Lucas

O Testemunho de São Lucas

 

CAPÍTULO 1

O nascimento de João — Sua missão — A Anunciação do Salvador.

1 Como eu sou um mensageiro de Jesus Cristo, e sabendo que muitos se encarregaram de estabelecer em ordem uma declaração das coisas que certamente são cridas entre nós:

2 Assim como eles os entregaram a nós, que desde o princípio fomos testemunhas oculares e ministros da palavra;

3 Pareceu-me também bem, tendo desde o princípio um perfeito entendimento de todas as coisas, escrever-te por ordem, excelentíssimo Teófilo,

4 Para que conheças a certeza das coisas em que foste instruído.

5 Houve nos dias de Herodes, rei da Judéia, um sacerdote chamado Zacarias, da turma de Abia; e sua mulher sendo das filhas de Arão, e seu nome Isabel,

6 Eram ambos justos diante de Deus, andando irrepreensíveis em todos os mandamentos e preceitos do Senhor;

7 E não tiveram filhos. Elizabeth era estéril, e os dois já tinham muitos anos.

8 E enquanto ele exercia o ofício de sacerdote diante de Deus, na ordem do seu sacerdócio,

9 De acordo com a lei, (sua sorte era queimar incenso quando entrasse no templo do Senhor,)

10 Toda a multidão do povo orava fora na hora do incenso.

11 E apareceu-lhe um anjo do Senhor, em pé à direita do altar do incenso.

12 E quando Zacarias viu o anjo, ele ficou perturbado e o medo caiu sobre ele.

13 Mas o anjo lhe disse: Não temas, Zacarias, porque a tua oração foi ouvida, e Isabel, tua mulher, te dará à luz um filho, a quem chamarás João.

14 Terás gozo e alegria, e muitos se regozijarão com o seu nascimento;

15 Porque ele será grande aos olhos do Senhor, e não beberá vinho nem bebida forte; e ele será cheio do Espírito Santo, desde o ventre de sua mãe.

16 E muitos dos filhos de Israel converterá ao Senhor seu Deus;

17 E irá adiante do Senhor no espírito e poder de Elias, para converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à prudência dos justos, a fim de preparar para o Senhor um povo preparado.

18 E Zacarias disse ao anjo: Por onde saberei isso? pois sou um homem velho, e minha mulher está bem avançada em anos.

19 E o anjo, respondendo, disse-lhe: Eu sou Gabriel, que estou na presença de Deus, e fui enviado para falar-te e anunciar-te estas boas novas.

20 E eis que ficarás mudo e não poderás falar até o dia em que estas coisas se cumprirem, porque não acreditaste nas minhas palavras que se cumprirão a seu tempo.

21 E o povo esperou por Zacarias, e admirou-se que ele ficasse tanto tempo no templo.

22 E quando ele saiu, ele não podia falar com eles; e perceberam que ele tivera uma visão no templo; porque ele acenou para eles, e permaneceu mudo.

23 E assim que os dias de seu ministério foram cumpridos, ele partiu para sua própria casa.

24 E passados aqueles dias, Isabel, sua mulher, concebeu e escondeu-se cinco meses, dizendo:

25 Assim me fez o Senhor nos dias em que olhou para mim, para tirar o meu opróbrio dentre os homens.

26 E no sexto mês o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré.

27 a uma virgem, desposada com um homem cujo nome era José, da casa de Davi; e o nome da virgem era Maria.

28 E o anjo entrou a ela e disse: Salve, virgem, que és muito favorecida pelo Senhor. O Senhor é contigo, porque foste escolhida e abençoada entre as mulheres.

29 E quando ela viu o anjo, ela ficou perturbada com sua palavra, e ponderou em sua mente que tipo de saudação deveria ser.

30 E o anjo lhe disse: Não temas, Maria, porque achaste graça diante de Deus.

31 E eis que conceberás e darás à luz um filho, e porás o seu nome Jesus.

32 Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo; eo Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi;

33 E reinará eternamente sobre a casa de Jacó; e do seu reino não haverá fim.

34 Então disse Maria ao anjo; Como isso pode ser?

35 E o anjo respondeu e disse-lhe: Do Espírito Santo e do poder do Altíssimo. Por isso também o santo menino que de ti há de nascer será chamado Filho de Deus.

36 E eis que Isabel, tua prima, também concebeu um filho na sua velhice; e este é o sexto mês com aquela que é chamada estéril.

37 Pois para Deus nada é impossível.

38 E Maria disse: Eis o feito à mão do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo partiu dela.

39 E naqueles dias, Maria foi apressadamente para a região montanhosa, para uma cidade de Judá,

40 E entrou na casa de Zacarias, e saudou Isabel.

41 E aconteceu que quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança saltou em seu ventre.

42 E Isabel ficou cheia do Espírito Santo, e falou em alta voz e disse: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre.

43 E por que é que esta bênção está sobre mim, que a mãe do meu Senhor venha a mim? Pois eis que assim que a voz de tua saudação soou em meus ouvidos, o bebê pulou em meu ventre de alegria.

44 E bem-aventurada és tu que acreditaste, porque as coisas que te foram ditas pelo anjo do Senhor serão cumpridas.

45 E Maria disse: A minha alma engrandece ao Senhor,

46 E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador.

47 Pois ele olhou para a baixeza de sua serva; pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada.

48 Porque o poderoso me fez grandes coisas; e engrandecerei o seu santo nome,

49 Pela sua misericórdia sobre os que o temem de geração em geração.

50 Ele mostrou força com seu braço; ele dispersou os orgulhosos na imaginação de seus corações.

51 Ele derrubou os poderosos dos seus altos assentos; e os exaltou de baixo grau.

52 Encheu de bens os famintos; mas os ricos despediu vazios.

53 Ajudou a seu servo Israel, lembrando-se da misericórdia,

54 Como falou a nossos pais, a Abraão e à sua descendência para sempre.

55 E Maria ficou com Isabel cerca de três meses, e voltou para sua casa.

56 E agora chegou o tempo completo de Isabel para que ela fosse libertada; e ela deu à luz um filho.

57 E seus vizinhos, e seus primos ouviram como o Senhor tinha mostrado grande misericórdia para com ela; e se alegraram com ela.

58 E aconteceu que no oitavo dia vieram circuncidar o menino; e chamaram-lhe Zacarias, pelo nome de seu pai.

59 E sua mãe respondeu e disse: Não é assim; mas ele será chamado João.

60 E disseram-lhe: Não há ninguém da tua parentela que se chame por este nome.

61 E fizeram sinais a seu pai, e perguntaram-lhe como o chamaria.

62 E ele pediu uma escrivaninha, e escreveu, dizendo: Seu nome é João, e todos se maravilharam.

63 E sua boca se abriu imediatamente, e ele falou com sua língua, e louvou a Deus.

64 E o medo veio sobre todos os que habitavam ao redor deles. E todas essas palavras foram espalhadas por toda a região montanhosa da Judéia.

65 E todos os que as ouviram as puseram em seus corações, dizendo: Que criança será esta? E a mão do Senhor estava com ele.

66 E seu pai Zacarias foi cheio do Espírito Santo, e profetizou, dizendo:

67 Bendito seja o Senhor Deus de Israel; porque visitou e redimiu o seu povo,

68 E suscitou para nós uma força de salvação na casa de seu servo Davi,

69 Como ele falou pela boca de seus santos profetas, desde o princípio do mundo,

70 Para sermos salvos dos nossos inimigos e das mãos de todos os que nos odeiam;

71 Para cumprir a misericórdia prometida a nossos pais e lembrar-se de sua santa aliança;

72 O juramento que fez a nosso pai Abraão,

73 Para que ele nos conceda que, libertados das mãos de nossos inimigos, o sirvamos sem medo,

74 Em santidade e justiça diante dele, todos os dias de nossas vidas.

75 E tu, menino, serás chamado profeta do Altíssimo, porque irás diante da face do Senhor para preparar os seus caminhos,

76 Para dar ao seu povo conhecimento da salvação, pelo batismo para remissão dos seus pecados,

77 Pela terna misericórdia de nosso Deus; pelo qual a aurora do alto nos visitou,

78 Para iluminar os que jazem nas trevas e na sombra da morte; guiar nossos pés no caminho da paz.

79 E o menino crescia, e se fortalecia em espírito, e estava nos desertos até o dia da sua apresentação a Israel.


CAPÍTULO 2

Nascimento de Cristo — A visão dos pastores — Simeão e Ana profetizam.

1 E aconteceu naqueles dias que saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o seu império fosse tributado.

2 Essa mesma taxação era quando Cirênio era governador da Síria.

3 E todos foram pagar impostos, cada um na sua cidade.

4 E também José subiu da Galiléia, da cidade de Nazaré, à Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém; (porque ele era da casa e linhagem de Davi,)

5 Para ser tributado, com Maria, sua esposa, estando ela grávida.

6 E foi assim que, estando eles ali, cumpriram-se os dias em que ela deveria dar à luz.

7 E ela deu à luz seu filho primogênito, e o envolveu em panos, e o deitou em uma manjedoura, porque não havia ninguém para dar lugar para eles nas estalagens.

8 E havia no mesmo país, pastores que permanecem no campo, vigiando seus rebanhos à noite.

9 E eis que um anjo do Senhor apareceu a eles, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles; e eles estavam com muito medo.

10 Mas o anjo lhes disse: Não temais, porque eis que vos trago novas de grande alegria, que será para todos os povos.

11 Pois para vós nasceu hoje, na cidade de Davi, um Salvador, que é Cristo, o Senhor.

12 E esta é a maneira que você deve encontrar o bebê, ele está envolto em panos, e está deitado em uma manjedoura.

13 E, de repente, juntou-se ao anjo uma multidão do exército celestial, louvando a Deus e dizendo:

14 Glória a Deus nas alturas; e na terra, paz; boa vontade aos homens.

15 E aconteceu que, quando os anjos se retiraram deles para o céu, os pastores disseram uns aos outros: Vamos agora até Belém, e vejamos o que aconteceu, que o Senhor deu a conhecer até nós.

16 E eles vieram com pressa, e encontraram Maria e José, e o menino deitado em uma manjedoura.

17 E, tendo eles visto, deram a conhecer a palavra que lhes foi dita a respeito deste menino.

18 Todos os que a ouviram se maravilharam com as coisas que os pastores lhes contaram;

19 Mas Maria guardou todas essas coisas e as ponderou em seu coração.

20 E os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por todas as coisas que tinham ouvido e visto, conforme lhes havia sido manifestado.

21 E quando se cumpriram oito dias para a circuncisão do menino, chamou-se-lhe o nome de Jesus; que foi assim chamado pelo anjo, antes de ser concebido.

22 E quando se cumpriram os dias da sua purificação, segundo a lei de Moisés; levaram-no a Jerusalém, para o apresentarem ao Senhor;

23 Como está escrito na lei do Senhor, todo macho que abrir a madre será chamado santo ao Senhor;

24 E para oferecer um sacrifício segundo o que está escrito na lei do Senhor, um par de rolas ou dois pombinhos.

25 E eis que estava em Jerusalém um homem, cujo nome era Simeão; e o mesmo homem era justo e devoto, esperando a consolação de Israel; e o Espírito Santo estava sobre ele.

26 E foi-lhe revelado pelo Espírito Santo que não veria a morte antes de ter visto o Cristo do Senhor.

27 E ele entrou pelo Espírito no templo; e quando os pais trouxeram o menino, Jesus, para fazer por ele segundo o costume da lei,

28 Então o tomou nos braços, e louvou a Deus, e disse:

29 Senhor, agora deixa teu servo partir em paz, segundo a tua palavra;

30 Porque os meus olhos viram a tua salvação,

31 Que preparaste perante a face de todos os povos;

32 Luz para iluminar os gentios e glória do teu povo Israel.

33 E José e Maria se maravilharam com as coisas que foram ditas do menino.

34 E Simeão os abençoou, e disse a Maria: Eis que este menino está para cair e ressuscitar de muitos em Israel; e por um sinal contra o qual se contradizer;

35 Sim, uma lança o atravessará, ferindo também a tua própria alma; que os pensamentos de muitos corações sejam revelados.

36 E havia uma certa Ana, profetisa, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Ela era de grande idade, e viveu com um marido apenas sete anos, com quem se casou em sua juventude,

37 E viveu viúva cerca de oitenta e quatro anos, que não se afastava do templo, mas servia a Deus com jejuns e orações, noite e dia.

38 E ela, chegando naquele instante, deu igualmente graças ao Senhor, e falou dele, a todos os que esperavam a redenção em Jerusalém.

39 E, tendo feito tudo conforme a lei do Senhor, voltaram para a Galiléia, para sua própria cidade, Nazaré.

40 E o menino crescia e se fortalecia em espírito, cheio de sabedoria, e a graça de Deus estava sobre ele.

41 Seus pais iam todos os anos a Jerusalém na festa da páscoa.

42 E quando ele tinha doze anos, eles subiram a Jerusalém, conforme o costume, para a festa.

43 E, cumpridos os dias, ao voltarem, o menino Jesus ficou para trás, em Jerusalém; e José e sua mãe não sabiam que ele tardava;

44 Mas eles, supondo que ele estivesse na companhia, caminharam um dia; e o buscaram entre seus parentes e conhecidos,

45 E como não o encontraram, voltaram para Jerusalém, procurando-o.

46 E aconteceu que, passados três dias, encontraram-no no templo, sentado no meio dos doutores, e eles o ouviam e lhe faziam perguntas.

47 E todos os que o ouviram ficaram admirados com o seu entendimento e respostas.

48 E quando seus pais o viram, ficaram maravilhados; e sua mãe lhe disse: Filho, por que nos trataste assim? Eis que teu pai e eu te buscamos tristes.

49 E disse-lhes: Por que me buscastes? Não sabiais que devo tratar dos negócios de meu Pai?

50 E eles não entenderam a palavra que ele lhes disse.

51 E desceu com eles, e veio a Nazaré, e lhes foi sujeito. E sua mãe guardou todas essas palavras em seu coração.

52 E Jesus crescia em sabedoria e estatura, e em graça diante de Deus e dos homens.


CAPÍTULO 3

Pregação de João sobre Cristo – João pregando à multidão – Batismo de Cristo – Genealogia de Cristo.

1 Ora, no décimo quinto ano do reinado de Tibério César, sendo Pôncio Pilatos governador da Judéia, Herodes tetrarca da Galiléia, e seu irmão Filipe tetrarca da Ituréia e da região de Traconites, e Lisânias tetrarca de Abilene; Anás e Caifás sendo os sumos sacerdotes.

2 Ora, neste mesmo ano, veio a palavra de Deus a João, filho de Zacarias, no deserto.

3 E ele percorreu toda a circunvizinhança do Jordão, pregando o batismo de arrependimento para remissão dos pecados.

4 Como está escrito no livro do profeta Isaías; e estas são as palavras que dizem: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, e endireitai as suas veredas.

5 Pois eis que ele virá, como está escrito no livro dos profetas, para tirar os pecados do mundo e trazer salvação às nações pagãs, para reunir os que estão perdidos, que estão do aprisco de Israel;

6 Sim, sim, os dispersos e aflitos; e também para preparar o caminho e tornar possível a pregação do evangelho aos gentios;

7 E para ser uma luz para todos os que jazem nas trevas, até os confins da terra; para realizar a ressurreição dentre os mortos, e subir ao alto, para habitar à direita do Pai,

8 Até que a plenitude dos tempos e a lei e o testemunho sejam selados e as chaves do reino sejam entregues novamente ao Pai;

9 Para administrar justiça a todos; descer em julgamento sobre todos e convencer todos os ímpios de suas obras ímpias que cometeram; e tudo isso no dia em que ele vier;

10 Pois é um dia de poder; sim, todos os vales serão aterrados e todos os montes e colinas serão rebaixados; os caminhos tortuosos serão endireitados, e os caminhos tortuosos aplanados;

11 E toda a carne verá a salvação de Deus.

12 Então disse João à multidão que saía para ser batizada por ele, clamando contra eles em alta voz, dizendo: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira vindoura?

13 Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento e não comeceis a dizer em vós mesmos: Abraão é nosso pai; guardamos os mandamentos de Deus, e ninguém pode herdar as promessas senão os filhos de Abraão; porque eu vos digo que até destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão.

14 E agora também está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore, pois, que não der bons frutos, será cortada e lançada ao fogo.

15 E o povo lhe perguntou, dizendo: Que faremos então?

16 Ele, respondendo, disse-lhes: Quem tem duas túnicas reparta com quem não tem; e quem tem comida, faça o mesmo.

17 Vieram também publicanos para serem batizados e lhe perguntaram: Mestre, que faremos?

18 E ele lhes disse: Exatamente não mais do que o que vos está designado.

19 Porque é bem conhecido de ti, Teófilo, que, segundo o costume dos judeus, e segundo o costume da sua lei, ao receber dinheiro no tesouro, da abundância que se recebeu foi destinado aos pobres, cada homem sua porção;

20 E assim também fizeram os publicanos, pelo que João lhes disse: Não façais mais do que vos foi ordenado.

21 E os soldados também o interrogaram, dizendo: E que faremos? E disse-lhes: A ninguém maltrateis, nem a quem acusar falsamente; e se contentar com o seu salário.

22 E como o povo estava na expectativa, e todos os homens meditavam em seus corações sobre João, se ele era o Cristo ou não;

23 João respondeu, dizendo a todos: Na verdade, eu vos batizo com água, mas vem alguém mais poderoso do que eu, cujo fecho não sou digno de desatar, este vos batizará com o Espírito Santo e com fogo;

24 Cujo leque está na sua mão, e ele limpará completamente a sua eira, e recolherá o trigo no seu celeiro; mas a palha ele queimará com fogo inextinguível.

25 E muitas outras coisas, em sua exortação, ele pregou ao povo.

26 Mas Herodes, o tetrarca, sendo repreendido por Herodias, mulher de seu irmão Filipe, e por todos os males que Herodes havia feito;

27 Acrescentou ainda mais isto, que encerrou João na prisão.

28 Ora, quando todo o povo foi batizado, aconteceu que também Jesus foi ter com João; e sendo batizado por ele, e orando, o céu se abriu;

29 E o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea como pomba; e veio do céu uma voz que dizia: Tu és meu Filho amado, em ti me comprazo.

