O Livro de Mosias

O Livro de Mosias
Capítulo 1

1 E agora não havia mais contendas em toda a terra de Zaraenla, entre todo o povo que pertencia ao rei Benjamim, de modo que o rei Benjamim teve paz contínua pelo resto de seus dias.
2 E aconteceu que ele teve três filhos; e chamou-lhes pelos nomes Mosias, Helorum e Helamã.
3 E fez com que fossem ensinados em toda a língua de seus pais, para que assim se tornassem homens de entendimento; e para que soubessem das profecias proferidas pela boca de seus pais, que lhes foram entregues pela mão do Senhor.
4 E ensinou-lhes também a respeito dos registros que estavam gravados nas placas de latão, dizendo: Meus filhos, gostaria que vos lembrássemos de que não fossem estas placas, que contêm esses registros e esses mandamentos, teríamos sofrido na ignorância, mesmo neste tempo presente, não conhecendo os mistérios de Deus:
5 Pois não era possível que nosso pai Leí pudesse se lembrar de todas essas coisas, para tê-las ensinado a seus filhos, a não ser com a ajuda destas placas:
6 Pois tendo sido ensinado na língua dos egípcios, podia ler estas gravuras e ensiná-las a seus filhos, para que assim pudessem ensiná-las a seus filhos, cumprindo assim os mandamentos de Deus até o presente Tempo.
7 Digo-vos, meus filhos, se não fossem estas coisas, que foram guardadas e preservadas pela mão de Deus, para que pudéssemos ler e compreender seus mistérios, e ter seus mandamentos sempre diante de nossos olhos, para que até nossos pais teriam definhado na incredulidade,
8 E deveríamos ter sido como nossos irmãos, os lamanitas, que nada sabem a respeito dessas coisas, ou mesmo não acreditam nelas quando são ensinadas, por causa das tradições de seus pais, que não são corretas.
9 Ó meus filhos, gostaria que vos lembreis de que estas palavras são verdadeiras; e também, que esses registros são verdadeiros.
10 E eis também as placas de Néfi, que contêm os registros e as palavras de nossos pais desde o momento em que deixaram Jerusalém até agora; e eles são verdadeiros; e podemos saber de sua certeza, porque os temos diante de nossos olhos.
11 E agora, meus filhos, gostaria que vos lembrássemos de examiná-los diligentemente, para que usufruíis disso;
12 E gostaria que guardássemos os mandamentos de Deus, para que prospereis na terra, de acordo com as promessas que o Senhor fez a nossos pais.
13 E muitas outras coisas que o rei Benjamim ensinou a seus filhos, que não estão escritas neste livro.
14 E aconteceu que depois que o rei Benjamim terminou de ensinar seus filhos, ele envelheceu; e ele viu que muito em breve deveria seguir o caminho de toda a terra; portanto, achou conveniente conferir o reino a um de seus filhos.
15 Portanto, ele fez com que Mosias fosse trazido à sua presença; e estas são as palavras que ele lhe falou, dizendo: Meu filho, eu gostaria que fizéssemos uma proclamação em toda esta terra, entre todo este povo, ou o povo de Zaraenla, e o povo de Mosias, que habitam nesta terra, para que assim sejam reunidos:
16 Pois amanhã anunciarei a este meu povo, da minha própria boca, que tu és rei e governante deste povo que o Senhor nosso Deus nos deu.
17 Além disso, darei um nome a este povo, para que assim seja distinguido de todo o povo que o Senhor Deus tirou da terra de Jerusalém; e isso eu faço, porque eles têm sido um povo diligente em guardar os mandamentos do Senhor.
18 E dou-lhes um nome que jamais será apagado, a não ser por transgressão.
19 Sim, e além disso vos digo que, se este povo altamente favorecido do Senhor cair em transgressão e se tornar um povo iníquo e adúltero, o Senhor os entregará, para que assim se tornem fracos, como seus irmãos;

20 E ele não os preservará mais, por seu poder incomparável e maravilhoso, como até agora preservou nossos pais.
21 Pois eu vos digo que, se ele não tivesse estendido o braço na preservação de nossos pais, eles teriam caído nas mãos dos lamanitas e se tornado vítimas de seu ódio.
22 E aconteceu que, depois que o rei Benjamim acabou com essas palavras a seu filho, ele o encarregou de todos os assuntos do reino.
23 E, além disso, também o encarregou dos registros que estavam gravados nas placas de latão; e também as placas de Néfi;
24 E também a espada de Labão e a bola ou maestro, que conduziu nossos pais pelo deserto, que foi preparado pela mão do Senhor, para que assim fossem conduzidos, cada um de acordo com a atenção e diligência que deu a ele.
25 Portanto, como foram infiéis, não prosperaram nem progrediram em sua jornada, mas foram rechaçados e incorreram no desagrado de Deus sobre eles;
26 E, portanto, eles foram feridos com fome e grandes aflições, para incitá-los na lembrança de seu dever.
27 E então aconteceu que Mosias foi e fez como seu pai lhe ordenara e anunciou a todo o povo que estava na terra de Zaraenla, para que assim se reunissem para subir ao templo, para ouvir as palavras que seu pai deve dizer-lhes.
28 E aconteceu que depois de Mosias ter feito como seu pai lhe ordenara e feito uma proclamação por toda a terra, que o povo se reunisse em toda a terra, para que subisse ao templo para ouvir o palavras que o rei Benjamim lhes falaria.
29 E havia um grande número, tantos que não os contaram; porque eles se multiplicaram muito, e se tornaram grandes na terra.
30 E também tomaram das primícias de seus rebanhos, para oferecerem sacrifícios e holocaustos, conforme a lei de Moisés;
31 E também para darem graças ao Senhor seu Deus, que os tirou da terra de Jerusalém e os livrou das mãos de seus inimigos, e designou homens justos para serem seus mestres, e também, um homem justo para ser seu rei,
32 Que havia estabelecido a paz na terra de Zaraenla, e que os havia ensinado a guardar os mandamentos de Deus, para que assim se alegrassem e se enchessem de amor para com Deus e todos os homens.
33 E aconteceu que quando eles subiram ao templo, armaram suas tendas ao redor, cada homem de acordo com sua família, consistindo de sua esposa e seus filhos e suas filhas e seus filhos e suas filhas, do mais velho ao mais novo, cada família sendo separada, uma da outra;
34 E armaram suas tendas ao redor do templo, cada homem tendo sua tenda com a porta voltada para o templo, para que assim pudessem permanecer em suas tendas e ouvir as palavras que o rei Benjamim lhes falaria;
35 Porque a multidão era tão grande que o rei Benjamim não podia ensinar a todos dentro dos muros do templo; portanto, ele fez com que uma torre fosse erguida; para que assim seu povo pudesse ouvir as palavras que ele deveria falar a eles.
36 E aconteceu que ele começou a falar ao seu povo da torre; e nem todos puderam ouvir suas palavras por causa da grandeza da multidão;
37 Por isso, fez com que as palavras que ele disse fossem escritas e enviadas entre aqueles que não estavam sob o som de sua voz, para que também recebessem suas palavras.
38 E estas são as palavras que ele falou e fez escrever, dizendo: Meus irmãos, todos vós que vos reunistes, vós que podeis ouvir as minhas palavras que hoje vos direi:
39 Porque não vos mandei subir aqui para brincar com as palavras que vou falar, mas que me ouçam e abram os ouvidos para ouvir, e o coração para entender, e a mente para os mistérios de Deus podem ser desvendados à sua vista.
40 Não vos mandei subir aqui, para que me temais, ou para que penseis que eu, por mim mesmo, sou mais do que um homem mortal;
41 Mas eu sou como vocês, sujeito a toda sorte de enfermidades do corpo e da mente;
42 Todavia, como fui escolhido por este povo, e fui consagrado por meu pai, e fui autorizado pela mão do Senhor a ser governante e rei sobre este povo; e foram guardados e preservados por seu poder incomparável, para servir-te com todo o poder, mente e força que o Senhor me concedeu;
43 Digo-vos que, como me foi permitido passar os meus dias a vosso serviço, até agora, e não vos tenho procurado ouro nem prata, nem qualquer espécie de riqueza;
44 Nem eu permiti que fosseis confinados em masmorras, nem que vos fizéssemos escravos uns dos outros, ou que mateis, ou saqueie, ou roube, ou cometa adultério,
45 Ou mesmo eu não permiti que cometais qualquer tipo de iniqüidade e vos ensinei que deveis guardar os mandamentos do Senhor, em todas as coisas que ele vos ordenou;
46 E eu mesmo tenho trabalhado com minhas próprias mãos para vos servir e para que não vos sobrecarregueis de impostos e para que não vos sobreviesse nada que fosse difícil de suportar; e de todas estas coisas que tenho falado, vós mesmos sois hoje testemunhas.
47 Todavia, meus irmãos, não fiz estas coisas para me gloriar, nem digo estas coisas para vos acusar; mas digo-vos estas coisas para que saibais que hoje posso responder com a consciência limpa diante de Deus.
48 Eis que vos digo que, por vos ter dito que passei meus dias a vosso serviço, não desejo gloriar-me, pois estive apenas a serviço de Deus.
49 E eis que vos digo estas coisas para que aprendais sabedoria; para que aprendais que quando estais a serviço de vossos semelhantes, estais apenas a serviço de vosso Deus.
50 Eis que me chamastes vosso rei; e se eu, a quem chamais vosso rei, trabalho para vos servir, não devíeis vós trabalhar para servir uns aos outros?
51 E eis que, também, se eu, a quem chamais vosso rei, que passei seus dias a vosso serviço, e ainda estive a serviço de Deus, mereço algum agradecimento de vós, ó como haveis de agradecer ao vosso celestial? Rei!
52 Digo-vos, meus irmãos, que, se renderdes todas as graças e louvores que toda a vossa alma pode possuir, àquele Deus que vos criou, e vos guardou e preservou, e fez com que vos regozijeis , e concedeu que vivais em paz uns com os outros;
53 Digo-vos que, se servirdes àquele que vos criou desde o princípio e vos preservardes dia a dia, dando-vos fôlego, para que vivais e vos movais, e façais segundo a vossa vontade, e até apoiando você de um momento para outro;
54 Digo que, se o servirdes de toda a vossa alma, ainda assim sereis servos inúteis.
55 E eis que tudo o que ele requer de ti é que guardes os seus mandamentos; e ele vos prometeu que, se guardardes os seus mandamentos, prosperareis na terra;
56 E ele nunca varia daquilo que disse; portanto, se guardardes os seus mandamentos, ele vos abençoará e vos fará prosperar.
57 E agora, em primeiro lugar, ele vos criou e vos concedeu as vossas vidas, pelas quais sois em dívida para com ele.
58 E em segundo lugar: ele exige que façais como ele vos ordenou, pelo que, se o fizerdes, ele vos abençoará imediatamente; e, portanto, ele te pagou.
59 E ainda estais em dívida com ele; e são, e serão, para todo o sempre; portanto, de que te glorias?
60 E agora pergunto: Podeis dizer alguma coisa de vós mesmos? Eu te respondo, Não.
61 Não podeis dizer que sois como o pó da terra; contudo, fostes criados do pó da terra; mas eis que isso pertence àquele que vos criou.
62 E eu, eu mesmo, a quem chamais vosso rei, não sou melhor do que vós mesmos; porque eu também sou do pó.
63 E vedes que sou velho e estou prestes a entregar esta estrutura mortal à sua mãe terra;
64 Portanto, como eu vos disse que vos tinha servido, andando com a consciência limpa diante de Deus, também neste momento fiz com que vos congregasseis, para que eu seja achado irrepreensível, e para que o vosso sangue não venha sobre mim, quando eu for julgado por Deus das coisas que ele me ordenou a seu respeito.
65 Digo-vos que fiz com que vos congregais, para que eu possa livrar do vosso sangue as minhas vestes, neste tempo em que vou descer à minha sepultura,
66 Para que eu possa descer em paz, e meu espírito imortal possa juntar-se aos coros acima cantando louvores a um Deus justo.
67 E, além disso, digo-vos que fiz com que vos reunísseis, para vos declarar que não posso mais ser vosso mestre nem vosso rei;
68 Pois mesmo neste momento, todo o meu corpo treme excessivamente, enquanto tenta falar com você;
69 Mas o Senhor Deus me sustenta e me permitiu que eu falasse convosco e ordenou-me que vos declarasse hoje que meu filho Mosias é rei e governante sobre vós.
70 E agora, meus irmãos, gostaria que fizéssemos como até agora fizestes.
71 Assim como guardastes os meus mandamentos, e também os mandamentos de meu pai, e prosperastes, e fostes impedidos de cair nas mãos de vossos inimigos,
72 Assim também, se guardardes os mandamentos de meu filho, ou os mandamentos de Deus, que por ele vos forem dados, prosperareis na terra, e vossos inimigos não terão poder sobre vós.
73 Mas, ó meu povo, acautelai-vos para que não se levantem contendas entre vós e vos disponhais a obedecer ao espírito maligno de que falou meu pai Mosias.
74 Pois eis que há uma ai pronunciada sobre aquele que se atreve a obedecer a esse espírito: porque se ele se atreve a obedecer-lhe e permanece e morre em seus pecados, bebe a condenação para sua própria alma;
75 Porque ele recebe como seu salário um castigo eterno, tendo transgredido a lei de Deus, contra o seu próprio conhecimento.
76 Digo-vos que entre vós não há ninguém, a não ser vossos filhinhos, que não tenham sido ensinados a respeito destas coisas, mas quem sabe que estais eternamente em dívida para com vosso Pai celestial,
77 Para entregar a ele tudo o que vocês têm e são, e também foram ensinados, a respeito dos registros que contêm as profecias que foram proferidas pelos santos profetas, até a época em que nosso pai Leí deixou Jerusalém; e também, tudo o que foi falado por nossos pais, até agora.
78 E eis que também falaram o que lhes foi ordenado pelo Senhor; portanto, eles são justos e verdadeiros.
79 E agora, digo-vos, meus irmãos, que depois de haverdes conhecido e aprendido todas estas coisas, se transgredirdes e fores contrário ao que foi dito, que vos afasteis do Espírito do Senhor, para que não haja lugar em ti para guiá-lo no caminho da sabedoria, para que sejas abençoado, próspero e preservado.
80 Digo-vos que o homem que faz isso sai em franca rebelião contra Deus;
81 Por isso ele se atreve a obedecer ao espírito maligno e se torna inimigo de toda justiça;
82 Portanto, o Senhor não tem lugar nele, pois ele não habita em templos profanos.
83 Portanto, se esse homem não se arrepende e permanece e morre inimigo de Deus, as exigências da justiça divina despertam sua alma imortal para um vivo sentimento de sua própria culpa,
84 O que o faz recuar da presença do Senhor, e enche o seu peito de culpa, dor e angústia, que é como um fogo inextinguível, cujas chamas ascendem para todo o sempre.
85 E agora vos digo que a misericórdia não tem direito a esse homem; portanto, seu destino final é suportar um tormento sem fim.
86 Ó todos vós, anciãos, e também vós, jovens, e vós, criancinhas, que podeis compreender minhas palavras (porque vos falei claramente, para que pudésseis compreender)
87 Oro para que despertem para a lembrança da terrível situação daqueles que caíram em transgressão;
88 E, além disso, gostaria que considerássemos o estado abençoado e feliz daqueles que guardam os mandamentos de Deus.
89 Pois eis que eles são abençoados em todas as coisas, tanto temporais como espirituais;
90 E se permanecerem fiéis até o fim, serão recebidos no céu, para que assim possam habitar com Deus em um estado de felicidade sem fim.
91 Oh, lembre-se, lembre-se que estas coisas são verdadeiras; porque o Senhor Deus o disse.
92 E novamente, meus irmãos, gostaria de chamar sua atenção, pois tenho algo mais para falar com vocês:
93 Pois eis que tenho coisas para vos dizer a respeito do que há de vir; e as coisas que eu vos direi foram-me reveladas por um anjo da parte de Deus.
94 E ele me disse: Desperta; e eu acordei, e eis que ele estava diante de mim.
95 E ele me disse: Desperta e ouve as palavras que te direi; porque eis que venho anunciar-te boas novas de grande alegria.
96 Porque o Senhor ouviu as tuas orações, e julgou a tua justiça, e me enviou para te anunciar para que te regozijes; e para que anuncies ao teu povo, para que também se encha de alegria.
97 Pois eis que vem o tempo, e não está muito distante, em que com poder, o Senhor Onipotente que reina, que foi e é de toda eternidade a toda eternidade, descerá do céu, entre os filhos dos homens, e habitar num tabernáculo de barro,

98 E sairá entre os homens, operando grandes milagres, tais como curar os enfermos, ressuscitar os mortos, fazer os coxos andarem, os cegos recuperarem a vista e os surdos ouvirem, e curar todo tipo de doenças;
99 E ele expulsará demônios, ou espíritos malignos que habitam nos corações dos filhos dos homens.
100 E eis que ele sofrerá tentações e dores no corpo, fome, sede e fadiga, ainda mais do que o homem pode sofrer, a menos que seja até a morte;
101 Pois eis que sai sangue de todos os poros, tão grande será a sua angústia pelas maldades e abominações do seu povo.
102 E ele será chamado Jesus Cristo, o Filho de Deus, o Pai do céu e da terra, o Criador de todas as coisas, desde o princípio; e sua mãe se chamará Maria.
103 E eis que ele vem para os seus, para que a salvação chegue aos filhos dos homens, sim, pela fé, em seu nome;
104 E mesmo depois de tudo isso, eles o considerarão um homem, e dirão que ele tem um demônio, e o açoitarão e o crucificarão.
105 E ele ressuscitará dos mortos ao terceiro dia; e eis que ele está em pé para julgar o mundo.
106 E eis que todas estas coisas são feitas para que um julgamento justo venha sobre os filhos dos homens.
107 Pois eis que também seu sangue expia os pecados daqueles que caíram pela transgressão de Adão, que morreram sem conhecer a vontade de Deus a respeito deles, ou que pecaram por ignorância.
108 Mas ai, ai daquele que sabe que se rebela contra Deus; pois a nenhum desses vem a salvação, a não ser pelo arrependimento e fé no Senhor Jesus Cristo.
109 E o Senhor Deus enviou seus santos profetas entre todos os filhos dos homens para declarar estas coisas a toda tribo, nação e língua, para que assim todo aquele que cresse que Cristo viria, recebesse a remissão de seus pecados e se regozijasse com grande alegria, como se já tivesse vindo entre eles.
110 No entanto, o Senhor Deus viu que o seu povo era um povo obstinado, e estabeleceu-lhes uma lei, sim, a lei de Moisés.
111 E muitos sinais, e maravilhas, e tipos, e sombras ele mostrou a eles, a respeito de sua vinda:
112 E também os santos profetas lhes falaram a respeito de sua vinda;
113 E, no entanto, endureceram o coração e não compreenderam que a lei de Moisés de nada valeria, a menos que fosse pela expiação de seu sangue;
114 E mesmo que fosse possível que criancinhas pudessem pecar, elas não poderiam ser salvas; mas eu vos digo que são bem-aventurados;
115 Pois eis que como em Adão, ou por natureza eles caem, assim também o sangue de Cristo expia seus pecados.
116 E, além disso, digo-vos que nenhum outro nome será dado, nem qualquer outro meio ou meio pelo qual a salvação possa vir aos filhos dos homens, somente em e por meio do nome de Cristo, o Senhor Onipotente.
117 Pois eis que ele julga, e o seu juízo é justo, e não perece a criança que morre na sua infância;
118 Mas os homens bebem a condenação para suas próprias almas, a menos que se humilhem e se tornem como criancinhas, e creiam que a salvação foi, é e está por vir, no sangue expiatório de Cristo, o Senhor Onipotente:
119 Pois o homem natural é inimigo de Deus, e tem sido, desde a queda de Adão, e será, para todo o sempre;
120 Mas, se ele cede aos influxos do Espírito Santo, e se despoja do homem natural, e se torna santo, pela expiação de Cristo, o Senhor, e se torna como uma criança, submisso, manso, humilde, paciente, cheio de amor, disposto a submeter-se a todas as coisas que o Senhor achar conveniente infligir-lhe, assim como uma criança se submete a seu pai.
121 E, além disso, digo-vos que virá o tempo em que o conhecimento de um Salvador se espalhará por toda nação, tribo, língua e povo.
122 E eis que, quando esse tempo chegar, ninguém será considerado irrepreensível diante de Deus, exceto as criancinhas, somente por meio do arrependimento e fé no nome do Senhor Deus Onipotente;
123 E mesmo neste tempo, quando tu tiveres ensinado a teu povo as coisas que o Senhor teu Deus te ordenou, mesmo então eles não serão achados mais irrepreensíveis aos olhos de Deus, senão segundo as palavras que eu te falei .
124 E agora, falei as palavras que o Senhor Deus me ordenou.
125 E assim diz o Senhor: Eles serão um testemunho resplandecente contra este povo, no dia do julgamento;
126 Pelo qual serão julgados, cada um segundo as suas obras, quer sejam boas, quer sejam más;
127 E se eles são maus, eles são entregues a uma visão terrível de sua própria culpa e abominações, o que os faz recuar da presença do Senhor, em um estado de miséria e tormento sem fim, de onde eles não podem mais retornar : portanto, eles beberam a condenação de suas próprias almas.
128 Portanto, eles beberam do cálice da ira de Deus, que a justiça não poderia negar a eles mais do que poderia negar que Adão deveria cair, por ter participado do fruto proibido; portanto, a misericórdia não poderia reivindicá-los mais para sempre.
129 E seu tormento é como um lago de fogo e enxofre, cujas chamas são inextinguíveis, e cuja fumaça sobe para todo o sempre.
130 Assim me ordenou o Senhor. Um homem.

