O Livro de Jacó

O Livro de Jacó

O Irmão de Néfi

Capítulo 1

As palavras de sua pregação a seus irmãos. Ele confunde um homem que procura derrubar a doutrina de Cristo. Algumas palavras a respeito da história do povo de Néfi.1 Pois eis que aconteceu que cinqüenta e cinco anos haviam se passado desde o momento em que Leí deixou Jerusalém; portanto, Néfi deu a mim, Jacó, um mandamento referente a essas placas menores, nas quais essas coisas estão gravadas.
2 E ele me deu, Jacó, um mandamento de que eu escrevesse nestas placas algumas das coisas que eu considerava mais preciosas: que eu não deveria tocar, a menos que fosse levemente, a respeito da história deste povo, que são chamados de povo de Néfi.
3 Pois ele disse que a história de seu povo deveria ser gravada em suas outras placas e que eu deveria preservar essas placas e entregá-las à minha descendência, de geração em geração.
4 E se houvesse pregação que fosse sagrada, ou revelação que fosse grande, ou profecia, que eu gravasse as cabeças deles nestas placas e tocasse nelas tanto quanto fosse possível, por amor de Cristo e por amor da nossa gente:
5 Pois por causa da fé e grande ansiedade, verdadeiramente nos foi manifestado a respeito de nosso povo, o que deveria acontecer a eles.
6 E também tivemos muitas revelações e o espírito de muitas profecias; portanto, sabíamos de Cristo e seu reino, que deveria vir.
7 Portanto, trabalhamos diligentemente entre nosso povo para persuadi-los a vir a Cristo e participar da bondade de Deus, para que eles possam entrar em seu descanso, para que ele não jure em sua ira que eles não entrarão dentro, como na provocação nos dias da tentação, enquanto os filhos de Israel estavam no deserto.
8 Portanto, desejaríamos a Deus que pudéssemos persuadir todos os homens a não se rebelarem contra Deus, para provocá-lo à ira, mas que todos cressem em Cristo, e vissem a sua morte, e sofressem a sua cruz, e levassem a vergonha do mundo; portanto, eu, Jacó, assumo a responsabilidade de cumprir o mandamento de meu irmão Néfi.
9 Ora, Néfi começou a envelhecer e viu que logo morreria; portanto, ele ungiu um homem para ser rei e governante sobre o seu povo agora, de acordo com os reinados dos reis.
10 O povo amou muito Néfi, tendo ele sido um grande protetor para eles, tendo empunhado a espada de Labão em sua defesa e tendo trabalhado em todos os seus dias para o bem-estar deles; portanto, o povo desejava reter em lembrança seu nome.
11 E os que reinassem em seu lugar eram chamados pelo povo, segundo Néfi, terceiro Néfi, etc., de acordo com os reinados dos reis; e assim eles foram chamados pelo povo, seja qual for o nome que quiserem.
12 E aconteceu que Néfi morreu.
13 Ora, as pessoas que não eram lamanitas eram nefitas; não obstante, eles eram chamados de nefitas, jacobitas, josefitas, zoramitas, lamanitas, lemuelitas e ismaelitas.
14 Mas eu, Jacó, não mais os distinguirei por esses nomes, mas os chamarei de lamanitas, que procuram destruir o povo de Néfi; e aqueles que são amigos de Néfi, chamarei de nefitas, ou povo de Néfi, de acordo com os reinados dos reis.
15 E então aconteceu que o povo de Néfi, sob o reinado do segundo rei, começou a endurecer o coração e a se entregar um pouco a práticas iníquas, como as de Davi no passado, desejando muitas esposas e concubinas , e também Salomão, seu filho:
16 Sim, e eles também começaram a procurar muito ouro e prata e começaram a se exaltar um pouco em orgulho;
17 Portanto, eu, Jacó, dei-lhes estas palavras ao ensiná-los no templo, tendo primeiramente recebido minha incumbência do Senhor.
18 Pois eu, Jacó e meu irmão Joseph, fomos consagrados sacerdotes e mestres deste povo pelas mãos de Néfi.
19 E magnificamos nosso ofício para o Senhor, tomando sobre nós a responsabilidade de responder pelos pecados do povo sobre nossas próprias cabeças, se não lhes ensinássemos a palavra de Deus com toda diligência;
20 Portanto, trabalhando com nossas forças, o sangue deles não poderia cair sobre nossas vestes; caso contrário, o sangue deles cairia sobre nossas vestes, e não seríamos achados imaculados no último dia.

 