30 E o próprio Jesus começou a ter cerca de trinta anos de idade, tendo morado com seu pai, sendo, como era suposto do mundo, filho de José, que era dos lombos de Heli,

31 Quem era dos lombos de Matat, que era filho de Levi, que era descendente de Melqui, e de Janna, e de José,

32 E de Matatias, e de Amós, e de Naum, e de Esli, e de Nagge,

33 E de Maate, e de Matatias, e de Semei, e de José, e de Judá,

34 E de Joana, e de Resa, e de Zorobabel, e de Salatiel, que era filho de Neri,

35 Que era descendente de Melchi, e de Addi, e de Cosam, e de Elmodam, e de Er,

36 E de José, e de Eliézer, e de Jorão, e de Matat, e de Levi,

37 E de Simeão, e de Judá, e de José, e de Jonas, e de Eliaquim,

38 E de Melea, e de Menã, e de Matata, e de Natã, e de Davi,

39 E de Jessé, e de Obede, e de Booz, e de Salmon, e de Naasson,

40 E de Aminadab, e de Aram, e de Esrom, e de Fares, e de Judá,

41 E de Jacó, e de Isaac, e de Abraão, e de Tara, e de Nacor,

42 E de Saruch, e de Ragau, e de Phalec, e de Heber, e de Sala,

43 E de Cainã, e de Arfaxad, e de Sem, e de Noé, e de Lameque,

44 E de Mathusala, e de Enoque, e de Jared, e de Maleleel, e de Cainã,

45 E de Enos, e de Seth, e de Adão, que foi formado por Deus, e o primeiro homem sobre a terra.


CAPÍTULO 4

Cristo conduzido pelo Espírito ao deserto – Tentado por Satanás – Prega em Nazaré e Galiléia.

1 E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão, e foi levado pelo Espírito ao deserto.

2 E depois de quarenta dias, o diabo veio a ele, para tentá-lo. E naqueles dias, ele não comeu nada; e quando eles terminaram, ele depois teve fome.

3 E disse-lhe o diabo: Se tu és o Filho de Deus, manda a esta pedra que se transforme em pão.

4 E Jesus lhe respondeu, dizendo: Está escrito que nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra de Deus.

5 E o Espírito o levou a um alto monte, e ele viu todos os reinos do mundo, em um momento de tempo.

6 E veio a ele o diabo e disse-lhe: Todo este poder te darei e a glória deles; porque a mim me foram entregues, e a quem eu quero, eu os dou.

7 Portanto, se tu me adorares, tudo será teu.

8 Respondeu-lhe Jesus: Para trás de mim, Satanás; porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás.

9 E o Espírito o levou a Jerusalém, e o colocou sobre o pináculo do templo. E o diabo veio a ele e disse-lhe: Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui daqui;

10 Porque está escrito: Aos seus anjos dará ordens a teu respeito, para te guardarem; e nas suas mãos te sustentarão, para que nunca tropeces com o teu pé em alguma pedra.

11 E Jesus, respondendo, disse-lhe: Está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus.

12 E quando o diabo acabou com toda a tentação, ele se afastou dele por um tempo.

13 E Jesus voltou no poder do Espírito para a Galiléia.

14 E a sua fama se espalhou por toda a circunvizinhança;

15 E ensinava nas sinagogas deles, sendo glorificado por todos os que creram no seu nome.

16 E chegou a Nazaré, onde fora criado; e, como era seu costume, entrou na sinagoga no dia de sábado e levantou-se para ler.

17 E foi-lhe entregue o livro do profeta Isaías. E, abrindo o livro, achou o lugar onde estava escrito,

18 O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os contritos de coração, a pregar libertação aos cativos e a restauração da vista aos cegos; para pôr em liberdade os oprimidos;

19 Para pregar o ano aceitável do Senhor.

20 E ele fechou o livro, e o entregou novamente ao ministro, e ele se sentou.

21 E os olhos de todos os que estavam na sinagoga estavam fixos nele. E começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura aos vossos ouvidos.

22 E todos lhe deram testemunho e se maravilharam com as palavras de graça que saíam de sua boca. E eles disseram: Não é este o filho de José?

23 E ele lhes disse: Certamente me dirás este provérbio: Médico, cura-te a ti mesmo. Tudo o que ouvimos foi feito em Cafarnaum, faça também aqui em seu país.

24 E ele disse: Em verdade vos digo que nenhum profeta é aceito em seu próprio país.

25 Mas em verdade vos digo que havia muitas viúvas em Israel nos dias de Elias, quando o céu se fechou três anos e seis meses, e houve grande fome em toda a terra;

26 Mas a nenhum deles foi enviado Elias, senão a Sarepta, de Sídon, a uma viúva.

27 E havia muitos leprosos em Israel, no tempo do profeta Eliseu; e nenhum deles foi purificado, exceto Naamã, o sírio.

28 E todos os que estavam na sinagoga, ouvindo estas coisas, encheram-se de ira,

29 E, levantando-se, expulsaram-no da cidade, e o conduziram até o cume do monte, sobre o qual a cidade deles estava edificada, para que o lançassem de cabeça para baixo.

30 Mas ele, passando pelo meio deles, foi embora,

31 E desceu a Cafarnaum, cidade da Galiléia, e os ensinava aos sábados.

32 E admiraram-se da sua doutrina; pois suas palavras eram com poder.

33 E na sinagoga havia um homem que tinha o espírito de um demônio imundo, e clamou em alta voz:

34 Dizendo: Deixa-nos; que temos nós contigo, Jesus de Nazaré? Você veio para nos destruir? Eu te conheço, quem tu és, o Santo de Deus.

35 Jesus o repreendeu, dizendo: Cala-te e sai dele. E quando o diabo o lançou no meio, ele saiu dele, e não o feriu.

36 E todos ficaram maravilhados, e falavam entre si, dizendo: Que palavra é esta! porque com autoridade e poder ele ordena aos espíritos imundos, e eles saem.

37 E a fama dele se espalhou por todos os lugares ao redor.

38 E ele se levantou, e saiu da sinagoga, e entrou na casa de Simão. E a mãe da esposa de Simão foi tomada por uma grande febre; e rogaram-lhe que a curasse.

39 E ele parou sobre ela, e repreendeu a febre, e ela a deixou; e imediatamente ela se levantou, e serviu a eles.

40 Ora, quando o sol se punha, todos os que tinham enfermos, com diversas enfermidades, trouxeram-no a ele, e ele impôs as mãos sobre cada um deles, e os curou.

41 E de muitos saíam também demônios, clamando e dizendo: Tu és o Cristo, o Filho de Deus. E ele, repreendendo-os, permitiu que não falassem; pois eles sabiam que ele era Cristo.

42 E quando já era dia, ele partiu e foi para um lugar solitário; e o povo o procurava, e vinha a ele, e rogava-lhe que não se afastasse deles.

43 Mas ele lhes disse: Eu devo pregar o reino de Deus também a outras cidades, pois para isso sou enviado.

44 E pregava nas sinagogas da Galiléia.


CAPÍTULO 5

Grande tiragem de peixes – Chamado de Pedro, Tiago, João e Levi – Cristo cura a paralisia – Parábola do vinho novo e das garrafas velhas.

1 E aconteceu que, quando o povo o pressionava para ouvir a palavra de Deus, ele estava junto ao lago de Genesaré,

2 E viu dois navios parados no lago; mas os pescadores haviam saído deles e molhavam as redes.

3 E ele entrou em um dos navios, que era de Simão, e rogou-lhe que se afastasse um pouco da terra. E ele se sentou, e ensinou as pessoas fora do navio.

4 Ora, acabando de falar, disse a Simão: Lança-te ao largo e lança a tua rede para um gole.

5 E Simão, respondendo, disse-lhe: Mestre, trabalhamos toda a noite, e nada levamos; não obstante, por tua palavra lançarei a rede.

6 E, tendo feito isso, cercaram uma grande multidão de peixes; e seu freio líquido.

7 E eles acenaram para seus companheiros, que estavam no outro navio, para que fossem ajudá-los. E eles vieram e encheram os dois navios, de modo que começaram a afundar.

8 Vendo Simão Pedro a multidão de peixes, prostrou-se aos joelhos de Jesus, dizendo: Afasta-te de mim; porque eu sou um homem pecador, ó Senhor.

9 Pois ele, e todos os que estavam com ele, ficaram admirados com o calado dos peixes que haviam apanhado.

10 E também Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão. E disse Jesus a Simão: Não temas desde agora, porque apanharás homens.

11 E quando eles trouxeram seus navios para terra, eles deixaram tudo, e o seguiram.

12 E aconteceu que, estando ele numa certa cidade, eis que um homem cheio de lepra, vendo Jesus, prostrou-se sobre o seu rosto e suplicou-lhe, dizendo: Senhor, se queres, podes fazer-me limpar.

13 E estendeu a mão e tocou nele, dizendo: Quero; sê limpo. E imediatamente a lepra partiu dele.

14 E ordenou-lhe que não contasse a ninguém; mas disse-lhe: Vai, mostra-te aos sacerdotes, e oferece pela tua purificação, como Moisés ordenara, para lhes servir de testemunho.

15 Mas tanto mais se espalhou por ele uma fama; e grandes multidões se ajuntavam para ouvir e ser curadas por ele de suas enfermidades.

16 E retirou-se para o deserto e orou.

17 E aconteceu certo dia, enquanto ele ensinava, que ali estavam sentados fariseus e doutores da lei, vindos de todas as cidades da Galiléia, da Judéia e de Jerusalém. E o poder do Senhor estava presente para curá-los.

18 E eis que trouxeram numa cama um homem paralítico; e procuravam trazê-lo e pô-lo diante de Jesus.

19 E quando viram que não podiam trazê-lo para a multidão, subiram ao eirado e o desceram pelas telhas, com seu leito, até o meio, diante de Jesus.

20 Agora, vendo a fé deles, disse ao homem: Perdoados são os teus pecados.

21 E os escribas e fariseus começaram a arrazoar, dizendo: Quem é este que blasfema? Quem pode perdoar pecados senão Deus?

22 Mas Jesus percebeu os seus pensamentos e disse-lhes: Que arrazoais em vossos corações?

23 Requer mais poder para perdoar pecados do que para fazer o doente se levantar e andar?

24 Mas, para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra poder para perdoar pecados, eu o disse. E disse ao paralítico: Digo-te: Levanta-te, toma o teu leito, e vai para tua casa.

25 E imediatamente levantou-se diante deles, tomou o que estava deitado e foi para sua casa, glorificando a Deus.

26 E todos ficaram maravilhados, e glorificaram a Deus, e ficaram cheios de temor, dizendo: Hoje vimos coisas estranhas.

27 E depois destas coisas saiu, e viu um publicano, chamado Levi, sentado no lugar onde tinham costume; e ele lhe disse: Segue-me.

28 E ele deixou tudo, levantou-se e o seguiu.

29 E Levi fez-lhe um grande banquete, em sua própria casa; e havia uma grande multidão de publicanos e de outros que se sentaram com eles.

30 Mas os escribas e fariseus murmuravam contra seus discípulos, dizendo: Por que comeis e bebeis com publicanos e pecadores?

31 Respondendo Jesus, disse-lhes: Os sãos não precisam de médico; mas os que estão doentes.

32 Não vim chamar justos, mas pecadores ao arrependimento.

33 E eles lhe disseram: Por que os discípulos de João jejuam muitas vezes e fazem orações, e também os discípulos dos fariseus? mas o teu come e bebe?

34 E disse-lhes: Podeis fazer jejuar os filhos do esposo enquanto o esposo está com eles?

35 Mas dias virão em que o esposo lhes será tirado; e então jejuarão naqueles dias.

36 E contou-lhes também uma parábola, dizendo: Ninguém põe remendo de pano novo em roupa velha; se assim for, então o novo faz um aluguel e não concorda com o antigo.

37 E ninguém deita vinho novo em odres velhos; senão o vinho novo romperá os odres e se derramará, e os odres perecerão.

38 Mas o vinho novo deve ser colocado em odres novos, e ambos se conservam.

39 Ninguém também, tendo bebido vinho velho, deseja o novo; pois ele diz: O velho é melhor.


CAPÍTULO 6

O sábado feito para o homem – Chamado dos doze – Instruções diversas sobre o dever – Parábola da casa fundada sobre uma rocha.

1 E aconteceu que no segundo sábado depois deste, ele passou pelos campos de milho; e seus discípulos arrancaram as espigas de milho e comeram, esfregando-as nas mãos.

2 E alguns dos fariseus lhes disseram: Por que fazeis o que não é lícito fazer nos sábados?

3 Jesus, respondendo-lhes, disse: Não tendes lido tanto assim o que fez Davi, quando ele mesmo teve fome, e os que estavam com ele?

4 Como entrou na casa de Deus, tomou e comeu os pães da proposição, e deu também aos que estavam com ele, o que não é lícito comer, mas somente aos sacerdotes?

5 E disse-lhes: Que o Filho do Homem é Senhor também do sábado.

6 E aconteceu também em outro sábado, que ele entrou na sinagoga e ensinou. E havia um homem cuja mão direita estava mirrada;

7 E os escribas e fariseus o observavam, se ele curaria no dia de sábado; para que possam encontrar uma acusação contra ele.

8 Ele, porém, conhecendo seus pensamentos, disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te e levanta-te no meio. E ele se levantou e se apresentou.

9 Então disse-lhes Jesus: Uma coisa vos pergunto; É lícito aos sábados fazer o bem ou o mal? Salvar a vida ou destruir?

10 E olhando em redor para todos eles, disse ao homem: Estende a tua mão. E ele assim o fez; e sua mão foi restaurada inteira como a outra.

11 E eles ficaram cheios de loucura; e comungaram uns com os outros o que eles poderiam fazer a Jesus.

12 E aconteceu naqueles dias que ele saiu ao monte para orar, e passou a noite inteira em oração a Deus.

13 E quando já era dia, chamou seus discípulos; e dentre eles escolheu doze, a quem também chamou de apóstolos.

14 Simão, a quem também chamou Pedro, e André, seu irmão, Tiago e João, Filipe e Bartolomeu,

15 Mateus e Tomé, Tiago, filho de Alfeu, e Simão, chamado Zelote.

16 E Judas, irmão de Tiago, e Judas Iscariotes, que também foi o traidor.

17 E ele desceu com eles e pôs-se na planície, e a companhia de seus discípulos, e uma grande multidão de pessoas de toda a Judéia e Jerusalém, e dos litorais de Tiro e Sidom, que vieram para ouvi-lo, e para sejam curados de suas doenças;

18 E os atormentados de espíritos imundos; e eles foram curados.

19 E toda a multidão procurava tocá-lo; pois dele saiu virtude e curou a todos.

20 E levantou os olhos para os seus discípulos e disse: Bem-aventurados os pobres; porque deles é o reino de Deus.

21 Bem-aventurados os que agora têm fome; porque eles serão preenchidos. Bem-aventurados os que choram agora; pois eles rirão.

22 Bem-aventurados sois quando os homens vos odiarem, e quando vos separarem do meio deles, e vos injuriarem, e rejeitarem o vosso nome como mau, por causa do Filho do Homem.

23 Alegrai-vos naquele dia e exultai; pois eis que a tua recompensa será grande no céu; pois da mesma maneira fizeram seus pais aos profetas.

24 Mas ai de vocês que são ricos! Pois recebestes a vossa consolação.

25 Ai de vocês que estão cheios! Pois tereis fome. Ai de vocês que riem agora! Pois chorareis e chorareis.

26 Ai de vós, quando todos os homens falarem da vossa vontade! Pois assim fizeram seus pais aos falsos profetas.

27 Mas eu digo a vocês que ouvem minhas palavras: Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam.

28 Abençoa os que te amaldiçoam e ora pelos que te maltratam e perseguem.

29 E ao que te ferir na face, oferece também a outra; ou, em outras palavras, é melhor oferecer o outro, do que injuriar novamente. E aquele que tirar o teu manto, não o impeças de levar também o teu manto.

30 Porque é melhor deixar que o teu inimigo tome estas coisas, do que contender com ele. Em verdade vos digo que vosso Pai celestial, que vê em secreto, trará a juízo aquele ímpio.

31 Dá, pois, a todo o que te pedir; e daquele que tirar teus bens, não os peça novamente.

32 E como quereis que os homens vos façam, fazei também a eles o mesmo.

33 Pois, se amardes somente aqueles que vos amam, que recompensa tendes? Pois os pecadores também fazem o mesmo.

34 E se emprestardes àqueles de quem esperais receber, que recompensa tendes? Pois os pecadores também emprestam aos pecadores, para receberem o mesmo.

35 Mas amai os vossos inimigos, fazei o bem e emprestai, sem esperar nada; e sua recompensa será grande; e vós sereis filhos do Altíssimo; porque ele é benigno para com os ingratos e maus.

36 Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso.

37 Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados.

38 Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, os homens darão em seu seio. Pois com a mesma medida com que medirdes, vos será medido novamente.

39 E contou-lhes uma parábola: Pode um cego guiar outro cego? Não cairão ambos na vala?

40 Um discípulo não está acima de seu mestre; mas todo o que for perfeito será como seu senhor.

41 E por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, mas não percebes a trave que está no teu próprio olho?

42 Outra vez, como podes dizer a teu irmão: Deixa-me arrancar o argueiro que está no teu olho, quando tu mesmo não vês a trave que está no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás claramente para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão.

43 Porque a árvore boa não dá fruto mau; nem a árvore má dá bons frutos;

44 Pois toda árvore é conhecida pelo seu próprio fruto. Porque de espinheiros não se colhem figos, nem de espinheiro colhem uvas.

45 O homem bom tira do bom tesouro do seu coração o que é bom. E o homem mau do mau tesouro do seu coração tira o mal; porque da abundância do coração fala a sua boca.

46 E por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo?

47 Quem vier a mim e ouvir as minhas palavras e as praticar, eu vos mostrarei a quem é semelhante.

48 Ele é como um homem que edificou uma casa e cavou fundo, e lançou os alicerces sobre uma rocha, e quando a enchente subiu, a corrente bateu com ímpeto contra aquela casa, e não a pôde abalar; pois foi fundada sobre uma rocha.

