O Remanescente

O Remanescente

Por Bispo Donald B. Owens

Volume 20, Número 2 Maio/Jun/Jul/Ago 2019 Edição nº 78

Este artigo foi escrito pelo Bispo Owens para outra publicação da Restauração em 1988.
É reimpresso aqui com permissão.

 

Quando criança, minha primeira lembrança do uso da palavra remanescente tinha a ver com uma “bolsa de sobras” que era usada para guardar pequenos pedaços de material para as mulheres de nossa família e comunidade que trabalhavam esses pequenos pedaços de material em colchas que muitas vezes se tornavam grandes obras de arte.

Encontramos este mesmo termo remanescente usado repetidamente ao longo das Escrituras da Restauração para se referir a pequenos grupos de fiéis ao chamado de Deus e Cristo para serem pessoas justas, fiéis e obedientes diante de uma maioria esmagadora que escolheu ignorar a Palavra de Deus. Desde o início do trato de Deus com a humanidade, Ele escolheu trabalhar com grupos relativamente pequenos, começando com Adão e Eva, Enoque, Noé e sua família, Abraão, Isaque e Jacó. Pode não estar totalmente claro a partir do registro se Deus prefere trabalhar com poucos ou simplesmente reconhece a realidade da natureza humana que grandes grupos têm a tendência de se afastar daquelas disciplinas que lhes permitem comungar estreitamente com o Criador.

 

Noé e sua família eram de fato um pequeno remanescente dos que moravam na Terra na época do grande dilúvio. O apelo ao arrependimento e as advertências sobre as consequências de não se arrepender foram estendidos à população em geral, mas Noé e sua família foram os únicos a responder e fazer os preparativos necessários.

Com a destruição de Sodoma e Gomorra, apenas Ló e suas filhas foram poupados como remanescentes daquelas comunidades perversas.

Os profetas da nação de Israel muitas vezes apelavam a seus irmãos para que se arrependessem e mudassem seu curso como nação ou enfrentariam a destruição. Essas profecias eram muitas vezes acompanhadas de alguma referência a um remanescente sendo preservado mesmo que a nação fosse destruída. Jeremias e Ezequiel foram ativos em seu ministério durante um período de grande turbulência em Israel. A causa raiz dos problemas que Israel enfrentou como nação estava diretamente relacionada à sua infidelidade a Deus e sua desobediência aos Seus mandamentos. Mesmo naqueles tempos turbulentos, quando os líderes e a grande maioria do povo estavam em estado de rebelião contra Deus, Ele continuou a prover ministério por meio de seus servos fiéis. Jeremias era do remanescente fiel deixado em Jerusalém e continuou a ministrar ao remanescente fiel em Israel e também enviou palavras de conselho aos cativos. Ezequiel estava entre os que foram levados cativos para a Babilônia e ali ministrou ao remanescente do Senhor e a todos os que o ouvissem. O livro de Daniel nos fala de um remanescente fiel dos israelitas, durante esse mesmo período de cativeiro, e como o Senhor cuidou e usou esses servos fiéis para seus santos propósitos em circunstâncias que muitos considerariam impossíveis.

Outro remanescente dos filhos de Deus foi levado à segurança durante este mesmo período de tempo. Esta era a família de Leí, cuja história está registrada no Livro de Mórmon. Em um ponto no tempo aproximadamente 500 anos depois que Leí e sua família foram levados de Jerusalém para as Américas, seus descendentes estavam revendo sua herança como remanescente da semente de José, filho de Jacó. Morôni está citando seu registro conforme registrado em Alma 21:56–57: “Sim, lembremo-nos das palavras de Jacó, antes de sua morte; pois eis que ele viu que uma parte do restante da túnica de José foi preservada e não havia se deteriorado. E ele disse: Assim como este remanescente da vestimenta de meu filho foi preservado, assim será um remanescente da semente de meus filhos será preservado pela mão de Deus e será tomado para si...”.

Os homens que seguiram João Batista, que por sua vez se tornaram o núcleo dos discípulos de Jesus, eram parte de um remanescente de um remanescente. Eles estavam entre aqueles que esperavam fielmente a “Consolação de Israel” profetizada por Isaías e, como tal, eram uma minoria entre os judeus que por sua vez eram um remanescente que havia sido preservado através de muitas invasões, dispersões e ocupações. Foi com esse remanescente pequeno, fiel e obediente que Jesus construiu sua igreja e espalhou o cristianismo por todo o mundo.

Foi com um pequeno remanescente que o Senhor escolheu restaurar seu evangelho e igreja completos em 1830. Quando a maioria desse corpo apostatou, outro remanescente foi preservado e chamado para continuar a Restauração no período de 1850–1860. Sugerimos que um remanescente está sendo chamado hoje para mais uma vez preservar e continuar a obra do “Evangelho Restaurado de Jesus Cristo”.

É importante em nossa própria situação hoje que nos animemos com a história do trato de Deus com os fiéis em tempos passados. Números e riquezas materiais não são o que nos qualifica para a obra do Senhor. Sejamos fiéis ao nosso chamado de preservar o evangelho restaurado de nosso Senhor Jesus Cristo, Suas santas ordenanças e o sacerdócio que Ele restaurou entre nós e representá-Lo e Seu Santo Pai. Se vivermos em obediência à palavra de Deus e formos valentes em nosso testemunho de que Jesus é realmente o Cristo, o Filho do Deus Vivo, tenho certeza de que seremos contados com aqueles remanescentes fiéis dos dias passados para habitar no Reino de Deus.

Postado em