Jacó adverte os nefitas

Capítulo 2

1 As palavras que Jacó, irmão de Néfi, falou ao povo de Néfi, após a morte de Néfi:
2 Agora, meus amados irmãos, eu, Jacó, de acordo com a responsabilidade que tenho para com Deus, de engrandecer meu ofício com sobriedade e livrar minhas vestes de vossos pecados, subo hoje ao templo, para que Eu poderia declarar a vocês a palavra de Deus;
3 E vós mesmos sabeis que até agora tenho sido diligente no ofício de minha vocação; mas hoje estou sobrecarregado com muito mais desejo e ansiedade pelo bem-estar de suas almas do que até agora.
4 Pois eis que até agora fostes obedientes à palavra do Senhor, que vos dei.
5 Mas eis que me escutais e sabei que, com a ajuda do todo-poderoso Criador do céu e da terra, posso dizer-vos a respeito de vossos pensamentos, como estais começando a pecar, pecado esse que parece muito abominável para mim, sim, e abominável para Deus.
6 Sim, entristece minha alma e me faz encolher de vergonha diante da presença de meu Criador, ter de vos testificar a respeito da iniqüidade de vosso coração;
7 E também me entristece ter que usar tanta ousadia no falar a respeito de vocês, diante de suas esposas e filhos, muitos cujos sentimentos são extremamente ternos e castos e delicados diante de Deus, coisa que agrada a Deus;
8 E suponho que eles tenham subido aqui para ouvir a agradável palavra de Deus, sim, a palavra que sara a alma ferida.
9 Portanto, pesa-me a alma que eu seja constrangido por causa do estrito mandamento que recebi de Deus, para admoestar-vos, segundo os vossos crimes, a aumentar as feridas dos que já estão feridos, em vez de consolar e curar suas feridas;
10 E aqueles que não foram feridos, em vez de banquetear-se com a agradável palavra de Deus, têm punhais colocados para perfurar suas almas e ferir suas mentes delicadas.
11 Mas, apesar da grandeza da tarefa, devo cumprir os estritos mandamentos de Deus, e falar-vos das vossas maldades e abominações, na presença dos puros de coração e dos quebrantados de coração, e sob o olhar do olho penetrante do Deus Todo-Poderoso.
12 Portanto, devo dizer-lhes a verdade, segundo a clareza da palavra de Deus.
13 Pois eis que, enquanto eu consultava o Senhor, assim veio a palavra a mim, dizendo: Jacó, sobe amanhã ao templo e anuncia a este povo a palavra que eu te darei.
14 E agora eis, meus irmãos, esta é a palavra que vos declaro, que muitos de vós começaram a procurar ouro e prata e toda sorte de minérios preciosos em que esta terra, que é uma terra da promessa para ti e para a tua descendência, abunda em abundância.
15 E a mão da providência sorriu para ti de maneira muito agradável, de modo que obtiveste muitas riquezas;
16 E porque alguns de vós obtiveram mais abundantemente do que vossos irmãos, vos envaidesais no orgulho do vosso coração, e levais duras cerviz e cabeças erguidas, por causa do preço de vossas vestes, e persegueis vossos irmãos, porque supões que sois melhores do que eles.
17 E agora meus irmãos, vocês supõem que Deus os justifica nesta coisa? Eis que vos digo: Não.
18 Mas ele vos condena, e se persistirdes nestas coisas, os seus juízos devem chegar rapidamente a vós.
19 Ah, se ele te mostrasse que pode trespassar você, e com um relance de seu olho, ele pode ferir você até o pó.
20 Oh, que ele te livre desta iniqüidade e abominação.
21 E, oh, se ouvísseis a palavra de seus mandamentos, e não permitais que esse orgulho de vossos corações destrua vossas almas.
22 Pensem em seus irmãos como vocês mesmos, e sejam familiares com todos e livres com seus bens, para que sejam ricos como vocês.
23 Mas antes de buscar riquezas, buscai o reino de Deus.
24 E depois de haverdes obtido a esperança em Cristo, obtereis riquezas, se as buscardes; e os buscareis com a intenção de fazer o bem; vestir os nus, alimentar os famintos, libertar os cativos e dar alívio aos enfermos e aflitos.
25 E agora, meus irmãos, falei-vos do orgulho; e vós, que afligistes o vosso próximo e o perseguistes, porque no vosso coração sois orgulhosos das coisas que Deus vos deu, o que dizeis a respeito?
26 Não supondes que tais coisas são abomináveis para aquele que criou toda a carne?
27 E um ser é tão precioso aos seus olhos quanto o outro.
28 E toda a carne é do pó; e para o mesmo fim os criou, para que guardem seus mandamentos e o glorifiquem para sempre.
29 E agora termino de falar-vos a respeito deste orgulho.
30 E se eu não tivesse que falar com vocês sobre um crime mais grave, meu coração se regozijaria muito por causa de vocês.
31 Mas a palavra de Deus me sobrecarrega por causa de seus crimes mais graves.
32 Pois eis que assim diz o Senhor: Este povo começa a crescer em iniqüidade; eles não entendem as Escrituras; porque procuram desculpar-se cometendo prostituições, por causa das coisas que foram escritas a respeito de Davi e seu filho Salomão.
33 Eis que Davi e Salomão realmente tiveram muitas mulheres e concubinas, o que era abominável diante de mim, diz o Senhor,
34 Portanto, assim diz o Senhor: Conduzi este povo para fora da terra de Jerusalém pelo poder de meu braço, para levantar para mim um ramo justo do fruto dos lombos de José.
35 Portanto, eu, o Senhor Deus, não permitirei que este povo faça como os antigos.
36 Portanto, meus irmãos, ouvi-me e dai ouvidos à palavra do Senhor: Porque nenhum homem entre vós terá, a não ser uma mulher; e concubinas não terá; porque eu, o Senhor Deus, tenho prazer na castidade das mulheres.
37 E as prostituições são uma abominação diante de mim: assim diz o Senhor dos exércitos.
38 Portanto, este povo guardará os meus mandamentos, diz o Senhor dos exércitos, ou maldita seja a terra por causa deles.
39 Porque se eu quiser, diz o Senhor dos exércitos, suscitar descendência para mim, ordenarei ao meu povo; caso contrário, eles ouvirão estas coisas.
40 Pois eis que eu, o Senhor, vi a dor e ouvi o pranto das filhas do meu povo na terra de Jerusalém; sim, e em todas as terras de meu povo, por causa da maldade e abominações de seus maridos.
41 E não permitirei, diz o Senhor dos Exércitos, que subam a mim os clamores das belas filhas deste povo, que tirei da terra de Jerusalém, contra os homens do meu povo, diz o Senhor dos exércitos;
42 Porque não levarão cativas as filhas do meu povo, por causa da sua ternura, sem que eu as visite com uma grande maldição, até à destruição;
43 Porque não se prostituirão, como os antigos, diz o Senhor dos exércitos.
44 E agora, meus irmãos, vocês sabem que esses mandamentos foram dados a nosso pai Leí; portanto, vocês os conheceram antes; e viestes a grande condenação, porque fizestes estas coisas que não devias ter feito.
45 Eis que cometestes maior iniqüidade do que os lamanitas, nossos irmãos.
46 Vós quebranteis o coração de vossas ternas esposas e perdestes a confiança de vossos filhos por causa de vossos maus exemplos diante deles; e os soluços de seus corações sobem a Deus contra vocês.
47 E por causa da severidade da palavra de Deus, que desce contra vós, muitos corações morreram, traspassados de feridas profundas.
48 Mas eis que eu, Jacó, gostaria de falar a vocês que são puros de coração.
49 Olha para Deus com firmeza de espírito, e ora a ele com muita fé, e ele te consolará em tuas aflições, e defenderá tua causa, e fará descer justiça sobre aqueles que buscam a tua destruição.
50 Ó todos os que são puros de coração, levantem a cabeça e recebam a agradável palavra de Deus, e banqueteem-se com seu amor; pois vocês podem, se suas mentes estiverem firmes para sempre.
51 Mas ai, ai, de vós que não sois puros de coração; que estão imundos hoje diante de Deus; pois, a menos que vocês se arrependam, a terra é amaldiçoada por causa de vocês;
52 E os lamanitas que não são imundos como vós (não obstante, são amaldiçoados com uma maldição dolorosa) vos açoitarão até a destruição.
53 E logo vem o tempo em que, a menos que vos arrependais, eles possuirão a terra de vossa herança, e o Senhor Deus tirará os justos do meio de vós.
54 Eis que os lamanitas, vossos irmãos, a quem odiais por causa de sua imundície e das maldições que caíram sobre sua pele, são mais justos do que vós;
55 Porque não se esqueceram dos mandamentos do Senhor, que foram dados a nossos pais, de que tivessem, a não ser que fosse uma mulher; e concubinas não deveriam ter; e não deve haver prostituição cometida entre eles.
56 E agora este mandamento eles observam para guardar; portanto, por causa desta observância em guardar este mandamento, o Senhor Deus não os destruirá, mas será misericordioso com eles; e um dia eles se tornarão um povo abençoado.
57 Eis que seus maridos amam suas esposas e suas esposas amam seus maridos e seus maridos e suas esposas amam seus filhos;
58 E a sua incredulidade e o seu ódio para contigo é por causa da iniqüidade de seus pais; portanto, quão melhor você é do que eles, aos olhos de seu grande Criador?
59 Ó meus irmãos, temo que, a menos que vos arrependais dos vossos pecados, a pele deles será mais branca do que a vossa, quando fordes levados com eles perante o trono de Deus.
60 Portanto, um mandamento vos dou, que é a palavra de Deus, que não os injurieis mais, por causa da escuridão de sua pele; nem os injuriareis por causa de sua imundícia;
61 Mas vós vos lembrareis da vossa própria imundícia, e lembrareis que a imundícia deles veio por causa de seus pais.
62 Portanto, lembrar-vos-eis de vossos filhos, como lhes entristecestes o coração por causa do exemplo que lhes deste;
63 E também, lembrai-vos de que podeis, por causa de vossa imundícia, levar vossos filhos à destruição, e seus pecados se acumularem sobre vossas cabeças no último dia.
64 Ó meus irmãos, dai ouvidos à minha palavra; desperte as faculdades de sua alma; sacudii-vos, para que desperteis do sono da morte;
65 E libertai-vos das penas do inferno, para que não vos torneis anjos do diabo, para serdes lançados naquele lago de fogo e enxofre, que é a segunda morte.
66 E agora eu, Jacó, falei muito mais coisas ao povo de Néfi, advertindo-os contra a fornicação e a lascívia e sobre todo tipo de pecado, contando-lhes as terríveis consequências deles;
67 E uma centésima parte dos procedimentos deste povo, que agora começou a ser numerosa, não pode ser escrita nestas placas;
68 Mas muitos de seus procedimentos estão escritos nas placas maiores, e suas guerras, e suas contendas, e os reinados de seus reis.
69 Essas placas são chamadas de placas de Jacó; e foram feitos pela mão de Néfi.
70 E termino de falar estas palavras.

