II Samuel

O Segundo Livro de Samuel

 

CAPÍTULO 1

O amalequita – Davi lamenta Saul e Jônatas.   

1 Aconteceu depois da morte de Saul, quando Davi voltou da matança dos amalequitas, e Davi ficou dois dias em Ziclague;

2 E aconteceu que ao terceiro dia, eis que um homem saiu do arraial de Saul com as vestes rasgadas e terra sobre a cabeça; e assim foi, quando ele chegou a Davi, que ele caiu por terra, e fez reverência.

3 E David lhe disse: Donde vens? E disse-lhe: Do acampamento de Israel escapei.

4 E Davi lhe disse: Como foi? Peço-te, diga-me. E ele respondeu: Que o povo fugiu da batalha, e muitos do povo também estão caídos e mortos; e Saul e Jônatas, seu filho, também morreram.

5 E David disse ao jovem que lhe contou: Como sabes tu que Saul e Jônatas, seu filho, morreram?

6 E o moço que lhe contou disse: Quando por acaso vim no monte Gilboa, eis que Saul se apoiou na sua lança; e, eis que os carros e cavaleiros o seguiram com força.

7 E quando ele olhou para trás, ele me viu, e me chamou. E eu respondi: Aqui estou.

8 E ele me disse: Quem és tu? E eu lhe respondi, sou um amalequita.

9 Ele me disse novamente: Fica, peço-te, em cima de mim, e mata-me; pois a angústia vem sobre mim, porque minha vida ainda está inteira em mim.

10 Então eu subi sobre ele e o matei, porque eu estava certo de que ele não poderia viver depois que ele caísse; e tomei a coroa que estava em sua cabeça, e o bracelete que estava em seu braço e os trouxe aqui a meu senhor.

11 Então Davi agarrou suas roupas e as rasgou; e também todos os homens que estavam com ele?

12 E choraram, e choraram, e jejuaram até a tarde, por Saul, e por Jônatas, seu filho, e pelo povo do Senhor, e pela casa de Israel; porque caíram pela espada.

13 E David disse ao jovem que lhe havia dito: Donde és tu? E ele respondeu: Sou filho de um estranho, um amalequita.

14 E disse-lhe Davi: Como não temeste estender a mão para destruir o ungido do Senhor?

15 E Davi chamou um dos moços e disse: Aproxima-te e lança-te sobre ele. E ele o feriu que ele morreu.

16 E disse-lhe David: O teu sangue seja sobre a tua cabeça; porque a tua boca testificou contra ti, dizendo: Matei o ungido do Senhor.

17 E David lamentou com esta lamentação sobre Saul e sobre seu filho Jônatas;

18 (Também lhes ordenou que ensinassem aos filhos de Judá o uso do arco; eis que está escrito no livro de Jasher;)

19 A formosura de Israel foi morta nos teus altos; como estão os poderosos caídos!

20 Não o contes em Gate, não o publiques nas ruas de Askelon; para que as filhas dos filisteus não se regozijem, para que as filhas dos incircuncisos não triunfem.

21 Montes de Gilboa, não haja orvalho, nem chuva sobre vós, nem campos de ofertas; pois ali é vilmente lançado fora o escudo dos poderosos, o escudo de Saul, como se ele não tivesse sido ungido com óleo.

22 Do sangue dos mortos, da gordura dos poderosos, o arco de Jônatas não voltou atrás, e a espada de Saul não voltou vazia.

23 Saul e Jônatas foram amáveis e agradáveis em suas vidas, e em sua morte não foram divididos; eram mais velozes que águias, eram mais fortes que leões.

24 Vós, filhas de Israel, chorai por Saul, que vos vestiu de escarlate, com outras delícias; que põem ornamentos de ouro em suas vestes.

25 Como os poderosos caíram no meio da batalha! Ó Jônatas, foste morto nos teus lugares altos.

26 Estou angustiado por ti, meu irmão Jônatas; muito agradável foste para mim; teu amor por mim foi maravilhoso, passando o amor das mulheres.

27 Como caíram os poderosos, e as armas de guerra pereceram!  


CAPÍTULO 2

Davi feito rei de Judá – Isbosete feito rei de Israel – Asael é morto.

1 E aconteceu depois disso que Davi consultou ao Senhor, dizendo: Subirei a alguma das cidades de Judá? E o Senhor lhe disse: Sobe. E Davi disse: Para onde subirei? E ele disse: Até Hebrom.

2 Então Davi subiu para lá, e também suas duas mulheres, Ainoão, a jizreelita, e Abigail Nabal, a carmelita.

3 E Davi fez subir os seus homens que estavam com ele, cada um com a sua casa; e habitaram nas cidades de Hebrom.

4 E vieram os homens de Judá, e ali ungiram Davi rei sobre a casa de Judá. E eles contaram a Davi, dizendo: Que os homens de Jabes-Gileade foram os que sepultaram a Saul.

5 E Davi enviou mensageiros aos homens de Jabes-Gileade, e disse-lhes: Benditos sejais vós do Senhor, que mostrastes esta benevolência ao vosso senhor, a Saul, e o sepultaram.

6 E agora o Senhor vos mostre benignidade e verdade; e eu também retribuirei essa bondade, porque você fez isso.

7 Portanto, agora, fortaleçam-se as vossas mãos, e sede valentes; pois seu senhor Saul está morto, e também a casa de Judá me ungiu rei sobre eles.

8 Mas Abner, filho de Ner, capitão do exército de Saul, tomou a Isbosete, filho de Saul, e o levou a Maanaim;

9 E o constituiu rei sobre Gileade, e sobre os assuritas, e sobre Jezreel, e sobre Efraim, e sobre Benjamim, e sobre todo o Israel.

10 O filho de Isbosete Saul tinha quarenta anos quando começou a reinar sobre Israel, e reinou dois anos. Mas a casa de Judá seguiu Davi.

11 E o tempo que Davi reinou em Hebrom sobre a casa de Judá foi de sete anos e seis meses.

12 E Abner, filho de Ner, e os servos de Isbosete, filho de Saul, saíram de Maanaim para Gibeão.

13 E Joab, filho de Zeruiah, e os servos de David, saíram, e reuniram-se junto ao tanque de Gibeon; e sentaram-se um de um lado do tanque e o outro do outro lado do tanque.

14 E disse Abner a Joab: Levantem-se agora os moços e brinquem diante de nós. E Joabe disse: Levantem-se.

15 Então se levantou e passou o número doze de Benjamim, que pertencia a Isbosete, filho de Saul, e doze dos servos de Davi.

16 E pegaram cada um pela cabeça o seu companheiro, e cravaram a sua espada no lado do seu companheiro; então eles caíram juntos; por isso aquele lugar foi chamado Helkath-hazzurim, que está em Gibeão.

17 E houve uma batalha muito dura naquele dia; e Abner foi açoitado, e os homens de Israel, diante dos servos de Davi.

18 E havia ali três filhos de Zeruia: Joab, Abisai e Asael; e Asael tinha pés leves como uma ova selvagem.

19 E Asael perseguiu Abner; e ao ir ele não se virou para a direita nem para a esquerda de seguir Abner.

20 Então Abner olhou para trás e disse: És tu Asael? E ele respondeu, eu sou.

21 E disse-lhe Abner: Desvia-te para a direita ou para a esquerda, e agarra-te a um dos mancebos, e toma a sua armadura. Mas Asael não deixou de segui-lo.

22 E Abner disse novamente a Asael: Deixa-te de seguir-me; por que devo ferir-te ao chão? como, então, levantarei meu rosto para Joabe, teu irmão?

23 Mas ele se recusou a se desviar; por isso Abner com a ponta traseira da lança o feriu sob a quinta costela, de modo que a lança saiu por trás dele; e ele caiu ali, e morreu no mesmo lugar; e aconteceu que todos os que chegaram ao lugar onde Asael caiu e morreu ficaram parados.

24 Joabe e Abisai perseguiram Abner; e o sol se pôs quando chegaram ao outeiro de Amá, que está diante de Giá, no caminho do deserto de Gibeão.

25 E os filhos de Benjamim se ajuntaram atrás de Abner, e formaram uma tropa, e ficaram no cume de uma colina.

26 Então Abner chamou Joab e disse: A espada devorará para sempre? não sabes que será uma amargura no último fim? quanto tempo se passará então, antes que você peça ao povo que deixe de seguir seus irmãos?

27 E Joabe disse: Vive Deus, se tu não falasses, certamente então pela manhã o povo tinha subido cada um de seguir a seu irmão.

28 Então Joabe tocou a trombeta, e todo o povo parou, e não perseguiu mais a Israel, nem lutou mais.

29 E Abner e seus homens andaram toda aquela noite pela planície, e passaram o Jordão, e passaram por todo o Bitron, e chegaram a Maanaim.

30 E Joab voltou de seguir Abner; e quando ele reuniu todo o povo, faltaram dos servos de Davi dezenove homens e Asael.

31 Mas os servos de Davi feriram Benjamim e os homens de Abner, de modo que morreram trezentos e sessenta homens.

32 E levantaram a Asael, e o sepultaram no sepulcro de seu pai, que estava em Belém. E Joabe e seus homens passaram a noite toda, e chegaram a Hebrom ao raiar do dia.  


CAPÍTULO 3

Davi se fortalece – Abner se revolta com Davi – Joabe mata Abner – Davi amaldiçoa Joabe e chora por Abner.      

1 Houve longa guerra entre a casa de Saul e a casa de Davi; mas Davi ficava cada vez mais forte, e a casa de Saul ficava cada vez mais fraca.

2 E a Davi nasceram filhos em Hebrom, e seu primogênito foi Amnom, de Ainoã, a jizreelita;

3 E o segundo, Chileab, de Abigail, mulher de Nabal, o carmelita; e o terceiro, Absalão, filho de Maaca, filha de Talmai, rei de Gesur;

4 E o quarto, Adonias, filho de Hagite; e o quinto, Sefatias, filho de Abital;

5 E o sexto, Ithream por Eglah, mulher de David. Estes nasceram de Davi em Hebron.

6 E aconteceu que, enquanto havia guerra entre a casa de Saul e a casa de Davi, Abner se fortaleceu para a casa de Saul.

7 E Saul tinha uma concubina, cujo nome era Rispa, filha de Aías; e Isbosete disse a Abner: Por que entraste à concubina de meu pai?

8 Então Abner muito indignou-se pelas palavras de Isbosete, e disse: Sou eu cabeça de cão, que hoje faço benevolência contra Judá à casa de Saul, teu pai, a seus irmãos e a seus amigos, e não entreguei nas mãos de Davi, que hoje me acusas de culpa a respeito desta mulher?

9 Assim faça Deus a Abner, e mais também, exceto como o Senhor jurou a Davi, assim eu faço a ele.

10 Para trasladar o reino da casa de Saul, e estabelecer o trono de Davi sobre Israel e sobre Judá, desde Dã até Berseba.

11 E ele não pôde responder uma palavra a Abner novamente, porque o temia.

12 E Abner enviou mensageiros a Davi em seu nome, dizendo: De quem é a terra? dizendo também: Faz aliança comigo, e eis que a minha mão estará contigo, para te trazer todo o Israel.

13 E ele disse: Bem; Eu farei uma aliança contigo; mas uma coisa te peço, isto é, não verás o meu rosto, a menos que primeiro tragas a filha de Mical Saul, quando vieres ver o meu rosto.

14 E Davi enviou mensageiros a Isbosete, filho de Saul, dizendo: Entrega-me minha mulher Mical, que desposei por cem prepúcios de filisteus.

15 E Isbosete enviou, e a tomou de seu marido, mesmo de Phaltiel, filho de Laish.

16 E seu marido foi com ela chorando atrás dela até Baurim. Então disse-lhe Abner: Vai, volta. E ele voltou.

17 E Abner teve contato com os anciãos de Israel, dizendo: Antigamente procurastes a Davi para reinar sobre vós;

18 Agora então faça isto; porque o Senhor falou de Davi, dizendo: Pela mão do meu servo Davi livrarei o meu povo Israel das mãos dos filisteus e das mãos de todos os seus inimigos.

19 E Abner também falou aos ouvidos de Benjamim; e Abner foi também a falar aos ouvidos de Davi em Hebron tudo o que parecia bom a Israel, e que parecia bom a toda a casa de Benjamim.

20 Então Abner foi ter com Davi em Hebrom, e vinte homens com ele. E Davi fez um banquete para Abner e seus homens que estavam com ele.

21 E disse Abner a Davi: Levantar-me-ei e irei, e congregarei todo o Israel ao rei meu senhor, para que façam aliança contigo, e reines sobre tudo o que desejar o teu coração. E Davi despediu Abner; e foi em paz.

22 E eis que os servos de Davi e Joabe vieram de perseguir uma tropa, e trouxeram com eles um grande despojo; mas Abner não estava com David em Hebron; porque ele o havia despedido, e ele se foi em paz.

23 Chegando Joabe e todo o exército que estava com ele, avisaram a Joabe, dizendo: Abner, filho de Ner, veio ter com o rei, e ele o despediu, e ele partiu em paz.

24 Então Joab foi ter com o rei e disse: Que fizeste? eis que Abner veio a ti; por que o mandaste embora, e ele já se foi?

25 Tu conheces Abner, filho de Ner, que veio para te enganar, e para conhecer a tua saída e a tua entrada, e para saber tudo o que fazes.

26 Tendo Joabe saído de Davi, enviou mensageiros atrás de Abner, que o trouxeram do poço de Sirah; mas Davi não sabia.

27 E quando Abner voltou para Hebron, Joab o chamou à parte no portão para falar com ele em voz baixa, e ali o feriu sob a quinta costela, que ele morreu, por causa do sangue de seu irmão Asael.

28 E depois, quando Davi ouviu isso, disse: Eu e meu reino somos inocentes perante o Senhor para sempre, do sangue de Abner, filho de Ner;

29 Repouse sobre a cabeça de Joabe e sobre toda a casa de seu pai; e não falte da casa de Joabe um que tenha fluxo, nem que seja leproso, nem que se apoie no bordão, nem que caia à espada, nem que tenha falta de pão.

30 Então Joabe e Abisai, seu irmão, mataram Abner, porque ele havia matado seu irmão Asael em Gibeão na batalha.

31 E disse Davi a Joabe e a todo o povo que estava com ele: Rasga as tuas vestes, e cinge-te de pano de saco, e chora diante de Abner. E o próprio rei Davi seguiu o esquife.