 

Mosias, Capítulo 2

1 E então aconteceu que quando o rei Benjamim terminou de falar as palavras que lhe haviam sido entregues pelo anjo do Senhor, ele lançou seus olhos ao redor sobre a multidão, e eis que eles haviam caído a terra, porque o temor do Senhor tinha vindo sobre eles;
2 E eles se viram em seu próprio estado carnal, ainda menos do que o pó da terra.
3 E todos clamaram a uma só voz, dizendo: Tem misericórdia, e aplica o sangue expiatório de Cristo, para que recebamos o perdão de nossos pecados, e nosso coração seja purificado:
4 Pois cremos em Jesus Cristo, o Filho de Deus, que criou o céu e a terra, e todas as coisas, que descerá entre os filhos dos homens.
5 E aconteceu que, depois de terem falado estas palavras, o Espírito do Senhor desceu sobre eles e encheram-se de alegria,
6 Tendo recebido a remissão de seus pecados e tendo paz de consciência, por causa da grande fé que tinham em Jesus Cristo que havia de vir, conforme as palavras que o rei Benjamim lhes falara.
7 E o rei Benjamim abriu novamente a boca e começou a falar-lhes, dizendo: Meus amigos e meus irmãos, minha parentela e meu povo, gostaria de chamar novamente a vossa atenção, para que possais ouvir e compreender o restante das minhas palavras que eu vos falará;
8 Pois eis que, se o conhecimento da bondade de Deus neste momento, despertou você para um senso de sua insignificância e de seu estado inútil e caído;
9 Digo-vos que, se já conhecestes a bondade de Deus, e o seu incomparável poder, e a sua sabedoria, e a sua paciência, e a sua longanimidade para com os filhos dos homens,
10 E também a expiação que foi preparada desde a fundação do mundo, para que assim a salvação viesse àquele que confiasse no
Senhor, e deve ser diligente em guardar seus mandamentos e continuar na fé até o fim de sua vida; Refiro-me à vida do corpo mortal;
11 Digo que este é o homem que recebe a salvação, por meio da expiação que foi preparada desde a fundação do mundo, por toda a humanidade, que sempre existiu, desde a queda de Adão, ou que é ou que será, até o fim do mundo; e este é o meio pelo qual a salvação vem.
12 E não há outra salvação senão esta de que se falou; nem existem quaisquer condições pelas quais o homem possa ser salvo, exceto as condições que eu lhes disse.
13 Acredite em Deus; creia que ele existe e que criou todas as coisas tanto no céu como na terra;
14 Creiam que ele tem toda a sabedoria e todo o poder, tanto no céu como na terra; 15 Crede que o homem não compreende todas as coisas que o Senhor pode compreender.
16 E ainda: Creiam que devem arrepender-se de seus pecados e abandoná-los, e humilhar-se diante de Deus; e peça com sinceridade de coração que ele te perdoe:
17 E agora, se você crê em todas estas coisas, veja que você as faça.
18 E outra vez vos digo, como já disse antes, que, tendo chegado ao conhecimento da glória de Deus,
19 Ou, se conhecestes a sua bondade, e provais o seu amor, e recebestes a remissão dos vossos pecados, o que causa tão grande alegria às vossas almas,
20 Assim mesmo, eu gostaria que vocês se lembrassem e sempre se lembrassem da grandeza de Deus e de sua própria nulidade, e de sua bondade e longanimidade para com vocês, criaturas indignas,
21 E humilhai-vos na profundeza da humildade, invocando diariamente o nome do Senhor e permanecendo firmes na fé do que há de vir, que foi falado pela boca do anjo;
22 E eis que vos digo que, se fizerdes isso, sempre vos regozijareis e sereis cheios do amor de Deus e conservareis sempre a remissão de vossos pecados;
23 E crescereis no conhecimento da glória daquele que vos criou, ou no conhecimento do que é justo e verdadeiro.
24 E não quereis prejudicar-vos uns aos outros, mas viver em paz, e retribuir a cada um segundo o que lhe é devido.
25 E não permitireis que vossos filhos passem fome ou nus;
26 Nem permitireis que transgridam as leis de Deus e briguem e briguem uns com os outros e sirvam ao diabo, que é o mestre do pecado ou que é o espírito maligno de que nossos pais falaram; ele sendo um inimigo de toda justiça;
27 Mas vós os ensinareis a andar nos caminhos da verdade e da sobriedade; vós os ensinareis a amar uns aos outros e a servir uns aos outros;
28 E também vós socorrereis os que necessitam de vosso socorro; vós administrareis de vossos bens àquele que necessitar;
29 E não permitireis que o mendigo vos faça em vão a sua petição, e o faça perecer.
30 Talvez digas: O homem trouxe sobre si a sua miséria; portanto, deterei minha mão, e não lhe darei do meu alimento, nem lhe darei meus bens, para que ele não sofra, pois seus castigos são justos.
31 Mas eu vos digo, ó homem, quem faz isso, tem grande motivo para se arrepender; e a menos que se arrependa do que fez, perece para sempre e não tem interesse no reino de Deus.
32 Pois eis que não somos todos mendigos? Não dependemos todos do mesmo ser, mesmo Deus, para toda a substância que temos; por comida, e roupas, e por ouro, e por prata, e por todas as riquezas que temos de toda espécie?
33 E eis que, neste mesmo tempo, estais invocando o seu nome e suplicando a remissão de vossos pecados.
34 E ele permitiu que pedistes em vão?
35 Não; Ele derramou seu Espírito sobre vocês, e fez com que seus corações se enchessem de alegria, e fez com que suas bocas se calassem, para que não pudessem falar, tão grande foi a sua alegria.
36 E agora, se Deus, que vos criou, de quem dependeis para vossa vida e para tudo o que tendes e sois, vos conceder tudo o que pedirdes que seja justo, com fé, crendo que recebereis, Ó, então, como vocês deveriam repartir da substância que vocês possuem, um para o outro?
37 E, se julgardes o homem que vos pede os vossos bens, para que não pereça, e o condenardes, quanto mais justa será a vossa condenação, por reterdes os vossos bens, que não vos pertencem, mas Deus, a quem também pertence sua vida;
38 E contudo não fizestes nenhuma petição, nem vos arrependestes do que fizestes.
39 Digo-vos que ai daquele homem, porque os seus bens perecerão com ele; e agora, digo estas coisas aos ricos, no que se refere às coisas deste mundo.
40 E também digo aos pobres: vós que não tendes e ainda tendes o suficiente, que permaneçais dia a dia; Refiro-me a todos vocês que negam o mendigo, porque vocês não têm; Quisera que dissesseis em vossos corações que não dou porque não tenho; mas se tivesse, daria.
41 E agora, se disserdes isso em vossos corações, permanecereis inocentes; caso contrário, estais condenados, e vossa condenação é justa; porque cobiçais o que não recebestes.
42 E agora, por causa destas coisas que vos tenho falado; isto é, para conservar a remissão dos vossos pecados de dia a dia, para que andeis sem culpa diante de Deus,
43 Quisera que repartísseis os vossos bens com os pobres, cada um segundo o que tem, como dar de comer aos famintos, vestir os nus, visitar os enfermos e dar-lhes socorros, tanto espiritual como materialmente, de acordo com seus desejos,
44 E vede que todas essas coisas sejam feitas com sabedoria e ordem; pois não é necessário que o homem corra mais rápido do que suas forças.
45 E ainda: é conveniente que ele seja diligente, para que assim ele possa ganhar o prêmio; portanto, todas as coisas devem ser feitas em ordem.
46 E gostaria que vos lembrássemos de que todo aquele entre vós que tomar emprestado de seu próximo, devolva o que tomou emprestado, de acordo com a sua vontade,
47 Ou então cometerás pecado, e talvez faças com que o teu próximo também peque.
48 E, finalmente, não posso dizer-vos todas as coisas pelas quais podeis pecar; porque há vários caminhos e meios, tantos, que não posso enumerá-los.
49 Mas uma coisa vos posso dizer: se não vigiardes a vós mesmos, e vossos pensamentos, e vossas palavras, e vossas obras, e não vigiardes em guardar os mandamentos de Deus, e permanecerdes na fé do que ouvistes a respeito do vinda de nosso Senhor, até o fim de suas vidas, vocês devem perecer.
50 E agora, ó homem, lembre-se, e não pereça.

 

Mosias, Capítulo 3

1 E então aconteceu que quando o rei Benjamim falou assim a seu povo, ele enviou entre eles, desejando saber de seu povo, se eles acreditavam nas palavras que ele lhes havia falado.
2 E todos clamaram a uma só voz, dizendo: Sim, cremos em todas as palavras que nos falaste;
3 E também sabemos de sua certeza e verdade, por causa do Espírito do Senhor Onipotente, que operou uma poderosa mudança em nós, ou em nossos corações, para que não tenhamos mais disposição para fazer o mal, mas para fazer o bem continuamente .
4 E nós, nós mesmos, também, pela infinita bondade de Deus e pelas manifestações de seu Espírito, temos grandes visões do que está por vir; e se fosse conveniente, poderíamos profetizar de todas as coisas.
5 E é a fé que tivemos nas coisas que nosso rei nos falou e nos trouxe a este grande conhecimento, pelo qual nos regozijamos com grande alegria;
6 E estamos dispostos a fazer um convênio com nosso Deus, fazer sua vontade e ser obedientes a seus mandamentos em todas as coisas que ele nos ordenar, por todo o restante de nossos dias, para que não tragamos sobre nós tormento sem fim, como foi dito pelo anjo, para que não bebamos do cálice da ira de Deus.
7 E agora, estas são as palavras que o rei Benjamim desejava deles; e, portanto, ele lhes disse: Vós falastes as palavras que eu desejava; e a aliança que fizestes é uma aliança justa.
8 E agora, por causa do convênio que fizestes, sereis chamados filhos de Cristo, seus filhos e suas filhas:
9 Pois eis que hoje ele te gerou espiritualmente; pois dizeis que vossos corações foram transformados pela fé em seu nome; portanto, vós nascestes dele e vos tornastes seus filhos e suas filhas.
10 E sob este título sois livres; e não há outra cabeça pela qual possais ser libertados.
11 Não há outro nome dado, pelo qual a salvação vem, portanto, eu gostaria que tomásseis sobre vós o nome de Cristo, todos vós que entrastes na aliança com Deus, para que sejais obedientes até o fim de vossas vidas.
12 E acontecerá que todo aquele que fizer isso será achado à destra de Deus, porque conhecerá o nome pelo qual é chamado; porque ele será chamado pelo nome de Cristo.
13 E agora acontecerá que todo aquele que não tomar sobre si o nome de Cristo deverá ser chamado por outro nome; portanto, ele se encontra à esquerda de Deus.
14 E gostaria que vos lembreis também de que este é o nome que eu disse que vos daria, que nunca deveria ser apagado, a não ser por transgressão;
15 Portanto, vede para que não transgrides, para que o nome não seja apagado de vossos corações.
16 Digo-vos que vos lembreis de guardar sempre o nome escrito em vosso coração, que não sois achados à esquerda de Deus, mas que ouvis e conheceis a voz pela qual sereis chamados, e também, o nome pelo qual ele te chamará:
17 Pois, como conhece um homem o senhor a quem não serviu, e que lhe é estranho, e está longe dos pensamentos e intenções do seu coração? 18 E ainda: Um homem toma um jumento que pertence ao seu próximo e o guarda?
19 Digo-vos: Não; ele nem mesmo permitirá que apascente entre seus rebanhos, mas o expulsará e o lançará fora.
20 Digo-vos que assim será entre vós, se não conhecerdes o nome pelo qual sois chamados.
21 Quisera, pois, que fôsseis firmes e inabaláveis, sempre abundantes em boas obras, para que Cristo, o Senhor Deus Onipotente, vos sele dEle, para que sejais levados ao céu, para que tenhais a salvação e a vida eternas, pela sabedoria, e poder, e justiça e misericórdia daquele que criou todas as coisas, no céu e na terra, que é Deus acima de tudo. Um homem.

 

Mosias, Capítulo 4

1 E agora, o rei Benjamim achou que era conveniente, depois de ter acabado de falar ao povo, que ele tomasse os nomes de todos aqueles que haviam feito um convênio com Deus, para guardar seus mandamentos.
2 E aconteceu que não havia uma só alma, exceto criancinhas, que não houvesse entrado no convênio e tomado sobre si o nome de Cristo.
3 E outra vez: Aconteceu que quando o rei Benjamim pôs fim a todas essas coisas e consagrou seu filho Mosias para ser governante e rei de seu povo e lhe deu todas as responsabilidades relativas ao reino,
4 E também havia designado sacerdotes para ensinar o povo, para que assim ouvissem e conhecessem os mandamentos de Deus, e para instigá-los a lembrar-se do juramento que haviam feito, despediu a multidão, e eles voltaram, cada um de acordo com para suas famílias, para suas próprias casas.
5 E Mosias começou a reinar em lugar de seu pai.
6 E começou a reinar no trigésimo ano de sua idade, totalizando cerca de quatrocentos e setenta e seis anos desde que Leí deixou Jerusalém.
7 E o rei Benjamim viveu três anos e morreu.
8 E aconteceu que o rei Mosias andou nos caminhos do Senhor e observou seus juízos e seus estatutos e guardou seus mandamentos em todas as coisas que lhe ordenava.
9 E o rei Mosias fez com que seu povo cultivasse a terra.
10 E ele também lavrou a terra, para que assim não se tornasse pesado para o seu povo, para que ele pudesse fazer conforme o que seu pai havia feito, em todas as coisas.
11 E não houve contenda entre todo o seu povo, pelo espaço de três anos.

 