 

Capítulo 3

1 Ora, eis que aconteceu que eu, Jacó, tendo ministrado muito a meu povo, em palavras (e não posso escrever senão poucas palavras, por causa da dificuldade de gravar nossas palavras em placas), e sabemos que as coisas que escrevemos nas placas devem permanecer;
2 Mas tudo o que escrevemos em qualquer coisa, exceto em placas, deve perecer e desaparecer; mas podemos escrever algumas palavras em placas, que darão a nossos filhos, e também a nossos amados irmãos, um pequeno grau de conhecimento a respeito de nós ou de seus pais.
3 Ora, nisto nos regozijamos; e trabalhamos diligentemente para gravar essas palavras em placas, esperando que nossos amados irmãos e nossos filhos os recebam com coração agradecido e olhem para eles, para que aprendam com alegria e não com tristeza, nem com desprezo em relação a suas primeiros pais:
4 Pois para isso escrevemos estas coisas, para que saibam que sabíamos de Cristo, e tínhamos esperança de sua glória, muitos séculos antes de sua vinda, e não somente nós, nós mesmos, tínhamos esperança de sua glória, mas também todos os santos profetas que existiram antes de nós.
5 Eis que creram em Cristo e adoraram o Pai em seu nome; e também, nós adoramos o Pai em seu nome.
6 E para este fim, guardamos a lei de Moisés, apontando nossas almas para ele; e por causa deles nos é santificado, para justiça, assim como foi imputado a Abraão no deserto, ser obediente aos mandamentos de Deus, oferecendo seu filho Isaque, que é uma semelhança de Deus e seu único Filho gerado.
7 Portanto, examinamos os profetas; e temos muitas revelações e o espírito de profecia, e tendo todos esses testemunhos, obtemos uma esperança e nossa fé se torna inabalável, de modo que podemos verdadeiramente ordenar em nome de Jesus, e as próprias árvores nos obedecem, ou o montanhas, ou as ondas do mar;
8 Não obstante, o Senhor Deus nos mostra nossa fraqueza, para que saibamos que é por sua graça e sua grande condescendência para com os filhos dos homens, que temos poder para fazer essas coisas.
9 Eis que grandes e maravilhosas são as obras do Senhor.
10 Quão insondáveis são as profundezas dos seus mistérios; e é impossível que o homem descubra todos os seus caminhos.
11 E ninguém conhece os seus caminhos, a não ser que lhe sejam revelados; portanto, irmãos, não desprezeis as revelações de Deus.
12 Pois eis que, pelo poder de sua palavra, o homem veio à face da terra; qual terra foi criada pelo poder de sua palavra.
13 Portanto, se Deus, podendo falar, e o mundo existissem; e falar, e o homem foi criado, ó então, por que não pode comandar a terra, ou a obra de suas mãos sobre a face dela, de acordo com sua vontade e prazer.
14 Portanto, irmãos, não procureis aconselhar o Senhor, mas ouvir conselhos de sua mão.
15 Pois eis que vós mesmos sabeis que ele aconselha com sabedoria e justiça e com grande misericórdia sobre todas as suas obras;
16 Portanto, amados irmãos, reconciliai-vos com ele, pela expiação de Cristo, seu Filho unigênito.
17 Para que alcanceis a ressurreição, segundo o poder da ressurreição que há em Cristo, e vos apresenteis a Deus como primícias de Cristo, tendo fé, e nele alcanceis boa esperança de glória, antes que se manifeste na carne.
18 E agora, amados, não vos maravilheis que eu vos diga estas coisas; pois por que não falar da expiação de Cristo e alcançar um conhecimento perfeito dele, como alcançar o conhecimento de uma ressurreição e do mundo vindouro?
19 Eis, meus irmãos, aquele que profetiza, profetize para o entendimento dos homens; porque o Espírito fala a verdade e não mente.
20 Portanto, fala das coisas como realmente são e das coisas como realmente serão; portanto, essas coisas nos são manifestadas claramente, para a salvação de nossas almas.
21 Mas eis que não somos apenas testemunhas destas coisas; porque Deus também os falou aos profetas da antiguidade.
22 Mas eis que os judeus eram um povo obstinado; e desprezaram as palavras claras, e mataram os profetas, e procuraram coisas que não podiam compreender.
23 Portanto, por causa de sua cegueira, que a cegueira veio ao olhar além do alvo, eles devem cair:
24 Porque Deus lhes tirou a sua clareza e lhes deu muitas coisas que não podem compreender, porque o desejavam.
25 E porque eles o desejaram, Deus o fez, para que tropecem.
26 E agora eu, Jacó, sou guiado pelo Espírito a profetizar; porque percebo pelas obras do Espírito que há em mim que, pelo tropeço dos judeus, rejeitarão a pedra sobre a qual edificariam, e tem base segura.
27 Mas eis que, de acordo com as escrituras, esta pedra se tornará o grande e o último e o único alicerce seguro sobre o qual os judeus podem construir.
28 E agora, meus amados, como é possível que estes, depois de terem rejeitado o fundamento seguro, possam edificar sobre ele, para que se torne a cabeça de seu canto?
29 Eis, meus amados irmãos, revelar-vos-ei este mistério; se eu não for, de modo algum me abalar da minha firmeza no Espírito e tropeçar por causa da minha ansiedade excessiva por você.
30 Eis, meus irmãos, não vos lembrais de ter lido as palavras do profeta Zenos, que falou à casa de Israel, dizendo: Escutai, ó casa de Israel, e ouvi as minhas palavras, profeta do Senhor :
31 Pois eis que assim diz o Senhor: Eu te compararei, ó casa de Israel, a uma oliveira mansa, que um homem tomou e cultivou em sua vinha; e ela cresceu, envelheceu e começou a se deteriorar.
32 E aconteceu que o dono da vinha saiu e viu que sua oliveira começou a apodrecer; e ele disse: Vou podá-lo, cavar ao redor e nutri-lo, para que talvez brote galhos jovens e tenros, e não pereça.
33 E aconteceu que ele a podou, e cavou ao redor dela, e a nutriu, conforme sua palavra.
34 E aconteceu que, depois de muitos dias, começou a produzir ramos pequenos, jovens e tenros; mas eis que o seu topo principal começou a perecer.
35 E aconteceu que o dono da vinha o viu e disse a seu servo: Lamento perder esta árvore;
36 Portanto, vá e arranque os ramos de uma oliveira brava, e traga-os aqui; e arrancaremos os ramos principais que começam a murchar e os lançaremos no fogo, para que sejam queimados.
