Levítico

Levítico

CAPÍTULO 1

Os holocaustos.

1 E chamou o Senhor a Moisés, e falou-lhe da tenda da congregação, dizendo:

2 Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Se algum de vós trouxer oferta ao Senhor, trarei a vossa oferta de gado, de gado e de ovelhas.

3 Se a sua oferta for holocausto de gado, ofereça um macho sem defeito; ele o oferecerá de sua própria vontade à porta da tenda da congregação perante o Senhor.

4 E porá a mão sobre a cabeça do holocausto; e será aceito que ele faça expiação por ele.

5 E degolará o novilho perante o Senhor; e os sacerdotes, filhos de Arão, trarão o sangue, e espargirão o sangue ao redor sobre o altar que está junto à porta da tenda da congregação.

6 E esfolará o holocausto e o cortará em pedaços.

7 E os filhos de Arão, o sacerdote, porão fogo sobre o altar, e porão em ordem a lenha sobre o fogo;

8 E os sacerdotes, filhos de Arão, porão em ordem as partes, a cabeça e a gordura, sobre a lenha que está no fogo que está sobre o altar;

9 Mas as suas entranhas e as suas pernas lavarão em água; eo sacerdote queimará tudo sobre o altar, para holocausto, oferta queimada de cheiro suave ao Senhor.

10 E se a sua oferta for de gado miúdo, de ovelhas ou de bodes, para holocausto; ele lhe trará um macho sem defeito.

11 E o degolará ao lado do altar para o norte, perante o Senhor; e os sacerdotes, filhos de Arão, espargirão o seu sangue ao redor sobre o altar;

12 E o cortará em pedaços, com sua cabeça e sua gordura; e o sacerdote os porá em ordem sobre a lenha que está no fogo que está sobre o altar.

13 Mas ele lavará as entranhas e as pernas com água; e o sacerdote trará tudo, e o queimará sobre o altar; é holocausto, oferta queimada de cheiro suave ao Senhor.

14 E se o holocausto por sua oferta ao Senhor for de aves, então trará a sua oferta de rolas ou de pombinhos.

15 E o sacerdote a trará ao altar, e torcerá sua cabeça, e a queimará sobre o altar; e o seu sangue será torcido ao lado do altar;

16 E ele arrancará o seu papo com as suas penas, e o lançará junto ao altar do lado oriental, junto ao lugar da cinza.

17 E ele a partirá com as suas asas, mas não a dividirá; e o sacerdote a queimará sobre o altar, sobre a lenha que está no fogo; é holocausto, oferta queimada de cheiro suave ao Senhor.

CAPÍTULO 2

As ofertas de carne.

1 E quando alguém oferecer uma oferta de cereais ao Senhor, a sua oferta será de flor de farinha; e ele derramará azeite sobre ela, e porá incenso sobre ela.

2 E a trará aos filhos de Arão, os sacerdotes; e dele tirará o seu punhado da sua farinha e do seu azeite, com todo o seu incenso; e o sacerdote queimará o memorial sobre o altar, para oferta queimada de cheiro suave ao Senhor;

3 E o restante da oferta de cereais será de Arão e de seus filhos; é uma coisa santíssima das ofertas queimadas do Senhor.

4 E, se trouxeres oferta de cereais assada no forno, serão bolos ázimos de flor de farinha, amassados com azeite, ou coscorões ázimos untados com azeite.

5 E se a tua oferta for oferta de cereais assada na panela, será de flor de farinha sem fermento, amassada com azeite.

6 Tu a partirás em pedaços e deitarás azeite sobre ela; é uma oferta de carne.

7 E se a tua oferta for oferta de cereais assada na frigideira, far-se-á de flor de farinha com azeite.

8 E trarás a oferta de manjares que se fizer destas coisas ao Senhor; e quando for apresentado ao sacerdote, ele o trará ao altar.

9 E o sacerdote tomará da oferta de cereais um memorial dela, e a queimará sobre o altar; é oferta queimada, de cheiro suave ao Senhor.

10 E o que sobrar da oferta de cereais será de Arão e de seus filhos; é uma coisa santíssima das ofertas queimadas do Senhor.

11 Nenhuma oferta de alimentos que trouxerdes ao Senhor será feita com fermento; porque não queimareis fermento nem mel em nenhuma oferta queimada ao Senhor.

12 Quanto à oferta das primícias, vós as oferecereis ao Senhor; mas não serão queimados no altar por cheiro suave.

13 E todas as ofertas da tua oferta de cereais temperarás com sal; nem permitirás que falte o sal da aliança de teu Deus na tua oferta de alimentos; com todas as tuas ofertas oferecerás sal.

14 E, se ofereceres ao Senhor uma oferta de cereais das tuas primícias, oferecerás como oferta de cereais das tuas primícias espigas verdes tostadas ao fogo, isto é, milho batido de espigas cheias.

15 E porás sobre ela azeite, e porás sobre ela incenso; é uma oferta de carne.

16 E o sacerdote queimará o memorial dele, parte do seu grão batido, e parte do seu azeite, com todo o seu incenso; é oferta queimada ao Senhor.

CAPÍTULO 3

As ofertas de paz.

1 E se a sua oferta for sacrifício pacífico, se a oferecer de gado bovino, seja macho ou fêmea, a oferecerá sem defeito perante o Senhor.

2 E porá a mão sobre a cabeça da sua oferta, e a imolará à porta da tenda da congregação; e os filhos de Arão, os sacerdotes, espargirão o sangue sobre o altar ao redor.

3 E do sacrifício pacífico oferecerá uma oferta queimada ao Senhor; a gordura que cobre a fressura, e toda a gordura que está sobre a fressura.

4 E os dois rins, e a gordura que está sobre eles, que está junto aos flancos, e o redenho por cima do fígado, com os rins, ele os tirará.

5 E os filhos de Arão o queimarão sobre o altar sobre o holocausto que está sobre a lenha que está no fogo; é oferta queimada, de cheiro suave ao Senhor.

6 E se a sua oferta por sacrifício pacífico ao Senhor for de gado miúdo, macho ou fêmea, ele a oferecerá sem defeito.

7 Se ele oferecer um cordeiro por sua oferta, então o oferecerá perante o Senhor.

8 E porá a mão sobre a cabeça da sua oferta e a degolará diante da tenda da congregação; e os filhos de Arão espargirão o seu sangue ao redor sobre o altar.

9 E do sacrifício pacífico oferecerá uma oferta queimada ao Senhor; a sua gordura, e toda a garupa, tirará com força pela espinha; e a gordura que cobre a fressura, e toda a gordura que está sobre a fressura.

10 E os dois rins, e a gordura que está sobre eles, que está junto aos flancos, e o redenho por cima do fígado, com os rins, ele os tirará.

11 E o sacerdote a queimará sobre o altar; é o alimento da oferta queimada ao Senhor.

12 E se a sua oferta for um bode, então a oferecerá perante o Senhor.

13 E porá a mão sobre a cabeça dele e o degolará diante da tenda da congregação; e os filhos de Arão espargirão o seu sangue sobre o altar ao redor.

14 E dele fará a sua oferta, uma oferta queimada ao Senhor; a gordura que cobre a fressura, e toda a gordura que está sobre a fressura.

15 E os dois rins, e a gordura que está sobre eles, que está junto aos flancos, e o redenho por cima do fígado, com os rins, ele os tirará.

16 E o sacerdote os queimará sobre o altar; é o alimento da oferta queimada de cheiro suave; toda a gordura é do Senhor.

17 Estatuto perpétuo será para as vossas gerações, em todas as vossas habitações, que não comais nem gordura nem sangue.

CAPÍTULO 4

As ofertas pelo pecado.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Fala aos filhos de Israel, dizendo: Se uma alma pecar por ignorância contra algum dos mandamentos do Senhor acerca de coisas que não devem ser feitas, e fizer contra algum deles;

3 Se o sacerdote ungido pecar conforme o pecado do povo; então traga pelo seu pecado que pecou, um novilho sem defeito ao Senhor como oferta pelo pecado.

4 E trará o novilho à porta da tenda da congregação perante o Senhor; e porá a mão sobre a cabeça do novilho, e degolará o novilho perante o Senhor.

5 E o sacerdote ungido tomará do sangue do novilho e o trará à tenda da congregação;

6 E o sacerdote molhará o dedo no sangue, e do sangue espargirá sete vezes perante o Senhor, diante do véu do santuário.

7 E o sacerdote porá do sangue sobre as pontas do altar do incenso aromático perante o Senhor, que está na tenda da congregação; e todo o sangue do novilho derramará ao pé do altar do holocausto, que está à porta da tenda da congregação.

8 E dele tirará toda a gordura do novilho para a oferta pelo pecado; a gordura que cobre a fressura, e toda a gordura que está sobre a fressura,

9 E os dois rins e a gordura que está sobre eles, que está junto aos flancos, e o redenho sobre o fígado, com os rins, ele os tirará,

10 Como foi tirado do novilho do sacrifício de ofertas pacíficas; e o sacerdote os queimará sobre o altar do holocausto.

11 E a pele do novilho, e toda a sua carne, com a sua cabeça, e com as suas pernas, e as suas entranhas, e o seu esterco.

12 Levará até o novilho inteiro para fora do arraial a um lugar limpo, onde se derramará a cinza, e o queimará na lenha; onde as cinzas forem derramadas, ele será queimado.

13 E se toda a congregação de Israel pecar por ignorância, e a coisa for ocultada aos olhos da congregação, e eles tiverem feito alguma coisa contra qualquer dos mandamentos do Senhor a respeito de coisas que não devem ser feitas, e são culpadas;

14 Quando o pecado que cometeram contra ela for conhecido, então a congregação oferecerá um novilho pelo pecado, e o trará diante da tenda da congregação.

15 E os anciãos da congregação porão as mãos sobre a cabeça do novilho perante o Senhor; e o novilho será morto perante o Senhor.

16 E o sacerdote ungido trará do sangue do novilho à tenda da congregação;

17 E o sacerdote molhará o dedo no sangue, e o espargirá sete vezes diante do Senhor, mesmo diante do véu.

18 E porá do sangue sobre as pontas do altar que está diante do Senhor, que está na tenda da congregação, e derramará todo o sangue ao fundo do altar do holocausto, que é à porta do tabernáculo da congregação.

19 E tomará dele toda a sua gordura, e a queimará sobre o altar.

20 E fará com o novilho como fez com o novilho para oferta pelo pecado, assim fará com isto; e o sacerdote fará expiação por eles, e ser-lhes-á perdoado.

21 E levará o novilho para fora do arraial, e o queimará como queimou o primeiro novilho; é uma oferta pelo pecado para a congregação.

22 Quando um governante pecou e fez alguma coisa por ignorância contra qualquer um dos mandamentos do Senhor seu Deus a respeito de coisas que não devem ser feitas, e é culpado;

23 Ou se o seu pecado em que pecou chega ao seu conhecimento; ele trará a sua oferta, um cabrito, um macho sem defeito;

24 E porá a mão sobre a cabeça do bode, e o degolará no lugar em que degolam o holocausto perante o Senhor; é uma oferta pelo pecado.

25 E o sacerdote tomará do sangue da oferta pelo pecado com o dedo, e o porá sobre as pontas do altar do holocausto, e derramará o seu sangue ao fundo do altar do holocausto.

26 E queimará toda a sua gordura sobre o altar, como a gordura do sacrifício de ofertas pacíficas; e o sacerdote fará por ele expiação do seu pecado, e ser-lhe-á perdoado.

27 E se alguém da plebe pecar por ignorância, enquanto fizer alguma coisa contra qualquer dos mandamentos do Senhor a respeito de coisas que não devem ser feitas, e for culpado;

28 Ou se o seu pecado, que pecou, chegou ao seu conhecimento; então trará a sua oferta, um cabrito, uma fêmea sem defeito, pelo seu pecado que pecou.

29 E porá a mão sobre a cabeça da oferta pelo pecado, e a degolará no lugar do holocausto.

30 E o sacerdote tomará do seu sangue com o dedo, e o porá sobre as pontas do altar do holocausto, e todo o seu sangue derramará ao fundo do altar.

31 E tirará toda a sua gordura, como se tira a gordura do sacrifício de ofertas pacíficas; e o sacerdote a queimará sobre o altar por cheiro suave ao Senhor; e o sacerdote fará expiação por ele, e ser-lhe-á perdoado.

32 E se trouxer um cordeiro para expiação do pecado, trará uma fêmea sem defeito.

33 E porá a mão sobre a cabeça da oferta pelo pecado, e a degolará por oferta pelo pecado no lugar onde degolam o holocausto.

34 E o sacerdote tomará do sangue da oferta pelo pecado com o dedo, e o porá sobre as pontas do altar do holocausto, e todo o seu sangue derramará ao fundo do altar;

35 E tirará toda a sua gordura, como se tira a gordura do cordeiro do sacrifício das ofertas pacíficas; e o sacerdote os queimará sobre o altar, conforme as ofertas queimadas ao Senhor; eo sacerdote fará expiação do pecado que cometeu, e ser-lhe-á perdoado.

CAPÍTULO 5

Ofertas para o pecado.

1 E se uma alma pecar, e ouvir a voz do juramento, e for testemunha, quer tenha visto ou sabido disso; se não o proferir, levará sobre si a sua iniqüidade.

2 Ou se uma alma tocar em alguma coisa impura, seja cadáver de animal imundo, ou cadáver de gado imundo, ou cadáver de réptil imundo, e se lhe for ocultado; também será imundo e culpado.

3 Ou, se tocar na impureza do homem, qualquer impureza com que o homem se contamine, e lhe seja ocultada; quando ele souber disso, então ele será culpado.

4 Ou, se uma alma jurar, pronunciando com os lábios fazer o mal ou fazer o bem, tudo o que o homem pronunciar com juramento, e isso lhe for oculto; quando ele souber disso, então ele será culpado em um destes.

5 E será que, quando for culpado de uma dessas coisas, confessará que pecou nessa coisa;

6 E trará a sua oferta pela culpa ao Senhor pelo pecado que cometeu, uma fêmea do rebanho, um cordeiro ou um cabrito, como oferta pelo pecado; e o sacerdote fará por ele expiação do seu pecado.

7 E se não puder trazer um cordeiro, então, pela sua transgressão que cometeu, trará ao Senhor duas rolas ou dois pombinhos; um para oferta pelo pecado e o outro para holocausto.

8 E os trará ao sacerdote, que oferecerá primeiro a oferta pelo pecado, e arrancará a cabeça de seu pescoço, mas não a dividirá;

9 E espargirá do sangue da oferta pelo pecado sobre o lado do altar; e o resto do sangue será torcido ao fundo do altar; é uma oferta pelo pecado.

10 E oferecerá o segundo em holocausto, conforme o costume; eo sacerdote fará por ele expiação do pecado que cometeu, e ser-lhe-á perdoado.

11 Mas, se não puder trazer duas rolas ou dois pombinhos, o que pecou trará como oferta a décima parte de um efa de flor de farinha como oferta pelo pecado; não lhe deitará azeite, nem lhe deitará incenso; pois é uma oferta pelo pecado.

12 Então a trará ao sacerdote, e o sacerdote tomará seu punhado dela, que é seu memorial, e a queimará sobre o altar, conforme as ofertas queimadas ao Senhor; é uma oferta pelo pecado.

13 E o sacerdote fará expiação por ele quanto ao seu pecado que pecou em um destes, e ser-lhe-á perdoado; e o restante será do sacerdote, como oferta de alimentos.