32 E sepultaram Abner em Hebron; e o rei levantou a sua voz e chorou junto à sepultura de Abner; e todo o povo chorou.

33 E o rei lamentou Abner, e disse: Morreu Abner como um tolo morre?

34 As tuas mãos não foram amarradas, nem os teus pés acorrentados; como um homem cai diante dos ímpios, assim tu abates. E todo o povo voltou a chorar por ele.

35 E quando todo o povo veio fazer Davi comer carne enquanto ainda era dia, Davi jurou, dizendo: Assim faça Deus comigo, e ainda mais, se eu provar pão, ou qualquer outra coisa, até que o sol se ponha.

36 E todo o povo tomou conhecimento disso, e isso lhes agradou; como tudo o que o rei fazia agradava a todo o povo.

37 Pois todo o povo e todo o Israel entenderam naquele dia que não era do rei matar Abner, filho de Ner.

38 E disse o rei aos seus servos: Não sabeis vós que caiu hoje um príncipe e um grande homem em Israel?

39 E hoje estou fraco, embora ungido rei; e estes homens, filhos de Zeruia, são muito duros para mim; o Senhor recompensará o malfeitor de acordo com a sua maldade.  


CAPÍTULO 4

Os israelitas matam Isbosete.

1 E quando o filho de Saul soube que Abner estava morto em Hebron, suas mãos estavam fracas, e todos os israelitas ficaram perturbados.

2 E o filho de Saul tinha dois homens que eram capitães de bandos; o nome de um era Baaná, e o nome do outro Recabe, filhos de Rimom, um beerotita, dos filhos de Benjamim; (pois Beeroth também foi contado para Benjamin;

3 E os beerotitas fugiram para Gitaim, e foram peregrinos ali até o dia de hoje.)

4 E Jônatas, filho de Saul, tinha um filho coxo de pés. Ele tinha cinco anos quando as notícias de Saul e Jônatas vieram de Jezreel, e sua ama o pegou e fugiu, e aconteceu que, quando ela se apressou em fugir, ele caiu e ficou coxo. E seu nome era Mefibosete.

5 E os filhos de Rimom, o beerotita, Recabe e Baaná, foram, e chegaram ao calor do dia à casa de Isbosete, que estava deitado em uma cama ao meio-dia.

6 E eles entraram ali no meio da casa, como se fossem buscar trigo; e feriram-no debaixo da quinta costela; e Recabe e Baaná, seu irmão, escaparam.

7 Pois quando eles entraram na casa, ele se deitou em sua cama em seu quarto, e eles o feriram, e o mataram, e o decapitaram, e tomaram sua cabeça, e os levaram pela planície toda a noite.

8 E trouxeram a cabeça de Isbosete a Davi, a Hebrom, e disseram ao rei: Eis a cabeça de Isbosete, filho de Saul, teu inimigo, que procurava a tua morte; e o Senhor vingou hoje o rei meu senhor de Saul e da sua descendência.

9 E Davi respondeu a Recabe e a Baaná, seu irmão, filhos de Rimom, o beerotita, e disse-lhes: Vive o Senhor, que resgatou a minha alma de toda a adversidade,

10 Quando alguém me avisou, dizendo: Eis que Saul está morto, pensando ter trazido boas novas, eu o segurei e o matei em Ziclague, o qual pensou que eu lhe daria uma recompensa por suas notícias;

11 Quanto mais, quando os ímpios mataram um justo em sua própria casa sobre sua cama? não exigirei agora o seu sangue da tua mão, e te tirarei da terra?

12 E Davi deu ordem aos seus mancebos, e eles os mataram, e cortaram-lhes as mãos e os pés, e os enforcaram sobre o tanque em Hebron. Mas tomaram a cabeça de Isbosete e a sepultaram no sepulcro de Abner, em Hebrom.  


CAPÍTULO 5

Davi ungiu rei de Israel – a idade de Davi – Ele toma Sião – Davi fere os filisteus.

1 Então todas as tribos de Israel foram ter com Davi a Hebrom, e falaram, dizendo: Eis que somos teus ossos e tua carne.

2 Também outrora, quando Saul era rei sobre nós, eras tu o que fazias sair e entravas a Israel; e o Senhor te disse: Tu apascentarás o meu povo Israel, e serás capitão sobre Israel.

3 Então todos os anciãos de Israel foram ter com o rei em Hebrom; e o rei Davi fez aliança com eles em Hebrom, perante o Senhor; e ungiram Davi rei sobre Israel.

4 Davi tinha trinta anos quando começou a reinar, e reinou quarenta anos.

5 Em Hebrom reinou sobre Judá sete anos e seis meses; e em Jerusalém reinou trinta e três anos sobre todo o Israel e Judá.

6 E o rei e seus homens foram a Jerusalém aos jebuseus, os moradores da terra; que falou a Davi, dizendo: Se não levares o cego e o coxo, aqui não entrarás; pensando, David não pode entrar aqui.

7 Não obstante, Davi tomou a fortaleza de Sião; a mesma é a cidade de Davi.

8 E disse Davi naquele dia: Qualquer que subir à sarjeta e ferir os jebuseus, e os coxos e os cegos, que são odiados pela alma de Davi, esse será o chefe e o capitão. Por isso disseram: Não entrarão cegos e coxos em casa.

9 Então David habitou no forte, e chamou-lhe a cidade de David. E David construiu ao redor de Millo e para dentro.

10 E Davi prosseguiu, e engrandeceu, e o Senhor Deus dos Exércitos estava com ele.

11 E Hirão, rei de Tiro, enviou mensageiros a Davi, e cedros, e carpinteiros, e pedreiros; e construíram uma casa para David.

12 E Davi percebeu que o Senhor o havia estabelecido rei sobre Israel, e que ele havia exaltado seu reino por amor de seu povo Israel.

13 E David tomou-lhe mais concubinas e mulheres de Jerusalém, depois que ele veio de Hebron; e ainda nasceram filhos e filhas de Davi.

14 E estes são os nomes dos que lhe nasceram em Jerusalém; Samuá, Sobabe, Natã, Salomão,

15 Também Ibar, Elisua, Nefegue, Jafia,

16 E Elisama, e Eliada, e Eliphalet.

17 Mas, quando os filisteus souberam que haviam ungido Davi rei sobre Israel, todos os filisteus subiram em busca de Davi; e Davi, sabendo disso, desceu ao porão.

18 Os filisteus também vieram e se espalharam no vale de Refaim.

19 E Davi consultou ao Senhor, dizendo: Subirei aos filisteus? tu os entregarás em minhas mãos? E o Senhor disse a Davi: Sobe; pois sem dúvida entregarei os filisteus nas tuas mãos.

20 E David veio a Baal-Perazim, e David os feriu ali, e disse: O Senhor irrompeu sobre os meus inimigos diante de mim, como a ruptura das águas. Por isso chamou o nome daquele lugar Baal-perazim.

21 E ali deixaram suas imagens, e Davi e seus homens as queimaram.

22 E os filisteus subiram novamente, e se espalharam no vale de Refaim.

23 E, quando Davi consultou ao Senhor, ele disse: Não subirás; mas pegue uma bússola atrás deles e encontre-os de frente para as amoreiras.

24 E seja, quando ouvires o som de um andar pelas copas das amoreiras, então te apressarás; porque então o Senhor sairá adiante de ti, para ferir o exército dos filisteus.

25 E Davi fez assim, como o Senhor lhe ordenara; e feriu os filisteus desde Geba até chegares a Gazer.  


CAPÍTULO 6

Davi busca a arca de Kirjathjearim – Uzá é ferido – Davi trazendo a arca para Sião – Ele a coloca em um tabernáculo.

1 Novamente, Davi reuniu todos os homens escolhidos de Israel, trinta mil.

2 E Davi se levantou, e foi com todo o povo que estava com ele de Baale de Judá, para trazer dali a arca de Deus, cujo nome é chamado pelo nome do Senhor dos Exércitos, que habita entre os querubins.

3 E puseram a arca de Deus sobre uma carroça nova, e a trouxeram da casa de Abinadabe, que estava em Gibeá; e Uzá e Aio, filhos de Abinadabe, conduziam o carro novo.

4 E eles o trouxeram da casa de Abinadabe, que estava em Gibeá, acompanhando a arca de Deus; e Aio foi adiante da arca.

5 E Davi e toda a casa de Israel tocavam perante o Senhor com toda sorte de instrumentos de faia, com harpas, saltérios, tamboris, cornetas e címbalos.

6 E quando chegaram à eira de Nachon, Uzá estendeu a mão para a arca de Deus, e a segurou; porque os bois o sacudiram.

7 E a ira do Senhor se acendeu contra Uzá, e Deus o feriu ali por causa do seu erro; e ali morreu junto à arca de Deus.

8 E Davi se desagradou, porque o Senhor havia feito brecha em Uzá; e chamou o lugar de Perez-Uzá até o dia de hoje.

9 E David teve medo do Senhor naquele dia, e disse: Como virá a mim a arca do Senhor?

10 Assim Davi não lhe quis levar a arca do Senhor para a cidade de Davi; mas Davi o levou para a casa de Obede-Edom, o giteu.

11 E a arca do Senhor permaneceu três meses na casa de Obede-Edom, o giteu; e o Senhor abençoou Obede-Edom e toda a sua casa.

12 E foi dito ao rei Davi, dizendo: O Senhor abençoou a casa de Obede-Edom, e tudo o que lhe pertence, por causa da arca de Deus. Então Davi foi e trouxe a arca de Deus da casa de Obede-Edom para a cidade de Davi com alegria.

13 E aconteceu que, tendo andado seis passos os que carregavam a arca do Senhor, sacrificou bois e animais cevados.

14 E Davi dançou diante do Senhor com todas as suas forças; e Davi estava cingido com um éfode de linho.

15 Então Davi e toda a casa de Israel fizeram subir a arca do Senhor com júbilo e ao som de trombeta.

16 E quando a arca do Senhor entrou na cidade de Davi, a filha de Mical Saul olhou por uma janela, e viu o rei Davi saltando e dançando diante do Senhor; e ela o desprezava em seu coração.

17 E trouxeram a arca do Senhor, e a puseram no seu lugar, no meio do tabernáculo que Davi lhe tinha armado; e Davi ofereceu holocaustos e ofertas pacíficas perante o Senhor.

18 Assim que Davi acabou de oferecer holocaustos e ofertas pacíficas, abençoou o povo em nome do Senhor dos Exércitos.

19 E deu a todo o povo, mesmo a toda a multidão de Israel, tanto às mulheres como aos homens, para cada um um pão, e um bom pedaço de carne, e um jarro de vinho. Então todas as pessoas partiram todos para sua casa.

20 Então Davi voltou para abençoar sua casa. E Mical, filha de Saul, saiu ao encontro de Davi, e disse: Quão glorioso foi hoje o rei de Israel, que hoje se descobriu aos olhos das servas de seus servos, como um dos vaidosos se descobre sem vergonha!

21 E disse Davi a Mical: Foi diante do Senhor, que me escolheu diante de teu pai, e diante de toda a sua casa, para me constituir chefe sobre o povo do Senhor, sobre Israel; portanto tocarei diante do Senhor;

22 E ainda serei mais vil do que isso, e serei vil aos meus próprios olhos; e das servas de que falaste, delas serei honrado.

23 Portanto, Mical, filha de Saul, não teve filhos até o dia de sua morte.  


CAPÍTULO 7

Davi deseja construir uma casa para Deus – Deus o proíbe – a oração de Davi.

1 E aconteceu que, estando o rei sentado em sua casa, o Senhor lhe deu descanso de todos os seus inimigos;

2 E disse o rei ao profeta Natã: Veja, agora, habito numa casa de cedro, mas a arca de Deus habita dentro de cortinas.

3 E Natã disse ao rei: Vai, faz tudo o que tens no coração; porque o Senhor está contigo.

4 E aconteceu que naquela noite veio a palavra do Senhor a Natã, dizendo:

5 Vai e diz ao meu servo David: Assim disse o Senhor: Tu me edificarás uma casa para eu habitar?

6 Ao passo que não habito em casa alguma desde o tempo em que tirei os filhos de Israel do Egito até hoje, mas tenho andado numa tenda e num tabernáculo.

7 Em todos os lugares por onde andei com todos os filhos de Israel, falei uma palavra a alguma das tribos de Israel, a quem ordenei que apascentasse o meu povo Israel, dizendo: Por que não me edificais uma casa de cedro?

8 Agora, pois, assim dirás ao meu servo Davi: Assim diz o Senhor dos exércitos: Eu te tirei do curral, de seguir as ovelhas, para governar o meu povo, sobre Israel;

9 E eu estava contigo por onde quer que fosses, e exterminei todos os teus inimigos da tua presença, e fiz de ti um grande nome, como o nome dos grandes que estão na terra.

10 Além disso, designarei um lugar para o meu povo Israel, e o plantarei, para que habite em um lugar seu e não se mova mais; nem os filhos da maldade os afligirão mais, como antes,

11 E como desde o tempo em que ordenei que juízes estivessem sobre o meu povo Israel, e te fiz descansar de todos os teus inimigos. Também o Senhor te diz que te fará uma casa.

12 E quando se cumprirem os teus dias, e dormires com teus pais, levantarei depois de ti a tua descendência, que sairá das tuas entranhas, e estabelecerei o seu reino.

13 Ele edificará uma casa ao meu nome, e eu estabelecerei o trono do seu reino para sempre.

14 Eu serei seu pai, e ele será meu filho. Se ele cometer iniqüidade, eu o castigarei com vara de homens e com açoites de filhos de homens.

15 Mas a minha misericórdia não se desviará dele, como a tomei de Saul, a quem pus diante de ti.

16 E tua casa e teu reino serão estabelecidos para sempre diante de ti; teu trono será estabelecido para sempre.

17 Conforme todas estas palavras, e conforme toda esta visão, assim falou Natã a Davi.

18 Então entrou o rei Davi, e sentou-se diante do Senhor, e disse: Quem sou eu, Senhor Deus? e qual é a minha casa, que me trouxeste até aqui?

19 E isso ainda era pouco aos teus olhos, ó Senhor Deus; mas também falaste da casa do teu servo por muito tempo. E esta é a maneira do homem, ó Senhor Deus?