37 E eis que, diz o Senhor da vinha, tiro muitos desses ramos jovens e tenros e os enxertarei onde quiser;
38 E não importa que, se a raiz desta árvore perecer, eu possa guardar o fruto dela para mim mesmo;
39 Portanto, tomarei estes ramos jovens e tenros e os enxertarei onde quiser.
40 Toma os ramos da oliveira brava e enxerta-os em seu lugar;
41 E estes que eu arranquei, lançarei no fogo e os queimarei, para que não sobrecarreguem o solo da minha vinha.
42 E aconteceu que o servo do Senhor da vinha fez de acordo com a palavra do Senhor da vinha e enxertou os ramos da oliveira brava.
43 E o Senhor da vinha fez com que fosse cavada, podada e nutrida, dizendo a seu servo: Lamento perder esta árvore;
44 Portanto, para que talvez eu possa preservar suas raízes para que não pereçam, para que eu as preserve para mim mesmo, fiz isso.
45 Portanto, vai; vigie a árvore e alimente-a, de acordo com minhas palavras.
46 E estes porei na parte mais baixa de minha vinha, onde quer que eu queira, não importa para ti;
47 E faço-o para conservar para mim os ramos naturais da árvore; e também para que eu acumule fruto para mim mesmo a tempo; porque me dói perder esta árvore e o seu fruto.
48 E aconteceu que o Senhor da vinha seguiu seu caminho e escondeu os ramos naturais da oliveira mansa nas partes mais baixas da vinha; alguns em um, e alguns em outro, de acordo com sua vontade e prazer.
49 E aconteceu que muito tempo se passou, e o Senhor da vinha disse a seu servo: Venha, desçamos à vinha, para trabalharmos na vinha.
50 E aconteceu que o Senhor da vinha, e também o servo, desceram à vinha para trabalhar.
51 E aconteceu que o servo disse a seu senhor: Eis que olha aqui; eis a árvore.
52 E aconteceu que o Senhor da vinha olhou e viu a árvore na qual os ramos da oliveira brava haviam sido enxertados; e ela brotou e começou a dar frutos.
53 E viu que era bom; e o seu fruto era semelhante ao fruto natural.
54 E disse ao servo: Eis que os ramos da árvore selvagem se apoderaram da umidade da sua raiz, de modo que a sua raiz produziu muita força;
55 E por causa da grande força da sua raiz, os ramos bravios produziram frutos mansos:
56 Agora, se não tivéssemos enxertado nestes ramos, sua árvore teria perecido.
57 E agora, eis que plantarei muitos frutos que a sua árvore produziu; e o seu fruto guardarei, para a estação, para mim mesmo.
58 E aconteceu que o Senhor da vinha disse ao servo: Venha, vamos às partes mais baixas da vinha e eis que se os ramos naturais da árvore também não deram muito fruto, para que eu possa acumulei do seu fruto, a tempo, para mim mesmo.
59 E aconteceu que foram para onde o dono da vinha escondera os ramos naturais da árvore e disse ao servo: Eis estes:
60 E ele viu a primeira, que tinha dado muito fruto; e viu também que era bom.
61 E disse ao servo: Toma do seu fruto e guarda-o para a estação, para que eu o conserve para mim mesmo;
62 Pois eis que, disse ele, há muito tempo tenho nutrido, e deu muito fruto.
63 E aconteceu que o servo disse ao seu senhor: Como vieste aqui plantar esta árvore, ou este ramo da árvore? pois eis que era o lugar mais pobre de toda a terra da tua vinha.
64 E o Senhor da vinha disse-lhe: Não me aconselhes; eu sabia que era um terreno pobre; portanto, eu te disse, tenho nutrido por tanto tempo; e vês que deu muito fruto.
65 E aconteceu que o Senhor da vinha disse a seu servo: Olha aqui: eis que também plantei outro ramo da árvore; e tu sabes que este terreno era mais pobre do que o primeiro.
66 Mas eis a árvore: há muito que a tenho nutrido, e deu muito fruto; portanto, reúna-o e guarde-o para a estação, para que eu possa preservá-lo para mim mesmo.
67 E aconteceu que o Senhor da vinha disse novamente a seu servo: Olha aqui e vê também outro ramo que plantei; eis que também o alimentei, e deu fruto.
68 E disse ao servo: Olha aqui e eis o último: eis que plantei isto num bom terreno; e eu a tenho nutrido por tanto tempo, e apenas uma parte da árvore deu frutos mansos; e a outra parte da árvore produziu frutos silvestres; eis que tenho cultivado esta árvore como as outras.
69 E aconteceu que o Senhor da vinha disse ao servo: Arranque os ramos que não deram bons frutos e lance-os no fogo.
70 Mas eis que o servo lhe disse: Vamos podá-la, e cavar ao redor dela, e alimentá-la um pouco mais, para que talvez te dê bons frutos, e o possas plantar para a estação.
71 E aconteceu que o Senhor da vinha e o servo do Senhor da vinha nutriram todos os frutos da vinha.
72 E aconteceu que muito tempo se passou e o Senhor da vinha disse a seu servo: Venha, desçamos à vinha, para que possamos trabalhar novamente na vinha.
73 Pois eis que o tempo se aproxima e o fim logo vem; portanto, devo acumular frutos, para a estação, para mim mesmo.
74 E aconteceu que o Senhor da vinha e o servo desceram à vinha; e chegaram à árvore cujos ramos naturais haviam sido quebrados, e os ramos silvestres haviam sido enxertados; e eis que toda sorte de frutos sobrecarregava a árvore.
75 E aconteceu que o Senhor da vinha provou do fruto, de toda espécie de acordo com seu número.
76 E o Senhor da vinha disse: Eis que durante muito tempo temos nutrido esta árvore e tenho guardado para mim mesmo para a estação, muito fruto.
77 Mas eis que desta vez deu muito fruto, e não há nenhum que seja bom.
78 E eis que há todo tipo de frutos ruins; e nada me aproveita, apesar de todo o nosso trabalho; e agora, entristece-me perder esta árvore.
79 E o Senhor da vinha disse ao servo: Que faremos à árvore, para que eu possa conservar novamente bons frutos dela para mim mesmo?
80 E o servo disse a seu senhor: Eis que porque enxertaste nos ramos da oliveira brava, eles nutriram as raízes, que estão vivas e não pereceram; portanto, tu vês que eles ainda são bons.
81 E aconteceu que o Senhor da vinha disse a seu servo: A árvore para nada me aproveita; e as suas raízes de nada me aproveitam, enquanto der maus frutos.