14 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

15 Se uma alma pecar e pecar por ignorância, nas coisas sagradas do Senhor; então trará ao Senhor um carneiro sem defeito dentre os rebanhos, segundo o siclo do santuário, segundo a tua avaliação em siclos de prata, como oferta pela culpa;

16 E reparará o dano que tiver feito na coisa sagrada, e lhe acrescentará a quinta parte, e a dará ao sacerdote; e o sacerdote fará expiação por ele com o carneiro da oferta pela culpa, e ser-lhe-á perdoado.

17 E se uma alma pecar e cometer alguma destas coisas que são proibidas de serem feitas pelos mandamentos do Senhor; ainda que não o saiba, ainda assim é culpado, e levará sobre si a sua iniqüidade.

18 E trará um carneiro sem defeito do rebanho, com a tua avaliação, como oferta pela culpa, ao sacerdote; e o sacerdote fará por ele expiação da sua ignorância em que errou e não a percebeu, e ser-lhe-á perdoado.

19 É oferta pela culpa; certamente transgrediu contra o Senhor.

CAPÍTULO 6

Ofertas diversas.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Se uma alma pecar e pecar contra o Senhor, e mentir para o seu próximo naquilo que lhe foi entregue para guardar, ou em comunhão, ou na coisa tirada com violência, ou enganou o seu próximo;

3 Ou achou o que estava perdido, e mentiu sobre ele, e jurou falsamente; em qualquer de tudo isso que um homem fizer, pecando nele;

4 Então será que, porque pecou e é culpado, restituirá o que tirou com violência, ou o que obteve enganosamente, ou o que lhe foi entregue para guardar, ou o perdido que encontrado,

5 Ou tudo aquilo de que jurou falsamente; ele ainda o restituirá no principal, e acrescentará a quinta parte mais a ele, e o dará a quem pertence, no dia da sua oferta pela culpa.

6 E ele trará a sua oferta pela culpa ao Senhor, um carneiro sem defeito do rebanho, com a tua avaliação, como oferta pela culpa, ao sacerdote;

7 E o sacerdote fará expiação por ele perante o Senhor; e ser-lhe-á perdoado qualquer coisa de tudo quanto tiver feito em sua transgressão.

8 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

9 Ordena a Arão e a seus filhos, dizendo: Esta é a lei do holocausto; É o holocausto, por causa da queima sobre o altar toda a noite até a manhã, e o fogo do altar arderá nele.

10 E o sacerdote vestirá a sua túnica de linho, e os calções de linho sobre a sua carne, e recolherá a cinza que o fogo consumiu com o holocausto sobre o altar, e a porá ao lado do altar.

11 E ele despirá suas vestes, e vestirá outras vestes, e levará a cinza para fora do arraial para um lugar limpo.

12 E o fogo sobre o altar arderá nele; não será apagado; e o sacerdote queimará lenha sobre ela todas as manhãs, e porá em ordem sobre ela o holocausto; e nele queimará a gordura das ofertas pacíficas.

13 O fogo arderá continuamente sobre o altar; nunca sairá.

14 E esta é a lei da oferta de alimentos; Os filhos de Arão o oferecerão perante o Senhor, diante do altar.

15 E dele tomará o seu punhado da farinha da oferta de cereais, e do seu azeite, e todo o incenso que está sobre a oferta de cereais, e o queimará sobre o altar por cheiro suave, sim, o memorial disso, ao Senhor.

16 E o restante dele comerão Arão e seus filhos; com pães ázimos se comerá no lugar santo; no átrio da tenda da congregação o comerão.

17 Não se cozerá com fermento. Eu dei a eles por sua porção de minhas ofertas queimadas; é santíssima, como a oferta pelo pecado e como a oferta pela culpa.

18 Todos os homens entre os filhos de Arão comerão dela. Será estatuto perpétuo nas vossas gerações sobre as ofertas queimadas do Senhor; todo aquele que os tocar será santo.

19 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

20 Esta é a oferta de Arão e de seus filhos, que oferecerão ao Senhor no dia em que for ungido; a décima parte de um efa de flor de farinha para oferta de cereais perpétua, metade dela de manhã e metade à noite.

21 Numa panela se fará com azeite; e quando estiver assado, tu o trarás; e os pedaços cozidos da oferta de cereais oferecerás por cheiro suave ao Senhor.

22 E o sacerdote de seus filhos, que for ungido em seu lugar, o oferecerá; é estatuto perpétuo ao Senhor; será totalmente queimado.

23 Pois toda oferta de alimentos para o sacerdote será totalmente queimada; não deve ser comido.

24 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

25 Fala a Arão e a seus filhos, dizendo: Esta é a lei da oferta pelo pecado; No lugar onde o holocausto for morto, a oferta pelo pecado será sacrificada perante o Senhor; é o mais sagrado.

26 O sacerdote que o oferecer pelo pecado o comerá; no lugar santo se comerá, no átrio da tenda da congregação.

27 Tudo o que tocar na sua carne será santo; e quando do seu sangue for espargido sobre qualquer roupa, lavarás no lugar santo aquilo em que foi aspergido.

28 Mas o vaso de barro em que está encharcado será quebrado; e se for encharcado em uma vasilha de bronze, será lavado e lavado em água.

29 Todos os homens entre os sacerdotes comerão dela; é o mais sagrado.

30 E nenhuma oferta pelo pecado, da qual algum sangue for trazido à tenda da congregação para reconciliação no lugar santo, será comida; será queimado no fogo.

CAPÍTULO 7

A lei das ofertas.

1 Assim também esta é a lei da oferta pela culpa; é o mais sagrado.

2 No lugar em que degolarem o holocausto, degolarão a oferta pela culpa; e o seu sangue espargirá ao redor sobre o altar.

3 E dele oferecerá toda a sua gordura; a garupa, e a gordura que cobre a fressura.

4 E os dois rins, e a gordura que está sobre eles, que está junto aos flancos, e o redenho que está sobre o fígado, com os rins, ele os tirará;

5 E o sacerdote os queimará sobre o altar por oferta queimada ao Senhor; é uma oferta pela transgressão.

6 Todo varão entre os sacerdotes comerá dela; será comido no lugar santo; é o mais sagrado.

7 Como é a oferta pelo pecado, assim é a oferta pela culpa; há uma lei para eles; o sacerdote que com ela fizer expiação a terá.

8 E o sacerdote que oferecer o holocausto de qualquer homem, esse sacerdote terá para si o couro do holocausto que ofereceu.

9 E toda a oferta de alimentos que for assada no forno, e tudo o que for preparado na frigideira e na panela, será do sacerdote que a oferecer.

10 E toda oferta de cereais, amassada com azeite e seca, terá todos os filhos de Arão, tanto um como outro.

11 E esta é a lei do sacrifício de ofertas pacíficas, que ele oferecerá ao Senhor.

12 Se o oferecer por ação de graças, com o sacrifício de ação de graças oferecerá bolos asmos amassados com azeite, e coscorões asmos untados com azeite, e bolos amassados com azeite, de flor de farinha, fritos.

13 Além dos bolos, oferecerá como oferta pão levedado com o sacrifício de ação de graças das suas ofertas pacíficas.

14 E dela oferecerá um de toda a oferta em oferta alçada ao Senhor, e será do sacerdote que espargir o sangue das ofertas pacíficas.

15 E a carne do sacrifício de suas ofertas pacíficas por ação de graças se comerá no mesmo dia em que for oferecida; ele não deixará nada disso até a manhã seguinte.

16 Mas, se o sacrifício da sua oferta for voto ou oferta voluntária, no mesmo dia em que oferecer o seu sacrifício se comerá; e no dia seguinte também se comerá o resto;

17 Mas o restante da carne do sacrifício no terceiro dia será queimado no fogo.

18 E se alguma da carne do sacrifício de suas ofertas pacíficas for comida ao terceiro dia, não será aceita, nem será imputada àquele que a oferecer; será uma abominação, e a alma que dela comer levará sobre si a sua iniqüidade.

19 E a carne que tocar em alguma coisa impura não se comerá; será queimado com fogo; e quanto à carne, todos os que estiverem limpos comerão dela.

20 Mas a alma que comer da carne do sacrifício de ofertas pacíficas, que pertencem ao Senhor, tendo sobre si a sua imundícia, essa alma será extirpada do seu povo.

21 Além disso, a alma que tocar em alguma coisa impura, como a imundícia de homem, ou qualquer animal imundo, ou qualquer coisa abominável e impura, e comer da carne do sacrifício de ofertas pacíficas, que pertencem ao Senhor, essa alma ser cortado do seu povo.

22 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

23 Fala aos filhos de Israel, dizendo: Não comereis nenhuma gordura, nem de boi, nem de ovelha, nem de bode.

24 E a gordura do animal que morre por si mesma, e a gordura do que é dilacerado pelos animais, pode ser usada em qualquer outro uso; mas de modo algum comereis dela.

25 Pois qualquer que comer a gordura do animal, da qual se oferecer oferta queimada ao Senhor, a alma que a comer será extirpada do seu povo.

26 Além disso, nenhum tipo de sangue comereis, seja de aves, seja de animais, em nenhuma de vossas habitações.

27 Qualquer alma que comer qualquer tipo de sangue, essa alma será extirpada do seu povo.

28 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

29 Fala aos filhos de Israel, dizendo: Aquele que oferecer ao Senhor o seu sacrifício pacífico, trará ao Senhor a sua oferta do seu sacrifício pacífico.

30 Suas próprias mãos trarão as ofertas queimadas do Senhor, a gordura com o peito; ele trará, para que o peito seja movido por oferta movida perante o Senhor.

31 E o sacerdote queimará a gordura sobre o altar; mas o peito será de Arão e de seus filhos.

32 E o ombro direito dareis ao sacerdote por oferta alçada dos sacrifícios das vossas ofertas pacíficas.

33 Aquele entre os filhos de Arão, que oferecer o sangue das ofertas pacíficas e a gordura, terá o ombro direito para a sua parte.

34 Pois o peito movido e a pá alçada tomei dos filhos de Israel dos sacrifícios das suas ofertas pacíficas, e os dei a Arão, o sacerdote, e a seus filhos, por estatuto perpétuo, do meio dos filhos de Israel.

35 Esta é a porção da unção de Arão e da unção de seus filhos, das ofertas queimadas do Senhor, no dia em que os apresentou para ministrar ao Senhor no sacerdócio;

36 Que o Senhor ordenou que fosse dado aos filhos de Israel, no dia em que os ungiu, por estatuto perpétuo pelas suas gerações.

37 Esta é a lei do holocausto, da oferta de alimentos, da oferta pelo pecado, da oferta pela culpa, das consagrações e do sacrifício pacífico;

38 Que o Senhor ordenou a Moisés no monte Sinai, no dia em que ordenou aos filhos de Israel que oferecessem suas ofertas ao Senhor, no deserto do Sinai.

CAPÍTULO 8

Moisés consagra Arão e seus filhos – Suas ofertas.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Tome Arão e seus filhos com ele, e as vestes, e o óleo da unção, e um novilho para a expiação do pecado, e dois carneiros, e um cesto de pães ázimos;

3 E ajunta toda a congregação à porta da tenda da congregação.

4 E Moisés fez como o Senhor lhe ordenara; e a congregação foi reunida à porta da tenda da congregação.

5 E Moisés disse à congregação: Isto é o que o Senhor ordenou que fosse feito.

6 E Moisés trouxe Arão e seus filhos, e os lavou com água.

7 E vestiu-lhe a túnica, e cingiu-o com o cinto, e vestiu-o com o manto, e pôs o éfode sobre ele, e cingiu-o com o curioso cinto do éfode, e o amarrou com ele.

8 E pôs sobre ele o peitoral; também colocou no peitoral o Urim e o Tumim.

9 E pôs a mitra sobre a cabeça; também na mitra, mesmo na frente, ele colocou a placa de ouro, a coroa sagrada; como o Senhor ordenara a Moisés.

10 E Moisés tomou o óleo da unção, e ungiu o tabernáculo e tudo o que nele havia, e os santificou.

11 E aspergiu sobre o altar sete vezes, e ungiu o altar e todos os seus vasos, tanto a pia como o pé, para santificá-los.

12 E derramou o óleo da unção sobre a cabeça de Arão, e o ungiu, para santificá-lo.

13 E Moisés trouxe os filhos de Arão, e pôs sobre eles túnicas, e cingiu-os com cintos, e pôs gorros sobre eles; como o Senhor ordenara a Moisés.

14 E trouxe o novilho para a oferta pelo pecado; e Arão e seus filhos impuseram as mãos sobre a cabeça do novilho como oferta pelo pecado.

15 E ele o matou; e Moisés tomou o sangue, e o pôs sobre as pontas do altar ao redor com o dedo, e purificou o altar, e derramou o sangue na base do altar, e o santificou, para fazer reconciliação sobre ele.

16 E tomou toda a gordura que estava sobre as entranhas, e o redenho por cima do fígado, e os dois rins, e a sua gordura, e Moisés queimou-os sobre o altar.

17 Mas o novilho, sua pele, sua carne e seu esterco, ele queimou com fogo fora do arraial; como o Senhor ordenara a Moisés.

18 E trouxe o carneiro para o holocausto; e Arão e seus filhos impuseram as mãos sobre a cabeça do carneiro.

19 E ele o matou; e Moisés aspergiu o sangue sobre o altar ao redor.

20 E ele cortou o carneiro em pedaços; e Moisés queimou a cabeça, os pedaços e a gordura.

21 E lavou as entranhas e as pernas em água; e Moisés queimou todo o carneiro sobre o altar; foi holocausto de cheiro suave e oferta queimada ao Senhor; como o Senhor ordenara a Moisés.

22 E ele trouxe o outro carneiro, o carneiro da consagração; e Arão e seus filhos impuseram as mãos sobre a cabeça do carneiro.

23 E ele o matou; e Moisés tomou do sangue dele e o pôs na ponta da orelha direita de Arão, e no polegar da sua mão direita, e no dedão do seu pé direito.

24 E trouxe os filhos de Arão, e Moisés pôs do sangue na ponta de sua orelha direita, e nos polegares de suas mãos direitas, e nos dedões dos pés direitos; e Moisés aspergiu o sangue sobre o altar ao redor.

25 E tomou a gordura, e a garupa, e toda a gordura que estava sobre a fressura, e o redenho por cima do fígado, e os dois rins, e a sua gordura, e a pá direita;

26 E do cesto de pães ázimos, que estava diante do Senhor, tirou um bolo ázimo, e um bolo de pão untado com azeite, e uma hóstia, e os pôs sobre a gordura e sobre o ombro direito;

27 E pôs tudo nas mãos de Arão e de seus filhos, e os moveu por oferta movida perante o Senhor.

28 E Moisés os tirou de suas mãos e os queimou sobre o altar sobre o holocausto; eram consagrações de sabor suave; é oferta queimada ao Senhor.

29 E Moisés tomou o peito e o moveu como oferta movida perante o Senhor; pois do carneiro da consagração era parte de Moisés; como o Senhor ordenara a Moisés.

30 E Moisés tomou do óleo da unção, e do sangue que estava sobre o altar, e o aspergiu sobre Arão, e sobre suas vestes, e sobre seus filhos, e sobre as vestes de seus filhos com ele; e santificou Arão, e suas vestes, e seus filhos, e as vestes de seus filhos com ele.