Mosias, Capítulo 5

1 E então aconteceu que depois que o rei Mosias teve paz contínua, pelo espaço de três anos, ele desejou saber a respeito do povo que subiu para morar na terra de Leí-Néfi, ou seja, na cidade de Leí-Néfi:
2 Pois o seu povo não teve notícias deles, desde que deixaram a terra de Zaraenla; portanto, eles o cansaram com suas provocações.
3 E aconteceu que o rei Mosias permitiu que dezesseis de seus homens fortes subissem à terra de Leí-Néfi para perguntar a respeito de seus irmãos.
4 E aconteceu que no dia seguinte começaram a subir, trazendo consigo um Amon, homem forte e poderoso, e descendente de Zaraenla; e ele também era seu líder.
5 E agora, eles não sabiam o caminho que deveriam seguir no deserto para subir à terra de Leí-Néfi; portanto, eles vagaram muitos dias no deserto, mesmo quarenta dias eles vagaram.
6 E depois de terem vagado quarenta dias, chegaram a uma colina, que está ao norte da terra de Silom, e ali armaram suas tendas.
7 E Amon tomou três de seus irmãos, e seus nomes eram Amalequi, Helem e Hem, e eles desceram para a terra de Néfi;
8 E eis que encontraram o rei do povo, que estava na terra de Néfi e na terra de Silom;
9 E eles foram cercados pela guarda do rei, e foram presos, e amarrados, e colocados na prisão.
10 E aconteceu que, depois de dois dias de prisão, foram novamente levados à presença do rei, e seus grilhões foram soltos;
11 E eles se apresentaram diante do rei e foram autorizados, ou melhor, ordenados que respondessem às perguntas que ele lhes fizesse.
12 E ele lhes disse: Eis que eu sou Lími, filho de Noé, que era filho de Zênife, que subiu da terra de Zaraenla para herdar esta terra, que era a terra de seus pais, que foi feita uma rei pela voz do povo.
13 E agora, eu desejo saber a causa pela qual você foi tão ousado a ponto de se aproximar dos muros da cidade, quando eu mesmo estava com meus guardas, fora do portão?
14 E agora, por esta razão, sofri que fôsseis preservados, para que eu pudesse consultar-vos, ou então teria feito com que meus guardas os matassem. Você está autorizado a falar.
15 E então, quando Amon viu que lhe era permitido falar, foi e inclinou-se perante o rei; e levantando-se novamente disse: Ó rei, estou muito agradecido diante de Deus neste dia, porque ainda estou vivo e tenho permissão para falar;
16 E procurarei falar com ousadia; pois estou certo de que, se me conhecessem, não teriam sofrido que eu usasse essas faixas.
17 Pois eu sou Amon, e sou descendente de Zaraenla, e subi da terra de Zaraenla, para consultar nossos irmãos, que Zênife fez subir daquela terra.
18 E então aconteceu que, depois de ouvir as palavras de Amon, Lími ficou muito feliz e disse: Agora, tenho certeza de que meus irmãos que estavam na terra de Zaraenla ainda estão vivos.
19 E agora me regozijarei; e amanhã farei com que também o meu povo se regozije.
20 Pois eis que somos escravos dos lamanitas e somos tributados com um imposto que é difícil de suportar.
21 E agora, eis que nossos irmãos nos libertarão de nosso cativeiro, ou das mãos dos lamanitas, e seremos seus escravos:
22 Pois é melhor sermos escravos dos nefitas do que pagar tributo ao rei dos lamanitas.
23 E agora, o rei Lími ordenou a seus guardas que não amarrassem mais Amon, nem seus irmãos, mas fez com que fossem para a colina que estava ao norte de Silom, e trouxessem seus irmãos para a cidade, para que assim comessem, e bebam, e descansem do trabalho de sua jornada;
24 Pois eles haviam sofrido muitas coisas; tinham sofrido fome, sede e fadiga.
25 E então aconteceu que no dia seguinte o rei Lími enviou uma proclamação a todo o seu povo, para que assim se reunissem no templo, para ouvir as palavras que ele lhes falaria.
26 E aconteceu que, reunidos, falou-lhes assim, dizendo:
27 Ó povo meu, levantai a cabeça e consolai-vos, pois eis que está próximo o tempo, ou não muito distante, em que não mais estaremos sujeitos a nossos inimigos, apesar de nossas muitas lutas que vão; contudo, confio que resta uma luta eficaz a ser travada.
28 Portanto, levantem a cabeça, regozijem-se e confiem em Deus, naquele Deus que foi o Deus de Abraão, Isaque e Jacó;
29 E também aquele Deus que tirou os filhos de Israel da terra do Egito, e fez com que andassem pelo Mar Vermelho em seco, e os sustentou com maná, para que não perecessem no deserto; e muitas outras coisas ele fez por eles.
30 E ainda: esse mesmo Deus tirou nossos pais da terra de Jerusalém e guardou e preservou seu povo até agora.
31 E eis que foi por causa de nossas iniqüidades e abominações que nos tornou escravos.
32 E todos vós sois hoje testemunhas de que Zênife, que foi feito rei sobre este povo, sendo zeloso demais para herdar a terra de seus pais,
33 Portanto, sendo enganados pela astúcia e astúcia do rei Lamã, que, tendo firmado um tratado com o rei Zênife e entregado em suas mãos as posses de uma parte da terra, ou mesmo da cidade de Leí-Néfi, e o cidade de Shilom; e a terra ao redor;
34 E tudo isso ele fez com o único propósito de trazer este povo à sujeição, ou à escravidão.
35 E eis que, neste momento, pagamos tributo ao rei dos lamanitas, no valor de metade de nosso trigo e de nossa cevada e até mesmo de todos os nossos grãos de toda espécie e metade do aumento de nossos rebanhos , e nossos rebanhos;
36 E mesmo a metade de tudo o que temos ou possuímos, o rei dos lamanitas exige de nós, ou de nossa vida.
37 E agora, não é doloroso suportar isso?
38 E não é esta nossa grande aflição?
39 Agora eis que grande razão temos para chorar.
40 Sim, eu vos digo que grandes são as razões pelas quais temos de lamentar: pois eis que quantos de nossos irmãos foram mortos e seu sangue foi derramado em vão, e tudo por causa da iniqüidade.
41 Pois se este povo não tivesse caído em transgressões, o Senhor não teria permitido que este grande mal viesse sobre eles.
42 Mas eis que eles não deram ouvidos a suas palavras; mas surgiram contendas entre eles, tanto que derramaram sangue entre si.
43 E um profeta do Senhor eles mataram; sim, um homem escolhido de Deus, que lhes falou de suas maldades e abominações, e profetizou muitas coisas que estão por vir, sim, a vinda de Cristo.
44 E porque lhes disse que Cristo era o Deus, o Pai de todas as coisas, e disse que deveria tomar sobre si a imagem do homem e que deveria ser a imagem segundo a qual o homem foi criado no princípio;
45 Ou em outras palavras, ele disse que o homem foi criado à imagem de Deus, e que Deus deveria descer entre os filhos dos homens, e tomar sobre si carne e sangue, e sair sobre a face da terra;
46 E agora, porque ele disse isso, eles o mataram; e muitas outras coisas fizeram, as quais trouxeram sobre eles a ira de Deus.
47 Portanto, quem se admira de que estejam em servidão, e que sejam atingidos por dolorosas aflições?
48 Pois eis que o Senhor disse: Não socorrerei meu povo no dia de sua transgressão; mas taparei os seus caminhos, para que não prosperem; e suas ações serão como uma pedra de tropeço diante deles.
49 E novamente, ele diz: Se meu povo semear imundície, eles ceifarão a palha dela, no redemoinho; e seus efeitos, é veneno.
50 E novamente, ele diz: Se meu povo semear imundície, eles colherão o vento oriental, que traz destruição imediata.
51 E agora, eis que a promessa do Senhor se cumpriu; e sois feridos e afligidos.
52 Mas se vos voltardes para o Senhor de todo o coração, e nele depositardes vossa confiança e servi-lo com toda a diligência da mente; se você fizer isso, ele irá, de acordo com sua própria vontade e prazer, libertá-lo da escravidão.
53 E aconteceu que depois que o rei Lími terminou de falar a seu povo, pois ele falou muitas coisas a eles, e apenas algumas delas escrevi neste livro, ele disse a seu povo todas as coisas concernentes à sua irmãos que estavam na terra de Zaraenla;
54 E ele fez com que Amon se levantasse diante da multidão e relatasse a eles tudo o que havia acontecido a seus irmãos, desde o momento em que Zênife subiu da terra, até o momento em que ele próprio subiu da terra .
55 E também repetiu para eles as últimas palavras que o rei Benjamim lhes ensinara e as explicou ao povo do rei Lími, para que entendessem todas as palavras que ele dissera.
56 E aconteceu que, depois de ter feito tudo isso, o rei Lími despediu a multidão e fez com que voltassem, cada um para sua própria casa.
57 E aconteceu que ele fez com que as placas que continham o registro de seu povo, desde o momento em que deixaram a terra de Zaraenla, fossem trazidas a Amon, para que ele as lesse.
58 Agora, assim que Amon leu o registro, o rei perguntou a ele se ele podia interpretar línguas.
59 E Amon lhe disse que não podia.
60 E o rei disse-lhe: Sendo entristecido pelas aflições de meu povo, fiz com que quarenta e três de meu povo fizessem uma viagem ao deserto, para que assim encontrassem a terra de Zaraenla; para que possamos apelar a nossos irmãos para nos libertar da escravidão;
61 E eles ficaram perdidos no deserto pelo espaço de muitos dias, mas foram diligentes e não acharam a terra de Zaraenla, mas voltaram para esta terra, tendo viajado em uma terra entre muitas águas;
62 Tendo descoberto uma terra que estava coberta de ossos de homens e de animais, etc., e também estava coberta de ruínas de edifícios de todo tipo:
63 Tendo descoberto uma terra que havia sido povoada por um povo tão numeroso quanto as hostes de Israel.
64 E como testemunho de que as coisas que eles disseram são verdadeiras, trouxeram vinte e quatro placas, cheias de gravuras; e são de ouro puro.
65 E eis que também trouxeram couraças, que são grandes; e são de latão, e de cobre, e são perfeitamente sadios.
66 E novamente, eles trouxeram espadas, seus punhos pereceram, e suas lâminas estavam manchadas de ferrugem;
67 E não há ninguém na terra que seja capaz de interpretar a linguagem ou as gravuras que estão nas placas.
68 Portanto, eu te disse: Podes traduzir?
69 E digo-te outra vez: Conheces alguém que possa traduzir? pois desejo que esses registros sejam traduzidos para nosso idioma.
70 Pois talvez eles nos dêem conhecimento de um remanescente do povo que foi destruído, de onde vieram esses registros;
71 Ou, talvez, eles nos dêem um conhecimento deste mesmo povo que foi destruído; e estou desejoso de conhecer a causa de sua destruição.
72 Agora Amon disse-lhe: Posso dizer-te com certeza, ó rei, de um homem que pode traduzir os registros: pois ele tem com que pode olhar e traduzir todos os registros que são de data antiga: e é um presente de Deus.
73 E as coisas são chamadas intérpretes; e ninguém pode olhar para eles, a menos que seja ordenado, para que não procure o que não deve e pereça.
74 E aquele que é ordenado a olhar neles, esse é chamado de vidente.
75 E eis que o rei do povo que está na terra de Zaraenla é o homem a quem foi ordenado fazer essas coisas e que tem este grande dom de Deus.
76 E o rei disse, que um vidente é maior que um profeta.
77 E Amon disse que um vidente é um revelador, e um profeta também; e um dom que é maior, nenhum homem pode ter, a menos que ele possua o poder de Deus, que nenhum homem pode; no entanto, um homem pode ter grande poder dado a ele por Deus.
78 Mas um vidente pode saber das coisas que passaram, e também das coisas que estão por vir;
79 E por eles todas as coisas serão reveladas, ou melhor, as coisas secretas serão manifestadas e as coisas ocultas virão à luz e as coisas que não são conhecidas serão por eles reveladas;
80 E também, coisas serão dadas a conhecer por eles, que de outra forma não poderiam ser conhecidas.
81 Assim Deus providenciou um meio para que o homem, por meio da fé, pudesse operar grandes milagres; portanto, ele se torna um grande benefício para seus semelhantes.
82 E agora, quando Amon acabou de falar estas palavras, o rei se alegrou muito e deu graças a Deus, dizendo:
83 Sem dúvida, um grande mistério está contido nessas placas; e esses intérpretes foram, sem dúvida, preparados com o propósito de revelar todos esses mistérios aos filhos dos homens.
84 Oh, quão maravilhosas são as obras do Senhor, e quanto tempo ele sofre com seu povo;
85 Sim, e quão cegos e impenetráveis são os entendimentos dos filhos dos homens: porque eles não buscam sabedoria, nem desejam que ela os domine.
86 Sim, eles são como um rebanho selvagem, que foge do pastor, e se espalha, e é rechaçado e devorado pelas feras da floresta.

 

Mosias, Capítulo 6

O REGISTRO DE ZENIFFE-Um relato de seu povo, desde o momento em que corteja a terra de Zaraenla, até o momento em que foram libertados das mãos dos lamanitas.

1 Eu, Zênife, tendo sido ensinado em toda a língua dos nefitas e tendo conhecimento da terra de Néfi, ou seja, da terra da primeira herança de nossos pais, e tendo sido enviado como espião entre os lamanitas, que Eu poderia espionar suas forças, para que nosso exército os atacasse e os destruísse;
2 Mas, quando vi o que havia de bom entre eles, desejei que não fossem destruídos; por isso contendi com meus irmãos no deserto, porque gostaria que nosso governante fizesse um tratado com eles.
3 Mas ele, sendo homem austero e sanguinário, ordenou que eu fosse morto; mas fui salvo pelo derramamento de muito sangue;
4 Porque pai lutou contra pai, e irmão contra irmão, até que a maior parte do nosso exército foi destruída no deserto;
5 E voltamos, aqueles de nós que foram poupados, à terra de Zaraenla, para contar essa história a suas esposas e filhos.
6 E, no entanto, sendo zeloso demais para herdar a terra de nossos pais, reuni todos os que desejavam subir para possuir a terra e recomeçamos nossa jornada para o deserto, para subir à terra; mas fomos atingidos pela fome e aflições dolorosas; porque demoramos a nos lembrar do Senhor nosso Deus.
7 Contudo, depois de muitos dias de peregrinação pelo deserto, armamos nossas tendas no lugar onde nossos irmãos foram mortos, que era perto da terra de nossos pais.
8 E aconteceu que fui novamente com quatro de meus homens à cidade, ao encontro do rei, para saber da disposição do rei; e para que eu saiba se posso entrar com meu povo e possuir a terra em paz.
9 E fui ter com o rei e ele fez convênio comigo para que eu possuísse a terra de Leí-Néfi e a terra de Silom.
10 E ele também ordenou que seu povo partisse daquela terra, e eu e meu povo entramos na terra, para que a possuíssemos.
11 E começamos a construir edifícios e a reparar os muros da cidade, sim, sim, os muros da cidade de Leí-Néfi e da cidade de Silom.
12 E começamos a lavrar a terra, sim, com todo tipo de sementes, com sementes de milho e trigo e cevada e com neas e sheum e com sementes de todos os tipos de frutas; e começamos a nos multiplicar e prosperar na terra.
13 Agora, foi a astúcia e astúcia do rei Lamã, para trazer meu povo à escravidão, que ele entregou a terra, para que pudéssemos possuí-la.
14 Portanto, aconteceu que, depois de termos morado na terra pelo espaço de doze anos, o rei Lamã começou a ficar inquieto, com medo de que meu povo se fortalecesse na terra e não pudesse dominá-lo e trazê-los à escravidão.
15 Ora, eles eram um povo preguiçoso e idólatra; portanto, eles desejavam nos levar à escravidão, para que pudessem se fartar com o trabalho de nossas mãos; sim, para que se banqueteassem com os rebanhos de nossos campos.
16 Portanto, aconteceu que o rei Lamã começou a incitar seu povo para que contendesse com meu povo; portanto, começaram a haver guerras e contendas na terra.
17 Pois, no décimo terceiro ano de meu reinado na terra de Néfi, ao sul da terra de Silom, quando meu povo estava dando de beber e alimentando seus rebanhos e lavrando suas terras, um numeroso exército de lamanitas veio sobre eles, e começou a matá-los, e a tomar dos seus rebanhos, e o trigo dos seus campos.
18 Sim, e aconteceu que fugiram, todos os que não foram alcançados, mesmo para a cidade de Néfi, e clamaram por minha proteção.
19 E aconteceu que eu os armei com arcos e flechas, com espadas e cimeters, e com porretes e fundas e com todo tipo de armas que pudemos inventar, e eu e meu povo fizemos ir contra os lamanitas, para a batalha;
20 Sim, com a força do Senhor saímos para lutar contra os lamanitas;
21 Pois eu e meu povo clamamos fortemente ao Senhor, para que ele nos livrasse das mãos de nossos inimigos, pois fomos despertados para a lembrança da libertação de nossos pais.
22 E Deus ouviu nossos clamores e respondeu nossas orações; e nós saímos em seu poder.
23 Sim, avançamos contra os lamanitas; e em um dia e uma noite matamos três mil e quarenta e três; nós os matamos, mesmo até tirá-los de nossa terra.
24 E eu mesmo, com minhas próprias mãos, ajudei a enterrar seus mortos.
25 E eis que, para nossa grande tristeza e lamentação, duzentos e setenta e nove de nossos irmãos foram mortos.
26 E aconteceu que novamente começamos a estabelecer o reino; e novamente começamos a possuir a terra em paz.
27 E fiz com que fossem feitas armas de guerra, de todo tipo, para que assim eu pudesse ter armas para meu povo, contra o tempo em que os lamanitas subissem novamente para guerrear contra meu povo.
28 E coloquei guardas ao redor da terra para que os lamanitas não nos atacassem novamente desprevenidos e nos destruíssem;
29 E assim guardei meu povo e meus rebanhos, e os impedi de cair nas mãos de nossos inimigos.
30 E aconteceu que herdamos a terra de nossos pais por muitos anos; sim, pelo espaço de vinte e dois anos.
31 E fiz com que os homens cultivassem a terra e plantassem todo tipo de cereal e todo tipo de fruta, de toda espécie.
32 E fiz com que as mulheres fiassem, labutassem e trabalhassem; e trabalha todo tipo de linho fino; sim, e tecidos de toda espécie, para que pudéssemos vestir nossa nudez;
33 E assim prosperamos na terra; assim tivemos paz contínua na terra, pelo espaço de vinte e dois anos.
34 E aconteceu que o rei Lamã morreu e seu filho começou a controlar seu lugar.
35 E ele começou a incitar seu povo em rebelião contra o meu povo; portanto, eles começaram a se preparar para a guerra e a lutar contra o meu povo.
36 Mas eu enviei meus espiões ao redor da terra de Shemlon, para descobrir a preparação deles, para que eu me guardasse deles, para que não viessem sobre o meu povo e o destruíssem.
37 E aconteceu que subiram ao norte da terra de Silom, com suas numerosas hostes, homens armados com arcos e flechas, e espadas, e cimeiras, e com pedras e fundas;
38 E eles tinham suas cabeças raspadas, de modo que estavam nus; e eles estavam cingidos com um cinto de couro em torno de seus lombos.
39 E aconteceu que fiz com que as mulheres e os filhos de meu povo fossem escondidos no deserto;
40 E também fiz com que todos os meus velhos que pudessem empunhar armas e também todos os meus jovens que sabiam empunhar armas se reunissem para lutar contra os lamanitas; e eu os coloquei em suas fileiras, cada homem de acordo com sua idade.
41 E aconteceu que subimos para a batalha contra os lamanitas.
42 E eu, mesmo eu, em minha velhice, subi para a batalha contra os lamanitas.
43 E aconteceu que subimos na força do Senhor para a batalha.
44 Ora, os lamanitas não sabiam nada a respeito do Senhor, nem da força do Senhor; portanto, dependiam de sua própria força.
45 No entanto, eles eram um povo forte, quanto à força dos homens; eles eram um povo selvagem, feroz e sanguinário, acreditando na tradição de seus pais, que é esta:
46 Crendo que foram expulsos da terra de Jerusalém por causa das iniqüidades de seus pais, e que foram injustiçados no deserto por seus irmãos; e eles também foram injustiçados, enquanto atravessavam o mar.
47 E ainda: que eles foram injustiçados na terra de sua primeira herança, depois de terem cruzado o mar;
48 E tudo isso porque Néfi foi mais fiel em guardar os mandamentos do Senhor; por isso ele foi favorecido pelo Senhor, pois o Senhor ouviu suas orações e respondeu-lhes, e ele assumiu a liderança de sua jornada no deserto.
49 E seus irmãos se indignaram contra ele, porque não entendiam os procedimentos do Senhor;
50 Também se indignaram com ele sobre as águas, porque endureceram o coração contra o Senhor.
51 E ainda: indignaram-se com ele quando chegaram à terra prometida, porque diziam que ele havia tirado de suas mãos o governo do povo; e procuraram matá-lo.
52 E novamente: eles se indignaram com ele, porque ele partiu para o deserto como o Senhor lhe ordenara e tomou os registros que estavam gravados nas placas de latão; pois diziam que ele os roubava.
53 E assim ensinaram a seus filhos que deveriam odiá-los e que deveriam assassiná-los e que deveriam roubá-los e saqueá-los e fazer todo o possível para destruí-los; portanto, eles têm um ódio eterno pelos filhos de Néfi.
54 Por esta mesma razão o rei Lamã, por sua astúcia e astúcia mentirosa, e suas promessas justas, me enganou, fazendo com que eu trouxesse este, meu povo, para esta terra, para que eles os destruíssem; sim, e sofremos tantos anos na terra.
55 E agora eu, Zênife, depois de ter contado todas essas coisas a meu povo a respeito dos lamanitas, estimulei-os a ir à batalha com toda a força, depositando sua confiança no Senhor; portanto, nós lutamos com eles, face a face.
56 E aconteceu que os expulsamos novamente de nossa terra; e nós os matamos com grande matança, tantos que não os contamos.
57 E aconteceu que voltamos novamente para nossa própria terra e meu povo novamente começou a cuidar de seus rebanhos e a lavrar seu solo.
58 E agora, sendo eu velho, conferi o reino a um de meus filhos; portanto, não digo mais nada. E que o Senhor abençoe meu povo. Um homem.