49 Mas o que ouve e não pratica é semelhante a um homem que sem alicerce edificou uma casa sobre a terra; contra o qual a corrente bateu com veemência, e imediatamente caiu; e a ruína daquela casa foi grande.


CAPÍTULO 7

O servo do centurião – o filho da viúva ressuscitado – o testemunho de Cristo de João – Jesus ungido pela mulher – Ele elogia o ato.

1 E, acabando ele todas estas palavras na audiência do povo, entrou em Cafarnaum.

2 E o servo de um certo centurião, que lhe era querido, estava doente e prestes a morrer.

3 E, tendo ouvido falar de Jesus, enviou-lhe os anciãos dos judeus, rogando-lhe que viesse e curasse o seu servo.

4 E, chegando eles a Jesus, rogaram-lhe imediatamente, dizendo: Digno era aquele de quem devia fazer isto;

5 Porque ele ama a nossa nação, e nos edificou uma sinagoga.

6 Então Jesus foi com eles, e quando já não estava longe da casa, o centurião enviou-lhe amigos, dizendo-lhe: Senhor, não te incomodes; pois não sou digno de que entres sob o meu teto.

7 Portanto, nem eu mesmo julguei digno de ir ter contigo; mas diga a palavra, e meu servo será curado.

8 Pois também eu sou um homem colocado sob autoridade, tendo soldados sob minhas ordens, e digo a um: Vai, e ele vai; e a outro: Vem, e ele vem, e ao meu servo: Faze isto, e ele o faz.

9 Quando Jesus ouviu estas coisas, maravilhou-se dele, e virou-se, e disse ao povo que o seguia: Digo-vos que não encontrei tanta fé, não, não em Israel.

10 E os que foram enviados, voltando para casa, encontraram o servo que estava doente.

11 E aconteceu que, no dia seguinte, ele foi a uma cidade chamada Naim; e muitos dos seus discípulos foram com ele, e muita gente.

12 E, chegando ele perto da porta da cidade, eis que foi levado um morto, filho único de sua mãe, e ela era viúva; e muitas pessoas da cidade estavam com ela.

13 E agora o Senhor a viu, e teve compaixão dela, e disse-lhe: Não chores.

14 E ele veio e tocou o esquife; e os que a tinham pararam, e ele disse: Jovem, eu te digo: Levanta-te.

15 E o que estava morto sentou-se e começou a falar; e o entregou a sua mãe.

16 E sobreveio temor sobre todos; e glorificavam a Deus, dizendo: Um grande profeta se levantou entre nós; e que Deus visitou seu povo.

17 E este rumor dele correu por toda a Judéia e por toda a circunvizinhança.

18 E os discípulos de João mostraram-lhe todas estas coisas.

19 E João, chamando dois dos seus discípulos, enviou-os a Jesus, dizendo: És tu aquele que devia vir, ou esperamos outro?

20 Chegando-se a ele os homens, disseram: João Batista nos enviou a ti, dizendo: És tu aquele que devia vir, ou esperamos outro?

21 E na mesma hora curou muitos de enfermidades, e pragas, e de espíritos malignos, e deu vista a muitos cegos.

22 Então Jesus, respondendo, disse-lhes: Ide e contai a João o que tendes visto e ouvido; como os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, e aos pobres o evangelho é pregado;

23 E bem-aventurados os que não se escandalizam em mim.

24 E quando os mensageiros de João se foram, ele começou a falar ao povo a respeito de João; O que vocês foram ao deserto para ver? Uma cana sacudida pelo vento? Ou um homem vestido com roupas macias?

25 Eis que os que se vestem com esplendor e vivem delicadamente estão nas cortes reais.

26 Mas o que saístes para ver? Um profeta? Sim, eu vos digo, e muito mais do que um profeta.

27 Este é aquele de quem está escrito: Eis que envio diante de ti o meu mensageiro, que preparará o teu caminho diante de ti.

28 Pois vos digo que, entre os nascidos de mulher, não há profeta maior do que João Batista; mas aquele que é o menor no reino de Deus é maior do que ele.

29 E todo o povo que o ouviu, e os publicanos, justificaram a Deus, sendo batizados com o batismo de João.

30 Mas os fariseus e doutores da lei rejeitaram o conselho de Deus contra si mesmos, não sendo batizados por ele.

31 E o Senhor disse: A que, então, compararei os homens desta geração? E como eles são?

32 São como crianças sentadas na praça do mercado, chamando umas às outras e dizendo: Nós tocamos flautas para vocês, e vocês não dançaram; lamentamos por vós, e não chorastes.

33 Pois João Batista veio não comendo pão nem bebendo vinho; e dizeis que ele tem um demônio.

34 O Filho do Homem veio, comendo e bebendo; e dizeis: Eis um comilão e bebedor de vinho; amigo de publicanos e pecadores!

35 Mas a sabedoria é justificada por todos os seus filhos.

36 E um dos fariseus lhe pediu que comesse com ele. E ele entrou na casa dos fariseus, e sentou-se para comer.

37 E eis que uma mulher da cidade, pecadora, sabendo que Jesus estava sentado à mesa na casa do fariseu, trouxe um vaso de alabastro com ungüento.

38 E pôs-se a seus pés chorando, e começou a lavar seus pés com lágrimas, e os enxugou com os cabelos de sua cabeça, e beijou seus pés, e os ungiu com ungüento.

39 Vendo isto o fariseu que o havia ordenado, falou consigo mesmo, dizendo: Este homem, se fosse profeta, saberia quem, ou que espécie de mulher é esta que o toca; pois ela é uma pecadora.

40 E Jesus, respondendo, disse-lhe: Simão, tenho uma coisa para te dizer. E ele disse: Mestre, diga.

41 E Jesus disse: Havia um certo credor que tinha dois devedores; um devia quinhentos pence, e o outro cinqüenta.

42 E quando ele descobriu que eles não tinham nada para pagar, ele francamente perdoou a ambos. Diga-me, portanto, qual deles o amará mais?

43 Simão respondeu e disse: Suponho que o homem a quem mais perdoou. E disse-lhe: Tu julgaste bem.

44 E voltou-se para a mulher e disse a Simão: Vês esta mulher? entrei em tua casa, não me deste água para os meus pés; mas ela lavou meus pés com lágrimas, e os enxugou com os cabelos de sua cabeça.

45 Não me deste beijo; mas esta mulher, desde o momento em que entrei, não deixou de beijar meus pés.

46 Não ungiste a minha cabeça com óleo; mas esta mulher ungiu meus pés com ungüento.

47 Por isso te digo: Perdoados são os seus muitos pecados; pois ela amava muito. Mas a quem pouco se perdoa, pouco ama.

48 E ele lhe disse: Teus pecados estão perdoados.

49 E os que estavam à mesa com ele começaram a dizer consigo mesmos: Quem é este que também perdoa pecados?

50 E disse à mulher: A tua fé te salvou; vá em paz.


CAPÍTULO 8

Parábola do semeador – que são irmãos de Cristo – Cristo acalma a tempestade – filha de Jairo levantada – porcos afogados.

1 E aconteceu depois que ele percorria todas as cidades e aldeias, pregando e anunciando as boas-novas do reino de Deus; e os doze que foram ordenados por ele, estavam com ele,

2 E algumas mulheres que foram curadas de espíritos malignos e enfermidades, Maria chamada Madalena, das quais saíram sete demônios;

3 E Joana, mulher de Cuza, mordomo de Herodes, e Susana, e muitos outros, que o serviam com seus bens.

4 E quando se ajuntou muita gente, e de todas as cidades vinham ter com ele, falou por parábola, dizendo:

5 Um semeador saiu para semear a sua semente; e enquanto ele semeava, alguns caíram à beira do caminho; e foi pisada, e as aves do céu a devoraram.

6 E alguns caíram sobre uma rocha; e assim que brotou, secou, porque não tinha umidade.

7 E alguns caíram entre espinhos; e os espinhos brotaram com ela e a sufocaram.

8 E outras caíram em boa terra, e brotaram, e deram frutos cem por um.

9 E, tendo dito isto, clamou: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. E seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Que parábola pode ser esta?

10 E disse: A vós é dado conhecer os mistérios do reino de Deus; mas a outros em parábolas; para que vendo não vejam, e ouvindo não entendam.

11 Agora a parábola é esta; A semente é a palavra de Deus.

12 Os que caíram à beira do caminho são os que ouvem; e o diabo vem e tira a palavra de seus corações, para que não creiam e sejam salvos.

13 A que caiu sobre a rocha são os que, ao ouvirem, recebem a palavra com alegria; e eles não têm raiz, mas por um tempo crêem, e no tempo da tentação se desviam.

14 E o que caiu entre espinhos são aqueles que, quando ouvem, saem e são sufocados pelos cuidados, e riquezas, e prazeres da vida, e não dão fruto com perfeição.

15 Mas a que caiu em boa terra são os que recebem a palavra com coração honesto e bom, ouvindo a palavra, guardam o que ouvem e dão fruto com perseverança.

16 Pois ninguém, acendendo uma candeia, a cobre com um vaso, ou a põe debaixo da cama; mas o põe no candelabro, para que os que entram vejam a luz.

17 Porque nada é secreto, que não venha a ser manifesto; nem ocultou, o que não será dado a conhecer, e vai para o estrangeiro.

18 Vede, pois, como ouvis; para quem recebe, a ele será dado; e quem dele não receber será tirado até o que parece ter.

19 Então vieram ter com ele sua mãe e seus irmãos, e não podiam falar com ele por causa da multidão.

20 E alguns que estavam ali, disseram-lhe: Tua mãe e teus irmãos estão de fora, querendo ver-te.

21 E ele, respondendo, disse-lhes: Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a praticam.

22 Ora, aconteceu certo dia que entrou num barco com os seus discípulos; e disse-lhes: Passemos à outra margem do lago. E eles se lançaram.

23 Mas, enquanto eles navegavam, ele adormeceu; e caiu uma tempestade de vento no lago; e eles estavam cheios de medo, e estavam em perigo.

24 E aproximaram-se dele e o despertaram, dizendo: Mestre, Mestre, nós perecemos. Então ele se levantou e repreendeu o vento e a fúria das águas, e elas cessaram; e houve uma calma.

25 E disse-lhes: Onde está a vossa fé? e eles, com medo, admiravam-se, dizendo uns aos outros: Que homem é este? Pois ele ordena até os ventos e as águas, e eles lhe obedecem.

26 E chegaram à terra dos gadarenos, que está defronte da Galiléia.

27 E, saindo ele para terra, saiu-lhe ao encontro da cidade um homem que tinha demónios há muito tempo, e que não usava roupa, nem morava em casa, mas nos sepulcros.

28 Quando viu Jesus, gritou e prostrou-se diante dele, e em alta voz disse: Que tenho eu contigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo? Rogo-te que não me atormentes.

29 (Pois ele havia ordenado que o espírito imundo saísse do homem.) Pois muitas vezes ele o havia apanhado; e ele foi preso com correntes e grilhões; e ele quebrou as ligaduras, e foi levado pelo diabo para o deserto.

30 Jesus perguntou-lhe, dizendo: Qual é o teu nome? E ele disse, Legião; porque muitos demônios entraram nele.

31 E ali estava uma manada de muitos porcos, pastando na montanha.

32 E rogaram-lhe que os deixasse entrar nos porcos, e ele os permitiu.

33 E rogaram-lhe também que não os mandasse para o abismo. E ele lhes disse: Saiam do homem.

34 Então os demônios saíram do homem e entraram nos porcos; e o rebanho desceu violentamente por um lugar íngreme no lago, e foi sufocado.

35 Quando os que apascentavam os porcos viram o que estava acontecendo, fugiram e foram contar ao povo da cidade e do campo.

36 Então eles saíram para ver o que havia acontecido; e veio a Jesus, e encontrou o homem de quem os demônios haviam saído, sentado aos pés de Jesus, vestido e em perfeito juízo; e eles estavam com medo.

37 Também aqueles que viram o milagre, disseram-lhes por que meio aquele endemoninhado foi curado.

38 Então toda a multidão da terra dos gadarenos ao redor rogou a Jesus que se afastasse deles; pois foram tomados com grande temor. E Jesus subiu no barco, e voltou novamente.

39 Ora, o homem de quem os demônios haviam saído, rogou-lhe que ficasse com ele. Mas Jesus o despediu, dizendo:

40 Volta para tua casa, e mostra quão grandes coisas te fez Deus. E ele foi, e anunciou por toda a cidade, quão grandes coisas Jesus lhe tinha feito.

41 E aconteceu que, quando Jesus voltou, o povo o recebeu; pois todos o esperavam.

42 E eis que veio um homem chamado Jairo, e ele era chefe da sinagoga; e prostrou-se aos pés de Jesus, e rogou-lhe que entrasse em sua casa;

43 Pois ele tinha uma filha única, de cerca de doze anos, e ela estava morrendo. Mas enquanto ele ia, as pessoas o amontoavam.

44 E uma mulher, que por doze anos tinha um fluxo de sangue, que despendeu toda a sua vida com médicos, e de nenhum deles pôde ser curada,

45 Veio atrás de Jesus, e tocou na orla do seu manto; e imediatamente seu fluxo de sangue estancou.

46 E Jesus disse: Quem me tocou? Quando todos negaram, Pedro e os que estavam com ele disseram: Mestre, a multidão te aperta, e te pressiona, e dizes: Quem me tocou?

47 E Jesus disse: Alguém me tocou; pois percebo que a virtude saiu de mim.

48 E quando a mulher descobriu que ela não estava escondida, ela veio tremendo, e prostrando-se diante dele, ela declarou a ele diante de todo o povo por que motivo ela o havia tocado, e como ela foi curada imediatamente.

49 E ele disse-lhe: Filha, tem bom ânimo, a tua fé te salvou; vá em paz.

50 Enquanto ele ainda falava, veio alguém do chefe da casa da sinagoga, dizendo-lhe: A tua filha está morta; problema não o Mestre.

51 Mas Jesus o ouviu e disse ao chefe da sinagoga: Não temas; somente creia, e ela será curada. E, entrando em casa, não deixou ninguém entrar, senão Pedro, Tiago, João, o pai e a mãe da donzela.

52 E todos choraram e a lamentaram; mas ele disse: Não chores; porque ela não está morta, mas dorme. E eles riram dele com desprezo, sabendo que ela estava morta.

53 E ele colocou todos para fora, e a tomou pela mão, e ele chamou, dizendo: Donzela, levante-se.

54 E seu espírito voltou, e ela se levantou imediatamente; e ele ordenou que lhe desse carne.

55 E seus pais ficaram admirados; mas ordenou-lhes que não contassem a ninguém o que havia acontecido.


CAPÍTULO 9

Cristo instrui seus apóstolos – Envia-os – Milagre de cinco pães e dois peixes – A transfiguração – Moisés e Elias aparecem – Jesus, sem-teto.

1 Então ele reuniu seus doze discípulos e lhes deu poder e autoridade sobre todos os demônios, e para curar doenças.

2 E os enviou a pregar o reino de Deus e a curar os enfermos.

3 E disse-lhes: Nada leveis para o caminho, nem varais, nem alforje, nem pão, nem dinheiro; nem tem duas demãos cada.

4 E em qualquer casa em que entrardes, ali ficareis até que dali saiais.

5 E qualquer que não vos receber, quando sairdes daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés para testemunhar contra eles.

6 E eles partiram, e foram pelas cidades, pregando o evangelho, e curando por toda parte.

7 Ora, o tetrarca Herodes ouviu falar de tudo o que foi feito por Jesus; e ele ficou perplexo, porque se dizia de alguns que João ressuscitou dos mortos;

8 E de alguns, que Elias havia aparecido; e de outros, que um dos antigos profetas ressuscitou.

9 E Herodes disse: João eu decapitei; mas quem é este, de quem ouço tais coisas? E ele desejava vê-lo.

10 E os apóstolos, quando voltaram, contaram a Jesus tudo o que haviam feito. E, tomando-os, retirou-se em particular para um lugar solitário, pertencente à cidade chamada Betsaida.

11 E o povo, sabendo disso, o seguiu; e ele os recebeu, e falou-lhes do reino de Deus, e curou os que precisavam de cura.

12 E quando o dia começou a passar, então vieram os doze, e disseram-lhe: Manda embora a multidão, para que eles possam ir às cidades e campos ao redor, e hospedar-se e obter alimentos; pois estamos aqui em um lugar solitário.

13 Mas ele lhes disse: Dai-lhes de comer. E eles disseram: Temos apenas cinco pães e dois peixes; e se não formos comprar carne, não poderemos fornecer mais comida para toda essa multidão.

14 Pois eram cerca de cinco mil homens. E Jesus disse aos seus discípulos: Fazei-os sentar-se em grupo de cinquenta.

15 E assim fizeram, e fizeram todos se sentarem.

16 E tomou os cinco pães e os dois peixes, e erguendo os olhos para o céu, abençoou-os, partiu-os e deu aos discípulos para que os servissem à multidão.

17 E comeram, e todos se fartaram. E dos fragmentos que sobraram foram recolhidos doze cestos.

18 E aconteceu que, indo sozinho com seus discípulos para orar, perguntou-lhes, dizendo: Quem diz o povo que eu sou?

19 Responderam eles: Alguns dizem: João Batista; mas outros dizem: Elias; e outros, que um dos antigos profetas ressuscitou.

20 Ele lhes disse, mas quem dizeis que eu sou? Pedro, respondendo, disse: O Cristo, o Filho de Deus.

21 E deu-lhes severas ordens, e ordenou-lhes que a ninguém falassem dele,

22 Dizendo: Importa que o Filho do homem padeça muitas coisas, e seja rejeitado pelos anciãos, e pelos principais sacerdotes e pelos escribas; e ser morto, e ressuscitar ao terceiro dia.

23 E disse a todos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz cada dia e siga-me.

24 Pois quem quer salvar sua vida, deve estar disposto a perdê-la por minha causa; e quem quiser perder a sua vida por minha causa, esse a salvará.