31 E disse Moisés a Arão e a seus filhos: Cozei a carne à porta da tenda da congregação; e ali comê-lo com o pão que está no cesto das consagrações, como eu ordenei, dizendo: Arão e seus filhos o comerão.

32 E o que sobrar da carne e do pão queimareis no fogo.

33 E não saireis da porta da tenda da congregação em sete dias, até que terminem os dias da vossa consagração; por sete dias ele te consagrará.

34 Como ele fez hoje, assim o Senhor ordenou que se fizesse, para fazer expiação por vós.

35 Portanto ficareis à porta da tenda da congregação dia e noite sete dias, e guardareis a ordem do Senhor, para que não morrais; pois assim me é ordenado.

36 Assim Arão e seus filhos fizeram todas as coisas que o Senhor ordenara pela mão de Moisés.

CAPÍTULO 9

As primeiras ofertas de Arão – O fogo vem do Senhor.

1 E aconteceu que no oitavo dia, Moisés chamou Arão e seus filhos, e os anciãos de Israel;

2 E disse a Arão: Toma um bezerro para oferta pelo pecado e um carneiro para holocausto, sem defeito, e oferece-os perante o Senhor.

3 E aos filhos de Israel falarás, dizendo: Tomai um cabrito para oferta pelo pecado; e um bezerro e um cordeiro, ambos de um ano, sem defeito, para holocausto.

4 Também um novilho e um carneiro para ofertas pacíficas, para sacrificar perante o Senhor; e uma oferta de manjares amassada com azeite; pois hoje o Senhor aparecerá a vocês.

5 E trouxeram o que Moisés ordenara diante da tenda da congregação; e toda a congregação se aproximou e se pôs diante do Senhor.

6 E disse Moisés: Esta é a coisa que o Senhor ordenou que fizéssemos; e a glória do Senhor vos aparecerá.

7 E disse Moisés a Arão: Vai ao altar, e oferece a tua oferta pelo pecado, e o teu holocausto, e faz expiação por ti e pelo povo; e oferece a oferta do povo, e faz expiação por eles; como o Senhor ordenou.

8 Arão, pois, foi ao altar e matou o bezerro da oferta pelo pecado, que era para ele.

9 E os filhos de Arão trouxeram-lhe o sangue; e ele molhou o dedo no sangue, e o pôs sobre as pontas do altar, e derramou o sangue na base do altar.

10 Mas a gordura, e os rins, e o redenho sobre o fígado da oferta pelo pecado, ele queimou sobre o altar, como o Senhor ordenara a Moisés.

11 E a carne e o couro ele queimou com fogo fora do arraial.

12 E ele matou o holocausto; e os filhos de Arão apresentaram-lhe o sangue, que ele espargiu ao redor sobre o altar.

13 E apresentaram-lhe o holocausto com os seus pedaços e a cabeça; e os queimou sobre o altar.

14 E lavou as entranhas e as pernas, e as queimou sobre o holocausto sobre o altar.

15 E ele trouxe a oferta do povo, e tomou o bode, que era a oferta pelo pecado do povo, e o matou, e o ofereceu pelo pecado, como o primeiro.

16 E ele trouxe o holocausto, e o ofereceu conforme a maneira.

17 E ele trouxe a oferta de alimentos, e tomou um punhado dela, e a queimou sobre o altar, além do holocausto da manhã.

18 Matou também o novilho e o carneiro em sacrifício de ofertas pacíficas, que era para o povo; e os filhos de Arão lhe apresentaram o sangue, que ele espargiu sobre o altar ao redor,

19 E a gordura do novilho e do carneiro, a garupa, e a que cobre a fressura, e os rins, e o redenho por cima do fígado;

20 E puseram a gordura sobre os peitos, e ele queimou a gordura sobre o altar;

21 E os peitos e o ombro direito Arão acenou por oferta movida perante o Senhor; como Moisés ordenou.

22 E Arão levantou a mão para o povo, e os abençoou; e desceu da oferta do pecado, e do holocausto, e ofertas pacíficas.

23 E Moisés e Arão entraram na tenda da congregação, e saíram, e abençoaram o povo; e a glória do Senhor apareceu a todo o povo.

24 E saiu fogo de diante do Senhor, e consumiu sobre o altar o holocausto e a gordura; que quando todo o povo viu, eles gritaram e caíram sobre seus rostos.

CAPÍTULO 10

Nadabe e Abiú são queimados – Os sacerdotes são vinho proibido.

1 E Nadabe e Abiú, filhos de Arão, tomaram qualquer um deles o seu incensário, e puseram fogo nele, e puseram incenso sobre ele, e ofereceram fogo estranho perante o Senhor, o que ele não lhes ordenou.

2 E saiu fogo do Senhor, e os devorou, e morreram diante do Senhor.

3 Então disse Moisés a Arão: Isto é o que o Senhor falou, dizendo: Serei santificado naqueles que se chegarem a mim, e serei glorificado diante de todo o povo. E Arão se calou.

4 E Moisés chamou a Misael e a Elzaphan, filhos de Uziel, tio de Aarão, e disse-lhes: Aproximai-vos, levai vossos irmãos de diante do santuário para fora do arraial.

5 Então eles se aproximaram e os levaram em suas túnicas para fora do acampamento; como Moisés havia dito.

6 E disse Moisés a Arão, e a Eleazar, e a Itamar, seus filhos: Não descubrais vossas cabeças, nem rasgueis vossas vestes; para que não morrais, e para que a ira não venha sobre todo o povo; mas vossos irmãos, toda a casa de Israel, lamentem o fogo que o Senhor acendeu.

7 E não saireis da porta da tenda da congregação, para que não morrais; porque o óleo da unção do Senhor está sobre vocês. E eles fizeram conforme a palavra de Moisés.

8 E o Senhor falou a Arão, dizendo:

9 Não bebas vinho nem bebida forte, nem tu nem teus filhos contigo, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais; será estatuto perpétuo pelas vossas gerações;

10 E para que façais diferença entre o santo e o profano, e entre o imundo e o puro;

11 E para que ensineis aos filhos de Israel todos os estatutos que o Senhor lhes falou pela mão de Moisés.

12 E Moisés falou a Arão, e a Eleazar e a Itamar, seus filhos que restaram: Tomai a oferta de cereais que sobrar das ofertas queimadas do Senhor, e comei-a sem fermento junto ao altar; pois é santíssima.

13 E o comereis no lugar santo, porque é devido a ti, e a teus filhos, dos sacrifícios queimados do Senhor; pois assim me é ordenado.

14 E o peito movido e o ombro levantado comereis em lugar limpo; tu, teus filhos e tuas filhas contigo; porque eles são devidos a ti, e a teus filhos, que são dados dos sacrifícios de ofertas pacíficas dos filhos de Israel.

15 A pá alçada e o peito movido trarão com as ofertas queimadas da gordura, para movê-las por oferta movida perante o Senhor; e será teu e de teus filhos contigo, por estatuto perpétuo; como o Senhor ordenou.

16 E Moisés buscou diligentemente o bode da oferta pelo pecado, e eis que estava queimado; e indignou-se contra Eleazar e Itamar, filhos de Arão, que ficaram vivos, dizendo:

17 Por que não comestes a oferta pelo pecado no lugar santo, visto que é santíssima, e Deus a deu para levardes a iniqüidade da congregação, para fazerdes expiação por eles perante o Senhor?

18 Eis que o seu sangue não foi trazido para dentro do santuário; você deveria ter comido no lugar santo, como eu ordenei.

19 E Arão disse a Moisés: Eis que hoje ofereceram a sua oferta pelo pecado e o seu holocausto perante o Senhor; e tais coisas me aconteceram; e se eu tivesse comido a oferta pelo pecado hoje, deveria ter sido aceita aos olhos do Senhor?

20 E quando Moisés ouviu isso, ele ficou contente.

CAPÍTULO 11

O que pode e o que não pode ser comido.

1 E o Senhor falou a Moisés e a Arão, dizendo-lhes:

2 Fala aos filhos de Israel, dizendo: Estes são os animais que haveis de comer entre todos os animais que há sobre a terra.

3 O que tiver casco fendido, for fendido e ruminar entre os animais, isso comereis.

4 Contudo, estes não comereis dos que ruminam, nem dos que têm unhas fendidas; como o camelo, porque rumina, mas não tem casco fendido; ele é impuro para vocês.

5 E o cone, porque rumina, mas não tem casco fendido; ele é impuro para vocês.

6 E a lebre, porque rumina, mas não divide o casco; ele é impuro para vocês.

7 E o porco, embora tenha o casco fendido e seja fendido, não rumina; ele é impuro para você.

8 Da sua carne não comereis, nem tocareis no seu cadáver; eles são impuros para você.

9 Estes comereis de tudo o que há nas águas; tudo o que tem barbatanas e escamas nas águas, nos mares e nos rios, comereis.

10 E todo o que não tem barbatanas nem escamas nos mares e nos rios, de todo o réptil das águas e de todo animal que vive nas águas, eles vos serão abominação;

11 Eles serão para vós uma abominação; não comereis da sua carne, mas tereis os seus cadáveres em abominação.

12 O que não tem barbatanas nem escamas nas águas, isso vos será abominação.

13 E estes são os que tereis em abominação entre as aves; não se comerão, são abominação; a águia, e a ossifragem, e a águia-pescadora.

14 E o abutre, e o milhafre conforme a sua espécie;

15 Cada corvo segundo a sua espécie;

16 E a coruja, e o falcão, e o cuco, e o gavião segundo a sua espécie,

17 E o mocho, e o corvo-marinho, e o mocho,

18 E o cisne, e o pelicano, e a águia gier,

19 E a cegonha, a garça segundo a sua espécie, e o abibe, e o morcego.

20 Todas as aves que rastejam, andando sobre os quatro, serão para vós uma abominação.

21 No entanto, estes podem comer de todo réptil voador que anda sobre os quatro, que têm pernas acima dos pés, para saltar sobre a terra:

22 Até destes podeis comer; o gafanhoto segundo a sua espécie, e o gafanhoto calvo segundo a sua espécie, e o besouro segundo a sua espécie, e o gafanhoto segundo a sua espécie.

23 Mas todos os outros répteis voadores, que têm quatro pés, serão para vós uma abominação.

24 E por estes sereis imundos; qualquer que tocar no cadáver deles será imundo até a tarde.

25 E todo aquele que levar algum dos seus cadáveres lavará as suas vestes, e será imundo até à tarde.

26 Os cadáveres de todo animal que tem unha fendida, e que não tem patas fendidas, nem rumina, vos será imundo; todo aquele que os tocar será imundo.

27 E tudo o que anda sobre as suas patas, entre todos os animais que andam sobre os quatro, esses vos serão imundos; quem tocar no seu cadáver será imundo até à tarde.

28 E aquele que levar o seu cadáver lavará as suas vestes, e será imundo até à tarde; são impuros para vós.

29 Estes também vos serão imundos entre os répteis que rastejam sobre a terra; a doninha, e o rato, e a tartaruga segundo sua espécie.

30 E o furão, e o camaleão, e o lagarto, e o caracol, e a toupeira.

31 Estes vos são impuros entre todos os rastejantes; quem os tocar, quando estiverem mortos, será imundo até à tarde.

32 E sobre qualquer coisa que algum deles, quando estiverem mortos, cair, será imundo; seja vaso de madeira, ou vestido, ou pele, ou saco, qualquer vaso com que se faça alguma obra, será colocado na água, e será imundo até a tarde; assim será purificado.

33 E todo vaso de barro em que cair algum deles, tudo o que nele houver será imundo; e vós a quebrareis.

34 De toda a carne que se comer, aquela de que vier a água será impura; e toda bebida que se beber em cada um desses vasos será impura.

35 E tudo sobre o que cair qualquer parte de sua carcaça será imundo; seja forno, ou fogões para panelas, eles serão quebrados; porque são imundos, e imundos vos serão.

36 No entanto, uma fonte ou poço, onde há muita água, deve ser limpo; mas o que tocar o seu cadáver será imundo.

37 E se alguma parte de sua carcaça cair sobre alguma semente que há de ser semeada, ela será limpa.

38 Mas se alguma água for posta sobre a semente, e alguma parte de sua carcaça cair sobre ela, será impura para vós.

39 E se algum animal de que comerdes, morrerá; quem tocar no seu cadáver será imundo até à tarde.

40 E quem comer do seu cadáver lavará as suas vestes, e será imundo até à tarde; também aquele que levar o seu cadáver lavará as suas vestes, e será imundo até à tarde.

41 E todo réptil que rasteja sobre a terra será uma abominação; não deve ser comido.

42 Tudo o que vai sobre o ventre, e tudo o que anda sobre os quatro, ou tudo o que tem mais pés entre todos os répteis que rastejam sobre a terra, não comereis; pois eles são uma abominação.

43 Não vos fareis abomináveis com nenhum réptil que rasteja, nem vos tornareis impuros com eles, para que vos contamineis.

44 Porque eu sou o Senhor vosso Deus; vós, portanto, vos santificareis e sereis santos; porque eu sou santo; nem vos contaminareis com nenhum réptil que se arrasta sobre a terra.

45 Porque eu sou o Senhor que vos tirei da terra do Egito, para ser vosso Deus; vós, portanto, sereis santos, porque eu sou santo.

46 Esta é a lei dos animais e das aves, e de toda criatura vivente que se move nas águas, e de toda criatura que rasteja sobre a terra;

47 Para fazer diferença entre o impuro e o puro, e entre o animal que se pode comer e o animal que não se pode comer.

CAPÍTULO 12

As leis da purificação.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Fala aos filhos de Israel, dizendo: Se uma mulher conceber e tiver um filho varão, será imunda sete dias; conforme os dias da separação da sua enfermidade, será imunda.

3 E no oitavo dia, o filho varão será circuncidado.

4 E ela então continuará no tempo de sua purificação, que será de trinta e três dias; não tocará em coisa santificada, nem entrará no santuário, até que se cumpram os dias da sua purificação.

5 Mas, se ela der à luz uma serva, será imunda duas semanas, como na sua separação; e ela continuará no tempo de sua purificação de sessenta e seis dias.

6 E, cumprindo-se os dias da sua purificação, por filho ou por filha, trará um cordeiro de um ano para holocausto, e um pombinho ou uma rola para expiação do pecado, a porta da tenda da congregação, ao sacerdote;

7 Quem a oferecerá perante o Senhor e fará expiação por ela; e ela será purificada do fluxo do seu sangue. Esta é a lei para aquela que deu à luz um homem ou uma mulher.

8 E se ela não puder trazer um cordeiro, então trará duas rolas, ou dois pombinhos; um para o holocausto e o outro para a oferta pelo pecado; e o sacerdote fará expiação por ela, e ela ficará limpa.

CAPÍTULO 13

As leis e sinais da lepra.

1 E o Senhor falou a Moisés e Arão, dizendo:

2 Quando um homem tiver na pele de sua carne uma protuberância, uma crosta, ou uma mancha brilhante, e for na pele de sua carne como a praga da lepra; então será levado a Arão, o sacerdote, ou a um de seus filhos, os sacerdotes;

3 E o sacerdote examinará a praga na pele da carne; e quando o cabelo da praga se torna branco, e a praga à vista é mais profunda do que a pele de sua carne, é uma praga de lepra; e o sacerdote olhará para ele e o declarará imundo.