 

Mosias, Capítulo 7

1 E então aconteceu que Zênife conferiu o reino a Noé, um de seus filhos; portanto Noé começou a reinar em seu lugar; e não andou nos caminhos de seu pai.
2 Pois eis que ele não guardou os mandamentos de Deus, mas andou segundo os desejos de seu próprio coração.
3 E ele tinha muitas esposas e concubinas.
4 E fez o seu povo pecar e fazer o que era abominável aos olhos do Senhor.
5 Sim, e eles cometeram prostituição e todo tipo de maldade.
6 E impôs um imposto de um quinto de tudo o que possuíam; uma quinta parte de seu ouro e de sua prata; e uma quinta parte do seu ziff, e do seu cobre, e do seu bronze e do seu ferro; e uma quinta parte de seus filhotes; e também, uma quinta parte de todos os seus grãos.
7 E tudo isso ele tomou, para sustentar a si mesmo, e suas esposas, e suas concubinas, e também, seus sacerdotes, e suas esposas, e suas concubinas; assim, ele havia mudado os assuntos do reino.
8 Pois ele rejeitou todos os sacerdotes que foram consagrados por seu pai, e em seu lugar consagrou novos, os que se exaltavam no coração deles.
9 Sim, e assim foram sustentados em sua preguiça e em sua idolatria e em suas prostituições pelos impostos que o rei Noé havia imposto a seu povo; assim o povo trabalhou excessivamente para sustentar a iniqüidade.
10 Sim, e eles também se tornaram idólatras, porque foram enganados pelas palavras vãs e lisonjeiras do rei e dos sacerdotes; porque lhes falavam coisas lisonjeiras.
11 E aconteceu que o rei Noé construiu muitos edifícios elegantes e espaçosos; e os ornamentou com belas obras de madeira e de toda sorte de coisas preciosas, de ouro, e de prata, e de ferro, e de bronze, e de ziff, e de cobre;
12 E ele também construiu para ele um palácio espaçoso e um trono no meio dele, todo o qual era de madeira nobre, e era ornamentado com ouro, e prata, e com coisas preciosas.
13 E ele também fez com que seus operários fizessem todo tipo de trabalho fino dentro das paredes do templo, de madeira fina, e de cobre e de latão;
14 E os assentos que foram separados para os sumos sacerdotes, que estavam acima de todos os outros assentos, ele ornou com ouro puro;
15 E ele fez um parapeito ser construído diante deles, para que eles pudessem descansar seus corpos e seus braços, enquanto eles falavam mentiras e palavras vãs ao seu povo.
16 E aconteceu que ele construiu uma torre perto do templo; sim, uma torre muito alta, tão alta que ele podia ficar no topo dela e observar a terra de Silom e também a terra de Shemlon, que era possuída pelos lamanitas; e ele podia até mesmo olhar toda a terra ao redor.
17 E aconteceu que mandou construir muitos edifícios na terra de Silom:
18 E mandou construir uma grande torre na colina ao norte da terra Silom, que havia sido um refúgio para os filhos de Néfi, na época em que fugiram da terra;
19 E assim fez com as riquezas que obteve pela tributação de seu povo.
20 E aconteceu que ele colocou seu coração em suas riquezas e passou seu tempo vivendo desordenadamente com suas esposas e concubinas; e assim também seus sacerdotes passavam seu tempo com prostitutas.
21 E aconteceu que plantou vinhas ao redor da terra; e construiu lagares, e fez vinho em abundância; e, portanto, ele se tornou um bebedor de vinho, e também seu povo.
22 E aconteceu que os lamanitas começaram a atacar seu povo, em pequeno número, e matá-los em seus campos e enquanto cuidavam de seus rebanhos.
23 E o rei Noé enviou guardas ao redor da terra para mantê-los afastados; mas ele não enviou um número suficiente, e os lamanitas os atacaram e os mataram e expulsaram muitos de seus rebanhos da terra;
24 Assim, os lamanitas começaram a destruí-los e a exercer seu ódio contra eles.
25 E aconteceu que o rei Noé enviou seus exércitos contra eles, e eles foram rechaçados, ou eles os rechaçaram por algum tempo; portanto, eles voltaram regozijando-se em seu despojo.
26 E agora, por causa dessa grande vitória, eles se encheram de orgulho de coração; vangloriaram-se de sua própria força, dizendo que seus cinquenta poderiam resistir a milhares de lamanitas;
27 E assim eles se vangloriaram e se deleitaram no sangue e no derramamento do sangue de seus irmãos, e isso por causa da iniqüidade de seu rei e sacerdotes.
28 E aconteceu que havia um homem entre eles, cujo nome era Abinádi; e saiu no meio deles, e começou a profetizar, dizendo:
29 Eis que assim diz o Senhor, e assim me ordenou, dizendo:
30 Ide e dizei a este povo: Assim diz o Senhor:
31 Ai deste povo, porque tenho visto as suas abominações, e as suas maldades, e as suas prostituições; e, se não se arrependerem, eu os visitarei na minha ira.
32 E a menos que se arrependam e se convertam ao Senhor seu Deus, eis que eu os entregarei nas mãos de seus inimigos;
33 Sim, e serão escravizados; e eles serão afligidos pelas mãos de seus inimigos.
34 E acontecerá que saberão que eu sou o Senhor seu Deus, e sou um Deus zeloso, que visito as iniqüidades do meu povo.
35 E acontecerá que, a menos que este povo se arrependa e se converta ao Senhor seu Deus, será escravizado; e ninguém os livrará, a não ser o Senhor, o Deus Todo-Poderoso.
36 Sim, e acontecerá que, quando clamarem a mim, serei tardio em ouvir seus clamores; sim, e permitirei que sejam derrotados por seus inimigos.
37 E a menos que se arrependam em pano de saco e cinza, e clamem fortemente ao Senhor seu Deus, não ouvirei suas orações, nem os livrarei de suas aflições;
38 E assim diz o Senhor, e assim me ordenou.
39 Ora, aconteceu que quando Abinádi lhes falou estas palavras, ficaram furiosos com ele e procuraram tirar-lhe a vida; mas o Senhor o livrou das mãos deles.
40 Ora, quando o rei Noé ouviu as palavras que Abinádi havia falado ao povo, também ficou irado;
41 E ele disse: Quem é Abinádi, para que eu e meu povo sejamos julgados por ele? Ou quem é o Senhor, que trará sobre o meu povo tantas aflições?
42 Ordeno-te que tragas Abinádi para cá, para que eu o mate; pois ele disse essas coisas para incitar meu povo à ira, uns contra os outros, e levantar contendas entre meu povo; por isso vou matá-lo.
43 Agora os olhos do povo estavam cegos; portanto, eles endureceram seus corações contra as palavras de Abinádi e procuraram a partir daquele momento tomá-lo.
44 E o rei Noé endureceu seu coração contra a palavra do Senhor; e ele não se arrependeu de suas más ações.
45 E aconteceu que, passados dois anos, Abinádi apareceu disfarçado entre eles, para que não o conhecessem, e começou novamente a profetizar entre eles, dizendo:
46 Assim me ordenou o Senhor, dizendo: Abinádi, vai e profetiza a este meu povo, porque endureceram o coração contra minhas palavras; eles não se arrependeram de suas más ações;
47 Portanto, eu os visitarei na minha ira, sim, na minha ira feroz os visitarei nas suas iniqüidades e abominações; sim, ai desta geração.
48 E o Senhor me disse: Estende a mão e profetiza, dizendo: Assim diz o Senhor: Acontecerá que esta geração, por causa de suas iniqüidades, será escravizada e será ferida na face ;
49 Sim, e será conduzido por homens e será morto; e os abutres do ar, e os cães, sim, e os animais selvagens devorarão a sua carne.
50 E acontecerá que a vida do rei Noé será avaliada como uma vestimenta em uma fornalha quente; porque ele saberá que eu sou o Senhor.
51 E acontecerá que ferirei este meu povo com grandes aflições; sim, com fome e pestilência; e farei com que uivem todo o dia.
52 Sim, e farei com que tenham fardos amarrados às costas; e eles serão conduzidos adiante, como um jumento mudo.
53 E acontecerá que enviarei saraiva entre eles, e ela os ferirá; e também serão feridos pelo vento oriental; e os insetos também assolarão a sua terra e devorarão o seu grão.
54 E eles serão feridos com uma grande peste; e tudo isso farei, por causa de suas iniqüidades e abominações.
55 E acontecerá que, a menos que se arrependam, eu os destruirei totalmente da face da terra;
56 No entanto, eles deixarão um registro atrás deles, e eu os preservarei para outras nações que possuírem a terra;
57 Sim, mesmo isso farei, para que eu possa descobrir as abominações deste povo para outras nações.
58 E muitas coisas profetizou Abinádi contra este povo.
59 E aconteceu que se zangaram com ele; e eles o tomaram e o levaram amarrado diante do rei e disseram ao rei:
60 Eis que trouxemos diante de ti um homem que profetizou o mal a respeito de teu povo e disse que Deus o destruirá;
61 E ele também profetiza o mal a respeito de tua vida, e diz que tua vida será como uma vestimenta em uma fornalha de fogo.
62 E ainda diz que serás como o talo, como o talo seco do campo, que é atropelado pelas feras e pisado.
63 E novamente, ele diz que serás como as flores de um cardo, que quando totalmente madura, se o vento soprar, é lançada sobre a face da terra; e ele finge que o Senhor o falou.
64 E ele disse que tudo isso virá sobre ti, a menos que te arrependas; e isto por causa das tuas iniqüidades.
65 E agora, ó rei, que grande mal fizeste, ou que grandes pecados cometeste o teu povo, para que fôssemos condenados por Deus ou julgados por este homem.
66 E agora, ó rei, eis que somos inocentes e tu, ó rei, não pecaste; portanto, este homem mentiu a seu respeito e profetizou em vão.
67 E eis que somos fortes, não seremos escravos nem seremos levados cativos por nossos inimigos; sim, e tu tens prosperado na terra, e tu também prosperarás.
68 Eis aqui o homem, nós o entregamos em tuas mãos; podes fazer com ele o que te parecer bem.
69 E aconteceu que o rei Noé fez com que Abinádi fosse lançado na prisão;
70 E ele ordenou que os sacerdotes se reunissem, para que ele pudesse fazer um conselho com eles sobre o que deveria fazer com ele.
71 E aconteceu que disseram ao rei: Traze-o aqui, para que o interroguemos.
72 E o rei ordenou que ele fosse trazido diante deles.
73 E eles começaram a interrogá-lo, para que pudessem contrariá-lo, para que assim tivessem com que acusá-lo;
74 Mas ele respondeu-lhes com ousadia e resistiu a todas as suas perguntas, sim, para seu espanto:
75 Pois ele os resistiu em todas as suas perguntas, e os confundiu em todas as suas palavras.
76 E aconteceu que um deles lhe disse: O que significam as palavras que estão escritas e que foram ensinadas por nossos pais, dizendo:
77 Quão formosos sobre os montes são os pés daquele que traz boas novas; que publica a paz; que traz boas novas do bem; que publica a salvação; que diz a Sião: teu Deus reina;
78 Teus atalaias levantarão a voz; com a voz juntos eles cantarão, porque eles verão olho no olho, quando o Senhor trouxer novamente Sião.
79 Irrompe em alegria; cantem juntos, lugares desertos de Jerusalém; porque o Senhor consolou o seu povo; ele redimiu Jerusalém.
80 O Senhor desnudou o seu santo braço aos olhos de todas as nações; e todos os confins da terra verão a salvação do nosso Deus.
81 E agora Abinádi disse-lhes: Vocês são sacerdotes, e fingem ensinar este povo, e compreender o espírito de profetizar, e ainda desejam saber de mim o que essas coisas significam?
82 Digo-vos: Ai de vós por perverter os caminhos do Senhor. Pois, se vocês entendem essas coisas, não as ensinam; por isso pervertestes os caminhos do Senhor.
83 Vós não aplicastes vossos corações ao entendimento; portanto, vocês não foram sábios. Portanto, o que ensinais a este povo?
84 E eles disseram: Nós ensinamos a Lei de Moisés.
85 E novamente lhes disse: Se ensinais a Lei de Moisés, por que não a guardais?
86 Por que fixais vossos corações nas riquezas?
87 Por que você se prostitui e gasta suas forças com prostitutas, sim, e faz com que este povo cometa pecado, para que o Senhor me envie para profetizar contra este povo, sim, um grande mal contra este povo?
88 Não sabeis que falo a verdade?
89 Sim, vocês sabem que falo a verdade; e você deve tremer diante de Deus.
90 E acontecerá que sereis feridos por vossas iniqüidades; porque dissestes que ensinais a Lei de Moisés.
91 E o que sabeis sobre a Lei de Moisés?
92 A salvação vem pela Lei de Moisés? O que você diz?
93 E eles responderam e disseram que a salvação veio pela Lei de Moisés.
94 Mas agora Abinádi disse-lhes: Sei que se guardardes os mandamentos de Deus, sereis salvos;
95 Sim, se guardardes os mandamentos que o Senhor deu a Moisés, no monte do Sinai, dizendo: Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão.
96 Não terás outro Deus diante de mim.
97 Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra.
98 Agora Abinádi disse-lhes: Fizestes tudo isto? Digo-vos: Não, não tendes.
99 E ensinastes este povo que devem fazer todas estas coisas? Digo-vos: Não, não tendes.
100 E agora, quando o rei ouviu estas palavras, ele disse a seus sacerdotes: Fora com este sujeito, e matai-o; pois que temos nós com ele, pois ele é louco.
101 E eles se levantaram e tentaram impor-lhe as mãos; mas ele os resistiu e disse-lhes: Não me toqueis, porque Deus vos ferirá se me impuserdes as mãos, porque não entreguei a mensagem que o Senhor me enviou para libertar;
102 Nem eu vos disse o que pedistes que eu dissesse: portanto, Deus não permitirá que eu seja destruído neste momento.
103 Mas devo cumprir os mandamentos com que Deus me ordenou, e porque vos disse a verdade, estais zangados comigo.
104 E novamente, porque eu falei a palavra de Deus, vós me julgastes que sou louco.
105 Ora, aconteceu que depois de Abinádi ter falado estas palavras, o povo do rei Noé não ousou impor suas mãos sobre ele;
106 Porque o Espírito do Senhor estava sobre ele, e o seu rosto resplandecia com grande resplendor, como também o de Moisés no monte Sinai, enquanto falava com o Senhor.
107 E ele falou com poder e autoridade de Deus; e ele continuou suas palavras, dizendo: Vós vedes que não tendes poder para me matar, por isso termino minha mensagem.
108 Sim, e percebo que isso fere seus corações, porque eu lhes digo a verdade sobre suas iniqüidades: sim, e minhas palavras os enchem de admiração e espanto e de ira.
109 Mas eu termino minha mensagem; e então não importa para onde eu vá, se é assim que eu sou salvo.
110 Mas isto vos digo: O que fizerdes comigo, depois disto, será como um tipo e uma sombra das coisas que estão por vir.
111 E agora leio para vós o restante dos mandamentos de Deus, pois percebo que não estão escritos em vosso coração;
112 Percebo que vocês estudaram e ensinaram a iniqüidade a maior parte de suas vidas.
113 E agora, lembrai-vos de que vos disse: Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem embaixo na terra, nem nas águas debaixo da terra .
114 E ainda: Não te encurvarás a eles, nem os servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito as iniqüidades dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam; e mostrando misericórdia a milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos.
115 Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente aquele que tomar o seu nome em vão.
116 Lembre-se do dia de sábado, para santificá-lo.
117 Seis dias trabalharás e farás toda a tua obra; mas no sétimo dia, o sábado do Senhor teu Deus, não farás nenhum trabalho, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu servo, nem tua serva, nem teu gado, nem teu estrangeiro que está dentro de teu portões:
118 Porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, e o mar e tudo o que neles há; por isso o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou.
119 Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá.
120 Não matarás.
121 Não cometerás adultério.
122 Não furtarás.
123 Não dirás falso testemunho contra o teu próximo.
124 Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.

 

Mosias, Capítulo 8
1 E aconteceu que, depois que Abinádi terminou com essas palavras, disse-lhes: Ensinastes este povo a observar-se em fazer todas essas coisas? para guardar estes mandamentos?
2 Digo-vos: Não; pois se você tivesse, o Senhor não teria me feito sair e profetizar o mal a respeito deste povo.
3 E agora dissestes que a salvação vem pela Lei de Moisés.
4 Digo-vos que é conveniente que ainda guardeis a Lei de Moisés; mas eu vos digo que chegará o tempo em que não será mais conveniente guardar a Lei de Moisés.
5 Além disso, digo-vos que a salvação não vem somente pela lei; e não fosse pela expiação que o próprio Deus fará pelos pecados e iniqüidades de seu povo, que eles inevitavelmente perecerão, não obstante a lei de Moisés.
6 E agora vos digo que convinha que se desse aos filhos de Israel uma lei, sim, uma lei muito estrita; porque eram um povo de dura cerviz: pronto para praticar a iniqüidade e tardio para lembre-se do Senhor seu Deus;
7 Portanto, foi dada a eles uma lei, sim, uma lei de execuções e ordenanças, uma lei que eles deveriam observar estritamente, dia a dia, para mantê-los em memória de Deus e de seu dever para com ele.
8 Mas eis que vos digo que todas estas coisas eram tipos de coisas por vir.
9 E agora, eles entenderam a lei?
10 Digo-vos: Não, nem todos entenderam a lei; e isso por causa da dureza de seus corações: porque eles não entendiam que nenhum homem poderia ser salvo, a menos que fosse pela redenção de Deus.
11 Pois eis que Moisés não lhes profetizou a respeito da vinda do Messias e que Deus redimiria seu povo, sim, e até mesmo todos os profetas que profetizaram desde o princípio do mundo?
12 Não falaram mais ou menos sobre essas coisas?
13 Não disseram eles que o próprio Deus desceria entre os filhos dos homens, tomaria sobre si a forma de homem e sairia com grande poder sobre a face da terra?
14 Sim, e não disseram eles também que ele faria a ressurreição dos mortos e que ele mesmo seria oprimido e afligido?
15 Sim, nem mesmo Isaías diz:
16 Quem acreditou em nossa pregação, e a quem foi revelado o braço do Senhor?
17 Porque ele crescerá diante dele como uma planta tenra e como raiz de uma terra seca; ele não tem forma nem formosura; e quando o vemos, não há beleza para desejá-lo.
18 Ele é desprezado e rejeitado pelos homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e escondemos dele como que o nosso rosto; ele foi desprezado, e nós não o estimamos.
19 Certamente ele levou sobre si as nossas dores e carregou as nossas dores; mas nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus e oprimido.
20 Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo de nossa paz estava sobre ele; e pelas suas pisaduras fomos sarados.
21 Todos nós, como ovelhas, andamos desgarrados; voltamos cada um ao seu próprio caminho; e o Senhor fez cair sobre ele as iniqüidades de todos nós.
22 Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a boca; como cordeiro é levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a boca.
23 Ele foi tirado da prisão e do juízo; e quem declarará a sua geração? porque foi exterminado da terra dos viventes; pelas transgressões do meu povo foi ferido.
24 E fez a sua sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte; porque não fez mal algum, nem houve engano na sua boca.
25 Mas agradou ao Senhor feri-lo; ele o afligiu; quando deres a sua alma como oferta pelo pecado, verá a sua descendência, prolongará os seus dias, e a vontade do Senhor prosperará nas suas mãos.
26 Ele verá o trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; pelo seu conhecimento o meu justo servo justificará a muitos; porque ele levará sobre si as suas iniqüidades.
27 Por isso lhe darei uma porção com os grandes, e ele repartirá o despojo com os fortes; porque derramou a sua alma na morte; e foi contado com os transgressores; e levou os pecados de muitos, e intercedeu pelos transgressores.
28 E então Abinádi disse-lhes: Quisera que compreendêssemos que o próprio Deus descerá entre os filhos dos homens e redimirá seu povo;
29 E, por habitar na carne, será chamado Filho de Deus:
30 E sujeitando a carne à vontade do Pai, sendo o Pai e o Filho; o Pai porque foi concebido pelo poder de Deus; e o Filho, por causa da carne; tornando-se assim o Pai e Filho:
31 E eles são um só Deus, sim, o próprio eterno Pai do céu e da terra;
32 E assim, tornando-se a carne sujeita ao Espírito, ou seja, o Filho ao Pai, sendo um só Deus, sofre a tentação e não cede à tentação, mas deixa-se escarnecer, e açoitar, e expulsar e repudiar por seus pessoas.
33 E depois de tudo isso e depois de operar muitos milagres poderosos entre os filhos dos homens, ele será conduzido, sim, como Isaías disse, como uma ovelha muda perante o tosquiador, assim ele não abriu a boca;
34 Sim, assim mesmo ele será conduzido, crucificado e morto, ficando a carne sujeita até a morte, a vontade do Filho sendo absorvida pela vontade do Pai;
35 E assim Deus rompe as ligaduras da morte; tendo obtido a vitória sobre a morte; dando ao Filho poder para interceder pelos filhos dos homens:
36 Subindo ao céu; tendo as entranhas da misericórdia; sendo cheio de compaixão para com os filhos dos homens;
37 Entre eles e a justiça; rompendo as ligaduras da morte, tomou sobre si a iniqüidade e as transgressões deles; tendo-os redimido, e satisfeito as exigências da justiça.
38 E agora vos digo: Quem declarará a sua geração?
39 Eis que vos digo que, quando a sua alma for oferecida como oferta pelo pecado, verá a sua descendência.
40 E agora o que dizeis? E quem será sua semente?
41 Eis que vos digo que todo aquele que ouviu as palavras dos profetas, sim, todos os santos profetas que profetizaram a respeito da vinda do Senhor:
42 Digo-vos que todos os que deram ouvidos a suas palavras e creram que o Senhor redimiria seu povo e aguardaram aquele dia pela remissão de seus pecados;
43 Digo-vos que estes são a sua descendência, ou seja, são herdeiros do reino de Deus:
44 Pois estes são aqueles cujos pecados ele levou; estes são aqueles por quem ele morreu, para redimi-los de suas transgressões.
45 E agora, eles não são sua semente?
46 Sim, e não são os profetas, todo aquele que abriu a boca para profetizar, que não caiu em transgressão; Quero dizer, todos os santos profetas desde que o mundo começou?
47 Digo-vos que são sua descendência; e estes são os que publicaram a paz, que trouxeram boas novas do bem, que publicaram a salvação; e disse a Sião: Teu Deus reina!
48 E ó quão formosos eram os seus pés sobre as montanhas!
49 E novamente, quão belos sobre as montanhas são os pés daqueles que ainda estão anunciando a paz!
50 E novamente, quão belos sobre as montanhas são os pés daqueles que daqui por diante publicarão a paz, sim, de agora em diante e para sempre!
51 E eis que vos digo que isto não é tudo; porque ó quão formosos sobre os montes são os pés daquele que traz boas-novas, que é o fundador da paz;
52 Sim, sim, o Senhor, que redimiu seu povo; sim, aquele que concedeu salvação ao seu povo:
53 Pois não fosse pela redenção que ele fez por seu povo, a qual foi preparada desde a fundação do mundo; Digo-vos que, se não fosse por isso, toda a humanidade teria perecido.
54 Mas eis que as ligaduras da morte serão quebradas, e o Filho reina e tem poder sobre os mortos; portanto, ele realiza a ressurreição dos mortos.
55 E virá uma ressurreição, sim, uma primeira ressurreição; sim, sim, uma ressurreição daqueles que foram, e que são, e que serão, até a ressurreição de Cristo; porque assim ele será chamado.
56 E agora, a ressurreição de todos os profetas e todos os que acreditaram em suas palavras, ou todos os que guardaram os mandamentos de Deus, virá na primeira ressurreição; portanto, eles são a primeira ressurreição.
57 Eles são ressuscitados para habitar com Deus que os redimiu: assim eles têm a vida eterna por meio de Cristo, que quebrou as ligaduras da morte.
58 E estes são os que têm parte na primeira ressurreição; e estes são os que morreram antes de Cristo vir, em sua ignorância, não tendo a salvação declarada a eles.
59 E assim o Senhor efetua a restauração destes; e eles têm uma parte na primeira ressurreição, ou têm a vida eterna, sendo redimidos pelo Senhor.
60 E as criancinhas também têm a vida eterna.
61 Mas eis, teme e estremece diante de Deus; porque deveis tremer, porque o Senhor não redime a ninguém que se rebele contra ele e morra em seus pecados;
62 Sim, sim, todos aqueles que pereceram em seus pecados desde o princípio do mundo, que se rebelaram voluntariamente contra Deus, que conheceram os mandamentos de Deus e não os guardaram; estes são os que não têm parte na primeira ressurreição.
63 Portanto, não deveis tremer?
64 Pois a nenhum desses a salvação vem; pois o Senhor não redimiu tal coisa;
65 Sim, nem o Senhor pode redimir tais: porque ele não pode negar a si mesmo; pois ele não pode negar a justiça quando ela tem seu direito.
66 E agora vos digo que virá o tempo em que a salvação do Senhor será declarada a toda nação, tribo, língua e povo,
67 Sim, Senhor, teu atalaia levantará suas vozes; juntamente com a voz cantarão; porque verão olho no olho, quando o Senhor tornar a trazer Sião.
68 Exultai, exultai, cantai juntos, lugares desertos de Jerusalém; porque o Senhor consolou o seu povo, resgatou Jerusalém.
69 O Senhor desnudou o seu santo braço à vista de todas as nações; e todos os confins da terra verão a salvação do nosso Deus.
70 E então aconteceu que depois de Abinádi ter falado essas palavras, ele estendeu a mão e disse: Chegará o tempo em que todos verão a salvação do Senhor;
71 Quando todas as nações, tribos, línguas e povos, olharem olho no olho e confessarem diante de Deus que seus juízos são justos.
72 E então os ímpios serão expulsos e terão motivo para uivar e chorar e lamentar e ranger os dentes;
73 E isso porque não deram ouvidos à voz do Senhor; portanto, o Senhor não os redime, pois são carnais e diabólicos, e o diabo tem poder sobre eles;
74 Sim, mesmo aquela velha serpente que enganou nossos primeiros pais, que foi a causa de sua queda;
75 Qual foi a causa de toda a humanidade se tornar carnal, sensual, diabólica, distinguindo o mal do bem, sujeitando-se ao diabo.
76 Assim toda a humanidade foi perdida; e eis que eles teriam se perdido infinitamente, se Deus não tivesse redimido seu povo de seu estado perdido e caído.
77 Mas lembre-se que aquele que persiste em sua própria natureza carnal, e segue nos caminhos do pecado e rebelião contra Deus, permanece em seu estado caído, e o diabo tem todo o poder sobre ele.
78 Portanto, é como se não houvesse redenção; ser um inimigo de Deus; e também o diabo é inimigo de Deus.
79 E agora, se Cristo não tivesse vindo ao mundo, falando de coisas vindouras, como se elas já tivessem vindo, não poderia ter havido redenção.
80 E se Cristo não tivesse ressuscitado dos mortos, ou tivesse quebrado as ligaduras da morte, para que a sepultura não tivesse vitória, e para que a morte não tivesse aguilhão, não poderia ter havido ressurreição.
81 Mas há ressurreição, por isso a sepultura não tem vitória, e o aguilhão da morte é tragado em Cristo.
82 Ele é a luz e a vida do mundo; sim, uma luz que é infinita, que nunca pode ser obscurecida; sim, e também uma vida que é infinita, que não pode haver mais morte.
83 Mesmo este mortal se revestirá de imortalidade, e esta corrupção se revestirá de incorrupção, e será levada perante o tribunal de Deus, para ser julgada por ele de acordo com suas obras, sejam elas boas ou más.
84 Se eles são bons, para a ressurreição da vida e felicidade sem fim, e se eles são maus, para a ressurreição da condenação sem fim;
85 Sendo entregues ao diabo, que os sujeitou, que é a condenação;
86 Tendo ido de acordo com suas próprias vontades e desejos carnais; nunca tendo invocado o Senhor enquanto os braços da misericórdia estavam estendidos para eles;
87 Pois os braços da misericórdia foram estendidos para eles, e eles não quiseram; eles foram avisados de suas iniqüidades, e ainda assim não se afastaram deles;
88 E eles foram ordenados a se arrepender, e ainda assim eles não se arrependeram.
89 E agora vocês não deveriam tremer e se arrepender de seus pecados, e lembrar que somente em e por meio de Cristo vocês podem ser salvos?
90 Portanto, se ensinardes a Lei de Moisés, ensinai também que ela é sombra das coisas que hão de vir;
91 Ensine-os que a redenção vem por meio de Cristo, o Senhor, que é o próprio Pai eterno. Um homem.