25 Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e não receber aquele a quem Deus ordenou, e perder a sua alma, e ele mesmo for rejeitado?

26 Porque qualquer que se envergonhar de mim e das minhas palavras, dele se envergonhará o Filho do Homem, quando vier no seu reino, vestido da glória de seu Pai, com os santos anjos.

27 Em verdade vos digo em verdade que há alguns que estão aqui que não provarão a morte, até que vejam o reino de Deus vindo com poder.

28 E aconteceu que, oito dias depois destas palavras, tomou a Pedro, a João e a Tiago e subiu ao monte para orar.

29 E enquanto ele orava, a forma de seu semblante mudou, e suas vestes tornaram-se brancas e brilhantes.

30 E eis que vieram e falaram com ele dois homens, Moisés e Elias,

31 O qual apareceu em glória e falou da sua morte, e também da sua ressurreição, que haveria de realizar em Jerusalém.

32 Mas Pedro e os que estavam com ele estavam pesados de sono e, quando acordaram, viram a sua glória e os dois homens que estavam com ele.

33 E, depois que os dois homens se afastaram dele, disse Pedro a Jesus: Mestre, é bom estarmos aqui; façamos três tabernáculos; um para ti, outro para Moisés e outro para Elias; sem saber o que ele disse.

34 Enquanto ele assim falava, veio uma nuvem e cobriu a todos; e temeram ao entrar na nuvem.

35 E saiu uma voz da nuvem, dizendo: Este é o meu Filho amado; Ouça-o.

36 E quando a voz passou, Jesus foi encontrado sozinho. E estas coisas eles guardaram de perto, e não contaram a ninguém, naqueles dias, nenhuma das coisas que eles tinham visto.

37 E aconteceu que no dia seguinte, quando desceram do monte, muita gente o encontrou.

38 E eis que um homem da companhia clamou, dizendo: Mestre, rogo-te, olha para o meu filho; pois ele é meu único filho.

39 E eis que um espírito o toma, e de repente ele clama; e despedaça-o, que espuma, e, mal o machucando, se afasta dele.

40 E roguei a teus discípulos que o expulsassem, e eles não puderam.

41 E Jesus, respondendo, disse: Ó geração incrédula e perversa, até quando estarei convosco e vos sofrerei? Traga teu filho aqui.

42 E quando ele estava vindo, o diabo o derrubou, e o feriu novamente. E Jesus repreendeu o espírito imundo, e curou o menino, e o entregou novamente a seu pai.

43 E todos ficaram maravilhados com o grande poder de Deus. Mas, enquanto todos se admiravam de todas as coisas que Jesus fazia, disse aos seus discípulos:

44 Deixem que essas palavras penetrem em seus corações; porque o Filho do Homem será entregue nas mãos dos homens.

45 Mas eles não entenderam esta palavra, e foi escondido deles que eles não perceberam; e eles temiam perguntar-lhe sobre esse ditado.

46 Então surgiu entre eles uma discussão sobre qual deles seria o maior.

47 E Jesus, percebendo os pensamentos de seus corações, tomou um menino e o colocou no meio;

48 E disse-lhes: Quem receber esta criança em meu nome, a mim me recebe; e quem me receber, recebe aquele que me enviou; porque o menor entre todos vós será grande.

49 E João falou e disse: Mestre, vimos um expulsando demônios em teu nome; e nós o proibimos, porque ele não segue conosco.

50 E Jesus lhe disse: Não proibais ninguém; pois quem não é contra nós é por nós.

51 E aconteceu que, quando chegou a hora de ele ser recebido, ele se empenhou firmemente para ir a Jerusalém;

52 E enviou mensageiros diante de sua face; e eles foram e entraram em uma aldeia dos samaritanos para se prepararem para ele.

53 E os samaritanos não o receberam, porque seu rosto estava virado como se ele fosse para Jerusalém.

54 E quando seus discípulos, Tiago e João, viram que não o receberiam, disseram: Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu e consumi-los, como Elias fez?

55 Mas ele, voltando-se, repreendeu-os e disse: Vós não sabeis de que espírito sois.

56 Porque o Filho do Homem não veio para destruir a vida dos homens, mas para salvá-los. E eles foram para outra aldeia.

57 E aconteceu que, indo eles pelo caminho, certo homem lhe disse: Senhor, seguir-te-ei por onde quer que fores.

58 E Jesus lhe disse: As raposas têm covis, e as aves do céu têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.

59 E disse a outro: Segue-me. Mas ele disse: Senhor, permita-me primeiro ir enterrar meu pai.

60 Disse-lhe Jesus: Deixe que os mortos sepultem os seus mortos; mas vai e prega o reino de Deus.

61 E outro também disse: Senhor, eu te seguirei; mas deixe-me ir primeiro despedir-me dos que estão em minha casa.

62 E Jesus lhe disse: Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o reino de Deus.


CAPÍTULO 10

Setenta nomeados – Suas instruções – Seu retorno – O bom samaritano – a escolha de Maria.

1 Depois destas coisas, o Senhor designou também outros setenta, e os enviou dois a dois adiante de sua face, a todas as cidades e lugares onde ele mesmo havia de vir.

2 E disse-lhes: A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos; rogai, pois, ao Senhor da messe, que envie trabalhadores para a sua messe.

3 Siga seus caminhos; eis que vos envio como cordeiros entre lobos.

4 Não leveis bolsa, nem alforje, nem sapatos; nem saudar qualquer homem pelo caminho.

5 E em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: Paz a esta casa.

6 E se ali estiver o filho da paz, sobre ela repousará a vossa paz; se não, ele se voltará para você novamente.

7 E em qualquer casa em que vos receberem, ficai, comendo e bebendo do que derem; pois o trabalhador é digno de seu salário. Não vá de casa em casa.

8 E, em qualquer cidade em que entrardes e vos receberem, comei o que vos for proposto;

9 E cure os enfermos que nela estiverem, e diga: O reino de Deus está próximo de vós.

10 Mas, em qualquer cidade em que entrardes e não vos receberem, saí pelas ruas da mesma e dizei:

11 Até o próprio pó da tua cidade que se apega a nós, nós limpamos contra ti; não obstante, estejam certos disto, que o reino de Deus está próximo de vós.

12 Mas eu vos digo que no dia do juízo será mais tolerável para Sodoma do que para aquela cidade.

13 Então começou a repreender o povo em todas as cidades em que se realizaram os seus milagres, que não o receberam, dizendo:

14 Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e Sidom se tivessem feito prodígios, que se fizeram em ti, eles teriam se arrependido, assentados em pano de saco e cinza.

15 Mas isto será mais tolerável para Tiro e Sidom no dia do juízo, do que para ti.

16 E tu, Cafarnaum, que te ergues até ao céu, serás precipitada no inferno.

17 E disse aos seus discípulos: Quem vos ouve, a mim ouve; e quem te despreza, a mim despreza; e quem me despreza, despreza aquele que me enviou.

18 E os setenta voltaram com alegria, dizendo: Senhor, até os demônios se nos sujeitam pelo teu nome.

19 E ele lhes disse: Como um relâmpago cai do céu, eu vi também Satanás caindo.

20 Eis que vos darei poder sobre serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo; e nada te fará mal.

21 Não obstante, não vos alegreis nisto, porque os espíritos vos estão sujeitos; antes, alegrem-se, porque seus nomes estão escritos no céu.

22 Naquela hora Jesus se alegrou em espírito, e disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos que se julgam sábios e prudentes, e as revelaste aos pequeninos; mesmo assim, Pai; pois assim pareceu bem aos teus olhos.

23 Todas as coisas me foram entregues por meu Pai; e ninguém sabe que o Filho é o Pai, e que o Pai é o Filho, senão aquele a quem o Filho o revelar.

24 E, voltando-o para os discípulos, disse em particular: Bem-aventurados os olhos que vêem o que vedes.

25 Pois eu vos digo que muitos profetas e reis desejaram ver as coisas que vedes, e não as viram; e ouvir as coisas que ouvis e não as ouvistes.

26 E eis que um certo doutor da lei se levantou e o tentou, dizendo: Mestre, que farei para herdar a vida eterna?

27 Ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como você lê?

28 E ele, respondendo, disse: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento; e o teu próximo como a ti mesmo.

29 E disse-lhe: Respondeste bem; faça isso, e você viverá.

30 Mas ele, querendo justificar-se, disse a Jesus: e quem é o meu próximo?

31 E Jesus, respondendo, disse: Certo homem desceu de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos de ladrões, que o despojaram de suas vestes e o feriram, e partiram, deixando-o semimorto.

32 E por acaso, desceu certo sacerdote por ali; e quando o viu, passou do outro lado do caminho.

33 E do mesmo modo um levita, quando estava no lugar, aproximou-se e olhou para ele, e passou do outro lado do caminho; pois desejavam em seus corações que não se soubesse que o tinham visto.

34 Mas um certo samaritano, de viagem, chegou onde estava; e quando o viu, teve compaixão dele.

35 E foi ter com ele, e atou suas feridas, derramando azeite e vinho, e o colocou sobre seu próprio animal, e o levou para uma estalagem, e cuidou dele.

36 E no dia seguinte, quando ele partiu, tomou dinheiro, e deu ao anfitrião, e disse-lhe: Cuida dele, e tudo o que gastares a mais, quando eu voltar, eu te pagarei.

37 Quem agora destes três, pensas tu, foi próximo daquele que caiu entre os ladrões?

38 E ele disse: Aquele que se compadeceu dele. Então disse-lhe Jesus: Vai e faz o mesmo.

39 E aconteceu que, indo eles, entraram numa certa aldeia; e certa mulher chamada Marta o recebeu em sua casa.

40 E ela tinha uma irmã, chamada Maria, que também estava sentada aos pés de Jesus, e ouviu suas palavras.

41 Marta, porém, muito ocupada em servir, aproximou-se dele e disse: Senhor, não te importas que minha irmã me deixe servir só? Peça-lhe, portanto, que ela me ajude.

42 E Jesus respondeu e disse-lhe: Marta, Marta, tu és cuidadosa e preocupada com muitas coisas;

43 Mas uma coisa é necessária; e Maria escolheu aquela boa parte, que não lhe será tirada.


CAPÍTULO 11

A oração do Senhor – O estado de quem um espírito maligno retorna – A chave do conhecimento.

1 E aconteceu que, estando Jesus orando em certo lugar, quando cessou, um de seus discípulos lhe disse: Senhor, ensina-nos a orar, como também João ensinou a seus discípulos.

2 E disse-lhes: Quando orares, dizei: Pai nosso que estais nos céus, santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino. Seja feita a tua vontade como no céu, assim na terra.

3 Dá-nos dia a dia o pão nosso de cada dia.

4 E perdoa-nos os nossos pecados; porque também nós perdoamos a todo aquele que nos deve. E não sejamos levados à tentação; mas livrai-nos do mal; pois teu é o reino e o poder. Um homem.

5 E disse-lhes: Vosso Pai celestial não deixará de vos dar tudo o que lhe pedirdes. E ele contou uma parábola, dizendo:

6 Qual de vós tiver um amigo, e for ter com ele à meia-noite, e lhe disser: Amigo, empresta-me três pães;

7 Pois um amigo meu veio a mim em sua viagem, e não tenho nada para lhe apresentar;

8 E ele de dentro responderá e dirá: Não me incomodes; a porta está agora fechada, e meus filhos estão comigo na cama; Eu não posso me levantar e te dar.

9 Digo-vos que, embora ele não se levante e o dê porque é seu amigo, ainda por causa de sua importunação, ele se levantará e lhe dará quantos precisar.

10 E eu vos digo: Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; bata, e ser-vos-á aberto.

11 Pois todo aquele que pede, recebe; e quem busca, encontra; e ao que bate, se abrirá.

12 Se um filho pedir pão a algum de vocês que é pai, lhe dará uma pedra? ou, se for peixe, por peixe lhe dará uma serpente?

13 Ou, se pedir um ovo, lhe oferecerá um escorpião?

14 Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celeste dará boas dádivas, por meio do Espírito Santo, àqueles que lhe pedirem.

15 E ele estava expulsando um demônio de um homem, e ele ficou mudo. E aconteceu que, saindo o diabo, o mudo falou; e as pessoas se perguntavam.

16 Mas alguns deles diziam: Ele expulsa os demônios por Belzebu, o chefe dos demônios.

17 E outros, tentadores, pediam-lhe um sinal do céu.

18 Mas ele, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo reino dividido contra si mesmo será assolado; e uma casa dividida não pode subsistir, mas cai.

19 Se também Satanás estiver dividido contra si mesmo, como poderá subsistir o seu reino? Digo isso porque você diz que eu expulso demônios através de Belzebu.

20 E se eu, por Belzebu, expulso os demônios, por quem expulsam vossos filhos os demônios? Portanto, eles serão seus juízes.

21 Mas se eu, com o dedo de Deus, expulso os demônios, sem dúvida o reino de Deus chegou a vocês.

22 Quando um homem forte armado guarda seu palácio, seus bens estão em paz;

23 Mas quando um mais forte do que ele vier sobre ele e o vencer, ele lhe tirará toda a sua armadura em que confiava e repartirá seus bens.

24 Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha.

25 Quando o espírito imundo sai do homem, anda por lugares áridos, procurando descanso; e não achando nenhum, diz: Voltarei para minha casa de onde saí.

26 E, chegando, achou a casa varrida e guarnecida.

27 Então vai o espírito maligno, e leva outros sete espíritos piores do que ele, e entram e habitam ali; e o último fim daquele homem é pior que o primeiro.

28 E aconteceu que, enquanto ele falava essas coisas, certa mulher da companhia, levantando a voz, disse-lhe: Bem-aventurado o ventre que te deu à luz e os seios que mamaste.

29 E ele disse: Sim, e bem-aventurados são todos aqueles que ouvem a palavra de Deus e a guardam.

30 Quando o povo se aglomerou, ele começou a dizer: Esta é uma geração má; procuram um sinal, e nenhum sinal lhes será dado, senão o sinal do profeta Jonas.

31 Pois, como Jonas foi um sinal para os ninivitas, assim também o Filho do homem será para esta geração.

32 A rainha do sul se levantará no dia do juízo com os homens desta geração, e os condenará; pois ela veio dos confins da terra, para ouvir a sabedoria de Salomão; e eis que aqui está um maior do que Salomão.

33 Os homens de Nínive se levantarão no dia do juízo com esta geração; e o condenará; porque eles se arrependeram com a pregação de Jonas; e eis que aqui está um maior do que Jonas.

34 Ninguém, acendendo uma candeia, a põe em lugar oculto, nem debaixo do alqueire, mas no candelabro, para que os que entram vejam a luz.

35 A luz do corpo são os olhos; portanto, quando teu olho é único, todo o teu corpo também está cheio de luz; mas quando teu olho é mau, teu corpo também está cheio de trevas.

36 Vede, pois, que a luz que há em ti não seja trevas.

37 Portanto, se todo o teu corpo estiver cheio de luz, não tendo nenhuma parte escura, o todo será cheio de luz, como quando o resplendor de uma vela ilumina um quarto e dá a luz em todo o quarto.

38 Enquanto ele falava, um certo fariseu rogou-lhe que comesse com ele; e ele entrou, e sentou-se para comer.

39 E quando o fariseu o viu, admirou-se de que não tivesse se lavado antes do jantar.

40 E o Senhor lhe disse; Agora vocês, fariseus, limpam o exterior do copo e do prato; mas o seu interior está cheio de devassidão e maldade.

41 Ó tolos, aquele que fez o que está fora, não fez também o que está dentro?

42 Mas se preferirdes dar esmolas do que tendes; e cuidai de fazer todas as coisas que vos ordenei, então as vossas entranhas também seriam limpas.

43 Mas eu vos digo: Ai de vós, fariseus! Porque dais o dízimo da hortelã, da arruda e de toda a espécie de ervas, e ignorais o juízo e o amor de Deus; Estas devias ter feito, e não deixar a outra por fazer.

44 Ai de vós, fariseus! pois você ama os lugares mais altos nas sinagogas e as saudações nos mercados.

45 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois sois como sepulturas que não aparecem, e os homens que passam por elas não as percebem.

46 Então respondeu um dos doutores da lei, e disse-lhe: Mestre, dizendo assim, tu também nos repreendes.

47 E ele disse: Ai de vós, advogados, também! Pois vós carregais os homens com fardos difíceis de suportar, e vós mesmos não tocais os fardos com um de vossos dedos.

48 Ai de vós! Pois vocês edificam os sepulcros dos profetas, e seus pais os mataram.

49 Verdadeiramente dais testemunho de que permitis as obras de vossos pais; porque eles realmente os mataram, e vós edificais os seus sepulcros.

50 Portanto, também disse a sabedoria de Deus: Enviar-lhes-ei profetas e apóstolos, e alguns deles matarão e perseguirão;

51 Para que a esta geração se requeira o sangue de todos os profetas, que foi derramado desde a fundação do mundo; desde o sangue de Abel até o sangue de Zacarias, que pereceu entre o altar e o templo.

52 Em verdade vos digo que se pedirá a esta geração.

53 Ai de vós, advogados! Porque tirastes a chave do conhecimento, a plenitude das escrituras; vós não entrais no reino; e os que entravam, vós impedistes.

54 E quando ele lhes disse estas coisas, os escribas e fariseus começaram a ficar irados e a insistir com veemência, procurando provocá-lo a falar de muitas coisas;

55 Espreitando-o e procurando tirar-lhe da boca alguma coisa para o acusarem.


CAPÍTULO 12

Diversas instruções para os discípulos – Pecado contra o Espírito Santo – O rico insensato – As diferentes aparições de Cristo – O servo fiel

1 Nesse meio tempo, quando se ajuntava uma multidão inumerável de pessoas, a ponto de pisarem uns sobre os outros, ele começou a dizer primeiro aos seus discípulos: Acautelai-vos do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia.

2 Pois nada há encoberto que não venha a ser revelado; nem ocultou o que não será conhecido.

3 Portanto, tudo o que dissestes nas trevas, na luz será ouvido; e o que falastes ao ouvido nos aposentos será proclamado sobre os telhados.