4 Se a mancha brilhante for branca na pele da sua carne, e à vista não for mais profunda do que a pele, e os seus pêlos não ficarem brancos; então o sacerdote encerrará o que tiver a praga sete dias;

5 E o sacerdote o verá no sétimo dia; e eis que, se a praga à sua vista cessou, e a praga não se espalhou na pele; então o sacerdote o encerrará mais sete dias;

6 E o sacerdote tornará a olhar para ele no sétimo dia; e eis que, se a praga for um pouco escura, e a praga não se espalhar na pele, o sacerdote o declarará limpo; é apenas uma crosta; e lavará as suas vestes, e ficará limpo.

7 Mas, se a crosta se espalhar muito na pele, depois de ter sido visto pelo sacerdote para sua purificação, ele será visto novamente pelo sacerdote;

8 E se o sacerdote vir que, eis que a crosta se espalhou na pele, então o sacerdote o declarará imundo; é uma lepra.

9 Quando a praga da lepra estiver no homem, então será levado ao sacerdote;

10 E o sacerdote o verá; e eis que, se a nascente for branca na pele, e embranquecer os cabelos, e houver carne viva viva na nascente;

11 Lepra velha é na pele da sua carne, e o sacerdote o declarará imundo, e não o encerrará; pois ele é impuro.

12 E se a lepra se espalhar na pele, e a lepra cobrir toda a pele do que tiver a praga desde a cabeça até os pés, para onde quer que o sacerdote olhe;

13 Então o sacerdote considerará; e eis que, se a lepra cobriu toda a sua carne, ele declarará limpo aquele que tiver a praga; fica todo branco; ele está limpo.

14 Mas, quando nele aparecer carne crua, será imundo.

15 E o sacerdote verá a carne crua e o declarará imundo; porque a carne crua é impura; é uma lepra.

16 Ou, se a carne crua se tornar novamente e se transformar em branca, ele virá ao sacerdote;

17 E o sacerdote o verá; e eis que se a praga se tornar branca; então o sacerdote declarará limpo aquele que tiver a praga; ele está limpo.

18 Também a carne, na qual, mesmo na sua pele, havia furúnculos, e foi curado,

19 E no lugar do furúnculo houver uma borbulha branca, ou uma mancha brilhante, branca e um pouco avermelhada, e isso será mostrado ao sacerdote;

20 E se, quando o sacerdote a vir, eis que à vista é mais baixa do que a pele, e os seus cabelos se tornaram brancos; o sacerdote o declarará imundo; é uma praga de lepra que saiu do furúnculo.

21 Mas se o sacerdote olhar para ela, e eis que nela não houver pêlos brancos, e se não for inferior à pele, mas for um pouco escura; então o sacerdote o encerrará sete dias;

22 E se se espalhar muito na pele, o sacerdote o declarará imundo; é uma praga.

23 Mas, se a mancha brilhante permanecer no seu lugar e não se espalhar, é um furúnculo; e o sacerdote o declarará puro.

24 Ou, se houver carne em cuja pele haja ardência, e a carne viva que arde tiver uma mancha branca e brilhante, um pouco avermelhada ou branca;

25 Então o sacerdote a examinará; e eis que se o cabelo na mancha brilhante se tornar branco, e for à vista mais profundo do que a pele; é uma lepra que saiu do fogo; portanto o sacerdote o declarará imundo; é a praga da lepra.

26 Mas, se o sacerdote olhar para ela, e eis que não há cabelo branco na parte brilhante, e não é inferior à outra pele, mas é um pouco escura; então o sacerdote o encerrará sete dias;

27 E o sacerdote o contemplará no sétimo dia; e se for muito espalhado na pele, o sacerdote o declarará imundo; é a praga da lepra.

28 E se a mancha brilhante ficar no seu lugar, e não se espalhar na pele, mas ficar um pouco escura; é um aumento do fogo, e o sacerdote o declarará limpo; pois é uma inflamação da queimação.

29 Se um homem ou uma mulher tiver uma praga na cabeça ou na barba;

30 Então o sacerdote verá a praga; e eis que, se for perspicácia mais profunda do que a pele, e houver nela um fio de cabelo amarelo; então o sacerdote o declarará imundo; é uma chaga seca, até mesmo uma lepra na cabeça ou na barba.

31 E se o sacerdote olhar para a praga da vieira, e eis que ela não é mais profunda do que a pele, e não há nela pêlo preto; então o sacerdote encerrará o que tiver a praga da chaga por sete dias;

32 E no sétimo dia o sacerdote examinará a praga; e eis que, se a escama não se espalhar, e não houver cabelo amarelo nela, e a vieira não estiver à vista mais profunda do que a pele;

33 Ele será barbeado, mas a barba não fará; e o sacerdote encerrará o que tiver a chaga por mais sete dias;

34 E no sétimo dia o sacerdote examinará a prancha; e eis que, se a escama não se espalhar na pele, nem for mais profunda do que a pele; então o sacerdote o declarará puro; e lavará as suas vestes, e ficará limpo.

35 Mas se a escama se espalhar muito na pele depois da sua purificação;

36 Então o sacerdote olhará para ele; e eis que, se a sarna se espalhar na pele, o sacerdote não procurará o cabelo amarelo; ele é impuro.

37 Mas se a vieira estiver à vista dele em um espartilho, e houver cabelo preto crescido nela; a chaga está curada, ele está limpo; e o sacerdote o declarará puro.

38 Se um homem ou uma mulher também tiver na pele da sua carne manchas brilhantes, até mesmo manchas brancas brilhantes;

39 Então o sacerdote olhará; e eis que, se as manchas brilhantes na pele de sua carne forem de um branco escuro, é uma mancha sardenta que cresce na pele; ele está limpo.

40 E o homem cujo cabelo caiu da cabeça é calvo; mas ele está limpo.

41 E aquele que tem o cabelo caído da parte da cabeça para o rosto, é calvo na testa; mas ele está limpo.

42 E se na calva ou na calva houver uma chaga branca e avermelhada; é uma lepra que surgiu em sua cabeça calva, ou em sua testa calva.

43 Então o sacerdote a examinará; e eis que, se a chaga for branca avermelhada na calva ou na calva, como a lepra aparece na pele da carne;

44 É leproso, imundo; o sacerdote o declarará totalmente imundo; sua praga está em sua cabeça.

45 E o leproso em quem a praga estiver, suas roupas serão rasgadas, e sua cabeça descoberta, e ele porá uma cobertura sobre o lábio superior, e clamará: Imundo, imundo.

46 Todos os dias em que a praga estiver nele, ele será contaminado; ele é impuro; ele habitará sozinho; fora do arraial será a sua habitação.

47 Também a vestimenta em que está a praga da lepra, seja uma vestimenta de lã, seja uma vestimenta de linho;

48 Seja na urdidura ou na trama, de linho ou de lã; seja em pele, ou em qualquer coisa feita de pele;

49 E se a praga for esverdeada ou avermelhada na roupa, ou na pele, na urdidura, ou na trama, ou em qualquer coisa da pele; é praga de lepra, e será mostrada ao sacerdote;

50 E o sacerdote olhará para a praga, e fechará o que tiver a praga sete dias;

51 E ele verá a praga no sétimo dia; se a praga se espalhar na vestimenta, seja na urdidura, ou na trama, ou em pele, ou em qualquer obra que seja feita de pele; a peste é uma lepra incômoda; é impuro.

52 Portanto, queimará aquela vestimenta, seja urdidura ou trama, de lã ou linho, ou qualquer coisa de pele, em que houver a praga; pois é uma lepra irritante; será queimado no fogo.

53 E se o sacerdote olhar, e eis que a praga não se espalhou na roupa, nem na urdidura, nem na trama, nem em qualquer coisa de pele;

54 Então o sacerdote ordenará que lavem a coisa em que está a praga, e a fechará por mais sete dias;

55 E o sacerdote examinará a praga, depois de lavada; e eis que, se a praga não mudou de cor, e a praga não se espalhou, é impura; tu a queimarás no fogo; é um aflito por dentro, seja ele nu por dentro ou por fora.

56 E se o sacerdote olhar, e eis que a praga está um pouco escura após a lavagem; então o rasgará da veste, ou da pele, ou da urdidura, ou da trama;

57 E se ainda aparecer na roupa, seja na urdidura, ou na trama, ou em qualquer coisa de pele; é uma praga que se espalha; tu queimarás aquilo em que a praga está com fogo.

58 E a vestimenta, seja urdidura, ou trama, ou qualquer coisa de pele, que lavares, se a praga passar deles, será lavada segunda vez, e ficará limpa.

59 Esta é a lei da praga da lepra na vestimenta de lã ou de linho, na urdidura, ou na trama, ou em qualquer coisa de peles, para declará-la limpa, ou para declará-la impura.

CAPÍTULO 14

A purificação da lepra.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Esta será a lei do leproso no dia da sua purificação; Ele será levado ao sacerdote;

3 E o sacerdote sairá do arraial; e o sacerdote olhará, e eis que se sarou a praga da lepra no leproso;

4 Então o sacerdote ordenará que tome para o que há de se purificar dois pássaros vivos e limpos, madeira de cedro, carmesim e hissopo;

5 E o sacerdote ordenará que uma das aves seja morta em um vaso de barro sobre água corrente.

6 Quanto à ave viva, tomá-la-á, e o pau de cedro, e o carmesim, e o hissopo, e os molhará, juntamente com a ave viva, no sangue da ave que foi morta sobre as águas correntes;

7 E espargirá sobre o que há de se purificar da lepra sete vezes, e o declarará limpo, e soltará a ave viva no campo aberto.

8 E o que se purifica lavará as suas vestes, e rapará todos os seus cabelos, e lavar-se-á em água, para que fique limpo; e depois disso entrará no arraial, e permanecerá fora da sua tenda sete dias.

9 Mas será no sétimo dia que rapará todo o cabelo, a barba e as sobrancelhas, até todo o cabelo rapará; e lavará as suas vestes, também lavará a sua carne em água, e ficará limpo.

10 E ao oitavo dia tomará dois cordeiros sem defeito, e uma ovelha de um ano sem defeito, e três décimos de flor de farinha para oferta de cereais, amassada com azeite, e um logue de azeite;

11 E o sacerdote que o purificar apresentará o homem que há de ser purificado, e essas coisas, perante o Senhor, à porta da tenda da congregação.

12 E o sacerdote tomará um cordeiro, e o oferecerá por oferta pela culpa, e o logue de azeite, e os moverá por oferta movida perante o Senhor;

13 E degolará o cordeiro no lugar onde degolará a oferta pelo pecado e o holocausto, no lugar santo; pois, como a oferta pelo pecado é do sacerdote, assim é a oferta pela culpa; é santíssimo;

14 E o sacerdote tomará do sangue da oferta pela culpa, e o sacerdote o porá na ponta da orelha direita daquele que deve ser purificado, e no polegar de sua mão direita e no dedão do pé de seu pé direito.

15 E o sacerdote tomará do litro de azeite e o derramará na palma da sua mão esquerda;

16 E o sacerdote molhará o dedo direito no azeite que está na mão esquerda, e com o dedo aspergirá do azeite sete vezes perante o Senhor;

17 E do restante do azeite que tiver na mão o sacerdote porá na ponta da orelha direita do que se purifica, e no polegar da mão direita e no dedão do pé direito , sobre o sangue da oferta pela culpa;

18 E o resto do azeite que estiver na mão do sacerdote, ele derramará sobre a cabeça daquele que há de ser purificado; e o sacerdote fará expiação por ele perante o Senhor.

19 E o sacerdote oferecerá a expiação do pecado, e fará expiação por aquele que há de ser purificado da sua impureza; e depois degolará o holocausto;

20 E o sacerdote oferecerá o holocausto e a oferta de alimentos sobre o altar; e o sacerdote fará expiação por ele, e ficará limpo.

21 E se for pobre e não puder tanto; então tomará um cordeiro para oferta pela culpa, para ser movido, para fazer expiação por ele, e um décimo de flor de farinha amassada com azeite, para oferta de alimentos, e um logue de azeite;

22 E duas rolas, ou dois pombinhos, conforme ele conseguir; e um será oferta pelo pecado, e o outro holocausto.

23 E no oitavo dia os trará para a sua purificação ao sacerdote, à porta da tenda da congregação, perante o Senhor.

24 E o sacerdote tomará o cordeiro da oferta pela culpa, e o logue de azeite, e o sacerdote os moverá por oferta movida perante o Senhor;

25 E degolará o cordeiro da oferta pela culpa, e o sacerdote tomará do sangue da oferta pela culpa, e o porá na ponta da orelha direita do que há de ser purificado, e no polegar do seu mão direita e no dedão do pé direito.

26 E o sacerdote derramará do azeite na palma da sua mão esquerda;

27 E o sacerdote espargirá com o dedo direito um pouco do azeite que está na mão esquerda sete vezes perante o Senhor;

28 E o sacerdote porá do azeite que está em sua mão sobre a ponta da orelha direita do que se purifica, e sobre o polegar de sua mão direita, e sobre o dedo grande de seu pé direito, sobre o lugar do sangue da oferta pela culpa;

29 E o restante do azeite que estiver na mão do sacerdote porá sobre a cabeça daquele que há de ser purificado, para fazer expiação por ele perante o Senhor.

30 E ele oferecerá uma das rolas, ou dos pombinhos, conforme conseguir;

31 Assim como ele pode obter, um para oferta pelo pecado, e outro para holocausto, com a oferta de alimentos; e o sacerdote fará expiação por aquele que há de ser purificado perante o Senhor.

32 Esta é a lei daquele em quem está a praga da lepra, cuja mão não pode apanhar o que diz respeito à sua purificação.

33 E o Senhor falou a Moisés e a Arão, dizendo:

34 Quando entrardes na terra de Canaã, que vos dou em possessão, e puser a praga da lepra numa casa da terra da vossa possessão;

35 E o dono da casa virá e contará ao sacerdote, dizendo: Parece-me que há como que uma praga na casa;

36 Então o sacerdote ordenará que esvaziem a casa, antes que o sacerdote entre nela para ver a praga, que tudo o que estiver na casa não seja impuro; e depois o sacerdote entrará para ver a casa;

37 E ele olhará para a praga, e eis que se a praga estiver nas paredes da casa com estrias ocas, esverdeadas ou avermelhadas, que à vista são mais baixas que a parede;

38 Então o sacerdote sairá da casa à porta da casa, e fechará a casa sete dias;

39 E o sacerdote virá novamente no sétimo dia, e olhará, e eis que a praga se espalhou nas paredes da casa;

40 Então o sacerdote ordenará que tirem as pedras em que está a praga, e as lancem num lugar imundo fora da cidade;

41 E fará raspar a casa por dentro ao redor, e o pó que rasparem fora da cidade despejarão em lugar imundo;

42 E tomarão outras pedras, e as porão no lugar daquelas pedras; e tomará outra argamassa e rebocará a casa.

43 E se a praga vier outra vez e se espalhar pela casa, depois de tirar as pedras, e depois de raspar a casa, e depois de rebocada;

44 Então o sacerdote virá e olhará, e eis que, se a praga se espalhou na casa, é lepra que está na casa; é impuro.

45 E derrubará a casa, as suas pedras e a sua madeira, e toda a argamassa da casa; e ele os levará para fora da cidade para um lugar imundo.

46 Além disso, quem entrar na casa enquanto estiver fechada será imundo até a tarde.

47 E o que se deitar em casa lavará as suas vestes; e o que comer em casa lavará as suas vestes.

48 E se o sacerdote entrar e olhar para ela, e eis que a praga não se espalhou pela casa, depois que a casa foi rebocada; então o sacerdote declarará limpa a casa, porque a praga está curada.