 

Mosias, Capítulo 9

1 E então aconteceu que quando Abinádi terminou estas palavras, o rei ordenou que os sacerdotes o prendessem e fizessem com que ele fosse morto.
2 Mas havia um entre eles, cujo nome era Alma, sendo ele também descendente de Néfi.
3 E ele era um jovem e acreditou nas palavras que Abinádi havia falado, pois sabia a respeito da iniqüidade que Abinádi havia testemunhado contra eles:
4 Por isso começou a suplicar ao rei que não se zangasse com Abinádi, mas permitisse que ele partisse em paz.
5 Mas o rei ficou mais indignado e fez com que Alma fosse expulso do meio deles e enviou seus servos atrás dele, para que o matassem.
6 Mas ele fugiu de diante deles e se escondeu, para que não o achassem.
7 E ele, estando escondido por muitos dias, escreveu todas as palavras que Abinádi havia falado.
8 E aconteceu que o rei fez com que seus guardas cercassem Abinádi e o prendessem; e eles o amarraram e o lançaram na prisão.
9 E depois de três dias, tendo aconselhado com seus sacerdotes, ele fez com que fosse novamente trazido à sua presença.
10 E ele lhe disse: Abinádi, achamos uma acusação contra ti, e tu és digno de morte.
11 Pois tu disseste que o próprio Deus desceria entre os filhos dos homens;
12 E agora por esta causa serás morto, a menos que te lembres de todas as palavras que disseste mal a meu respeito e a meu povo.
13 Ora, Abinádi disse-lhe: Digo-te que não me lembrarei das palavras que te disse a respeito deste povo, porque são verdadeiras;
14 E para que saibais da sua segurança, eu mesmo deixei cair em vossas mãos.
15 Sim, e sofrerei até a morte e não me lembrarei de minhas palavras, e elas servirão de testemunho contra vocês.
16 E se me matardes, derramareis sangue inocente, e isso também servirá de testemunho contra vós no último dia.
17 E agora o rei Noé estava prestes a libertá-lo, pois temia sua palavra; pois temia que os juízos de Deus caíssem sobre ele.
18 Mas os sacerdotes levantaram a voz contra ele e começaram a acusá-lo, dizendo: Ele injuriou o rei.
19 Por isso o rei se indignou contra ele, e o entregou, para que fosse morto.
20 E aconteceu que eles o pegaram e o amarraram, e açoitaram sua pele com lenha, sim, até a morte.
21 E então, quando as chamas começaram a queimá-lo, ele clamou a eles, dizendo: Eis que assim como me fizestes, assim acontecerá que tua semente fará com que muitos sofram as dores que sofro, até as dores da morte, pelo fogo; e isto porque crêem na salvação do Senhor seu Deus.
22 E acontecerá que sereis afligidos com toda sorte de doenças, por causa de vossas iniqüidades.
23 Sim, e sereis feridos por todos os lados, e sereis expulsos e dispersos de um lado para outro, assim como um rebanho selvagem é conduzido por animais selvagens e ferozes.
24 E naquele dia sereis caçados e apanhados pelas mãos de vossos inimigos, e então sofrereis, como eu sofro, as dores da morte pelo fogo.
25 Assim Deus vinga-se daqueles que destroem o seu povo.
26 Ó Deus, recebe minha alma.
27 E agora, quando Abinádi disse essas palavras, caiu, tendo sofrido a morte pelo fogo; sim, tendo sido morto porque não quis negar os mandamentos de Deus: tendo selado a verdade de suas palavras com sua morte.
28 E então aconteceu que Alma, que havia fugido dos servos do rei Noé, arrependeu-se de seus pecados e iniqüidades e andou em particular entre o povo e começou a ensinar as palavras de Abinádi;
29 Sim, a respeito do que havia de vir e também a respeito da ressurreição dos mortos e da redenção do povo, que deveria ocorrer pelo poder e sofrimentos e morte de Cristo e sua ressurreição e ascensão para o céu.
30 E a todos os que ouviram a sua palavra, ele ensinou.
31 E ensinava-os em particular, para que não chegasse ao conhecimento do rei. E muitos acreditaram em suas palavras.
32 E aconteceu que todos os que acreditaram nele foram para um lugar chamado Mórmon, tendo recebido seu nome do rei, estando nas fronteiras da terra infestadas, por vezes ou em estações , por animais selvagens.
33 Ora, havia em Mórmon uma fonte de água pura, e Alma recorreu para lá, pois havia perto da água um emaranhado de pequenas árvores, onde ele se escondia durante o dia, das buscas do rei.
34 E aconteceu que todos os que creram nele foram até lá para ouvir suas palavras.
35 E aconteceu que depois de muitos dias, havia um bom número reunido no lugar de Mórmon para ouvir as palavras de Alma.
36 Sim, todos os que creram na sua palavra estavam reunidos para ouvi-lo.
37 E ele os ensinou e pregou-lhes arrependimento e redenção e fé no Senhor.
38 E aconteceu que ele lhes disse: Eis que aqui estão as águas de Mórmon; pois assim foram chamados.
39 E agora, como estais desejosos de entrar no redil de Deus e ser chamados seu povo, e estais dispostos a carregar os fardos uns dos outros, para que sejam leves;
40 Sim, e estão dispostos a chorar com os que choram; sim, e consolar os que necessitam de consolo e servir de testemunhas de Deus em todos os momentos e em todas as coisas e em todos os lugares em que estiverdes, mesmo até a morte, para que sejais redimidos por Deus, e sejam contados com os da primeira ressurreição, para que tenhais a vida eterna;
41 Agora vos digo: Se este é o desejo de vossos corações, o que tendes contra ser batizados em nome do Senhor, como testemunho perante ele de que fizestes um convênio com ele de que o servireis e guardareis os seus mandamentos, para que derrame o seu Espírito com mais abundância sobre vós?
42 E agora, quando as pessoas ouviram essas palavras, bateram palmas de alegria e exclamaram: Este é o desejo de nossos corações.
43 E então aconteceu que Alma pegou Helã, sendo ele um dos primeiros, e foi, pôs-se de pé na água e clamou, dizendo: Ó Senhor, derrama teu Espírito sobre teu servo, para que ele faça esta obra com santidade de coração.
44 E, tendo ele dito estas palavras, o Espírito do Senhor estava sobre ele, e ele disse: Helam, eu te batizo, tendo autoridade do Deus Todo-Poderoso, como testemunho de que fizeste um convênio de servi-lo até que você estão mortos, quanto ao corpo mortal; e que o Espírito do Senhor seja derramado sobre vocês; e que ele vos conceda a vida eterna, pela redenção de Cristo, a quem preparou desde a fundação do mundo.
45 E depois que Alma disse essas palavras, tanto Alma como Helam foram sepultados na água; e eles se levantaram e saíram da água regozijando-se, cheios do Espírito.
46 E novamente, Alma pegou outro e entrou na água pela segunda vez e o batizou de acordo com a primeira, só que ele não se enterrou novamente na água.
47 E dessa maneira ele batizou todos os que foram para o lugar de Mórmon: e eram em número de cerca de duzentas e quatro almas;
48 Sim, e eles foram batizados nas águas de Mórmon e ficaram cheios da graça de Deus:
49 E eles foram chamados a igreja de Deus, ou a igreja de Cristo, daquele tempo em diante.
50 E aconteceu que todo aquele que foi batizado pelo poder e autoridade de Deus foi acrescentado à sua igreja.
51 E aconteceu que Alma, tendo autoridade de Deus, ordenou sacerdotes; mesmo um sacerdote para cada cinqüenta do seu número ele ordenou que pregasse a eles e os ensinasse a respeito das coisas pertencentes ao reino de Deus.
52 E ordenou-lhes que nada ensinassem a não ser as coisas que ele havia ensinado e que haviam sido ditas pela boca dos santos profetas.
53 Sim, ele mesmo ordenou-lhes que não pregassem nada a não ser arrependimento e fé no Senhor, que redimiu seu povo.
54 E ordenou-lhes que não houvesse contenda uns com os outros, mas que olhassem para frente com um só olho, tendo uma só fé e um só batismo; tendo seus corações unidos na unidade e no amor, uns para com os outros.
55 E assim ordenou-lhes que pregassem. E assim eles se tornaram filhos de Deus.
56 E ordenou-lhes que guardassem o dia de sábado e o santificassem, e também todos os dias dassem graças ao Senhor seu Deus.
57 E ordenou-lhes também que os sacerdotes, a quem ele havia ordenado, trabalhassem com as próprias mãos para seu sustento;
58 E havia um dia em cada semana que era separado para que eles se reunissem para ensinar o povo e adorar o Senhor seu Deus, e também quantas vezes estivesse em seu poder, para se reunirem.
59 E os sacerdotes não deviam depender do povo para seu sustento; mas pelo seu trabalho deveriam receber a graça de Deus, para que se fortalecessem no Espírito, tendo o conhecimento de Deus, para que pudessem ensinar com poder e autoridade da parte de Deus.
60 E novamente, Alma ordenou que o povo da igreja distribuísse seus bens, cada um de acordo com o que possuía;
61 Se tiver mais abundantemente, deve repartir mais abundantemente; e aquele que tinha pouco, mas pouco deveria ser exigido; e para aquele que não tinha deve ser dado.
62 E assim eles deveriam compartilhar de sua substância, de seu próprio livre arbítrio e bons desejos para com Deus, e para aqueles sacerdotes que estivessem em necessidade, sim, e para cada alma nua e necessitada.
63 E isto lhes disse, tendo sido ordenado por Deus;
64 E eles andaram retamente diante de Deus, compartilhando um com o outro, tanto temporal como espiritualmente, de acordo com suas necessidades e desejos.
65 E então aconteceu que tudo isso foi feito em Mórmon; sim, pelas águas de Mórmon, na floresta que estava perto das águas de Mórmon:
66 Sim, o lugar de Mórmon, as águas de Mórmon, a floresta de Mórmon, quão belos são aos olhos daqueles que ali chegaram ao conhecimento de seu Redentor;
67 Sim, e quão bem-aventurados são eles, pois cantarão em seu louvor para sempre.
68 E estas coisas foram feitas nas fronteiras da terra, para que não chegassem ao conhecimento do rei.
69 Mas eis que aconteceu que o rei, tendo descoberto um movimento entre o povo, enviou seus servos para vigiá-los.
70 Portanto, no dia em que se reuniram para ouvir a palavra do Senhor, foram descobertos ao rei.
71 E então o rei disse que Alma estava incitando o povo a rebelar-se contra ele; portanto, ele enviou seu exército para destruí-los.
72 E aconteceu que Alma e o povo do Senhor foram informados da chegada do exército do rei; por isso tomaram as suas tendas e as suas famílias, e partiram para o deserto.
73 E eles eram em número de cerca de quatrocentas e cinqüenta almas.
74 E aconteceu que o exército do rei voltou, tendo procurado em vão pelo povo do Senhor.
75 E agora eis que as forças do rei eram pequenas, tendo sido reduzidas, e começou a haver uma divisão entre o restante do povo.
76 E a parte menor começou a soprar ameaças contra o rei, e começou a haver uma grande contenda entre eles.
77 E agora havia um homem entre eles cujo nome era Gideão, e ele sendo um homem forte, e um inimigo do rei, portanto ele desembainhou sua espada e jurou em sua ira, que mataria o rei.
78 E aconteceu que ele lutou com o rei, e quando o rei viu que estava prestes a dominá-lo, ele fugiu e correu e subiu na torre, que estava perto do templo.
79 E Gideão o perseguiu e estava prestes a subir na torre para matar o rei, e o rei olhou ao redor em direção à terra de Shemlon, e eis que o exército dos lamanitas estava dentro das fronteiras da terra.
80 E então o rei clamou na angústia de sua alma, dizendo: Gideão, poupe-me, pois os lamanitas estão sobre nós e os destruirão; sim, eles destruirão meu povo.
81 E agora o rei não estava tão preocupado com seu povo, mas com sua própria vida; no entanto, Gideon poupou sua vida.
82 E o rei ordenou ao povo que fugisse diante dos lamanitas e ele mesmo foi adiante deles e eles fugiram para o deserto com suas mulheres e seus filhos.
83 E aconteceu que os lamanitas os perseguiram e os alcançaram e começaram a matá-los.
84 E aconteceu que o rei ordenou-lhes que todos os homens deixassem suas esposas e filhos e fugissem diante dos lamanitas.
85 Agora havia muitos que não os deixavam, mas preferiam ficar e perecer com eles.
86 E os demais deixaram suas esposas e seus filhos e fugiram.
87 E aconteceu que aqueles que permaneceram com suas esposas e seus filhos fizeram com que suas belas filhas se apresentassem e implorassem aos lamanitas que não os matassem.
88 E aconteceu que os lamanitas se compadeceram deles, pois ficaram encantados com a beleza de suas mulheres;
89 Portanto, os lamanitas pouparam suas vidas e os levaram cativos e os levaram de volta à terra de Néfi e concederam-lhes que possuíssem a terra, sob a condição de que entregassem o rei Noé nas mãos do lamanitas, e entregam suas propriedades.
90 Mesmo metade de tudo que eles possuíam; metade de seu ouro, e sua prata, e todas as suas coisas preciosas; e assim deveriam pagar tributo ao rei dos lamanitas, de ano para ano.
91 E agora havia um dos filhos do rei entre aqueles que foram levados cativos, cujo nome era Lími.
92 E agora Lími desejava que seu pai não fosse destruído; não obstante, Lími não ignorava as iniqüidades de seu pai, sendo ele próprio um homem justo.
93 E aconteceu que Gideão enviou homens secretamente ao deserto, para procurar o rei e os que estavam com ele.
94 E aconteceu que eles encontraram o povo no deserto, todos exceto o rei e seus sacerdotes.
95 Agora eles haviam jurado em seu coração que retornariam à terra de Néfi, e se suas esposas e seus filhos fossem mortos, e também aqueles que haviam permanecido com eles, que buscariam vingança e também pereceriam com eles.
96 E o rei ordenou-lhes que não voltassem; e indignaram-se com o rei, e fizeram com que sofresse até a morte pelo fogo.
97 E eles estavam para levar também os sacerdotes para matá-los, e fugiram diante deles.
98 E aconteceu que eles estavam prestes a retornar à terra de Néfi e encontraram os homens de Gideão.
99 E os homens de Gideão lhes contaram tudo o que havia acontecido com suas esposas e seus filhos; e que os lamanitas lhes haviam concedido a posse da terra pagando um tributo aos lamanitas de metade de tudo o que possuíam.
100 E o povo disse aos homens de Gideão que eles haviam matado o rei, e seus sacerdotes haviam fugido deles para mais longe no deserto.
101 E aconteceu que depois de terminarem a cerimônia, eles retornaram à terra de Néfi, regozijando-se, porque suas esposas e seus filhos não foram mortos; e contaram a Gideão o que tinham feito ao rei.
102 E aconteceu que o rei dos lamanitas fez-lhes um juramento de que seu povo não os mataria.
103 E também Lími, sendo filho do rei, tendo o reino conferido a ele pelo povo, jurou ao rei dos lamanitas que seu povo lhe pagaria tributo; até a metade de tudo que eles possuíam.
104 E aconteceu que Lími começou a estabelecer o reino e a estabelecer a paz entre seu povo.
105 E o rei dos lamanitas pôs guardas ao redor da terra, para que pudesse manter o povo de Lími na terra, para que não partisse para o deserto;
106 E ele sustentou seus guardas com o tributo que recebeu dos nefitas.
107 E agora o rei Lími teve paz contínua em seu reino, pelo espaço de dois anos, de modo que os lamanitas não os molestaram nem procuraram destruí-los.
108 Agora havia um lugar em Shemlon, onde as filhas dos lamanitas se reuniam para cantar, e dançar, e se divertir.
109 E aconteceu que certo dia um pequeno número deles se reuniu para cantar e dançar.
110 E agora os sacerdotes do rei Noé, envergonhados de retornar à cidade de Néfi, sim, e também temendo que o povo os matasse, portanto não ousaram voltar para suas esposas e filhos.
111 E tendo permanecido no deserto e tendo descoberto as filhas dos lamanitas, deitaram-se e as observaram; e quando havia apenas alguns deles reunidos para dançar, eles saíram de seus lugares secretos, e os levaram para o deserto.
112 Sim, vinte e quatro das filhas dos lamanitas eles levaram para o deserto;
113 E aconteceu que quando os lamanitas descobriram que suas filhas haviam desaparecido, ficaram zangados com o povo de Lími; pois pensavam que era o povo de Lími.
114 Portanto eles enviaram seus exércitos; sim, até mesmo o próprio rei foi adiante de seu povo; e subiram à terra de Néfi, para destruir o povo de Lími.
115 E agora Lími os havia descoberto da torre; até mesmo todos os seus preparativos para a guerra ele descobriu; por isso reuniu o seu povo e os pôs à espera nos campos e nas florestas.
116 E aconteceu que quando os lamanitas subiram, o povo de Lími começou a cair sobre eles de seus lugares de espera e começou a matá-los.
117 E aconteceu que a batalha tornou-se extremamente acirrada, pois eles lutaram como leões por sua presa.
118 E aconteceu que o povo de Lími começou a expulsar os lamanitas diante deles, mas não eram nem metade do número dos lamanitas.
119 Mas eles lutaram por suas vidas, e por suas mulheres, e por seus filhos; portanto, eles se esforçaram, e como dragões eles lutaram.
120 E aconteceu que encontraram o rei dos lamanitas entre o número de seus mortos; mas ele não estava morto, tendo sido ferido e deixado no chão, tão rápida foi a fuga de seu povo.
121 E eles o pegaram e trataram de suas feridas e o trouxeram perante Lími e disseram: Eis aqui o rei dos lamanitas; ele foi ferido, caiu entre seus mortos, e eles o deixaram; e eis que o trouxemos perante vós; e agora vamos matá-lo.
122 Mas Lími lhes disse: Não o matareis, mas trazei-o aqui, para que eu o veja. E eles o trouxeram.
123 E Lími disse-lhe: Que causa tens para guerrear contra o meu povo?
124 Eis que meu povo não quebrou o juramento que te fiz; portanto, por que haveis de quebrar o juramento que fizestes ao meu povo?
125 E agora o rei disse: Eu quebrei o juramento, porque o teu povo levou as filhas do meu povo; por isso, na minha ira, fiz o meu povo subir à guerra contra o teu povo.
126 Ora, Lími não tinha ouvido nada sobre este assunto; por isso disse: Procurarei no meio do meu povo, e todo aquele que fizer isso perecerá.
127 Por isso ele fez uma busca entre o seu povo.
128 Ora, quando Gideão ouviu estas coisas, sendo ele o capitão do rei, saiu e disse ao rei: Rogo-te que te deixes, e não esquadrinhas este povo, e não lhes imputes isto.
129 Pois não vos lembrais dos sacerdotes de vosso pai, a quem este povo procurou destruir?
130 E eles não estão no deserto? E não são eles que roubaram as filhas dos lamanitas?
131 E agora eis e dize estas coisas ao rei, para que conte a seu povo, para que sejam pacificados para conosco: pois eis que já estão se preparando para vir contra nós; e eis que também somos poucos.
132 E eis que eles vêm com seus numerosos exércitos; e a menos que o rei os pacifique em relação a nós, devemos perecer.
133 Pois não se cumpriram as palavras de Abinádi, que ele profetizou contra nós? e tudo isso porque não quisemos dar ouvidos à palavra do Senhor e nos desviarmos de nossas iniqüidades?
134 E agora pacifiquemos o rei e cumpramos o juramento que lhe fizemos: porque é melhor sermos escravos do que perdermos a vida; portanto, vamos acabar com o derramamento de tanto sangue.
135 E então Lími contou ao rei todas as coisas concernentes a seu pai, e aos sacerdotes que haviam fugido para o deserto, e atribuiu a eles o transporte de suas filhas.
136 E aconteceu que o rei foi pacificado para com seu povo; e disse-lhes: Vamos ao encontro do meu povo, sem armas; e juro-vos com juramento que o meu povo não matará o teu povo.
137 E aconteceu que seguiram o rei e saíram sem armas ao encontro dos lamanitas.
138 E aconteceu que encontraram os lamanitas; e o rei dos lamanitas curvou-se diante deles e intercedeu em favor do povo de Lími.
139 E quando os lamanitas viram que o povo de Lími estava sem armas, tiveram compaixão deles e ficaram pacíficos com eles e voltaram com seu rei em paz para sua própria terra.
140 E aconteceu que Lími e seu povo retornaram à cidade de Néfi e começaram a habitar na terra novamente em paz.
141 E aconteceu que, depois de muitos dias, os lamanitas começaram novamente a se irar contra os nefitas; e eles começaram a entrar nas fronteiras da terra ao redor.
142 Ora, eles não ousaram matá-los, por causa do juramento que seu rei havia feito a Lími; mas eles os feririam em suas bochechas e exerceriam autoridade sobre eles; e começaram a colocar fardos pesados em suas costas, e conduzi-los como fariam com um burro mudo; sim, tudo isso foi feito para que a palavra do Senhor se cumprisse.
143 E agora as aflições dos nefitas eram grandes; e não havia como escapar de suas mãos, pois os lamanitas os cercaram por todos os lados.
144 E aconteceu que o povo começou a murmurar com o rei, por causa de suas aflições; e começaram a desejar ir contra eles para a batalha.
145 E eles afligiram muito o rei com suas queixas; portanto, ele lhes concedeu que fizessem de acordo com seus desejos.
146 E eles se reuniram novamente e vestiram suas armaduras e saíram contra os lamanitas, para expulsá-los de sua terra.
147 E aconteceu que os lamanitas os espancaram e os expulsaram e mataram muitos deles.
148 E agora houve um grande pranto e lamentação entre o povo de Lími: a viúva pranteando por seu marido; o filho e a filha de luto pelo pai; e os irmãos por seus irmãos.
149 Agora havia muitas viúvas na terra; e eles clamavam fortemente dia após dia; pois um grande temor dos lamanitas se abateu sobre eles.
150 E aconteceu que seus gritos contínuos incitaram o restante do povo de Lími à ira contra os lamanitas.
151 E eles foram novamente para a batalha; mas eles foram expulsos novamente, sofrendo muitas perdas.
152 Sim, eles foram novamente, mesmo pela terceira vez, e sofreram da mesma maneira; e os que não foram mortos, voltaram novamente para a cidade de Néfi.
153 E eles se humilharam até o pó, sujeitando-se ao jugo da escravidão, submetendo-se a serem feridos, e levados de um lado para outro, e sobrecarregados, de acordo com os desejos de seus inimigos.
154 E eles se humilharam mesmo nas profundezas da humildade; e clamaram fortemente a Deus; sim, mesmo o dia inteiro clamaram a seu Deus, para que os livrasse de suas aflições.
155 E agora o Senhor demorou a ouvir seu clamor, por causa de suas iniqüidades;
156 Não obstante, o Senhor ouviu seus clamores e começou a abrandar o coração dos lamanitas, de modo que começaram a aliviar seus fardos; contudo, o Senhor não achou por bem libertá-los da escravidão.
157 E aconteceu que eles começaram a prosperar gradualmente na terra, e começaram a produzir grãos mais abundantemente, e rebanhos e manadas, que eles não passaram fome.
158 Agora havia um grande número de mulheres mais do que havia de homens; portanto, o rei Lími ordenou que todo homem devesse contribuir para o sustento das viúvas e seus filhos, para que não morressem de fome; e isso eles fizeram, por causa da grandeza do seu número que havia sido morto.
159 Agora o povo de Lími se mantinha unido em um corpo tanto quanto era possível, e assegurava seus grãos e seus rebanhos;
160 E o próprio rei não confiava em sua pessoa sem os muros da cidade, a menos que levasse seus guardas com ele, temendo que de algum modo pudesse cair nas mãos dos lamanitas.
161 E ele fez com que seu povo vigiasse a terra ao redor, para que de alguma forma eles pudessem levar aqueles sacerdotes que fugiram para o deserto, que haviam roubado as filhas dos lamanitas e que haviam causado uma destruição tão grande sobre eles ;
162 Pois eles desejavam tomá-los, para que pudessem puni-los: pois haviam entrado na terra de Néfi à noite e levado seus grãos e muitas de suas coisas preciosas; por isso os puseram à espera.
163 E aconteceu que não houve mais distúrbios entre os lamanitas e o povo de Lími, até o momento em que Amon e seus irmãos entraram na terra.
164 E o rei tendo estado fora dos portões da cidade com sua guarda, descobriu Amon e seus irmãos; e supondo que fossem sacerdotes de Noé, fez com que fossem presos, amarrados e lançados na prisão.
165 E se eles fossem os sacerdotes de Noé, ele teria feito com que eles fossem mortos; mas quando ele descobriu que eles não eram, mas que eram seus irmãos, e tinham vindo da terra de Zaraenla, ele se encheu de grande alegria.
166 Ora, o rei Lími havia enviado, antes da chegada de Amon, um pequeno número de homens para procurar a terra de Zaraenla; mas eles não conseguiram encontrá-lo e se perderam no deserto.
167 No entanto, eles encontraram uma terra que havia sido povoada; sim, uma terra que estava coberta de ossos secos; sim, uma terra que havia sido povoada e que havia sido destruída;
168 E eles supondo que fosse a terra de Zaraenla, voltaram para a terra de Néfi, tendo chegado às fronteiras da terra não muitos dias antes da vinda de Amon.
169 E eles trouxeram um registro com eles, sim, um registro das pessoas cujos ossos eles encontraram; e foram gravadas em placas de minério.
170 E agora Lími estava novamente cheio de alegria, ao saber pela boca de Amon que o rei Mosias tinha um dom de Deus, pelo qual ele podia interpretar tais gravuras, sim, e Amon também se alegrou.
171 No entanto, Amon e seus irmãos ficaram cheios de tristeza, porque muitos de seus irmãos haviam sido mortos; e também que o rei Noé e seus sacerdotes fizeram o povo cometer tantos pecados e iniqüidades contra Deus;
172 E eles também lamentaram a morte de Abinádi; e também pela partida de Alma e das pessoas que o acompanharam, que haviam formado uma igreja de Deus pela força e poder de Deus e pela fé nas palavras ditas por Abinádi;
173 Sim, eles lamentaram sua partida, pois não sabiam para onde haviam fugido.
174 Agora eles teriam alegremente se unido a eles, pois eles mesmos haviam entrado em um pacto com Deus, para servi-lo e guardar seus mandamentos.
175 E agora, desde a vinda de Amon, o rei Lími também havia feito um convênio com Deus, e também com muitos de seu povo, para servi-lo e guardar seus mandamentos.
176 E aconteceu que o rei Lími e muitos de seu povo desejavam ser batizados; mas não havia ninguém na terra que tivesse autoridade de Deus.
177 E Amon recusou fazer isso, considerando-se um servo indigno; portanto, eles não se formaram naquela época em uma igreja, esperando no Espírito do Senhor.
178 Agora eles desejavam tornar-se como Alma e seus irmãos, que haviam fugido para o deserto.
179 Eles desejavam ser batizados, como uma testemunha e um testemunho de que estavam dispostos a servir a Deus de todo o coração;
180 No entanto, eles prolongaram o tempo; e um relato de seu batismo será dado a seguir.
181 E agora todo o estudo de Amon e seu povo, e do rei Lími e seu povo, devia libertar-se das mãos dos lamanitas e do cativeiro.