4 E digo-vos, meus amigos: Não temais os que matam o corpo, e depois disso nada mais podem fazer;

5 Mas eu vos avisarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, eu vos digo: Temei-o.

6 Não se vendem cinco pardais por dois centavos, e nenhum deles é esquecido diante de Deus?

7 Mas até os próprios cabelos de sua cabeça estão todos contados. Não temas, portanto; sois de mais valor do que muitos pardais.

8 Também vos digo que qualquer que me confessar diante dos homens, também o Filho do homem o confessará diante dos anjos de Deus.

9 Mas aquele que me negar diante dos homens, será negado diante dos anjos de Deus.

10 Ora, seus discípulos sabiam que ele havia dito isso, porque haviam falado mal dele diante do povo; pois eles estavam com medo de confessá-lo diante dos homens.

11 E eles arrazoavam entre si, dizendo: Ele conhece nossos corações e fala para nossa condenação, e não seremos perdoados. Mas ele lhes respondeu e disse-lhes:

12 Se alguém disser uma palavra contra o Filho do homem e se arrepender, isso lhe será perdoado; mas ao que blasfemar contra o Espírito Santo, isso não lhe será perdoado.

13 E outra vez vos digo que vos levarão às sinagogas, e perante os magistrados e as autoridades. Quando fizerem isso, não vos preocupeis como, ou o que respondereis, ou o que haveis de dizer;

14 Porque o Espírito Santo vos ensinará na mesma hora o que deveis dizer.

15 E um do grupo disse-lhe: Mestre, fala a meu irmão, que reparta comigo a herança.

16 E disse-lhe: Homem, quem me constituiu juiz ou divisor de vós?

17 E disse-lhes: Acautelai-vos e guardai-vos da avareza; pois a vida de um homem não consiste na abundância das coisas que ele possui.

18 E contou-lhes uma parábola, dizendo: A terra de certo homem rico produziu em abundância;

19 E pensou consigo mesmo, dizendo: Que farei, porque não tenho onde dar os meus frutos?

20 E ele disse: Isto farei; Vou derrubar meus celeiros e construir maiores; e ali darei todos os meus frutos e meus bens.

21 E direi à minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descanse, coma, beba e alegre-se.

22 Mas Deus lhe disse: Tolo! Esta noite a tua alma será exigida de ti; então, para quem serão as coisas que proveste?

23 Assim será com aquele que para si ajunta tesouros e não é rico para com Deus.

24 E disse aos seus discípulos: Por isso vos digo: Não vos preocupeis com o que haveis de comer; nem para o corpo, o que haveis de vestir.

25 Pois a vida é mais do que a comida, e o corpo, mais do que o vestuário.

26 Considere os corvos; pois eles não semeiam nem colhem; que não tem armazém nem celeiro; não obstante, Deus os alimenta. Não sois melhores que as aves?

27 E quem de vós, pensando, pode aumentar um côvado à sua estatura?

28 Se, pois, não podeis fazer o mínimo, por que pensais no resto?

29 Considere os lírios, como eles crescem; eles não trabalham, eles não fiam; e ainda vos digo que Salomão em toda a sua glória não se vestiu como um destes.

30 Se, pois, Deus assim veste a erva que hoje está no campo, e amanhã é lançada no forno; quanto mais ele proverá para você, se você não for de pouca fé?

31 Portanto, não procureis o que haveis de comer, ou o que haveis de beber, nem tenhais dúvidas;

32 Pois todas essas coisas as nações do mundo buscam; e vosso Pai que está nos céus sabe que necessitais destas coisas.

33 E sois enviados a eles para serem seus ministros, e o trabalhador é digno de seu salário; porque a lei diz: Ninguém atará a boca ao boi que debulha o trigo.

34 Portanto, procurai trazer à luz o reino de Deus, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.

35 Não temas, pequeno rebanho; pois é do agrado de seu Pai dar-lhe o reino.

36 Isto falou aos seus discípulos, dizendo: Vendei o que tendes e dai esmola; não façais para vós bolsas que envelhecem, mas antes um tesouro inesgotável nos céus; onde nenhum ladrão chega, nem a traça corrompe.

37 Pois onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.

38 Estejam cingidos os vossos lombos e acendam as vossas lâmpadas;

39 Para que vós mesmos sejais semelhantes aos homens que esperam pelo seu Senhor, quando ele voltar das bodas; para que, quando vier e bater, imediatamente lhe abram.

40 Em verdade vos digo: Bem-aventurados aqueles servos que o Senhor, quando vier, achar vigiando; porque ele se cingirá, e os fará sentar-se à mesa, e sairá e os servirá.

41 Pois eis que ele vem na primeira vigília da noite, e virá também na segunda vigília, e novamente na terceira vigília.

42 E em verdade vos digo que já veio, como está escrito a seu respeito; e novamente quando ele vier na segunda vigília, ou vier na terceira vigília, bem-aventurados os servos quando ele vier, que encontrar fazendo assim;

43 Porque o Senhor daqueles servos se cingirá, e os fará sentar-se à mesa, e sairá e os servirá.

44 E agora, em verdade vos digo estas coisas, para que saibais isto, que a vinda do Senhor é como um ladrão de noite.

45 E é como um homem que é chefe de família que, se não vigiar seus bens, o ladrão chega na hora que ele não sabe, toma seus bens e os distribui entre seus companheiros.

46 E diziam entre si: Se o bom homem da casa soubesse a que horas viria o ladrão, teria vigiado, e não teria sofrido o arrombamento de sua casa e a perda de seus bens.

47 E disse-lhes: Em verdade vos digo que estai vós também apercebidos; porque o Filho do Homem vem numa hora em que não pensais.

48 Então Pedro lhe disse: Senhor, falas tu esta parábola a nós ou a todos?

49 E o Senhor disse: Eu falo àqueles a quem o Senhor fará governantes sobre sua casa, para dar a seus filhos sua porção de carne no devido tempo.

50 E eles disseram: Quem é então aquele servo fiel e sábio?

51 E o Senhor lhes disse: É aquele servo que vigia, para repartir sua porção de mantimento a seu tempo.

52 Bem-aventurado aquele servo que o seu Senhor achar, quando vier, fazendo assim.

53 Em verdade vos digo que ele o porá sobre tudo o que tem.

54 Mas o servo mau é aquele que não é achado vigiando. E se aquele servo não for achado vigiando, dirá em seu coração: Meu Senhor tarda em vir; e começará a espancar os servos e as servas, a comer, a beber e a embriagar-se.

55 O Senhor daquele servo virá em dia que ele não espera, e em hora que ele não sabe, e o matará, e lhe dará sua porção com os incrédulos.

56 E aquele servo que conheceu a vontade de seu Senhor, e não se preparou para a vinda de seu Senhor, nem fez segundo a sua vontade, será açoitado com muitos açoites.

57 Mas aquele que não conheceu a vontade de seu Senhor, e fez coisas dignas de açoites, com poucos será açoitado. Pois a quem muito é dado, muito será exigido; e a quem o Senhor confiou muito, a ele os homens pedirão mais.

58 Pois eles não se agradam das obras do Senhor; por isso vim enviar fogo sobre a terra; e que te importa, se quero que já esteja aceso?

59 Mas eu tenho um batismo para ser batizado; e como sou endireitado até que seja realizado!

60 Suponha que eu vim para dar paz na terra? Eu lhe digo, não; mas sim divisão.

61 Pois daqui em diante haverá cinco em uma casa, divididos, três contra dois, e dois contra três.

62 O pai estará dividido contra o filho, e o filho contra o pai; a mãe contra a filha, e a filha contra a mãe; a sogra contra a nora e a nora contra a sogra.

63 E disse também ao povo: Quando vedes subir uma nuvem do ocidente, logo dizeis: Vem chuva; e assim é.

64 E quando sopra o vento sul, dizeis: Haverá calor; e acontece.

65 Ó hipócritas! Podeis discernir a face do céu e da terra; mas como é que vocês não discernem desta vez?

66 Sim, e por que vocês mesmos não julgam o que é certo?

67 Por que procuras o teu adversário por magistrado, quando estás no caminho com o teu inimigo? Por que não dar diligência para que você possa ser liberto dele; para que não te leve ao juiz, e o juiz não te entregue ao oficial, e o oficial te lance na prisão?

68 Digo-te que não partirás dali até que tenhas pago a última moeda.


CAPÍTULO 13

Parábola da figueira – Mulher curada de enfermidade – Reino de Deus como um grão de mostarda e fermento – Cristo chora sobre Jerusalém.

1 E ali estavam presentes naquele tempo alguns que lhe falaram dos galileus, cujo sangue Pilatos misturou com seus sacrifícios.

2 E Jesus lhes disse; Suponha que esses galileus fossem pecadores acima de todos os galileus, porque sofreram tais coisas?

3 Eu te digo, não; mas, a menos que vos arrependais, todos igualmente perecereis.

4 Ou aqueles dezoito, sobre os quais caiu a torre de Siloé, e os matou; pensais que eles eram pecadores mais do que todos os homens que habitavam em Jerusalém?

5 Eu te digo, não; mas, a menos que vos arrependais, todos igualmente perecereis.

6 Contou também esta parábola: Certo lavrador tinha uma figueira plantada na vinha. Ele veio e buscou fruto nele e não encontrou nenhum.

7 Então disse ao agricultor da sua vinha: Eis que há três anos venho buscar frutos nesta figueira, e não encontro. Cortá-lo, por que atrapalha o chão?

8 E ele, respondendo, disse-lhe: Senhor, deixa-o em paz também este ano, até que eu o cave e o estrume.

9 E se der fruto, a árvore está salva; se não, depois a cortarás. E muitas outras parábolas ele falou ao povo.

10 E depois disso, ensinando no sábado numa das sinagogas;

11 Eis que havia uma mulher que tinha dezoito anos um espírito de enfermidade, e estava curvada, e de modo algum podia endireitar-se.

12 E, vendo-a Jesus, chamou-a e disse-lhe: Mulher, estás livre das tuas enfermidades.

13 E ele impôs as mãos sobre ela; e imediatamente ela se endireitou e glorificou a Deus.

14 E o chefe da sinagoga encheu-se de indignação, porque Jesus havia curado no sábado, e disse ao povo: Há seis dias em que os homens devem trabalhar; neles, pois, venha e seja curado, e não no dia de sábado.

15 O Senhor então lhe disse: ó hipócrita! Cada um de vocês no sábado não solta seu boi ou seu jumento do estábulo, e o leva para dar de beber?

16 E não deveria esta mulher, sendo filha de Abraão, a quem Satanás amarrou, eis que nestes dezoito anos, não deveria ser libertada desta prisão no dia de sábado?

17 E, tendo ele dito estas coisas, todos os seus adversários se envergonharam; e todos os seus discípulos se regozijaram por todas as coisas gloriosas que foram feitas por ele.

18 Então ele disse: A que se assemelha o reino de Deus? e a que me assemelharei?

19 É como um grão de mostarda que um homem pegou e lançou na sua horta; e cresceu e encerrou uma grande árvore; e as aves do ar alojadas nos ramos dela.

20 E tornou a dizer: A que compararei o reino de Deus?

21 É semelhante ao fermento que uma mulher tomou e escondeu em três medidas de farinha, até que tudo ficou levedado.

22 E ele percorria as cidades e aldeias, ensinando e indo para Jerusalém.

23 E disse-lhe um: Senhor, são poucos os que se salvam? e ele lhe respondeu, e disse:

24 Esforçai-vos por entrar pela porta estreita; porque vos digo que muitos procurarão entrar e não poderão; pois o Senhor nem sempre contenderá com o homem.

25 Portanto, quando o Senhor do reino se levantar, e fechar a porta do reino, ficareis do lado de fora e batereis à porta, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos, mas o Senhor responderá e vos digo que não vos receberei, porque não sabeis de onde sois.

26 Então começareis a dizer: Comemos e bebemos na tua presença, e tu ensinaste nas nossas ruas.

27 Mas ele dirá: Digo-vos que não sabeis de onde sois; apartai-vos de mim, todos os que praticam a iniqüidade.

28 Haverá choro e ranger de dentes entre vós, quando virdes Abraão, Isaque, Jacó e todos os profetas no reino de Deus, e fordes expulsos.

29 E em verdade vos digo que virão do oriente e do ocidente; e do norte e do sul, e se assentará no reino de Deus;

30 E eis que há últimos que serão os primeiros, e há primeiros que serão os últimos, e neles serão salvos.

31 E, ensinando ele assim, chegaram-se a ele alguns dos fariseus, que lhe diziam: Sai, e retira-te daqui; pois Herodes te matará.

32 E ele lhes disse: Ide e dizei a Herodes: Eis que eu expulso demônios, e faço curas hoje e amanhã, e ao terceiro dia serei perfeito.

33 Não obstante, devo andar hoje e amanhã, e ao terceiro dia; pois não pode ser que um profeta pereça fora de Jerusalém.

34 Isto ele falou, significando sua morte. E nesta mesma hora começou a chorar por Jerusalém,

35 dizendo: Jerusalém, Jerusalém, tu que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados; quantas vezes eu teria reunido teus filhos, como uma galinha sua ninhada debaixo de suas asas, e você não quis.

36 Eis que a vossa casa vos fica deserta. E em verdade vos digo que não me conhecereis até que recebais da mão do Senhor a justa recompensa por todos os vossos pecados; até que chegue o tempo em que direis: Bem-aventurado aquele que vem em nome do Senhor.


CAPÍTULO 14

Jesus cura a hidropisia no sábado – Parábola do casamento; Parábola da grande ceia – Os homens devem abandonar tudo por Cristo.

1 E aconteceu que, entrando ele na casa de um dos principais fariseus para comer pão no dia de sábado, eles o vigiavam.

2 E eis que havia um certo homem diante dele, que tinha hidropisia.

3 E Jesus falou aos doutores da lei e fariseus, dizendo: É lícito curar no sábado?

4 E eles se calaram. E ele tomou o homem, e o curou, e o deixou ir;

5 E tornou a falar-lhes, dizendo: Qual de vós terá um jumento ou um boi caído na cova, e não o arrancará logo no sábado?

6 E eles não podiam responder-lhe a estas coisas.

7 E propôs-lhes uma parábola a respeito daqueles que foram convidados para um casamento; pois ele sabia como eles escolhiam as salas principais e se exaltavam um acima do outro; por isso lhes falou, dizendo:

8 Quando fores convidado por algum homem para as bodas, não te sentes na sala mais alta, para que não seja convidado por ele um homem mais ilustre do que tu;

9 E aquele que te convidou, com aquele que é mais ilustre, venha e diga-te; Dê a este homem lugar; e tu começas com vergonha a ocupar o quarto mais baixo.

10 Mas, quando fores ordenado, vai sentar-te no quarto mais baixo; para que, quando vier aquele que te pediu, te diga: Amigo, sobe mais alto; então terás honra de Deus, na presença dos que se sentam à mesa contigo.

11 Pois quem se exalta será humilhado; e quem se humilha será exaltado.

12 Então disse também a respeito do que convidara às bodas: Quando fizeres um jantar ou uma ceia, não chames teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem vizinhos ricos; para que também não te peçam outra vez, e te seja feita uma recompensa.

13 Mas, quando fizeres festa, chama os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos,

14 E serás abençoado; pois eles não podem te recompensar; porque serás recompensado na ressurreição dos justos.

15 E quando um dos que estavam sentados à mesa com ele, ouviu estas coisas, disse-lhe: Bem-aventurado aquele que comer pão no reino de Deus.

16 Disse-lhe então: Certo homem fez uma grande ceia e convidou muitos;

17 E enviou seus servos à hora da ceia, para dizer aos que foram convidados: Vinde, porque já tudo está pronto.

18 E todos eles, com um consentimento, começaram a dar desculpas. Disse-lhe o primeiro: Comprei um terreno e preciso ir vê-lo; Rogo-te que me tenhas desculpado.

19 E outro disse: Comprei cinco juntas de bois, e vou prová-los; Rogo-te que me tenhas desculpado.

20 E outro disse: Casei com uma mulher, portanto não posso ir.

21 Então veio aquele servo e mostrou estas coisas ao seu senhor. Então o dono da casa, indignado, disse aos seus servos: Saiam depressa pelas ruas e becos da cidade, e tragam aqui os pobres, os aleijados, os coxos e os cegos.

22 E o servo disse: Senhor, está feito como mandaste, e ainda há lugar.

23 Disse o Senhor ao seu servo: Sai pelos caminhos e valados, e obriga os homens a entrar, para que a minha casa se encha;

24 Pois eu vos digo que nenhum daqueles homens que foram convidados provará da minha ceia.

25 E quando ele terminou estas palavras, ele partiu dali, e lá foram grandes multidões com ele, e ele virou-se e disse-lhes:

26 Se alguém vier a mim e não aborrecer a seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos e irmãs, ou marido, sim e também a sua própria vida; ou em outras palavras, tem medo de dar sua vida por minha causa, não pode ser meu discípulo.

27 E quem não levar a sua cruz e não vier após mim, não pode ser meu discípulo.

28 Portanto, estabeleçam isto em seus corações, para que façam o que eu vou ensinar e ordenar a vocês.

29 Pois qual de vós, que pretende construir uma torre, não se senta primeiro, e calcula o preço, se tem dinheiro para terminar a sua obra?

30 Para que, infelizmente, depois de ele ter lançado os fundamentos e não poder terminar a sua obra, todos os que virem comecem a zombar dele,

31 Dizendo: Este homem começou a construir e não pôde terminar. E isto ele disse, significando que nenhum homem deveria segui-lo, a menos que ele pudesse continuar; ditado,

32 Ou qual rei, indo fazer guerra a outro rei, não se senta primeiro, e consulta se com dez mil pode sair ao encontro do que vem contra ele com vinte mil.

33 Ou então, estando o outro ainda muito longe, ele envia uma embaixada e deseja condições de paz.

34 Da mesma forma, aquele de vós que não abandona tudo o que tem, não pode ser meu discípulo.

35 Então alguns deles se aproximaram dele, dizendo: Bom Mestre, temos Moisés e os profetas, e todo aquele que por eles viver não terá vida?