20 E que mais te pode dizer David? porque tu, Senhor Deus, conheces o teu servo.

21 Por amor da tua palavra, e segundo o teu coração, fizeste todas estas grandes coisas, para que o teu servo as conhecesse.

22 Por isso és grande, ó Senhor Deus; pois não há outro semelhante a ti, nem há outro Deus além de ti, conforme tudo o que ouvimos com nossos ouvidos.

23 E que nação na terra é semelhante ao teu povo, semelhante a Israel, a quem Deus foi redimir para si um povo, e fazer dele um nome, e fazer por ti coisas grandes e terríveis, por tua terra, antes teu povo, que te remiste do Egito, das nações e de seus deuses?

24 Pois confirmaste para ti mesmo o teu povo Israel para ser teu povo para sempre; e tu, Senhor, te tornaste o seu Deus.

25 E agora, ó Senhor Deus, a palavra que falaste a respeito de teu servo e de sua casa, confirma-a para sempre e faze como disseste.

26 E engrandeça-se para sempre o teu nome, dizendo: O Senhor dos Exércitos é o Deus de Israel; e seja firmada diante de ti a casa de Davi, teu servo.

27 Pois tu, ó Senhor dos exércitos, Deus de Israel, revelaste ao teu servo, dizendo: Edificar-te-ei uma casa; por isso teu servo achou em seu coração fazer esta oração a ti.

28 E agora, ó Senhor Deus, tu és esse Deus, e tuas palavras são verdadeiras, e tu prometeste esta bondade ao teu servo;

29 Portanto, agora te agrade abençoar a casa do teu servo, para que permaneça para sempre diante de ti; porque tu, ó Senhor Deus, o disseste; e com a tua bênção seja abençoada para sempre a casa do teu servo.  


CAPÍTULO 8

Davi fere os filisteus, os moabitas, Hadadezer e os sírios – oficiais de Davi.

1 E depois disso aconteceu que Davi feriu os filisteus e os subjugou; e Davi tirou Metegue-amá das mãos dos filisteus.

2 E feriu a Moab, e os mediu com um cordel, lançando-os por terra; mesmo com duas linhas medidas ele para matar, e uma linha completa para manter vivo. E assim os moabitas se tornaram servos de Davi, e trouxeram presentes.

3 Davi feriu também a Hadadezer, filho de Reobe, rei de Zobá, quando ele ia recuperar sua fronteira no rio Eufrates.

4 E Davi lhe tomou mil carros, setecentos cavaleiros e vinte mil homens de infantaria; e Davi arrematou todos os cavalos dos carros, mas reservou deles para cem carros.

5 E quando os sírios de Damasco vieram socorrer Hadadezer, rei de Zobá, Davi matou dos sírios vinte e dois mil homens.

6 Então Davi pôs guarnições na Síria de Damasco; e os sírios tornaram-se servos de Davi, e trouxeram presentes. E o Senhor preservou Davi por onde quer que fosse.

7 E Davi tomou os escudos de ouro que estavam sobre os servos de Hadadezer, e os trouxe para Jerusalém.

8 E de Betah, e de Berothai, cidades de Hadadezer, o rei David tomou muito bronze.

9 Quando Toi, rei de Hamate, soube que Davi havia ferido todos os exércitos de Hadadezer,

10 Então Toi enviou seu filho Jorão ao rei Davi, para saudá-lo e abençoá-lo, porque ele havia lutado contra Hadadezer e o ferido; pois Hadadezer teve guerras com Toi. E Jorão trouxe consigo vasos de prata, e vasos de ouro, e vasos de bronze;

11 Que também o rei Davi consagrou ao Senhor, com a prata e o ouro que consagrara de todas as nações que subjugou;

12 Da Síria, e de Moab, e dos filhos de Amom, e dos filisteus, e de Amaleque, e do despojo de Hadadezer, filho de Reobe, rei de Zobá.

13 E David deu-lhe um nome quando ele voltou de ferir os sírios no vale do sal, sendo dezoito mil homens.

14 E pôs guarnições em Edom; por todo o Edom colocou guarnições, e todos os de Edom se tornaram servos de Davi. E o Senhor preservou Davi por onde quer que fosse.

15 E Davi reinou sobre todo o Israel; e Davi executou julgamento e justiça a todo o seu povo.

16 E Joab, filho de Zeruiah, estava sobre o exército; e Josafá, filho de Ahilud, foi registrador;

17 E Zadoque, filho de Aitube, e Aimeleque, filho de Abiatar, eram os sacerdotes; e Seraías era o escriba;

18 E Benaia, filho de Jeoiada, estava sobre os quereteus e os peleteus; e os filhos de Davi eram os principais governantes.  


CAPÍTULO 9

Davi manda chamar Mefibosete e lhe devolve tudo o que era de Saul.

1 E disse Davi: Ainda resta algum da casa de Saul, para que eu lhe faça benevolência por amor de Jônatas?

2 E havia da casa de Saul um servo cujo nome era Ziba. E, chamando-o a Davi, disse-lhe o rei: És tu Ziba? E ele disse: Teu servo é ele.

3 E o rei disse: Ainda não há alguém da casa de Saul, para que eu mostre a bondade de Deus para com ele? E Ziba disse ao rei: Jônatas ainda tem um filho, que é coxo de pés.

4 E o rei lhe disse: Onde está ele? E disse Ziba ao rei: Eis que ele está na casa de Maquir, filho de Amiel, em Lo-Debar.

5 Então o rei Davi mandou buscá-lo da casa de Maquir, filho de Amiel, de Lo-Debar.

6 Quando Mefibosete, filho de Jônatas, filho de Saul, chegou a Davi, prostrou-se com o rosto em terra e reverenciou. E Davi disse: Mefibosete. E ele respondeu: Eis o teu servo!

7 E disse-lhe David: Não temas; porque certamente usarei de benevolência para contigo por amor de Jônatas, teu pai, e te restituirei toda a terra de Saul, teu pai; e comerás pão continuamente à minha mesa.

8 E inclinou-se e disse: Qual é o teu servo, para que vejas um cão morto como eu?

9 Então chamou o rei a Ziba, servo de Saul, e disse-lhe: Dei ao filho de teu senhor tudo o que pertencia a Saul e a toda a sua casa.

10 Tu, pois, e teus filhos e teus servos lavrarão a terra para ele, e trarás os frutos, para que o filho de teu senhor tenha de comer; mas Mefibosete, filho de teu senhor, comerá pão sempre à minha mesa. Agora Ziba tinha quinze filhos e vinte servos.

11 Então disse Ziba ao rei: Conforme tudo o que meu senhor, o rei, ordenou ao seu servo, assim fará o teu servo. Quanto a Mefibosete, disse o rei, comerá à minha mesa, como um dos filhos do rei.

12 E Mefibosete teve um filho jovem, cujo nome era Mica. E todos os que habitavam na casa de Ziba eram servos de Mefibosete.

13 Assim Mefibosete habitou em Jerusalém; porque ele comia continuamente à mesa do rei; e era coxo de ambos os pés.  


CAPÍTULO 10

Os mensageiros de Davi imploraram vilaniamente – Os amonitas e os sírios vencidos por Joabe – Shobach morto.

1 E aconteceu depois disso que o rei dos filhos de Amon morreu, e Hanun, seu filho, reinou em seu lugar.

2 Então disse Davi: Farei benevolência para com Hanum, filho de Naás, como seu pai foi benevolente comigo. E Davi mandou consolá-lo pela mão de seus servos para seu pai. E os servos de Davi entraram na terra dos filhos de Amom.

3 E os príncipes dos filhos de Amon disseram a Hanum, seu senhor: Pensas tu que Davi honra a teu pai, enviando-te consoladores? Não te enviou Davi antes seus servos para esquadrinharem a cidade, espioná-la e destruí-la?

4 Por isso Hanum tomou os servos de Davi, raspou a metade de suas barbas, cortou suas vestes no meio, até as nádegas, e os despediu.

5 Quando eles contaram isso a Davi, ele mandou ao seu encontro, porque os homens estavam muito envergonhados; e o rei disse: Fiquem em Jericó até que suas barbas cresçam e depois voltem.

6 E quando os filhos de Amom viram que eles fediam diante de Davi, os filhos de Amom enviaram e contrataram os sírios de Bete-Reobe, e os sírios de Zoba, vinte mil homens de infantaria, e do rei Maaca mil homens, e de Is- tob doze mil homens.

7 E quando Davi soube disso, enviou Joab e todo o exército dos valentes.

8 E os filhos de Amon saíram, e ordenaram a batalha à entrada da porta; e os sírios de Zoba, e de Rehob, e Is-tob, e Maacah, estavam sozinhos no campo.

9 Quando Joab viu que a frente da batalha estava contra ele por diante e por trás, escolheu dentre todos os homens escolhidos de Israel, e os pôs em ordem contra os sírios;

10 E o resto do povo entregou nas mãos de Abisai, seu irmão, para que os pusesse em ordem contra os filhos de Amon.

11 E ele disse: Se os sírios forem fortes demais para mim, então tu me ajudarás; mas se os filhos de Amon forem fortes demais para ti, então virei e te ajudarei.

12 Tem bom ânimo, e façamos o papel de nosso povo e das cidades de nosso Deus; e o Senhor faça o que lhe parecer bem.

13 E chegou Joab, e o povo que estava com ele, à peleja contra os sírios; e fugiram diante dele.

14 E quando os filhos de Amon viram que os sírios haviam fugido, também fugiram diante de Abisai, e entraram na cidade. Então Joabe voltou dos filhos de Amom e foi para Jerusalém.

15 E quando os sírios viram que foram derrotados diante de Israel, eles se reuniram.

16 E Hadarezer enviou, e trouxe para fora os sírios que estavam além do rio; e chegaram a Helam; e Shobach, o capitão do exército de Hadarezer, foi adiante deles.

17 E quando foi dito a Davi, ele congregou todo o Israel, e passou o Jordão, e veio a Helam. E os sírios se puseram em ordem contra Davi, e pelejaram com ele.

18 E os sírios fugiram diante de Israel; e Davi matou os homens de setecentos carros dos sírios e quarenta mil cavaleiros, e feriu a Sobach, o capitão do seu exército, que ali morreu.

19 E quando todos os reis que eram servos de Hadarezer viram que foram derrotados diante de Israel, fizeram as pazes com Israel, e os serviram. Assim, os sírios temiam mais ajudar os filhos de Amon.  


CAPÍTULO 11

Davi comete adultério com Bate-Seba – a fidelidade de Urias – Sua morte – Davi toma Bate-Seba como esposa.

1 E aconteceu que, passado o ano, no tempo em que os reis saíam para a batalha, Davi enviou Joabe, e seus servos com ele, e todo o Israel; e destruíram os filhos de Amom, e cercaram Rabá. Mas Davi permaneceu ainda em Jerusalém.

2 E aconteceu que, ao cair da tarde, Davi se levantou de sua cama e caminhou sobre o telhado da casa do rei; e do telhado ele viu uma mulher se lavando; e a mulher era muito bonita de se ver.

3 E Davi mandou perguntar pela mulher. E um disse: Não é esta Bate-Seba, filha de Elião, mulher de Urias, o heteu?

4 E Davi enviou mensageiros, e a levou; e ela veio a ele e ele se deitou com ela; pois ela foi purificada de sua impureza; e ela voltou para sua casa.

5 E a mulher concebeu, e enviou e contou a Davi, e disse: Estou grávida.

6 E Davi enviou a Joab, dizendo: Envia-me Urias, o heteu. E Joabe enviou Urias a Davi.

7 E quando Urias foi ter com ele, Davi lhe perguntou como Joab fazia, e como o povo fazia, e como a guerra prosperava.

8 E disse David a Urias: Desce a tua casa, e lava os teus pés. E Urias saiu da casa do rei, e seguiu-o uma mesa de carne do rei.

9 Mas Urias dormiu à porta da casa do rei com todos os servos do seu senhor, e não desceu à sua casa.

10 E, tendo eles contado a Davi, dizendo: Urias não desceu à sua casa, disse Davi a Urias: Não vens tu do teu caminho? por que então não desceste a tua casa?

11 E Urias disse a Davi: A arca, e Israel, e Judá fiquem em tendas; e meu senhor Joabe e os servos de meu senhor estão acampados nos campos abertos; devo entrar em minha casa, comer e beber, e deitar-me com minha mulher? como tu vives e vive a tua alma, não farei isso.

12 E Davi disse a Urias: Fica aqui também hoje, e amanhã te deixarei partir. Então Urias ficou em Jerusalém naquele dia e no dia seguinte.

13 E, chamando-o Davi, comeu e bebeu diante dele; e ele o embriagou; e à tarde saiu para deitar-se em sua cama com os servos de seu senhor, mas não desceu para sua casa.

14 E aconteceu que pela manhã Davi escreveu uma carta a Joabe, e a enviou pela mão de Urias.

15 E ele escreveu na carta, dizendo: Põe Urias na vanguarda da batalha mais acirrada, e retirai-vos dele, para que seja ferido e morra.

16 E aconteceu que, quando Joab observou a cidade, designou Urias para um lugar onde sabia que havia homens valentes.

17 E os homens da cidade saíram e pelejaram com Joab; e caíram alguns do povo dos servos de Davi; e Urias, o hitita, também morreu.

18 Então Joab enviou e contou a Davi todas as coisas concernentes à guerra;

19 E ordenou ao mensageiro, dizendo: Quando acabares de contar ao rei os assuntos da guerra,

20 E se for que a ira do rei se levantar, e ele te disser: Por que te aproximastes tão da cidade quando combatestes? você não sabia que eles atirariam da parede?

21 Quem feriu Abimeleque, filho de Jerubesete? não lhe lançou uma mulher da parede um pedaço de pedra de moinho, de modo que morreu em Tebez? por que você se aproximou da parede? então digas tu também morreu teu servo Urias, o heteu.

22 Então o mensageiro foi e veio e mostrou a Davi tudo o que Joabe lhe enviara.

23 E o mensageiro disse a Davi: Certamente os homens prevaleceram contra nós, e nos saíram ao campo, e estávamos sobre eles até a entrada da porta.

24 E os atiradores dispararam do muro contra os teus servos; e morreram alguns dos servos do rei, e também morreu o teu servo Urias, o heteu.

25 Então disse Davi ao mensageiro: Assim dirás a Joabe: Não te desagrade isso, porque a espada devora um como outro; torna mais forte a tua batalha contra a cidade e derruba-a; e encorajá-lo.