 

Mosias, Capítulo 10

1 E então aconteceu que Amon e o rei Lími começaram a consultar o povo sobre como deveriam libertar-se do cativeiro;
2 E eles fizeram com que todo o povo se reunisse; e isso eles fizeram para que pudessem ter a voz do povo sobre o assunto.
3 E aconteceu que eles não encontraram nenhuma maneira de libertar-se do cativeiro, a não ser que levassem suas mulheres e filhos e seus rebanhos e seus rebanhos e suas tendas e partisse para o deserto;
4 Por serem os lamanitas tão numerosos que era impossível para o povo de Lími contender com eles, pensando libertar-se da escravidão pela espada.
5 Ora, aconteceu que Gideão saiu e apresentou-se diante do rei e disse-lhe: Agora, ó rei, até agora ouviste minhas palavras muitas vezes quando discutimos com nossos irmãos, os lamanitas.
6 E agora, ó rei, se tu não me achaste um servo inútil, ou se até agora tens ouvido minhas palavras em qualquer grau, e elas têm sido úteis a ti, mesmo assim eu desejo que tu ouças meu palavras neste tempo, e eu serei teu servo, e livrarei este povo da escravidão.
7 E o rei concedeu-lhe que falasse.
8 E Gideão lhe disse: Eis que a passagem de trás pela parede de trás, na parte de trás da cidade.
9 Os lamanitas, ou os guardas dos lamanitas, à noite ficam bêbados; por isso, enviemos uma proclamação a todo este povo, para que ajuntem os seus rebanhos e manadas, para que os expulsem de noite no deserto.
10 E irei de acordo com tua ordem e pagarei o último tributo de vinho aos lamanitas e eles ficarão bêbados; e passaremos pela passagem secreta à esquerda do acampamento deles, quando estiverem bêbados e dormindo;
11 Assim partiremos com nossas mulheres e nossos filhos, nossos rebanhos e nossas manadas, para o deserto; e percorreremos a terra de Silom.
12 E aconteceu que o rei deu ouvidos às palavras de Gideão.
13 E o rei Lími fez com que seu povo reunisse seus rebanhos; e enviou o tributo do vinho aos lamanitas; e ele também enviou mais vinho, como um presente para eles; e eles beberam livremente do vinho que o rei Lími lhes enviou.

14 E aconteceu que o povo do rei Lími partiu à noite para o deserto com seus rebanhos e suas manadas, e eles rodearam a terra de Silom no deserto e seguiram seu curso para a terra de Zaraenla, sendo conduzidos por Amon e seus irmãos.
15 E eles haviam levado todo o seu ouro e prata e suas coisas preciosas que podiam carregar; e também suas provisões com eles, para o deserto; e seguiram viagem.
16 E depois de muitos dias no deserto, eles chegaram à terra de Zaraenla e se juntaram a seu povo e se tornaram seus súditos.
17 E aconteceu que Mosias os recebeu com alegria; e ele também recebeu seus registros, e também os registros que foram encontrados pelo povo de Lími.
18 E então aconteceu que quando os lamanitas descobriram que o povo de Lími havia saído da terra à noite, enviaram um exército ao deserto para persegui-los;
19 E depois de os terem perseguido por dois dias, não puderam mais seguir seus rastros; portanto, eles foram perdidos no deserto.

 