36 E Jesus respondeu, dizendo: Vós não conheceis a Moisés, nem aos profetas; porque, se os conhecesseis, teríeis acreditado em mim; pois para este propósito eles foram escritos. Pois eu sou enviado para que tenhais vida. Por isso vou compará-lo ao sal que é bom;

37 Mas, se o sal perder o sabor, com que se temperará?

38 Não serve para a terra, nem para o monte de esterco; os homens o expulsam. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça. Estas coisas que ele disse, significando o que foi escrito, em verdade todas devem ser cumpridas.


CAPÍTULO 15

Parábola da ovelha perdida, e também as dez moedas de prata – Parábola do filho pródigo.

1 Então se aproximaram dele muitos publicanos e pecadores, para ouvi-lo.

2 E os fariseus e escribas murmuravam, dizendo: Este homem recebe pecadores e come com eles.

3 E contou-lhes esta parábola, dizendo:

4 Qual de vós tem cem ovelhas, se perder uma delas, não deixa as noventa e nove, e vai para o deserto atrás da que se perdeu, até a encontrar?

5 E, achando-o, põe-no sobre os ombros, regozijando-se.

6 E, voltando para casa, reuniu seus amigos e vizinhos e disse-lhes: Alegrai-vos comigo; pois achei a minha ovelha perdida.

7 Digo-vos que haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não precisam de arrependimento.

8 Ou qual mulher, tendo dez moedas de prata, se perder uma moeda, não acende uma candeia, varre a casa e procura diligentemente até encontrá-la?

9 E, achando-a, convocou seus amigos e vizinhos, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque encontrei o pedaço que havia perdido.

10 Assim vos digo que há alegria na presença dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.

11 E ele disse: Certo homem tinha dois filhos;

12 E o mais novo disse a seu pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me couber. E repartiu entre eles o seu sustento.

13 E não muitos dias depois, o filho mais novo reuniu todos e partiu para um país distante, e ali desperdiçou seus bens com uma vida desregrada.

14 E quando ele gastou tudo, houve uma grande fome naquela terra e ele começou a passar necessidade.

15 E ele foi e se juntou a um cidadão daquele país; e ele o enviou aos seus campos para alimentar porcos.

16 E de bom grado teria enchido o ventre com as cascas que os porcos comiam; e ninguém lhe deu.

17 E, voltando a si, disse: Quantos empregados de meu pai têm pão suficiente e de sobra, e eu morro de fome!

18 Levantar-me-ei e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti;

19 E já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus empregados.

20 E ele se levantou e foi ter com seu pai. Mas, estando ele ainda muito longe, seu pai o viu, e se compadeceu, e correu, e se prostrou em seu pescoço, e o beijou.

21 E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e diante de ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho.

22 Mas o pai disse a seus servos: Trazei a melhor roupa e vesti-o; e pôs um anel em seu dedo e sapatos em seus pés;

23 Traga aqui o bezerro cevado e mate-o; e comamos e alegremo-nos;

24 Pois este meu filho estava morto e reviveu; ele estava perdido e foi encontrado. E eles começaram a se alegrar.

25 Ora, seu filho mais velho estava no campo; e quando ele chegou e se aproximou da casa, ele ouviu música e dança.

26 E ele chamou um dos servos, e perguntou o que essas coisas significavam?

27 E disse-lhe: Chegou teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo.

28 E irou-se e não quis entrar; por isso saiu seu pai e o suplicou.

29 E ele, respondendo, disse a seu pai: Eis que há tantos anos te sirvo, e nunca transgredi o teu mandamento; e tu nunca me deste um cabrito, para que eu me divertisse com meus amigos;

30 Mas logo que chegou este teu filho, que te devorou a vida com meretrizes, mataste para ele o bezerro cevado.

31 E disse-lhe: Filho, tu estás sempre comigo; e tudo o que tenho é teu.

32 Era justo que fôssemos alegres e alegres; pois este teu irmão estava morto e reviveu; foi perdido, e é encontrado.


CAPÍTULO 16

Parábola do mordomo sábio – Sobre guardar – História do homem rico e Lázaro.

1 E disse também aos seus discípulos: Havia um homem rico que tinha um mordomo; e o mesmo lhe foi acusado de ter desperdiçado seus bens.

2 E chamou-o e disse-lhe: Como é que ouço isto de ti? Presta contas de tua mordomia; porque já não podes ser mordomo.

3 Então o mordomo disse consigo mesmo: Que farei? Pois meu senhor me tira a mordomia. não posso cavar; implorar tenho vergonha.

4 Estou decidido o que fazer, para que, quando eu for destituído da mordomia, eles me recebam em suas casas.

5 Então chamou cada um dos devedores do seu senhor, e disse ao primeiro: Quanto deves ao meu senhor?

6 E ele disse: Cem medidas de azeite. E disse-lhe: Toma a tua conta, senta-te depressa e escreve cinqüenta.

7 Então disse a outro: E quanto deves? E ele disse: Cem medidas de trigo. E disse-lhe: Toma a tua conta e escreve oitenta.

8 E o senhor elogiou o administrador injusto, porque ele agiu sabiamente; pois os filhos deste mundo são mais sábios em sua geração do que os filhos da luz.

9 E eu vos digo: Fazei amigos com as riquezas da injustiça; para que, quando falhardes, eles vos recebam nas moradas eternas.

10 Quem é fiel no mínimo, também é fiel no muito; e quem é injusto no mínimo, também é injusto no muito.

11 Se, pois, não fostes fiéis no dinheiro injusto, quem vos confiará as verdadeiras riquezas?

12 E se não fostes fiéis no que é de outro homem, quem vos dará o que é vosso?

13 Nenhum servo pode servir a dois senhores; pois ou ele odiará um e amará o outro; ou então ele se agarrará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom.

14 E também os fariseus que eram avarentos ouviram todas essas coisas; e eles o ridicularizaram. [15]

1 E disse-lhes: Vós sois os que vos justificais perante os homens; mas Deus conhece seus corações; pois o que é altamente estimado entre os homens é uma abominação aos olhos de Deus.

16 E eles lhe disseram: Nós temos a lei e os profetas; mas quanto a este homem, não o receberemos para ser nosso governante; porque ele se faz juiz sobre nós.

17 Disse-lhes Jesus: A lei e os profetas testificam de mim; sim, e todos os profetas que escreveram, até João, predisseram estes dias.

18 Desde então, o reino de Deus é pregado, e todo homem que busca a verdade se esforça para alcançá-lo.

19 E é mais fácil passar o céu e a terra do que falhar um til da lei.

20 E por que ensinais a lei e negais o que está escrito; e condenar aquele a quem o Pai enviou para cumprir a lei, para que todos vós sejais redimidos?

21 Ó tolos! pois vocês disseram em seus corações: Deus não existe. E você perverte da maneira certa; e o reino dos céus sofre violência de vocês; e persegues os mansos; e em sua violência você procura destruir o reino; e vós tomais os filhos do reino à força. Ai de vós, adúlteros!

22 E injuriaram-no novamente, indignando-se por terem dito que eram adúlteros.

23 Mas ele continuou, dizendo: Qualquer que repudiar sua mulher e casar com outra, comete adultério; e qualquer que casar com a repudiada do marido, comete adultério. Em verdade vos digo que vos compararei ao rico.

24 Pois havia um homem rico, que se vestia de púrpura e de linho fino, e se alimentava com esplendor todos os dias.

25 E havia um mendigo chamado Lázaro, que estava deitado à sua porta, cheio de chagas,

26 E desejando ser alimentado com as migalhas que caíram da mesa do rico; além disso, os cães vinham lamber suas feridas.

27 E aconteceu que o mendigo morreu e foi levado pelos anjos ao seio de Abraão. O homem rico também morreu e foi enterrado.

28 E no inferno ele levantou os olhos, estando em tormentos, e viu Abraão de longe, e Lázaro em seu seio.

29 E ele clamou, e disse: Pai Abraão, tem piedade de mim, e manda Lázaro que mergulhe a ponta de seu dedo na água, e refresque minha língua; pois estou atormentado nesta chama.

30 Mas Abraão disse: Filho, lembra-te de que recebeste durante a tua vida os teus bens, e também Lázaro, os males; mas agora ele é consolado, e tu és atormentado.

31 E além de tudo isso, entre nós e vocês, há um grande abismo fixado; de modo que aqueles que passariam daqui para você, não podem; nem podem passar para nós o que viria dali.

32 Então ele disse: Rogo-te, pois, ó pai, que o envies à casa de meu pai,

33 Porque tenho cinco irmãos, para que lhes dê testemunho, para que não venham também para este lugar de tormento.

34 Disse-lhe Abraão: Eles têm Moisés e os profetas; deixe-os ouvi-los.

35 E ele disse: Não, pai Abraão; mas se alguém foi até eles dentre os mortos, eles se arrependerão.

36 E disse-lhe: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco se deixarão persuadir, ainda que algum dos mortos ressuscite.


CAPÍTULO 17

Ai das ofensas – Os dez leprosos – A vinda de Cristo como ladrão à noite – A reunião dos santos.

1 Então disse aos discípulos: É impossível que não venham escândalos; mas ai daquele por quem vierem.

2 Melhor lhe era que lhe pendurassem ao pescoço uma pedra de moinho e a lançasse ao mar, do que ofender um destes pequeninos.

3 Preste atenção a si mesmo. Se seu irmão pecar contra você, repreenda-o; e se ele se arrepender, perdoe-o.

4 E se pecar contra ti sete vezes no dia, e sete vezes no dia voltar para ti, dizendo: Arrependo-me; você deve perdoá-lo.

5 E os apóstolos lhe disseram: Senhor, aumenta a nossa fé.

6 E disse o Senhor: Se tivésseis fé como um grão de mostarda, poderíeis dizer a este sicômoro: Arranca-te pela raiz e planta-te no mar; e deve obedecer-lhe.

7 Mas quem de vós, tendo um servo lavrando ou apascentando o gado, lhe dirá quando ele voltar do campo: Vá e sente-se para comer?

8 Não lhe dirá antes: Prepara-me para cear, cinge-te e serve-me até que eu tenha comido e bebido; e depois, daqui a pouco, você comerá e beberá?

9 Agradece a esse servo porque faz as coisas que lhe foram ordenadas? Eu vos digo: Não.

10 Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for ordenado, dizei: Somos servos inúteis, fizemos o que não era mais do que o nosso dever.

11 E aconteceu que, indo ele a Jerusalém, passou pelo meio da Galiléia e Samaria.

12 E, entrando ele numa certa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez leprosos, que estavam de longe;

13 E levantaram a voz e disseram: Jesus, Mestre, tem piedade de nós.

14 E disse-lhes: Ide mostrar-vos ao sacerdote. E aconteceu que, indo eles, foram purificados.

15 Um deles, vendo-se curado, voltou e em alta voz glorificou a Deus,

16 E prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus, dando-lhe graças; e ele era um samaritano.

17 E Jesus, respondendo, disse: Não foram dez os purificados? Mas onde estão os nove?

18 Não se acham que voltaram para dar glória a Deus, a não ser este estrangeiro.

19 E disse-lhe: Levanta-te, vai; tua fé te salvou.

20 E quando ele foi perguntado aos fariseus, quando o reino de Deus vier, ele lhes respondeu, e disse: O reino de Deus não vem com aparência;

21 Nem dirão: Eis aqui! ou, Lo, lá! Pois eis que o reino de Deus já chegou a vós.

22 E disse aos seus discípulos: Dias virão em que desejarão ver um dos dias do Filho do Homem, e não o verão.

23 E se vos disserem: Vê aqui! ou, veja lá! Não vá atrás deles, nem os siga.

24 Porque como a luz da alva, que de uma extremidade do céu resplandece, e ilumina até a outra extremidade; assim será também o Filho do Homem no seu dia.

25 Mas primeiro ele deve sofrer muitas coisas, e ser rejeitado por esta geração.

26 E como foi nos dias de Noé; assim será também nos dias do Filho do Homem.

27 Eles comeram, beberam, casaram-se, foram dados em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e destruiu a todos.

28 Assim também como foi nos dias de Ló; comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam, construíam;

29 Mas no mesmo dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu fogo e enxofre do céu e destruiu a todos.

30 Assim será no dia em que o Filho do Homem se manifestar.

31 Naquele dia, o discípulo que estiver no eirado, e seus pertences em casa, não desça para tirá-los; e quem estiver no campo, não volte atrás.

32 Lembre-se da esposa de Ló.

33 Quem procurar salvar a sua vida, perdê-la-á; e quem perder sua vida, a preservará.

34 Digo-vos que naquela noite estarão dois numa cama; um será tomado, e o outro será deixado. Dois estarão moendo juntos; um será tomado, e o outro deixado.

35 Dois estarão no campo; um será tomado e o outro deixado.

36 E eles responderam e disseram-lhe: Onde, Senhor, eles serão levados.

37 E ele lhes disse: Onde quer que o corpo seja recolhido; ou, em outras palavras, onde quer que os santos estejam reunidos, ali as águias serão reunidas; ou, lá o restante será reunido.

38 Isto ele falou, significando a reunião de seus santos; e de anjos descendo e reunindo o restante para eles; um da cama, o outro da moagem, e o outro do campo, onde quer que ele queira.

39 Porque em verdade haverá novos céus e uma nova terra, em que habita a justiça.

40 E não haverá coisa impura; porque a terra envelhecendo, como um vestido, encerrou-se em corrupção, de modo que se desvanece, e o escabelo permanece santificado, purificado de todo pecado.


CAPÍTULO 18

Juiz injusto - fariseu e publicano - Os mandamentos - Nenhuma segurança riches - Cristo abençoa as crianças.

1 E contou-lhes uma parábola, dizendo que os homens devem orar sempre e não desfalecer.

2 Dizendo: Havia numa cidade um juiz que não temia a Deus, nem respeitava os homens.

3 E havia uma viúva naquela cidade; e ela veio a ele, dizendo: Vinga-me do meu adversário.

4 E ele não quis por um tempo; mas depois disse consigo mesmo: Ainda que eu não tema a Deus, nem respeite os homens;

5 No entanto, porque esta viúva me perturba, eu a vingarei; para que não, por sua contínua vinda, ela me canse.

6 E o Senhor disse: Ouça o que o juiz injusto diz.

7 E não vingará Deus os seus escolhidos, que clamam a ele dia e noite, ainda que seja longânimo com os homens?

8 Digo-vos que ele virá e, quando vier, vingará rapidamente os seus santos. No entanto, quando o Filho do Homem vier, encontrará fé na terra?

9 Contou esta parábola a alguns homens que confiavam em si mesmos como sendo justos e desprezavam os outros.

10 Dois homens subiram ao templo para orar; um fariseu e o outro publicano.

11 O fariseu pôs-se de pé e orou assim consigo mesmo; Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens, extorsores, injustos, adúlteros; ou mesmo como este publicano.

12 Jejuo duas vezes na semana; Dou o dízimo de tudo o que possuo.

13 Mas o publicano, que estava de longe, não levantava os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Deus, tem misericórdia de mim, pecador.

14 Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque todo aquele que se exalta será humilhado; e quem se humilha será exaltado.

15 E trouxeram-lhe também crianças, para que as tocasse; mas quando seus discípulos viram isso, eles os repreenderam.

16 Mas Jesus os chamou e disse: Deixai vir a mim as criancinhas, e não as impeçais; porque dos tais é o reino de Deus.

17 Em verdade vos digo que qualquer que não receber o reino de Deus como uma criança, de modo algum entrará nele.

18 E um certo governante perguntou-lhe, dizendo: Bom Mestre, o que devo fazer para herdar a vida eterna?

19 E Jesus lhe disse: Por que me chamas bom? Nenhum é bom, exceto um, isto é, Deus.

20 Tu conheces os mandamentos; Não cometa adultério. Não mate. Não roube. Não dê falso testemunho. Honra teu pai e tua mãe.

21 E ele disse: Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade.

22 Ouvindo Jesus estas coisas, disse-lhe: Mas uma coisa te falta; vende tudo o que tens, e distribui aos pobres, e terás um tesouro no céu, e vem, segue-me.

23 E quando ele ouviu isso, ele ficou muito triste; pois ele era muito rico.

24 E, vendo Jesus que estava muito triste, disse: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas!

25 Porque é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha, do que um rico entrar no reino de Deus.

26 E os que ouviram, disseram-lhe: Quem, então, pode ser salvo?

27 E disse-lhes: Aos que confiam nas riquezas é impossível entrar no reino de Deus; mas aquele que deixa as coisas deste mundo, é possível a Deus que ele entre.

28 Então disse Pedro: Eis que deixamos tudo e te seguimos.

29 E ele lhes disse: Em verdade vos digo. Ninguém há que tenha deixado casa, ou pais, ou irmãos, ou mulher, ou filhos, por amor do reino de Deus,

30 Quem não receberá muito mais neste tempo presente; e no mundo vindouro, a vida eterna.

31 Então, tomando os doze, disse-lhes: Eis que subimos a Jerusalém, e se cumprirá tudo o que os profetas escreveram acerca do Filho do homem.

32 Porque ele será entregue aos gentios, e escarnecido, e injuriado, e cuspido.

33 E eles o açoitarão e o matarão; e ao terceiro dia ressuscitará.

34 E eles não entenderam nenhuma dessas coisas; e esta palavra lhes foi ocultada; nem se lembraram das coisas que foram ditas.

35 E aconteceu que, aproximando-se de Jericó, um cego estava sentado à beira do caminho, mendigando.

36 E, ouvindo a multidão passar, perguntou o que aquilo significava.

37 E eles lhe contaram que Jesus de Nazaré passou.

38 E clamou, dizendo: Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim.

39 E os que iam adiante o repreendiam, dizendo-lhe que se calasse; mas ele clamava ainda mais, dizendo: Filho de Davi, tem misericórdia de mim.

40 E Jesus pôs-se de pé e mandou que o trouxessem; e, chegando perto, perguntou-lhe:

41 Dizendo: Que queres que te faça? e ele disse: Senhor, para que eu volte a ver.

42 E Jesus lhe disse: Recupera a vista; tua fé te salvou.

43 E imediatamente recuperou a vista; e ele o seguiu, glorificando a Deus. E todos os discípulos, vendo isso, deram louvor a Deus.