49 E tomará para purificar a casa duas aves, madeira de cedro, carmesim e hissopo;

50 E ele matará uma das aves em um vaso de barro sobre água corrente;

51 E tomará o pau de cedro, e o hissopo, e o carmesim, e a ave viva, e os molhará no sangue da ave morta, e na água corrente, e aspergirá a casa sete vezes;

52 E purificará a casa com sangue de ave, e com água corrente, e com ave viva, e com madeira de cedro, e com hissopo, e com carmesim;

53 Mas ele soltará a ave viva da cidade para os campos abertos, e fará expiação pela casa; e será limpo.

54 Esta é a lei para toda sorte de praga de lepra e chaga,

55 E para a lepra de uma roupa, e de uma casa,

56 E para uma insurreição, e para uma sarna, e para uma mancha brilhante;

57 Para ensinar quando é impuro e quando é puro; esta é a lei da lepra.

CAPÍTULO 15

Questões impuras – A limpeza delas.

1 E o Senhor falou a Moisés e a Arão, dizendo:

2 Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando alguém tiver um fluxo da sua carne, por causa do fluxo, é imundo.

3 E esta será a sua impureza no seu fluxo; quer sua carne corra com seu fluxo, ou sua carne seja impedida de seu fluxo, é sua impureza.

4 Toda cama em que se deita com fluxo é impura; e tudo em que se assentar será imundo.

5 E quem tocar na sua cama lavará as suas vestes, e se banhará em água, e será imundo até à tarde.

6 E aquele que se assentar sobre qualquer coisa em que se assentou que tiver fluxo lavará as suas vestes, e se banhará em água, e será imundo até à tarde.

7 E quem tocar a carne do que tiver fluxo lavará as suas vestes, e se banhará em água, e será imundo até a tarde.

8 E se o fluxo cuspir no puro; então lavará as suas vestes, e se banhará em água, e será imundo até à tarde.

9 E qualquer sela sobre a qual ele montar e que tiver o fluxo será impura.

10 E qualquer que tocar em alguma coisa que estava debaixo dele será imundo até a tarde; e quem levar alguma dessas coisas lavará as suas vestes, e se banhará em água, e será imundo até a tarde.

11 E aquele que tocar no que tiver fluxo, e não lavar as mãos em água, lavará as suas vestes, e se banhará em água, e será imundo até à tarde.

12 E o vaso de terra que ele tocar, que tiver o fluxo, será quebrado; e todo vaso de madeira será lavado em água.

13 E, quando aquele que tiver fluxo for purificado do fluxo, contará para si sete dias para a sua purificação, e lavará as suas vestes, e banhará a sua carne em água corrente, e ficará limpo.

14 E no oitavo dia tomará para si duas rolas, ou dois pombinhos, e virá perante o Senhor à porta da tenda da congregação, e os dará ao sacerdote;

15 E o sacerdote os oferecerá, um como oferta pelo pecado, e o outro como holocausto; e o sacerdote fará expiação por ele perante o Senhor pelo seu fluxo.

16 E se dele sair a semente da cópula de algum homem, então lavará toda a sua carne em água, e será imundo até à tarde.

17 E toda vestimenta e toda pele em que houver semente da cópula serão lavadas com água, e serão impuras até a tarde.

18 Também a mulher com quem o homem se deitar com a semente da cópula, ambos se banharão em água, e serão impuros até a tarde.

19 E se uma mulher tiver fluxo, e o fluxo na sua carne for sangue, ela será separada sete dias; e quem a tocar será imundo até à tarde.

20 E tudo o que ela se deitar na sua separação será imundo; tudo o que ela se sentar será imundo.

21 E qualquer que tocar na cama dela lavará as suas roupas, e se banhará em água, e será imundo até a tarde.

22 E qualquer que tocar em alguma coisa em que ela se sentou lavará as suas vestes, e se banhará em água, e será imundo até a tarde.

23 E se for sobre a sua cama, ou sobre qualquer coisa em que ela se sentar, quando ele a tocar, será imundo até à tarde.

24 E se algum homem se deitar com ela, e suas flores estiverem sobre ele, será imundo sete dias; e toda a cama em que se deitar será imunda.

25 E se uma mulher tiver um fluxo de sangue muitos dias fora do tempo de sua separação, ou se for além do tempo de sua separação; todos os dias do fluxo de sua impureza serão como os dias de sua separação; ela será impura.

26 Toda cama em que ela se deitar durante todos os dias do seu fluxo será para ela como a cama da sua separação; e tudo o que ela se sentar será imundo, como a imundícia da sua separação.

27 E qualquer que tocar nessas coisas será imundo, e lavará as suas vestes, e se banhará em água, e será imundo até a tarde.

28 Mas, se ela ficar purificada do seu fluxo, ela contará para si sete dias, e depois disso ficará limpa.

29 E no oitavo dia tomará para si duas rolas, ou dois pombinhos, e os trará ao sacerdote, à porta da tenda da congregação.

30 E o sacerdote oferecerá um como oferta pelo pecado, e o outro como holocausto; e o sacerdote fará expiação por ela perante o Senhor, pelo fluxo de sua impureza.

31 Assim separareis os filhos de Israel da sua imundícia; para que não morram na sua imundícia, quando contaminam o meu tabernáculo que está no meio deles.

32 Esta é a lei do que tem fluxo e da descendência dele, e com ela se contamina;

33 E da que está doente de suas flores, e daquele que tem fluxo, do homem e da mulher, e daquele que se deita com a impura.

CAPÍTULO 16

Como o sumo sacerdote deve entrar no lugar santo – O bode expiatório – A festa anual das expiações.

1 E o Senhor falou a Moisés depois da morte dos dois filhos de Arão, quando eles ofereceram perante o Senhor, e morreram;

2 E disse o Senhor a Moisés: Dize a Arão, teu irmão, que não venha sempre ao santuário, dentro do véu, diante do propiciatório, que está sobre a arca; que ele não morra; porque aparecerei na nuvem sobre o propiciatório.

3 Assim Arão entrará no lugar santo; com um novilho para oferta pelo pecado, e um carneiro para holocausto.

4 Ele vestirá a túnica sagrada de linho, e terá os calções de linho sobre a sua carne, e será cingido com um cinto de linho, e com a mitra de linho se vestirá; estas são vestimentas sagradas; portanto, ele lavará sua carne em água, e assim as vestirá.

5 E da congregação dos filhos de Israel tomará dois bodes para expiação do pecado e um carneiro para holocausto.

6 E Arão oferecerá o seu novilho da oferta pelo pecado, que é por si mesmo, e fará expiação por si e pela sua casa.

7 E tomará os dois bodes, e os apresentará perante o Senhor à porta da tenda da congregação.

8 E Arão lançará sortes sobre os dois bodes; uma sorte para o Senhor e outra para o bode expiatório.

9 E Arão trará o bode sobre o qual caiu a sorte do Senhor, e o oferecerá como oferta pelo pecado.

10 Mas o bode sobre o qual caiu a sorte para ser o bode emissário será apresentado vivo perante o Senhor, para fazer expiação com ele, e para deixá-lo ir como bode emissário ao deserto.

11 E Arão trará o novilho da oferta pelo pecado, que é para si, e fará expiação por si e pela sua casa, e degolará o novilho da oferta pelo pecado, que é para si;

12 E ele tomará um incensário cheio de brasas vivas do altar diante do Senhor, e suas mãos cheias de incenso aromático amassado, e o trará para dentro do véu;

13 E porá o incenso sobre o fogo perante o Senhor, para que a nuvem do incenso cubra o propiciatório que está sobre o testemunho, para que não morra;

14 E ele tomará do sangue do novilho, e o espargirá com o dedo sobre o propiciatório para o oriente; e diante do propiciatório espargirá o sangue com o dedo sete vezes.

15 Então degolará o bode da oferta pelo pecado, que é pelo povo, e trará o seu sangue para dentro do véu, e fará com aquele sangue como fez com o sangue do novilho, e o espargirá sobre o propiciatório, e diante do propiciatório;

16 E ele fará expiação pelo lugar santo, por causa da imundícia dos filhos de Israel e por causa de suas transgressões em todos os seus pecados; e assim fará com a tenda da congregação, que permanece entre eles no meio da sua imundícia.

17 E ninguém estará na tenda da congregação, quando entrar para fazer expiação no lugar santo, até que saia, e tenha feito expiação por si mesmo, e por sua casa, e por toda a congregação de Israel.

18 E ele sairá ao altar que está diante do Senhor, e fará expiação por ele; e tomará do sangue do novilho e do sangue do bode, e o porá sobre as pontas do altar ao redor.

19 E com o dedo espargirá sobre ela o sangue sete vezes, e a purificará, e a santificará da imundícia dos filhos de Israel.

20 E, quando acabar de reconciliar o santuário, a tenda da congregação e o altar, trará o bode vivo;

21 E Arão porá ambas as mãos sobre a cabeça do bode vivo, e confessará sobre ele todas as iniqüidades dos filhos de Israel, e todas as suas transgressões em todos os seus pecados, pondo-as sobre a cabeça do bode, e enviará ele foi levado pela mão de um homem apto para o deserto;

22 E o bode levará sobre si todas as suas iniqüidades até uma terra desabitada; e soltará o bode no deserto.

23 E Arão entrará na tenda da congregação, e despirá as vestes de linho que vestiu quando entrou no lugar santo, e as deixará ali;

24 E lavará a sua carne com água no lugar santo, e vestirá as suas vestes, e sairá, e oferecerá o seu holocausto e o holocausto do povo, e fará expiação por si e pelo povo.

25 E a gordura da oferta pelo pecado queimará sobre o altar.

26 E aquele que soltar o bode para o bode expiatório lavará as suas vestes, e banhará a sua carne em água, e depois entrará no arraial.

27 E o novilho para a expiação do pecado, e o bode para a expiação do pecado, cujo sangue foi trazido para fazer expiação no lugar santo, será levado para fora do arraial; e queimarão no fogo as suas peles, e a sua carne, e o seu esterco.

28 E aquele que os queimar lavará as suas vestes, e banhará a sua carne em água, e depois entrará no arraial.

29 E isto vos será estatuto perpétuo; que no sétimo mês, no décimo dia do mês, afligireis as vossas almas, e nenhum trabalho fareis, quer seja um da vossa terra, quer um estrangeiro que peregrina entre vós;

30 Porque naquele dia o sacerdote fará expiação por vós, para vos purificar, para que sejais limpos de todos os vossos pecados perante o Senhor,

31 Sábado de descanso vos será, e afligireis as vossas almas por estatuto perpétuo.

32 E o sacerdote, a quem ungir e consagrar para ministrar o sacerdócio em lugar de seu pai, fará a expiação, e vestirá as vestes de linho, sim, as vestes sagradas;

33 E fará expiação pelo santuário santo, e fará expiação pela tenda da congregação e pelo altar; e fará expiação pelos sacerdotes e por todo o povo da congregação.

34 E isto vos será por estatuto perpétuo, para fazer expiação pelos filhos de Israel de todos os seus pecados uma vez por ano. E ele fez como o Senhor ordenara a Moisés.

CAPÍTULO 17

A maneira de oferecer – O que não pode ser comido.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Fala a Arão, e a seus filhos, e a todos os filhos de Israel, e dize-lhes; Isto é o que o Senhor ordenou, dizendo:

3 Qualquer homem da casa de Israel que matar boi, ou cordeiro, ou cabra, no arraial, ou que o degolar fora do arraial,

4 E não a traz à porta da tenda da congregação, para oferecer oferta ao Senhor diante da tenda do Senhor; sangue será imputado a esse homem; ele derramou sangue; e esse homem será extirpado do meio do seu povo;

5 Para que os filhos de Israel tragam os seus sacrifícios, que oferecem no campo aberto, para que os tragam ao Senhor, à porta da tenda da congregação, ao sacerdote, e os ofereçam por oferta pacífica ao Senhor.

6 E o sacerdote espargirá o sangue sobre o altar do Senhor, à porta da tenda da congregação, e queimará a gordura por cheiro suave ao Senhor.

7 E não oferecerão mais seus sacrifícios aos demônios, após os quais se prostituíram. Isto lhes será estatuto perpétuo nas suas gerações.

8 E lhes dirás: Qualquer homem da casa de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinam entre vós, que oferecer holocausto ou sacrifício,

9 E não o traz à porta da tenda da congregação, para o oferecer ao Senhor; mesmo esse homem será extirpado do meio do seu povo.

10 E qualquer homem da casa de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinam entre vós, que comer algum tipo de sangue; Porei o meu rosto contra aquela alma que come sangue e a exterminarei do meio do seu povo.

11 Porque a vida da carne está no sangue; e vo-lo dei sobre o altar para fazer expiação por vossas almas; pois é o sangue que faz expiação pela alma.

12 Por isso eu disse aos filhos de Israel: Nenhuma alma de vós comerá sangue, nem qualquer estrangeiro que peregrina entre vós comerá sangue.

13 E qualquer homem dos filhos de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinam entre vós, que caçar e apanhar qualquer animal ou ave que se possa comer; ele mesmo derramará o seu sangue, e o cobrirá com pó.

14 Pois é a vida de toda carne; o seu sangue é para a sua vida; por isso disse aos filhos de Israel: Não comereis o sangue de nenhum tipo de carne; porque a vida de toda carne é o seu sangue; quem o comer será exterminado.

15 E toda alma que comer o que morreu por si mesmo, ou o que foi dilacerado por animais, seja um de sua própria terra ou um estrangeiro, lavará suas roupas, e se banhará em água, e será imundo até o par; então ficará limpo.

16 Mas se não os lavar, nem banhar a sua carne; então levará a sua iniqüidade.

CAPÍTULO 18

Casamentos ilegais – luxúrias ilegais.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Eu sou o Senhor vosso Deus.

3 Conforme as obras da terra do Egito, em que habitastes, não fareis; e não fareis segundo as obras da terra de Canaã, para onde vos trago; nem andareis nas suas ordenanças.

4 Cumprireis os meus juízos e guardareis as minhas ordenanças, para andardes nelas; Eu sou o Senhor teu Deus.

5 Portanto guardareis os meus estatutos e os meus juízos; que se um homem fizer, ele deve viver neles; Eu sou o Senhor.

6 Nenhum de vós se aproximará de algum parente próximo dele, para descobrir a sua nudez; Eu sou o Senhor.

7 A nudez de teu pai, ou a nudez de tua mãe, não descobrirás; ela é tua mãe; não descobrirás a sua nudez.

8 A nudez da mulher de teu pai não descobrirás; é a nudez de teu pai.

9 A nudez de tua irmã, filha de teu pai, ou filha de tua mãe, quer ela nascida em casa, quer nascida fora, nem a sua nudez descobrirás.

10 A nudez da filha de teu filho, ou da filha de tua filha, nem a sua nudez descobrirás; porque deles é a tua nudez.

11 A nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai, ela é tua irmã, a sua nudez não descobrirás.

12 A nudez da irmã de teu pai não descobrirás; ela é parenta próxima de teu pai.

13 A nudez da irmã de tua mãe não descobrirás; pois ela é parenta próxima de tua mãe.

14 A nudez do irmão de teu pai não descobrirás, não te aproximarás de sua mulher; ela é sua tia.

15 Não descobrirás a nudez de tua nora; ela é a esposa de teu filho; não descobrirás a sua nudez.

16 A nudez da mulher de teu irmão não descobrirás; é a nudez de teu irmão.

17 A nudez de uma mulher e de sua filha não descobrirás, nem tomarás a filha de seu filho, ou a filha de sua filha, para descobrir a sua nudez; pois elas são suas parentes próximas; é maldade.