26 E quando a mulher de Urias soube que Urias, seu marido, estava morto, ela lamentou por seu marido.

27 E passado o luto, Davi mandou buscá-la para sua casa, e ela se tornou sua mulher, e lhe deu um filho. Mas o que Davi fez desagradou ao Senhor.  


CAPÍTULO 12

Davi reprovado por Natã — nasce Salomão — Davi tortura o povo de Rabá.

1 E o Senhor enviou Natã a Davi. E, aproximando-se dele, disse-lhe: Havia dois homens numa cidade; um rico e outro pobre.

2 O rico tinha muitos rebanhos e manadas;

3 Mas o pobre não tinha nada, a não ser uma ovelhinha, que comprara e criara; e cresceu junto com ele e com seus filhos; ela comeu de sua própria comida, e bebeu de seu próprio cálice, e deitou-se em seu seio, e foi para ele como uma filha.

4 E veio um viajante ao homem rico, e ele poupou para tomar de seu próprio rebanho e de seu próprio rebanho, para preparar o viajante que viera a ele; mas tomou o cordeiro do pobre, e o preparou para o homem que tinha vindo a ele.

5 E a ira de Davi se acendeu grandemente contra o homem; e disse a Natã: Vive o Senhor, o homem que fizer isso certamente morrerá;

6 E ele restituirá o cordeiro quatro vezes, porque fez isso e porque não teve piedade.

7 E Natã disse a Davi: Tu és o homem. Assim diz o Senhor Deus de Israel: Eu te ungi rei sobre Israel, e te livrei das mãos de Saul;

8 E te dei a casa de teu senhor, e as mulheres de teu senhor em teu seio, e te dei a casa de Israel e de Judá; e se isso fosse muito pouco, além disso, eu teria dado a ti tais e tais coisas.

9 Por que desprezaste o mandamento do Senhor, para fazeres o mal aos seus olhos? tu mataste Urias, o heteu, à espada, e tomaste o seu

mulher para ser tua mulher, e o mataste com a espada dos filhos de Amom.

10 Agora, pois, a espada nunca se apartará de tua casa; porque me desprezaste, e tomaste a mulher de Urias, o heteu, para ser tua mulher.

11 Assim diz o Senhor: Eis que levantarei o mal contra ti da tua própria casa, e tomarei tuas mulheres diante dos teus olhos, e as darei ao teu próximo, e ele se deitará com tuas mulheres à vista deste Sol.

12 Pois tu o fizeste secretamente; mas farei isso diante de todo o Israel e diante do sol.

13 E disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor. E Natã disse a Davi: Também o Senhor não perdoou o teu pecado para que não morras.

14 No entanto, visto que com este ato deste grande ocasião para que os inimigos do Senhor blasfemem, também o filho que te nasceu certamente morrerá.

15 E Natã partiu para sua casa. E o Senhor feriu a criança que a mulher de Urias deu a Davi, e ela ficou muito doente.

16 Davi, pois, rogou a Deus pelo menino; e Davi jejuou, e entrou, e deitou-se a noite toda sobre a terra.

17 E os anciãos da sua casa se levantaram e foram ter com ele, para o levantar da terra; mas ele não quis, nem comeu pão com eles.

18 E aconteceu que no sétimo dia o menino morreu. E os servos de Davi temeram contar-lhe que a criança estava morta; porque eles disseram: Eis que enquanto o menino ainda estava vivo, falamos com ele, e ele não deu ouvidos à nossa voz; como ele vai se irritar, se lhe dissermos que a criança está morta?

19 Mas quando Davi viu que seus servos sussurravam, Davi percebeu que o menino estava morto; por isso disse Davi aos seus servos: Morreu o menino? E eles disseram: Ele está morto.

20 Então Davi se levantou da terra, lavou-se, ungiu-se, mudou de roupa, e entrou na casa do Senhor, e adorou; então ele veio para sua própria casa; e quando ele pediu, eles colocaram pão diante dele, e ele comeu.

21 Disseram-lhe então os seus servos: Que é isto que fizeste? tu jejuaste e choraste pelo menino enquanto ele estava vivo; mas quando a criança estava morta, você se levantou e comeu pão.

22 E ele disse: Enquanto o menino ainda estava vivo, jejuei e chorei; porque eu disse: Quem pode dizer se Deus será misericordioso comigo, para que a criança viva?

23 Mas agora que ele está morto, por que devo jejuar? posso trazê-lo de volta? Eu irei até ele, mas ele não voltará para mim.

24 E Davi consolou Bate-Seba, sua mulher, e foi ter com ela, e deitou-se com ela; e ela deu à luz um filho, e ele chamou o seu nome Salomão; e o Senhor o amou.

25 E ele enviou pela mão do profeta Natã; e chamou o seu nome Jedidias, por causa do Senhor.

26 E Joab lutou contra Rabá dos filhos de Amom, e tomou a cidade real.

27 E Joab enviou mensageiros a Davi, e disse: Combati contra Rabá, e tomei a cidade das águas.

28 Agora, pois, ajunta o resto do povo, e acampa-te contra a cidade, e toma-a; para que eu não tome a cidade, e seja chamada pelo meu nome.

29 E Davi reuniu todo o povo, e foi a Rabá, e lutou contra ela, e a tomou.

30 E tirou da cabeça a coroa de seu rei, cujo peso era um talento de ouro com as pedras preciosas; e foi colocado na cabeça de Davi. E ele trouxe o despojo da cidade em grande abundância.

31 E fez sair o povo que ali estava, e os pôs debaixo de serras, e debaixo de grades de ferro, e debaixo de machados de ferro, e os fez passar pelo forno de tijolos; e assim fez a todas as cidades dos filhos de Amon. Então Davi e todo o povo voltaram para Jerusalém.  


CAPÍTULO 13

Amnon arrebata Tamar – Absalão mata Amnon – Davi se entristece com a notícia – Absalão foge.

1 E aconteceu depois disso que Absalão, filho de Davi, tinha uma formosa irmã, cujo nome era Tamar; e Amnom, filho de Davi, a amou.

2 E Amnom ficou tão aflito que adoeceu por causa de sua irmã Tamar; pois ela era virgem; e Amnon achou difícil para ele fazer qualquer coisa com ela.

3 Mas Amnom tinha um amigo, cujo nome era Jonadabe, filho de Simeá, irmão de Davi; e Jonadabe era um homem muito sutil.

4 E disse-lhe: Por que és tu, filho do rei, esguio de dia em dia? não me dirás? E Amnon disse-lhe: Eu amo Tamar, irmã de meu irmão Absalão.

5 E disse-lhe Jonadabe: Deita-te na tua cama e adoece; e quando teu pai vier te ver, dize-lhe: Rogo-te que venha minha irmã Tamar, e dê-me de comer, e prepare a carne à minha vista, para que eu a veja e coma de sua mão.

6 Deitou-se Amnom e adoeceu; e quando o rei veio vê-lo, Amnon disse ao rei, peço-te, deixa Tamar, minha irmã, e faz-me dois bolos à minha vista, para que eu coma da mão dela.

7 Então Davi mandou para Tamar, dizendo: Vai agora à casa de teu irmão Amnom, e prepara-lhe carne.

8 Tamar foi à casa de seu irmão Amnom; e ele foi deitado. E ela tomou farinha, e a amassou, e fez bolos à sua vista, e cozinhou os bolos.

9 E ela tomou uma panela, e derramou-os diante dele; mas ele se recusou a comer. E Amnon disse: Tira todos os homens de mim. E eles saíram cada homem dele.

10 E disse Amnom a Tamar: Traz a carne à câmara, para que eu coma da tua mão. E Tamar tomou os bolos que ela tinha feito, e os trouxe para o quarto de Amnon, seu irmão.

11 E, quando ela os trouxe para comer, ele a segurou e disse-lhe: Vem deitar-se comigo, minha irmã.

12 E ela lhe respondeu: Não, meu irmão, não me force; pois tal coisa não deve ser feita em Israel; não faças esta tolice.

13 E eu, para onde levarei minha vergonha? e quanto a ti, serás como um dos loucos de Israel. Agora, pois, rogo-te que fales ao rei; porque ele não me reterá de ti.

14 No entanto, ele não quis dar ouvidos à sua voz; mas, sendo mais forte do que ela, forçou-a e deitou-se com ela.

15 Então Amnom a odiou muito; de modo que o ódio com que a odiava era maior do que o amor com que a amara. E Amnon disse-lhe: Levanta-te, vai embora.

16 E ela lhe disse: Não há causa; este mal de me mandar embora é maior do que o outro que me fizeste. Mas ele não quis ouvi-la.

17 Então chamou o seu servo que o servia e disse: Tira agora de mim esta mulher, e tranca a porta atrás dela.

18 E ela tinha uma vestimenta de várias cores sobre ela; pois com tais vestes estavam vestidas as filhas do rei que eram virgens. Então seu servo a trouxe para fora e trancou a porta atrás dela.

19 E Tamar pôs cinzas em sua cabeça, e rasgou sua veste de várias cores que estava sobre ela, e pôs a mão sobre sua cabeça, e continuou chorando.

20 E Absalão, seu irmão, disse-lhe: Esteve Amnom, teu irmão, contigo? mas cala-te agora, minha irmã; ele é teu irmão; não considere esta coisa. Assim Tamar ficou desolada na casa de seu irmão Absalão.

21 Mas quando o rei Davi soube de todas essas coisas, ficou muito irado.

22 E Absalão não falou a seu irmão Amnom nem bem nem mal; pois Absalão odiava Amnon, porque ele havia forçado sua irmã Tamar.

23 E aconteceu que, passados dois anos completos, Absalão tinha tosquiadores de ovelhas em Baal-Hazor, que está ao lado de Efraim; e Absalão convidou todos os filhos do rei.

24 E Absalão foi ter com o rei e disse: Eis que o teu servo tem tosquiadores de ovelhas; deixa o rei, peço-te, e os seus servos irem com o teu servo.

25 E o rei disse a Absalão: Não, meu filho, não vamos todos nós agora, para que não sejamos cobrados a ti. E ele o pressionou; porém ele não quis ir, mas o abençoou.

26 Então disse Absalão: Se não, peço-te, deixa meu irmão Amnom ir conosco. E o rei lhe disse: Por que deveria ir contigo?

27 Mas Absalão o pressionou, para que deixasse Amnom e todos os filhos do rei irem com ele.

28 Ora, Absalão havia ordenado a seus servos, dizendo: Notai agora, quando o coração de Amnom está alegre de vinho, e quando eu vos disser: Feri Amnom; então mate-o, não tema; não te ordenei? seja corajoso, e seja valente.

29 E os servos de Absalão fizeram a Amnom como Absalão havia ordenado. Então todos os filhos do rei se levantaram, e cada um o montou em sua mula e fugiu.

30 E aconteceu que, enquanto eles estavam no caminho, veio a notícia a Davi, dizendo: Absalão matou todos os filhos do rei, e nenhum deles ficou.

31 Então o rei se levantou, rasgou as suas vestes e se deitou por terra; e todos os seus servos estavam com suas roupas rasgadas.

32 E Jonadabe, filho de Simeá, irmão de Davi, respondeu e disse: Não suponha meu senhor que mataram todos os jovens filhos do rei; pois somente Amnon está morto; pois pela designação de Absalão isso foi determinado desde o dia em que ele forçou sua irmã Tamar.

33 Agora, pois, que meu Senhor, o rei, não leve isso ao coração, pensando que todos os filhos do rei estão mortos; pois somente Amnom está morto.

34 Mas Absalão fugiu. E o jovem que vigiava levantou os olhos, e olhou, e eis que vinha muita gente pelo caminho da encosta atrás dele.

35 E Jonadab disse ao rei: Eis que vêm os filhos do rei; como o teu servo disse, assim é.

36 E aconteceu que, assim que ele acabou de falar, eis que vieram os filhos do rei, levantaram a voz e choraram; e também o rei e todos os seus servos choraram muito.

37 Mas Absalão fugiu e foi para Talmai, filho de Amiúde, rei de Gesur. E David lamentou por seu filho todos os dias.

38 Então Absalão fugiu, e foi para Gesur, e ficou ali três anos.

39 E a alma do rei Davi desejou ir a Absalão; pois ele foi consolado a respeito de Amnon, vendo que ele estava morto.  


CAPÍTULO 14

Joabe traz Absalão a Jerusalém – a beleza de Absalão.

1 Percebeu Joabe, filho de Zeruia, que o coração do rei estava voltado para Absalão.

2 E Joab mandou a Tecoá, e chamou dali uma mulher sábia, e disse-lhe: Rogo-te que te faças de enlutada, e veste agora trajes de luto, e não te unges com óleo, mas sê como uma mulher que havia muito pranteado pelos mortos;

3 E venha ao rei, e fale desta maneira com ele. Então Joab colocou as palavras na boca dela.

4 E quando a mulher de Tekoah falou ao rei, ela caiu com o rosto em terra, e se prostrou, e disse: Socorro, ó rei.

5 E o rei lhe disse: Que te tens? E ela respondeu: Na verdade sou uma mulher viúva, e meu marido está morto.

6 E a tua serva teve dois filhos, e ambos lutaram juntos no campo, e não houve quem os separasse, mas um feriu o outro e o matou.

7 E eis que toda a família se levantou contra a tua serva, e disseram: Livra aquele que feriu a seu irmão, para que o matemos, pela vida de seu irmão que ele matou; e destruiremos também o herdeiro; e assim apagarão o meu carvão que sobrou, e não deixarão a meu marido nem nome nem resto sobre a terra.

8 E o rei disse à mulher: Vai para tua casa, e eu darei ordens a teu respeito.

9 E a mulher de Tecoá disse ao rei: Meu senhor, ó rei, a iniqüidade esteja sobre mim e sobre a casa de meu pai; e o rei e seu trono sejam inocentes.

10 E o rei disse: Quem te disser alguma coisa, traze-o a mim, e não te tocará mais.

11 Então ela disse: Peço-te que o rei se lembre do Senhor teu Deus, para que não permitas que os vingadores do sangue destruam mais, para que não destruam meu filho. E ele disse: Vive o Senhor, nenhum cabelo de teu filho cairá em terra.