CAPÍTULO 19

Zaqueu — Parábola dos dez servos — entrada de Cristo em Jerusalém

1 E Jesus entrou e passou por Jericó.

2 E eis que havia um homem chamado Zaqueu, que era o chefe dos publicanos; e ele era rico.

3 E ele procurou ver Jesus, quem ele era; e não podia para a imprensa, porque era de baixa estatura.

4 E ele correu adiante, e subiu em um sicômoro para vê-lo; pois ele deveria passar por ali.

5 E, chegando Jesus ao lugar, ergueu os olhos, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa; pois hoje devo ficar em tua casa.

6 E ele se apressou, e desceu, e o recebeu com alegria.

7 E quando os discípulos viram isso, todos murmuraram, dizendo: Que ele foi hospedar-se com um homem pecador.

8 E Zaqueu levantou-se e disse ao Senhor: Eis, Senhor, a metade dos meus bens dou aos pobres; e se eu tiver tirado alguma coisa de qualquer homem por meios injustos, eu restituo quatro vezes.

9 E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, porque também ele é filho de Abraão;

10 Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido.

11 E, ouvindo eles estas coisas, acrescentou e contou uma parábola, porque estava perto de Jerusalém, e porque os judeus ensinavam que o reino de Deus deveria aparecer imediatamente.

12 Ele disse, pois: Certo nobre foi a uma terra distante para receber para si um reino e voltar.

13 E chamou seus dez servos, e entregou-lhes dez libras, e disse-lhes: Ocupai até que eu venha.

14 Mas os seus cidadãos o odiaram e enviaram um mensageiro atrás dele, dizendo: Não queremos que este reine sobre nós.

15 E aconteceu que quando ele voltou, tendo recebido o reino, então ordenou que esses servos fossem chamados àquele a quem ele havia dado o dinheiro, para que ele soubesse quanto cada homem havia ganho negociando.

16 Então veio o primeiro, dizendo: Senhor, a tua libra rendeu dez libras.

17 E disse-lhe: Muito bem, servo bom; porque no pouco foste fiel, tens autoridade sobre dez cidades.

18 E veio o segundo dizendo: Senhor, a tua libra rendeu cinco libras.

19 E também lhe disse: Sê tu também sobre cinco cidades.

20 E veio outro, dizendo: Senhor, eis a tua libra, que guardei num lenço;

21 Pois eu te temia, porque és homem austero; levantas o que não puseste, e ceifas o que não semeaste.

22 E disse-lhe: Pela tua boca te julgarei, servo mau. Tu sabias que eu era um homem austero, que tomava o que não dei e ceifava o que não semeei.

23 Por que, pois, não entregaste o meu dinheiro no banco, para que, ao chegar, eu recebesse o meu com usura?

24 E disse aos que ali estavam: Tirai dele a libra, e dai-a ao que tem dez libras.

25 Pois eu vos digo que a todo aquele que ocupa será dado; e daquele que não ocupa, até o que recebeu lhe será tirado.

26 Mas aqueles meus inimigos, que não quiseram que eu reinasse sobre eles, tragam-nos aqui e matem-nos diante de mim.

27 E, tendo dito isso, foi adiante, subindo a Jerusalém.

28 E aconteceu que, chegando perto de Betfagé e Betânia, no monte chamado monte das Oliveiras, enviou dois dos seus discípulos;

29 Dizendo: Ide ao povoado defronte de vós, no qual, ao entrardes, achareis amarrado um jumentinho, no qual nunca homem algum montou; solte-o e traga-o para mim.

30 E se alguém vos perguntar: Por que soltais o jumentinho? Assim lhe direis: Porque o Senhor precisa dele.

31 E os que foram enviados partiram e acharam como ele lhes havia dito.

32 E, enquanto desprendiam o jumentinho, disseram-lhes os seus donos: Por que soltais o jumentinho?

33 E eles disseram: O Senhor precisa dele.

34 E o levaram a Jesus; e lançaram suas vestes sobre o jumentinho, e nele puseram Jesus.

35 E, indo ele, estenderam as suas roupas pelo caminho.

36 E quando ele estava perto, já na descida do monte das Oliveiras, toda a multidão dos discípulos começou a se alegrar, e a louvar a Deus em alta voz, por todos os milagres que tinham visto;

37 Dizendo: Bendito o Rei que vem em nome do Senhor, paz no céu e glória nas alturas!

38 E alguns dos fariseus, dentre a multidão, disseram-lhe: Mestre, repreende os teus discípulos.

39 E ele respondeu e disse-lhes. Se estes se calassem, as pedras gritariam imediatamente.

40 E quando ele se aproximou, ele viu a cidade, e chorou sobre ela;

41 Dizendo: Se tu mesmo soubesses, pelo menos neste teu dia, as coisas que pertencem à tua paz! Mas agora eles estão escondidos de teus olhos.

42 Porque dias virão sobre ti em que os teus inimigos te cercarão com trincheiras, e te cercarão, e te prenderão por todos os lados;

43 E te deitarão por terra, e teus filhos dentro de ti, e não deixarão em ti pedra sobre pedra; porque não sabias o tempo da tua visitação.

44 E ele entrou no templo, e começou a expulsar os que vendiam nele, e os que compravam,

45 Dizendo-lhes: Está escrito: A minha casa é casa de oração; mas você tem

fez dela um covil de ladrões.

46 E ensinava diariamente no templo. Mas os principais sacerdotes, e os escribas, e os chefes do povo procuravam destruí-lo.

47 E não puderam encontrar o que poderiam fazer; pois todas as pessoas estavam muito atentas para ouvi-lo.


CAPÍTULO 20

O batismo de João – Parábola da vinha – Cristo perguntou sobre o tributo – Do divórcio e do casamento na ressurreição.

1 E aconteceu que, num daqueles dias, estando ele ensinando o povo no templo e pregando o evangelho, os principais sacerdotes e os escribas o encontraram com os anciãos.

2 E falou-lhe, dizendo: Dize-nos, com que autoridade fazes estas coisas? Ou quem é aquele que te deu essa autoridade?

3 E ele, respondendo, disse-lhes: Também vos pedirei uma coisa; responda-me.

4 O batismo de João; foi do céu, ou dos homens?

5 E arrazoavam consigo mesmos, dizendo: Se dissermos: Do céu; ele dirá: Por que então não crestes nele?

6 E se dissermos: Dos homens, todo o povo nos apedrejará; pois eles estão convencidos de que João era um profeta.

7 E eles responderam que não sabiam de onde era.

8 Disse-lhes Jesus: Nem vos digo com que autoridade faço estas coisas.

9 Então começou a falar ao povo esta parábola. Certo homem plantou uma vinha e a arrendou para os lavradores, e foi para um país distante por muito tempo.

10 E na época da colheita, ele enviou seu servo aos lavradores, para que lhe dessem do fruto da vinha; mas os lavradores o espancaram e o despediram vazio.

11 E novamente ele enviou outro servo; e eles também o espancaram, e rogaram-lhe vergonhosamente, e o despediram vazio.

12 E novamente ele enviou um terceiro, e eles também o feriram, e o expulsaram.

13 Então disse o senhor da vinha: Que farei? enviarei meu filho amado; pode ser que eles o reverenciem quando o virem.

14 Mas, vendo-o os lavradores, arrazoaram entre si, dizendo: Este é o herdeiro; vinde, matemo-lo, para que a herança seja nossa.

15 Então o expulsaram da vinha e o mataram. O que, portanto, o Senhor da vinha fará com eles?

16 Ele virá e destruirá esses lavradores, e dará a vinha a outros. E quando eles ouviram isso, eles disseram: Deus me livre!

17 E, olhando-os, disse: Que é isto, pois, que os construtores rejeitaram, o mesmo se tornou o cabeça da esquina?

18 Quem cair sobre aquela pedra será quebrado; mas sobre quem cair, será reduzido a pó.

19 E os principais sacerdotes e os escribas, na mesma hora, procuravam prendê-lo; mas eles temiam o povo; pois perceberam que ele havia falado esta parábola contra eles.

20 E eles o vigiaram e enviaram espias, que se fingiam de homens justos, para que pudessem apoderar-se de suas palavras, e assim o entregarem ao poder e autoridade do governador.

21 E perguntaram-lhe, dizendo: Mestre, sabemos que falas e ensinas corretamente; nem consideras a pessoa de ninguém, mas ensinas verdadeiramente o caminho de Deus.

22 É lícito dar tributo a César ou não?

23 Mas ele percebeu a astúcia deles e disse-lhes: Por que me tentais?

24 Mostre-me um centavo. De quem é a imagem e inscrição? Eles responderam e disseram: De César.

25 E disse-lhes: Dai, pois, a César o que é de César; e para Deus, as coisas que são de Deus.

26 E eles não puderam aceitar suas palavras diante do povo, e eles se maravilharam com sua resposta e se calaram.

27 Então se aproximaram dele alguns dos saduceus, que negam que haja ressurreição; e eles lhe perguntaram,.

28 Dizendo: Mestre, Moisés nos escreveu, dizendo: Se o irmão de alguém morrer, tendo mulher, e morrer sem filhos, que seu irmão tome sua mulher, e suscite descendência a seu irmão.

29 Havia, pois, sete irmãos; o primeiro tomou uma esposa e morreu sem filhos.

30 E o segundo a tomou por esposa, e morreu sem filhos.

31 E o terceiro a tomou da mesma maneira; e os sete também; e não deixaram filhos, e morreram.

32 E por último, a mulher também morreu.

33 Portanto, na ressurreição, de quem é a mulher deles; para sete a teve como esposa?

34 E Jesus, respondendo, disse-lhes. Os filhos deste mundo se casam e são dados em casamento;

35 Mas aqueles que forem julgados dignos de obter este mundo, pela ressurreição dos mortos, não se casam nem se dão em casamento.

36 Eles não podem mais morrer; porque eles são iguais aos anjos; e são filhos de Deus, sendo filhos da ressurreição.

37 Agora que os mortos são ressuscitados, até mesmo Moisés mostrou na sarça, quando ele chama o Senhor, o Deus de Abraão, e o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó.

38 Pois ele não é Deus de mortos, mas de vivos; pois todos vivem para ele.

39 Respondendo alguns dos escribas, disseram: Mestre, disseste bem.

40 E depois disso não ousaram fazer-lhe nenhuma pergunta.

41 E ele lhes disse: Como dizem eles que Cristo é filho de Davi?

42 E o próprio Davi disse no livro dos Salmos: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita,

43 Até que eu faça dos teus inimigos o escabelo dos teus pés.

44 Davi, pois, o chama Senhor; como ele é então seu filho?

45 Então, na audiência de todo o povo, disse aos seus discípulos:

46 Acautelai-vos dos escribas, que querem andar com vestes compridas, e amam os cumprimentos nas feiras, e os lugares mais altos nas sinagogas, e os salões principais nas festas;

47 Que devoram as casas das viúvas e, para ostentação, fazem longas orações; o mesmo receberá maior condenação.


CAPÍTULO 21

O ácaro da viúva – Destruição de Jerusalém – Sinais da tribulação dos judeus vindoura de Cristo – Parábola da figueira – Cuidados indevidos do mundo proibidos.

1 E ergueu os olhos e viu os ricos lançando seus presentes no tesouro;

2 E viu também uma pobre viúva que lançava ali duas moedas.

3 E ele disse: Em verdade vos digo que esta pobre viúva lançou mais do que todos eles.

4 Pois todos estes da sua abundância foram lançados nas ofertas de Deus; mas ela de sua penúria lançou em todos os vivos que ela tinha.

5 E como alguns falavam do templo, como era adornado com pedras preciosas e presentes, ele disse:

6 Estas coisas que vedes, dias virão em que não se levantará pedra sobre pedra, que não seja derribada.

7 E os discípulos perguntaram-lhe, dizendo: Mestre, quando serão estas coisas? E que sinal mostrarás, quando estas coisas vierem a acontecer?

8 E ele disse: O tempo se aproxima, e, portanto, vede para que não sejais enganados; porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; não vades, pois, atrás deles.

9 E quando ouvirdes falar de guerras e tumultos, não vos assusteis; pois essas coisas devem primeiro acontecer; mas este não é o fim.

10 Então lhes disse: Levantar-se-á nação contra nação, e reino contra reino; e haverá grandes terremotos em diversos lugares, e fomes e pestes; e coisas terríveis, e grandes sinais haverá do céu.

11 Mas antes que aconteçam todas estas coisas, porão as mãos sobre ti e te perseguirão; entregando-vos às sinagogas e às prisões; sendo levado perante reis e governantes por causa do meu nome.

12 Estabelecei, pois, isto em vossos corações, para não meditardes no que haveis de responder;

13 Pois eu te darei boca e sabedoria, a que todos os teus adversários não poderão contestar nem resistir.

14 E isto vos será por testemunho.

15 E sereis traídos por pais e irmãos e parentes e amigos; e alguns de vós farão morrer.

16 E sereis odiados de todo o mundo por causa do meu nome.

17 Mas nem um fio de cabelo de sua cabeça perecerá.

18 Na vossa paciência possuí as vossas almas.

19 E quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabereis que a sua desolação está próxima.

20 Então os que estiverem na Judéia fujam para os montes; e os que estiverem no meio dela saiam; e os que estiverem nos campos não voltem para entrar na cidade.

21 Porque estes são os dias da vingança, para que se cumpram todas as coisas que estão escritas.

22 Mas ai das que estiverem grávidas e das que amamentarem naqueles dias! Porque haverá grande angústia na terra e ira sobre este povo.

23 E cairão ao fio da espada, e serão levados cativos para todas as nações; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se cumpram.

24 Ora, estas coisas lhes falou a respeito da destruição de Jerusalém. E então seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Mestre, conta-nos sobre a tua vinda?

25 E ele lhes respondeu, e disse: Na geração em que os tempos dos gentios se cumprirem, haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações em perplexidade, como o bramido do mar e das ondas. A terra também será agitada, e as águas do grande abismo;

26 O coração dos homens desfalece de medo e de cuidar das coisas que sobrevirão à terra. Pois os poderes do céu serão abalados.

27 E quando estas coisas começarem a acontecer, então olhem para cima e levantem suas cabeças, pois o dia de sua redenção está próximo.

28 E então verão o Filho do Homem vindo numa nuvem, com poder e grande glória.

29 E contou-lhes uma parábola, dizendo: Eis a figueira e todas as árvores.

30 Quando eles agora brotam, vedes, e sabeis por vós mesmos, que o verão está agora próximo.

31 Assim também vós, quando virdes acontecer estas coisas, sabei que o reino de Deus está próximo.

32 Em verdade vos digo que esta geração, a geração em que os tempos dos gentios se cumprirão, não passará até que tudo se cumpra.

33 O céu e a terra passarão, mas minhas palavras não passarão.

34 Cuidem-se, pois, os meus discípulos, para que em nenhum momento seus corações se sobrecarreguem de fartura, embriaguez e preocupações desta vida, e aquele dia lhes sobrevenha desprevenidos.

35 Pois como um laço cairá sobre todos os que habitam sobre a face de toda a terra.

36 E o que digo a um, digo a todos: Vigiai, pois, e orai sempre, e guardai meus mandamentos, para que sejais considerados dignos de escapar de todas estas coisas que hão de acontecer e de comparecer perante o Filho de homem quando vier vestido da glória de seu Pai.

37 E durante o dia ensinava no templo; e à noite, ele saiu e ficou no monte que é chamado Oliveiras.

38 E o povo veio ter com ele de manhã cedo no templo, para ouvi-lo.


CAPÍTULO 22

Judas trai Cristo – Instituição da ceia do Senhor – agonia de Cristo – Sua prisão – Pedro o nega.

1 Aproximava-se a festa dos pães ázimos, que se chama páscoa.

2 E os principais sacerdotes e os escribas procuravam como poderiam matá-lo; mas eles temiam o povo.

3 Então entrou Satanás em Judas, de sobrenome Iscariotes, sendo do número dos doze.

4 E ele foi, e falou com os principais sacerdotes e capitães, como ele poderia traí-lo a eles.

5 E eles se alegraram e fizeram convênio de lhe dar dinheiro.

6 E ele lhes prometeu, e procurou a oportunidade de traí-lo a eles na ausência da multidão.

7 Então veio o dia dos pães ázimos, quando a páscoa devia ser morta.

8 E enviou Pedro e João, dizendo: Ide, e preparai-nos a páscoa, para que comamos.

9 E disseram-lhe: Onde queres que preparemos.

10 E disse-lhes: Eis que, quando entrardes na cidade, um homem vos encontrará com um cântaro de água; segui-o até a casa em que ele entrar.

11 E direis ao homem bom da casa: O Mestre vos disse: Onde está o aposento onde hei de comer a páscoa com os meus discípulos?

12 E ele vos mostrará um grande cenáculo mobiliado; lá prepara.

13 E eles foram, e acharam como ele lhes havia dito; e prepararam a páscoa.

14 Chegada a hora, sentou-se, e os doze apóstolos com ele.

15 E disse-lhes: Desejei com desejo comer convosco esta páscoa, antes que padeça;

16 Pois eu vos digo que não comerei mais dela, até que se cumpra o que está escrito nos profetas a meu respeito. Então eu participarei com você, no reino de Deus.

17 E tomou o cálice, deu graças e disse: Tomai isto e reparti entre vós;

18 Pois eu vos digo que não beberei do fruto da vide, até que venha o reino de Deus.

19 E ele tomou o pão, e deu graças, e partiu, e deu-lhes, dizendo: Isto é o meu corpo que é dado por vós; isto faz em memória de mim.

20 Da mesma forma também o cálice, depois da ceia, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue, que é derramado por vós.

21 Mas eis que a mão daquele que me trai está comigo sobre a mesa.

22 E verdadeiramente o Filho do Homem vai como estava determinado; mas ai daquele homem por quem é traído.

23 E começaram a indagar entre si: Quem era deles que deveria fazer isso.

24 Houve também uma contenda entre eles, qual deles deveria ser considerado o maior.

25 E ele lhes disse: Os reis dos gentios exercem domínio sobre eles, e aqueles que exercem autoridade sobre eles são chamados benfeitores.