18 Nem tomarás mulher para sua irmã, para a atormentar, para descobrir a sua nudez, além da outra durante a sua vida.

19 Também não te aproximarás de uma mulher para descobrir a sua nudez, enquanto ela for separada por sua impureza,

20 Além disso, não te deitarás carnalmente com a mulher do teu próximo, para te contaminares com ela.

21 E nenhum da tua descendência passará pelo fogo a Moloque, nem profanarás o nome do teu Deus; Eu sou o Senhor.

22 Não te deitarás com homem, como com mulher; é abominação.

23 Nem te deitarás com algum animal para te contaminares com ele; nenhuma mulher se deitará diante de um animal para se deitar com ele; é confusão.

24 Não vos contamineis em nenhuma destas coisas; porque em todas estas estão contaminadas as nações que eu expulso de diante de ti;

25 E a terra está contaminada; por isso visito sobre ela a sua iniqüidade, e a própria terra vomita os seus habitantes.

26 Portanto guardareis os meus estatutos e os meus juízos, e não cometereis nenhuma destas abominações; nem qualquer de sua própria nação, nem qualquer estrangeiro que peregrina entre vocês;

27 (Porque todas estas abominações fizeram os homens da terra, que foram antes de vós, e a terra está contaminada;)

28 para que a terra não vomite também a vós, quando a contaminardes, como vomitou as nações que foram antes de vós.

29 Pois qualquer que cometer alguma dessas abominações, até mesmo as almas que as cometerem serão extirpadas do meio de seu povo.

30 Portanto guardareis a minha ordenança, para que não cometais nenhum destes costumes abomináveis, que vos foram cometidos antes de vós, e para que não vos contamineis com ela; Eu sou o Senhor teu Deus.

CAPÍTULO 19

Uma repetição de leis diversas.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Fala a toda a congregação dos filhos de Israel, e dize-lhes: Sereis santos; porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo.

3 Temereis cada um a sua mãe e a seu pai, e guardareis os meus sábados; Eu sou o Senhor teu Deus.

4 Não vos volteis para os ídolos, nem façais para vós deuses de fundição; Eu sou o Senhor teu Deus.

5 E se oferecerdes sacrifício pacífico ao Senhor, oferecê-lo-eis à vossa vontade.

6 Será comido no mesmo dia em que o oferecerdes e no dia seguinte; e se sobrar alguma coisa até o terceiro dia, será queimada no fogo.

7 E se for comido ao terceiro dia, é abominável; não será aceito.

8 Portanto, todo aquele que dele comer levará a sua iniqüidade, porque profanou as coisas santificadas do Senhor; e essa alma será extirpada do meio do seu povo.

9 E quando fizeres a colheita da tua terra, não ceifarás totalmente os cantos do teu campo, nem recolherás as espigas da tua colheita.

10 E não respigarás a tua vinha, nem colherás toda a uva da tua vinha; tu os deixarás para o pobre e o estrangeiro; Eu sou o Senhor teu Deus.

11 Não furtareis, nem procedereis com falsidade, nem mentireis uns aos outros.

12 E não jurarás falsamente pelo meu nome, nem profanarás o nome do teu Deus; Eu sou o Senhor.

13 Não defraudarás o teu próximo, nem o roubarás; o salário do assalariado não ficará contigo toda a noite até pela manhã.

14 Não amaldiçoarás o surdo, nem porás tropeço diante do cego, mas temerás o teu Deus; Eu sou o Senhor.

15 Não praticareis injustiça no julgamento; não respeitarás a pessoa do pobre, nem honrarás a pessoa do poderoso; mas com justiça julgarás o teu próximo.

16 Não andarás como mexeriqueiro entre o teu povo; nem resistirás ao sangue do teu próximo; Eu sou o Senhor.

17 Não odiarás a teu irmão no teu coração; de qualquer modo repreenderás o teu próximo, e não sofrerás o pecado sobre ele.

18 Não te vingarás nem guardarás rancor contra os filhos do teu povo, mas amarás o teu próximo como a ti mesmo; Eu sou o Senhor.

19 Guardareis os meus estatutos. Não deixarás teu gado cruzar com uma espécie diversa; não semearás o teu campo com sementes misturadas; nem te cairá roupa misturada de linho e lã.

20 E qualquer que se deitar carnalmente com uma mulher, que é escrava, desposada de um marido, e de modo algum remida, nem lhe foi dada liberdade; ela será açoitada; eles não serão mortos, porque ela não era livre.

21 E ele trará a sua oferta pela culpa ao Senhor, à porta da tenda da congregação, um carneiro para a oferta pela culpa.

22 E o sacerdote fará expiação por ele com o carneiro da oferta pela culpa perante o Senhor pelo pecado que cometeu; e o pecado que cometeu ser-lhe-á perdoado.

23 E quando entrardes na terra e tiverdes plantado toda espécie de árvores para alimento, então contareis o seu fruto como incircunciso; três anos vos será como incircunciso; não será comido.

24 Mas no quarto ano todo o seu fruto será santo para louvar ao Senhor.

25 E no quinto ano comereis do seu fruto, para que vos dê o seu fruto; Eu sou o Senhor teu Deus.

26 Nada comereis com o sangue; nem usareis de encantamento, nem observareis tempos.

27 Não arredondarás os cantos da tua cabeça, nem estragarás os cantos da tua barba.

28 Não fareis cortes na vossa carne pelos mortos, nem vos imprimireis marcas; Eu sou o Senhor.

29 Não prostitua tua filha, para que ela se prostitua; para que a terra não caia em prostituição, e a terra fique cheia de maldade.

30 Guardareis os meus sábados, e reverenciareis o meu santuário; Eu sou o Senhor.

31 Não vos preocupeis com os que têm espíritos familiares, nem procureis feiticeiros, para vos contaminares; Eu sou o Senhor teu Deus.

32 Diante da cabeça grisalha te levantarás, e honrarás a face do ancião, e temerás o teu Deus; Eu sou o Senhor.

33 E se um estrangeiro peregrinar contigo em tua terra, não o afligirás.

34 Mas o estrangeiro que mora convosco será para vós como um nascido entre vós, e amá-lo-eis como a ti mesmo; porque fostes estrangeiros na terra do Egito; Eu sou o Senhor teu Deus.

35 Não praticareis injustiça no julgamento, no metro, no peso ou na medida.

36 Balanças justas, pesos justos, um efa justo e um him justo tereis; Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito.

37 Portanto observareis todos os meus estatutos, e todos os meus juízos, e os cumprireis; Eu sou o Senhor.

CAPÍTULO 20

De Moloque – De magos – De santificação – De quem amaldiçoa seus pais – De adultério – De incesto – De sodomia – De bestialidade – De impureza – Obediência é necessária.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Também dirás aos filhos de Israel: Qualquer um dos filhos de Israel, ou dos estrangeiros que peregrinam em Israel, que der da sua descendência a Moloque; certamente será morto; o povo da terra o apedrejará com pedras.

3 E porei o meu rosto contra aquele homem, e o exterminarei do meio do seu povo; porque deu da sua descendência a Moloque, para contaminar o meu santuário e profanar o meu santo nome.

4 E se o povo da terra de alguma maneira esconder os olhos do homem, quando ele der sua descendência a Moloque, e não o matar;

5 Então porei o meu rosto contra aquele homem e contra a sua família, e o exterminarei, e a todos os que se prostituírem após ele, para se prostituirem com Moloque, do meio do seu povo.

6 E a alma que se voltar após os adivinhos e feiticeiros, para se prostituir após eles, contra essa alma porei o meu rosto e a exterminarei do meio do seu povo.

7 Santificai-vos, pois, e sede santos; porque eu sou o Senhor vosso Deus.

8 E guardareis os meus estatutos, e os observareis; Eu sou o Senhor que vos santifico.

9 Pois todo aquele que amaldiçoar seu pai ou sua mãe certamente será morto; ele amaldiçoou seu pai ou sua mãe; o seu sangue cairá sobre ele.

10 E o homem que adulterar com a mulher de outro homem, sim, aquele que adulterar com a mulher do seu próximo, o adúltero e a adúltera certamente morrerão.

11 E o homem que se deita com a mulher de seu pai descobriu a nudez de seu pai; ambos certamente serão mortos; o seu sangue cairá sobre eles.

12 E se um homem se deitar com sua nora, ambos certamente morrerão; eles criaram confusão; o seu sangue cairá sobre eles.

13 Se também um homem se deitar com outro homem, como com uma mulher, ambos cometeram abominação; certamente serão mortos; o seu sangue cairá sobre eles.

14 E se um homem tomar uma mulher e sua mãe, é maldade; serão queimados a fogo, tanto ele como eles; para que não haja maldade entre vós.

15 E se um homem se deitar com um animal, certamente será morto; e matareis a besta.

16 E se uma mulher se aproximar de algum animal, e nele se deitar, matarás a mulher e o animal; certamente serão mortos; o seu sangue cairá sobre eles.

17 E se um homem tomar sua irmã, filha de seu pai, ou filha de sua mãe, e vir a sua nudez, e ela vir a sua nudez; é uma coisa perversa; e serão exterminados à vista do seu povo; descobriu a nudez de sua irmã; ele levará a sua iniqüidade.

18 E se um homem se deitar com uma mulher doente, e descobrir a sua nudez; ele descobriu a sua fonte, e ela descobriu a fonte do seu sangue; e ambos serão exterminados do meio do seu povo.

19 E não descobrirás a nudez da irmã de tua mãe, nem da irmã de teu pai; pois ele descobre seus parentes próximos; levarão a sua iniqüidade.

20 E se um homem se deitar com a mulher de seu tio, descobriu a nudez de seu tio; eles levarão seus pecados; eles morrerão sem filhos.

21 E se um homem tomar a mulher de seu irmão, é coisa impura; descobriu a nudez de seu irmão; não terão filhos.

22 Portanto guardareis todos os meus estatutos e todos os meus juízos, e os observareis; que a terra, onde vos trago para nela habitarem, não vos vomite.

23 E não andareis nos costumes da nação, que eu expulso de diante de vós; pois eles cometeram todas essas coisas e, portanto, eu os abominava.

24 Mas eu vos tenho dito: Herdareis a sua terra, e vo-la darei para possuí-la, uma terra que mana leite e mel; Eu sou o Senhor vosso Deus, que vos separei dos outros.

25 Por isso fareis diferença entre os animais puros e os impuros, e entre as aves impuras e as limpas; e não fareis as vossas almas abomináveis por animais, nem por aves, nem por qualquer espécie de animal que rasteja sobre a terra, que separei de vós como imundo.

26 E ser-me-eis santos; porque eu, o Senhor, sou santo e vos separei dos outros, para que fosseis meus.

27 Também o homem ou a mulher que tiver espírito familiar, ou que for feiticeiro, certamente morrerá; eles os apedrejarão com pedras; o seu sangue cairá sobre eles.

CAPÍTULO 21

Qualificações sacerdotais.

1 E disse o Senhor a Moisés: Fala aos sacerdotes, filhos de Arão, e dize-lhes: Ninguém se contaminará com o morto entre o seu povo;

2 Mas quanto à sua família, que lhe é próxima, isto é, por sua mãe, e por seu pai, e por seu filho, e por sua filha, e por seu irmão,

3 E para sua irmã uma virgem, que é próxima dele, que não tem marido; por ela que ele seja contaminado.

4 Mas ele não se contaminará, sendo um homem importante entre o seu povo, para se profanar.

5 Não farão calvície na cabeça, nem raparão o canto da barba, nem cortarão a carne.

6 Eles serão santos ao seu Deus, e não profanarão o nome do seu Deus; porque as ofertas queimadas do Senhor e o pão do seu Deus oferecem; por isso serão santos.

7 Não tomarão mulher prostituta ou profana; nem tomarão uma mulher repudiada de seu marido; porque ele é santo para o seu Deus.

8 Portanto, o santificarás; porque oferece o pão do teu Deus; ele será santo para ti; porque eu, o Senhor, que vos santifico, sou santo.

9 E a filha de algum sacerdote, se se profanar fazendo-se prostituta, profana a seu pai; ela será queimada com fogo.

10 E aquele que for o sumo sacerdote entre seus irmãos, sobre cuja cabeça foi derramado o óleo da unção, e que for consagrado para vestir as vestes, não descobrirá a cabeça, nem rasgará as vestes;

11 Nem entrará para tocar em cadáver, nem se contaminará por causa de seu pai ou de sua mãe;

12 Nem sairá do santuário, nem profanará o santuário do seu Deus; porque a coroa do óleo da unção do seu Deus está sobre ele; Eu sou o Senhor.

13 E ele tomará uma esposa em sua virgindade.

14 Viúva, ou repudiada, ou profana, ou prostituta, a estes não tomará; mas tomará por mulher uma virgem do seu povo.

15 Nem profanará a sua descendência no meio do seu povo; porque eu, o Senhor, o santifico.

16 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

17 Fala a Arão, dizendo: Aquele que for da tua descendência nas suas gerações que tiver algum defeito, não se aproxime para oferecer o pão do seu Deus.

18 Pois qualquer homem que tenha defeito não se aproximará; um cego, ou um coxo, ou aquele que tem nariz chato, ou qualquer coisa supérflua,

19 Ou um homem que tem pés quebrados ou mãos quebradas,

20 Ou de costas tortas, ou anão, ou com defeito no olho, ou escorbuto, ou sarna, ou com pedras quebradas;

21 Nenhum homem que tiver algum defeito da descendência de Arão, o sacerdote, se chegará para oferecer as ofertas queimadas do Senhor; ele tem um defeito; não se chegará para oferecer o pão do seu Deus.

22 Ele comerá o pão do seu Deus, tanto do santíssimo como do santo.

23 Só que não entrará no véu, nem se aproximará do altar, porque tem defeito; que ele não profane meus santuários; porque eu, o Senhor, os santifico.

24 E Moisés o contou a Arão, e a seus filhos, e a todos os filhos de Israel.

CAPÍTULO 22

Os sacerdotes; seus deveres e privilégios – De sacrifícios.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Dize a Arão e a seus filhos que se afastem das coisas sagradas dos filhos de Israel, e que não profanem meu santo nome nas coisas que me santificam; Eu sou o Senhor.

3 Dize-lhes: Qualquer que for de toda a vossa descendência entre as vossas gerações, que for às coisas sagradas, que os filhos de Israel santificarem ao Senhor, tendo sobre si a sua imundícia, essa alma será extirpada da minha presença; Eu sou o Senhor.

4 Qualquer homem da descendência de Arão é leproso ou tem fluxo; não comerá das coisas sagradas, até que esteja limpo. E quem tocar alguma coisa impura pelos mortos, ou um homem cuja semente dele procede;

5 Ou qualquer que tocar em algum réptil, pelo qual se torne impuro, ou em um homem de quem tomar impureza, qualquer impureza que tiver;

6 A alma que tocar em tal será impura até a tarde, e não comerá das coisas sagradas, se não lavar a sua carne com água.

7 E quando o sol se puser, ele estará limpo, e depois comerá das coisas sagradas; porque é a comida dele.

8 O que morre de si mesmo, ou é dilacerado pelos animais, não comerá para se contaminar com ele; Eu sou o Senhor.

9 Eles, portanto, guardarão minha ordenança, para que não levem pecado por ela e morram; portanto, se eles não profanarem minhas ordenanças, eu, o Senhor, os santificarei.

