas, e pôs as suas travessas, e levantou as suas colunas.

19 E estendeu a tenda sobre o tabernáculo, e pôs sobre ele a cobertura da tenda; como o Senhor ordenara a Moisés.

20 E tomou e pôs o testemunho na arca, e pôs os varais sobre a arca, e pôs o propiciatório em cima da arca;

21 E ele trouxe a arca para o tabernáculo, e levantou o véu da coberta, e cobriu a arca do testemunho; como o Senhor ordenara a Moisés.

22 E pôs a mesa na tenda da congregação, ao lado do tabernáculo para o norte, sem véu.

23 E pôs sobre ela o pão em ordem perante o Senhor; como o Senhor ordenara a Moisés.

24 E pôs o candelabro na tenda da congregação, defronte da mesa, ao lado do tabernáculo para o sul.

25 E acendeu as lâmpadas perante o Senhor; como o Senhor ordenara a Moisés.

26 E pôs o altar de ouro na tenda da congregação diante do véu;

27 E nele queimou incenso aromático; como o Senhor ordenara a Moisés.

28 E pôs a cortina na porta do tabernáculo.

29 E pôs o altar do holocausto à porta do tabernáculo da tenda da congregação, e sobre ele ofereceu o holocausto e a oferta de alimentos; como o Senhor ordenara a Moisés.

30 E pôs a pia entre a tenda da congregação e o altar, e ali pôs água para lavar.

31 E Moisés, Aarão e seus filhos lavaram as mãos e os pés;

32 Quando eles entravam na tenda da congregação, e quando se aproximavam do altar, lavavam-se; como o Senhor ordenara a Moisés.

33 E levantou o pátio ao redor do tabernáculo e do altar, e pôs a cortina do portão do pátio. Assim, Moisés terminou o trabalho.

34 Então uma nuvem cobriu a tenda da congregação, e a glória do Senhor encheu o tabernáculo.

35 E Moisés não pôde entrar na tenda da congregação, porque a nuvem estava sobre ela, e a glória do Senhor encheu o tabernáculo.

36 E, elevando-se a nuvem de cima do tabernáculo, os filhos de Israel iam em todas as suas jornadas;

37 Mas se a nuvem não foi levantada, então eles não viajaram até o dia em que ela foi levantada.

38 Porque a nuvem do Senhor estava de dia sobre o tabernáculo, e de noite havia fogo sobre ele, à vista de toda a casa de Israel, em todas as suas jornadas.

Biblioteca das Escrituras:

Dica de pesquisa

Digite uma única palavra ou use aspas para pesquisar uma frase inteira (por exemplo, "porque Deus amou o mundo de tal maneira").

scripture

Para recursos adicionais, visite nosso Recursos para membros página.