12 Então a mulher disse: Deixa tua serva, peço-te, falar uma palavra ao rei meu senhor. E ele disse: Diga.

13 E a mulher disse: Por que então pensaste tal coisa contra o povo de Deus? pois o rei fala isso como algo defeituoso, pois o rei não traz para casa novamente seu banido.

14 Porque é necessário que morramos, e sejamos como água derramada na terra, que não pode ser recolhida; nem Deus respeita qualquer pessoa; no entanto, ele inventa meios para que seu banido não seja expulso dele.

15 Agora, pois, que venho falar disto ao rei meu senhor, é porque o povo me atemorizou; e tua serva disse: Agora falarei ao rei; pode ser que o rei atenda ao pedido de sua serva.

16 Porque o rei ouvirá, para livrar a sua serva da mão do homem que quer destruir a mim e a meu filho juntamente da herança de Deus.

17 Então a tua serva disse: A palavra do rei meu senhor agora será consolada; pois como um anjo de Deus, assim é meu senhor o rei para discernir o bem e o mal; por isso o Senhor teu Deus será contigo.

18 Então o rei respondeu e disse à mulher: Não me esconda, peço-te, o que te pedirei. E a mulher disse: Deixe meu senhor, o rei, agora falar.

19 E o rei disse: A mão de Joab não está contigo em tudo isso? E a mulher respondeu e disse: Vive a tua alma, rei meu senhor, ninguém pode virar para a direita ou para a esquerda de qualquer coisa que o rei meu senhor falou; para o teu servo Joabe, ele me ordenou, e ele pôs todas estas palavras na boca da tua serva;

20 Para obter essa forma de falar, teu servo Joab fez isso; e meu senhor é sábio, segundo a sabedoria de um anjo de Deus, para conhecer todas as coisas que há na terra.

21 E o rei disse a Joab: Eis que fiz isto; vá, traga novamente o jovem Absalão.

22 E Joab caiu em terra com o rosto em terra, e inclinou-se, e agradeceu ao rei; e disse Joabe: Hoje sabe o teu servo que achei graça aos teus olhos, ó rei meu senhor, porque o rei atendeu ao pedido do seu servo.

23 Então Joabe se levantou e foi a Gesur, e trouxe Absalão a Jerusalém.

24 E disse o rei: Volte-se para a sua casa, e não veja o meu rosto. Então Absalão voltou para sua casa, e não viu o rosto do rei.

25 Mas em todo o Israel não havia ninguém tão elogiado como Absalão pela sua formosura; desde a planta do pé até o alto da cabeça não havia defeito nele.

26 E quando ele mexeu a cabeça (pois era no final de cada ano que ele a moía; porque o cabelo era pesado para ele, por isso ele moçou); ele pesou o cabelo de sua cabeça em duzentos siclos segundo o peso do rei .

27 E a Absalão nasceram três filhos e uma filha, cujo nome era Tamar; ela era uma mulher de belo semblante.

28 Assim Absalão morou dois anos inteiros em Jerusalém, e não viu a face do rei.

29 Então Absalão mandou chamar Joab, para o enviar ao rei; mas ele não veio a ele; e quando ele enviou novamente pela segunda vez, ele não quis vir.

30 Por isso disse aos seus servos: Eis que o campo de Joab está perto do meu, e ele tem cevada ali; vá e ateie fogo. E os servos de Absalão incendiaram o campo.

31 Então Joab se levantou e foi ter com Absalão, em sua casa, e lhe disse: Por que teus servos incendiaram meu campo?

32 E Absalão respondeu a Joab: Eis que te enviei, dizendo: Vem cá, para que te envie ao rei, para dizer: Por que vim de Gesur? tinha sido bom para mim ainda estar lá; agora, portanto, deixe-me ver o rosto do rei; e se houver alguma iniquidade em mim, que ele me mate.

33 Então Joabe foi ter com o rei e lhe contou; e, chamando Absalão, foi ter com o rei e prostrou-se com o rosto em terra perante o rei; e o rei beijou Absalão.  


CAPÍTULO 15

Absalão rouba os corações de Israel – Ele faz uma grande conspiração – Davi foge de Jerusalém – Davi e sua companhia sobem o monte das Oliveiras chorando – Ele amaldiçoa o conselho de Aitofel.

1 E aconteceu depois disso que Absalão lhe preparou carros e cavalos, e cinqüenta homens para correrem diante dele.

2 E Absalão levantou-se de madrugada e pôs-se à beira da porta; e era assim que, quando alguém que tinha uma controvérsia vinha ao rei para julgamento, então Absalão o chamava e dizia: De que cidade és tu? E ele disse: Teu servo é de uma das tribos de Israel.

3 E Absalão lhe disse: Vê, os teus negócios são bons e justos; mas não há homem designado pelo rei para te ouvir.

4 Absalão disse ainda: Oh, se eu fosse feito juiz na terra, para que todo homem que tivesse alguma causa ou causa viesse a mim, e eu lhe faria justiça!

5 E era assim que, quando alguém se aproximava dele para prestar-lhe reverência, estendia a mão, tomava-o e beijava-o.

6 E assim fez Absalão a todo o Israel que vinha ao rei para julgamento; assim Absalão roubou o coração dos homens de Israel.

7 E aconteceu que, passados quarenta anos, Absalão disse ao rei: Rogo-te, deixa-me ir e cumprir o meu voto, que fiz ao Senhor, em Hebron.

8 Porque o teu servo fez um voto enquanto eu morava em Gesur, na Síria, dizendo: Se o Senhor me levar de novo a Jerusalém, então servirei ao Senhor.

9 E o rei lhe disse: Vai em paz. Então ele se levantou e foi para Hebrom.

10 Mas Absalão enviou espias por todas as tribos de Israel, dizendo: Assim que ouvirdes o som da trombeta, direis: Absalão reina em Hebrom.

11 E com Absalão saíram duzentos homens de Jerusalém, que foram chamados; e eles foram em sua simplicidade, e nada sabiam.

12 E Absalão mandou chamar Aitofel, o gilonita, conselheiro de Davi, de sua cidade, de Giló, enquanto oferecia sacrifícios. E a conspiração era forte; porque o povo crescia continuamente com Absalão.

13 E veio um mensageiro a Davi, dizendo: O coração dos homens de Israel segue Absalão.

14 E disse David a todos os seus servos que estavam com ele em Jerusalém: Levantai-vos, e fujamos; pois não escaparemos de Absalão; apresse-se a partir, para que ele não nos alcance de repente, e traga o mal sobre nós, e fira a cidade ao fio da espada.

15 E os servos do rei disseram ao rei: Eis que teus servos estão prontos para fazer tudo o que meu senhor, o rei, ordenar.

16 E saiu o rei, e toda a sua casa depois dele. E o rei deixou dez mulheres, que eram concubinas, para cuidar da casa.

17 E o rei saiu, e todo o povo depois dele, e ficou em um lugar que estava longe.

18 E todos os seus servos passaram ao lado dele; e todos os quereteus, e todos os peleteus, e todos os giteus, seiscentos homens que vieram depois dele de Gate, passaram adiante do rei.

19 Então disse o rei a Itai, o giteu: Por que tu também vais conosco? volta para o teu lugar e fica com o rei; porque tu és um estrangeiro, e também um exilado.

20 Considerando que você veio ontem, eu deveria hoje fazer você subir e descer conosco? vendo que vou para onde posso, volta, e toma de volta teus irmãos; misericórdia e verdade sejam contigo.

21 E Itai respondeu ao rei, e disse: Vive o Senhor, e vive o rei meu senhor, certamente em que lugar estiver o rei meu senhor, seja na morte ou na vida, ali também estará o teu servo.

22 E Davi disse a Itai: Vai e passa. E passou Itai, o giteu, e todos os seus homens, e todos os pequeninos que estavam com ele.

23 E todo o país chorou em alta voz, e todo o povo passou; também o rei passou o ribeiro de Cedrom, e todo o povo passou, para o caminho do deserto.

24 E eis que também Zadoque e todos os levitas estavam com ele, levando a arca da aliança de Deus; e puseram a arca de Deus; e Abiatar subiu, até que todo o povo acabou de sair da cidade.

25 E o rei disse a Zadoque: Leve de volta a arca de Deus para a cidade; se eu achar graça aos olhos do Senhor, ele me trará de novo e me mostrará tanto isso como sua habitação;

26 Mas se ele assim disser: Não tenho prazer em ti; eis que aqui estou, faça-me o que lhe parecer bem.

27 Disse também o rei ao sacerdote Zadoque: Não és tu um vidente? volte em paz para a cidade, e seus dois filhos contigo, Aimaás, teu filho, e Jônatas, filho de Abiatar.

28 Veja, eu ficarei na planície do deserto, até que venha uma palavra de você para me certificar.

29 Zadoque e Abiatar levaram novamente a arca de Deus para Jerusalém; e eles ficaram lá.

30 E David subiu pela subida do monte das Oliveiras, e chorou enquanto subia, e tinha a cabeça coberta, e andava descalço; e todo o povo que estava com ele cobriu a cabeça de cada um, e subiram, chorando ao subir.

31 E um contou a Davi, dizendo: Aitofel está entre os conspiradores de Absalão. E disse Davi: Ó Senhor, peço-te, transforma em loucura o conselho de Aitofel.

32 E aconteceu que, chegando Davi ao cume do monte, onde adorava a Deus, eis que Husai, o arquita, veio ao seu encontro com a túnica rasgada e terra sobre a cabeça;

33 Ao qual Davi disse: Se passares comigo, serás um peso para mim;

34 Mas se voltares à cidade e disseres a Absalão: Eu serei teu servo, ó rei; como fui servo de teu pai até agora, agora também serei teu servo; então tu podes derrotar por mim o conselho de Aitofel.

35 E não tens contigo Zadoque e Abiatar, os sacerdotes? portanto, tudo o que ouvires da casa do rei, o dirás a Zadoque e a Abiatar, os sacerdotes.

36 Eis que têm ali com eles seus dois filhos, Aimaás Zadoque, filho de Jônatas Abiatar; e por eles me enviareis tudo o que puderdes ouvir.

37 Então Husai David, amigo de David, entrou na cidade, e Absalão entrou em Jerusalém.  


CAPÍTULO 16

Simei amaldiçoa Davi – Davi se abstém de vingança – o conselho de Aitofel.

1 E quando Davi estava um pouco além do cume do monte, eis que Ziba, servo de Mefibosete, veio ao seu encontro, com dois jumentos selados, e sobre eles duzentos pães, e cem cachos de passas, e cem de frutas de verão e uma garrafa de vinho.

2 E o rei disse a Ziba: O que você quer dizer com isso? E disse Ziba: Os jumentos sejam para a casa do rei montar; e o pão e as frutas de verão para os jovens comerem; e o vinho, para que os desfalecidos no deserto bebam.

3 E o rei disse: E onde está o filho de teu senhor? E disse Ziba ao rei: Eis que ele está em Jerusalém; porque disse: Hoje a casa de Israel me restituirá o reino de meu pai.

4 Então disse o rei a Ziba: Eis que são teus todos os que pertencem a Mefibosete. E Ziba disse: Eu humildemente te suplico que eu possa achar graça aos teus olhos, meu senhor, ó rei.

5 E quando o rei Davi chegou a Baurim, eis que dali saiu um homem da família da casa de Saul, cujo nome era Simei, filho de Gera; ele saiu, e ainda amaldiçoou quando veio.

6 E apedrejou a Davi e a todos os servos do rei Davi, e todo o povo e todos os valentes estavam à sua direita e à sua esquerda.

7 E assim disse Simei quando amaldiçoou: Sai, sai, homem sanguinário, e homem de Belial;

8 O Senhor devolveu sobre ti todo o sangue da casa de Saul, em cujo lugar tens reinado; e o Senhor entregou o reino nas mãos de Absalão, teu filho; e eis que foste apanhado no teu mal, porque és um homem sanguinário.

9 Então disse Abisai, filho de Zeruia, ao rei: Por que deveria este cão morto amaldiçoar o rei meu senhor? deixa-me ir, peço-te, e arranca-lhe a cabeça.

10 E o rei disse: Que tenho eu convosco, filhos de Zeruia? assim amaldiçoe, porque o Senhor lhe disse: Amaldiçoa a Davi. Quem dirá então: Por que fizeste isso?

11 E disse Davi a Abisai e a todos os seus servos: Eis que meu filho, que saiu de minhas entranhas, busca-me a vida; quanto mais agora esse benjamita pode fazer? deixe-o em paz, e deixe-o amaldiçoar; porque o Senhor o ordenou.

12 Pode ser que o Senhor olhe para a minha aflição, e que o Senhor me pague bem por sua maldição neste dia.

13 E, indo Davi e os seus homens pelo caminho, Simei foi para o lado da colina, defronte dele, e amaldiçoou enquanto ia, e atirou pedras nele, e lançou pó.

14 E o rei e todo o povo que estava com ele vieram cansados, e ali se refrescaram.

15 E Absalão, e todo o povo, os homens de Israel, vieram a Jerusalém, e Aitofel com ele.

16 E aconteceu que, chegando Husai, o arquita, amigo de David, a Absalão, Husai disse a Absalão: Deus salve o rei, Deus salve o rei.

17 E Absalão disse a Husai: É esta a tua bondade para com o teu amigo? por que não foste com teu amigo?

18 E Husai disse a Absalão: Não; mas a quem o Senhor, e este povo, e todos os homens de Israel escolherem, dele serei, e com ele ficarei.

19 E a quem devo servir? não devo servir na presença de seu filho? como servi na presença de teu pai, assim estarei na tua presença.

20 Então disse Absalão a Aitofel: Dá conselho entre vós sobre o que devemos fazer.

21 E Aitofel disse a Absalão: Vai para as concubinas de teu pai, que ele deixou para guardar a casa; e todo o Israel ouvirá que és aborrecido por teu pai; então as mãos de todos os que estão contigo serão fortes.

22 Assim estenderam a Absalão uma tenda sobre o alto da casa; e Absalão foi ter com as concubinas de seu pai à vista de todo o Israel.

23 E o conselho de Aitofel, que ele aconselhou naqueles dias, foi como se um homem tivesse consultado o oráculo de Deus; assim foi todo o conselho de Aitofel tanto com Davi como com Absalão.  


CAPÍTULO 17

Aitofel se enforca – Amasa se tornou capitão.