10 Nenhum estranho comerá do sagrado; o peregrino do sacerdote, ou o empregado, não comerá do santo.

11 Mas se o sacerdote comprar alguma alma com o seu dinheiro, dele comerá, e o nascido em sua casa; comerão da sua carne.

12 Se a filha do sacerdote também for casada com um estranho, não poderá comer da oferta das coisas sagradas.

13 Mas, se a filha do sacerdote for viúva ou repudiada, e não tiver filhos, e for restituída à casa de seu pai, como na sua juventude, comerá da comida de seu pai; mas nenhum estranho comerá dela.

14 E, se alguém comer do sagrado sem querer, porá nele a quinta parte, e o dará ao sacerdote com o sagrado.

15 E não profanarão as coisas sagradas dos filhos de Israel que oferecem ao Senhor;

16 Ou deixe-os levar a iniqüidade da transgressão, quando comerem as suas coisas sagradas; porque eu, o Senhor, os santifico.

17 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

18 Fala a Arão, e a seus filhos, e a todos os filhos de Israel, e dize-lhes: Qualquer que seja da casa de Israel, ou dos estrangeiros em Israel, que oferecer a sua oferta por todos os seus votos, e por todas as suas ofertas voluntárias, que oferecerão ao Senhor em holocausto;

19 Vós oferecereis à vossa vontade um macho sem defeito, de boi, de ovelha ou de bode.

20 Mas o que tiver defeito não oferecereis; pois não será aceitável para você.

21 E todo aquele que oferecer um sacrifício de ofertas pacíficas ao Senhor para cumprir seu voto, ou uma oferta voluntária em bois ou ovelhas, será perfeito para ser aceito; não haverá mancha nele.

22 Cegos, ou quebrados, ou aleijados, ou com sarna, ou escorbuto, ou sarna, não os oferecereis ao Senhor, nem deles fareis oferta queimada sobre o altar ao Senhor.

23 Seja um novilho ou um cordeiro que tenha em excesso ou em falta alguma coisa em suas partes, que oferecerás como oferta voluntária; mas por um voto não será aceito.

24 Não oferecereis ao Senhor o que for ferido, ou esmagado, ou quebrado, ou cortado; nem dele fareis oferta na vossa terra.

25 Nem da mão de um estranho oferecereis o pão do vosso Deus de nenhum destes; porque a sua corrupção está neles, e as manchas estão neles; eles não serão aceitos para você.

26 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

27 Quando der à luz um novilho, ou uma ovelha, ou uma cabra, ficarão sete dias debaixo da represa; e a partir do oitavo dia em diante será aceito como oferta queimada ao Senhor.

28 E seja vaca ou ovelha, não a matareis, nem a seus filhotes, no mesmo dia.

29 E quando oferecerdes sacrifício de ação de graças ao Senhor, oferecei-o à vossa vontade.

30 No mesmo dia será comido; não deixareis nada até amanhã; Eu sou o Senhor.

31 Portanto guardareis os meus mandamentos e os cumprireis; Eu sou o Senhor.

32 Nem profanareis o meu santo nome; mas serei santificado entre os filhos de Israel; Eu sou o Senhor que vos santifico,

33 Que te tirou da terra do Egito, para ser o seu Deus; Eu sou o Senhor.

CAPÍTULO 23

As festas do Senhor – o sábado – respigas a serem deixadas – o dia da expiação.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quanto às festas do Senhor, que proclamareis como santas convocações, estas são as minhas festas.

3 Seis dias de trabalho será feito; mas o sétimo dia é o sábado do descanso, santa convocação; não fareis nenhum trabalho nele; é o sábado do Senhor em todas as vossas habitações.

4 Estas são as festas do Senhor, santas convocações, que proclamareis a seu tempo.

5 No décimo quarto dia do primeiro mês, à tarde é a páscoa do Senhor.

6 E aos quinze dias do mesmo mês é a festa dos pães ázimos ao Senhor; sete dias comereis pães ázimos.

7 No primeiro dia tereis santa convocação; não fareis nenhum trabalho servil nele.

8 Mas por sete dias oferecereis oferta queimada ao Senhor; no sétimo dia haverá santa convocação; não fareis nenhum trabalho servil nele.

9 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

10 Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando entrardes na terra que vos dou e fizerdes a sua colheita, trareis um molho das primícias da vossa colheita ao sacerdote ;

11 E ele moverá o molho perante o Senhor, para ser aceito por vós; no dia seguinte ao sábado o sacerdote a moverá.

12 E no dia em que moverdes o molho oferecereis um cordeiro sem defeito de um ano em holocausto ao Senhor.

13 E a sua oferta de cereais será de duas décimas de flor de farinha, amassada com azeite, e oferta queimada ao Senhor, de cheiro suave; e a sua libação será de vinho, a quarta parte de um him.

14 E não comereis pão, nem milho torrado, nem espigas verdes, até o mesmo dia em que trouxerdes uma oferta ao vosso Deus; será estatuto perpétuo pelas vossas gerações em todas as vossas habitações.

15 E vos contareis desde o dia seguinte ao sábado, desde o dia em que trouxerdes o molho da oferta movida; sete sábados serão completos;

16 Até o dia seguinte ao sétimo sábado contareis cinqüenta dias; e oferecereis uma nova oferta de alimentos ao Senhor.

17 Das vossas habitações trareis dois pães de movimento de dois décimos; serão de flor de farinha; eles serão cozidos com fermento; são as primícias para o Senhor.

18 E com o pão oferecereis sete cordeiros sem defeito de um ano, e um novilho e dois carneiros; serão holocaustos ao Senhor, com a sua oferta de cereais e as suas libações, oferta queimada de cheiro suave ao Senhor.

19 Então sacrificareis um cabrito para expiação do pecado, e dois cordeiros de um ano para sacrifício pacífico.

20 E o sacerdote os moverá com o pão das primícias por oferta movida perante o Senhor, com os dois cordeiros; eles serão santos ao Senhor para o sacerdote.

21 E no mesmo dia proclamareis, para que vos seja santa convocação; não fareis nenhum trabalho servil nele; será estatuto perpétuo em todas as vossas habitações pelas vossas gerações.

22 E quando fizeres a colheita da tua terra, não limparás os cantos do teu campo quando ceifares, nem recolherás as espigas da tua colheita; tu os deixarás para o pobre e para o estrangeiro; Eu sou o Senhor teu Deus.

23 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

24 Fala aos filhos de Israel, dizendo: No mês sétimo, no primeiro dia do mês, tereis um sábado, memorial com toque de trombetas, santa convocação.

25 Não fareis nenhum trabalho servil nele; mas oferecereis oferta queimada ao Senhor.

26 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

27 Também no décimo dia deste sétimo mês haverá um dia de expiação; será para vós uma santa convocação; e afligireis as vossas almas, e oferecereis uma oferta queimada ao Senhor.

28 E nenhum trabalho fareis naquele mesmo dia; porque é um dia de expiação, para fazer expiação por vós perante o Senhor vosso Deus.

29 Pois qualquer alma que não for afligida naquele mesmo dia, será extirpada do meio do seu povo.

30 E qualquer alma que fizer alguma obra naquele mesmo dia, a mesma alma destruirei do meio do seu povo.

31 Não fareis nenhum tipo de trabalho; será estatuto perpétuo pelas vossas gerações em todas as vossas habitações.

32 Sábado de descanso vos será, e afligireis as vossas almas; no nono dia do mês à tarde, de uma tarde até a tarde, celebrareis o vosso sábado.

33 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

34 Fala aos filhos de Israel, dizendo: Aos quinze dias deste sétimo mês será a festa dos tabernáculos por sete dias ao Senhor.

35 No primeiro dia haverá santa convocação; não fareis nenhum trabalho servil nele.

36 Sete dias oferecereis oferta queimada ao Senhor; ao oitavo dia vos haverá santa convocação, e oferecereis oferta queimada ao Senhor; é uma assembléia solene; e não fareis nenhum trabalho servil nele.

37 Estas são as festas do Senhor, que proclamareis santas convocações, para oferecer ao Senhor oferta queimada, holocausto, oferta de alimentos, sacrifício e libações, tudo no seu dia;

38 Além dos sábados do Senhor, e além das vossas dádivas, e além de todos os vossos votos, e além de todas as vossas ofertas voluntárias que dais ao Senhor.

39 Também no décimo quinto dia do sétimo mês, quando tiverdes colhido o fruto da terra, por sete dias celebrareis uma festa ao Senhor; no primeiro dia será um sábado, e no oitavo dia será um sábado.

40 E no primeiro dia tomareis para vós ramos de boas árvores, ramos de palmeiras, ramos de árvores frondosas e salgueiros de ribeiro; e vos regozijareis diante do Senhor vosso Deus sete dias.

41 E celebrá-lo-eis como festa ao Senhor sete dias no ano; será estatuto perpétuo nas vossas gerações; o celebrareis no sétimo mês.

42 Habitareis em tendas sete dias; todos os israelitas nascidos habitarão em tendas;

43 Para que saibam vossas gerações que fiz os filhos de Israel habitarem em tendas, quando os tirei da terra do Egito; Eu sou o Senhor teu Deus.

44 E Moisés declarou aos filhos de Israel as festas do Senhor.

CAPÍTULO 24

O óleo – O pão da mostra – A lei da blasfêmia – do assassinato – do dano.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Ordena aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliva, batido, para o candeeiro, para que as lâmpadas acendam continuamente.

3 Sem o véu do testemunho, na tenda da congregação, Arão o ordenará desde a tarde até a manhã perante o Senhor continuamente; será estatuto perpétuo nas vossas gerações.

4 Ele ordenará as lâmpadas sobre o castiçal puro diante do Senhor continuamente.

5 E tomarás flor de farinha, e dela cozerás doze bolos; dois décimos negócios estarão em um bolo.

6 E os porás em duas filas, seis em fila, sobre a mesa pura perante o Senhor.

7 E porás incenso puro em cada fileira, para que seja sobre o pão um memorial, uma oferta queimada ao Senhor.

8 Todo sábado ele o porá em ordem diante do Senhor continuamente, sendo tirado dos filhos de Israel por um pacto perpétuo.

9 E será de Arão e de seus filhos; e o comerão no lugar santo; porque santíssima lhe é das ofertas queimadas do Senhor, por estatuto perpétuo.

10 E o filho de uma israelita, cujo pai era egípcio, saiu no meio dos filhos de Israel; e este filho da israelita e um homem de Israel lutaram juntos no arraial;

11 E o filho da mulher israelita blasfemou o nome do Senhor, e amaldiçoou. E o trouxeram a Moisés; (e o nome de sua mãe era Shelomith, filha de Dibri, da tribo de Dan;)

12 E o puseram na enfermaria, para que lhes fosse mostrada a mente do Senhor.

13 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

14 Tirai fora do arraial aquele que amaldiçoou; e todos os que o ouviram ponham as mãos sobre a sua cabeça, e toda a congregação o apedreje.

15 E falarás aos filhos de Israel, dizendo: Todo aquele que amaldiçoar o seu Deus levará sobre si o seu pecado.

16 E aquele que blasfemar o nome do Senhor certamente será morto, e toda a congregação certamente o apedrejará; assim o estrangeiro, como o nascido na terra, quando blasfemar o nome do Senhor, será morto.

17 E quem matar alguém certamente morrerá.

18 E quem matar um animal o restituirá; besta por besta.

19 E se alguém ferir o seu próximo; como ele fez, assim será feito a ele;

20 Fenda por quebra, olho por olho, dente por dente; como ele causou uma mancha em um homem, assim será feito a ele.

21 E quem matar um animal, ele o restaurará; e quem matar um homem, será morto.

22. Tereis uma lei, tanto para o estrangeiro como para o de vossa pátria; porque eu sou o Senhor vosso Deus.

23 E Moisés falou aos filhos de Israel que tirassem do arraial aquele que havia amaldiçoado, e o apedrejassem com pedras; e os filhos de Israel fizeram como o Senhor ordenara a Moisés.

CAPÍTULO 25

O sétimo ano – O jubileu – De opressão – De obediência – Redenção de terra – De casas – De servos.

1 E o Senhor falou a Moisés no monte Sinai, dizendo:

2 Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando entrardes na terra que vos dou, a terra guardará um sábado ao Senhor.

3 Seis anos semearás o teu campo, e seis anos podarás a tua vinha, e colherás o seu fruto;

4 Mas no sétimo ano será um sábado de descanso para a terra, um sábado para o Senhor; não semearás o teu campo, nem podarás a tua vinha.

5 O que crescer por si mesmo da tua colheita não colherás, nem colherás as uvas da tua vide sem colheita; porque é um ano de descanso para a terra.

6 E o sábado da terra vos servirá de mantimento; por ti, e por teu servo, e por tua serva, e por teu empregado, e por teu estrangeiro que peregrina contigo,

7 E para o teu gado, e para os animais que estão na tua terra, toda a sua produção servirá de mantimento.

8 E contarás sete sábados de anos para ti, sete vezes sete anos; e o espaço dos sete sábados de anos será para ti quarenta e nove anos.

9 Então farás soar a trombeta do jubileu no décimo dia do sétimo mês; no dia da expiação fareis soar a trombeta por toda a tua terra.

10 E santificareis o qüinquagésimo ano e proclamareis liberdade em toda a terra a todos os seus moradores; será um jubileu para vós; e cada um devolverá à sua propriedade, e cada um devolverá à sua família.

11 Um jubileu vos será esse quinquagésimo ano; não semearás, nem ceifarás o que nele cresce por si mesmo, nem colherás nele as uvas da tua videira não tratadas.

12 Pois é o jubileu; santo será para vós; comereis a sua novidade do campo.

13 No ano deste jubileu devolvereis cada um à sua possessão.

14 E se venderes alguma coisa ao teu próximo, ou comprares alguma coisa da mão do teu próximo, não vos oprimireis uns aos outros.

15 Conforme o número de anos após o jubileu comprarás do teu próximo, e conforme o número de anos dos frutos que ele te vender;

16 Conforme a quantidade de anos aumentarás o seu preço, e conforme a escassez de anos diminuirás o seu preço; porque conforme o número dos anos dos frutos ele te venderá.

17 Portanto, não vos oprimireis uns aos outros; mas temerás o teu Deus; porque eu sou o Senhor vosso Deus.

18 Portanto guardareis os meus estatutos, e guardareis os meus juízos, e os cumprireis; e habitareis na terra em segurança.

19 E a terra dará o seu fruto, e comereis a fartar-vos, e nela habitareis seguros.

20 E se disserdes: Que comeremos no sétimo ano? eis que não semeamos nem colheremos a nossa colheita;

21 Então ordenarei a minha bênção sobre vós no sexto ano, e dará fruto durante três anos.

22 E semeareis ao oitavo ano, e ainda comereis do fruto velho até ao nono ano; até que os seus frutos entrem, comereis do velho armazém.

23 A terra não será vendida para sempre; porque a terra é minha; porque vós sois estrangeiros e peregrinos comigo.

24 E em toda a terra de vossa possessão concedereis o resgate da terra.

25 Se teu irmão empobrecer, e tiver vendido alguns de seus bens, e se algum de seus parentes vier resgatá-los, então resgatará o que seu irmão vendeu.

26 E se o homem não tiver quem o resgate, e ele mesmo puder resgatá-lo;

27 Então conte os anos da sua venda, e restitua o excedente ao homem a quem o vendeu; para que volte à sua posse.

28 Mas, se não puder restituí-lo, o que for vendido ficará na mão daquele que o comprou até o ano do jubileu; e no jubileu sairá, e ele voltará à sua possessão.