26 Mas não deve ser assim com você; mas o maior entre vós seja como o menor; e quem é chefe, como quem serve.

27 Pois qual é maior o que se senta à mesa ou o que serve? Não sou como quem se senta à mesa, mas estou entre vós como quem serve.

28 Vós sois os que continuastes comigo nas minhas tentações;

29 E eu vos designo um reino, como meu Pai me designou;

30 para que comais e bebais à minha mesa no meu reino; e sentar-se em doze tronos, julgando as doze tribos de Israel.

31 E o Senhor disse: Simão, Simão, eis que Satanás te desejou, para que ele possa peneirar os filhos do reino como trigo.

32 Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e quando você for convertido, fortaleça seus irmãos.

33 E disse-lhe, ofendido: Senhor, estou pronto para ir contigo, tanto para a prisão como para a morte.

34 E o Senhor disse: Eu te digo, Pedro, que o galo não cantará hoje, antes que você negue três vezes que me conhece.

35 E ele lhes disse: Quando vos enviei sem bolsa e alforje, ou sapatos, faltou-vos alguma coisa? E eles disseram: Nada.

36 E disse-lhes: Digo-vos outra vez: Quem tiver bolsa, tome-a, como também o alforje; e quem não tem espada, venda a sua roupa e compre uma.

37 Pois eu vos digo que ainda é necessário que isto que está escrito se cumpra em mim, e ele foi contado entre os transgressores; porque as coisas que me dizem respeito têm um fim.

38 E eles disseram: Senhor, eis aqui duas espadas. E ele lhes disse: Basta.

39 E ele saiu e foi, como estava acostumado, ao monte das Oliveiras; e seus discípulos o seguiram.

40 E, estando no lugar, disse-lhes: Rogai para que não entreis em tentação.

41 E ele foi afastado deles sobre o lançamento de uma pedra, e ajoelhou-se e orou,

42 dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; no entanto, não a minha vontade, mas a tua seja feita.

43 E apareceu-lhe um anjo do céu, fortalecendo-o.

44 E estando em agonia, orou com mais fervor; e suava como se fossem grandes gotas de sangue caindo no chão.

45 E, levantando-se da oração, e chegando aos seus discípulos, achou-os dormindo; pois eles estavam cheios de tristeza;

46 E disse-lhes: Por que dormis? levantai-vos e orai, para que não entreis em tentação.

47 E enquanto ele ainda falava, eis que uma multidão, e aquele que se chamava Judas, um dos doze, foi adiante deles e se aproximou de Jesus para beijá-lo.

48 Mas Jesus lhe disse: Judas, com um beijo trais o Filho do Homem?

49 Quando os que o cercavam, vendo o que se seguiria, disseram-lhe: Senhor, feriremos à espada?

50 E um deles feriu o servo do sumo sacerdote e cortou-lhe a orelha direita.

51 E Jesus respondeu e disse: Sofrem até aqui. E ele tocou sua orelha e o curou.

52 Então Jesus disse aos principais dos sacerdotes, e aos capitães do templo, e aos anciãos, que tinham ido ter com ele: Saistes como a um ladrão, com espadas e varais?

53 Estando eu todos os dias convosco no templo, não estendestes as mãos contra mim; mas esta é a sua hora e o poder das trevas.

54 Então eles o tomaram, e o conduziram, e o trouxeram para a casa do sumo sacerdote; e Pedro seguiu de longe.

55 E quando eles acenderam uma fogueira no meio do salão, e se sentaram juntos, Pedro sentou-se no meio deles.

56 Mas uma serva, vendo-o sentado junto ao fogo, olhou para ele e disse: Este homem também estava com ele.

57 E ele o negou, dizendo: Mulher, não o conheço.

58 Pouco depois, outro o viu e disse: Tu também és deles. E Pedro disse: Cara, eu não sou.

59 E cerca de uma hora, outro afirmou com confiança, dizendo: Em verdade, este homem também estava com ele; pois ele é um galileu.

60 E Pedro disse: Homem, não sei o que dizes. E imediatamente, enquanto ele ainda falava, o galo cantou.

61 E o Senhor se voltou, e olhou para Pedro. E Pedro lembrou-se da palavra do Senhor, como lhe dissera: Antes que o galo cante, três vezes me negarás.

62 E Pedro saiu, e chorou amargamente.

63 E os homens que seguravam Jesus, zombavam dele e o feriram.

64 E, tendo-o vendado, bateram-lhe no rosto e perguntaram-lhe, dizendo: Profetiza, quem é que te feriu?

65 E muitas outras coisas falaram blasfemamente contra ele.

66 E logo que amanheceu, os anciãos do povo e os principais sacerdotes, e os escribas se reuniram e o conduziram ao seu conselho,

67 Dizendo: Tu és o Cristo? Nos digam. E ele lhes disse: Se eu vos disser, não acreditareis.

68 E se eu também vos perguntar, não me respondereis, nem me deixareis ir.

69 Doravante, o Filho do Homem se assentará à direita do poder de Deus.

70 Então todos eles disseram: Tu és então o Filho de Deus? E ele lhes disse: Vós dizeis que eu sou.

71 E eles disseram: De que precisamos de mais testemunho? Pois nós mesmos ouvimos de sua própria boca.


CAPÍTULO 23

Pilatos envia Jesus a Herodes – Ele é açoitado e enviado de volta – Predita a dispersão de Israel – Cristo crucificado – Ladrão penitente – Jesus sepultado por José de Arimatéia.

1 E toda a multidão deles se levantou, e o levou a Pilatos.

2 E começaram a acusá-lo, dizendo: Achamos este homem pervertendo a nação e proibindo dar tributo a César, dizendo que ele mesmo é Cristo, um rei.

3 E Pilatos perguntou-lhe, dizendo: Tu és o rei dos judeus? E ele lhe respondeu, e disse: Sim, tu o dizes.

4 Então Pilatos disse aos chefes dos sacerdotes e ao povo: Não acho falta neste homem.

5 E eles ficaram mais ferozes, dizendo: Ele agita o povo, ensinando em toda a judiaria, começando da Galiléia até este lugar.

6 Quando Pilatos ouviu falar da Galiléia, perguntou se aquele homem era galileu.

7 E assim que soube que pertencia à jurisdição de Herodes, enviou-o a Herodes, que também estava em Jerusalém naquele tempo.

8 E quando Herodes viu Jesus, ficou muito feliz; pois ele desejava vê-lo, há muito tempo, porque ouvira muitas coisas dele; e esperava ter visto algum milagre feito por ele.

9 Então ele questionou com ele em muitas palavras; mas nada lhe respondeu.

10 E os principais sacerdotes e escribas se levantaram e o acusaram com veemência.

11 E Herodes e seus homens de guerra o desprezaram, e zombaram dele, e o vestiram com um manto magnífico, e o enviaram novamente a Pilatos.

12 E no mesmo dia Pilatos e Herodes se tornaram amigos; pois antes disso eles estavam em inimizade entre si.

13 E Pilatos, convocando os principais sacerdotes, e os príncipes, e o povo,

14 Disse-lhes: Trouxeste-me este homem como pervertedor do povo; e eis que eu, interrogando-o diante de vós, não achei neste homem falta alguma, no tocante às coisas de que o acusais.

15 Não, nem ainda Herodes; porque eu te enviei a ele; e eis que nada digno de morte lhe é feito;

16 Por isso castigá-lo-ei e libertá-lo-ei.

17 Por necessidade, ele deve liberar um para eles na festa.

18 Mas todos gritaram de uma só vez, dizendo: Fora com este homem, e solta-nos Barrabás;

19 O qual por certa sedição feita na cidade, e por homicídio, foi lançado na prisão.

20 Pilatos, portanto, querendo libertar Jesus, falou novamente com eles.

21 Mas eles clamaram, dizendo: Crucifica-o, crucifica-o.

22 E disse-lhes pela terceira vez: Que mal fez ele? Não encontrei nele causa de morte; Portanto, castigá-lo-ei e o deixarei ir.

23 E eles se apressaram em grandes vozes, exigindo que ele fosse crucificado; e as vozes deles e dos principais sacerdotes prevaleceram.

24 E Pilatos deu sentença para que fosse como eles pediam.

25 E soltou-lhes aquele que por sedição e homicídio foi lançado na prisão, a quem eles desejavam; e entregou Jesus à vontade deles.

26 E, enquanto o levavam, agarraram um certo Simão, cireneu, que vinha do campo, e puseram sobre ele a cruz, para que a carregasse depois de Jesus.

27 E seguiu-o uma grande multidão de pessoas e de mulheres, que também o lamentavam e lamentavam.

28 Mas Jesus voltou-se para eles e disse: Filhas de Jerusalém, não choreis por mim, mas chorai por vós mesmas e por vossos filhos.

29 Pois eis que vêm dias em que dirão: Bem-aventuradas as estéreis, e os ventres que nunca deram à luz, e os seios que nunca deram de mamar.

30 Então começarão a dizer aos montes: Caí sobre nós; e para as colinas, Cubra-nos.

31 E se estas coisas são feitas na árvore verde, o que será feito na árvore seca?

32 Isto ele falou, significando a dispersão de Israel e a desolação dos gentios, ou seja, os gentios.

33 E havia também outros dois, malfeitores, levados com ele para serem mortos.

34 E quando chegaram ao lugar chamado Calvário, ali o crucificaram, e aos malfeitores; um do lado direito e outro do lado esquerdo.

35 Então disse Jesus: Pai, perdoa-lhes; pois não sabem o que fazem. (Significando os soldados que o crucificaram), e eles separaram suas vestes e lançaram sortes.

36 E o povo estava de pé, vendo, e também os príncipes com eles, zombavam, dizendo: Ele salvou outros; salve-se a si mesmo, se é o Cristo, o escolhido de Deus.

37 E os soldados também zombavam dele, aproximando-se dele e oferecendo-lhe vinagre,

38 E dizendo: Se tu és o rei dos judeus, salva-te a ti mesmo.

39 E sobre ele também estava escrito um cabeçalho, em letras gregas, latinas e hebraicas: ESTE É O REI DOS JUDEUS.

40 E um dos malfeitores que foi crucificado com ele, o insultava, dizendo: Se tu és o Cristo, salva-te a ti mesmo e a nós.

41 Mas o outro, respondendo, o repreendeu, dizendo: Não temes a Deus, visto que estás na mesma condenação?

42 E nós de fato com justiça; pois recebemos a devida recompensa de nossas ações; mas este homem não fez nada de errado.

43 E disse a Jesus: Senhor, lembra-te de mim quando entrares no teu reino.

44 E Jesus lhe disse: Em verdade te digo; Hoje estarás comigo no Paraíso.

45 E era quase a hora sexta, e houve trevas sobre toda a terra até a hora nona.

46 E o sol escureceu, e o véu do templo se rasgou no meio.

47 E, clamando Jesus em alta voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E tendo dito isso, ele entregou o fantasma.

48Ora, vendo o centurião o que havia acontecido, glorificou a Deus, dizendo: Certamente este era um homem justo.

49 E todo o povo que se ajuntou para aquela visão, vendo as coisas que foram feitas, bateram em seus peitos e voltaram.

50 E todos os seus conhecidos, e as mulheres que o seguiam desde a Galiléia, ficaram de longe, vendo estas coisas.

51 E eis que um homem chamado José, conselheiro; um homem bom e justo;

52 No mesmo dia não havia consentido no conselho e ação deles; um homem de Arimatéia, cidade dos judeus; que também esperava o reino de Deus.

53 Ele foi a Pilatos e pediu o corpo de Jesus.

54 E ele o tirou e o envolveu em linho, e o colocou em um sepulcro, que foi lavrado em uma pedra, onde nunca antes foi colocado homem algum.

55 E aquele dia era a preparação, e o sábado se aproximava.

56 E também as mulheres, que vieram com ele da Galiléia, seguiram atrás, e viram o sepulcro, e como seu corpo foi sepultado.

57 E voltaram, e prepararam especiarias e ungüentos; e descansou no dia de sábado, conforme o mandamento.


CAPÍTULO 24

As mulheres vão ao sepulcro – Jesus fala com dois de seus discípulos – Ele aparece aos apóstolos – Promete-lhes o Santo Espírito Santo – Ascende ao céu.

1 Ora, no primeiro dia da semana, muito cedo pela manhã, as mulheres foram ao sepulcro, trazendo as especiarias que haviam preparado, e algumas outras com elas.

2 E encontraram a pedra removida do sepulcro, e dois anjos de pé junto a ela em trajes brilhantes.

3 E entraram no sepulcro e, não achando o corpo do Senhor Jesus, ficaram muito perplexos;

4 E ficaram atemorizados, e inclinaram o rosto em terra. Mas eis que os anjos lhes disseram: Por que buscais o vivente entre os mortos?

5 Ele não está aqui, mas ressuscitou. Lembrai-vos de como vos falou quando ainda estava na Galileia,

6 Dizendo: Importa que o Filho do homem seja entregue nas mãos de homens pecadores, e seja crucificado, e ao terceiro dia ressuscite?

7 E eles se lembraram das suas palavras,

8 E voltou do sepulcro, e contou todas estas coisas aos onze e a todos os outros.

9 Foram Maria Madalena, e Joana, e Maria, mãe de Tiago, e outras mulheres que estavam com eles, que contaram estas coisas aos apóstolos.

10 E as suas palavras lhes pareciam fábulas, e não acreditaram nelas.

11 Levantou-se Pedro, correu ao sepulcro e entrou, e viu as roupas de linho colocadas à parte; e ele partiu, maravilhando-se consigo mesmo com o que havia acontecido.

12 E eis que dois deles foram naquele mesmo dia a uma aldeia chamada Emaús, que era de Jerusalém sessenta estádios.

13 E eles conversaram sobre todas essas coisas que aconteceram.

14 E aconteceu que, enquanto eles conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e foi com eles.

15 Mas seus olhos estavam fechados, ou tapados, para que não pudessem conhecê-lo.

16 E disse-lhes: Que tipo de comunicações são estas que tendes uns com os outros, enquanto andais e estais tristes?

17 E um deles, cujo nome era Cleofas, respondendo, disse-lhe: Tu és estrangeiro em Jerusalém, e não sabes as coisas que ali aconteceram nestes dias?

18 E ele lhes disse: Que coisas? E eles lhe disseram: Quanto a Jesus de Nazaré, que foi um profeta poderoso em obras e palavras diante de Deus e de todo o povo;

19 E como os principais sacerdotes e nossos príncipes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram.

20 Mas confiamos que era ele quem deveria redimir Israel. E além de tudo isso, hoje é o terceiro dia desde que essas coisas foram feitas;

21 Sim, e também algumas mulheres do nosso grupo nos surpreenderam, que estavam cedo no sepulcro;

22 E não achando o corpo dele, vieram, dizendo que também tinham tido uma visão de anjos, que diziam que ele estava vivo.

23 E alguns dos que estavam conosco foram ao sepulcro, e o acharam assim como as mulheres haviam dito; mas a ele não viram.

24 Então ele lhes disse: Ó néscios e tardos de coração para crer em tudo o que os profetas falaram!

25 Não era necessário que Cristo sofresse essas coisas e entrasse na sua glória?

26 E começando por Moisés e por todos os profetas, expunha-lhes em todas as Escrituras o que dele se referia.

27 E aproximaram-se da aldeia para onde foram; e ele fez como se tivesse ido mais longe.

28 Mas eles o constrangeram, dizendo: Fica conosco; pois já é tarde, e o dia já passou. E ele entrou para ficar com eles.

29 E aconteceu que, estando ele sentado à mesa com eles, tomou pão, e abençoou, e partiu, e deu-lhes.

30 E seus olhos se abriram, e eles o reconheceram; e ele foi tirado da vista deles.

31 E diziam uns aos outros: Não ardia em nós o nosso coração, enquanto ele nos falava pelo caminho, e enquanto nos abria as Escrituras?

32 E eles se levantaram na mesma hora e voltaram para Jerusalém, e encontraram os onze reunidos, e os que estavam com eles,

33 Dizendo: Verdadeiramente o Senhor ressuscitou, e apareceu a Simão.

34 E eles contaram o que viram e ouviram no caminho, e como ele foi conhecido por eles, no partir do pão.

35 E enquanto eles assim falavam, o próprio Jesus pôs-se no meio deles, e disse-lhes: Paz seja convosco.

36 Mas eles ficaram apavorados e amedrontados, e supuseram que tinham visto um espírito.

37 E disse-lhes: Por que estais perturbados e por que surgem pensamentos em vossos corações?

38 Eis minhas mãos e meus pés, que sou eu mesmo. Manuseie-me e veja; porque um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que tenho.

39 Tendo dito isso, mostrou-lhes as mãos e os pés.

40 E enquanto eles ainda se admiravam e não creram de alegria, ele lhes disse: Tendes aqui alguma comida?

41 E deram-lhe um pedaço de peixe assado e um favo de mel.

42 E ele o tomou e comeu diante deles.

43 E disse-lhes: Estas são as palavras que vos falei estando ainda convosco, para que se cumpram todas as coisas que estão escritas na lei de Moisés, e nos profetas, e nos Salmos, a meu respeito .

44 Então lhes abriu o entendimento, para que entendessem as Escrituras,

45 E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que Cristo sofresse e ressuscitasse dos mortos ao terceiro dia;

46 E que o arrependimento e a remissão dos pecados sejam pregados em seu nome entre todas as nações, começando por Jerusalém.

47 E vós sois testemunhas destas coisas.

48 E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai; mas ficai na cidade de Jerusalém até que do alto sejais revestidos de poder.

49 E ele os levou até Betânia, e levantou as mãos e os abençoou.

50 E aconteceu que, enquanto os abençoava, foi tirado deles e levado para o céu.

51 E eles o adoraram, e voltaram para Jerusalém com grande alegria;

52 E estavam continuamente no templo, louvando e bendizendo a Deus. Um homem.

Biblioteca das Escrituras:

Dica de pesquisa

Digite uma única palavra ou use aspas para pesquisar uma frase inteira (por exemplo, "porque Deus amou o mundo de tal maneira").

The Remnant Church Headquarters in Historic District Independence, MO. Church Seal 1830 Joseph Smith - Church History - Zionic Endeavors - Center Place

Para recursos adicionais, visite nosso Recursos para membros página.