1 Disse mais Aitofel a Absalão: Deixa-me agora escolher doze mil homens, e levantar-me-ei e perseguirei a David esta noite;

2 E virei sobre ele enquanto estiver cansado e com as mãos fracas, e o atemorizarei; e todo o povo que está com ele fugirá; e ferirei somente o rei;

3 E farei voltar a ti todo o povo; o homem que você procura é como se tudo voltasse; assim todo o povo ficará em paz.

4 E a palavra agradou a Absalão e a todos os anciãos de Israel.

5 Então disse Absalão: Chame agora também Husai, o arquita, e vamos ouvir também o que ele diz.

6 E, chegando Husai a Absalão, Absalão lhe falou, dizendo: Assim falou Aitofel; faremos depois da sua palavra? se não, fala tu.

7 E Husai disse a Absalão: O conselho que Aitofel deu não é bom neste momento.

8 Pois, disse Husai, tu conheces teu pai e seus homens, que são homens valentes, e têm a mente afligida, como a ursa roubada de seus filhotes no campo; e teu pai é homem de guerra e não se hospedará com o povo.

9 Eis que agora ele está escondido em alguma cova, ou em algum outro lugar; e acontecerá que, quando alguns deles forem derrubados ao princípio, quem o ouvir dirá: Há uma matança entre o povo que segue Absalão.

10 E também aquele que é valente, cujo coração é como o coração de um leão, derreterá totalmente; porque todo o Israel sabe que teu pai é um homem poderoso, e os que estão com ele são homens valentes.

11 Por isso aconselho que todo o Israel seja geralmente congregado a ti, desde Dã até Berseba, como a areia que está à beira do mar em multidão; e que tu vás para a batalha em tua própria pessoa.

12 Assim o encontraremos em algum lugar onde se achar, e cairemos sobre ele como o orvalho cai na terra; e dele e de todos os homens que estão com ele não restará um só.

13 Além disso, se ele entrar em uma cidade, então todo o Israel trará cordas para aquela cidade, e nós a traremos para o rio, até que não haja uma pedrinha ali.

14 E Absalão e todos os homens de Israel disseram: O conselho de Husai, o arquita, é melhor do que o conselho de Aitofel. Pois o Senhor havia designado derrotar o bom conselho de Aitofel, para que o Senhor pudesse trazer o mal sobre Absalão.

15 Então disse Husai a Zadoque e a Abiatar, os sacerdotes: Assim e assim aconselhou Aitofel a Absalão e aos anciãos de Israel; e assim e assim tenho aconselhado.

16 Agora, pois, manda logo avisar a Davi, dizendo: Não fiques esta noite nas campinas do deserto, mas passa depressa; para que não seja engolido o rei e todo o povo que está com ele.

17 Jônatas e Aimaás ficaram em En-Rogel; pois eles podem não ser vistos entrando na cidade; e uma moça foi e lhes contou; e eles foram e contaram ao rei Davi.

18 Todavia, um rapaz os viu e contou a Absalão; mas ambos foram embora rapidamente e chegaram à casa de um homem em Baurim, que tinha um poço em seu pátio; para onde desceram.

19 E a mulher tomou e estendeu uma cobertura sobre a boca do poço, e espalhou milho moído sobre ela; e a coisa não era conhecida.

20 E quando os servos de Absalão chegaram à mulher em casa, perguntaram: Onde estão Aimaás e Jônatas? E a mulher disse-lhes: Eles passaram o ribeiro de água. E quando os procuraram e não os acharam, voltaram para Jerusalém.

21 E aconteceu que, depois que eles partiram, saíram do poço, e foram contar ao rei Davi, e disseram a Davi: Levanta-te, e passa depressa sobre as águas; porque assim Aitofel aconselhou contra vós.

22 Então se levantou Davi e todo o povo que estava com ele, e passaram o Jordão; à luz da manhã não faltou um deles que não tivesse passado o Jordão.

23 E quando Aitofel viu que seu conselho não foi seguido, ele selou seu jumento, e se levantou, e o levou para sua casa, para sua cidade, e colocou sua casa em ordem, e se enforcou, e morreu, e foi sepultado em o sepulcro de seu pai.

24 Então Davi veio a Maanaim. E Absalão passou o Jordão, ele e todos os homens de Israel com ele.

25 E Absalão fez de Amasa o capitão dos exércitos em lugar de Joab; o qual Amasa era filho de um homem, cujo nome era Itra, israelita, que foi ter com Abigail, filha de Naás, irmã de Zeruia, mãe de Joabe.

26 Então Israel e Absalão se acamparam na terra de Gileade.

27 E aconteceu que, chegando Davi a Maanaim, Sobi, filho de Naás de Rabá, dos filhos de Amom, e Maquir, filho de Amiel de Lo-Debar, e Barzilai, o gileadita de Rogelim,

28 Trouxe leitos, bacias, vasos de barro, trigo, cevada, farinha, milho torrado, feijão, lentilhas e leguminosas tostadas,

29 E mel, e manteiga, e ovelhas, e queijo de vaca, para Davi e para o povo que estava com ele, para comer; porque diziam: O povo está com fome, e cansado, e com sede, no deserto.  


CAPÍTULO 18

Davi dá carga a Absalão – Os israelitas feridos – Absalão é morto – Davi chora por Absalão.

1 E Davi contou o povo que estava com ele, e pôs sobre eles capitães de mil e capitães de cem.

2 E Davi enviou a terça parte do povo sob a mão de Joabe, e a terça parte sob a mão de Abisai, filho de Zeruia, irmão de Joab, e a terça parte sob a mão de Itai, o giteu. E o rei disse ao povo: Eu mesmo certamente sairei convosco também.

3 Mas o povo respondeu: Não sairás; pois se fugirmos, eles não cuidarão de nós; nem se metade de nós morrer, eles cuidarão de nós; mas agora tu vales dez mil de nós; portanto agora é melhor que nos socorras para fora da cidade.

4 E o rei lhes disse: O que vos parecer melhor farei. E o rei estava ao lado do portão, e todo o povo saiu às centenas e aos milhares.

5 E o rei deu ordem a Joab, Abisai e Itai, dizendo: Por minha causa, tratai com gentileza com o jovem, Absalão. E todo o povo ouviu quando o rei deu ordens a todos os capitães a respeito de Absalão.

6 Então o povo saiu ao campo contra Israel; e a batalha foi no bosque de Efraim;

7 Onde o povo de Israel foi morto diante dos servos de Davi, e houve naquele dia uma grande matança de vinte mil homens.

8 Pois a batalha se espalhou por toda a terra; e a madeira devorou mais gente naquele dia do que a espada devorou.

9 E Absalão encontrou os servos de Davi. E Absalão montou em uma mula, e a mula passou sob os galhos grossos de um grande carvalho, e sua cabeça agarrou o carvalho, e ele foi arrebatado entre o céu e a terra; e a mula que estava debaixo dele foi embora.

10 E um certo homem viu isso, e contou a Joab, e disse: Eis que vi Absalão pendurado em um carvalho.

11 E Joab disse ao homem que o havia contado: E eis que tu o viste, e por que não o feriu ali por terra? e eu te daria dez siclos de prata e um cinto.

12 E o homem disse a Joabe: Ainda que eu recebesse mil siclos de prata em minha mão, não estenderia minha mão contra o filho do rei; pois, ao que ouvimos, o rei ordenou a ti e Abisai e Itai, dizendo: Cuidado, que ninguém toque no jovem Absalão.

13 Caso contrário, teria forjado falsidade contra a minha própria vida; pois não há assunto oculto ao rei, e tu mesmo terias se colocado contra mim.

14 Então disse Joab: Não posso ficar assim contigo. E ele tomou três dardos em sua mão, e os enfiou no coração de Absalão, enquanto ele ainda estava vivo no meio do carvalho.

15 E dez jovens que traziam a armadura de Joab rodearam e feriram Absalão, e o mataram.

16 E Joab tocou a trombeta, e o povo voltou de perseguir Israel; pois Joab reteve o povo.

17 E tomaram Absalão, e o lançaram numa grande cova na madeira, e puseram sobre ele um mui grande montão de pedras; e todo o Israel fugiu cada um para a sua tenda.

18 Ora, Absalão, em sua vida, tomou e ergueu para si uma coluna, que está no vale do rei; pois ele disse: Não tenho filho que guarde meu nome em memória; e chamou a coluna com o seu próprio nome; e é chamado até hoje, o lugar de Absalão.

19 Então disse Aimaás, filho de Zadoque: Deixa-me agora correr e trazer ao rei a notícia de que o Senhor o vingou de seus inimigos.

20 E Joab lhe disse: Tu não levarás a nova hoje, mas outro dia a levarás; mas hoje não levarás notícias, porque o filho do rei está morto.

21 Então disse Joab a Cushi: Vai contar ao rei o que viste. E Cushi curvou-se a Joabe e correu.

22 Então disse Aimaás, filho de Zadoque, outra vez a Joabe: Mas, de qualquer forma, deixa-me, peço-te, também correr atrás de Cushi. E Joabe disse: Por que você vai correr, meu filho, visto que você não tem notícias prontas?

23 Mas de qualquer forma, disse ele, deixe-me correr. E ele lhe disse: Corre. Então Ahimaaz correu pelo caminho da planície e invadiu Cushi.

24 E David sentou-se entre as duas portas; e o atalaia subiu ao telhado por cima da porta que dava para o muro, e levantou os olhos, e olhou, e eis um homem correndo sozinho.

25 E o atalaia gritou, e contou ao rei. E o rei disse: Se ele estiver sozinho, há notícias em sua boca. E ele veio rapidamente, e se aproximou.

26 E o vigia viu outro homem correndo; e o vigia chamou o porteiro e disse: Eis que outro homem corre sozinho. E o rei disse: Ele também traz novas.

27 E o atalaia disse: Para mim, a corrida do principal é como a corrida de Aimaás, filho de Zadok. E o rei disse: Ele é um homem bom, e vem com boas novas.

28 E Aimaás chamou, e disse ao rei: Está tudo bem. E prostrou-se com o rosto em terra diante do rei, e disse: Bendito seja o Senhor teu Deus, que entregou os homens que levantaram a mão contra o rei meu senhor.

29 E o rei disse: O jovem Absalão está seguro? E Aimaás respondeu: Quando Joabe enviou o servo do rei e eu, teu servo, vi um grande tumulto, mas não sabia o que era.

30 E o rei lhe disse: Desvia-te e fica aqui. E ele se virou para o lado e ficou parado.

31 E eis que veio Cushi; e Cushi disse, Notícias, meu senhor, o rei; porque o Senhor te vingou hoje de todos os que se levantaram contra ti.

32 E o rei disse a Cushi: O jovem Absalão está seguro? E Cushi respondeu: Os inimigos de meu senhor, o rei, e todos os que se levantam contra ti para te fazer mal, sejam como aquele jovem.

33 E o rei ficou muito comovido, e subiu à câmara sobre a porta, e chorou; e enquanto ele ia, assim ele disse: Ó meu filho Absalão! meu filho, meu filho Absalão! Quem dera eu tivesse morrido por ti, ó Absalão, meu filho, meu filho!  


CAPÍTULO 19

Davi cessa o luto – Os israelitas desejam o rei de volta – Simei é perdoado.

1 E foi dito a Joab: Eis que o rei chora e lamenta Absalão.

2 E a vitória daquele dia se transformou em luto para todo o povo; porque o povo ouviu dizer naquele dia como o rei estava triste por seu filho.

3 E o povo os levou às escondidas naquele dia para a cidade, como as pessoas envergonhadas roubam quando fogem na batalha.

4 Mas o rei cobriu o rosto, e o rei clamou em alta voz, ó meu filho Absalão! Ó Absalão, meu filho, meu filho!

5 E Joab entrou na casa do rei, e disse: Tu envergonhaste hoje os rostos de todos os teus servos, que hoje salvaram a tua vida, e a vida de teus filhos e de tuas filhas, e a vida de teus esposas e a vida de tuas concubinas;

6 Porque amas os teus inimigos e odeias os teus amigos. Pois tu declaraste hoje que não fazes caso de príncipes nem servos; pois neste dia percebo que, se Absalão tivesse vivido, e todos nós tivéssemos morrido neste dia, então isso te agradaria bem.

7 Agora, pois, levanta-te, sai e fala confortavelmente a teus servos; pois juro pelo Senhor que, se não saires, não haverá ninguém contigo esta noite; e isso será pior para ti do que todo o mal que te aconteceu desde a tua mocidade até agora.

8 Então o rei se levantou e sentou-se à porta. E contaram a todo o povo, dizendo: Eis que o rei está sentado à porta. E todo o povo compareceu perante o rei; porque Israel tinha fugido cada um para a sua tenda.

9 E todo o povo estava em contenda em todas as tribos de Israel, dizendo: O rei nos livrou da mão de nossos inimigos, e ele nos livrou da mão dos filisteus; e agora ele fugiu da terra para Absalão.

10 E Absalão, a quem ungimos sobre nós, morreu na batalha. Agora, portanto, por que não falar uma palavra de trazer o rei de volta?

11 E o rei Davi enviou a Zadoque e a Abiatar os sacerdotes, dizendo: Fala aos anciãos de Judá, dizendo: Por que sois os últimos a trazer o rei de volta à sua casa? vendo que o discurso de todo o Israel chegou ao rei, até à sua casa.

12 Vós sois meus irmãos, vós sois meus ossos e minha carne; por que sois os últimos a trazer de volta o rei?

13 E dizeis a Amasa: Não és tu dos meus ossos e da minha carne? Deus faça assim comigo, e mais também, se você não for capitão do exército diante de mim continuamente no quarto de Joabe.

14 E inclinou o coração de todos os homens de Judá, como o coração de um homem; de modo que enviaram esta palavra ao rei: Volta tu e todos os teus servos.

15 Então o rei voltou e veio ao Jordão. E Judá veio a Gilgal, para ir ao encontro do rei, para conduzir o rei sobre o Jordão.

16 E Simei, filho de Gera, benjamita, que era de Baurim, apressou-se e desceu com os homens de Judá ao encontro do rei Davi.

17 E havia com ele mil homens de Benjamim, e Ziba, servo da casa de Saul, e seus quinze filhos e seus vinte servos com ele; e passaram o Jordão diante do rei.

18 E lá passou uma barca para transportar a casa do rei, e fazer o que ele achava bom. E Simei, filho de Gera, prostrou-se diante do rei, ao passar pelo Jordão.