82 No entanto, sei que as raízes são boas; e para meu próprio propósito eu os preservei; e por causa de sua grande força, eles até agora produziram bons frutos dos galhos selvagens.
83 Mas eis que os galhos selvagens cresceram e ultrapassaram as suas raízes; e, porque os galhos selvagens venceram as suas raízes, deu muito mau fruto;
84 E por ter produzido tantos maus frutos, vês que começa a perecer; e logo ficará maduro, para ser lançado no fogo, a menos que façamos algo para preservá-lo.
85 E aconteceu que o Senhor da vinha disse a seu servo: Desçamos às partes mais baixas da vinha e eis que os ramos naturais também produziram maus frutos.
86 E aconteceu que desceram às partes mais baixas da vinha.
87 E aconteceu que viram que o fruto dos ramos naturais também se corrompera; sim, o primeiro e o segundo, e também o último; e todos eles se tornaram corruptos.
88 E o último fruto silvestre havia vencido aquela parte da árvore que produzia bons frutos, mesmo que o galho tivesse murchado e morrido.
89 E aconteceu que o Senhor da vinha chorou e disse ao servo: O que eu poderia ter feito mais por minha vinha?
90 Eis que eu sabia que todos os frutos da vinha, exceto estes, haviam se corrompido.
91 E agora, estes que uma vez produziram bons frutos, também se corromperam.
92 E agora, todas as árvores da minha vinha não servem para nada, a não ser para serem cortadas e lançadas no fogo.
93 E eis que este último, cujo ramo murchou, plantei em boa terra; sim, mesmo aquilo que foi escolhido para mim, acima de todas as outras partes da terra de minha vinha.
94 E tu viste que eu também derrubei o que sobrecarregava este terreno, para que eu pudesse plantar esta árvore em seu lugar.
95 E viste que uma parte dela produziu bons frutos; e uma parte dela, produziu frutos silvestres.
96 E porque não arranquei os seus ramos e os lancei no fogo, eis que venceram o ramo bom, que secou.
97 E agora eis que, apesar de todo o cuidado que tomamos com minha vinha, suas árvores se corromperam, de modo que não produzem bons frutos:
98 E estes eu esperava preservar, para deles ter depositado frutos, para a estação, para mim mesmo.
99 Mas eis que se tornaram como a oliveira brava; e eles não têm valor, senão para serem cortados e lançados no fogo; e entristece-me perdê-los.
100 Mas o que eu poderia ter feito mais na minha vinha?
101 Afrouxei minha mão para que não a alimentei?
102 Não; Eu o alimentei, e cavei ao redor dele, e o podei e o estrumei; e estendi a mão quase todo o dia; e o fim se aproxima.
103 E entristece-me ter que cortar todas as árvores de minha vinha e lançá-las no fogo, para que sejam queimadas.
104 Quem é que corrompeu minha vinha?
105 E aconteceu que o servo disse a seu senhor: Não é a altura da tua vinha?
106 Os seus ramos não superaram as raízes, que são boas?
107 E porque os ramos superaram as suas raízes, eis que eles cresceram mais rápido do que a força das raízes, tomando força para si mesmos.
108 Eis que digo: Não é esta a causa de que as árvores da tua vinha se corromperam?
109 E aconteceu que o Senhor da vinha disse ao servo: Vamos cortar as árvores da vinha, e lançá-las no fogo, para que não obstruam o solo de minha vinha; porque Eu fiz tudo; o que eu poderia ter feito mais pela minha vinha?
110 Mas eis que o servo disse ao Senhor da vinha: Poupa-o mais um pouco.
111 E o Senhor disse: Sim, vou poupá-lo um pouco mais: porque me entristece perder as árvores de minha vinha.
112 Portanto, tomemos os ramos destes que plantei nos confins da minha vinha e os enxertemos na árvore de onde eles vieram;
113 E colhamos da árvore os ramos cujo fruto é mais amargo, e enxertemos os ramos naturais da árvore em seu lugar.
114 E isso farei, para que a árvore não pereça, para que talvez eu possa preservar para mim mesmo suas raízes, para meu próprio propósito.
115 E eis que as raízes dos ramos naturais da árvore que plantei onde quis, ainda estão vivas;
116 Portanto, para que eu também os preserve, para meu próprio propósito, tomarei dos ramos desta árvore e os enxertarei neles.
117 Sim, enxertarei neles os ramos de sua árvore-mãe, para que eu possa preservar as raízes também para mim mesmo, para que, quando forem suficientemente fortes, talvez possam produzir bons frutos para mim e eu ainda glorie-se no fruto da minha vinha.
118 E aconteceu que eles tomaram da árvore natural que se tornou selvagem, e enxertaram nas árvores naturais que também se tornaram selvagens:
119 E eles também tomaram das árvores naturais que se tornaram selvagens, e enxertaram em sua árvore mãe.
120 E o Senhor da vinha disse ao servo: Não arranque os ramos selvagens das árvores, a não ser os mais amargos; e neles enxertareis, conforme o que eu disse.
121 E voltaremos a nutrir as árvores da vinha e apararemos seus ramos; e arrancaremos das árvores os ramos maduros que devem perecer e os lançaremos no fogo.
122 E isto eu faço, para que talvez as suas raízes tomem força, por causa de sua bondade; e por causa da mudança dos ramos, para que o bem vença o mal;
123 E porque tenho preservado os ramos naturais e suas raízes; e que eu enxertei nos ramos naturais novamente, em sua árvore-mãe; e conservaram as raízes de sua árvore-mãe, para que talvez as árvores de minha vinha produzam bons frutos;
124 E para que eu volte a ter alegria no fruto da minha vinha; e talvez eu possa regozijar-me muito por ter preservado as raízes e os ramos das primícias.
125 Portanto, vai e chama servos, para que trabalhemos diligentemente na vinha, a fim de prepararmos o caminho, para que eu produza novamente o fruto natural, cujo fruto natural é bom e o mais precioso acima todas as outras frutas.
126 Portanto, vamos e trabalhemos com todas as nossas forças, por esta última vez; pois eis que o fim se aproxima; e esta é a última vez que podarei minha vinha.
127 Enxerto nos ramos; comecem por último, para que sejam os primeiros, e para que os primeiros sejam os últimos, e cavem em volta das árvores, velhas e jovens, as primeiras e as últimas, e as últimas e as primeiras, para que todos possam se alimentar novamente pela última vez.