Mosias, Capítulo 11

Um relato de Alma e do povo do Senhor, que foram expulsos para o deserto pelo povo do rei Noé.
1 Ora, Alma, tendo sido avisado pelo Senhor de que os exércitos do rei Noé viriam sobre eles, e deram a conhecer a seu povo, eles reuniram seus rebanhos e tomaram de seus grãos e partiram para o deserto antes do exércitos do rei Noé.
2 E o Senhor os fortaleceu, para que o povo do rei Noé não pudesse alcançá-los, para destruí-los.
3 E eles fugiram de jornada de oito dias para o deserto.
4 E chegaram a uma terra, sim, uma terra muito bela e agradável; uma terra de água pura.
5 E eles armaram suas tendas, e começaram a lavrar o solo, e começaram a construir edifícios, etc.; sim, eles eram diligentes e trabalhavam muito.
6 E o povo desejava que Alma fosse seu rei, pois era amado por seu povo.
7 Mas ele lhes disse: Eis que não convém que tenhamos um rei; pois assim diz o Senhor: Não considerareis uma carne acima de outra, nem um homem se considerará acima de outro; por isso vos digo que não convém que tenhais um rei.
8 No entanto, se fosse possível que sempre tivésseis homens justos para serem vossos reis, seria bom que tivésseis um rei.
9 Mas lembre-se da iniqüidade do rei Noé e seus sacerdotes; e eu mesmo fui apanhado no laço e fiz muitas coisas abomináveis aos olhos do Senhor, o que me causou grande arrependimento;
10 No entanto, depois de muita tribulação, o Senhor ouviu meus clamores e respondeu minhas orações, e me fez um instrumento em suas mãos, para levar tantos de vocês ao conhecimento de sua verdade.
11 No entanto, nisso não me glorio, pois sou indigno de me gloriar de mim mesmo.
12 E agora vos digo que fostes oprimidos pelo rei Noé, e fostes escravos dele e de seus sacerdotes, e por eles fostes levados à iniqüidade; por isso fostes presos com as ligaduras da iniqüidade.
13 E agora que fostes libertos, pelo poder de Deus, destas cadeias;
14 Sim, mesmo das mãos do rei Noé e de seu povo, e também dos laços da iniqüidade, assim desejo que permaneçais firmes nesta liberdade com a qual fostes libertos, e que não confieis que nenhum homem seja um rei sobre você;
15 E também não confiando em ninguém para ser seu mestre ou seu ministro, a não ser que seja um homem de Deus, andando em seus caminhos e guardando seus mandamentos.
16 Assim Alma ensinou a seu povo que todo homem deve amar o próximo como a si mesmo; que não deve haver contenda entre eles.
17 E agora Alma era seu sumo sacerdote, sendo ele o fundador de sua igreja.
18 E aconteceu que ninguém recebeu autoridade para pregar ou ensinar, a menos que fosse por ele da parte de Deus.
19 Por isso consagrou todos os seus sacerdotes, e todos os seus mestres, e ninguém foi consagrado senão homens justos.
20 Por isso velavam pelo seu povo, e o alimentavam com coisas pertinentes à justiça.
21 E aconteceu que eles começaram a prosperar muito na terra; e chamaram a terra de Helam.
22 E aconteceu que eles se multiplicaram e prosperaram muito na terra de Helam; e eles construíram uma cidade, que eles chamaram de cidade de Helam.
23 Não obstante, o Senhor achou por bem castigar o seu povo; sim, ele prova sua paciência e sua fé.
24 Contudo, todo aquele que nele põe a sua confiança, será levantado no último dia.
25 Sim, e assim foi com este povo.
26 Pois eis que vos mostrarei que foram escravizados e ninguém os pôde livrar senão o Senhor seu Deus; sim, o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó.
27 E aconteceu que ele os libertou e mostrou-lhes seu grande poder e grande foi a sua alegria.
28 Pois eis que aconteceu que enquanto estavam na terra de Helã, sim, na cidade de Helã, enquanto lavravam a terra ao redor, eis que um exército de lamanitas estava nas fronteiras da terra.
29 Ora, aconteceu que os irmãos de Alma fugiram de seus campos e se reuniram na cidade de Helã; e ficaram muito assustados por causa do aparecimento dos lamanitas.
30 Mas Alma saiu e pôs-se no meio deles e exortou-os a que não se amedrontassem, mas que se lembrassem do Senhor seu Deus, e ele os livraria;
31 Portanto, eles silenciaram seus temores e começaram a clamar ao Senhor para que abrandasse o coração dos lamanitas, para que os poupassem, bem como a suas esposas e filhos.
32 E aconteceu que o Senhor abrandou o coração dos lamanitas.
33 E Alma e seus irmãos saíram e se entregaram em suas mãos; e os lamanitas tomaram posse da terra de Helã.
34 Ora, os exércitos dos lamanitas que haviam seguido o povo do rei Lími estavam perdidos no deserto por muitos dias.
35 E eis que eles encontraram aqueles sacerdotes do rei Noé, em um lugar que chamaram de Amulon; e eles começaram a possuir a terra de Amulon, e começaram a lavrar o solo.
36 Ora, o nome do líder daqueles sacerdotes era Amulon.
37 E aconteceu que Amulon suplicou aos lamanitas; e também enviou suas esposas, que eram filhas dos lamanitas, para suplicar a seus irmãos que não destruíssem seus maridos.
38 E os lamanitas tiveram compaixão de Amulon e seus irmãos e não os destruíram por causa de suas esposas.
39 E Amulon e seus irmãos juntaram-se aos lamanitas e estavam viajando pelo deserto em busca da terra de Néfi, quando descobriram a terra de Helã, que era possuída por Alma e seus irmãos.
40 E aconteceu que os lamanitas prometeram a Alma e a seus irmãos que, se lhes mostrassem o caminho que conduzia à terra de Néfi, conceder-lhes-iam a vida e a liberdade.
41 Mas depois que Alma lhes mostrou o caminho que levava à terra de Néfi, os lamanitas não cumpriram sua promessa; mas puseram guardas ao redor da terra de Helã, sobre Alma e seus irmãos.
42 E o restante deles foi para a terra de Néfi; e uma parte deles voltou para a terra de Helam, e também trouxe consigo as mulheres e os filhos dos guardas que ficaram na terra.
43 E o rei dos lamanitas havia concedido a Amulon que ele fosse rei e governante de seu povo, que estava na terra de Helã; não obstante, ele não deve ter poder para fazer nada contrário à vontade do rei dos lamanitas.
44 E aconteceu que Amulon obteve favor aos olhos do rei dos lamanitas; portanto, o rei dos lamanitas concedeu a ele e a seus irmãos que fossem designados mestres de seu povo;
45 Sim, sobre o povo que estava na terra de Shemlon, e na terra de Silom, e na terra de Amulon:
46 Pois os lamanitas haviam tomado posse de todas essas terras; portanto, o rei dos lamanitas designou reis sobre todas estas terras:
47 E agora o nome do rei dos lamanitas era Lamã, sendo chamado pelo nome de seu pai; e, portanto, ele foi chamado Rei Lamã.
48 E ele era rei sobre um povo numeroso; e designou professores dos irmãos de Amulon, em todas as terras que seu povo possuía;
49 E assim a língua de Néfi começou a ser ensinada entre todo o povo lamanita.
50 E eles eram um povo amigo um do outro; não obstante, eles não conheciam a Deus; nem os irmãos de Amulon lhes ensinaram coisa alguma sobre o Senhor seu Deus, nem sobre a lei de Moisés;
51 Nem lhes ensinaram as palavras de Abinádi; mas ensinaram-lhes que deveriam manter seu registro e que poderiam escrever um ao outro.
52 E assim os lamanitas começaram a aumentar suas riquezas e a comerciar uns com os outros e a se tornarem grandes e começaram a ser um povo astuto e sábio quanto à sabedoria do mundo;
53 Sim, um povo muito astuto; deleitando-se em todo tipo de maldade e pilhagem, exceto entre seus próprios irmãos.
54 E então aconteceu que Amulon começou a exercer autoridade sobre Alma e seus irmãos e começou a persegui-lo e a fazer com que seus filhos perseguissem seus filhos;
55 Pois Amulon sabia que Alma tinha sido um dos sacerdotes do rei e que foi ele quem acreditou nas palavras de Abinádi e foi expulso perante o rei; e, portanto, ele estava irado com ele, pois ele estava sujeito ao rei Lamã;
56 No entanto, ele exerceu autoridade sobre eles, e colocou tarefas sobre eles, e colocou mestres de tarefas sobre eles.
57 E aconteceu que tão grandes eram suas aflições, que começaram a clamar fortemente a Deus.
58 E Amulon ordenou-lhes que parassem com seus gritos; e colocou guardas sobre eles para vigiá-los, para que todo aquele que fosse achado invocando a Deus fosse morto.
59 E Alma e seu povo não ergueram a voz ao Senhor seu Deus, mas abriram-lhe o coração; e ele conhecia os pensamentos de seus corações.
60 E aconteceu que a voz do Senhor veio a eles em suas aflições, dizendo: Levantai a cabeça e tende bom ânimo, pois sei do convênio que fizestes comigo; e farei aliança com este meu povo, e os livrarei da escravidão.
61 E também aliviarei as cargas que são colocadas sobre seus ombros, para que nem mesmo você possa senti-las em suas costas, mesmo enquanto estiver em cativeiro;
62 E isto farei, para que sirvais de testemunhas por mim no futuro, e para que saibais com certeza que eu, o Senhor Deus, visito meu povo em suas aflições.
63 E então aconteceu que os fardos que pesavam sobre Alma e seus irmãos se tornaram leves;
64 Sim, o Senhor os fortaleceu para que pudessem carregar seus fardos com facilidade e submeteram-se com alegria e paciência a toda a vontade do Senhor.
65 E aconteceu que tão grande era sua fé e sua paciência, que a voz do Senhor veio a eles novamente, dizendo: Tende bom consolo, porque amanhã vos libertarei da escravidão.
66 E ele disse a Alma: Tu irás adiante deste povo e eu irei contigo e libertarei este povo do cativeiro.
67 Ora, aconteceu que Alma e seu povo, durante a noite, reuniram seus rebanhos e também seus cereais; sim, mesmo durante toda a noite eles estavam reunindo seus rebanhos.
68 E de manhã o Senhor fez cair um sono profundo sobre as lamanidades, sim, e todos os seus capatazes estavam em profundo sono.
69 E Alma e seu povo partiram para o deserto; e depois de terem viajado o dia todo, armaram suas tendas em um vale e chamaram o vale de Alma, porque ele os conduziu no deserto;
70 Sim, e no vale de Alma eles deram graças a Deus porque ele foi misericordioso com eles e aliviou seus fardos e os libertou do cativeiro;
71 Pois eles estavam em escravidão, e ninguém poderia livrá-los, a não ser o Senhor seu Deus.
72 E deram graças a Deus, sim, todos os seus homens, e todas as suas mulheres, e todos os seus filhos, que podiam falar, levantaram suas vozes em louvores a seu Deus.
73 E então o Senhor disse a Alma: Apressa-te e tira tu e este povo desta terra, pois os lamanitas despertaram e te perseguem;
74 Portanto, saia desta terra, e eu deterei os lamanitas neste vale, para que não venham mais adiante em busca deste povo.
75 E aconteceu que eles partiram do vale e fizeram sua jornada para o deserto.
76 E depois de terem estado doze dias no deserto, chegaram à terra de Zaraenla; e o rei Mosias também os recebeu com alegria.
77 E agora o rei Mosias fez com que todo o povo se reunisse.
78 Ora, não havia tantos filhos de Néfi, ou tantos descendentes de Néfi, como havia do povo de Zaraenla, que era descendente de Mulok, e os que vieram com ele para o deserto ;
79 E não havia tantos do povo de Néfi e do povo de Zaraenla como havia dos lamanitas: sim, eles não eram nem metade desse número.
80 E agora todo o povo de Néfi estava reunido, e também todo o povo de Zaraenla, e estavam reunidos em dois corpos.
81 E aconteceu que Mosias leu e fez ler os registros de Zênife a seu povo; sim, ele leu os registros do povo de Zênife, desde o momento em que deixaram a terra de Zaraenla até retornarem novamente.
82 E ele também leu o relato de Alma e seus irmãos e todas as suas aflições, desde o momento em que deixaram a terra de Zaraenla até o momento em que retornaram.
83 E agora, quando Mosias terminou de ler os registros, seu povo que permaneceu na terra ficou impressionado e maravilhado, pois não sabia o que pensar;
84 Pois quando viram os que haviam sido libertos da escravidão, encheram-se de grande alegria.
85 E novamente, quando pensaram em seus irmãos que haviam sido mortos pelos lamanitas, encheram-se de tristeza e até mesmo derramaram muitas lágrimas de tristeza;
86 E novamente, quando pensaram na bondade imediata de Deus e em seu poder em libertar Alma e seus irmãos das mãos dos lamanitas e do cativeiro, levantaram a voz e agradeceram a Deus.
87 E novamente, quando pensaram nos lamanitas, que eram seus irmãos, em seu estado pecaminoso e poluído, encheram-se de dor e angústia, pelo bem-estar de sua alma.
88 E aconteceu que aqueles que eram filhos de Amulon e seus irmãos, que haviam se casado com as filhas dos lamanitas, ficaram descontentes com a conduta de seus pais,
89 E eles não mais seriam chamados pelos nomes de seus pais; portanto, tomaram sobre si o nome de Néfi, para que pudessem ser chamados filhos de Néfi e serem contados entre os chamados nefitas.
90 E agora todo o povo de Zaraenla foi contado com os nefitas, e isso porque o reino não havia sido conferido a ninguém, a não ser aos descendentes de Néfi.
91 E então aconteceu que quando Mosias terminou de falar e ler ao povo, ele desejou que Alma também falasse ao povo.
92 E Alma falou com eles, quando estavam reunidos em grandes grupos, e ele foi de um corpo para outro pregando ao povo arrependimento e fé no Senhor.
93 E exortou o povo de Lími e seus irmãos, todos os que haviam sido libertados da escravidão, para que se lembrassem de que foi o Senhor que os libertou.
94 E aconteceu que depois que Alma ensinou muitas coisas ao povo e terminou de falar com eles, o rei Lími desejou ser batizado; e todo o seu povo desejava ser batizado também.
95 Portanto Alma entrou na água e os batizou; sim, ele os batizou da mesma maneira que batizou seus irmãos nas águas de Mórmon;
96 Sim, e todos quantos ele batizou pertenciam à igreja de Deus; e isso por causa de sua crença nas palavras de Alma.
97 E aconteceu que o rei Mosias concedeu a Alma o estabelecimento de igrejas em toda a terra de Zaraenla; e deu-lhe poder para ordenar sacerdotes e mestres sobre todas as igrejas.
98 Agora isso foi feito porque havia tantas pessoas que nem todas podiam ser governadas por um professor; nem todos podiam ouvir a palavra de Deus em uma assembléia; portanto, eles se reuniram em corpos diferentes, sendo chamados de igrejas;
99 Cada igreja tendo seus sacerdotes e seus mestres, e cada sacerdote pregando a palavra conforme lhe foi entregue pela boca de Alma;
100 E assim, apesar de haver muitas igrejas, todas elas eram uma igreja; sim, mesmo a igreja de Deus:
101 Pois nada foi pregado em todas as igrejas a não ser arrependimento e fé em Deus.
102 E agora havia sete igrejas na terra de Zaraenla.
103 E aconteceu que todos os que desejavam tomar sobre si o nome de Cristo, ou de Deus, filiavam-se às igrejas de Deus; e eles foram chamados o povo de Deus.
104 E o Senhor derramou seu Espírito sobre eles, e eles foram abençoados e prosperaram na terra.
105 Ora, aconteceu que havia muitos da nova geração que não podiam compreender as palavras do rei Benjamim, sendo criancinhas na época em que falou a seu povo; e não acreditaram na tradição de seus pais.
106 Eles não creram no que foi dito sobre a ressurreição dos mortos; nem eles creram a respeito da vinda de Cristo.
107 E agora por causa de sua incredulidade, eles não podiam entender a palavra de Deus; e seus corações foram endurecidos.
108 E eles não queriam ser batizados; nem eles se juntariam à igreja.
109 E eles eram um povo separado quanto à sua fé, e assim permaneceram para sempre, mesmo em seu estado carnal e pecaminoso; pois não invocariam o Senhor seu Deus.
110 E agora, no reinado de Mosias, eles não eram nem metade do número do povo de Deus; mas por causa das dissensões entre os irmãos, eles se tornaram mais numerosos.
111 Pois aconteceu que enganaram a muitos com suas palavras lisonjeiras, que estavam na igreja, e os fizeram cometer muitos pecados;
112 Portanto, tornou-se necessário que aqueles que cometeram pecado que estavam na igreja fossem admoestados pela igreja.
113 E aconteceu que foram levados perante os sacerdotes e entregues aos sacerdotes pelos mestres; e os sacerdotes os trouxeram perante Alma, que era o sumo sacerdote.
114 Agora o rei Mosias havia dado a Alma a autoridade sobre a igreja.
115 E aconteceu que Alma não sabia a respeito deles, pois havia muitas testemunhas contra eles; sim, o povo ficou de pé e testificou de sua iniqüidade em abundância.
116 Agora, nada disso havia acontecido antes, na igreja; portanto Alma estava perturbado em seu espírito e fez com que fossem levados perante o rei.
117 E disse ao rei: Eis que aqui estão muitos que trouxemos diante de ti, que são acusados de seus irmãos; sim, e foram apanhados em diversas iniqüidades.
118 E não se arrependem de suas iniqüidades; por isso os trouxemos diante de ti, para que os julgues segundo os seus crimes.
119 Mas o rei Mosias disse a Alma: Eis que não os julgo; por isso os entrego nas tuas mãos para serem julgados.
120 E agora o espírito de Alma estava novamente perturbado; e ele foi e perguntou ao Senhor o que ele deveria fazer a respeito deste assunto, pois ele temia que ele fizesse o que era errado aos olhos de Deus.
121 E aconteceu que depois de ter derramado toda a sua alma a Deus, a voz do Senhor veio a ele, dizendo: Bendito és tu, Alma, e abençoados são os que foram batizados nas águas de Mórmon.
122 Tu és abençoado por causa de tua grande fé nas palavras somente de meu servo, Abinádi.
123 E bem-aventurados eles são por causa de sua grande fé nas palavras que tu lhes disseste.
124 E bem-aventurado és tu porque estabeleceste uma igreja entre este povo; e eles serão estabelecidos, e eles serão o meu povo.
125 Sim, bem-aventurado é este povo que está disposto a levar meu nome; porque em meu nome serão chamados; e são meus.
126 E porque tu me perguntaste sobre o transgressor, tu és abençoado.
127 Tu és meu servo; e faço convênio contigo de que terás a vida eterna; e tu me servirás, e sairás em meu nome, e reunirás as minhas ovelhas.
128 E aquele que ouvir minha voz, será minha ovelha; e a ele recebereis na igreja; e a ele também o receberei.
129 Pois eis que esta é a minha igreja: todo aquele que for batizado, será batizado para arrependimento.
130 E todo aquele que receberdes, crerá em meu nome; e a ele perdoarei livremente:
131 Pois sou eu que levo sobre mim os pecados do mundo; pois fui eu que os criei; e sou eu que concedo ao que crer no final, um lugar à minha direita.
132 Pois eis que em meu nome são chamados; e se me conhecerem, sairão e terão um lugar eternamente à minha direita.
133 E acontecerá que quando a segunda trombeta soar, então aqueles que nunca me conheceram sairão e estarão diante de mim;
134 E então saberão que eu sou o Senhor seu Deus, que sou seu Redentor; mas eles não seriam redimidos.
135 E então confessarei a eles que nunca os conheci; e partirão para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos.
136 Por isso vos digo que aquele que não ouvir a minha voz, esse não recebereis em minha igreja, pois não o receberei no último dia:
137 Por isso vos digo: Ide; e qualquer que transgredir contra mim, ele deve ser julgado de acordo com os pecados que ele cometeu;
138 E se ele confessar seus pecados diante de ti e de mim e se arrepender na sinceridade de seu coração, vós o perdoareis e eu também o perdoarei;
139 Sim, e sempre que meu povo se arrepender, perdoarei suas ofensas contra mim.
140 E vós também perdoareis uns aos outros as vossas ofensas; porque em verdade vos digo que aquele que não perdoa as ofensas do seu próximo, dizendo que se arrepende, é condenado.
141 Agora eu vos digo: Vão; e quem não se arrepender de seus pecados, esse não será contado entre o meu povo: e isso será observado de agora em diante.
142 E aconteceu que, quando Alma ouviu essas palavras, escreveu-as para tê-las e para julgar o povo daquela igreja, de acordo com os mandamentos de Deus.
143 E aconteceu que Alma foi e julgou os que haviam sido apanhados em iniqüidade, de acordo com a palavra do Senhor.
144 E todos os que se arrependeram de seus pecados e os confessaram, os contou entre o povo da igreja;
145 E aqueles que não confessaram seus pecados e se arrependeram de sua iniqüidade, os mesmos não foram contados entre as pessoas da igreja, e seus nomes foram apagados.
146 E aconteceu que Alma regulou todos os assuntos da igreja;
147 E eles começaram novamente a ter paz e a prosperar muito nos negócios da igreja; andando circunspectamente diante de Deus; recebendo muitos e batizando muitos.
148 E agora todas essas coisas fizeram Alma e seus companheiros de trabalho, que estavam sobre a igreja; andando com toda diligência, ensinando a palavra de Deus em todas as coisas, sofrendo todo tipo de aflições; sendo perseguido por todos aqueles que não pertenciam à igreja de Deus.
149 E eles advertiram seus irmãos; e eles também foram admoestados, cada um, pela palavra de Deus, de acordo com seus pecados, ou com os pecados que ele havia cometido; sendo ordenado por Deus a orar sem cessar, e dar graças em todas as coisas.
150 E então aconteceu que as perseguições que foram infligidas à igreja pelos incrédulos tornaram-se tão grandes, que a igreja começou a murmurar e queixar-se a seus líderes sobre o assunto; e reclamaram com Alma.
151 E Alma apresentou o caso perante seu Rei Mosias. E Mosias consultou seus sacerdotes.
152 E aconteceu que o rei Mosias enviou uma proclamação por toda a terra ao redor, para que nenhum incrédulo perseguisse qualquer um daqueles que pertenciam à igreja de Deus:
153 E havia uma ordem estrita em todas as igrejas, para que não houvesse perseguições entre elas, para que houvesse igualdade entre todos os homens; que eles não devem deixar orgulho ou altivez perturbar sua paz;
154. Que cada um considere o seu próximo como a si mesmo, trabalhando com as próprias mãos para o seu sustento;
155 Sim, e todos os seus sacerdotes e mestres devem trabalhar com suas próprias mãos para seu sustento, em todos os casos, exceto em caso de doença ou muita necessidade: e fazendo essas coisas, eles abundaram na graça de Deus.
156 E começou a haver muita paz novamente na terra; e o povo começou a ser muito numeroso e começou a se espalhar pela face da terra;
157 Sim, no norte e no sul, no leste e no oeste, construindo grandes cidades e aldeias em todas as partes da terra.
158 E o Senhor os visitou, e os fez prosperar, e eles se tornaram um povo grande e rico.
159 Ora, os filhos de Mosias foram contados entre os incrédulos; e também um dos filhos de Alma foi contado entre eles, sendo chamado Alma, em homenagem a seu pai; não obstante, tornou-se um homem muito perverso e idólatra.
160 E ele era um homem de muitas palavras, e muito lisonjeava ao povo; por isso ele levou muitos do povo a agir conforme a maneira de suas iniqüidades.
161 E ele se tornou um grande empecilho para a prosperidade da igreja de Deus; roubando o coração do povo, causando muita dissensão entre o povo; dando uma chance para o inimigo de Deus exercer seu poder sobre eles.
162 E então aconteceu que, enquanto ele ia destruir a igreja de Deus, porque andava secretamente com os filhos de Mosias, procurando destruir a igreja e desviar o povo do Senhor, contrariando os mandamentos de Deus, ou mesmo do rei;
163 E como eu vos disse, enquanto andavam rebelando-se contra Deus, eis que o anjo do Senhor apareceu a eles; e desceu como numa nuvem; e ele falou como se fosse com uma voz de trovão, que fez tremer a terra sobre a qual eles estavam;
164 E tão grande foi o espanto deles, que caíram por terra, e não entenderam as palavras que ele lhes disse.
165 Não obstante ele clamou novamente, dizendo: Alma, levanta-te e levanta-te, pois por que persegues a igreja de Deus?
166 Pois o Senhor disse: Esta é a minha igreja, e eu a estabelecerei; e nada a derrubará, a não ser a transgressão do meu povo.
167 E novamente o anjo disse: Eis que o Senhor ouviu as orações de seu povo e também as orações de seu servo Alma, que é teu pai:
168 Pois ele tem orado com muita fé a teu respeito, para que sejas levado ao conhecimento da verdade;
169 Por isso vim para te convencer do poder e autoridade de Deus, para que as orações de seus servos sejam respondidas de acordo com sua fé.
170 E agora eis que podeis disputar o poder de Deus?
171 Pois eis que minha voz não faz tremer a terra?
172 E não podeis também ver-me diante de vós?
173 E eu sou enviado de Deus.
174 Agora te digo: Vai e lembra-te do cativeiro de teus pais na terra de Helam e na terra de Néfi; e lembre-se de quão grandes coisas ele fez por eles: porque eles estavam em cativeiro, e ele os livrou.
175 E agora te digo: Alma, vai e não procuras destruir mais a igreja, para que suas orações sejam respondidas; e isso mesmo que você mesmo queira ser rejeitado.
176 E então aconteceu que estas foram as últimas palavras que o anjo falou a Alma e ele partiu.
177 E então Alma e os que estavam com ele caíram novamente por terra, pois grande foi seu espanto; pois com seus próprios olhos viram um anjo do Senhor; e sua voz era como um trovão, que sacudiu a terra;
178 E eles sabiam que não havia nada exceto o poder de Deus, que pudesse abalar a terra e fazê-la tremer, como se ela fosse se partir.
179 E agora o espanto de Alma foi tão grande, que ele ficou mudo, que não conseguia abrir a boca; sim, e ele ficou fraco, mesmo que ele não pudesse mover suas mãos:
180 Por isso foi levado por aqueles que estavam com ele, e levado indefeso, até que foi colocado diante de seu pai.
181 E eles relataram a seu pai tudo o que lhes havia acontecido; e seu pai se alegrou, pois sabia que era o poder de Deus.
182 E ele fez com que uma multidão se reunisse, para que testemunhassem o que o Senhor havia feito por seu filho, e também por aqueles que estavam com ele.
183 E ele fez com que os sacerdotes se reunissem; e começaram a jejuar e a orar ao Senhor seu Deus para que abrisse a boca de Alma para que falasse;
184 E também para que seus membros recebam sua força, para que os olhos do povo possam ser abertos para ver e conhecer a bondade e glória de Deus.
185 E aconteceu que depois de terem jejuado e orado pelo espaço de dois dias e duas noites, os membros de Alma receberam sua força e ele se levantou e começou a falar com eles, ordenando-lhes que tivessem bom consolo:
186 Pois, disse ele, arrependi-me de meus pecados e fui redimido pelo Senhor; eis que nasci do Espírito.
187 E o Senhor me disse: Não se maravilhe que toda a humanidade, sim, homens e mulheres, todas as nações, tribos, línguas e povos, deve nascer de novo;
188 Sim, nascidos de Deus, mudados de seu estado carnal e caído, para um estado de retidão, sendo redimidos por Deus, tornando-se seus filhos e filhas; e assim eles se tornam novas criaturas; e a menos que o façam, de modo algum podem herdar o reino de Deus.
189 Digo-vos: A menos que este seja o caso, eles devem ser rejeitados; e isso eu sei, porque eu estava prestes a ser rejeitado.
190 Não obstante, depois de passar por muitas tribulações, arrependendo-se quase até a morte, o Senhor em misericórdia achou por bem me arrebatar do fogo eterno, e eu nasci de Deus;
191 Minha alma foi redimida do fel da amargura e dos laços da iniqüidade.
192 Eu estava no abismo mais escuro; mas agora contemplo a maravilhosa luz de Deus.
193 Minha alma foi destruída com tormento eterno; mas fui arrebatado, e minha alma não sofre mais.
194 Rejeitei meu Redentor, e neguei o que foi falado por nossos pais;
195 Mas agora que eles podem prever que ele virá, e que ele se lembra de toda criatura de sua criação;
196 Ele se manifestará a todos; sim, todo joelho se dobrará e toda língua confessará diante dele.
197 Sim, mesmo no último dia, quando todos os homens forem julgados por ele, então eles confessarão que ele é Deus;
198 Então eles confessarão, que vivem sem Deus no mundo, que o julgamento de um castigo eterno é justo sobre eles;
199 E eles tremerão, estremecerão, e encolherão sob o olhar de seu olho que tudo perscruta.
200 E então aconteceu que Alma começou a partir deste momento a ensinar o povo e aqueles que estavam com Alma na ocasião em que o anjo lhes apareceu:
201 Percorrendo toda a terra, anunciando a todo o povo o que tinham ouvido e visto, e pregando a palavra de Deus em muitas tribulações, sendo grandemente perseguidos pelos incrédulos, sendo feridos por muitos deles;
202 Mas, apesar de tudo isso, eles deram muita consolação à igreja, confirmando sua fé e exortando-os com longanimidade e muito trabalho, a guardar os mandamentos de Deus.
203 E quatro deles eram filhos de Mosias; e seus nomes eram Amon, Aarão, Ômner e Himni; estes eram os nomes dos filhos de Mosias.
204 E eles viajaram por toda a terra de Zaraenla, e entre todo o povo que estava sob o reinado do Rei Mosias, zelosamente se esforçando para reparar todos os danos que haviam feito à igreja:
205 Confessando todos os seus pecados, e publicando todas as coisas que viram, e explicando as profecias e as escrituras a todos os que desejavam ouvi-las:
206 E assim foram instrumentos nas mãos de Deus, levando muitos ao conhecimento da verdade, sim, ao conhecimento de seu Redentor.
207 E quão abençoados eles são! Pois eles publicaram a paz; eles publicaram boas notícias do bem; e eles declararam ao povo que o Senhor reina.