19 E disse ao rei: Não me impute meu senhor iniqüidade, nem te lembres daquilo que teu servo fez perversamente no dia em que o rei meu senhor saiu de Jerusalém, para que o rei levasse isso ao seu coração.

20 Pois o teu servo sabe que pequei; portanto, eis que venho hoje o primeiro de toda a casa de José para descer ao encontro do rei meu senhor.

21 Mas Abisai, filho de Zeruia, respondeu: Não será Simei morto por causa disso, porque amaldiçoou o ungido do Senhor?

22 E disse Davi: Que tenho eu convosco, filhos de Zeruia, para que hoje me sejais adversários? será morto algum homem hoje em Israel? pois não sei eu que hoje sou rei sobre Israel?

23 Por isso, os nobres disseram a Simei: Não morrerás. E o rei jurou-lhe.

24 E Mefibosete, filho de Saul, desceu ao encontro do rei, e não havia vestido os pés, nem aparado a barba, nem lavado as roupas, desde o dia em que o rei partiu até o dia em que voltou em paz.

25 E aconteceu que, chegando ele a Jerusalém ao encontro do rei, o rei lhe disse: Por que não foste comigo, Mefibosete?

26 E ele respondeu: Meu senhor, ó rei, meu servo me enganou; porque o teu servo disse: Selarei um jumento para montar nele e ir ter com o rei; porque o teu servo é coxo.

27 E caluniou teu servo perante o rei meu senhor; mas o rei meu senhor é como um anjo de Deus; faze, pois, o que é bom aos teus olhos.

28 Pois toda a casa de meu pai não passava de homens mortos diante do rei meu senhor; contudo puseste o teu servo entre os que comiam à tua mesa. Que direito, portanto, tenho eu ainda de clamar ao rei?

29 E o rei lhe disse: por que ainda falas dos teus assuntos? Eu disse: Tu e Ziba repartem a terra.

30 E Mefibosete disse ao rei: Sim, que ele tome tudo, visto que meu senhor, o rei, voltou em paz para sua casa.

31 E Barzilai, o gileadita, desceu de Rogelim, e atravessou o Jordão com o rei, para conduzi-lo ao Jordão.

32 Ora, Barzilai era um homem muito idoso, até oitenta anos; e ele proveu o rei de sustento enquanto ele estava em Maanaim; pois ele era um grande homem.

33 E o rei disse a Barzilai: Vem comigo, e eu te alimentarei comigo em Jerusalém.

34 E disse Barzilai ao rei: Até quando terei de viver para subir com o rei a Jerusalém?

35 Tenho hoje oitenta anos; e posso discernir entre o bem e o mal? pode o teu servo provar o que eu como ou o que eu bebo? posso ouvir mais a voz de cantores e cantores; por que então o teu servo deve ser ainda um fardo para o meu senhor, o rei?

36 Teu servo passará um pouco além do Jordão com o rei; e por que o rei me recompensaria com tal recompensa?

37 Que o teu servo, peço-te, volte para trás, para que eu morra na minha cidade e seja sepultado junto ao túmulo de meu pai e de minha mãe. Mas eis aqui o teu servo Quimã; deixe-o ir com meu senhor o rei; e faze-lhe o que te parecer bem.

38 E o rei respondeu: Quimham passará comigo, e eu lhe farei o que parecer bem para ti; e tudo o que me pedires, isso te farei.

39 E todo o povo passou o Jordão. E quando o rei chegou, o rei beijou Barzilai e o abençoou; e voltou para o seu lugar.

40 Então o rei foi para Gilgal, e Quimã foi com ele; e todo o povo de Judá conduziu o rei, e também metade do povo de Israel.

41 E eis que todos os homens de Israel vieram ao rei, e disseram ao rei: Por que nossos irmãos, os homens de Judá, te roubaram, e trouxeram o rei e sua casa, e todos os homens de Davi com ele, sobre Jordânia?

42 E todos os homens de Judá responderam aos homens de Israel: Porque o rei é nosso parente; por que então estais irados por este assunto? comemos a todo custo do rei? ou ele nos deu algum presente?

43 E os homens de Israel responderam aos homens de Judá, e disseram: Temos dez partes no rei, e também temos mais direito em Davi do que vós; por que então nos desprezastes, para que nosso conselho não fosse o primeiro a trazer de volta nosso rei? E as palavras dos homens de Judá foram mais ferozes do que as palavras dos homens de Israel.


CAPÍTULO 20

A sedição de Sabá – Amasa morto – Joabe persegue Sabá – Uma sábia salva a cidade.

1 E ali estava um homem de Belial, cujo nome era Seba, filho de Bicri, um benjamita; e tocou a trombeta, e disse: Não temos parte em Davi, nem herança no filho de Jessé; cada um para as suas tendas, ó Israel.

2 Então todos os homens de Israel subiram depois de Davi e seguiram Seba, filho de Bicri; mas os homens de Judá dão à luz ao seu rei, desde o Jordão até Jerusalém.

3 E David chegou à sua casa em Jerusalém; e o rei tomou as dez mulheres suas concubinas, que ele havia deixado para cuidar da casa, e as colocou na ala, e as alimentou, mas não entrou com elas. Assim foram encerrados até ao dia da sua morte, vivendo na viuvez.

4 Então disse o rei a Amasa: Reúna-me os homens de Judá dentro de três dias, e esteja aqui presente.

5 Então Amasa foi reunir os homens de Judá; mas ele demorou mais do que o tempo determinado que ele havia designado.

6 E disse Davi a Abisai: Agora nos fará Seba, filho de Bicri, mais mal do que Absalão; toma os servos do teu senhor e persegue-o, para que não lhe consiga cidades fortificadas e escape de nós.

7 E saíram atrás dele os homens de Joab, e os quereteus, e os peleteus, e todos os valentes; e saíram de Jerusalém, a perseguir a Seba, filho de Bicri.

8 Quando chegaram à grande pedra que está em Gibeão, Amasa foi adiante deles. E o manto de Joabe, que ele havia vestido, foi-lhe cingido, e sobre ele um cinto com uma espada presa aos seus lombos na bainha; e quando ele saiu, caiu.

9 E Joab disse a Amasa: Tu estás bem, meu irmão? E Joab pegou Amasa pela barba com a mão direita para beijá-lo.

10 Mas Amasa não deu atenção à espada que estava na mão de Joab; e com ela o feriu na quinta costela, e derramou suas entranhas por terra, e não o feriu novamente; e ele morreu. Joabe e Abisai, seu irmão, perseguiram Seba, filho de Bicri.

11 E um dos homens de Joab pôs-se ao lado dele, e disse: Aquele que favorece Joab, e aquele que é de Davi, vá atrás de Joab.

12 E Amasa chafurdou em sangue no meio do caminho. E quando o homem viu que todo o povo estava parado, ele tirou Amasa do caminho para o campo, e lançou um pano sobre ele, quando viu que todos os que passavam por ele estavam parados.

13 Quando ele foi tirado do caminho, todo o povo foi atrás de Joabe, para perseguir Seba, filho de Bicri.

14 E passou por todas as tribos de Israel até Abel, e Bete-Maacá, e todos os beritas; e ajuntaram-se, e também o seguiram.

15 E eles vieram e o cercaram em Abel de Bet-maachah, e eles levantaram um barranco contra a cidade, e ela ficou na trincheira; e todo o povo que estava com Joabe derrubou o muro, para derrubá-lo.

16 Então clamou uma mulher sábia da cidade: Ouça, ouça; dizes, peço-te, a Joabe: chega-te aqui, para que eu fale contigo.

17 E quando ele se aproximou dela, a mulher disse: És tu Joab? E ele respondeu, eu sou ele. Então ela lhe disse: Ouve as palavras da tua serva. E ele respondeu, eu ouço.

18 Então ela falou, dizendo: Antigamente eles costumavam falar, dizendo: Certamente consultarão Abel; e assim encerraram o assunto.

19 Eu sou um dos pacíficos e fiéis em Israel; tu procuras destruir uma cidade e uma mãe em Israel; por que engolirás a herança do Senhor?

20 E Joab respondeu e disse: Longe esteja, longe de mim, que eu devore ou destrua.

21 A questão não é assim; mas um homem do monte Efraim, chamado Seba, filho de Bicri, levantou a mão contra o rei, sim, contra Davi; livrai-o somente, e partirei da cidade. E a mulher disse a Joabe: Eis que a sua cabeça te será lançada sobre o muro.

22 Então a mulher foi a todo o povo na sua sabedoria; e cortaram a cabeça de Sabá, filho de Bicri, e a lançaram a Joabe. E ele tocou a trombeta, e eles se retiraram da cidade, cada um para sua tenda. E Joab voltou a Jerusalém ao rei.

23 Ora, Joab estava sobre todo o exército de Israel; e Benaia, filho de Jeoiada, estava sobre os quereteus e sobre os peleteus;

24 E Adoram estava sobre o tributo; e Josafá, filho de Ahilud, foi registrador;

25 E Sheva era escriba; e Zadoque e Abiatar eram os sacerdotes;

26 E também Ira, o jairita, era o principal governante de Davi.  


CAPÍTULO 21

Três anos de fome – Davi enterra os ossos de Saul e Jônatas – Quatro batalhas contra os filisteus.

1 Houve fome nos dias de Davi por três anos, ano após ano; e Davi consultou ao Senhor. E o Senhor respondeu: É para Saul e para a sua casa sangrenta, porque ele matou os gibeonitas.

2 E o rei chamou os gibeonitas, e disse-lhes; (agora os gibeonitas não eram dos filhos de Israel, mas do remanescente dos amorreus; e os filhos de Israel haviam jurado a eles; e Saul procurou matá-los em seu zelo aos filhos de Israel e Judá;)

3 Por isso Davi disse aos gibeonitas: Que farei por vós? e com que farei a expiação, para que abençoeis a herança do Senhor?

4 E os gibeonitas lhe disseram: Não teremos prata nem ouro de Saul, nem de sua casa; nem por nós matarás homem algum em Israel. E ele disse: O que você disser, isso eu farei por você.

5 E eles responderam ao rei: O homem que nos consumiu, e que planejou contra nós que deveríamos ser destruídos de permanecer em qualquer das costas de Israel,

6 De seus filhos nos sejam entregues sete homens, e os enforcaremos ao Senhor em Gibeá de Saul, a quem o Senhor escolheu. E o rei disse, eu os darei.

7 Mas o rei poupou Mefibosete, filho de Jônatas, filho de Saul, por causa do juramento do Senhor que havia entre eles, entre Davi e Jônatas, filho de Saul.

8 Mas o rei tomou os dois filhos de Rispa, filha de Aías, que ela deu à luz a Saul, Armoni e Mefibosete; e os cinco filhos de Mical, filha de Saul, que ela criou para Adriel, filho de Barzilai, o meolatita;

9 E ele os entregou nas mãos dos gibeonitas, e eles os enforcaram no monte diante do Senhor; e caíram todos os sete juntos, e foram mortos nos dias da colheita, nos primeiros dias, no início da colheita da cevada.

10 E Rispa, filha de Aiah, tomou pano de saco e o estendeu para ela sobre a rocha, desde o início da colheita até que a água caiu sobre eles do céu, e não permitiu que as aves do céu pousassem sobre eles durante o dia, nem o feras do campo à noite.

11 E foi dito a Davi o que Rispa, filha de Aías, concubina de Saul, havia feito.

12 E Davi foi e tomou os ossos de Saul e os ossos de Jônatas, seu filho, dos homens de Jabes-Gileade, que os haviam roubado da praça de Bete-Sã, onde os filisteus os enforcaram, quando os filisteus mataram Saul em Gilboa;

13 E dali fez subir os ossos de Saul e os ossos de Jônatas, seu filho; e recolheram os ossos dos enforcados.

14 E os ossos de Saul e Jônatas, seu filho, sepultaram na terra de Benjamim, em Zela, no sepulcro de Quis, seu pai; e eles fizeram tudo o que o rei ordenou. E depois disso Deus foi implorado pela terra.

15 Além disso, os filisteus ainda guerrearam novamente com Israel; e Davi desceu, e seus servos com ele, e pelejou contra os filisteus; e David desmaiou.

16 E Isbi-Benobe, que era dos filhos do gigante, cuja lança pesava trezentos siclos de bronze, cingido de espada nova, julgou ter matado a Davi.

17 Mas Abisai, filho de Zeruia, socorreu-o, feriu o filisteu e o matou. Então os homens de Davi lhe juraram, dizendo: Não sairás mais conosco à peleja, para que não apagues a luz de Israel.

18 E aconteceu depois disso que houve novamente uma batalha contra os filisteus em Gob; então Sibecai, o husatita, matou Safe, que era dos filhos do gigante.

19 E houve novamente uma batalha em Gob com os filisteus, onde Elhanan, filho de Jaare-Oregim, um belemita, matou o irmão de Golias, o giteu, cuja lança era como o feixe de um tecelão.

20 E houve ainda uma batalha em Gate, onde estava um homem de grande estatura, que tinha em cada mão seis dedos e em cada pé seis dedos do pé, vinte e quatro em número; e ele também nasceu do gigante.

21 E quando ele desafiou a Israel, Jônatas, filho de Simeá, irmão de Davi, o matou.

22 Estes quatro nasceram do gigante em Gate, e caíram pelas mãos de Davi e pelas mãos de seus servos.  


CAPÍTULO 22

Um salmo de ação de graças.

1 E Davi falou ao Senhor as palavras deste cântico, no dia em que o Senhor o livrou das mãos de todos os seus inimigos, e das mãos de Saul;

2 E disse: O Senhor é o meu rochedo, e a minha fortaleza, e o meu libertador;

3 O Deus da minha rocha; nele confiarei; ele é meu escudo, e a força da minha salvação, minha torre alta, e meu refúgio, meu salvador; tu me salvas da violência.

4 Invocarei o Senhor, que é digno de louvor; assim serei salvo dos meus inimigos.

5 Quando as ondas da morte me cercaram, as torrentes dos ímpios me amedrontaram;

6 As dores do inferno me cercaram; as armadilhas da morte me impediram.

7 Na minha angústia invoquei o Senhor, e clamei ao meu Deus; e ele ouviu minha voz do seu templo, e meu clamor entrou em seus ouvidos.