128 Portanto, cava ao redor deles, e poda-os, e torna a estercá-los, pela última vez; porque o fim está próximo.
129 E se esses últimos enxertos crescerem e produzirem o fruto natural, então preparareis o caminho para eles, para que cresçam;
130 E quando eles começarem a crescer, vós devereis remover os ramos que dão frutos amargos, de acordo com a força do bem e o tamanho dele;
131 E não eliminareis o mal de uma só vez, para que as raízes não sejam fortes demais para o enxerto, e o enxerto pereça, e eu perca as árvores de minha vinha.
132 Pois entristece-me perder as árvores da minha vinha; portanto, eliminareis o mal, à medida que o bem crescer, para que a raiz e a copa sejam iguais em força, até que o bem vença o mal, e o mal seja cortado e lançado no fogo, para que não sobrecarregue o solo da minha vinha; e assim varrerei o mal da minha vinha.
133 E os ramos da árvore natural enxertarei novamente, na árvore natural; e os ramos da árvore natural enxertarei nos ramos naturais da árvore;
134 E assim os reunirei novamente, para que produzam o fruto natural; e eles serão um.
135 E os maus serão lançados fora; sim, de toda a terra de minha vinha; pois eis que só esta vez podarei a minha vinha.
136 E aconteceu que o Senhor da vinha enviou seu servo; e o servo foi e fez como o Senhor lhe ordenara, e trouxe outros servos; e eram poucos.
137 E o Senhor da vinha disse-lhes: Ide e trabalhai na vinha, com vossas forças.
138 Pois eis que esta é a última vez que cuidarei da minha vinha: porque o fim está próximo, e a estação rapidamente vem;
139 E se trabalhardes comigo com todas as vossas forças, tereis alegria no fruto que eu guardarei para mim, para o tempo que em breve virá.
140 E aconteceu que os servos foram e trabalharam com todas as suas forças; e o Senhor da vinha também trabalhou com eles; e eles obedeceram aos mandamentos do Senhor da vinha, em todas as coisas.
141 E começou a haver o fruto natural novamente na vinha; e os ramos naturais começaram a crescer e prosperar excessivamente;
142 E os ramos selvagens começaram a ser arrancados e lançados fora; e mantiveram a sua raiz e o seu topo iguais, conforme a sua força.
143 E assim trabalharam, com toda diligência, de acordo com os mandamentos do Senhor da vinha, até que os maus foram expulsos da vinha e o Senhor preservou para si mesmo, que as árvores se tornaram novamente o fruta;
144 E eles se tornaram como um corpo; e os frutos eram iguais; e o Senhor da vinha havia preservado para si o fruto natural, que lhe era muito precioso desde o princípio.
145 E aconteceu que quando o Senhor da vinha viu que seu fruto era bom e que sua vinha não era mais corrupta, chamou seus servos e disse-lhes: Eis que esta última vez nutrimos minha vinha ; e tu vês que fiz segundo a minha vontade;
146 E guardei o fruto natural, que é bom, como era no princípio; e bendito és tu.
147 Porque porque fostes diligentes em trabalhar comigo em minha vinha e guardastes meus mandamentos e trouxestes-me novamente o fruto natural, de modo que minha vinha não se corrompeu e o mal foi lançado fora, eis que alegrai-vos comigo, por causa do fruto da minha vinha.
148 Pois eis que por muito tempo guardarei do fruto de minha vinha para mim mesmo, para a estação que logo vem;
149 E pela última vez nutri minha vinha, e a podei, e cavei ao redor dela, e a estrumei;
150 Portanto, por muito tempo porei do fruto para mim mesmo, conforme o que tenho falado.
151 E quando chegar o tempo em que os maus frutos voltarão à minha vinha, então farei com que os bons e os maus sejam colhidos:
152 E o bem eu preservo para mim mesmo; e o mal lançarei no seu próprio lugar.
153 E então vem a estação e o fim; e a minha vinha farei queimar a fogo.