 

Mosias, Capítulo 12

1 Ora, aconteceu que depois que os filhos de Mosias fizeram todas essas coisas, levaram um pequeno número consigo e voltaram para seu pai, o rei, e pediram-lhe que lhes concedesse, para que pudessem, com os que haviam escolhido, subam à terra de Néfi,
2 Para que pregassem as coisas que ouviram e para que transmitissem a palavra de Deus a seus irmãos, os lamanitas, para talvez levá-los ao conhecimento do Senhor seu Deus e convencê-los da iniqüidade de seus pais;
3 E para que talvez pudessem curá-los de seu ódio contra os nefitas, para que também fossem levados a regozijar-se no Senhor seu Deus,
4 Para que se tornassem amigos uns dos outros, e que não houvesse mais contendas em toda a terra que o Senhor seu Deus lhes dera.
5 Agora eles desejavam que a salvação fosse declarada a toda criatura, pois não podiam suportar que qualquer alma humana perecesse;
6 Sim, até mesmo os próprios pensamentos de que qualquer alma deveria suportar tormentos sem fim os fizeram tremer e estremecer.
7 E assim o Espírito do Senhor operou sobre eles, pois eram os mais vis dos pecadores.
8 E o Senhor achou por bem em sua infinita misericórdia poupá-los; no entanto, eles sofreram muita angústia de alma, por causa de suas iniqüidades; e sofrendo muito, temendo ser rejeitados para sempre.
9 E aconteceu que eles suplicaram a seu pai por muitos dias, para que subissem à terra de Néfi.
10 E o rei Mosias foi e perguntou ao Senhor se ele deveria deixar seus filhos subirem entre os lamanitas para pregar a palavra.
11 E o Senhor disse a Mosias: Que subam, porque muitos crerão em suas palavras e terão vida eterna; e livrarei teus filhos das mãos dos lamanitas.
12 E aconteceu que Mosias permitiu que fossem e fizessem de acordo com seu pedido;
13 E eles partiram para o deserto, para subir para pregar a palavra entre os lamanitas; e darei conta de seus procedimentos a seguir.
14 Ora, o rei Mosias não tinha a quem conferir o reino, pois nenhum de seus filhos aceitaria o reino;
15 Portanto, ele pegou os registros que estavam gravados nas placas de latão e também as placas de Néfi e todas as coisas que ele havia guardado e preservado, de acordo com os mandamentos de Deus,
16 Depois de ter traduzido e feito escrever os registros que estavam nas placas de ouro, que foram encontradas pelos habitantes de Lími, que lhe foram entregues pela mão de Lími;
17 E isso ele fez, por causa da grande ansiedade de seu povo, pois eles estavam desejosos além da medida de saber sobre aquelas pessoas que haviam sido destruídas.
18 E agora ele os traduziu por meio daquelas duas pedras que estavam presas nas duas bordas de um arco.
19 Ora, estas coisas foram preparadas desde o princípio e transmitidas de geração em geração, para a interpretação de línguas;
20 E eles foram guardados e preservados pela mão do Senhor, para que ele descubra a toda criatura que possui a terra, as iniqüidades e abominações de seu povo;
21 E quem tem essas coisas, chama-se vidente, como antigamente.
22 Ora, depois que Mosias terminou de traduzir esses registros, eis que deu um relato do povo, que foi destruído, desde o momento em que foi destruído, de volta à construção da grande torre, no momento em que o Senhor confundiu a linguagem de as pessoas;
23 E eles foram espalhados pela face de toda a terra, sim, e desde aquela época até a criação de Adão.
24 Ora, esse relato fez com que o povo de Mosias chorasse muito; sim, eles estavam cheios de tristeza;
25 No entanto, deu-lhes muito conhecimento, no qual se regozijaram.
26 E este relato será escrito a seguir; pois eis que é conveniente que todas as pessoas conheçam as coisas que estão escritas neste relato.

 

Mosias, Capítulo 13

1 E agora, como vos disse, depois de ter feito essas coisas, o rei Mosias tomou as placas de latão e todas as coisas que havia guardado e as entregou a Alma, que era filho de Alma;
2 Sim, todos os registros, e também os intérpretes, e os conferiram a ele e lhe ordenou que os guardasse e os preservasse, e também fizesse um registro do povo, transmitindo-os de geração em geração, assim como eles havia sido transmitido desde o momento em que Leí deixou Jerusalém.
3 Ora, quando Mosias fez isso, enviou por toda a terra, entre todo o povo, desejando conhecer sua vontade a respeito de quem deveria ser seu rei.
4 E aconteceu que veio a voz do povo, dizendo: Desejamos que Arão, teu filho, seja nosso rei e nosso governante.
5 Ora, Arão havia subido à terra de Néfi, portanto o rei não podia conferir-lhe o reino; nem Arão tomaria sobre si o reino;
6 Nenhum dos filhos de Mosias estava disposto a tomar sobre si o reino; portanto, o rei Mosias enviou novamente entre o povo, sim, uma palavra escrita ele enviou entre o povo.
7 E estas foram as palavras que foram escritas; dizendo: Eis, ó povo meu, ou meus irmãos, porque eu os estimo como tal; pois desejo que considereis a causa que sois chamados a considerar; pois desejais ter um rei.
8 Agora eu vos declaro que aquele a quem o reino pertence por direito, declinou, e não tomará sobre si o reino.
9 E agora, se outro for designado em seu lugar, eis que temo que surgissem contendas entre vós;
10 E quem sabe o que meu filho, a quem o reino pertence, se tornará irado e atrairá uma parte deste povo após si, o que causará guerras e contendas entre vocês; que seria a causa de derramar muito sangue e perverter o caminho do Senhor; sim, e destruir as almas de muitas pessoas.
11 Agora vos digo: Sejamos sábios e consideremos estas coisas, pois não temos o direito de destruir meu filho, nem devemos ter o direito de destruir outro, se ele for designado em seu lugar.
12 E se meu filho se voltasse novamente para seu orgulho e coisas vãs, ele se lembraria das coisas que havia dito e reivindicaria seu direito ao reino, o que faria com que ele e também este povo cometessem muitos pecados.
13 E agora sejamos sábios e esperemos por essas coisas, e façamos o que trará paz a este povo.
14 Portanto, serei vosso rei pelo resto dos meus dias;
15 Não obstante, nomeemos juízes para julgar este povo de acordo com a nossa lei, e reorganizaremos os negócios deste povo, pois designaremos juízes para serem juízes, que julgarão este povo de acordo com os mandamentos de Deus.
16 Ora, é melhor que o homem seja julgado por Deus do que pelo homem, porque os juízos de Deus são sempre justos, mas os juízos do homem nem sempre são justos;
17 Portanto, se fosse possível que tivésseis homens justos para serem vossos reis, que estabelecessem as leis de Deus e julgassem este povo segundo os seus mandamentos; sim, se pudésseis ter homens para vossos reis, que fizessem o mesmo que meu pai Benjamim fez por este povo, digo-vos que, se este sempre pudesse ser o caso, então seria conveniente que sempre tivésseis reis para governar. sobre você.
18 E eu mesmo trabalhei com todo o poder e faculdades que possuo para ensinar-vos os mandamentos de Deus e estabelecer a paz em toda a terra,
19 Para que não haja guerras nem contendas, nem furtos, nem saques, nem homicídios, nem qualquer tipo de iniqüidade;
20 E a todo aquele que cometeu iniqüidade, eu o punirei de acordo com o crime que cometeu, de acordo com a lei que nos foi dada por nossos pais.
21 Agora vos digo que, porque nem todos os homens são justos, não é conveniente que tenhais um rei ou reis para governar sobre vós.
22 Pois eis que quanta iniqüidade faz um rei ímpio cometer! sim, e que grande destruição!
23 Sim, lembrai-vos do rei Noé, sua maldade e abominações; e também as maldades e abominações do seu povo.
24 Eis que grande destruição lhes sobreveio; e também por causa de suas iniqüidades, eles foram levados à escravidão.
25 E se não fosse pela interposição de seu todo-sábio Criador, e isso por causa de seu arrependimento sincero, eles deveriam inevitavelmente ter permanecido em cativeiro até agora.
26 Mas eis que ele os livrou, porque eles se humilharam diante dele; e porque clamaram fortemente a ele, ele os libertou da escravidão;
27 E assim o Senhor opera com seu poder em todos os casos entre os filhos dos homens, estendendo o braço de misericórdia para aqueles que confiam nele.
28 E eis que agora vos digo que não podeis destronar um rei iníquo, a não ser por meio de muita contenda e derramamento de muito sangue.
29 Pois eis que ele tem seus amigos na iniqüidade, e mantém seus guardas à sua volta; e despedaça as leis dos que reinaram em retidão antes dele; e pisoteia os mandamentos de Deus;
30 E ele decreta leis, e as envia entre seu povo; sim, leis segundo a maneira de sua própria maldade; e quem não obedece às suas leis; ele faz com que seja destruído;
31 E quem se rebelar contra ele, enviará seus exércitos contra eles para a guerra e, se puder, os destruirá;
32 E assim um rei injusto perverte os caminhos de toda justiça.
33 E agora eis que vos digo: Não é conveniente que tais abominações venham sobre vós;
34 Portanto, escolhei-vos pela voz deste povo, juízes, para que sejais julgados segundo as leis que vos foram dadas por nossos pais, que são corretas e que lhes foram dadas pela mão do Senhor.
35 Ora, não é comum que a voz do povo deseje algo contrário ao que é certo; mas é comum que a menor parte do povo deseje o que não é certo;
36 Portanto observareis isto, e fareis vossa lei fazer vossos negócios pela voz do povo.
37 E se chegar o tempo em que a voz do povo escolher a iniqüidade, então chegará o tempo em que os juízos de Deus virão sobre vocês;
38 Sim, então é o tempo em que ele os visitará com grande destruição, assim como ele visitou até agora esta terra.
39 E agora, se tendes juízes e eles não vos julgam segundo a lei que vos foi dada, podeis fazer com que sejam julgados por um juiz superior;
40 Se os vossos juízes superiores não fizerem juízos justos, fareis reunir um pequeno número dos vossos juízes inferiores, e eles julgarão os vossos juízes superiores, segundo a voz do povo.
41 E ordeno-te que faças estas coisas no temor do Senhor;
42 E ordeno-vos que façais estas coisas, e que não tenhais rei: que se este povo cometer pecados e iniqüidades, eles serão punidos sobre suas próprias cabeças.
43 Pois eis que vos digo: Os pecados de muitos povos foram causados pelas iniqüidades de seus reis; por isso suas iniqüidades são respondidas sobre as cabeças de seus reis.
44 E agora desejo que esta desigualdade não exista mais nesta terra, especialmente entre este meu povo;
45 Mas desejo que esta terra seja uma terra de liberdade, e que todo homem goze igualmente de seus direitos e privilégios, enquanto o Senhor achar conveniente, para que vivamos e herdemos a terra;
46 Sim, mesmo enquanto qualquer de nossa posteridade permanecer na face da terra.
47 E muitas outras coisas escreveu-lhes o rei Mosias, revelando-lhes todas as provações e problemas de um rei justo;
48 Sim, todas as dores de alma por seu povo e também todas as murmurações do povo a seu rei; e ele explicou tudo a eles.
49 E ele lhes disse que essas coisas não deveriam acontecer; mas que o fardo viesse sobre todo o povo, para que cada um pudesse cumprir sua parte.
50 E ele também revelou a eles todas as desvantagens sob as quais eles trabalhavam, por ter um rei injusto para governá-los;
51 Sim, todas as suas iniqüidades e abominações, e todas as guerras e contendas e derramamento de sangue, e o roubo e a pilhagem e a prática de libertinagem e toda sorte de iniqüidades que não podem ser enumeradas,
52 Dizendo-lhes que essas coisas não deveriam ser; que eles eram expressamente repugnantes aos mandamentos de Deus.
53 E então aconteceu que, depois que o rei Mosias enviou essas coisas ao povo, eles se convenceram da veracidade de suas palavras;
54 Portanto, eles abandonaram seus desejos por um rei e ficaram extremamente ansiosos para que cada homem tivesse uma oportunidade igual em toda a terra;
55 Sim, e todo homem expressou a disposição de responder por seus próprios pecados.
56 Portanto, aconteceu que se ajuntaram em grupos por toda a terra, para lançar suas vozes sobre quem deveria ser seus juízes, para julgá-los de acordo com a lei que lhes fora dada;
57 E eles se regozijaram muito, por causa da liberdade que lhes havia sido concedida.
58 E fortaleceram-se em amor por Mosias; sim, eles o estimavam mais do que qualquer outro homem:
59 Pois não o consideravam um tirano, que buscava lucro, sim, aquele lucro que corrompe a alma,
60 Pois não lhes havia exigido riquezas, nem se deleitava no derramamento de sangue; mas ele havia estabelecido a paz na terra e havia concedido ao seu povo que eles fossem libertados de todo tipo de escravidão;
61 Portanto, eles o estimaram, sim, excessivamente, além da medida.
62 E aconteceu que nomearam juízes para governá-los ou julgá-los de acordo com a lei; e isso eles fizeram em toda a terra.
63 E aconteceu que Alma foi designado para ser o juiz supremo; sendo ele também o sumo sacerdote; seu pai lhe conferiu o ofício e lhe deu o encargo de todos os assuntos da igreja.
64 E então aconteceu que Alma andou nos caminhos do Senhor e guardou seus mandamentos e julgou julgamentos justos; e houve paz contínua na terra;
65 E assim começou o reinado dos juízes em toda a terra de Zaraenla, entre todo o povo que era chamado de nefitas: E Alma foi o primeiro e supremo juiz.
66 E então aconteceu que seu pai morreu, com oitenta e dois anos, tendo vivido para cumprir os mandamentos de Deus.
67 E aconteceu que Mosias também morreu, no trigésimo terceiro ano de seu reinado, com sessenta e três anos, totalizando quinhentos e nove anos desde que Leí deixou Jerusalém;
68 E assim terminou o reinado dos reis sobre o povo de Néfi; e assim terminou os dias de Alma, que foi o fundador de sua igreja.

Biblioteca das Escrituras:

Dica de pesquisa

Digite uma única palavra ou use aspas para pesquisar uma frase inteira (por exemplo, "porque Deus amou o mundo de tal maneira").

scripture

Para recursos adicionais, visite nosso Recursos para membros página.