29 E se alguém vender a sua casa numa cidade fortificada, poderá resgatá-la dentro de um ano inteiro após a sua venda; dentro de um ano inteiro ele pode resgatá-lo.

30 E se não for resgatada no espaço de um ano inteiro, então a casa que está na cidade murada será estabelecida para sempre àquele que a comprou nas suas gerações; não sairá no jubileu.

31 Mas as casas das aldeias que não têm muros ao redor serão contadas como os campos do país; serão redimidos, e sairão no jubileu.

32 Não obstante as cidades dos levitas e as casas das cidades de sua possessão, os levitas podem resgatar a qualquer momento.

33 E se um homem comprar dos levitas, então a casa que foi vendida, e a cidade da sua possessão, sairão no ano do jubileu; porque as casas das cidades dos levitas são sua possessão entre os filhos de Israel.

34 Mas o campo dos arrabaldes de suas cidades não pode ser vendido; pois é sua posse perpétua.

35 E se teu irmão se empobrecer e decair contigo; então tu o aliviarás; sim, embora ele seja um estrangeiro ou um peregrino; para que ele possa viver contigo.

36 Não tomes dele nenhuma usura, nem aumentes; mas teme o teu Deus; para que teu irmão viva contigo.

37 Não lhe darás o teu dinheiro com usura, nem lhe emprestarás os teus mantimentos por aumento.

38 Eu sou o Senhor vosso Deus, que vos tirei da terra do Egito, para vos dar a terra de Canaã e ser vosso Deus.

39 E se teu irmão que mora perto de ti empobrecer e for vendido a ti; não o obrigarás a servir como servo;

40 Mas como mercenário e peregrino estará contigo, e te servirá até o ano do jubileu;

41 E então ele se afastará de ti, tanto ele como seus filhos com ele, e retornará para sua própria família, e para a propriedade de seus pais ele retornará.

42 Porque são meus servos, que tirei da terra do Egito; não serão vendidos como escravos.

43 Não o dominarás com rigor; mas temerás o teu Deus.

44 Tanto os teus servos como as tuas servas, que tiveres, serão da

pagãos que estão ao seu redor; deles comprareis servos e servas.

45 Além disso, dos filhos dos estrangeiros que peregrinam entre vós, deles comprareis, e das suas famílias que estão convosco, que geraram na vossa terra; e eles serão sua possessão.

46 E tomá-los-eis por herança para vossos filhos depois de vós, para os herdar como possessão; eles serão seus servos para sempre; mas sobre vossos irmãos, os filhos de Israel, não dominareis com rigor uns sobre os outros.

47 E se um peregrino ou estrangeiro enriquecer por ti, e teu irmão que mora com ele empobrecer, e se vender ao estrangeiro ou peregrino por ti, ou à linhagem da família do estrangeiro;

48 Depois que for vendido, poderá ser resgatado novamente; um de seus irmãos pode redimi-lo;

49 Ou seu tio, ou o filho de seu tio, pode resgatá-lo, ou qualquer um que seja próximo dele de sua família pode resgatá-lo; ou se for capaz, pode redimir-se.

50 E fará contas com aquele que o comprou desde o ano em que lhe foi vendido até o ano do jubileu; e o preço da sua venda será conforme o número dos anos, conforme o tempo do empregado será com ele.

51 Se ainda faltarem muitos anos, segundo eles restituirá o preço do seu resgate com o dinheiro pelo qual foi comprado.

52 E se restarem poucos anos até o ano do jubileu, então ele contará com ele, e de acordo com seus anos ele lhe dará novamente o preço de sua redenção.

53 E como empregado anual estará com ele; e o outro não governará com rigor sobre ele à tua vista.

54 E se não for resgatado nestes anos, sairá no ano do jubileu, tanto ele como seus filhos com ele.

55 Porque para mim os filhos de Israel são servos; são meus servos que tirei da terra do Egito; Eu sou o Senhor teu Deus.

CAPÍTULO 26

De idolatria – religiosidade – bênçãos para os obedientes.

1 Não fareis para vós ídolos nem imagens de escultura, nem levantareis imagem de pé, nem levantareis imagem de pedra na vossa terra, para vos curvardes a ela; porque eu sou o Senhor vosso Deus.

2 Guardareis os meus sábados e reverenciareis o meu santuário; Eu sou o Senhor.

3 Se andardes nos meus estatutos, e guardardes os meus mandamentos, e os cumprirdes;

4 Então vos darei chuva a seu tempo, e a terra dará o seu fruto, e as árvores do campo darão o seu fruto.

5 E a vossa debulha chegará à vindima, e a vindima chegará à sementeira; e comereis o vosso pão a fartar, e habitareis em segurança na vossa terra.

6 E darei paz na terra, e vos deitareis, e ninguém vos atemorizará; e livrarei as feras da terra, e a espada não passará pela tua terra.

7 E perseguireis os vossos inimigos, e eles cairão diante de vós à espada.

8 E cinco de vós perseguirão cem, e cem de vós porão em fuga dez mil; e os teus inimigos cairão à espada diante de ti.

9 Porque eu vos respeitarei, e vos farei frutificar, e vos multiplicarei, e estabelecerei a minha aliança convosco.

10 E comereis o velho e trareis o velho por causa do novo.

11 E porei o meu tabernáculo entre vós; e minha alma não te abominará;

12 E andarei entre vós, e serei vosso Deus, e vós sereis o meu povo.

13 Eu sou o Senhor vosso Deus, que vos tirei da terra do Egito, para que não fôsseis seus escravos; e quebrei as ataduras do teu jugo, e te fiz andar reto.

14 Mas se não me ouvirdes e não cumprirdes todos estes mandamentos;

15 E se desprezardes os meus estatutos, ou se a vossa alma abominar os meus juízos, não cumprireis todos os meus mandamentos, mas violareis o meu pacto;

16 Eu também vos farei isso; Porei sobre vocês o terror, a tuberculose e a febre ardente, que consumirá os olhos e causará tristeza no coração; e semeareis a vossa semente em vão, porque os vossos inimigos a comerão.

17 E porei o meu rosto contra vós, e sereis mortos diante de vossos inimigos; os que te odeiam reinarão sobre ti; e fugireis quando ninguém vos perseguir.

18 E se ainda não me ouvirdes por tudo isso, então eu vos punirei sete vezes mais por vossos pecados.

19 E quebrarei a soberba do teu poder; e farei o teu céu como ferro, e a tua terra como bronze;

20 E sua força será gasta em vão; porque a tua terra não dará o seu fruto, nem as árvores da terra darão os seus frutos.

21 E se andardes contra mim e não me quiserdes ouvir; trarei sete vezes mais pragas sobre vocês, de acordo com seus pecados.

22 Também enviarei entre vós feras, que vos roubarão os vossos filhos, e destruirão o vosso gado, e vos diminuirão em número; e os vossos caminhos ficarão desertos.

23 E se não quiserdes ser reformados por mim por estas coisas, mas andardes contrariamente a mim;

24 Então eu também andarei contra vós, e ainda vos castigarei sete vezes pelos vossos pecados.

25 E trarei sobre ti uma espada, que vingará a contenda da minha aliança; e quando vos congregardes nas vossas cidades, enviarei a peste entre vós; e sereis entregues nas mãos do inimigo.

26 E quando eu tiver partido o bordão do teu pão, dez mulheres cozerão o teu pão num só forno, e te entregarão o teu pão por peso; e comereis, e não vos fartareis.

27 E se não quiserdes ouvir-me, mas andardes contrariamente a mim;

28 Então andarei contra vós também com furor; e eu, eu mesmo, castigá-los-ei sete vezes pelos vossos pecados.

29 E comereis a carne de vossos filhos, e a carne de vossas filhas comereis.

30 E destruirei os vossos altos, e cortarei as vossas imagens, e lançarei os vossos cadáveres sobre os cadáveres dos vossos ídolos, e a minha alma vos abominará.

31 E farei assolar as vossas cidades, e levarei à desolação os vossos santuários, e não sentirei o cheiro dos vossos cheiros suaves.

32 E porei a terra em desolação; e os vossos inimigos que nela habitam ficarão espantados com isso.

33 E vos espalharei entre os gentios, e desembainharei a espada atrás de vós; e a vossa terra ficará assolada, e as vossas cidades devastadas.

34 Então a terra gozará dos seus sábados, enquanto estiver assolada, e vós estareis na terra dos vossos inimigos; mesmo assim a terra descansará e desfrutará de seus sábados.

35 Enquanto estiver assolada, descansará; porque não descansou nos vossos sábados, quando nela habitais.

36 E sobre os que ficarem vivos de vós, enviarei desfalecimento em seus corações nas terras de seus inimigos; e o som de uma folha sacudida os perseguirá; e eles fugirão como fugindo da espada; e eles cairão quando ninguém os perseguir.

37 E cairão uns sobre os outros, como diante da espada, sem que ninguém os persiga; e não tereis poder para resistir a vossos inimigos.

38 E perecereis entre os gentios, e a terra de vossos inimigos vos devorará.

39 E os que vos restarem definharão na sua iniqüidade nas terras de vossos inimigos; e também nas iniqüidades de seus pais definhar-se-ão com eles.

40 Se confessarem a sua iniqüidade e a iniqüidade de seus pais, com a transgressão que cometeram contra mim, e que também têm andado contra mim;

41 E que eu também andei contra eles e os trouxe para a terra de seus inimigos; se então seus corações incircuncisos forem humilhados, e eles então aceitarem o castigo de sua iniqüidade;

42 Então me lembrarei da minha aliança com Jacó, e também da minha aliança com Isaque, e também da minha aliança com Abraão; e eu me lembrarei da terra.

43 A terra também será deixada deles, e desfrutará dos seus sábados, enquanto ela estiver desolada sem eles; e eles aceitarão o castigo de sua iniqüidade; porque, mesmo porque desprezaram os meus juízos, e porque a sua alma abominou os meus estatutos.

44 E ainda assim, quando estiverem na terra de seus inimigos, não os rejeitarei, nem os abominarei, para destruí-los totalmente e quebrar minha aliança com eles; porque eu sou o Senhor seu Deus.

45 Mas por amor deles me lembrarei da aliança de seus pais, que tirei da terra do Egito à vista dos gentios, para ser o seu Deus; Eu sou o Senhor.

46 Estes são os estatutos e os juízos e as leis que o Senhor estabeleceu entre ele e os filhos de Israel no monte Sinai por mão de Moisés.

CAPÍTULO 27

De votos – O dízimo não pode ser alterado.

1 E o Senhor falou a Moisés, dizendo:

2 Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando um homem fizer um voto singular, as pessoas serão para o Senhor por tua avaliação.

3 E a tua avaliação será do homem da idade de vinte anos até os sessenta anos; a tua avaliação será de cinqüenta siclos de prata, segundo o siclo do santuário.

4 E se for uma mulher, então a tua avaliação será de trinta siclos.

5 E se for da idade de cinco anos até vinte anos, então a tua avaliação será do macho vinte siclos, e da fêmea dez siclos.

6 E se for da idade de um mês até os cinco anos, então a tua avaliação será do macho cinco siclos de prata, e da fêmea a tua avaliação será de três siclos de prata.

7 E se for de sessenta anos para cima; se for macho, então a tua avaliação será de quinze siclos, e para a fêmea dez siclos.

8 Mas, se for mais pobre do que a tua avaliação, apresentar-se-á perante o sacerdote, e o sacerdote o avaliará; de acordo com a sua capacidade que votou o sacerdote o valorizará.

9 E se for um animal do qual os homens trazem uma oferta ao Senhor, tudo o que alguém der dele ao Senhor será santo.

10 Não o alterará, nem o mudará, bem por mal, ou mal por bem; e se ele trocar animal por animal, então ele e sua troca serão santos.

11 E se for algum animal imundo, dos quais não oferecem sacrifício ao Senhor, então apresentará o animal perante o sacerdote;

12 E o sacerdote o avaliará, seja bom ou mau; como tu o valorizas, que és o sacerdote, assim será.

13 Mas, se ele quiser resgatá-lo, então acrescentará à tua avaliação a quinta parte.

14 E quando um homem santificar sua casa para ser santa ao Senhor, então o sacerdote a avaliará, se é boa ou má; como o sacerdote a avaliar, assim será.

15 E se aquele que o santificou resgatar a sua casa, então lhe acrescentará a quinta parte do dinheiro da tua avaliação, e será dele.

16 E se um homem santificar ao Senhor alguma parte de um campo de sua propriedade, então a tua avaliação será de acordo com a sua semente; um ômer de semente de cevada será avaliado em cinqüenta siclos de prata.

17 Se ele santificar o seu campo desde o ano do jubileu, conforme a tua avaliação ficará.

18 Mas se santificar o seu campo depois do jubileu, então o sacerdote lhe contará o dinheiro segundo os anos que faltam, até ao ano do jubileu, e será diminuído da tua avaliação.

19 E se aquele que santificou o campo de algum modo o resgatar, então acrescentará a quinta parte do dinheiro da tua avaliação, e isso lhe será assegurado.

20 E se ele não resgatar o campo, ou se ele tiver vendido o campo a outro homem, não será mais resgatado.

21 Mas o campo, quando sair no jubileu, será santo ao Senhor, como campo consagrado; a sua posse será do sacerdote.

22 E se um homem santificar ao Senhor um campo que comprou, que não é dos campos de sua propriedade;

23 Então o sacerdote lhe contará o valor da tua avaliação até o ano do jubileu; e ele dará a tua avaliação naquele dia, como uma coisa santa ao Senhor.

24 No ano do jubileu o campo retornará àquele de quem foi comprado, mesmo àquele a quem pertencia a posse da terra.

25 E toda a tua avaliação será segundo o siclo do santuário; vinte geras serão o siclo.

26 Somente o primogênito dos animais, que deve ser o primogênito do Senhor, ninguém o santificará; seja boi ou ovelha; é do Senhor.

27 E, se for de animal imundo, resgatá-lo-á conforme a tua avaliação e acrescentará um quinto dele; ou, se não for resgatado, será vendido conforme a tua avaliação.

28 Não obstante, nenhuma coisa consagrada que um homem dedique ao Senhor de tudo o que possui, tanto de homens como de animais, e do campo de sua propriedade, será vendida ou resgatada; toda coisa consagrada é santíssima para o Senhor.

29 Nenhum consagrado, que será consagrado dos homens, será resgatado; mas certamente será morto.

30 E todo o dízimo da terra, seja da semente da terra, seja do fruto da árvore, é do Senhor; é santo ao Senhor.

31 E se alguém quiser resgatar alguma coisa de seus dízimos, acrescentará a quinta parte deles.

32 E quanto ao dízimo do gado, ou do rebanho, mesmo de tudo o que passar debaixo da vara, o dízimo será santo ao Senhor.

33 Ele não examinará se é bom ou mau, nem o mudará; e se ele a mudar, então tanto ela como a sua mudança serão santas; não será resgatado.

34 Estes são os mandamentos que o Senhor ordenou a Moisés para os filhos de Israel no monte Sinai.

Biblioteca das Escrituras:

Dica de pesquisa

Digite uma única palavra ou use aspas para pesquisar uma frase inteira (por exemplo, "porque Deus amou o mundo de tal maneira").

scripture

Para recursos adicionais, visite nosso Recursos para membros página.