 

Capítulo 4

1 E agora, eis, meus irmãos, como vos disse que iria profetizar, eis que esta é a minha profecia:
2 Que as coisas que este profeta Zenos falou a respeito da casa de Israel, nas quais ele os comparou a uma oliveira mansa, certamente deve acontecer.
3 E no dia em que ele voltar a pôr a mão pela segunda vez para recuperar seu povo, será o dia, sim, a última vez, em que os servos do Senhor sairão em seu poder para nutrir e podar sua vinha ; e depois disso, o fim logo vem.
4 E quão bem-aventurados são aqueles que trabalharam diligentemente em sua vinha; e quão amaldiçoados são aqueles que serão lançados em seu próprio lugar!
5 E o mundo será queimado com fogo.
6 E quão misericordioso é o nosso Deus para conosco; porque ele se lembra da casa de Israel, tanto das raízes como dos ramos; e estende-lhes as mãos todo o dia;
7 E eles são um povo obstinado e rebelde; mas todos os que não endurecerem o coração serão salvos no reino de Deus.
8 Portanto, meus amados irmãos, rogo-vos em palavras de sobriedade que vos arrependais e vos aproximeis de todo o coração e vos apegueis a Deus como ele vos apega.
9 E enquanto seu braço de misericórdia está estendido para vocês na luz do dia, não endureçam seus corações.
10 Sim, hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações; pois por que morrereis?
11 Pois eis que, depois de terdes sido alimentados pela boa palavra de Deus durante todo o dia, produzireis maus frutos, para que sejais cortados e lançados no fogo?
12 Eis que rejeitareis estas palavras?
13 Vocês rejeitarão as palavras dos profetas e rejeitarão todas as palavras que foram ditas a respeito de Cristo, depois que tantos falaram a respeito dele? e negar a boa palavra de Cristo, e o poder de Deus, e o dom do Espírito Santo, e apagar o Espírito Santo? e zombar do grande plano de redenção que foi preparado para você?
14 Não sabeis vós que, se fizerdes estas coisas, que o poder da redenção e da ressurreição que há em Cristo vos fará comparecer com vergonha e terrível culpa perante o tribunal de Deus?
15 E de acordo com o poder da justiça, pois a justiça não pode ser negada, deveis ir para aquele lago de fogo e enxofre, cujas chamas são inextinguíveis e cuja fumaça sobe para todo o sempre, lago de fogo e enxofre, é um tormento sem fim.
16 Então, meus amados irmãos, arrependei-vos e entrai pela porta estreita e continuai no caminho estreito, até que alcanceis a vida eterna.
17 Sê sábio: o que mais posso dizer?
18 Finalmente, despeço-me de vocês, até que eu os encontre diante do agradável tribunal de Deus, o qual fere os ímpios com terrível pavor e medo. Um homem.