8 Então a terra tremeu e estremeceu; os fundamentos do céu se moveram e estremeceram, porque ele se indignou.

9 Saiu fumaça de suas narinas, e fogo de sua boca devorou; carvões foram acesos por ele.

10 Inclinou também os céus e desceu, e havia trevas debaixo dos seus pés.

11 E ele montou em um querubim, e voou; e ele foi visto nas asas do vento.

12 E ele fez pavilhões escuros ao seu redor, águas escuras e nuvens espessas do céu.

13 Pelo resplendor diante dele acenderam-se brasas de fogo.

14 Do céu trovejou o Senhor, e o Altíssimo fez ouvir a sua voz.

15 E ele enviou flechas, e os dispersou; relâmpago, e os desconcertou.

16 E os canais do mar apareceram, os fundamentos do mundo foram descobertos, pela repreensão do Senhor, pelo sopro do sopro de suas narinas.

17 Ele enviou de cima, ele me levou; ele me tirou de muitas águas;

18 Ele me livrou do meu forte inimigo e daqueles que me odiavam; pois eles eram fortes demais para mim.

19 Eles me impediram no dia da minha calamidade; mas o Senhor foi a minha estadia.

20 Também me trouxe para um lugar espaçoso; ele me livrou, porque se deleitou em mim.

21 O Senhor me recompensou conforme a minha justiça; conforme a pureza das minhas mãos ele me recompensou.

22 Pois guardei os caminhos do Senhor, e não me afastei impiamente do meu Deus.

23 Pois todos os seus juízos estavam diante de mim; e quanto aos seus estatutos, não me afastei deles.

24 Também fui reto diante dele, e guardei-me da minha iniqüidade.

25 Por isso o Senhor me recompensou conforme a minha justiça; segundo a minha pureza aos seus olhos.

26 Com o misericordioso te mostras misericordioso, e com o justo te mostras reto.

27 Com o puro te mostrarás puro; e com o perverso te mostrarás desagradável.

28 E salvarás o povo aflito; mas os teus olhos estão sobre os altivos, para os derrubares.

29 Pois tu és a minha lâmpada, ó Senhor; e o Senhor iluminará minhas trevas.

30 Pois por ti atravessei uma tropa; por meu Deus eu pulei um muro.

31 Quanto a Deus, seu caminho é perfeito; a palavra do Senhor é provada; ele é um escudo para todos os que nele confiam.

32 Pois quem é Deus, senão o Senhor? e quem é uma rocha, senão o nosso Deus?

33 Deus é minha força e poder; e ele faz o meu caminho perfeito.

34 Ele faz os meus pés como os da corça; e me põe nos meus lugares altos.

35 Ensina as minhas mãos à guerra; para que um arco de aço seja quebrado pelos meus braços.

36 Tu também me deste o escudo da tua salvação; e tua mansidão me engrandeceu.

37 Alargaste os meus passos debaixo de mim; para que meus pés não escorregassem.

38 Persegui os meus inimigos e os destruí; e não me voltei até que eu os tivesse consumido.

39 E eu os consumi, e os feri, para que não pudessem se levantar; sim, eles estão caídos sob meus pés.

40 Pois tu me cingiste de força para a batalha; os que se levantaram contra mim os subjugaste.

41 Tu também me deste os pescoços dos meus inimigos, para que eu destrua os que me odeiam.

42 Eles olharam, mas não havia quem salvasse; até ao Senhor, mas ele não lhes respondeu.

43 Então os esmaguei como o pó da terra; Eu os marquei como a lama da rua e os espalhei no exterior.

44 Tu também me livraste das contendas do meu povo, guardaste-me como cabeça dos gentios; um povo que eu não conhecia me servirá.

45 Estranhos se submeterão a mim; assim que eles ouvirem, eles serão obedientes a mim.

46 Estrangeiros desaparecerão, e terão medo de seus esconderijos.

47 O Senhor vive; e bendita seja a minha rocha; e exaltado seja o Deus da rocha da minha salvação.

48 É Deus que me vinga, e que traz o povo a mim,

49 E isso me tira dos meus inimigos; também me elevaste acima dos que se levantaram contra mim; tu me livraste do homem violento.

50 Por isso te darei graças, ó Senhor, entre os gentios, e cantarei louvores ao teu nome.

51 Ele é a torre de salvação para o seu rei; e mostra misericórdia ao seu ungido, a Davi, e à sua descendência para sempre.  


CAPÍTULO 23

A fé de Davi nas promessas de Deus – os homens poderosos de Davi.

1 Ora, estas são as últimas palavras de Davi. Davi, filho de Jessé, disse, e o homem que foi levantado no alto, o ungido do Deus de Jacó, e o doce salmista de Israel, disse:

2 O Espírito do Senhor falou por mim, e a sua palavra estava na minha língua.

3 Disse o Deus de Israel, a Rocha de Israel me falou: Aquele que governa os homens deve ser justo, governando no temor de Deus.

4 E ele será como a luz da manhã, ao nascer do sol, como a manhã sem nuvens; como a tenra grama que brota da terra por um claro brilho após a chuva.

5 Ainda que minha casa não seja assim com Deus; contudo, ele fez comigo uma aliança eterna, ordenada em todas as coisas e segura; pois esta é toda a minha salvação e todo o meu desejo, embora ele não faça crescer.

6 Mas os filhos de Belial serão todos eles como espinhos lançados fora, porque não podem ser apanhados com as mãos;

7 Mas o homem que os tocar deve ser cercado com ferro e com a haste de uma lança; e serão totalmente queimados a fogo no mesmo lugar.

8 Estes são os nomes dos valentes que Davi tinha: o tacmonita que estava assentado no trono, chefe entre os capitães; o mesmo foi Adino, o eznita; ele levantou sua lança contra oitocentos, a quem matou de uma só vez.

9 E depois dele estava Eleazar, filho de Dodo, o aoíta, um dos três valentes com Davi, quando eles desafiaram os filisteus que estavam ali reunidos para a batalha, e os homens de Israel foram embora.

10 Ele se levantou e feriu os filisteus até que sua mão se cansou, e sua mão se agarrou à espada; e o Senhor operou uma grande vitória naquele dia; e o povo voltou atrás dele apenas para saquear.

11 E depois dele foi Shamah, filho de Agee, o Hararite. E os filisteus foram reunidos em uma tropa, onde havia um terreno cheio de lentilhas; e o povo fugiu dos filisteus.

12 Mas ele se pôs no meio da terra, e a defendeu, e matou os filisteus; e o Senhor operou uma grande vitória.

13 E três dos trinta chefes desceram e foram ter com Davi na época da colheita, na caverna de Adulão; e a tropa dos filisteus acampada no vale de Refaim.

14 E Davi estava então em um porão, e a guarnição dos filisteus estava então em Belém.

15 E David ansiava, e disse: Oh, quem me der de beber da água do poço de Belém, que está junto à porta!

16 E os três valentes atravessaram o exército dos filisteus, e tiraram água do poço de Belém, que estava junto à porta, e a tomaram, e a trouxeram a Davi; não obstante, não quis beber dela, mas derramou-a ao Senhor.

17 E ele disse: Longe de mim, ó Senhor, que eu faça isso; não é este o sangue dos homens que correram risco de vida? portanto, ele não a beberia. Estas coisas fizeram estes três valentes.

18 E Abisai, irmão de Joab, filho de Zeruiah, era o chefe entre três. E ele levantou a sua lança contra trezentos, e os matou, e teve o nome entre três.

19 Não era ele o mais honrado dos três? portanto, ele era seu capitão; porém ele não atingiu os três primeiros.

20 E Benaia, filho de Jeoiada, filho de um homem valente, de Kabzeel, que havia feito muitos atos, matou dois moabitas semelhantes a leões; ele também desceu e matou um leão no meio de uma cova em tempo de neve.

21 E ele matou um egípcio, um homem bom; e o egípcio tinha uma lança na mão; mas ele desceu a ele com um cajado, e arrancou a lança da mão do egípcio, e o matou com sua própria lança.

22 Estas coisas fez Benaia, filho de Jeoiada, e teve o nome entre três valentes.

23 Ele foi mais ilustre do que os trinta, mas não alcançou os três primeiros. E Davi o colocou sobre sua guarda.

24 Asael, irmão de Joab, era um dos trinta; Elhanan, filho de Dodô de Belém,

25 Samá, o Harodita, Elika, o Harodite,

26 Helez, o paltita, Ira, filho de Ikkesh, o tecoíta,

27 Abiezer, o anetotita, Mebunai, o husatita,

28 Zalmom, o aoíta, Maaral, o netofatita,

29 Helebe, filho de Maaná, netofatita, Itai, filho de Ribai, de Gibeá, dos filhos de Benjamim,

30 Benaia, o piratonita, Hidai dos ribeiros de Gaás,

31 Abi-Albon, o arbatita, Azmavete, o barumita,

32 Eliaba, o salbonita, dos filhos de Jasen, Jônatas,

33 Samá, o hararita, Aiam, filho de Sharar, o hararita,

34 Elifelete, filho de Ahasbai, filho do maacatita, Eliam, filho de Aitofel, o gilonita,

35 Esdras, o carmelita, Paarai, o arbita,

36 Igal, filho de Natã de Zobá, Bani, o gadita,

37 Zeleque, o amonita, Naari, o beerotita, escudeiro de Joabe, filho de Zeruia,

38 Ira um itrita, Bareb um itrita,

39 Urias, o heteu; trinta e sete ao todo.  


CAPÍTULO 24

Davi, tentado por Satanás, conta o povo – Davi escolhe a peste de três dias – Davi pelo arrependimento evita a destruição de Jerusalém.

1 E novamente a ira do Senhor se acendeu contra Israel, e ele incitou Davi contra eles a dizer: Vai, conta Israel e Judá.

2 Pois o rei disse a Joabe, capitão do exército, que estava com ele: Passa agora por todas as tribos de Israel, desde Dã até Berseba, e conta o povo, para que eu saiba o número do povo .

3 E Joab disse ao rei: Agora o Senhor teu Deus acrescente ao povo, quantos são, cem vezes mais, para que os olhos do rei meu senhor o vejam; mas por que meu senhor, o rei, se deleita com isso?

4 Não obstante, a palavra do rei prevaleceu contra Joabe e contra os capitães do exército. E Joabe e os capitães do exército saíram da presença do rei, para contar o povo de Israel.

5 E passaram o Jordão, e acamparam-se em Aroer, à direita da cidade que fica no meio do rio de Gade, e em direção a Jazer;

6 Então eles chegaram a Gileade, e à terra de Tahtim-hodshi; e chegaram a Dan-jaan, e perto de Sidom,

7 E chegou à fortaleza de Tiro e a todas as cidades dos heveus e dos cananeus; e saíram para o sul de Judá, até Berseba.

8 Tendo percorrido toda a terra, chegaram a Jerusalém ao cabo de nove meses e vinte dias.

9 E Joab entregou ao rei a soma do número do povo; e havia em Israel oitocentos mil homens valentes que puxavam a espada; e os homens de Judá eram quinhentos mil homens.

10 E o coração de Davi o feriu depois que ele contou o povo. E disse Davi ao Senhor: Pequei muito no que fiz; e agora, rogo-te, ó Senhor, tira a iniqüidade do teu servo; pois fiz muita tolice.

11 Pois, levantando-se Davi pela manhã, veio a palavra do Senhor ao profeta Gade, vidente de Davi, dizendo:

12 Vai e dize a David: Assim diz o Senhor: Três coisas te ofereço; escolhe-te um deles, para que eu te faça.

13 Então Gade veio a Davi, e lhe contou, e disse-lhe: Porventura, sete anos de fome virão a ti na tua terra? ou fugirás três meses diante de teus inimigos, enquanto eles te perseguem? ou que haja três dias de peste em tua terra? agora aconselha, e vê que resposta darei àquele que me enviou.

14 E disse David a Gad: Estou em grande apuro; caiamos agora nas mãos do Senhor; pois suas misericórdias são grandes; e não me deixe cair nas mãos do homem.

15 Então o Senhor enviou uma peste sobre Israel desde a manhã até o tempo determinado; e morreram do povo desde Dã até Berseba setenta mil homens.

16 E quando o anjo estendeu a mão sobre Jerusalém para destruí-la, o Senhor lhe disse: Fica agora a tua mão, basta; porque o povo se arrependeu, e o Senhor deteve a mão do anjo, para que não destruísse o povo. E o anjo do Senhor estava junto à eira de Araúna, o jebuseu.

17 Pois Davi falou ao Senhor quando viu o anjo que ferira o povo, e disse: Eis que pequei e procedi impiamente; mas estas ovelhas, o que fizeram? que a tua mão, peço-te, seja contra mim e contra a casa de meu pai.

18 E Gad veio naquele dia a Davi, e disse-lhe: Sobe, levanta um altar ao Senhor na eira de Araúna, o jebuseu.

19 E David, conforme a palavra de Gad, subiu como o Senhor ordenara.

20 E Arunah olhou, e viu o rei e seus servos vindo em sua direção; e Arunah saiu e prostrou-se diante do rei com o rosto em terra.

21 E Arunah disse: Por que meu Senhor, o rei, veio ao seu servo? E disse Davi: Para comprares a tua eira, para edificares um altar ao Senhor, para que a praga se afaste do povo.

22 E disse Araúna a Davi: Tome e ofereça o rei meu senhor o que lhe parecer bem; eis aqui bois para holocausto, e trilhas e outros instrumentos dos bois para lenha.

23 Todas essas coisas Arunah, como rei, deu ao rei. E Araúna disse ao rei: O Senhor teu Deus te aceite.

24 E o rei disse a Arunah: Não; mas certamente o comprarei de ti por um preço; nem oferecerei holocaustos ao Senhor meu Deus daquilo que não me custa nada. Então Davi comprou a eira e os bois por cinqüenta siclos de prata.

25 E Davi edificou ali um altar ao Senhor, e ofereceu holocaustos e ofertas pacíficas. Então o Senhor foi implorado pela terra, e a praga foi impedida de Israel.

Biblioteca das Escrituras:

Dica de pesquisa

Digite uma única palavra ou use aspas para pesquisar uma frase inteira (por exemplo, "porque Deus amou o mundo de tal maneira").

The Remnant Church Headquarters in Historic District Independence, MO. Church Seal 1830 Joseph Smith - Church History - Zionic Endeavors - Center Place

Para recursos adicionais, visite nosso Recursos para membros página.