 

capítulo 5

1 E aconteceu que, passados alguns anos, surgiu um homem entre o povo de Néfi, cujo nome era Serém.
2 E aconteceu que ele começou a pregar entre o povo e a declarar-lhes que não deveria haver Cristo.
3 E pregava muitas coisas que lisonjeavam o povo; e isso ele fez para derrubar a doutrina de Cristo.
4 E trabalhou diligentemente para desviar o coração do povo, de modo que desviou muitos corações;

5 E ele, sabendo que eu, Jacó, tinha fé em Cristo que viria, procurou muitas oportunidades para vir a mim.
6 E ele era instruído, que conhecia perfeitamente a língua do povo; portanto, ele poderia usar muita lisonja e muito poder de fala, de acordo com o poder do diabo.
7 E ele tinha esperança de me abalar da fé, apesar das muitas revelações e das muitas coisas que eu tinha visto a respeito dessas coisas; pois eu realmente tinha visto anjos, e eles me serviram.
8 E também, de tempos em tempos, eu tinha ouvido a voz do Senhor falando-me em palavras exatas; portanto, eu não podia ser abalado.
9 E aconteceu que ele veio a mim; e assim me falou, dizendo: Irmão Jacó, tenho procurado muitas oportunidades para falar-te; porque tenho ouvido e também sei que muito andas, pregando o que chamas evangelho, ou a doutrina de Cristo;
10 E desviastes grande parte deste povo, que perverte o caminho certo de Deus e não guarda a lei de Moisés, que é o caminho certo; e converta a lei de Moisés na adoração de um ser, que você diz que virá muitas centenas de anos depois.
11 E agora, eis que eu, Serém, vos declaro que isto é blasfêmia; pois ninguém sabe de tais coisas, pois não pode falar das coisas vindouras.
12 E desta maneira Serem contendeu contra mim.
13 Mas eis que o Senhor Deus derramou seu Espírito em minha alma, de modo que o confundi em todas as suas palavras.
14 E eu lhe disse: Nega tu o Cristo que há de vir?
15 E ele disse: Se houvesse um Cristo, eu não o negaria; mas sei que não existe Cristo, nem existiu nem existirá.
16 E eu lhe disse: Acreditas nas escrituras?
17 E ele disse: Sim.
18 E eu lhe disse: Então não os entendeis; pois eles realmente testificam de Cristo.
19 Eis que vos digo que nenhum dos profetas escreveu nem profetizou, a não ser que tenha falado a respeito deste Cristo.
20 E isto não é tudo: foi-me manifestado, porque ouvi e vi; e também me foi manifestado pelo poder do Espírito Santo;
21 Portanto, sei que se não houver expiação, toda a humanidade se perderá.
22 E aconteceu que ele me disse: Mostra-me um sinal pelo poder do Espírito Santo, no qual sabes tanto.
23 E eu lhe disse: Que sou eu, para tentar a Deus, para te mostrar um sinal, naquilo que sabes ser verdade?
24 No entanto, tu o negarás, porque tu és do diabo.
25 Contudo, não se faça a minha vontade; mas se Deus te ferir, que isso te sirva de sinal de que ele tem poder, tanto no céu como na terra; e também, que Cristo virá.
26 E seja feita a tua vontade, ó Senhor, e não a minha.
27 E aconteceu que quando eu, Jacó, pronunciei estas palavras, o poder do Senhor veio sobre ele, de modo que ele caiu por terra.
28 E aconteceu que ele foi alimentado por muitos dias.
29 E aconteceu que disse ao povo: Reúnam-se amanhã, porque morrerei; portanto, desejo falar ao povo, antes que eu morra.
30 E aconteceu que no dia seguinte a multidão se reuniu; e falou-lhes claramente e negou as coisas que lhes havia ensinado; e confessou o Cristo, e o poder do Espírito Santo, e o ministério de anjos.
31 E ele lhes disse claramente que havia sido enganado pelo poder do diabo.
32 E ele falou do inferno, e da eternidade, e do castigo eterno.
33 E ele disse: Temo ter cometido o pecado imperdoável, porque menti a Deus; porque neguei o Cristo e disse que cria nas Escrituras; e eles realmente testificam dele.
34 E porque assim menti a Deus, temo muito que meu caso seja terrível; mas confesso a Deus.
35 E aconteceu que, tendo dito estas palavras, nada mais pôde dizer; e ele entregou o fantasma.
36 E quando a multidão testemunhou que ele falava essas coisas quando estava prestes a entregar o espírito, eles ficaram muito surpresos; de modo que o poder de Deus desceu sobre eles, e foram vencidos, que caíram por terra.
37 Ora, isso me agradou, Jacó; porque eu o havia pedido a meu Pai que está nos céus; porque ele ouviu o meu clamor e respondeu à minha oração.
38 E aconteceu que a paz e o amor de Deus foram restaurados novamente entre o povo; e eles examinaram as escrituras e não deram mais ouvidos às palavras deste homem ímpio.
39 E aconteceu que muitos meios foram inventados para recuperar e restaurar os lamanitas ao conhecimento da verdade; mas foi tudo em vão: porque eles
deliciado com guerras e derramamento de sangue; e eles tinham um ódio eterno contra nós, seus irmãos.
40 E eles procuravam pelo poder de seus braços destruir-nos continuamente;
41 Portanto, o povo de Néfi se fortificou contra eles com seus exércitos e com todas as suas forças, confiando no Deus e rocha de sua salvação; portanto, eles se tornaram ainda conquistadores de seus inimigos.
42 E aconteceu que eu, Jacó, comecei a envelhecer; e o registro desse povo sendo mantido nas outras placas de Néfi, portanto, concluo este registro, declarando que escrevi de acordo com o melhor de meu conhecimento, dizendo:
43 Que o tempo passou conosco, e também nossas vidas passaram como um sonho para nós, sendo nós um povo solitário e solene, errantes, expulsos de Jerusalém;
44 Nascido em tribulação, no deserto, e odiado por nossos irmãos, o que causou guerras e contendas; portanto, lamentamos nossos dias.
45 E eu, Jacó, vi que em breve devo descer à minha sepultura; portanto, eu disse a meu filho Enos: Pegue estas placas.
46 E contei-lhe as coisas que meu irmão Néfi me havia ordenado; e ele prometeu obediência aos mandamentos.
47 E termino minha escrita nestas placas, cuja escrita tem sido pequena;
48 E ao leitor me despeço, esperando que muitos de meus irmãos possam ler minhas palavras. Irmãos, adeus.

Biblioteca das Escrituras:

Dica de pesquisa

Digite uma única palavra ou use aspas para pesquisar uma frase inteira (por exemplo, "porque Deus amou o mundo de tal maneira").

scripture

Para recursos adicionais, visite nosso Recursos para membros página.